Trabalho na sociedade moderna capitalista

22.500 visualizações

Publicada em

  • Vlw, depois da uma olhadinha nos outros ai da minha conta, tem vários.. Abraço
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Boa cara.. muito massa seu slide!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Trabalho na sociedade moderna capitalista

  1. 1. Trabalho na sociedade moderna capitalista
  2. 2. O QUE É TRABALHO ? • é a atividade realizada pelos seres vivos (não somente os humanos) que modifica a natureza de modo a transformá-la para melhor satisfazer suas necessidades.
  3. 3. KARL MARX E A DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO • É realizada no processo de desenvolvimento das sociedades, • Exemplo: - sociedades tribais (sexo e idade). • - Agricultura e o pastoreiro( funções divididas de quem plantava e quem cuidava dos animais)
  4. 4. COM A FORMAÇÃO DAS CIDADES • Divisão entre o trabalho rural (agricultura) e o trabalho urbano(comércio e indústria). • Para marx : a divisão social do trabalho numa sociedade gera a divisão em classes.
  5. 5. SURGIMENTO DAS FÁBRICAS • A mecanização revolucionou o modo de produzir mercadorias, mas também colocou o trabalhador sobre suas ordens; • Marx afirma que o existe entre o trabalhador e o empresário é uma relação entre dois iguais. Ou seja, uma relação entre proprietários de mercadorias, mediante a compra e a venda da força de trabalho.
  6. 6. KARL MARX • Mais-valia é o termo usado para designar a disparidade entre o salário pago e o valor do trabalho produzido.
  7. 7. MAIS-VALIA ABSOLUTA • Mais-valia absoluta consiste na intensificação do ritmo de trabalho, através de uma série de controles impostos aos operários, que incluem da mais severa vigilância a todos os seus atos na unidade produtiva até a cronometragem e determinação dos movimentos necessários à realização das suas tarefas. O capitalista obriga o trabalhador a trabalhar a um ritmo tal que, sem alterar a duração da jornada, produzem mais mercadorias e mais valor.
  8. 8. MAIS-VALIA RELATIVA • Quando introduzem diversas tecnologias e equipamentos visando aumentar a produção com o mesmo número de trabalhadores ( ou até menos) elevando a produtividade do trabalho, mas mantendo o mesmo salário gerando assim a mais-valia relativa.
  9. 9. ÉMILE DURKHEIM E A COESÃO SOCIAL • Em seu livro “Da divisão do trabalho social”escrito no final do século XIX, procura demonstrar que a crescente especialização do trabalho promovida pela produção industrial moderna trouxe uma forma superior de solidariedade, e não de conflito.
  10. 10. PARA DURKHEIM • Chegou à conclusão de que os laços que prenderiam os indivíduos uns aos outros nas mais diferentes sociedades seriam dados pela solidariedade social, sem a qual não haveria uma vida social, sendo esta solidariedade do tipo mecânica ou orgânica.
  11. 11. SOLIDARIEDADE SOCIAL – CONSCIÊNCIA COLETIVA • Cada um de nós teria uma consciência própria (individual) a qual teria características peculiares e, por meio dela, tomaríamos nossas decisões e faríamos escolhas no dia a dia. A consciência individual estaria ligada, de certo modo, à nossa personalidade.
  12. 12. • A consciência individual sofreria a influência de uma consciência coletiva, a qual seria fruto da combinação das consciências individuais de todos os homens ao mesmo tempo. A consciência coletiva seria responsável pela formação de nossos valores morais, de nossos sentimentos comuns, daquilo que temos como certo ou errado, honroso ou desonroso.
  13. 13. • Para Durkheim a consciência coletiva diria respeito aos valores daquele grupo em que se estaria inserido enquanto indivíduo, e seria transmitida pela vida social, de geração em geração por meio da educação, sendo decisiva para nossa vida social. A soma da consciência individual com a consciência coletiva formaria o ser social, o qual teria uma vida social entre os membros do grupo.
  14. 14. SOLIDARIEDADE MECÂNICA • Para ele a solidariedade mecânica é característica das sociedades ditas "primitivas" ou "arcaicas", ou seja, em agrupamentos humanos de tipo tribal formado por clãs. • Nestas sociedades, os indivíduos que a integram compartilham das mesmas noções e valores sociais tanto no que se refere às crenças religiosas como em relação aos interesses materiais necessários a subsistência do grupo. São justamente essa correspondência de valores que irão assegurar a coesão social.
