Trabalho Fisiologia no Envelhecimento

6.609 visualizações

Publicada em

Trabalho Fisiologia no Envelhecimento. 3º período em Educação Fisica. Trabalho com base de dados tirados da internet, feito por mim (Douglas Henrique), Moises, Camila, Eduardo e Wagner

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.609
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
221
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
263
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho Fisiologia no Envelhecimento

  1. 1. Fisiologia do Envelhecimento
  2. 2. O envelhecimento é um processo contínuo que começa desde que nascemos e inevitavelmente nos conduz à morte. É um processo de deterioração da função de órgãos e das funções biológicas ou do simples fator que é o tempo.
  3. 3. Alterações Relacionadas com o Sistema Cardiovascular - O músculo cardíaco perde sua eficiência e sua força contrátil, resultando na diminuição do débito cardíaco, que é a quantidade de sangue que o coração bombeia por minuto. -Com o envelhecimento produz mudanças progressivas na estrutura do coração. As válvulas aórtica e mitral se espessam e calcificam o que pode interferir no seu fechamento normal. -No miocárdio (músculo do coração) o número de miócitos (células musculares) diminui, havendo uma maior deposição de células adiposas (células de gordura). O pericárdio (revestimento externo do coração) também se torna mais espesso. O coração, num todo, torna-se mais rígido.
  4. 4. -O enrijecimento dessas artérias promove elevação dos níveis da pressão arterial sistólica. -Alterações na condução de distribuição de sangue pelo corpo Veias que devido ao espessamento das túnicas, limitam a passagem do sangue e, como resultados dessa falta de nutrição destroem a vida dos idosos sem provocar febre e os idosos enfraquecem pouco em uma morte lenta.
  5. 5. Alterações Relacionadas com o Sistema Respiratório -Diminuição da capacidade vital Capacidade vital é o volume de ar que os nossos pulmões podem expelir, logo após uma inspiração profunda máxima, normalmente o homem tem uma capacidade vital de 4,5 litros e a mulher uma capacidade vital de 3,2 litros. -Diminuição do volume residual Que é o volume de ar que permanece no pulmão ao fim de uma expiração máxima. -Diminuição da eficácia e da capacidade pulmonar. É o volume total de ar que cabe no sistema respiratório. -Diminuição da elasticidade do tecido pulmonar e enfraquecimento dos músculos do diafragma e intercostais.
  6. 6. Diminuição da função pulmonar em geral tornando os pulmões mais vulneráveis.
  7. 7. CURIOSIDADE -Problemas respiratórios e respirações mal realizadas levam pouca quantidade de oxigênio às células e, consequentemente, aumentam a quantidade de radicais livres dentro delas, isto provoca uma aceleração no envelhecimento celular e até o desenvolvimento de câncer. Já uma respiração bem realizada traz inúmeros benefícios, além de ser capaz de retardar processo de envelhecimento.
  8. 8. Alterações Relacionadas com o Sistema Nervoso Declínio nos neurotransmissores, alterações na vasculatura do sistema nervoso central Redução progressiva do número de neurônios cerebrais Lentificação da velocidade de condução nervosa Acumulação de amiloide Fluxo sanguíneo cerebral alterado Perda de axónios motores e sensoriais Alterações da mielina e depois consequentemente alterações no músculo esquelético associado.
  9. 9. Alterações Relacionadas com o Sistema Musculo esquelético Diminuição da massa muscular Alterações na remodelação óssea Perda de massa óssea Atrofia muscular Degeneração da cartilagem
  10. 10. Alterações relacionadas com a pele Há perda de água da pele (desidratação) Desaparecimento de fibras de colágeno e de proteína que são a base da sua elasticidade Há diminuição de glândulas sebáceas e sudoríparas. Diminuição dos vasos sanguíneos e também da sua função imunológica, facilitando as infecções
  11. 11. Idosos usam videogame para manter o cérebro ativo Em estudo pioneiro conduzido na PUCRS, em Porto Alegre, idosos se divertem e utilizam tecnologia de videogames de última geração para estimular e recuperar a memória
  12. 12. Do senso de oportunidade de uma psicóloga gaúcha surgiu uma ideia: usar uma tecnologia dominada quase só por crianças e jovens para estimular a atividade cerebral de idosos com queixas de falhas de memória. O resultado é que, duas vezes por semana, em uma pequena sala da Faculdade de Informática da PUCRS, pacientes indicados pelo hospital da universidade brincam em um videogame que os ajuda a recuperar a memória e a estimular a atividade cerebral. A responsável pela criação e execução do projeto é Simone Assis, 36 anos. Formada em psicologia pela Ulbra, Simone se interessou em neuroreabilitação (recuperação de memória e estudo do cérebro), área em que tem mestrado e agora faz doutorado sob orientação do professor Ivan Izquierdo, uma das maiores referências mundiais na área.
