SlideShare uma empresa Scribd logo
Sexualidade e Envelhecimento:
Linhas de Orientação para
a Comunicação entre
Técnico e Adulto Idoso
Diogo Oliveira • Pós-Graduação em Gerontologia
Prof. Dr. Luís Miguel Neto – Sexualidade das Pessoas Idosas
ISCSP – Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
Universidade de Lisboa • 2015
Sumário
Relevância do Tema
Sexualidade na Velhice
Condicionantes para não se falar de Sexo
Responsabilidade dos Técnicos
Condições para o Diálogo
Orientações para o Diálogo
Falar sobre Sexualidade entre Técnico e Adulto Idoso
- Exploração de assuntos latentes que podem afetar a vida da
pessoa,
- Capacitar o idoso para lidar com as questões da sua sexualidade,
- Ajudar a compreender as mudanças do corpo ao longo da vida,
- Aumento da confiança e do conforto, na relação entre ambos.
Porquê?
Algumas Noções da Sexualidade do Adulto Idoso
- Os idosos desfrutam e beneficiam, com regularidade, da intimidade
sexual.
- O nível de atividade sexual de quando se é mais novo é
um preditor do nível de atividade sexual de quando se é
mais velho.
- No envelhecimento normal verifica-se:
- Menor frequência da atividade sexual,
- Resposta sexual mais lenta,
- Diminuição da agilidade.
- Por outro lado, mantêm-se elevados a satisfação e o prazer
proporcionados pela atividade sexual.
Algumas Noções da Sexualidade do Adulto Idoso (continuação)
- Condições para um relacionamento sexual satisfatório:
- Segurança, conforto, atracção,
- Sentir-se seguro e positivo acerca da relação,
- Auto-imagem positiva,
- Comunicação adequada (comunicação em geral: importante
para o estabelecimento da intimidade; comunicação sobre
sexo: para partilhar expectativas, o que se espera e o que
não se pretende).
- A intimidade emocional requer:
- Perceber o que o outro pensa e sente,
- Querer transmiti-lo ao outro,
- Capacidade de expressar sentimentos e ideias,
- Capacidade de perceber o significado da comunicação verbal
e não verbal.
Algumas Noções da Sexualidade do Adulto Idoso (cont.)
- Sugestões para a manutenção da sexualidade:
- Resolver problemas auditivos (comunicação e intimidade),
- Tratar da higiene oral,
- Cuidar da pele (menor elasticidade dos tecidos que
podem sofrer lesões pela fricção),
- Evitar o tabaco,
- Aprender e executar exercícios específicos,
- Tratar com antecedência a dor (ex. artrite) e a dispneia,
- Colocar de parte expectativas irrealistas.
- Existe uma amplitude de preferências e adaptações.
- Não há respostas correctas, especialmente se o parceiro
tiver demência.
Algumas Noções da Sexualidade do Adulto Idoso (cont.)
- A demência conduz, com frequência, ao decréscimo da qualidade
da vida sexual, em parte, devido a problemas que se relacionam
com o manter da intimidade e da segurança.
- Tem impacto na capacidade de uma pessoa saber o que a
outra está a pensar ou a sentir e em expressá-lo com
clareza.
- Constitui um factor de erosão da comunicação. A ausência
de comunicação torna difícil a intimidade emocional e, por
conseguinte, a intimidade sexual.
- As disfunções sexuais fazem parte de um processo patológico de
envelhecimento e podem ser tratadas. Categorias das disfunções:
- Desejo,
- Excitação,
- Orgasmo.
Condicionantes para não se falar de Sexo
Quando se aborda o tema da sexualidade de pessoas mais velhas,
o assunto é frequentemente:
- Evitado,
- Tratado com humor .
Porquê?
Condicionantes para não se falar de Sexo:
por parte do Técnico
- Falta de conforto emocional em relação ao tema,
- Crenças religiosas e culturais,
- Receio, entre os mais novos, de que falar sobre sexo com os mais
velhos seja ofensivo,
- Falta de privacidade,
- Preconceitos, sentimentos e crenças negativas em relação a
doenças crónicas, sexualidade e envelhecimento,
- Limitações de tempo,
- Falta de formação ou insuficiência de conhecimentos,
- Não saber como começar a conversa, como continuá-la e/ou
como terminá-la.
Condicionantes para não se falar de Sexo:
por parte do Idoso
- Crença de que o técnico considera o tema inapropriado ou sem
importância,
- No casal, se um dos parceiros é saudável, pode considerar que
trazer as suas questões sobre a sexualidade demonstre egoísmo
ou que é mau prestador de cuidados,
- Constrangimento e hesitação em relação ao tema,
- Crenças religiosas e culturais,
- Espera que o técnico traga o tema ao diálogo.
Sexualidade: Qual a responsabilidade do Técnico?
Para os técnicos que trabalham com idosos a principal
responsabilidade, no que à sexualidade se refere, é:
- Proporcionar as condições adequadas e introduzir o tema.
Condições para o Diálogo sobre Sexualidade
- O técnico tem de se tornar confortável consigo mesmo:
- Perceber e aceitar que as primeiras vezes que o tema for
abordado poderá causar desconforto,
- Superar as hesitações requer esforço para que o incómodo
não iniba, mesmo que fique corado. Tem de saber que isso
pode acontecer e prosseguir.
- Pode não ter todas as respostas necessárias, mas deve
comprometer-se perante o idoso em tentar procurá-las.
