Pés. Por quê me trouxe?

557 visualizações

Publicada em

Sinopse: Através desses pés, com profundas feridas, calejados, disformes, marcados pelos caminhos, pela vida... suas histórias.
Um contato com o individuo descartado da sociedade, que nesse lugar “democrático” chamado “Cracolândia”, chão do sem chão, se sente acolhido. 
Uma reflexão sobre o Ser Humano que compõe essa tribo “de Refugiados Urbanos" contrapondo o paradigma "Droga e Drogados”; sua nuance e estereótipos.

Justificativa: Trabalhando há cinco anos como enfermeira junto as pessoas em situação de rua, transitando pelos inúmeros nichos da região central de São Paulo e nos últimos tempos na Luz, lugar intitulado “Cracolândia",a cada dia,a cada escuta,a cada vínculo estabelecido,aumenta a indagação e grande inquietude,baseadas nas histórias de vida desses sujeitos , que neste espaço chegam “pelos próprios pés” de diversos lugares, de diversos saberes, de rupturas e descartes dos vínculos familiares e sociais, e encontram um acolhimento dentro da exclusão.

Nessa vivência, a percepção dentro de diferentes contextos, tanto na vida profissional, nas relações pessoais, na exploração da mídia ou da sociedade em geral, o olhar é veemente para "droga e o drogado”, onde estereótipos e preconceitos são estabelecidos, dando invisibilidade, anulando e enquadrando esse sujeito, suas especificidades, sua própria vida.

A partir dessas questões , desse incomodo, busco através dos pés, em sua diversidade, a compreensão, aproximação e o olhar com e sobre esses sujeitos que compõe essa dinâmica social. Pés são esses que carregam suas historias, maneiras de (sobre) viver e conviver, seus corpos, suas marcas, dores, alegrias; pés que possibilitam enxergar a integralidade do ser.

Objetivo: Suscitar reflexão e discussão através das imagens dos pés, suas histórias, do contexto do Ser, para alem do consumo do crack. Mostrar que no caos há espaço para o belo, para o acolhimento, para o olhar, para habilidades, solidariedade e afeto. A existência de pessoas vivas e reais.

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
557
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
135
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pés. Por quê me trouxe?

  1. 1. “Os pés não me trouxe...Vim com o desejo de conhecer outras coisas...Deixei tudo que tinha hoje não tenho nada...Já tive tudo, mas o desejo me fez chegar até aqui. “Pois conheço um lugar que tive curiosidade de conhecer a terra de Peter Pan, onde nada acontece, nada cresce para quem entra nesse labirinto, nesse navio... navio não porque já afundou faz tempo.” “Poxa cara...Coloca bem grande aí no mural , cada um que chegar e ler, vai ficar pensando o que veio fazer aqui... tá ligado? ”... Tim
  2. 2. Sinopse: Através desses pés, com profundas feridas, calejados, disformes, marcados pelos caminhos, pela vida... suas histórias. Um contato com o individuo descartado da sociedade, que nesse lugar “democrático” chamado “Cracolândia”, chão do sem chão, se sente acolhido. Uma reflexão sobre o Ser Humano que compõe essa tribo “de Refugiados Urbanos" contrapondo o paradigma "Droga e Drogados”; sua nuance e estereótipos. Por onde andei... Pés Por quê me trouxe? Aqui...
  3. 3. Por onde andei... Pés Por quê me trouxe? Aqui... Justificativa: Trabalhando há cinco anos como enfermeira junto as pessoas em situação de rua, transitando pelos inúmeros nichos da região central de São Paulo e nos últimos tempos na Luz, lugar intitulado “Cracolândia",a cada dia, a cada escuta, a cada vínculo estabelecido, aumenta a indagação e grande inquietude, baseadas nas histórias de vida desses sujeitos, que neste espaço chegam “pelos próprios pés” de diversos lugares, de diversos saberes, de rupturas e descartes dos vínculos familiares e sociais, e encontram um acolhimento dentro da exclusão.
  4. 4. Nessa vivência, a percepção dentro de diferentes contextos, tanto na vida profissional, nas relações pessoais, na exploração da mídia ou da sociedade em geral, o olhar é veemente para "droga e o drogado”, onde estereótipos e preconceitos são estabelecidos, dando invisibilidade, anulando e enquadrando esse sujeito, suas especificidades, sua própria vida. A partir dessas questões , desse incomodo, busco através dos pés, em sua diversidade, a compreensão, aproximação e o olhar com e sobre esses sujeitos que compõe essa dinâmica social. Pés são esses que carregam suas historias, maneiras de (sobre) viver e conviver, seus corpos, suas marcas, dores, alegrias; pés que possibilitam enxergar a integralidade do ser. Por onde andei... Pés Por quê me trouxe? Aqui...
  5. 5. Por onde andei... Pés Por quê me trouxe? Aqui... Objetivo: Suscitar reflexão e discussão através das imagens dos pés, suas histórias, do contexto do Ser, para além do consumo do crack. Mostrar que no caos há espaço para o belo, para o acolhimento, para o olhar, para habilidades, solidariedade e afeto. A existência de pessoas vivas e reais.
  6. 6. Projeto: Agostinha Francisca de Oliveira Fotografia: Giorge de Santi Design Gráfico: Diego Weissel Rovira Giulia Lorenzi Revisão: Guiomar Francisca Teixeira São Paulo, Novembro 2015
  7. 7. Agradecimentos Aos agentes de saúde que compõem a minha história junto à população de rua, no despertar do meu olhar para os pés como elemento de identificação do sujeito. Aos meus filhos Lucas e Mariana, que contribuíram entre outros contextos na elaboração do título. A todos e todas trabalhadores e voluntários que se fazem presentes junto a essa população. À ASF e PMSP por implementar a assistência a essa população. Gratidão especial ao dono dos pés que compõe essa população. São Paulo, Novembro 2015

×