  13. 13. O projeto idealizado por Simone é multidisciplinar, integrado por uma grande equipe. A psicóloga trabalha em parceria com Instituto do Cérebro, Faculdade de Informática e Instituto de Geriatria e Gerontologia. O objetivo é usar o Kinect – sensor de movimentos desenvolvido pela Microsoft para o Xbox – como aparelho de exercício da memória. — A ideia inicial era trabalhar com o Wii (videogame da Nintendo), mas já existiam vários estudos com essa ferramenta. Com o Xbox, não havia nenhum, e permitiria que os idosos se expressassem mais livremente — conta Simone.
  14. 14. Definida a forma de trabalho, passaram-se alguns meses de reuniões com professores e pedidos de verba para tornar o projeto viável. A PUCRS e a Microsoft compraram a ideia: estão financiando os estudos e provendo o material solicitado por Simone, que vibra com a aceitação e os resultados apresentados pelos idosos. Os jogos escolhidos pela equipe foram concebidos em parceria com a equipe do professor Izquierdo e desenvolvidos do zero por estudantes dos cursos de Engenharia e Ciência da Computação. — A novidade de uma tecnologia como o Kinect estimula o uso das capacidades motoras e cognitivas dos pacientes, que já estão apresentando melhora em quadros de distúrbios leves de memória — avalia a psicóloga.
  15. 15. Ênio Faber, 68 anos, é um dos que mais tem a comemorar com os benefícios trazidos pelo estímulo do videogame. O idoso sofria com problemas de memória e chegou a se perder ao sair para comprar pão em um supermercado a duas quadras de casa. Quando o estudo for concluído — em agosto do próximo ano, após terem sido avaliados 150 idosos — as técnicas poderão ser aplicadas em maior escala. O Escritório de Transferência de Tecnologia da universidade já foi acionado para uso fora do ambiente acadêmico. Márcio Pinho, professor da Faculdade de Informática e um dos supervisores do projeto, resume: — É a tecnologia em seu melhor momento, servindo à área da saúde, para de fato ajudar pessoas — avalia.
  16. 16. Como o videogame ajuda a ativar o cérebro? Lobos frontais e pré-frontal As funções dos lobos frontais e pré-frontal, ligadas à tomada de decisão, ao controle motor e à atenção, diminuem com o envelhecimento. É como se os dados estivessem lá, mas não pudessem ser acessados. A experiência desperta o interesse dos idosos, aumentando o fluxo sanguíneo na região. Lobo temporal Os jogos funcionam como instrumentos de modulação cognitiva, por meio de alterações bioquímicas e na estrutura do cérebro. Entre as áreas estimuladas pela interação com o Kinect está a temporal, ligada à memória e à aprendizagem. Além de recuperar a memória, facilita o registro de novas informações com melhor desempenho.
  17. 17. A população idosa no Brasil A população idosa tende a aumentar no Brasil. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o País tinha 21 milhões de pessoas com idade igual ou superior a 60 anos em 2012. A estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que o País seja o sexto em número de idosos em 2025, quando deve chegar a 32 milhões de pessoas com 60 anos ou mais. A expectativa de vida também tende a crescer, devendo chegar a 80 anos em 2041. A expectativa média é de 74,8 anos para bebês nascidos em 2013, segundo o IBGE. Com o envelhecimento dos cidadãos, o funcionamento das políticas públicas se torna essencial para a garantia dos direitos básicos do idoso.