Condições para o Diálogo sobre Sexualidade (continuação)
- Desenvolver comportamentos de afinidade e empatia:
- Estabelecer o à-vontade na relação entre técnico e idoso,
- Proporcionar um diálogo aberto e apoiante,
- Aguardar pelo 2.º ou 3.º contacto antes de abordar o tema.
- Assegurar a privacidade e a confidencialidade.
- Garantir tempo suficiente:
- As pessoas mais velhas adiam com frequência o assunto,
pois causa ansiedade ou é algo de que se receia falar e a
coragem para o fazer surge apenas quando chega o final
do encontro. Nesse momento não há tempo suficiente
para abordar o tema. Deve-se assegurar que o assunto é
tratado da próxima vez, para se prestar um serviço adequado.
Condições para o Diálogo sobre Sexualidade (cont.)
- Conhecimentos:
- Alterações associadas ao envelhecimento normal:
- Hormonas sexuais,
- Genitais,
- Fertilidade,
- Líbido,
- Excitação,
- Orgasmo,
- Período refratário.
- Doenças com impacto negativo na sexualidade,
- Medicamentos associados a disfunções sexuais,
- Efeitos de abuso de substâncias no desempenho sexual.
Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade
- Introdução do tema:
- Na sequência de questões relacionadas com a saúde:
- funcionamentointestinaloudabexiga(proximidadeanatómica).
- Colocando-o em contexto:
- Atividade sexual é tanto um indicador de saúde como um
contributo para a saúde.
- Normativizando:
- Fazemos algumas questões às pessoas que vêm ter
connosco. Há perguntas que são mais íntimas e pode até
ser a primeira vez que um técnico lhas faça. Explicarei o
seu motivo à medida que forem surgindo. Se em algum
momento não se sentir à vontade, sinta-se no direito de
dizer, por exemplo, “passo”. Pode ser?
Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade (continuação)
- Frases neutras e sem carga emocional:
- Ex.: “Tem notado mudanças na sua vida sexual?”
- Há pessoas com baixa líbido sem que isso seja um
problema para elas, outras que têm uma líbido elevada. A
investigação mostra que os comportamentos de quando
se é mais novo se mantêm ao longo da vida, pelo que o
uso desta questão, com foco na mudança, não implica que
a pessoa se sinta julgada ou criticada pela pergunta.
- Nunca recorrer a perguntas como: “Ainda faz sexo?”.
Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade (cont.)
- Não fazer juízos de valor e não criar pressupostos:
- Pessoas com deficiências, doença crónica, etc., têm sexo,
- Ocorre sexo fora das relações conjugais,
- Pessoa que se identifica como heterossexual pode ter ou
desejar ter parceiros do mesmo sexo,
- Os comportamentos, adaptações e orientações sexuais
existem num gradiente.
- Ser claro que a experiência sexual se refere a uma ampla
abrangência de comportamentos. Não se restringe apenas ao coito.
Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade (cont.)
- Utilizar frases compreensíveis e clareza de linguagem.
- Ouvir como a pessoa se descreve a si e ao parceiro e manter a
mesma linha de discurso (excepto se os termos forem ofensivos).
- Quando não se tem certeza sobre que terminologia utilizar, deve
perguntar-se:
- Em vez de se perguntar: “É casado(a) ou tem namorado(a)?”,
deve perguntar-se : “Tem companheiro(a)ou esposo(a)?”
- “Atualmente tem algum relacionamento?” se sim: “Fale-me
sobre o seu relacionamento”.
- Não hesitar em pedir a clarificação de termos e comportamentos.
Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade (cont.)
- Usar esquemas, imagens, gestos e humor, se forem adequados.
- Recorrer a perguntas abertas.
- Ser curioso, respeitador e empático:
- Determinar a vontade da pessoa para a intimidade sexual e a
sua atividade sexual atual,
- Perguntar sobre as experiências sexuais recentes, com quem
esteve envolvido, etc.
Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade (cont.)
- Explorar as conceções socioculturais e psicológicas que a pessoa
tem sobre a sexualidade:
- Uso do Inquérito Apreciativo
- “Como se sente em relação a isso?”
- Evitar a pergunta “Porquê?”
- Ser paciente, meticuloso e sensível à cultura e heterogeneidade
das pessoas idosas.
- Deixar que sejamos ensinados.
Referências
Cooper, S., & Smith, J. (2009). Sexual health issues. Retirado de:
http://www.slideshare.net/NorthTecNursing/sexual-health-issues
Cormier, S., & Nurius, P. S. (2003). Interviewing and change strategies
for helpers: Fundamental skills and cognitive behavioral
interventions (5ª Ed.). California: Thomson, Brooks/Cole.
Sewell, D. (2014). Sexuality and aging: Research on aging. Retirado de:
www.youtube.com/watch?v=fJHiUzHZP80
Valente, S. (2012). A sexualidade das pessoas idosas. Um estudo
realizado num lar de pessoas idosas do concelho de Alenquer.
(Tese de mestrado não publicada). Instituto Superior de
Ciências Sociais e Políticas - Universidade de Lisboa, Lisboa.
http://inqueritoapreciativo.com/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção BásicaConsulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Centro Universitário Ages
 
