SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
LEI N° 12.506. DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.
Dispõe sobre o aviso prévio e dá outras
providências.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
sanciono a seguinte Lei:
Art. 1
5
O aviso prévio, de que trata o Capítulo VI do Título IV da Consolidação das Leis
do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n° 5.452, de 1° de maio de 1943, será concedido
na proporção de 30 (trinta) dias aos empregados que contem até 1 (um) ano de serviço na
mesma empresa.
Parágrafo único. Ao aviso prévio previsto neste artigo serão acrescidos 3 (três) dias por
ano de serviço prestado na mesma empresa, dias, perfazendo um total de até 90 (noventa)
dias.
Art. 2
e
Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 11 de outubro de 2011; 1902
da Independência e 1232
da República.
DILMA ROUSSEFF
José Eduardo Cardozo
Guido Mantega Carlos
Lupi
Fernando Damaia Pimentel
Miriam Belchior Garibaldi
Alves Filho Luis Inácio
Lucena Adams
Este texto não substitui o publicado no DOU de 13.10.2011
ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2006/2007
Por este instrumento coletivo, figuram de um lado XXXXXXXXXXXXXXXXXX., pessoa
jurídica de direito privado, estabelecida nesta cidade de Londrina, Estado do Paraná, na Rua
XXXXXXXXXXXXXXX , inscrita na Junta Comercial do Estado do Paraná, sob o n°
XXXXXXXXXX, neste ato representado por seu sócio XXXXXXXXXXXXX, doravante
denominada EMPRESA e, de outro lado os seus EMPREGADOS, neste ato representados pelo
sindicato laboral, SINDASPEL -SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE
CONTABILIDADE, ASSESSORAMENTO, PERÍCIAS, INFORMAÇÕES, PESQUISAS E
DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE LONDRINA E REGIÃO, por seus
representante legal, que ao final assina, doravante denominado SINDICATO, firmam o presente
instrumento coletivo nos termos e condições seguintes:
CLÁUSULA PRIMEIRA - ABRANGÊNCIA:
O presente Acordo Coletivo de Trabalho se aplica a todos empregados da Empresa, ora
representados pelo Sindicato, nos municípios que compreendem a base territorial do Sindaspel no
estado do Paraná.
CLÁUSULA SEGUNDA - PRAZO DE VIGÊNCIA:
A vigência deste acordo será por prazo determinado, com início previsto para 01/06/2006
à 31/05/2007.
CLÁUSULA TERCEIRA - REAJUSTE SALARIAL:
A Empresa concederá aos seus empregados o reajuste de XXXXXX, a ser aplicado
sobre OS salários vigentes em 01/06/2005, Para os empregados admitidos após o mês de junho de 2005, o
reajuste salarial será proporcional ao tempo de serviço nos termos da Instrução Normativa n° 01, do TST.
CLÁUSULA QUARTA - PISOS SALARIAIS
A Empresa fica obrigada a praticar os pisos salariais mínimos de ingresso no
âmbito da empresa:
Auxiliar administrativo: R$ XXXX
Secretaria/Recepcionista: R$ XXXX
Servente: R$ XXXX
Contador: R$ XXXX
Zeladora: R$ XXXX
Motorista: R$ XXXX
Continuo: R$ XXXX
CLÁUSULA QUINTA - APLICAÇÃO DA CCT SINDASPEL/SESCAP-LDR
As Demais clausulas da Convenção Coletiva de Trabalho assinada entre o Sindaspel e o
respectivo sindicato patronal Sescap-Ldr deverão se cumpridas automaticamente pela empresa,
exceto aquelas conflitantes com o presente acordo.
CLÁUSULA DECIMA - DISPOSIÇÕES FINAIS:
O presente ajuste é considerado firme e valioso para abranger, por seus dispositivos, todos os
contratos individuais de trabalho firmados entre a empresa e os trabalhadores representados pelo
Sindicato, inclusive aqueles que venham a ser firmados após essa data, independentemente de
qualquer outra formalidade.
Com a manifestação de comum acordo, tem-se como cumpridas as exigências legais/ observados
os dispositivos de proteção do trabalho, inclusive do menor.
Londrina, XX de XXXXX de XXXX.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Acórdão do processo
0000506-86.2012.5.04.0561
(RO) Data:
09/05/2013
Origem:
Vara do Trabalho de Carazinho
Redator:
HERBERT PAULO BECK
Participam: JOÃO GHISLENI FILHO, FLÁVIA LORENA PACHECO
Teor integral do documento (PDF) | Cópia do documento (RTF) |
Andamentos do processo
PROCESSO: 0000506-86.2012.5.04.0561 RO
EMENTA
RECURSO ORDINÁRIO DA RECLAMANTE. ÓNUS DA PROVA.
PRINCÍPIO IN DÚBIO PRO OPERÁRIO. A distribuição do ónus da prova, em regra, obedece ao disposto nos
artigos 818 da CLT e 333 do CPC, não incidindo ao caso o princípio in dúbio pro operário no tocante ao conjunto
probatório. Provimento negado.
ACÓRDÃO
por unanimidade, NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO ORDINÁRIO DA RECLAMANTE. RELATÓRIO
Inconformada com a sentença das fls. 220-226, que julgou procedente em parte a ação, a reclamante interpõe recurso
ordinário às fls. 227-231, pretendendo a reforma do julgado em relação às horas extras postuladas.
Contrarrazões pelo recorrido às fls. 460-462/verso. VOTO
RELATOR
DESEMBARGADOR HERBERT PAULO BECK: HORAS
EXTRAS
Não se conforma a reclamante com a decisão que indeferiu o pedido de pagamento de horas extras, de acordo com a
jornada de trabalho noticiada na inicial. Em resumo, alega que os registros de horário mantidos são completamente
nulos, porquanto invariáveis, incidindo ao caso o entendimento vertido na Súmula n° 338 do TST. Sustenta que a
questão muito bem pode ser resolvida pela aplicação do princípio da proteção, assim desdobrado: a) in dúbio pro
operário; b) norma mais favorável; e c) condição mais benéfica. Invoca os artigos 818 da CLT e 333 do CPC.
Transcreve doutrina. Requer a reforma da sentença para "ver reconhecidos os horários laborais apontados na inicial e
seus respectivos reflexos".
Analiso.
Quanto às alegações da inicial e da defesa, faço uso da narrativa do Julgador de primeiro grau, e que assim consta na
sentença (fl. 223/verso):