  18. 18. Atividade física e a terceira idade O sedentarismo combinado a outros fatores de risco contribui para a ocorrência de um conjunto de doenças crônicas, como: diabetes, osteoporose, câncer de cólon, de pulmão e de próstata e, sobretudo, doenças cardiovasculares (EYLER, 2003). A participação de idosos em programas de atividades físicas regulares promove melhoria das funções orgânicas e garante a manutenção da capacidade funcional e principalmente, a prevenção de doenças hipocinéticas relacionadas ao sedentarismo (NIEMAN, 1999). O objetivo da prática de exercícios na terceira idade é preservar ou melhorar a sua autonomia, bem como minimizar ou retardar os efeitos da idade avançada, além de aumentar a qualidade de vida dos indivíduos. Além de ser muito importante um programa de exercícios para os idosos é elevar a expectativa ajustada à qualidade de vida destes indivíduos. O ideal é que promova uma interação social, além de manter a mobilidade e autonomia deste idoso (SHEPHARD, 2003).
  19. 19. A prática regular de atividade física, mesmo se iniciada após os 65 anos de idade, contribui para uma maior longevidade, melhora da capacidade fisiológica, redução do número de medicamentos prescritos, benefícios psicológicos, como melhora da autoestima, entre outros. A prática regular de exercícios físicos é uma estratégia preventiva primária, atrativa e eficaz, para manter e melhorar o estado de saúde física e psíquica em qualquer idade. Ela tem efeitos benéficos diretos e indiretos para prevenir e retardar as perdas funcionais do envelhecimento, reduzindo o risco de enfermidades e transtornos frequentes na terceira idade Um programa de exercícios deve promover a melhoria da capacidade física do indivíduo intervinda sobre os efeitos deletérios resultantes do processo de envelhecimento, conseguindo maximizar o contato social dos sujeitos e procurando reduzir os problemas psicológicos, como ansiedade e depressão, características desse grupo populacional
  20. 20. A adoção de um estilo de vida não sedentário, calçado na pratica regular de atividade física, encerra a possibilidade de desenvolvimento da maior parte das doenças crônicas degenerativas, além de servir como elemento promotor de mudanças com relação a fatores de risco para inúmeras outras doenças. As atividades como caminhada e dança são bastante apreciadas pelos idosos, além de ser um ótimo exercício para a melhora do sistema cardiovascular. Acrescentam-se ainda exercícios resistidos, que promovem um aumento da massa muscular e melhora o equilíbrio.
  21. 21. Exercícios x Metabolismo A partir dos 40 anos, geralmente, nosso metabolismo começa a declinar, havendo uma tendência à perda de massa óssea ( osteogenia/osteoporose ) e ao aumento de gordura corporal. Através de um programa de exercício mantemos boa porcentagem de gordura corporal, combatendo a obesidade e evitando, ou retardando, o surgimento do diabetes da maturidade ( ou tipo II ).
  22. 22. Exercícios adequados possibilitam a redução da perda da massa óssea e, em alguns casos, a recuperação da mesma, com menor risco de sintomas ou fraturas. Os músculos e ossos voltam a ser fortes, eliminando os riscos de quedas fáceis e de fraturas de fêmur e de quadril, tão temidas após os sessenta anos. Portadores de patologias as mais variadas, não só do sistema cardiovascular, beneficiam-se da prática regular de exercícios físicos, podendo haver, até, redução no uso de medicamentos.
  23. 23. Avaliação Clínica Mas, não devemos esquecer um aspecto muito importante: avaliação médica com clínico, cardiologista ou especialista em medicina do esporte/exercício, antes de iniciar um programa de condicionamento ou reabilitação. Se necessário, exames serão solicitados e, somente então, seu médico e você decidirão sobre um programa de exercícios a ser seguido. As capacidades físicas, as modificações anatomo-fisiológicas, as alterações psicossociais e cognitivas, são regredidas ao decorrer do processo de envelhecimento, bem como: Capacidades Físicas - há uma diminuição de: coordenação motora grossa e fina, habilidades, equilíbrio, esquema corporal, visão e audição;
  24. 24. Modificações Anatomo-fisiológicas - hipotrofia cerebral e muscular, diminuição da elasticidade vascular e muscular, concentração de tecido adiposo, tendência à perda de cálcio pelos ossos, desvios de coluna, redução da mobilidade articular, altura, densidade óssea, volume respiratório, resistência cardiopulmonar, frequência cardíaca máxima, débito cardíaco, consumo máximo de oxigênio e mecanismos de adaptação (hemodinâmicos, termorreguladores, imunitários e hidratação), insuficiência cardíaca; Função Cognitiva - é expressa pela velocidade de processamento das informações, assim influenciadas pela quantidade de motivação e estimulação. Com isso, só sofrerá negativas se não for estimulada. Alterações Psicossociais - ocorre, a diminuição da sociabilidade, a depressão, mudanças no controle emocional, isolamento social e baixa autoestima, ocasionadas pela aposentadoria, pela dificuldade auditiva, visual e motora, pela síndrome do ninho vazio (saída dos filhos, de casa), pela impotência sexual, entre outras.