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Atendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idosoAtendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idoso
Jamessonjr Leite Junior
 
Apresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idosoApresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idoso
Alinebrauna Brauna
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
SEXUALIDADE NO IDOSO
SEXUALIDADE NO IDOSOSEXUALIDADE NO IDOSO
SEXUALIDADE NO IDOSO
Rubens Junior
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
Carla Couto
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Dany Romeira
 
O que é envelhecer
O que é envelhecerO que é envelhecer
O que é envelhecer
Dersonoliveira
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idosos
Nome Sobrenome
 
Sexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
Sexualidade e Envelhecimento - Rui GriloSexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
Sexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
Rui Grilo
 
Visita Domiciliar: PET-Saúde UFOP
Visita Domiciliar: PET-Saúde UFOPVisita Domiciliar: PET-Saúde UFOP
Visita Domiciliar: PET-Saúde UFOP
Leonardo Savassi
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
Ana Hollanders
 
Idoso
IdosoIdoso
A GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUSA GESTÃO DO SUS
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfc
Ricardo Alexandre
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
Jose Roberto
 
Cuidadores de idosos e instituições de longa permanência para idosos: panoram...
Cuidadores de idosos e instituições de longa permanência para idosos: panoram...Cuidadores de idosos e instituições de longa permanência para idosos: panoram...
Cuidadores de idosos e instituições de longa permanência para idosos: panoram...
Cuidar de Idosos
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde

Mais procurados (20)

Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção BásicaConsulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
 
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
 
Atendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idosoAtendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idoso
 
Apresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idosoApresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idoso
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
SEXUALIDADE NO IDOSO
SEXUALIDADE NO IDOSOSEXUALIDADE NO IDOSO
SEXUALIDADE NO IDOSO
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
 
O que é envelhecer
O que é envelhecerO que é envelhecer
O que é envelhecer
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idosos
 
Sexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
Sexualidade e Envelhecimento - Rui GriloSexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
Sexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
 
Visita Domiciliar: PET-Saúde UFOP
Visita Domiciliar: PET-Saúde UFOPVisita Domiciliar: PET-Saúde UFOP
Visita Domiciliar: PET-Saúde UFOP
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
Idoso
IdosoIdoso
Idoso
 
A GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUSA GESTÃO DO SUS
A GESTÃO DO SUS
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfc
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
Cuidadores de idosos e instituições de longa permanência para idosos: panoram...
Cuidadores de idosos e instituições de longa permanência para idosos: panoram...Cuidadores de idosos e instituições de longa permanência para idosos: panoram...
Cuidadores de idosos e instituições de longa permanência para idosos: panoram...
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 

Destaque

Sexualidade e erotismo na terceira idade
Sexualidade e erotismo na terceira idadeSexualidade e erotismo na terceira idade
Sexualidade e erotismo na terceira idade
Darciane Brito
 
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTOSEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
Rubens De Fraga Junior
 
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso-110906123549-phpapp02...
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso-110906123549-phpapp02...56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso-110906123549-phpapp02...
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso-110906123549-phpapp02...
cleudenice
 
Unleash the Benefits of Olive Leaf
Unleash the Benefits of Olive LeafUnleash the Benefits of Olive Leaf
Unleash the Benefits of Olive Leaf
Barleans
 
32. Palestra O Homem e o Envelhecimento (XI Congresso Hispano-Luso de Geronto...
32. Palestra O Homem e o Envelhecimento (XI Congresso Hispano-Luso de Geronto...32. Palestra O Homem e o Envelhecimento (XI Congresso Hispano-Luso de Geronto...
32. Palestra O Homem e o Envelhecimento (XI Congresso Hispano-Luso de Geronto...
Bruno Jorge Pereira, MD, FEBU, FECSM
 
ASPECTOS SOCIAIS E PSICOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO
ASPECTOS SOCIAIS E PSICOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTOASPECTOS SOCIAIS E PSICOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO
ASPECTOS SOCIAIS E PSICOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO
Márcio Borges
 
Slide sexualidade
Slide sexualidadeSlide sexualidade
Slide sexualidade
Hannah Dantas
 
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Deisiane Cazaroto
 
Terapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuais
Terapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuaisTerapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuais
Terapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuais
Eduardo Moreira
 
Sexualidade Na Terceira Idade
Sexualidade Na Terceira IdadeSexualidade Na Terceira Idade
Sexualidade Na Terceira Idade
a20061577
 
Fisiologia do envelhecimento marcelo
Fisiologia do envelhecimento  marceloFisiologia do envelhecimento  marcelo
Fisiologia do envelhecimento marcelo
Sione Leiras
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
Carol Alves
 
Psicologia da velhice
Psicologia da velhicePsicologia da velhice
Psicologia da velhice
Daniela Rocha
 

Destaque (13)

Sexualidade e erotismo na terceira idade
Sexualidade e erotismo na terceira idadeSexualidade e erotismo na terceira idade
Sexualidade e erotismo na terceira idade
 
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTOSEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
 
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso-110906123549-phpapp02...
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso-110906123549-phpapp02...56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso-110906123549-phpapp02...
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso-110906123549-phpapp02...
 
Unleash the Benefits of Olive Leaf
Unleash the Benefits of Olive LeafUnleash the Benefits of Olive Leaf
Unleash the Benefits of Olive Leaf
 
32. Palestra O Homem e o Envelhecimento (XI Congresso Hispano-Luso de Geronto...
32. Palestra O Homem e o Envelhecimento (XI Congresso Hispano-Luso de Geronto...32. Palestra O Homem e o Envelhecimento (XI Congresso Hispano-Luso de Geronto...
32. Palestra O Homem e o Envelhecimento (XI Congresso Hispano-Luso de Geronto...
 
