Citologia–2ºteste
O Sangue
Funçoesdosangue
-Transporte de O2, CO2, hormonas,nutrientese metabolitosdoslocaisde absorçãoou
...
TecidoMuscular
Variedadesde
tecidomuscular
O tecidomuscular
é constituídopor
célulasalongadas
que contemgrande
quantidade ...
Musculoesquelético –Contração forte,rápidae voluntária;
MusculoCardiaco – Contração forte,rápidae involuntária;
Musculolis...
Tecido Nervoso
CélulasGlia:Astrocitos
Astrocyte withendfeedprojectingtothe surface of neurons,bloodvessels,ependymaandthe
...
Vasos Sanguíneos
Artérias – vasos eferentesque diminuemde calibre àmedidaque se ramificam;transportam
para os tecidos,sang...
Artérias musculares
 Transportamsangue para os músculose órgãos;
 Poucasfibras elásticas,maismúsculoliso;atúnicamédiapod...
Histologia Vegetal
Morfologiadas plantas
O sistemaradicularé responsávelpor:
 fixaçãoda plantaao solo,;
 absorção de águ...
O xilema
As célulasde xilematêmumaduplafunçãode suporte e de transporte de água e saisminerais
neladissolvidos,desde araiz...
Tecidosvegetais
- O sistemade tecidodérmicoé geralmente constituídoporumamonocamadade célulase
tema funçãoprimáriade prote...
-A raiz primária,apresenta-se divididaemcilindrocentral ouestela(ondese encontramo
xilemae ofloema),zonacortical oucórtex ...
Caule
-Envolvendoomeristemaapical caulinarencontram-seosprimórdiosfoliares,que derivam
lateralmentedeste,e posteriormente ...
Folhas
-Uma folhatípica é constituídapor parênquima(tecidoparenquimatoso),ensanduichadoentre
uma epiderme superiore poruma...
Transporte
(i) sistemaxilémico,responsávelpelotransportede águae saismineraisnela
dissolvidos,necessáriosàfotossíntese
(ii...
 as moléculasde água,na colunade água dos vasosxilémicos,estãofortemente ligadas
entre si por forças de coesão(devidoapon...
Modelode fluxode pressão (oufluxode massa)
Nutrição
As plantasdesenvolveramsistemasde captaçãoradicularese foliaresque lhe...
Reprodução nas plantas com flor
-A florcorresponde nãosó à estruturaque contemos gametófitosmasculinose femininos,
mas tam...
-Osesporângiossãoas estruturasresponsáveispelaformaçãodosgametófitosmasculinose
femininos.Osgametófitosmasculinossãoosgrão...
A semente
-O zigotodivide-setransversalmente,emrelaçãoaoseueixomaior,estabelecendo-se desde
logoa polaridade doembrião:opo...
Fruto
-A parede do ovário desenvolve-se nopericarpo49dofruto.O pericarpodivide-seemtrês
partes:epicarpo,mesocarpoe endocar...
Tropismos
-Fototropismossãorespostasde crescimentodasplantaauma fonte de luzunidireccional
-Gravitropismos(anteriormente c...
Célula anexa – Célula parenquimatosa especializada que acompanha os tubos crivosos
do floema nas angiospérmicas.
Célula ap...
Cerne – As partes interiores da madeira ou lenho que nas plantas em crescimento
cessaram de conduzir e que não contém célu...
Epiderme – Tecido adulto, primário, que envolve uma plântula. Quando multisseriado
(epiderme múltipla), apenas a camada ma...
Glândula – Estrutura secretora multicelular.
Glúten – Proteína amorfa que ocorre no endosperma amiláceo dos cerais.
Goma –...
Pêlo glandular (secretor) – Tricoma apresentando extremidade unicelular ou
multicelular constituida de células secretoras....
Tecido vascular secundário – Tecidos vasculares (xilema, floema) formados pelo
câmbio vascular durante o crescimento secun...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Citologia e histologia Vegetal

201 visualizações

Publicada em

Citologia e Histologia Vegetal.