  25. 25. Hidroginástica na terceira idade Como diz o nome, hidroginástica é a ginástica na água, a qual se diferencia das outras atividades, realçando alguns benefícios, devido às propriedades físicas que o meio oferece, as propriedades físicas da água em densidade, flutuação, pressão hidrostática e viscosidade. As propriedades físicas da água irão auxiliar, ainda mais os idosos, na movimentação das articulações, na flexibilidade, na diminuição da tensão articular (baixo impacto), na força, na resistência, nos sistemas cardiovascular e respiratório, no relaxamento, na eliminação das tensões mentais, entre outros.
  26. 26. Os objetivos de um programam de atividade física, como hidroginástica, para a terceira idade, deve obter exercícios diretamente relacionados com as modificações mais importantes e que são decorrentes do processo de envelhecimento. Tais como: Promover atividades recreativas (para a produção de endorfina e andrógeno responsável pela sensação de bem-estar e recuperação da autoestima); Atividades de sociabilização (em grupo, com caráter lúdico); Atividades moderadas e progressivas (preparando gradativamente o organismo para suportar estímulos cada vez mais fortes);
  27. 27. Atividade de força, com carga (principalmente para os músculos responsáveis por sustentação/postura, evitando cargas muito fortes e contrações isométricas); Atividades de resistência (com vista a redução das restrições no rendimento pessoal); Exercícios de alongamento (ganho de flexibilidade e de mobilidade) e Atividades de relaxamento (diminuindo tensões musculares e mentais).
  28. 28. Algumas doenças  Mal de Alzheimer O Alzheimer é uma doença neuro-degenerativa que provoca o declínio das funções intelectuais, reduzindo as capacidades de trabalho e relação social e interferindo no comportamento e na personalidade. De início, o paciente começa a perder sua memória mais recente. Pode até lembrar com precisão acontecimentos de anos atrás, mas esquecer que acabou de realizar uma refeição. Com a evolução do quadro, o alzheimer causa grande impacto no cotidiano da pessoa e afeta a capacidade de aprendizado, atenção, orientação, compreensão e linguagem. A pessoa fica cada vez mais dependente da ajuda dos outros, até mesmo para rotinas básicas, como a higiene pessoal e a alimentação.
  29. 29. Parkinson  A principal causa da doença de Parkinson é a morte das células do cérebro, em especial, na área conhecida como substância negra, responsável pela produção de dopamina, um neurotransmissor que, entre outras funções, controla os movimentos. Os sintomas do Mal de Parkinson variam de um paciente para o outro. Em geral, no início, eles se apresentam de maneira lenta, insidiosa, e o paciente tem dificuldade de precisar a época em que apareceram pela primeira vez.  A lentificação dos movimentos e os tremores nas extremidades das mãos, muitas vezes notados apenas pelos amigos e familiares, costumam ser os primeiros sinais da doença. A diminuição do tamanho das letras ao escrever é outra característica importante.  Outros sintomas podem estar associados ao início da doença: rigidez muscular; acinesia (redução da quantidade de movimentos), distúrbios da fala, dificuldade para engolir, depressão, dores, tontura e distúrbios do sono, respiratórios, urinários.