"A reclamante postula horas extras, intervalos inter jornadas, intervalos intrajornada e reflexos em repousos
semanais remunerados, alegando que sempre laborou das 7h30min às 19h30min, com 45 minutos de
intervalo, de segundas a sextas-feiras, que foi contratada para laborar 200 horas mensais e que tem direito a 80
horas extras mensais. Aduz que executa sozinha a manipulação de todos os pedidos dos doze municípios que
integram o consórcio reclamado, o que impõe a preparação de aproximadamente 260.000 unidades de cápsulas, de
8.5000 unidades de líquidos e de 320.000 unidades de comprimidos. Sustenta, ainda, que a reclamada não respeitou
os períodos de intervalo interjornadas e intrajornada.
A reclamada alega que a juntada de documentos não é necessária pois o procurador da reclamante era assessor
jurídico da empresa, cargo que ocupou por um longo tempo, e sabe que as obrigações sempre foram cumpridas.
Sustenta que a reclamante sabe que não existe cartão-ponto, pois a empresa sempre teve menos de dez empregados,
que registravam sua entrada e saída em um livro, colocando sempre o mesmo horário, tanto para a entrada quanto
para a saída. Aduz que está juntando as cópias que encontrou (...)".
Os cartões de ponto foram juntados às fls. 71-142 e, conforme admite a própria defesa, contêm registros invariáveis,
com a seguinte jornada: das 8h às 12h e das 13h às 17h.
Quanto à prova oral, os depoimentos das partes foram tomados nos seguintes termos (fl. 218):
"Depoimento pessoal do(a) reclamante: que a depoente trabalhou até 12/06/2012; que a depoente trabalhava das
07h30min às 19h30min, com 30 a 40 minutos de intervalo para almoço;
(...)
Depoimento pessoal da preposta da(s) reclamada(s): que a reclamante trabalhava das 08h às 12h e das
13h às 17h; que a reclamante tinha uma hora para almoço;
(...)".
As testemunhas da reclamante registram que:
Primeira testemunha da reclamante: FRANCISCA LOTTERMANN (...) que a reclamante continuou trabalhando
depois que a depoente parou; que a depoente trabalhava das 07h30min às 12h e das 13h às l&hZômin/lQh, de
segundas a sextas-feiras; que o horário de trabalho da reclamante era o mesmo da depoente; que no livro-ponto era
registrado o horário oficial: das 08h às 12h e das 13h às 17h;
(...)
Segunda testemunha da reclamante: GESON BORGES MACEDO (...) que o depoente trabalhava das 07h30min
às 19h30min, com 30 a 40 minutos de intervalo para almoço, de segundas a sextas-feiras; que o horário de trabalho
da reclamante era o mesmo do depoente; que todos os empregados trabalhavam no horário do depoente; que no
livro-ponto era registrado o horário das 08h às 12h e das 13h às 17h30min;
(...)".
E as testemunhas do reclamado prestam depoimento da seguinte forma:
"Primeira testemunha da reclamada: EMANOELI DOS SANTOS (...) que a depoente trabalha para a reclamada
das 08h às 12h e das 13h às 17h, de segundas a sextas-feiras; que a reclamante era manipuladora de medicamentos:
que a reclamante trabalhava em horário igual ao horário de trabalho da depoente;
(...)
Segunda testemunha da reclamada: PATRÍCIA RIBICKI (...) que a depoente trabalha para a reclamada das 08h às
12he das 13hàs 17h, de segundas a sextas-feiras; que a reclamante era manipuladora de medicamentos; que a
reclamante trabalhava em horário igual ao horário de trabalho da depoente;
(...)
Terceira testemunha da reclamada: RAQUEL ROSÂNGELA PIMENTEL (...) que a depoente trabalha para a
reclamada das 08h às 12h e das 13h às 17h, de segundas a sextas-feiras; que a reclamante era manipuladora de
medicamentos; que a reclamante trabalhava em horário igual ao horário de trabalho da depoente; que todos os
empregados trabalhavam no mesmo horário; (...) que havia um intervalo de 30 minutos no turno da manhã e um
intervalo de 30 minutos no turno da tarde; que a produção não exigia trabalho em horas extras;
Pois bem.
Nada obstante o entendimento expressado no item III da Súmula n° 338 do TST, entendo, no caso, que os registros de
horários apresentados são válidos. Embora os cartões-ponto apresentem horários de trabalho invariáveis, estes são
manualmente anotados pela autora.
Por outro lado, a prova testemunhal restou dividida, não permitindo convencimento seguro quanto à jornada declinada
pela autora, em prejuízo daquela anotada nos cartões de ponto. Veja-se que as duas testemunhas apresentadas pela
reclamante confirmam a jornada de trabalho por ela alegada, enquanto as três testemunhas arroladas pelo reclamado
prestam depoimento justamente no sentido contrário.
Além disso, não há prova de que o reclamado conte com mais de 10 empregados, conforme preconiza o item I da
Súmula n° 338 do TST, e tratando-se o réu de Consórcio Intermunicipal de Saúde, para manipulação e distribuição de
medicamentos aos municípios associados, merece chancela também a consideração da experiência cotidiana adotada
pelo Julgador de origem, qual seja, de que a prática de horas extras não é ordinária no serviço público (CPC, art. 335).
Por fim, a distribuição do ónus da prova, em regra, obedece ao disposto no art. 818 da CLT e 333 do CPC, não
incidindo ao caso o princípio in dúbio pro operário no tocante ao conjunto probatório.
Neste contexto, entendo que, não obstante o entendimento vertido no item III da Súmula n° 338 do TST, não logrou
êxito a reclamante em demonstrar que o seu horário de trabalho difere daquele formalmente anotado, ainda que
invariável.
Sentença de improcedência em relação ao pedido de horas extras que mantenho pelos seus próprios fundamentos.
Nada a prover.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1057- Agravo de Instrumento Cc Tutela Recursal
1057- Agravo de Instrumento Cc Tutela Recursal1057- Agravo de Instrumento Cc Tutela Recursal
1057- Agravo de Instrumento Cc Tutela RecursalConsultor JRSantana
 
