Revista Segurança Alimentar e Combate à Fome

3.060 visualizações

Publicada em

Por um mundo mais sustentável

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.060
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.913
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Segurança Alimentar e Combate à Fome

  1. 1. REDE DE BANCO DE ALIMENTOS SE CONSOLIDA EM TODO O MUNDO CENÁRIO NACIONAL DE COMBATE À FOME APRESENTA AVANÇOS E DESAFIOS GOVERNO, EMPRESAS E VOLUNTÁRIOS MOBILIZADOS CONTRA O DESPERDÍCIO I Segurança alimentar e combate à fome para um mundo sustentável PUBLICAÇÃO-SÍNTESE DO SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR: SUSTENTABILIDADE E COMBATE À FOME I SALVADOR - BA I OUTUBRO DE 2013
  2. 2. 9 CONFERÊNCIA Rede Global de Banco de Alimentos: entender para solucionar 7 Sesc Rede de ações sociais resgata a esperança PAINEL 1 Direito social, comida de qualidade e desenvolvimento sustentável INSTITUTO WALMART Investimento social para as pessoas viverem melhor Qualidade e informação para garantir a segurança alimentar Voluntariado tem papel estratégico na luta contra a fome PAINEL 2 Exemplos brasileiros já conquistam e inspiram Um dia para repensar o nosso papel no mundo 5 18 26 22 32 Regulação e engajamento para preservar a biodiversidade Governo quer integração e parcerias com setor privado 3 17 20 28 30 Um direito universal, uma luta constante Por um desenvolvimento consciente e multidimensional
  3. 3. 3 O Dia Mundial da Alimentação é uma data apropriada para refletir, aprender e discutir sobre um pro- blema que tem mobilizado milha- res de entidades e milhões de pessoas ao redor do mundo: a fo- me e o desperdício de alimentos. Foi por isso que o Instituto Wal- mart e o Sesc, parceiros na mis- são de promover uma melhor distribuição dos alimentos, volta- da para a cidadania e a melhoria da qualidade de vida de pessoas em situação de pobre- za, escolheram o dia 16 de outubro de 2013 para realizar o primeiro Semi- nário Internacional de Segurança Alimentar: Sustentabilidade e Com- bate à Fome. Realizado no teatro do Sesc (Casa do Comércio), em Salvador, na Bahia, o evento contou com pai- néis e conferências de especialis- tas de diversas áreas cujas pesquisas e formas de atuação convergiam para um único ponto: a erradicação da fome e da po- breza. Durante todo o dia, foram apresentados indicadores, pes- quisas, exemplos e perspectivas sobre o assunto, nos cenários na- cional e mundial. No início do evento, representantes das instituições envolvidas fala- ram ao público. O diretor Paulo Mindlin deu as boas-vindas pelo Instituto Walmart, e o gerente de Saúde e Ação Social do Departa- mento Nacional do Sesc, Irlando Moreira, destacou a importância da agenda. Também estiveram pre- sentes o vice-presidente da Feco- mércio da Bahia, Carlos Andrade, que representou o presidente Car- los Fernando Amaral na abertura; a secretária de Desenvolvimento da Bahia, Moema Gramacho; e a dire- tora do Sesc Bahia, Célia Batista. A plateia, composta por assistentes sociais, estu- dantes, empresários e funcionários públicos, en- tre outros, participou ati- vamente dos debates, comentando, nos inter- valos, a importância da- quele conhecimento para as ações que já são desenvolvidas Brasil afora. Para além do benefício identifica- do pelos participantes presentes ao evento, o objetivo do Seminá- rio foi também multiplicar as boas ideias, compartilhando esse sa- ber entre todos os interessados no tema. Por isso, essas e outras informações também estão dis- poníveis na página criada exclusi- vamente para partilhar conteúdos da área, o blog seminariodesegu- rancaalimentar.wordpress.com. Confira e aproveite! Oportunidade de partilhar indicadores, pesquisas, exemplos e perspectivas Um dia para repensar o nosso papel no mundo Salvador - BA • Outubro - 2013 SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR Sesc, Instituto Walmart e representantes do Governo participaram da abertura O auditório do Teatro do Sesc, em Salvador, recebeu o público O jornalista José Raimundo mediou os debates do evento
