Critérios para a MúSica Sacra

3.315 visualizações

Publicada em

Exame da Revelação sobre a filosofia da adoração

Publicada em: Espiritual
2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Queria dizer que sou adventista, músico profissional, atuante na igreja, aprecio nossa música, e nossa música tem crescido muito, e louvo a Deus por isso. O que precisamos é de mais Educação Musical nas igrejas. Formemos mais músicos.

    Massssssssssssssssssss, quero aqui postar artigo rápido que fiz em resposta a uma discussão aberta num site de um dos programas da Novo Tempo (Programa do Leandro Quadros), penso que se vale a pena ler. Minha tônica é a de que a palavra equilíbrio é importante. Temos vários momentos dentro de nossos cultos, e portanto existem possibilidades gradativas de músicas, estilos de música, assim como funções de música dentros desse momentos, desta forma precisamos fazer uma leitura adequada para tais aplicações musicais.

    Massssssssssssss, vai a tal brevíssima contextualização, que anteriormente eu tinha mencionado.

    _______________________________________________________

    TV Novo Tempo
    Programa na Mira da Verdade.

    Existem instrumentos e instrumentos, assim como instrumentistas e instrumentistas. Quantos estilos musicais, quantos gêneros, quantas técnicas, quantas escolas e épocas, quantas evoluções e transformações nos instrumentos. Quantos compositores renomados tanto da música erudita aproveitável dentro do ambiente sacro, e outros tantos compositores de música sacra; assim como quantos hinos dentro do Hinário Adventista que possuem origens tão distintas (incluindo músicas protestantes de diversas linhagens, assim como músicas folclóricas). E parece que a preocupação ainda continua em torno dos estilos e tipos de instrumentos. É claro que se tem que haver bom senso, equilíbrio. Mas, ás vezes parecemos querer colocar uma forma estética, uma maneira de tocar como modelo exemplar, queremos colocar uma tabela de instrumentos - esse pode , esse não pode. E fica uma celeuma eterna em torno de coisas que são materiais e mecanismos do idiomatismo daquele instrumento ou daquele gênero musical. Não há música pura em canto nenhum do planeta. O que Deus quer é um coração puro. Tem tanto defensor da música tradicional oferecendo sua música tradicional como 'fogo estranho' perante o Senhor, pois vai misturado com seu orgulho e vaidade por estar apresentando uma música exemplar. Qual é a música exemplar? Se para a cultura indiana nossa música tonal soa para eles como um 'trotar de cavalos'? Qual é a música exemplar? Qual é a música perfeita diante de Deus? Diante de tantas culturas e misturas de gente? E agora com a massificação da informação em todos os níveis nesse nosso agora minúsculo planeta, e quiçá onde a música deste planetinha Terra, tão misturada, tão híbrida poderia chegar perto de uma pureza de estilo, ou ser a música do Céu? A música do Céu, a ideal, a exemplar - os ouvidos humanos não puderam ainda dimensionar. O céu é perfeito demais. Assim como nossas obras meritórias não existem em termos de justificação. A nossa música por si só não poderá refletir com exatidão a grandeza de Deus. Mas que cada um faça com sua capacidade o melhor de si, não se julgando superior a este ou aquele – se bem que eu acho que os músicos deveriam ser tratados com mais valor e respeito. Que tal falarmos de música sem impor nossos próprios julgamentos? Sem essa de dizer: “essa pode essa não pode... Ah! Esse instrumento pode e esse não”. Talvez devêssemos trabalhar mais na Educação Musical no seio de nossas igrejas, para talvez fazendo música, pudéssemos mudar ou transformar os conceitos tão díspares, incongruentes, superficiais demais que permeiam nossas comunidades. Digo aqui comunidades, se referindo aquelas que defendem algumas músicas como a 'boa música'. Outra vez, eu digo, qual é a boa música? Aquela que interessa a você? Ou ao seu grupo? Ao seu pastor? Ou a sua capacidade momentânea de desenvolver “esta ou aquela” técnica musical? Bom, vou aqui abreviando essas linhas já extensas. Que elas possam provocar uma reflexão, não do meu ponto de vista, mas que a reflexão leve a um resultado que caminhe em direção ao tão aludido bom senso e equilíbrio, sempre clamado por todos.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Caríssimo publicador, ou criador desses slides, como também músico e estudante do ramo, e como instrumentista musical, gostaria de colocar algumas perguntas aqui. Quais então são os critérios corretos para se dizer sobre música sacra? Particularmente, leio, respeito, medito sobre os escritos de Ellen White. Mas, penso que existem citações dela fora de contexto. Cara escritor, você poderia apontar com precisão em que cirscunstância ou para que circunstância ela escreveu? Sobre quais critérios você fala nesta aplicação? São critérios musicais? São critérios do que? De gênero musical? De canto? Qual é a forma ideal de cantar uma melodia? Há somente a forma dita pela escola tradicional européia, como forma de cantar? Você diz, ou melhor cita, sobre cantar forte, mas qual dinâmica é a correta cantar?.... fortíismo (ff).... p ou pp pu mf? Quem determina essa questão? Como ficam as dinâmicas na interpretação? Como fica isso? Tem um manual de dinâmicas aplicáveis à interpretação correta e santificada?
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.315
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.632
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
81
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Critérios para a MúSica Sacra

×