3. contestação
3. contestação3. contestação
3. contestaçãoguicavalli
 
Pedido de revogação da prisão porte de arma art. 16 primario rodrigo henrique...
Pedido de revogação da prisão porte de arma art. 16 primario rodrigo henrique...Pedido de revogação da prisão porte de arma art. 16 primario rodrigo henrique...
Pedido de revogação da prisão porte de arma art. 16 primario rodrigo henrique...Adenilson Malheiros
 
Decisão do STF
Decisão do STFDecisão do STF
Decisão do STFzedalegnas
 
Justiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safra
Justiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safraJustiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safra
Justiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safraLuiz F T Siqueira
 
Direito sao bernardo tgdp - alteracao registro - transsexual - mdeira - 110310
Direito sao bernardo   tgdp - alteracao registro - transsexual - mdeira - 110310Direito sao bernardo   tgdp - alteracao registro - transsexual - mdeira - 110310
Direito sao bernardo tgdp - alteracao registro - transsexual - mdeira - 110310Pedro Kurbhi
 
Sentença indenização
Sentença indenizaçãoSentença indenização
Sentença indenizaçãoJamildo Melo
 
STF ALTERA DECISÃO DO TSE SOBRE TERCEIRO MANDATO SEGUIDO
STF ALTERA DECISÃO DO TSE SOBRE TERCEIRO MANDATO SEGUIDOSTF ALTERA DECISÃO DO TSE SOBRE TERCEIRO MANDATO SEGUIDO
STF ALTERA DECISÃO DO TSE SOBRE TERCEIRO MANDATO SEGUIDOJoao Carlos Passari
 
Relatório do ministro Gilmar Mendes
Relatório do ministro Gilmar MendesRelatório do ministro Gilmar Mendes
Relatório do ministro Gilmar MendesR7dados
 
Contestação
ContestaçãoContestação
ContestaçãoEstudante
 
Caso Nardone Recebimento ApelaçãO NãO Acolhimento Protesto Por Novo Juri
Caso Nardone Recebimento ApelaçãO NãO Acolhimento Protesto Por Novo JuriCaso Nardone Recebimento ApelaçãO NãO Acolhimento Protesto Por Novo Juri
Caso Nardone Recebimento ApelaçãO NãO Acolhimento Protesto Por Novo Juriivanmilmann
 
Habeas corpus pretensão punitiva
Habeas corpus pretensão punitivaHabeas corpus pretensão punitiva
Habeas corpus pretensão punitivaaderbal villar
 

Mais procurados (20)

Semana 12
Semana 12Semana 12
Semana 12
 
Habeas Corpus Cc Liminar
Habeas Corpus Cc LiminarHabeas Corpus Cc Liminar
Habeas Corpus Cc Liminar
 
Modelo contestação guarda curadora
Modelo contestação guarda curadoraModelo contestação guarda curadora
Modelo contestação guarda curadora
 
Comissionado
ComissionadoComissionado
Comissionado
 
Agravo de Instrumento - 2014.043238-9
Agravo de Instrumento - 2014.043238-9Agravo de Instrumento - 2014.043238-9
Agravo de Instrumento - 2014.043238-9
 
1057- Agravo de Instrumento Cc Tutela Recursal
1057- Agravo de Instrumento Cc Tutela Recursal1057- Agravo de Instrumento Cc Tutela Recursal
1057- Agravo de Instrumento Cc Tutela Recursal
 
3. contestação
3. contestação3. contestação
3. contestação
 
Pedido de revogação da prisão porte de arma art. 16 primario rodrigo henrique...
Pedido de revogação da prisão porte de arma art. 16 primario rodrigo henrique...Pedido de revogação da prisão porte de arma art. 16 primario rodrigo henrique...
Pedido de revogação da prisão porte de arma art. 16 primario rodrigo henrique...
 
Extinção
ExtinçãoExtinção
Extinção
 
Decisão do STF
Decisão do STFDecisão do STF
Decisão do STF
 
Justiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safra
Justiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safraJustiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safra
Justiça do trabalho reconhece unicidade em contratos sucessivos de safra
 
Stj hc maria da penha
Stj hc maria da penhaStj hc maria da penha
Stj hc maria da penha
 
Direito sao bernardo tgdp - alteracao registro - transsexual - mdeira - 110310
Direito sao bernardo   tgdp - alteracao registro - transsexual - mdeira - 110310Direito sao bernardo   tgdp - alteracao registro - transsexual - mdeira - 110310
Direito sao bernardo tgdp - alteracao registro - transsexual - mdeira - 110310
 
Sentença indenização
Sentença indenizaçãoSentença indenização
Sentença indenização
 
STF ALTERA DECISÃO DO TSE SOBRE TERCEIRO MANDATO SEGUIDO
STF ALTERA DECISÃO DO TSE SOBRE TERCEIRO MANDATO SEGUIDOSTF ALTERA DECISÃO DO TSE SOBRE TERCEIRO MANDATO SEGUIDO
STF ALTERA DECISÃO DO TSE SOBRE TERCEIRO MANDATO SEGUIDO
 