  4. 4. 4 5 Países como o Brasil têm tido um papel importante em mostrar que, onde existe pobreza e misé- ria, não dá para falar só em sus- tentabilidade ambiental. É preciso falar em sustentabilidade social. É importante falar de fome. É im- portante falar de desnutrição. Quem está com fome não se sus- tenta. Por isso, no Walmart nós temos algumas diretrizes interna- cionais de investimento social, e uma delas é a de nutrição e com- bate à fome, temas que nos foram apresentados por exemplos de países como Brasil e México. Quando nós, do Instituto Wal- mart, conhecemos o projeto do banco de alimentos do Sesc, fica- mos curiosos com aquela ideia. Fomos aprender e claro que acha- mos o máximo. Nos unimos ao Programa Mesa Brasil Sesc, e es- sa parceria desde então só cres- ceu.Maisdedezanossepassaram, e hoje são mais de 150 lojas dos variados tamanhos doando regu- larmente para o banco de alimen- tos. Atendemos, junto com outros vários parceiros, cerca de 1.800 instituições e 300 mil pessoas de maneira regular. Todo esse traba- Investimento social para as pessoas viverem melhor Paulo Midlin Diretor do Instituto Walmart lho tem tido uma influência muito importante dentro da empresa, reforçando com os 80 mil funcio- nários no Brasil a luta contra o desperdício, que já é forte para a gente, pois o Walmart tem, em to- dos os seus aspectos, uma cultura de combate a essa prática. Entretanto, ainda há muito por fa- zer. Temos que manter a indigna- ção contra o fato de simplesmente jogar fora. Não dá para aceitar. A ideia de provocar esse Seminário foi justamente porque queremos manter a indignação de todo mun- do em alta, temos que trabalhar mais maneiras. No Walmart, esta- mos estudando mecanismos com a nossa área de segurança alimen- tar, pois mantemos a indignação de não ficar jogando fora. Por is- so, continuamente, reforçamos as parcerias, estudamos outras pos- sibilidades. Acreditamos no traba- lho em rede, na necessidade contínua de aprender, de discutir. Dessa forma, o Seminário aconte- ce porque, mais do que celebrar o Dia Mundial da Alimentação, a gente tem que tomar consciência desse problema que existe no mundo e no nosso país.” O INSTITUTO WALMART Está presente em 18estados do Brasil + DF + AP (Floresta Nacional) 558 lojas participam das ações O Programa de Doação a Bancos de Alimentos beneficiou cerca de 2 mil instituições em 2013 Mais de 300.000 pessoas assistidas por mês
  5. 5. 6 7 Irlando Moreira Gerente de Saúde e Ação Social do Departamento Nacional do Sesc Rede de ações sociais resgata a esperança O número de pessoas que passam fome no Brasil caiu em quase 10 milhões nos últimos anos, segun- do os dados mais recentes for- necidos pela Organização das Nações Unidas. Isso é significati- vo; no entanto, muita coisa ainda há para ser feita. Por isso, o Dia Mundial da Alimentação nos lem- bra a necessidade de unirmos es- forços em torno de um grave problema: a fome. Por isso, há 10 anos, o Programa Mesa Brasil Sesc, junto a parcei- ros valorosos como o Instituto Walmart, trabalha nessa ques- tão com uma abordagem nacio- nal – trabalhos valorosos nessa área já vinham sendo desenvol- vidos em outras localidades, co- moSãoPaulo,Ceará,Pernambuco e Paraná há quase 20 anos. Ao longo desse período, já foram mais de 250 mil toneladas de ali- mentos distribuídas em todo o país. Alimentos que complemen- taram refeições, aumentaram o seu valor nutricional e estimula- ram sorrisos. A fome é um mal que cria deses- perança. E sua existência ao lado do desperdício torna esse quadro ainda mais cruel. Há alimentos e há fome. Nós ainda somos inca- pazes de superar essas dificulda- des. Contudo, ao reunir esforços de empresas que doam, voluntá- rios que auxiliam e instituições que amparam, o Programa Mesa Brasil Sesc contribui para conter essa realidade, traçando um ca- minho digno e justo para a exis- tência humana. Todos nós somos mais um elo dessa cadeia de ações que busca reduzir o número da fome e servir de modelo para futuras iniciati- vas. Todos integramos essa rede, pois somos multiplicadores de ideias. O que pretendemos com esse evento é simplesmente con- centrar esforços para um traba- lho cada vez mais abrangente e de grandes resultados. Hoje o Instituto Walmart abraçou de co- ração essa causa que defende- mos e se empenha em não só auxiliar as entidades e institui- ções com seus produtos, mas fa- zê-las crescer por meio de ações educativas e sociais, o que tam- bém é um dos pilares do nosso trabalho. Desejo que esse evento renda bons frutos, com iniciativas de sucesso.”