ASPECTOS SOCIAIS E PSICOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO
ASPECTOS SOCIAIS E PSICOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTOASPECTOS SOCIAIS E PSICOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO
ASPECTOS SOCIAIS E PSICOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO
 
Slide sexualidade
Slide sexualidadeSlide sexualidade
Slide sexualidade
 
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
 
Terapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuais
Terapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuaisTerapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuais
Terapia cognitivo comportamental para as disfunções sexuais
 
Sexualidade Na Terceira Idade
Sexualidade Na Terceira IdadeSexualidade Na Terceira Idade
Sexualidade Na Terceira Idade
 
Fisiologia do envelhecimento marcelo
Fisiologia do envelhecimento  marceloFisiologia do envelhecimento  marcelo
Fisiologia do envelhecimento marcelo
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
 
Psicologia da velhice
Psicologia da velhicePsicologia da velhice
Psicologia da velhice
 

Semelhante a Sexualidade e Envelhecimento: Comunicação entre Técnico e Idoso

Workshop sexualidade e deficiência
Workshop  sexualidade e deficiênciaWorkshop  sexualidade e deficiência
Workshop sexualidade e deficiência
SER_2011
 
Sexualidade Relacao
Sexualidade RelacaoSexualidade Relacao
Sexualidade Relacao
martim de freitas
 
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação FinalSexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
guest63f1fa
 
Ficar em abstinencia_sexual (2)
Ficar em abstinencia_sexual (2)Ficar em abstinencia_sexual (2)
Ficar em abstinencia_sexual (2)
Tharas On Line
 
O que e paixao
 O que e paixao O que e paixao
O que e paixao
Claudia Chaves
 
PlanificaçãO Afectos
PlanificaçãO AfectosPlanificaçãO Afectos
PlanificaçãO Afectos
PESES
 
Prevenção da Toxicodependência
Prevenção da ToxicodependênciaPrevenção da Toxicodependência
Prevenção da Toxicodependência
Isabel Rocha
 
9 - Ebook Sedução com propósito
9 - Ebook Sedução com propósito9 - Ebook Sedução com propósito
9 - Ebook Sedução com propósito
EveraldoDias6
 
Palestra Hélida Reis - Dia Mundial da Conscientização do Autismo/ Autismo: De...
Palestra Hélida Reis - Dia Mundial da Conscientização do Autismo/ Autismo: De...Palestra Hélida Reis - Dia Mundial da Conscientização do Autismo/ Autismo: De...
Palestra Hélida Reis - Dia Mundial da Conscientização do Autismo/ Autismo: De...
Esequias Caetano
 
Diversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escolaDiversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escola
Orlando Santos Brito
 
SEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMER
SEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMERSEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMER
SEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMER
Márcio Borges
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
MarceloInacio18
 
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
Esequias Caetano
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Se és Rapaz !!
Se és Rapaz !!Se és Rapaz !!
Se és Rapaz !!
Alexandre Ribeiro
 
Guia Rapaz
Guia RapazGuia Rapaz
Guia Rapaz
guest2021be
 
Se és Rapaz
Se és Rapaz Se és Rapaz
Se és Rapaz
Alexandre Ribeiro
 
Guia Sexual para Rapazes
Guia Sexual para Rapazes Guia Sexual para Rapazes
Guia rapaz
Guia rapazGuia rapaz
Guia rapaz
Tânia Reis
 
Comportamentos sexuais-na-adolescncia4757
Comportamentos sexuais-na-adolescncia4757Comportamentos sexuais-na-adolescncia4757
Comportamentos sexuais-na-adolescncia4757
Pelo Siro
 

Semelhante a Sexualidade e Envelhecimento: Comunicação entre Técnico e Idoso (20)

Workshop sexualidade e deficiência
Workshop  sexualidade e deficiênciaWorkshop  sexualidade e deficiência
Workshop sexualidade e deficiência
 
Sexualidade Relacao
Sexualidade RelacaoSexualidade Relacao
Sexualidade Relacao
 
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação FinalSexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
 