No inicio tem um pouco de histologia animal ( sangue, musculos e cerebro(

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
201
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Citologia e histologia Vegetal

  1. 1. Citologia–2ºteste O Sangue Funçoesdosangue -Transporte de O2, CO2, hormonas,nutrientese metabolitosdoslocaisde absorçãoou síntese,distribuindo-ospeloorganismo; -Reguladornadistribuiçãode calor,namanutençãodosequilíbriosácido-basee osmóticodos tecidos; Eritrócitos -Anucleadasnosmamíferos;contemhemoglobina(proteínatransportadorade O2);formade discobicôncavo.Em condiçõesnormaispermanecemnointeriordosvasossanguíneos. -A forma bicôncavadoseritrócitosnormaisproporcionagrande superfície emrelaçãoao volume,oque facilitaastrocas de gases.São flexíveis,passandopelasbifurcaçõesdos capilaresmaisfinos. Leucócitos -Neutrófilos- Fagocitosede substanciase organismosestranhos(Bactérias) -Eosinófilos - Núcleoemgeral bilobulado;Grânulosovoidesque se corampelaeosina (grânulosacidófilos).Participamdadefesacontraparasitas; -Basófilos - Núcleovolumoso,comformaretorcidae irregular,geralmente comoaspetoda letraS. O citoplasmaestácheiode grânulosmaioresdoque osdosoutros granulócitos. -Linfócitos - Núcleoesférico,citoplasmaescasso,aparecendonosesfregaçoscomoumanel delgadoàvoltado núcleo. -Monócito-Núcleoovoide,emformade rimouferradura,geralmente excêntrico.O citoplasmaé basófilo. Plaquetas -corpúsculosanucleados,coma formade disco,derivadosde célulasgigantese poliploidesda medulaóssea– osMegacariócitos. -tendemaapareceremgrupos; -promovemacoagulaçãodo sangue e auxiliamnareparaçãoda parede dosvasossanguíneos, evitandoaperdade sangue;
  2. 2. TecidoMuscular Variedadesde tecidomuscular O tecidomuscular é constituídopor célulasalongadas que contemgrande quantidade de filamentos citoplasmáticosde proteínas contráteis
  3. 3. Musculoesquelético –Contração forte,rápidae voluntária; MusculoCardiaco – Contração forte,rápidae involuntária; Musculoliso – Contração fraca, lentae involuntária; Musculoestriado esquelético Propriedades:Feixesde célulascilíndricasmuitolongase multinucleadascomestriações transversaispelaalternânciade faixas claras e escuras Funções:  Ligadoao movimento(contração forte,rápida,descontínuae voluntária)  Mantem a posiçãodocorpo e postura  Armazenasubstânciasde reserva Localização:Músculosligadosaosossos TecidoMuscular estriado Cardíaco Propriedades:Célulasalongadas,ramificadascomestriaçõestransversais,unidaspelosdiscos intercalares;presençade 1 ou 2 núcleoslocalizadoscentralmente Funções:  Contração forte,rápida,contínuae involuntária)  Contração permitindoapropulsãodosangue paraa corrente sistémica Localização:Músculocardíaco (nãose regenera) TecidoMuscular liso -Propriedades:  Célulasalongadase fusiformescomumnúcleo central  Semestriação; Funções:Contraçãofraca, lentae involuntária) Localização:  Parede de órgãosocos e Parede de vasossanguíneos
  4. 4. Tecido Nervoso CélulasGlia:Astrocitos Astrocyte withendfeedprojectingtothe surface of neurons,bloodvessels,ependymaandthe meninges.Nosingle astrocyte wouldprojecttoall of these structures. The Blood-BrainBarrier The blood-brainbarrieristhusimportantforprotectionandhomeostasis.Italsopresentsa significantproblemforthe deliveryof drugstothe brain Bainha de Mielina Isolante elétrico que permiteumaconduçãomaisrápidae mais energeticamente eficientedos impulsos.Éformadapelas membranascelularesdascélulasdaglia (célulasde Schwannno sistemanervosoperiféricoe oligodendróglianosistemanervosocentral).
  5. 5. Vasos Sanguíneos Artérias – vasos eferentesque diminuemde calibre àmedidaque se ramificam;transportam para os tecidos,sangue ricoemnutrientese oxigénio Arteríolas- Pequenodiâmetro,túnicamédiaoutúnicaexternapequenas;controlamofluxo de sangue entre artériase capilares Capilares– rede de túbulosdelgadosque se anastomosam Rede de Capilares - maisdensaquantomaiorfor a atividade metabólicadotecidolocal,de formaa asseguraras suastrocas com o sangue. Veias– resultamdafusãode capilares,adquirindomaiorcalibreàmedidaque se aproximam do coração, para onde trazemo sangue Túnicamédia- Conjuntode célulasmusculareslisas,e matrizextracelularcomfibraselásticas e reticulares Túnicaadventícia- Tecidoconjuntivlolaxo;vasoscapilareslinfáticos,vasavasorume nervosda adventícia. Espessura das túnicas -artériastêma túnicamédiamaisespessaque atúnicaadventícia; -veiastêmatúnica adventíciamaisespessaque atúnicamédia; Artérias Elásticas  Vasosde grandesdimensões;  Transportamelevadovolumede sangue;  Fibraselásticasnatúnicamédiapara toleraremapressãosanguínea;  Aorta e seusgrandesramos;  Cor amareladadevidoàelastinanatúnicamédia;
  6. 6. Artérias musculares  Transportamsangue para os músculose órgãos;  Poucasfibras elásticas,maismúsculoliso;atúnicamédiapode contermaisde 40 camadas de células musculareslisas;lamelaselásticase fibrasreticulares;  Ex: Femoral Os capilares Capilarescontínuos - (encontram-se emtodosostiposde tec.muscular,conjuntivo, glândulas exócrinase tecidonervoso) CapilaresFenestrados- (permitemointercâmbio rápidode substânciasentre ostecidose sangue tais como nosrins,intestinodelgadoe glândulas endócrinas) CapilaresSinusoides- encontram-se principalmente no fígado, medulaósseae baço.A sua estrutura torna maisfácil e mais intensoointercâmbiodo sangue com ostecidos. •As célulasendoteliaisformamumacamada descontínua,separadasporamplosespaços; •Lâmina basal descontínua