  30. 30. Osteoporose  É uma doença óssea caracterizada por baixa regeneração e/ou rápida degeneração óssea, gerando ossos pouco densos e frágeis. É duas vezes mais comum em mulheres do que em homens e mais comum após os 50 anos. A doença progride lentamente e raramente apresenta sintomas antes que aconteçam fraturas espontâneas ou por trauma físico. Se não forem feitos exames diagnósticos preventivos a osteoporose pode passar despercebida, até que tenha gravidade maior. Entre os fatores de risco que podem levar à osteoporose destacam-se: * história familiar da doença; * pessoas de pele branca, baixas e magras; * asiáticos; * deficiência na produção de hormônios; * medicamentos à base de cortisona, heparina e no tratamento da epilepsia; * alimentação deficiente em cálcio e vitamina D; * baixa exposição à luz solar; * imobilização e repouso prolongados; * sedentarismo; * tabagismo; * consumo de álcool; * certos tipos de câncer; * algumas doenças hematológicas, endócrinas e hepáticas.
  31. 31. Alimentação As principais dificuldades de se alimentar adequadamente no envelhecimento: Alterações fisiológicas próprias do envelhecimento, as doenças presentes, a situação social, econômica e familiar. Problemas psicológicos como solidão, tristeza, angústia, depressão e isolamento. Falta de apetite, principalmente quando ele realiza suas refeições sozinhas. Dificuldades financeiras. Dificuldades para mastigar. Dificuldade para cozinhar e comprar. Digestão: Dificuldades para mastigar devido à presença de cáries, doenças periodontais, próteses inadaptadas, falta de dentes e dentaduras defeituosas ou em precário estado de conservação. Menor produção de ácido clorídrico pelo estômago, sendo o esvaziamento gástrico mais lento. No intestino grosso e cólon há menor motilidade (movimento espontâneo), o que favorece a constipação (intestino preso).
  32. 32. Sensorial: Estas mudanças incluem: diminuição e eventual perda na visão, audição, olfato e percepção do gosto. Dentre todas estas alterações, o olfato (odor) e o gosto interferem mais no apetite do idoso. Com o envelhecimento, tende-se a concentrar o tempero dos alimentos adicionando maior quantidade de sal e de açúcar para ajustá-lo ao paladar que está alterado. A diminuição da sensibilidade aos gostos e odor dos alimentos pode desencadear um quadro de anorexia (ausência de fome) em maior ou menor grau, dependendo da intensidade.
  33. 33. O que pode contribuir para uma ingestão alimentar mais adequada durante o envelhecimento? Na terceira idade: Comer alimentos na sua maioria cozidos ou preparados de modo que a mastigação seja facilitada. Acompanhá-lo sempre que possível em suas compras, optando por preparações mais coloridas, que proporcionam mais estímulo visual. No caso de dificuldades para movimento das mãos, utilizar alimentos mais macios, fáceis de serem cortados. Deixar que o idoso sinta vontade de alimentar, sem força-lo a comer, pois ele tem direito de decidir se está ou não com apetite. As suas refeições devem contar com a presença de outras pessoas. Necessidade energética As necessidades energéticas diminuem com a idade. Há redução de aproximadamente 7,5% entre 50 e 70 anos e mais 10% aos 80 anos. Esta necessidade só é elevada em casos de febre ou infecções.
  34. 34. Vitaminas As vitaminas B6 e B12 têm sua absorção diminuída com a idade, o que é decorrente de fatores fisiológicos. Por esse motivo deve-se aumentar a ingestão de alimentos ricos nessas vitaminas ou então fazer reposição das mesmas na forma de medicamentos. Devido à baixa ingestão de alguns alimentos como: frutas, vegetais e leite (por intolerância), os níveis de vitamina C e de cálcio devem também ser acompanhados. A falta de exposição ao sol faz que a necessidade de vitamina D seja maior nesta faixa etária. Hidratação No idoso, a menor sensação de sede ocorre pela disfunção cerebral ou pela diminuição da sensibilidade dos osmorreceptores. Pouco consumo de água pelos idosos, associado ao uso de diuréticos, leva à desidratação. A desidratação associada à aterosclerose (rigidez da parede dos vasos levando à diminuição do fluxo sanguíneo no mesmo), no idoso, pode predispor a situações graves como o derrame cerebral e o infarto do coração, uma vez que o sangue fica mais espesso quando a pessoa está desidratada.