Ficar em abstinencia_sexual (2)
Ficar em abstinencia_sexual (2)Ficar em abstinencia_sexual (2)
Ficar em abstinencia_sexual (2)
 
O que e paixao
 O que e paixao O que e paixao
O que e paixao
 
PlanificaçãO Afectos
PlanificaçãO AfectosPlanificaçãO Afectos
PlanificaçãO Afectos
 
Prevenção da Toxicodependência
Prevenção da ToxicodependênciaPrevenção da Toxicodependência
Prevenção da Toxicodependência
 
9 - Ebook Sedução com propósito
9 - Ebook Sedução com propósito9 - Ebook Sedução com propósito
9 - Ebook Sedução com propósito
 
Palestra Hélida Reis - Dia Mundial da Conscientização do Autismo/ Autismo: De...
Palestra Hélida Reis - Dia Mundial da Conscientização do Autismo/ Autismo: De...Palestra Hélida Reis - Dia Mundial da Conscientização do Autismo/ Autismo: De...
Palestra Hélida Reis - Dia Mundial da Conscientização do Autismo/ Autismo: De...
 
Diversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escolaDiversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escola
 
SEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMER
SEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMERSEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMER
SEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMER
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
 
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
Se és Rapaz !!
Se és Rapaz !!Se és Rapaz !!
Se és Rapaz !!
 
Guia Rapaz
Guia RapazGuia Rapaz
Guia Rapaz
 
Se és Rapaz
Se és Rapaz Se és Rapaz
Se és Rapaz
 
Guia Sexual para Rapazes
Guia Sexual para Rapazes Guia Sexual para Rapazes
Guia Sexual para Rapazes
 
Guia rapaz
Guia rapazGuia rapaz
Guia rapaz
 
Comportamentos sexuais-na-adolescncia4757
Comportamentos sexuais-na-adolescncia4757Comportamentos sexuais-na-adolescncia4757
Comportamentos sexuais-na-adolescncia4757
 