  7. 7. Histologia Vegetal Morfologiadas plantas O sistemaradicularé responsávelpor:  fixaçãoda plantaao solo,;  absorção de água, saismineraise nutrientes;  armazenamentode alimentosde reserva; O sistemacaulinaré constituídopor:  Caules  Folhas  Flores - Os caulessãoconstituídosporuma sequênciaalternadade nós(locaisonde se ligamas folhas) e entrenós(segmentosde caule entre osnós).Naextremidadesuperiordocaule localiza-se agematerminal (meristemaprimáriocaulinar),local ondese processao crescimentoprincipal docaule; - Asfolhassão osprincipaisórgãosfotossintéticosdaplanta;Sãobasicamente constituídaspor bainha(base achatadapelaqual se ligaao caule),pecíolo(haste entre olimboe abase) e limbo(oulâmina,verde e geralmente muitodelgado; Anatomia das plantas Tipos de células - Parênquima:Ascélulasde parênquima,de formaprismáticaouesférica,sãoasmenos especializadase maiscomunsdascélulasde umaplanta.Sãocélulasvivasquandoatingema maturidade.A maiorparte das célulasparênquimatosastemparedescelularesfinase flexíveis. As célulasde parênquimatêmfunçõesde fotossíntesee armazenamento,e constituema maiorparte dostecidosfundamentale vascular - Colênquima:Ascélulasde colênquimasãoalongadase geralmente vivas quandomaduras. Distinguem-se dasrestantescélulasporpossuíremparedescelularescomespessamento irregular.Têm funçõesde suporte,formamfeixesoucilindroscontínuossobaepiderme dos caulesjovens(nosquaisaindanãohouve crescimentosecundário) e aolongodosvasos condutores,nasfolhas. - Esclerênquima:ascélulasde esclerênquimapossuemparedessecundáriasespessase frequentemente lenhificadas. Ascélulasde esclerênquima,tambémcomfunçãode suporte, são maisrígidas que as célulasde colênquimae apenasocorrememregiõesdaplantaque pararam o processode crescimento.Morremgeralmentequandoatingemamaturidade.  Existemdoistiposde célulasde esclerênquima:fibrase escléritos.Asfibrassãocélulas longase estreitas,geralmente ocorrendoemfeixes  Os escléritossãomaiscurtose de formamenosregulardoque as fibras;são por exemploosresponsáveispeladurezadascascas protectorasdassementes
  8. 8. O xilema As célulasde xilematêmumaduplafunçãode suporte e de transporte de água e saisminerais neladissolvidos,desde araizaté às folhas; Existemdoistiposde célulasde xilemaespecializadasnotransporte de água:ostraqueídos e os vasoslenhososoutraqueias; - Os doistiposde célulassãoalongadas,comparedessecundáriasespessas,e encontram-se mortas quandoatingemamaturidade. - A comunicaçãoentre ostraqueídosfaz-se pelaspontuações(regiõesdaparede celularem que apenasexiste parede primária,e emque estaé poucoespessa); -Astraqueiassãocélulasmaiscurtase maislargas que ostraqueídos,e encontram-se dispostostopo-a-topo;assuasextremidadescelularessãoparcial oucompletamente perfuradas; - Uma série de vasoslenhososdesigna-se porvasoxilémico. Floema As célulasde floemasãoasconstituintes dotecidofloémico(oufloema),oprincipal tecido transportadorde substânciasorgânicasfotossintetizadas(seivaelaboradaoufluidofloémico), nas plantasvasculares. - Ascélulasresponsáveispelotransporte de substânciasorgânicasnasplantasvascularessão os elementoscrivosos.Sãocélulasvivas,masque perdemonúcleoaoatingiramaturidade, dependendodascélulascompanheiras(sãoformadassimultaneamente comoselementos crivosos,a partirde uma célula-mãe inicial,emboramantenhamtodososseusorganelos. Podemassimregularofuncionamentodoselementoscrivososaosquaisestãoligadas) para se manteremvivas; - Encontram-se dispostostopo-atopo,formandofiadasde célulasaque se chamamvasos ou tuboscrivosos; - A parede celularde elementoscrivososjustapostosencontra-seperfuradaporpequenos poros,assemelhando-se acrivos,e são designadosporplacascrivosas Célulasmeristemáticas São célulasnãodiferenciadasque possuemapropriedade de se dividiremindefinidamente. Quandouma célulameristemáticase divide,pelomenosumadascélulasfilhasmantéma capacidade meristemática,enquantoque aoutra poderátornar-se parte docorpo da planta.A célulafilhaque ulteriormentese tornaparte do corpo da plantaaindapoderádividir-se algumasvezesaté se diferenciar(perdendoacapacidade de divisão).Ascélulas meristemáticasformamosmeristemas(outecidosmeristemáticos).
  9. 9. Tecidosvegetais - O sistemade tecidodérmicoé geralmente constituídoporumamonocamadade célulase tema funçãoprimáriade protecçãodos restantestecidosdaplanta - O sistemade tecidofundamental que se encontra"preenchendo"oespaçoentre ostecido vasculare o tecidodérmicoé constituídopredominantementeporcélulasde parênquima Órgãos das Plantas Na extremidade de cadacaule (ouramo) e de cada raiz existe,respetivamente, existe, um meristemaapical caulinare ummeristemaapical radicular. -Osmeristemasapicaisoriginamtrêstiposde tecidosembrionários,que sãoconjuntamente denominadospormeristemasprimários(Osmeristemasprimáriossãotecidosparcialmente diferenciados,emque a divisãocelularcontinuaaocorrer paralelamente comasua diferenciação nostecidosprimáriosdaplanta ) : protoderme,procâmbioe meristema fundamental; -O crescimentoresultante daatividade dosmeristemasapicaisé chamadocrescimento primário. -Osmeristemassecundáriosformam-se apartirde célulasdiferenciadasque se desdiferenciam e adquirematividade meristemática;sãoos responsáveispelocrescimentosecundárioouem espessuradocaule e raiz dasplantas Raiz -O meristemaapical daraiz,comuma localizaçãosub-terminal,originaacoifa22para baixo deste e os meristemasprimáriosparacima - (Coifa-cobre e protegeomeristemaapical radicularàmedidaque araiz penetranosolo (crescimentoprimário).Écompostaporcélulasde parênquimaque produzemgrandes quantidadesde mucilagem,facilitandoocrescimentodaraiz.A coifaé uma zonade grande desgaste e portantode contínua produçãode novas célulaspelomeristemaapical) -O crescimentoprimário(alongamento) de umaraizocorre na sua extremidade,podendo ser definidastrêszonas(de limitessobreponíveis):zonade divisãocelular,zonade elongação celulare zona de diferenciaçãocelular.