N O V A L E I P E N A L
N O V A  L E I  P E N A LN O V A  L E I  P E N A L
N O V A L E I P E N A L
 
Relatório do ministro Gilmar Mendes
Relatório do ministro Gilmar MendesRelatório do ministro Gilmar Mendes
Relatório do ministro Gilmar Mendes
 
Contestação
ContestaçãoContestação
Contestação
 
Caso Nardone Recebimento ApelaçãO NãO Acolhimento Protesto Por Novo Juri
Caso Nardone Recebimento ApelaçãO NãO Acolhimento Protesto Por Novo JuriCaso Nardone Recebimento ApelaçãO NãO Acolhimento Protesto Por Novo Juri
Caso Nardone Recebimento ApelaçãO NãO Acolhimento Protesto Por Novo Juri
 
Habeas corpus pretensão punitiva
Habeas corpus pretensão punitivaHabeas corpus pretensão punitiva
Habeas corpus pretensão punitiva
 

Destaque

Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos. Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos. Palovel
 
1ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - dolo
1ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - dolo1ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - dolo
1ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - doloDireito2012sl08
 
Direito penal 11ª apostila
Direito penal 11ª apostilaDireito penal 11ª apostila
Direito penal 11ª apostilaDireito2012sl08
 
Direito penal 5ª apostila
Direito penal 5ª apostilaDireito penal 5ª apostila
Direito penal 5ª apostilaDireito2012sl08
 
Direito penal 8ª apostila
Direito penal 8ª apostilaDireito penal 8ª apostila
Direito penal 8ª apostilaDireito2012sl08
 
Direito penal 12ª apostila - 08/04/2013
Direito penal 12ª apostila - 08/04/2013Direito penal 12ª apostila - 08/04/2013
Direito penal 12ª apostila - 08/04/2013Direito2012sl08
 
Direito penal 6ª apostila
Direito penal 6ª apostilaDireito penal 6ª apostila
Direito penal 6ª apostilaDireito2012sl08
 
Direito penal 4ª apostila
Direito penal 4ª apostilaDireito penal 4ª apostila
Direito penal 4ª apostilaDireito2012sl08
 
2ªapostila penal 3º semestre teoria do crime -culpa
2ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime -culpa2ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime -culpa
2ªapostila penal 3º semestre teoria do crime -culpaDireito2012sl08
 
Seminário de direito do trabalho i
Seminário de direito do trabalho  iSeminário de direito do trabalho  i
Seminário de direito do trabalho iDireito2012sl08
 
Calendário escolar 2013_1º_semestre
Calendário escolar 2013_1º_semestreCalendário escolar 2013_1º_semestre
Calendário escolar 2013_1º_semestreDireito2012sl08
 
O manifesto do partido politico
O manifesto do partido politicoO manifesto do partido politico
O manifesto do partido politicoDireito2012sl08
 
Direito penal 13ª apostila
Direito penal 13ª apostila Direito penal 13ª apostila
Direito penal 13ª apostila Direito2012sl08
 
Direito penal 9ª apostila
Direito penal 9ª apostilaDireito penal 9ª apostila
Direito penal 9ª apostilaDireito2012sl08
 
Direito penal 7ª apostila
Direito penal 7ª apostilaDireito penal 7ª apostila
Direito penal 7ª apostilaDireito2012sl08
 
Material de filosofia i (4)
Material de filosofia i  (4)Material de filosofia i  (4)
Material de filosofia i (4)Direito2012sl08
 

Destaque (20)

Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos. Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
Direito do Trabalho - alguns casos práticos resolvidos.
 
1ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - dolo
1ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - dolo1ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - dolo
1ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - dolo
 
Direito penal 11ª apostila
Direito penal 11ª apostilaDireito penal 11ª apostila
Direito penal 11ª apostila
 
Direito penal 5ª apostila
Direito penal 5ª apostilaDireito penal 5ª apostila
Direito penal 5ª apostila
 
Direito penal 8ª apostila
Direito penal 8ª apostilaDireito penal 8ª apostila
Direito penal 8ª apostila
 
Direito penal 12ª apostila - 08/04/2013
Direito penal 12ª apostila - 08/04/2013Direito penal 12ª apostila - 08/04/2013
Direito penal 12ª apostila - 08/04/2013
 
Direito penal 6ª apostila
Direito penal 6ª apostilaDireito penal 6ª apostila
Direito penal 6ª apostila
 
Direito penal 4ª apostila
Direito penal 4ª apostilaDireito penal 4ª apostila
Direito penal 4ª apostila
 
Veja Especial Papa
Veja Especial PapaVeja Especial Papa
Veja Especial Papa
 
2ªapostila penal 3º semestre teoria do crime -culpa
2ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime -culpa2ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime -culpa
2ªapostila penal 3º semestre teoria do crime -culpa
 
Seminário de direito do trabalho i
Seminário de direito do trabalho  iSeminário de direito do trabalho  i
Seminário de direito do trabalho i
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
Calendário escolar 2013_1º_semestre
Calendário escolar 2013_1º_semestreCalendário escolar 2013_1º_semestre
Calendário escolar 2013_1º_semestre
 
O manifesto do partido politico
O manifesto do partido politicoO manifesto do partido politico
O manifesto do partido politico
 
Direito penal 13ª apostila
Direito penal 13ª apostila Direito penal 13ª apostila
Direito penal 13ª apostila
 
Direito penal 9ª apostila
Direito penal 9ª apostilaDireito penal 9ª apostila
Direito penal 9ª apostila
 
Direito do trabalho
Direito do trabalhoDireito do trabalho
Direito do trabalho
 
Direito penal 7ª apostila
Direito penal 7ª apostilaDireito penal 7ª apostila
Direito penal 7ª apostila
 
Material de filosofia i (4)
Material de filosofia i  (4)Material de filosofia i  (4)
Material de filosofia i (4)
 