Último

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 

Sexualidade e Envelhecimento: Comunicação entre Técnico e Idoso

  • 1. Sexualidade e Envelhecimento: Linhas de Orientação para a Comunicação entre Técnico e Adulto Idoso Diogo Oliveira • Pós-Graduação em Gerontologia Prof. Dr. Luís Miguel Neto – Sexualidade das Pessoas Idosas ISCSP – Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade de Lisboa • 2015
  • 2. Sumário Relevância do Tema Sexualidade na Velhice Condicionantes para não se falar de Sexo Responsabilidade dos Técnicos Condições para o Diálogo Orientações para o Diálogo
  • 3. Falar sobre Sexualidade entre Técnico e Adulto Idoso - Exploração de assuntos latentes que podem afetar a vida da pessoa, - Capacitar o idoso para lidar com as questões da sua sexualidade, - Ajudar a compreender as mudanças do corpo ao longo da vida, - Aumento da confiança e do conforto, na relação entre ambos. Porquê?
  • 4. Algumas Noções da Sexualidade do Adulto Idoso - Os idosos desfrutam e beneficiam, com regularidade, da intimidade sexual. - O nível de atividade sexual de quando se é mais novo é um preditor do nível de atividade sexual de quando se é mais velho. - No envelhecimento normal verifica-se: - Menor frequência da atividade sexual, - Resposta sexual mais lenta, - Diminuição da agilidade. - Por outro lado, mantêm-se elevados a satisfação e o prazer proporcionados pela atividade sexual.
  • 5. Algumas Noções da Sexualidade do Adulto Idoso (continuação) - Condições para um relacionamento sexual satisfatório: - Segurança, conforto, atracção, - Sentir-se seguro e positivo acerca da relação, - Auto-imagem positiva, - Comunicação adequada (comunicação em geral: importante para o estabelecimento da intimidade; comunicação sobre sexo: para partilhar expectativas, o que se espera e o que não se pretende). - A intimidade emocional requer: - Perceber o que o outro pensa e sente, - Querer transmiti-lo ao outro, - Capacidade de expressar sentimentos e ideias, - Capacidade de perceber o significado da comunicação verbal e não verbal.
  • 6. Algumas Noções da Sexualidade do Adulto Idoso (cont.) - Sugestões para a manutenção da sexualidade: - Resolver problemas auditivos (comunicação e intimidade), - Tratar da higiene oral, - Cuidar da pele (menor elasticidade dos tecidos que podem sofrer lesões pela fricção), - Evitar o tabaco, - Aprender e executar exercícios específicos, - Tratar com antecedência a dor (ex. artrite) e a dispneia, - Colocar de parte expectativas irrealistas. - Existe uma amplitude de preferências e adaptações. - Não há respostas correctas, especialmente se o parceiro tiver demência.
  • 7. Algumas Noções da Sexualidade do Adulto Idoso (cont.) - A demência conduz, com frequência, ao decréscimo da qualidade da vida sexual, em parte, devido a problemas que se relacionam com o manter da intimidade e da segurança. - Tem impacto na capacidade de uma pessoa saber o que a outra está a pensar ou a sentir e em expressá-lo com clareza. - Constitui um factor de erosão da comunicação. A ausência de comunicação torna difícil a intimidade emocional e, por conseguinte, a intimidade sexual. - As disfunções sexuais fazem parte de um processo patológico de envelhecimento e podem ser tratadas. Categorias das disfunções: - Desejo, - Excitação, - Orgasmo.
  • 8. Condicionantes para não se falar de Sexo Quando se aborda o tema da sexualidade de pessoas mais velhas, o assunto é frequentemente: - Evitado, - Tratado com humor . Porquê?
  • 9. Condicionantes para não se falar de Sexo: por parte do Técnico - Falta de conforto emocional em relação ao tema, - Crenças religiosas e culturais, - Receio, entre os mais novos, de que falar sobre sexo com os mais velhos seja ofensivo, - Falta de privacidade, - Preconceitos, sentimentos e crenças negativas em relação a doenças crónicas, sexualidade e envelhecimento, - Limitações de tempo, - Falta de formação ou insuficiência de conhecimentos, - Não saber como começar a conversa, como continuá-la e/ou como terminá-la.
  • 10. Condicionantes para não se falar de Sexo: por parte do Idoso - Crença de que o técnico considera o tema inapropriado ou sem importância, - No casal, se um dos parceiros é saudável, pode considerar que trazer as suas questões sobre a sexualidade demonstre egoísmo ou que é mau prestador de cuidados, - Constrangimento e hesitação em relação ao tema, - Crenças religiosas e culturais, - Espera que o técnico traga o tema ao diálogo.
  • 11. Sexualidade: Qual a responsabilidade do Técnico? Para os técnicos que trabalham com idosos a principal responsabilidade, no que à sexualidade se refere, é: - Proporcionar as condições adequadas e introduzir o tema.
  • 12. Condições para o Diálogo sobre Sexualidade - O técnico tem de se tornar confortável consigo mesmo: - Perceber e aceitar que as primeiras vezes que o tema for abordado poderá causar desconforto, - Superar as hesitações requer esforço para que o incómodo não iniba, mesmo que fique corado. Tem de saber que isso pode acontecer e prosseguir. - Pode não ter todas as respostas necessárias, mas deve comprometer-se perante o idoso em tentar procurá-las.