  10. 10. -A raiz primária,apresenta-se divididaemcilindrocentral ouestela(ondese encontramo xilemae ofloema),zonacortical oucórtex (constituídopelotecidofundamental localizado entre a estelae a epiderme) e epiderme; -Namaioriadas dicotiledóneas,oxilematemumaposiçãocentral naestela,ocorrendoem formade estrela,e osfeixesde floemaprimárioalternamcomosfeixesde xilemaprimário -A esteladasmonocotiledóneasé geralmente distintadaqueladasdicotiledóneas,existindo um tecidoparenquimatosointernoaosistemavascular,denominadomedula, apresenta-se formandoumanel com feixesalternosde xilemae floema; -Naraiz primáriade monocotiledónease dicotiledóneas,salienta-seaindaaexistênciade duas "camadas" especializadasde células:  o periciclo(umaouváriascamadas de células),regiãointegrante docilindrocentral que rodeiaexternamente otecidovascular,e é responsável pelocrescimentode raízes laterais;  a endoderme,que constitui acamadade célulasmaisinternadocórtex,difere estruturalmentedasrestantescélulascorticaise temaimportante funçãode controlar a entradade água e substânciasdissolvidas,docórtex parao cilindrocentra -A epiderme dasraízesprimáriastema duplafunçãode proteçãodos tecidosmaisinteriores da raiz e de absorçãode água e saismineraisdosolo.A absorção de água pelaepiderme é potenciadapelapresençade pelosradiculares,que aumentamaáreade superfície dascélulas epidérmicas -(Pêloradicular:prolongamento de célulaepidérmicaemformade dedode luva.) - Crescimentode raízessecundárias(laterais) inicia-se apartirde divisõesdopericiclo,na esteladaraiz primária; - A divisãocelulardocâmbiovascular produzcélulasde xilemasecundárioe célulasde floema secundário,deste modoengrossandoasraízes; - Um segundomeristemasecundário - câmbiosúberofelodérmico - torna-se ativo, externamente aocâmbiovascular,e produzsúberpara o seuexteriore feloderme(tecido parenquimatoso); -Aoconjuntoformadopelosúber,câmbiosúberofelodérmicoe felodermechama-se periderme;
  11. 11. Caule -Envolvendoomeristemaapical caulinarencontram-seosprimórdiosfoliares,que derivam lateralmentedeste,e posteriormente se desenvolvemnasfolhas; -O tecidovascularde umcaule jovem(comcrescimentoprimário)é divididoemdiscretos feixesvasculares,contendoxilemae floema. - Nasdicotiledóneas,osfeixesvascularesformamgeralmenteumanel cilíndricoemredorde um tecidocentral - medula- com o córtex no seu exterior,enquantoque nas monocotiledóneasse encontramdispersosnotecidofundamental; -A epiderme docaule apresentaas paredes celularesexternascutinizadas,assimlimitandoa perdade água.Apresentatambémestomase porvezespêlospluricelulares. -O crescimentosecundáriodocaule inicia-se quandoocâmbiovascularse diferencia; -O câmbiovasculardo caule forma-se apartirde umcilindrode célulasemcrescimento origináriasdaregiãodosfeixesvasculares(entreoxilemae ofloema) e de células parênquimatosasdotecidofundamental. -O xilemasecundárioacumuladoconstituioque vulgarmente chamamosmadeira -O câmbiosúbero-felodérmicodiferencia-seapartirde célulasda camada exteriordocórtex e produzsúber(contemsuberina,oque ofazimpermeávelàágua ) e feloderme;conjuntamente estestrêstecidosformamaperiderme que substitui aepidermee ocórtex do caule primário.
  12. 12. Folhas -Uma folhatípica é constituídapor parênquima(tecidoparenquimatoso),ensanduichadoentre uma epiderme superiore poruma epiderme inferior. -O parênquimadafolha,denominadomesófilo,é otecidofotossintético,e assuascélulas estãorepletasde cloroplastos; -Existemdoistiposde célulasde parênquima30:parênquimaempaliçadae parênquima lacunoso. -as folhasde monocotiledóneastêmparênquimaempaliçadaemambasas facesda folha, enquantoque asdicotiledóneastêmosdoistiposde parênquimas:parênquimaempaliçada na face superiorda folhae parênquimalacunosonaface inferiordamesma;osestomas limitam-segeralmenteàsuperfície inferiordafolha
  13. 13. Transporte (i) sistemaxilémico,responsávelpelotransportede águae saismineraisnela dissolvidos,necessáriosàfotossíntese (ii) sistemafloémico,responsável pelotransporte de compostosorgânicosresultantes da fotossíntese. Captação de água e de sais minerais (i) absorçãode água e saismineraisneladissolvidosanível daraiz (ii) translocaçãonoxilema Absorção a nível da raiz -Ascélulasepidérmicaspossuemumamaior concentraçãode solutosque osolo,o que provocaa entradade água para o interiordascélulasporosmose; -Ossaismineraisentramnaplantacom a água,mas o seutransporte implicagastode energia (ATP) - transporte activo - uma vezque a sua concentraçãono interiordascélulasdaplantaé superioràconcentração nosolo; -A membranaplasmáticadospêlosradicularespossuiumagrande variedade de bombas iónicasque transportamiõesespecíficos(i.e.saisminerais) contraoseugradiente de concentração; Entrada de água e sais minerais -(i) atravésdoapoplasto,que consiste naporção"não-viva"daplanta(asparedescelularese espaçosintercelulares), -(ii) atravésdosimplasto,que consiste naporção"viva"daplanta(membranaplasmáticae protoplasmadascélulas). -Asparedescelularesdaendoderme sãomuitosuberizadase aágua e sais mineraisnela dissolvidossãoforçadosapassar atravésdo simplasto. Translocação de água no xilema -Modelode tensão-coesão- dizque a água sobe na plantacomo resultadodasuaevaporação a nível das folhas,que provocaumatensãoque se estende aolongode toda a colunadesde a raiz; -A perdade água por evaporaçãonasfolhasde uma plantaresultanaformação de uma força de sucção na extremidadesuperiordaplanta, que é - conjuntamente comasfortesligações coesivasentre asmoléculasde águae entre as moléculasde águae as paredesdosvasos xilémicos - responsável pelaelevaçãodaágua desde araiz.