  6. 6. 8 9 CONFERÊNCIA Rede Global de Banco de Alimentos: entender para solucionar Encorajar, entusiasmar, conectar, resolver. É com essas palavras que Jeffrey Klein define o trabalho da Rede Global de Banco de Alimentos (GFN), instituição presidida por ele, com atuação em mais de 25 países. Destaque na programação do Seminário Internacional de Segurança Alimentar: Sustentabilidade e Combate à Fome, o norte-americano falou ao público sobre sua experiência como consultor ao redor do mundo, revelando semelhanças e diferenças entre vários países, além de alguns exemplos dignos de serem conhecidos e seguidos. Jeffrey Klein (EUA) Presidente e CEO da Rede Global de Bancos de Alimentos (GFN). Mestre em finanças pela Universidade de Georgetown. O americano integrou instituições financeiras como Citibank e Mellon Back e foi membro do conselho de empresas públicas e privadas, a exemplo da McCormick & Schmick, Chart House, Barri Financial Group e Progreso – esta última, uma firma de supermercado e distribuidora de alimentos, com a qual trabalha até hoje. Foi diretor de gerenciamento da Equity Group Investments.
  7. 7. 10 11 Apesar de reconhecer avanços alcan- çados especialmente no Brasil, Jeffrey não deixou de apontar as questões crí- ticas que nos impedem de conquistar índices ainda mais significativos. E o re- forço na comunicação é um dos desa- fios enfrentados. “Nos Estados Unidos, o conceito de banco de alimento já é bem familiar a todos, mas, no resto do mundo, é novo, muita gente não sabe do que se trata”, enfatizou. Além disso, ainda faltam políticas que garantam proteção legal àqueles que se prontifi- cam a ajudar. “Também no meu país, as pessoas físicas e as pessoas jurídi- cas ganham descontos nos impostos se ajudam o banco de alimentos”, con- cluiu o especialista. FOME E DESPERDÍCIO EM NÚMEROS A fome afeta hoje mais de 850 milhões de pessoas em todo o mundo. Mais de 2 bilhões de pes- soas ainda vivem com menos de 2 dólares por dia (5 reais). A criança cujo desenvolvi- mento físico e mental é retar- dado pela fome e pela subnutrição está prestes a perder de 5% a 10% em rendimentos duran- te seu período de vida. O custo da subnutrição para o desenvolvimento econômi- co nacional é avaliado em 20 a 30 bilhões de dó- lares ao ano. Um terço dos alimentos pro- duzidos para consumo hu- mano não chega a ser ingerido. Isso equivale a 1,3 bilhões de toneladas de alimentos perdidos a cada ano. Fonte: Food and Agriculture Organization, órgão das Nações Unidas (FAO) “Resta-nos encontrar o caminho para que as iniciativas sejam mais fortes, efetivas e abrangentes” Na luta contra o desperdício, a gestão é a alma do negócio. A frase pode até parecer estranha quando se fala de uma entidade que não visa lucros. Jeffrey Klein, entretanto, logo explica a asso- ciação. Com uma movimentada agen- da de visitas a governos, empresas e instituições beneficentes em vários paí- ses, o presidente da GFN revela que entender o país, o negócio e suas parti- cularidades e, assim, identificar solu- ções que se encaixem tanto em empresas como em comunidades é o segredo para que os bancos de alimen- tos cumpram seu papel. Mais do que uma ação humanitária, trata-se de um processo de otimiza- ção dos recursos e da força produtiva. “Parte do nosso trabalho é de consultoria. A gente ajuda a entender o problema da fome, fazendo, por exemplo, análises de via- bilidade para bancos de alimentos”, ex- plica Jeffrey, revelando que a GFN também promove eventos para capaci- tar lideranças com treinamentos técni- cos, o chamado Leadership Institute. A ideia é ajudar a criar e fortalecer orga- nizações eficientes e sustentáveis que fornecem alternativas ecologicamente