  • 13. Condições para o Diálogo sobre Sexualidade (continuação) - Desenvolver comportamentos de afinidade e empatia: - Estabelecer o à-vontade na relação entre técnico e idoso, - Proporcionar um diálogo aberto e apoiante, - Aguardar pelo 2.º ou 3.º contacto antes de abordar o tema. - Assegurar a privacidade e a confidencialidade. - Garantir tempo suficiente: - As pessoas mais velhas adiam com frequência o assunto, pois causa ansiedade ou é algo de que se receia falar e a coragem para o fazer surge apenas quando chega o final do encontro. Nesse momento não há tempo suficiente para abordar o tema. Deve-se assegurar que o assunto é tratado da próxima vez, para se prestar um serviço adequado.
  • 14. Condições para o Diálogo sobre Sexualidade (cont.) - Conhecimentos: - Alterações associadas ao envelhecimento normal: - Hormonas sexuais, - Genitais, - Fertilidade, - Líbido, - Excitação, - Orgasmo, - Período refratário. - Doenças com impacto negativo na sexualidade, - Medicamentos associados a disfunções sexuais, - Efeitos de abuso de substâncias no desempenho sexual.
  • 15. Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade - Introdução do tema: - Na sequência de questões relacionadas com a saúde: - funcionamentointestinaloudabexiga(proximidadeanatómica). - Colocando-o em contexto: - Atividade sexual é tanto um indicador de saúde como um contributo para a saúde. - Normativizando: - Fazemos algumas questões às pessoas que vêm ter connosco. Há perguntas que são mais íntimas e pode até ser a primeira vez que um técnico lhas faça. Explicarei o seu motivo à medida que forem surgindo. Se em algum momento não se sentir à vontade, sinta-se no direito de dizer, por exemplo, “passo”. Pode ser?
  • 16. Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade (continuação) - Frases neutras e sem carga emocional: - Ex.: “Tem notado mudanças na sua vida sexual?” - Há pessoas com baixa líbido sem que isso seja um problema para elas, outras que têm uma líbido elevada. A investigação mostra que os comportamentos de quando se é mais novo se mantêm ao longo da vida, pelo que o uso desta questão, com foco na mudança, não implica que a pessoa se sinta julgada ou criticada pela pergunta. - Nunca recorrer a perguntas como: “Ainda faz sexo?”.
  • 17. Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade (cont.) - Não fazer juízos de valor e não criar pressupostos: - Pessoas com deficiências, doença crónica, etc., têm sexo, - Ocorre sexo fora das relações conjugais, - Pessoa que se identifica como heterossexual pode ter ou desejar ter parceiros do mesmo sexo, - Os comportamentos, adaptações e orientações sexuais existem num gradiente. - Ser claro que a experiência sexual se refere a uma ampla abrangência de comportamentos. Não se restringe apenas ao coito.
  • 18. Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade (cont.) - Utilizar frases compreensíveis e clareza de linguagem. - Ouvir como a pessoa se descreve a si e ao parceiro e manter a mesma linha de discurso (excepto se os termos forem ofensivos). - Quando não se tem certeza sobre que terminologia utilizar, deve perguntar-se: - Em vez de se perguntar: “É casado(a) ou tem namorado(a)?”, deve perguntar-se : “Tem companheiro(a)ou esposo(a)?” - “Atualmente tem algum relacionamento?” se sim: “Fale-me sobre o seu relacionamento”. - Não hesitar em pedir a clarificação de termos e comportamentos.
  • 19. Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade (cont.) - Usar esquemas, imagens, gestos e humor, se forem adequados. - Recorrer a perguntas abertas. - Ser curioso, respeitador e empático: - Determinar a vontade da pessoa para a intimidade sexual e a sua atividade sexual atual, - Perguntar sobre as experiências sexuais recentes, com quem esteve envolvido, etc.
  • 20. Orientações para o Diálogo sobre Sexualidade (cont.) - Explorar as conceções socioculturais e psicológicas que a pessoa tem sobre a sexualidade: - Uso do Inquérito Apreciativo - “Como se sente em relação a isso?” - Evitar a pergunta “Porquê?” - Ser paciente, meticuloso e sensível à cultura e heterogeneidade das pessoas idosas. - Deixar que sejamos ensinados.
  • 21. Referências Cooper, S., & Smith, J. (2009). Sexual health issues. Retirado de: http://www.slideshare.net/NorthTecNursing/sexual-health-issues Cormier, S., & Nurius, P. S. (2003). Interviewing and change strategies for helpers: Fundamental skills and cognitive behavioral interventions (5ª Ed.). California: Thomson, Brooks/Cole. Sewell, D. (2014). Sexuality and aging: Research on aging. Retirado de: www.youtube.com/watch?v=fJHiUzHZP80 Valente, S. (2012). A sexualidade das pessoas idosas. Um estudo realizado num lar de pessoas idosas do concelho de Alenquer. (Tese de mestrado não publicada). Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas - Universidade de Lisboa, Lisboa. http://inqueritoapreciativo.com/