  14. 14.  as moléculasde água,na colunade água dos vasosxilémicos,estãofortemente ligadas entre si por forças de coesão(devidoapontesde hidrogénioentre asmoléculasde H2O),  as moléculasde água,na colunade água dos vasosxilémicos,estãofortemente ligadas às paredesdosvasos,por forçasde coesão;  a perda de água por transpiraçãogerauma força de tensãono mesófilodasfolhas. -A pressãoradicular(especialmente activadurante anoite e quandoa transpiraçãoé muito baixaou ausente) é devidaaotransporte activocontínuode iõesao nível da raizda planta. O aumentodaconcentração de solutosnointeriordaraiz,induza entradade água por osmose, que é forçadapeloxilemaacima; - (Gutação:perda de água nosbordosdas folhasde certas plantasatravésde aberturas especializadas(hidátodosouestomasaquíferos),comoresultadodapressãoradicular) - A gutação não ocorre atravésdos estomas,masde aberturasespecializadasnaepiderme das plantas. -Exsudaçãocaulinar:saídade água pelasuperfície de corte de umcaule (ex.:napoda),como resultadodapressãoradicular. Translocação da seiva floémica Controlo da transpiração foliar -Osestomassão constituídosporduascélulasguardaque delimitamumaabertura,designada por ostíolo,atravésda qual se fazemas trocas gasosasde CO2, O2 e H2O. Ascélulas-guarda são as únicascélulasepidérmicasque possuemcloroplastose têmumaformaque as distingue das restantes:asua parede celularfinaàexcepçãodaregiãodo ostíoloque é espessa,de tal modoque quandoestãotúrgidas(cheiasde água) apresentamuma formaemarco, o que resultana aberturado ostíolo.Quandoascélulas-guardaperdemágua(plasmolisadas),o ostíolofecha. - O controloda aberturadosestomasé central para a planta:por um ladoa plantanecessita de obterCO2 e de manterum fluxo contínuode água,o que implicamanterosestomas abertos,poroutro temde impedirasaída excessivade águapara o exteriordaplanta,o que implicafecharosestomas. -A sacarose entra,portransporte activo,nas célulasde companhiadofloemaque aconduzem aos tuboscrivosos.Nostuboscrivosos,e segundoomodelode fluxode pressão,aseiva floémicamove-se,devidoàformaçãode um gradiente de concentração37,entre olocal de "produção"de sacarose - tecidosprodutores - e o seulocal de consumo - tecidos consumidores
  15. 15. Modelode fluxode pressão (oufluxode massa) Nutrição As plantasdesenvolveramsistemasde captaçãoradicularese foliaresque lhespermitem explorareficientementeomeiocircundante:osistemaradicularé responsávelpela captação de água e de saisminerais,e osistemafoliaré responsávelpelacaptaçãododióxidode carbono (bemcomoda fonte energialuminosa). -De entre as formasde assimilaçãode azotodesenvolvidaspelasplantas,salientam-seas associaçõessimbióticascombactériasfixadorasde azotoatmosférico,asassociações parasíticas com outrasplantas(ex.visco),apredaçãode animais(plantascarnívoras) e a associaçãosimbióticacomfungos(micorrizas). (BactériasdogéneroRhizobium, capazesde assimilaro N2, infectamfrequentemente as plantasleguminosas.A associaçãoresultante é umasimbiose mutualística,emque ambosos organismosbeneficiam:aplantautilizaoazotofixadopelasbactériase asbactériasutilizamos compostosorgânicossintetizadospelaplanta.) (Muitasplantastêmraízes modificadas - micorrizas(Gr.mycos,fungoe rhiza,raiz).Nesta simbiose mutualística(paraalémde outrasvantagens),osmineraisabsorvidospelofungosão transferidosparaa plantae oscompostosorgânicossintetizadospelaplantasãoutilizados pelofungo.)
  16. 16. Reprodução nas plantas com flor -A florcorresponde nãosó à estruturaque contemos gametófitosmasculinose femininos, mas tambémà própriageração gametófita. - A semente,contendooembriãoemestado dormente,rodeadoporreservasalimentares,é de extremaimportânciaaoaumentaro sucessoreprodutivodaplanta,que apenasse desenvolve quandoascondiçõesambientais(ex.condiçõeshídricas,temperatura) são propíciasao seudesenvolvimento. A flor - Asfloressãoconstituídaspor quatroórgãos florais:assépalas,aspétalas,osestamese os carpelos - Cada estame consiste de umfiletee anteras,que contêmnoseuinteriorquatroesprângios masculinos - Cada carpeloé constituídoporestigma, estilete e ovário;oováriopossui umoumaisóvulos, cada um dos quaiscontemumesporângiofeminino
  17. 17. -Osesporângiossãoas estruturasresponsáveispelaformaçãodosgametófitosmasculinose femininos.Osgametófitosmasculinossãoosgrãosde pólengerminadose contêmosgâmetas masculinos.Osgametófitosfemininos,denominadossacosembrionários,formam-seno interiordosóvulose contêmnoseuinteriorogâmetafeminino(oosfera). Polinização -Asfloressãoclassificadascomocompletasse possuírem osquatroórgãosbásicosda flor,ou incompletasse nãopossuíremumoumaisdos seusquatroórgãos básicos.Paraalémdisso, uma florque contenhaestamese carpelosé ditaumaflorperfeita -A duplafertilizaçãoasseguraque oendospermaapenas se desenvolveconjuntamentecom óvulosfecundados,evitandoaformaçãode reservasalimentaresnumasituaçãoemque não seriamutilizadas.