  15. 15. SOLIDARIEDADE ORGÂNICA • a solidariedade orgânica que é a do tipo que predomina nas sociedades ditas "modernas" ou "complexas" do ponto de vista da maior diferenciação individual e social (o conceito deve ser aplicado às sociedades capitalistas). Além de não compartilharem dos mesmos valores e crenças sociais, os interesses individuais são bastante distintos e a consciência de cada indivíduo é mais acentuada.
  16. 16. • Durkheim concebe as sociedades complexas como grandes organismos vivos, onde os órgãos são diferentes entre si (que neste caso corresponde à divisão do trabalho), mas todos dependem um do outro para o bom funcionamento do ser vivo. A crescente divisão social do trabalho faz aumentar também o grau de interdependência entre os indivíduos.
  17. 17. • Para garantir a coesão social, portanto, onde predomina a solidariedade orgânica, a coesão social não está assentada em crenças e valores sociais, religiosos, na tradição ou nos costumes compartilhados, mas nos códigos e regras de conduta que estabelecem direitos e deveres e se expressam em normas jurídicas: isto é, o Direito.
  18. 18. FORDISMO-TAYLORISMO UMA NOVA FORMA DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO
  19. 19. FREDERICK TAYLOR E HENRY FORD
  20. 20. FORDISMO – SÉCULO XX • O aperfeiçoamento contínuo dos sistemas produtivos deu origem a uma divisão do trabalho muito bem detalhada e encadeada. • Referência a Henry Ford (1863-1947)- essas mudanças foram implantadas na sua fábrica de automóveis( o Ford modelo T) para o consumo em massa. • Estabeleceu a jornada de oito horas por 5 dólares ao dia.
  21. 21. TAYLORISMO- FINAL DO SÉCULOXIX • Frederick Taylor (18651915) no seu livro “Princípios de administração científica”: • princípios científicos na organização do trabalho, buscando maior racionalização do processo produtivo.
  22. 22. FORDISMO E TAYLORISMO • Amento de produtividade com uso mais adequado possível de horas trabalhadas; • Controle das atividades dos trabalhadores; • Divisão e parcelamento das tarefas; • Mecanização de parte das atividades com introdução da linha de montagem; • Sistema de recompensa e punições. • Desenvolveu um sistema de planejamento e criação de um setor de especialistas na administração.
  23. 23. ELTON MAYO • (1880-1940), professor da Universidade de Harvard (Estados Unidos); • Buscou medidas para que evitassem o conflito e promovessem o equilíbrio e a colaboração no interior das empresas; • Suas ideias procuravam valorizar os grupos de referência dos trabalhadores, principalmente o familiar, logo evitando um desenraizamento dos operários.
  24. 24. AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NO MUNDO DO TRABALHO
  25. 25. • Depois da década de 1970; • Busca desenfreada por mais lucro; • A recessão aumentou devido a crise do petróleo; • Surgimento de novas formas de flexibilização do trabalho. • Pós- fordismo ou acumulação flexível
  26. 26. FORMAS DE FLEXIBILIZAÇÃO • A flexibilização dos processos de trabalho e de produção - é quando ocorre a automação e conseqüentemente a eliminação do controle manual por parte do trabalhador. • A flexibilização e mobilidade dos mercados de trabalho- é quando os empregadores começam a utilizar as mais diferentes formas de trabalho(doméstica,autônoma,temporária, terceirizada e outras).
  27. 27. O QUE É TERCEIRIZAÇÃO • Terceirizar uma atividade nada mais é que repassar a terceiros a sua realização. Em termos empresariais, podemos dizer que é o repasse de uma atividade MEIO a terceiros. • A transferência de atividades para fornecedores especializados, detentores de tecnologia própria e moderna, que tenham esta atividade terceirizada como sua atividade-fim, liberando a tomadora para concentrar seus esforços gerenciais em seu negócio principal, preservando e evoluindo em qualidade e produtividade, reduzindo custos e ganhando competitividade.
  28. 28. A SOCIEDADE SALARIAL • O sociólogo francês Robert Castel em seu livro “A metamorfose da questão social :uma crônica do salário”destaca quatro aspectos que parecem estar generalizando no mundo: • A desestabilização dos estáveis; • A precariedade do trabalho; • O déficit de lugares; • A qualificação do emprego.

×