Direito constitucional
Direito constitucionalDireito constitucional
Direito constitucional
 

Semelhante a Exemplos de lei Direito do Trabalho

1136- Contestação a ACP - Viação
1136- Contestação a ACP - Viação1136- Contestação a ACP - Viação
1136- Contestação a ACP - ViaçãoConsultor JRSantana
 
Apostila da Perícia Trabalhista
Apostila da Perícia TrabalhistaApostila da Perícia Trabalhista
Apostila da Perícia TrabalhistaRobson Peixoto
 
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MSDaniel Carvalho
 
Decisão reforma trabalhista
Decisão reforma trabalhistaDecisão reforma trabalhista
Decisão reforma trabalhistaFábio Santos
 
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdf
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdfInterditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdf
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdfRonaldo Santos
 
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdf
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdfInterditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdf
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdfRonaldo Santos
 
Sentença alexandre ponsirenas
Sentença   alexandre ponsirenasSentença   alexandre ponsirenas
Sentença alexandre ponsirenasCláudio Rennó
 
Curso Direito Processual do Trabalho para TRT-SC
Curso Direito Processual do Trabalho para TRT-SCCurso Direito Processual do Trabalho para TRT-SC
Curso Direito Processual do Trabalho para TRT-SCEstratégia Concursos
 
Contrato Individual De Trabalho De Prazo Indeterminado
Contrato Individual De Trabalho De Prazo IndeterminadoContrato Individual De Trabalho De Prazo Indeterminado
Contrato Individual De Trabalho De Prazo IndeterminadoRodolfo Rodrigo Acosta
 
2068 - AGRAVO DE INSTRUMENTO CC EF. ATIVO - CPC Atualizado
2068 - AGRAVO DE INSTRUMENTO CC EF. ATIVO  - CPC Atualizado2068 - AGRAVO DE INSTRUMENTO CC EF. ATIVO  - CPC Atualizado
2068 - AGRAVO DE INSTRUMENTO CC EF. ATIVO - CPC AtualizadoConsultor JRSantana
 
Decisão judicial obriga grevistas de Florianópolis a voltarem ao trabalho em ...
Decisão judicial obriga grevistas de Florianópolis a voltarem ao trabalho em ...Decisão judicial obriga grevistas de Florianópolis a voltarem ao trabalho em ...
Decisão judicial obriga grevistas de Florianópolis a voltarem ao trabalho em ...Tudo Sobre Floripa
 
1162- CONVERSÃO DE TEMPO ESPECIAL EM COMUM I
1162- CONVERSÃO DE TEMPO ESPECIAL EM COMUM I1162- CONVERSÃO DE TEMPO ESPECIAL EM COMUM I
1162- CONVERSÃO DE TEMPO ESPECIAL EM COMUM IConsultor JRSantana
 
Conciliação no TJ-RO suspende movimento do SINGEPERON
Conciliação no TJ-RO suspende movimento do SINGEPERONConciliação no TJ-RO suspende movimento do SINGEPERON
Conciliação no TJ-RO suspende movimento do SINGEPERONLeandro César
 
Apostila audiência trabalhista 2013
Apostila audiência trabalhista 2013Apostila audiência trabalhista 2013
Apostila audiência trabalhista 2013DIONATAN22
 
Acórdão revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
Acórdão   revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...Acórdão   revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
Acórdão revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...Waldemar Ramos Junior
 

Semelhante a Exemplos de lei Direito do Trabalho (20)

Resumo PROCESSO TRABALHO
Resumo PROCESSO TRABALHOResumo PROCESSO TRABALHO
Resumo PROCESSO TRABALHO
 
1136- Contestação a ACP - Viação
1136- Contestação a ACP - Viação1136- Contestação a ACP - Viação
1136- Contestação a ACP - Viação
 
Apostila da Perícia Trabalhista
Apostila da Perícia TrabalhistaApostila da Perícia Trabalhista
Apostila da Perícia Trabalhista
 
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS
 
1127- CONTESTAÇÃO II
1127- CONTESTAÇÃO  II1127- CONTESTAÇÃO  II
1127- CONTESTAÇÃO II
 
Decisão reforma trabalhista
Decisão reforma trabalhistaDecisão reforma trabalhista
Decisão reforma trabalhista
 
Resumo de proc.trabalho
Resumo de proc.trabalhoResumo de proc.trabalho
Resumo de proc.trabalho
 
1134- CONTESTAÇÃO V
1134- CONTESTAÇÃO V1134- CONTESTAÇÃO V
1134- CONTESTAÇÃO V
 
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdf
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdfInterditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdf
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdf
 
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdf
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdfInterditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdf
Interditos proibitórios e direito de greve. art rev ltr_n.5_maio2011_p.543. pdf
 
Sentença alexandre ponsirenas
Sentença   alexandre ponsirenasSentença   alexandre ponsirenas
Sentença alexandre ponsirenas
 
Curso Direito Processual do Trabalho para TRT-SC
Curso Direito Processual do Trabalho para TRT-SCCurso Direito Processual do Trabalho para TRT-SC
Curso Direito Processual do Trabalho para TRT-SC
 
Recurso Ordinário Trabalhista
Recurso Ordinário TrabalhistaRecurso Ordinário Trabalhista
Recurso Ordinário Trabalhista
 
Contrato Individual De Trabalho De Prazo Indeterminado
Contrato Individual De Trabalho De Prazo IndeterminadoContrato Individual De Trabalho De Prazo Indeterminado
Contrato Individual De Trabalho De Prazo Indeterminado
 
2068 - AGRAVO DE INSTRUMENTO CC EF. ATIVO - CPC Atualizado
2068 - AGRAVO DE INSTRUMENTO CC EF. ATIVO  - CPC Atualizado2068 - AGRAVO DE INSTRUMENTO CC EF. ATIVO  - CPC Atualizado
2068 - AGRAVO DE INSTRUMENTO CC EF. ATIVO - CPC Atualizado
 
Decisão judicial obriga grevistas de Florianópolis a voltarem ao trabalho em ...
Decisão judicial obriga grevistas de Florianópolis a voltarem ao trabalho em ...Decisão judicial obriga grevistas de Florianópolis a voltarem ao trabalho em ...
Decisão judicial obriga grevistas de Florianópolis a voltarem ao trabalho em ...
 