  18. 18. A semente -O zigotodivide-setransversalmente,emrelaçãoaoseueixomaior,estabelecendo-se desde logoa polaridade doembrião:opoloinferiororiginaosuspensor(regiãodoembriãoque está envolvidanaabsorçãode nutrientesdoendosperma),enquantoque opolosuperiorformaa regiãode maiorcrescimentodoembrião; -A célulaterminal superiororigina,apósváriasdivisões,umpró- embriãoesférico.Coma continuaçãododesenvolvimentodoembriãocomeçamaformar-se oscotilédones(primeiras folhas) e diferenciam-se osfuturostecidosmeristemáticosprimários(protoderme,procâmbio e meristemafundamental). -O númerode cotilédonespresentesnasementeé umadas característicasque diferenciaas plantasmonocotiledóneas(e.milho) dasdicotiledóneas(ex.ervilha). Desenvolvimentodoendosperma -nicia-se geralmente antesdodesenvolvimentoembrionário.Onúcleo triplóidedivide-se formandoumacélulamultinucleadade consistência"leitosa" - endosperma- que se torna gradualmente sólidacoma ocorrênciade citocinese.Namaioriadasmonocotiledóneas,o endospermaarmazenanutrientesque sãoutilizadosdurante o desenvolvimentodoembriãoe a germinaçãoda novaplanta.Em muitasdicotiledóneas,asreservasnutritivasdoendosperma são transferidasparaoscotilédones,resultandoassimnumasemente madurasem endosperma
  19. 19. Fruto -A parede do ovário desenvolve-se nopericarpo49dofruto.O pericarpodivide-seemtrês partes:epicarpo,mesocarpoe endocarpo,que correspondemrespectivamente àepiderme exterior,aoparênquimafundamental,e àepidermeinteriorda"folha"carpelar. -Osfrutospodemtambémserclassificadosemdeiscentesouindeiscentes,consoantelibertam a semente,quandoatingemamaturação,ou não (neste últimocasoasemente é libertada quandoo frutose desagrega) Reprodução assexuada -este tipode reproduçãoé vantajosaemrelação à reproduçãosexual,aopermitirarápida propagação de uma plantabemadaptadaao seumeioambiente. -as célulasvegetaisguardamemsi a capacidade de se desdiferenciarem, voltaradividir-se,e rediferenciarem - característicaconhecidaportotipotência –possibilitandoassimaformação de um novoindivíduo. -ao clonar- fazercópiasgeneticamente idênticas - pequenasporçõesde tecidovegetal podemospropagarplantasde característicasigualmente interessantes.A manipulaçãodo balançohormonal nosmeiosde culturacelularespode induzirocrescimentode callus,a diferenciaçãocelular; Regulação do desenvolvimentoe crescimento Hormonas vegetais -Osprincipaistiposde hormonasvegetaissãoasauxinas,ascitoquininas,asgiberilinas,o etilenoe oácidoabscíssico
  20. 20. Tropismos -Fototropismossãorespostasde crescimentodasplantaauma fonte de luzunidireccional -Gravitropismos(anteriormente chamadosgeotropismos) sãorespostasde daplantaà força da gravidade -Tigmotropismossãorespostasdasplantasaotoque Fotoperiodismo -Asplantaspodemserclassificadasemdoistiposprincipais,noque se refere àfloração:(a) plantasde dia curto53 , iniciama floraçãoquandoo períodode luzé menordo que um determinadofotoperíodocrítico;(b) plantasde dialongo54,iniciamafloraçãoquandoo períodode luz é superiora umdado valorde fotoperíodocrítico Glossário Célula anexa – Célula epidérmica, diferenciada, associada a células guarda Aerênquima – Tecido parenquimatoso caracterizado pela presença de grandes espaços intercelulares. Ápice – Porção terminal de um caule ou raiz onde se localiza um meristema. Astrosclerídeo – Esclerídeo ramificado em forma de estrela.