  35. 35. Alimentos Energéticos: Fontes de carboidratos: arroz, milho, centeio, pão, macarrão, batata, aveia, cará, inhame, açúcares, doces, mel, geleia, cevada trigo, aveia, etc. Fontes de gorduras: creme de leite, amêndoas, amendoim, óleos vegetais, etc. Os que devem ser evitados: Banha, bacon, manteiga, margarina, frituras, etc. Estes alimentos devem ser evitados ou consumidos moderadamente, devido o seu consumo excessivo estar associado a incidências de obesidade, dislipidemias e hipertensão arterial. É importante ressaltar que a ingestão de alimentos ricos em gordura auxilia na absorção das vitaminas lipossolúveis. Alimentos Construtores: Fontes de proteínas: ovos, feijão, ervilha, lentilha, soja, grão de bico, leite iogurte, coalhado, carne, etc.
  36. 36. O consumo de leite e derivados torna-se ainda mais importante na terceira idade devido os ossos ficarem mais fracos e são de difícil cicatrização. Alimentos Reguladores: Fontes de vitaminas, minerais e fibras: pepino, berinjela, abobrinha, chuchu, cenoura, limão, laranja, goiaba, manga, caju, morango, mexerica, almeirão, acelga, brócolis, escarola, mostarda, salsa, couve e cereais integrais.
  37. 37. DICAS NATURAIS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDAVEL: 1 - CASTANHA DO PARÁ E CEREAIS INTEGRAIS (arroz integral, aveia, trigo etc.) SÃO BEM-VINDOS. Eles contêm zinco, importante para aumentar a sensibilidade do paladar e estimular o apetite; 2 - EVITE ALIMENTOS REFINADOS (feitos com farinha branca como pão francês, bolachas refinadas, arroz branco, etc.) para melhorar a digestão e prevenir a flatulência; 3 - QUANTO MAIS LONGE DO AÇÚCAR, MELHOR. Tanto ele quanto os produtos refinados aumentam o risco de diabetes;
  38. 38. 4 - VARIAR É SAUDÁVEL. Abuse das frutas, verduras e legumes de cores e tipos diferentes. Junto com essa variedade, vêm um monte de nutrientes diferentes, importantes para evitar deficiências nutricionais, comuns entre idosos. Grãos integrais também ajudam bastante; 5- PORÇÕES MENORES, MAIS VEZES POR DIA. Diminua a quantidade das refeições mas coma mais vezes ao dia. Isso ajuda a dar a sensação de fome e aumenta o apetite; 6 - COMIDINHA LEVE E NUTRITIVA NO JANTAR. Faça uma refeição mais leve à noite (com vegetais e grãos integrais, como uma sopa ou um risoto de quinua, por exemplo). Isso ajudará a facilitar a digestão;
  39. 39. 7 - MENOS SAL, MAIS ERVAS NATURAIS. Reduza o sal de cozinha e os produtos artificiais que contém sódio (como molhos e caldos artificiais, adoçantes à base de ciclamato de sódio ou de sacarina sódica etc). Para temperar, prefira as ervas naturais ou o gersal ; 8 - UMA ATENÇÃO ESPECIAL À SAÚDE DOS OSSOS. Para isso, invista nas fontes naturais de cálcio (gergelim , brócolis, folhas verde- escuras, linhaça) e de magnésio (grãos de bico, banana, gergelim , castanha do Pará ). Não deixe de tomar sol, todos os dias também (pelo menos 15 minutos por dia, até 10h da manhã ou após 16h); ele ajuda o corpo a produzir vitamina D, que facilita o aproveitamento do cálcio dos alimentos; 9 - EVITE OS "LADRÕES DE CÁLCIO", como as bebidas alcoólicas e café, chá preto e refrigerantes;
  40. 40. 10 - CUIDE DO CORAÇÃO. Pra isso, as gorduras "do bem" presentes na linhaça , no azeite extra virgem, nas castanhas e amêndoas são imbatíveis. Eles ajudam a prevenir a aterosclerose e outras doenças cardiovasculares. As fibras do farelo de aveia , também ajudam muito, principalmente na hora de manter os bons níveis de colesterol; 11 - A FAVOR DO INTESTINO, prefira as fibras dos cereais integrais, fibra de trigo ,farelo de aveia , dos brotos de feijão e alfafa, do bagaço de laranja... eles previnem a "prisão de ventre" e o câncer de intestino;
  41. 41. “Se o tempo envelhecer o seu corpo mas não envelhecer a sua emoção, você será sempre feliz.”

×