1162- CONVERSÃO DE TEMPO ESPECIAL EM COMUM I
1162- CONVERSÃO DE TEMPO ESPECIAL EM COMUM I1162- CONVERSÃO DE TEMPO ESPECIAL EM COMUM I
1162- CONVERSÃO DE TEMPO ESPECIAL EM COMUM I
 
Conciliação no TJ-RO suspende movimento do SINGEPERON
Conciliação no TJ-RO suspende movimento do SINGEPERONConciliação no TJ-RO suspende movimento do SINGEPERON
Conciliação no TJ-RO suspende movimento do SINGEPERON
 
Apostila audiência trabalhista 2013
Apostila audiência trabalhista 2013Apostila audiência trabalhista 2013
Apostila audiência trabalhista 2013
 
Acórdão revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
Acórdão   revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...Acórdão   revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
Acórdão revisão para transformação apossentadoria por tempo em aposentadori...
 

Mais de Direito2012sl08

Programação semana jurídica 2013
Programação semana jurídica 2013Programação semana jurídica 2013
Programação semana jurídica 2013Direito2012sl08
 
Questionario direito do trabalho
Questionario direito do trabalhoQuestionario direito do trabalho
Questionario direito do trabalhoDireito2012sl08
 
Conteudo programatico direito constitucional
Conteudo programatico direito constitucionalConteudo programatico direito constitucional
Conteudo programatico direito constitucionalDireito2012sl08
 
Atividdaes complementares
Atividdaes complementaresAtividdaes complementares
Atividdaes complementaresDireito2012sl08
 
Conteudo programatico direito civil
Conteudo programatico direito civilConteudo programatico direito civil
Conteudo programatico direito civilDireito2012sl08
 
1ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - dolo
1ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - dolo1ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - dolo
1ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - doloDireito2012sl08
 
2ªapostila penal 3º semestre teoria do crime -culpa
2ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime -culpa2ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime -culpa
2ªapostila penal 3º semestre teoria do crime -culpaDireito2012sl08
 
3ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - erro de tipo
3ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - erro de tipo3ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - erro de tipo
3ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - erro de tipoDireito2012sl08
 
Princípios do direito do trabalho texto
Princípios do direito do trabalho   textoPrincípios do direito do trabalho   texto
Princípios do direito do trabalho textoDireito2012sl08
 
Folha do trabalho de Direito do Trabalho em grupo
Folha do trabalho de Direito do Trabalho em grupoFolha do trabalho de Direito do Trabalho em grupo
Folha do trabalho de Direito do Trabalho em grupoDireito2012sl08
 
Calendário acadêmico 20132_-_uni_capital
Calendário acadêmico 20132_-_uni_capitalCalendário acadêmico 20132_-_uni_capital
Calendário acadêmico 20132_-_uni_capitalDireito2012sl08
 
Plano de ensino constitucional
Plano de ensino constitucionalPlano de ensino constitucional
Plano de ensino constitucionalDireito2012sl08
 
Direito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostilaDireito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostilaDireito2012sl08
 

Mais de Direito2012sl08 (16)

Programação semana jurídica 2013
Programação semana jurídica 2013Programação semana jurídica 2013
Programação semana jurídica 2013
 
Questionario direito do trabalho
Questionario direito do trabalhoQuestionario direito do trabalho
Questionario direito do trabalho
 
Conteudo programatico direito constitucional
Conteudo programatico direito constitucionalConteudo programatico direito constitucional
Conteudo programatico direito constitucional
 
Atividdaes complementares
Atividdaes complementaresAtividdaes complementares
Atividdaes complementares
 
Conteudo programatico direito civil
Conteudo programatico direito civilConteudo programatico direito civil
Conteudo programatico direito civil
 
1ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - dolo
1ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - dolo1ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - dolo
1ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - dolo
 
2ªapostila penal 3º semestre teoria do crime -culpa
2ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime -culpa2ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime -culpa
2ªapostila penal 3º semestre teoria do crime -culpa
 
3ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - erro de tipo
3ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - erro de tipo3ªapostila penal 3º semestre   teoria do crime - erro de tipo
3ªapostila penal 3º semestre teoria do crime - erro de tipo
 
Trabalho i
Trabalho iTrabalho i
Trabalho i
 
Princípios do direito do trabalho texto
Princípios do direito do trabalho   textoPrincípios do direito do trabalho   texto
Princípios do direito do trabalho texto
 
Folha do trabalho de Direito do Trabalho em grupo
Folha do trabalho de Direito do Trabalho em grupoFolha do trabalho de Direito do Trabalho em grupo
Folha do trabalho de Direito do Trabalho em grupo
 
Direito civil
Direito civilDireito civil
Direito civil
 
Calendário acadêmico 20132_-_uni_capital
Calendário acadêmico 20132_-_uni_capitalCalendário acadêmico 20132_-_uni_capital
Calendário acadêmico 20132_-_uni_capital
 
Horario 3º semestre
Horario 3º semestreHorario 3º semestre
Horario 3º semestre
 
Plano de ensino constitucional
Plano de ensino constitucionalPlano de ensino constitucional
Plano de ensino constitucional
 
Direito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostilaDireito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostila
 