  21. 21. Célula anexa – Célula parenquimatosa especializada que acompanha os tubos crivosos do floema nas angiospérmicas. Célula apical – Única célula inicial presente no meristema apical de raizes e caules de algumas plantas. Banda de Caspary – Estrutura da parede primária de certas células que contêm lenhina e suberina. É característica das células da endoderme da raiz. Câmbio – Meristema lateral com células com plano principal de divisão anticlinal. Aplicado de preferência apenas a dois meristemas laterais, câmbio vascular e câmbio da casca ou felogéneo. Consiste de uma camada de iniciais e de duas derivadas indiferenciadas. Câmbio vascular – Meristema lateral que forma tecidos vasculares secundários (xilema e floema). Localiza-se entre aqueles dois tecidos e, por divisão periclinal, dá origem a células em ambas as direcções. Canais resinosos – Estrutura constituída por um canal delimitado por uma camada de células (células epiteliais) rodeadas por uma ou várias camadas de células não lenhificadas designadas de células da baínha. Célula acessória (célula subsidiária) – Célula epidérmica associada a um estoma e distinguível morfologia das restantes. Célula companheira – Célula parenquimática especializada do floema das angiospérmicas, associada ao elemento de vaso crivado e originando-se da mesma célula-mãe deste. Célula crivada – Tipo de elemento crivado com áreas crivadas relactivamente indiferenciadas, ou seja, áreas crivadas com posros estreitos e delgados filamentos de conexão; estas áreas são bastante uniformes na estrutura de todas as paredes. Típica das gimnospérmicas e das plantas vasculares inferiores. Célula esclerenquimática – Célula variável em formato e tamanho possuindo, frequentemente, paredes secundárias mais ou menos espessas e lenhificadas. Pertence à categoria de células de sustentação e pode ser ou não privada de protoplasto na maturidade. Células-guarda – No estoma: duas células que, por alteração da turgescência, abrem ou fecham a fenda estomática. As que delimitam a abertura (ostíolo) num estoma. Célula de passagem – Célula da endoderme ou exoderme das raízes, cujas paredes celulares permanecem delgadas, quando as células associadas desenvolvem paredes secundárias espessas. Apresenta estrias de Caspary na endoderme. Celulose – Polissacarídeo-hesoxana, componente das paredes das células vegetais. Constituída de moléculas longas em cadeia cujas unidades basicas são os resíduos anídricos de glucose de fórmula C6H10O5.
  22. 22. Cerne – As partes interiores da madeira ou lenho que nas plantas em crescimento cessaram de conduzir e que não contém células vivas nem materiais de reserva, os quais foram removidos ou transformados em substâncias cernificantes geralmente de cor mais escura que o alburno. Cilindro central (cilindro vascular) – Porção central do eixo de uma planta que compreende o tecido vascular e tecidos associados, como periciclo, zonas interfasciculares e medula, no caule e na raiz. Equivale a estela. Clorênquima – Parênquima cujas células são providas de cloroplastos. Mesófilo e outros parênquimas verdes. Coifa – Estrutura celular em forma de dedal que reveste o meristema apical da raiz. Colênquima – Tecido de sustentação dos órgãos jovens. Apresentam células vivas mais ou menos alongadas de paredes desigualmente espessadas. Corte radial – Corte longitudinal acompanhando o raio de um corpo cilíndrico, como caule ou raiz. Córtex – Conjunto de tecidos compreendidos entre a epiderme e o sistema vascular. Coscinofragma (placa crivosa) – Parte da parede celular de um segmento de tubo crivoso que contém um ou vários campos crivosos. É característico das angiospérmicas. Crescimento secundário – Em gimnospérmicas, maioria das dicotiledóneas e algumas monocotiledóneas; tipo de crescimento cracterizado por aumento em espessura do caule e da raiz resultante da formação de tecidos vasculares secundários, pelo câmbio vascular. Geralmente, suplementado pela actividade do câmbio cortical (felogénio), formando epiderme. Cutícula – Revestimento de cutina, substância de natureza cerosa, praticamente impermeável à água e que cobre externamente as células epidérmicas. Cutina – Substância cerosa complexa, presente nas plantas, impregnando as paredes da epiderme. Elemento crivado – Conjunto de células do floema que participam no transporte longitudinal de substâncias elaboradas. Classificada em célula crivada e elemento de vaso crivado. Endarco (xilema) – Aquele que é interior ao metaxilema. Maturação centrífuga. Endoderme – Camada de tecido fundamental formando uma baínha ao redor da região vascular e apresentando características paritais específicas – estrias de Caspary ou espessamentos secundários. Em caules e raízes de plantas com semente, representa a camada mais interna do córtex.
  23. 23. Epiderme – Tecido adulto, primário, que envolve uma plântula. Quando multisseriado (epiderme múltipla), apenas a camada mais externa se diferencia com características de epiderme. Esclereídeo – Célula esclerênquima de forma variada, não muito longa, provida de parede secundária muito espessa e lenhificada, providas de numerosas pontuações. Esclerênquima – Tecido de sustentação composto por fibras, fibroesclereídeos e ou esclereídeos. Estelo (Coluna) – Unidade morfológica do corpo da planta, compreendendo o sistema vascular e os tecidos fundamentais associados (periciclo, regiões interfasciculares e medula). Cilindro central do eixo (caule e raiz). Estria ou fita de Caspary – Estrutura em forma de fita nas paredes primárias, contendo lenhina e suberina. Típica das células de endoderme das raízes nas quais ocorre em paredes anticlinais, radiais e transversais. Estrura primária – Aquela que se desenvolve a partir dos meristemas primários, apical e intecalar. Estrutura secundária – Aquela que se desenvolve a partir dos meristemas laterais, como o câmbio e o felogéneo. Compreende os tecido vasculares secundários e a periderme. Exoderme – Nalgumas raízes, as camadas mais externas do córtex. Possui uma estrutura similar à endoderme. As suas paredes possuem suberina. Feixe vascular – Parte do sistema vascular em forma de cordão composto de floema e xilema. Ocorre em caules, folhas e flores. Felogénio – Câmbio suberígeno. Meristema lateral secundário que origina súber e feloderme. Tecido de protecção comum em caules e raízes de dicotiledóneas e gimnospérmicas. Fibra – Célula esclerenquimática alargada, alongada de extremidades agudas com parede secundária muito espessa com ou sem lenhina. Fibra lenhosa (fibra libriforme) – Fibra do xilema secundário provida de parede espessada e pontuações simples. Floema – Tecido responsável pelo transporte de substâncias elaboradas pelas plantas vasculares. É constituido por elementos crivados, células parenquimáticas, fibras e esclereídeos. Floema primário – Tecido floemático que se diferencia do procâmbio durante o crescimento primário e diferenciação de uma planta vascular. Geralmente dividido em protofloema e metafloema. Não se diferencia em sistema axial e radial. Floema secundário – Tecido floemático formado pelo câmbio vascular durante o crescimento secundário em planta vascular. Diferenciado em sistema axial e radial.