Exemplos de lei Direito do Trabalho

  • 1. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N° 12.506. DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre o aviso prévio e dá outras providências. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1 5 O aviso prévio, de que trata o Capítulo VI do Título IV da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n° 5.452, de 1° de maio de 1943, será concedido na proporção de 30 (trinta) dias aos empregados que contem até 1 (um) ano de serviço na mesma empresa. Parágrafo único. Ao aviso prévio previsto neste artigo serão acrescidos 3 (três) dias por ano de serviço prestado na mesma empresa, dias, perfazendo um total de até 90 (noventa) dias. Art. 2 e Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 11 de outubro de 2011; 1902 da Independência e 1232 da República. DILMA ROUSSEFF José Eduardo Cardozo Guido Mantega Carlos Lupi Fernando Damaia Pimentel Miriam Belchior Garibaldi Alves Filho Luis Inácio Lucena Adams Este texto não substitui o publicado no DOU de 13.10.2011
  • 2. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2006/2007 Por este instrumento coletivo, figuram de um lado XXXXXXXXXXXXXXXXXX., pessoa jurídica de direito privado, estabelecida nesta cidade de Londrina, Estado do Paraná, na Rua XXXXXXXXXXXXXXX , inscrita na Junta Comercial do Estado do Paraná, sob o n° XXXXXXXXXX, neste ato representado por seu sócio XXXXXXXXXXXXX, doravante denominada EMPRESA e, de outro lado os seus EMPREGADOS, neste ato representados pelo sindicato laboral, SINDASPEL -SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE CONTABILIDADE, ASSESSORAMENTO, PERÍCIAS, INFORMAÇÕES, PESQUISAS E DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE LONDRINA E REGIÃO, por seus representante legal, que ao final assina, doravante denominado SINDICATO, firmam o presente instrumento coletivo nos termos e condições seguintes: CLÁUSULA PRIMEIRA - ABRANGÊNCIA: O presente Acordo Coletivo de Trabalho se aplica a todos empregados da Empresa, ora representados pelo Sindicato, nos municípios que compreendem a base territorial do Sindaspel no estado do Paraná. CLÁUSULA SEGUNDA - PRAZO DE VIGÊNCIA: A vigência deste acordo será por prazo determinado, com início previsto para 01/06/2006 à 31/05/2007. CLÁUSULA TERCEIRA - REAJUSTE SALARIAL: A Empresa concederá aos seus empregados o reajuste de XXXXXX, a ser aplicado sobre OS salários vigentes em 01/06/2005, Para os empregados admitidos após o mês de junho de 2005, o reajuste salarial será proporcional ao tempo de serviço nos termos da Instrução Normativa n° 01, do TST. CLÁUSULA QUARTA - PISOS SALARIAIS
  • 3. A Empresa fica obrigada a praticar os pisos salariais mínimos de ingresso no âmbito da empresa: Auxiliar administrativo: R$ XXXX Secretaria/Recepcionista: R$ XXXX Servente: R$ XXXX Contador: R$ XXXX Zeladora: R$ XXXX Motorista: R$ XXXX Continuo: R$ XXXX CLÁUSULA QUINTA - APLICAÇÃO DA CCT SINDASPEL/SESCAP-LDR As Demais clausulas da Convenção Coletiva de Trabalho assinada entre o Sindaspel e o respectivo sindicato patronal Sescap-Ldr deverão se cumpridas automaticamente pela empresa, exceto aquelas conflitantes com o presente acordo. CLÁUSULA DECIMA - DISPOSIÇÕES FINAIS: O presente ajuste é considerado firme e valioso para abranger, por seus dispositivos, todos os contratos individuais de trabalho firmados entre a empresa e os trabalhadores representados pelo Sindicato, inclusive aqueles que venham a ser firmados após essa data, independentemente de qualquer outra formalidade. Com a manifestação de comum acordo, tem-se como cumpridas as exigências legais/ observados os dispositivos de proteção do trabalho, inclusive do menor. Londrina, XX de XXXXX de XXXX. xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
  • 4. Acórdão do processo 0000506-86.2012.5.04.0561 (RO) Data: 09/05/2013 Origem: Vara do Trabalho de Carazinho Redator: HERBERT PAULO BECK Participam: JOÃO GHISLENI FILHO, FLÁVIA LORENA PACHECO Teor integral do documento (PDF) | Cópia do documento (RTF) | Andamentos do processo PROCESSO: 0000506-86.2012.5.04.0561 RO EMENTA RECURSO ORDINÁRIO DA RECLAMANTE. ÓNUS DA PROVA. PRINCÍPIO IN DÚBIO PRO OPERÁRIO. A distribuição do ónus da prova, em regra, obedece ao disposto nos artigos 818 da CLT e 333 do CPC, não incidindo ao caso o princípio in dúbio pro operário no tocante ao conjunto probatório. Provimento negado. ACÓRDÃO por unanimidade, NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO ORDINÁRIO DA RECLAMANTE. RELATÓRIO Inconformada com a sentença das fls. 220-226, que julgou procedente em parte a ação, a reclamante interpõe recurso ordinário às fls. 227-231, pretendendo a reforma do julgado em relação às horas extras postuladas. Contrarrazões pelo recorrido às fls. 460-462/verso. VOTO RELATOR DESEMBARGADOR HERBERT PAULO BECK: HORAS EXTRAS Não se conforma a reclamante com a decisão que indeferiu o pedido de pagamento de horas extras, de acordo com a jornada de trabalho noticiada na inicial. Em resumo, alega que os registros de horário mantidos são completamente nulos, porquanto invariáveis, incidindo ao caso o entendimento vertido na Súmula n° 338 do TST. Sustenta que a questão muito bem pode ser resolvida pela aplicação do princípio da proteção, assim desdobrado: a) in dúbio pro operário; b) norma mais favorável; e c) condição mais benéfica. Invoca os artigos 818 da CLT e 333 do CPC. Transcreve doutrina. Requer a reforma da sentença para "ver reconhecidos os horários laborais apontados na inicial e seus respectivos reflexos". Analiso. Quanto às alegações da inicial e da defesa, faço uso da narrativa do Julgador de primeiro grau, e que assim consta na sentença (fl. 223/verso): "A reclamante postula horas extras, intervalos inter jornadas, intervalos intrajornada e reflexos em repousos semanais remunerados, alegando que sempre laborou das 7h30min às 19h30min, com 45 minutos de