  24. 24. Glândula – Estrutura secretora multicelular. Glúten – Proteína amorfa que ocorre no endosperma amiláceo dos cerais. Goma – Termo aplicado ao material resultante da decomposição das células vegetais. Principalmente de seus carboidratos. Lenho – Xilema secundário. Madeira dura – Madeira produzida por dicotiledóneas lenhosas. Medula – Tecido fundamental do centro de um caule ou raiz. Meristema – Tecido cujas células indiferenciadas se multiplicam originando aquelas que cosntituirão tecidos e órgãos. Meristema adaxial – Tecido meristemático localizado na face adaxial da folha, que contribui para o aumento em espessura do pecíolo e da nervura mediana. Meristema apical – Situado no ápice de um caule ou raiz e que, como resultado da sua actividade e diferenciação, origina tecidos pimários de raiz e caule. Meristema fundamental – Parte do meristema apical que origina tecidos distintos da epiderme e do tecido vascular. Meristema primário – Designa cada um dos três tesidos meristemáticos derivados do meristema apical: protoderme, meristema fundamental e procâmbio. Mesófilo – Parênquima fotossintético que se encontra entre as duas epidermes da folha.. Micorriza – Simbiose entre um fungo e raizes de uma planta superior. Nervura – Feixe de tecido vascular num órgão laminar, como a folha. Órgão – Parte visivelmente diferenciada da planta, tal como raiz, caule, folha e partes da flor. Parênquima – Tecido fundamental composto por células vivas. Estas podem diferir em tamanho, forma e estrutura da parede. Parênquima axial – No tecido vascular secundário; células parenquimáticas do sistema axial, contrastando com as células parenquimáticas do raio. Parênquima do floema – Células do parênquima que ocorrem no floema. No floema secundário diz respeito ao parênquima axial. Parênquima do raio – No tecido vascular secundário, células parenquimáticas componentes de um raio vascular. Em oposição ao parênquima axial.
  25. 25. Pêlo glandular (secretor) – Tricoma apresentando extremidade unicelular ou multicelular constituida de células secretoras. Pêlo radicular – Tipo de tricoma de epiderme da raiz que é simples expansão de uma célula epidérmica. Relacionado com a absorção da solução existente no solo. Periciclo – Porção do cilindro central compreendido entre os feixes vasculares e a endoderme. Em plantas com sementes, regularmente presente nas raízes e ausente na maioria dos caules. Periderme – Tecido de protecção secundário que substitui a epiderme (caule, raízes). Consta de súber (felema), felogéneo e feloderme. Placa crivada – Parte da parede de um elemento crivado. Procâmbio – Zona do meristema primário que por diferenciação origina os tecidos vasculares primários. Protofloema – Elementos primeiramente formados do floema. Protoxilema – Elementos que primeiro se formam num xilema primário. Ritidoma –. Termo técnico para designar a casca externa (o floema secundário constitui a casca interna). Rizoderme – Epiderme da raiz. Súber – Tecido protector produzido para o exterior pela actividade do felogéneo. Suberinificação – Acumulação de suberina nas paredes celulares. Tecido – Material formado pela união de células, que podem ser de tipo similar ou variado. Tecido de sustentação – Refere-se ao tecido composto de células com paredes mais ou menos espessas, primárias (colênquima) ou secundárias (esclerênquima), que conferem resistência ao corpo da planta. Tecido de transfusão – Nas folhas de gimnospérmicas; tecido envolvendo ou possivelmente associado ao feixe vascular, composto de traqueídeos e células parenquimáticas. Tecido de transfusão acessório – Em folhas de certas gimnospérmicas; tecido de transfusão localizado no mesófilo, ao invés de estar associado ao feixe vascular. Tecido dérmico – Tecido de revestimento das plantas: epiderme e periderme. Tecido vascular primário – Tecido vascular (xilema, floema) que se diferencia do procâmbio durante o crescimento primário e diferenciação de uma planta vascular.
  26. 26. Tecido vascular secundário – Tecidos vasculares (xilema, floema) formados pelo câmbio vascular durante o crescimento secundário, em plantas vascular. Diferenciado em sistemas axial e radial. Traqueia – Série de células unidas pelas extremidades perforadas. Traqueídeo – Elemento traqueal do xilema, privado de perfurações, em contraste com o elemento de vaso. Pode ocorrer nos xilemas primário e secundário e apresentar qualquer tipo de espessamento parietal secundário encontrado nos elementos traqueais. Tricoma – Apêndice epidérmico de forma variada, estrutura e função. Tubo crivado – Série de elementos crivados (elementos de tubo crivado) dispostos de ponta a ponta e interconectados através de placas crivadas. Xerófita – Planta adaptada para viver em climas áridos. Xilema – Tecido que transporta água e nutrientes nas plantas superiores caracterizado pela presença de eleemntos traqueais. O xilema pode ser também um tecido de sustentação, especialmente no xilema secundário (lenho ou madeira).. Xilema primário – Tecido xilemático que se diferencia do procâmbio durante o crescimento primário e diferenciação de uma placa vascular. Em geral, dividido em protoxilema e metaxilema. Xilema secundário – Tecido xilemático formado pelo câmbio vascular durante o crescimento secundário. Diferenciado em sistemas axial e radial.

×