  • 5. intervalo, de segundas a sextas-feiras, que foi contratada para laborar 200 horas mensais e que tem direito a 80 horas extras mensais. Aduz que executa sozinha a manipulação de todos os pedidos dos doze municípios que integram o consórcio reclamado, o que impõe a preparação de aproximadamente 260.000 unidades de cápsulas, de 8.5000 unidades de líquidos e de 320.000 unidades de comprimidos. Sustenta, ainda, que a reclamada não respeitou os períodos de intervalo interjornadas e intrajornada. A reclamada alega que a juntada de documentos não é necessária pois o procurador da reclamante era assessor jurídico da empresa, cargo que ocupou por um longo tempo, e sabe que as obrigações sempre foram cumpridas. Sustenta que a reclamante sabe que não existe cartão-ponto, pois a empresa sempre teve menos de dez empregados, que registravam sua entrada e saída em um livro, colocando sempre o mesmo horário, tanto para a entrada quanto para a saída. Aduz que está juntando as cópias que encontrou (...)". Os cartões de ponto foram juntados às fls. 71-142 e, conforme admite a própria defesa, contêm registros invariáveis, com a seguinte jornada: das 8h às 12h e das 13h às 17h. Quanto à prova oral, os depoimentos das partes foram tomados nos seguintes termos (fl. 218): "Depoimento pessoal do(a) reclamante: que a depoente trabalhou até 12/06/2012; que a depoente trabalhava das 07h30min às 19h30min, com 30 a 40 minutos de intervalo para almoço; (...) Depoimento pessoal da preposta da(s) reclamada(s): que a reclamante trabalhava das 08h às 12h e das 13h às 17h; que a reclamante tinha uma hora para almoço; (...)". As testemunhas da reclamante registram que: Primeira testemunha da reclamante: FRANCISCA LOTTERMANN (...) que a reclamante continuou trabalhando depois que a depoente parou; que a depoente trabalhava das 07h30min às 12h e das 13h às l&hZômin/lQh, de segundas a sextas-feiras; que o horário de trabalho da reclamante era o mesmo da depoente; que no livro-ponto era registrado o horário oficial: das 08h às 12h e das 13h às 17h; (...) Segunda testemunha da reclamante: GESON BORGES MACEDO (...) que o depoente trabalhava das 07h30min às 19h30min, com 30 a 40 minutos de intervalo para almoço, de segundas a sextas-feiras; que o horário de trabalho da reclamante era o mesmo do depoente; que todos os empregados trabalhavam no horário do depoente; que no livro-ponto era registrado o horário das 08h às 12h e das 13h às 17h30min; (...)". E as testemunhas do reclamado prestam depoimento da seguinte forma: "Primeira testemunha da reclamada: EMANOELI DOS SANTOS (...) que a depoente trabalha para a reclamada das 08h às 12h e das 13h às 17h, de segundas a sextas-feiras; que a reclamante era manipuladora de medicamentos: que a reclamante trabalhava em horário igual ao horário de trabalho da depoente; (...) Segunda testemunha da reclamada: PATRÍCIA RIBICKI (...) que a depoente trabalha para a reclamada das 08h às 12he das 13hàs 17h, de segundas a sextas-feiras; que a reclamante era manipuladora de medicamentos; que a reclamante trabalhava em horário igual ao horário de trabalho da depoente;
  • 6. (...) Terceira testemunha da reclamada: RAQUEL ROSÂNGELA PIMENTEL (...) que a depoente trabalha para a reclamada das 08h às 12h e das 13h às 17h, de segundas a sextas-feiras; que a reclamante era manipuladora de medicamentos; que a reclamante trabalhava em horário igual ao horário de trabalho da depoente; que todos os empregados trabalhavam no mesmo horário; (...) que havia um intervalo de 30 minutos no turno da manhã e um intervalo de 30 minutos no turno da tarde; que a produção não exigia trabalho em horas extras; Pois bem. Nada obstante o entendimento expressado no item III da Súmula n° 338 do TST, entendo, no caso, que os registros de horários apresentados são válidos. Embora os cartões-ponto apresentem horários de trabalho invariáveis, estes são manualmente anotados pela autora. Por outro lado, a prova testemunhal restou dividida, não permitindo convencimento seguro quanto à jornada declinada pela autora, em prejuízo daquela anotada nos cartões de ponto. Veja-se que as duas testemunhas apresentadas pela reclamante confirmam a jornada de trabalho por ela alegada, enquanto as três testemunhas arroladas pelo reclamado prestam depoimento justamente no sentido contrário. Além disso, não há prova de que o reclamado conte com mais de 10 empregados, conforme preconiza o item I da Súmula n° 338 do TST, e tratando-se o réu de Consórcio Intermunicipal de Saúde, para manipulação e distribuição de medicamentos aos municípios associados, merece chancela também a consideração da experiência cotidiana adotada pelo Julgador de origem, qual seja, de que a prática de horas extras não é ordinária no serviço público (CPC, art. 335). Por fim, a distribuição do ónus da prova, em regra, obedece ao disposto no art. 818 da CLT e 333 do CPC, não incidindo ao caso o princípio in dúbio pro operário no tocante ao conjunto probatório. Neste contexto, entendo que, não obstante o entendimento vertido no item III da Súmula n° 338 do TST, não logrou êxito a reclamante em demonstrar que o seu horário de trabalho difere daquele formalmente anotado, ainda que invariável. Sentença de improcedência em relação ao pedido de horas extras que mantenho pelos seus próprios fundamentos. Nada a prover.