adequadas para o descarte do exce- dente de produtos comestíveis. Para Jeffrey, é encorajador saber que o mundo tem comida suficiente para os quase 7 bilhões de pessoas que nele ha- bitam. O problema é que boa parte des- se alimento está no lugar errado, com a logística errada. “É difícil valorar o des- perdício, pois ele envolve perdas no meio de todo o processo. Entre as fa- zendas, as indústrias e os pontos de venda, há desperdício de água, emba- lagem, combustível, força de trabalho. É mais fácil jogar fora”, afirma o ameri- cano. Apesar disso, ele reconhece que hoje existe uma maior valorização da cultura do reaproveita- mento em todo o mun- do, seja por uma questão financeira, política ou mesmo moral. Segundo a análise do próprio Jeffrey, a varie- dade de bens produzi- dos somada às iniciativas privadas e aos programas do governo já representam um cenário favorável ao combate à fo- me e ao desperdício. Não foi à toa que conseguimos, com a ajuda de progra- mas como o Fome Zero, do Governo Federal, importantes conquistas nos últimos anos. Resta-nos, contudo, en- contrar o caminho para que as iniciati- vas sejam mais fortes, efetivas e abrangentes. “Há diferentes agentes no mercado dos bancos de alimentos no Brasil, e isso é muito importante. O Programa Mesa Brasil Sesc é o maior e mais bem estruturado. Ficamos muito felizes com o programa”, afirmou Klein.
  8. 8. 12 13 Qual é a perspectiva da Rede Mundial de Banco de Alimentos diante da escassez e do desperdício no mundo? O futuro promete dias melhores? JK: A Global FoodBanking Network/Re- de Global de Banco de Alimentos (GFN) acredita que o recente foco, nos últimos três ou quatro anos, na extensão do des- perdício global de alimentos e o reco- nhecimento do valor que os bancos de alimentos trazem para milhares de co- munidades ao redor do mundo pode le- var a um progresso significativo na redução da fome e da desnutrição. Para ser claro, a GFN não acredita que os bancos de alimentos irão acabar com a fome. E não acredita que eles irão aca- bar com a desnutrição. Mas a GFN sabe que os bancos de alimentos e as redes de organizações relacionadas à alimen- tação têm tirado dezenas de milhões de pessoas da desnutrição e da fome crô- nica todos os dias. A GFN também acre- dita que esses números podem crescer expressivamente para centenas de mi- lhões com o rápido e saudável cresci- mento dos sistemas de bancos de alimentos e a expansão dos esforços para a utilização desses sistemas como pontes entre a necessidade e o supri- mento (desperdício). Tão importante quanto os serviços básicos dos bancos de alimentos, a natureza e a abrangên- cia da sua base de stakeholders unem pessoas do setor privado, do governo e da sociedade civil para contribuir para o sucesso do sistema de banco de ali- mentos. Muitas dessas pessoas não iriam se encontrar trabalhando juntas por outros objetivos. Essa é uma opor- tunidade maravilhosa de ver o impacto do banco de alimentos na comunidade e dos esforços colaborativos para con- quistar esse impacto e identificar ou- tros meios para que possam trabalhar juntos para mitigar a abrangência da fo- me. Então, sim, a GFN acredita que o futuro vai trazer dias melhores. É im- portante lembrar e focar nesses dias melhores para que conquistemos o re- sultado do trabalho duro, trabalho com- partilhado por todos os que se preocupam com o problema da fome e do desperdício. Diante da sua experiência no Banco de Alimentos, como você enxerga o paradoxo do Brasil, que, mesmo sendo um dos maiores produtores de comida no mundo, ainda tem parte da população vitimada pela fome? JK: Infelizmente, esse não é um parado- xo único do Brasil, virtualmente, todos os países, mesmo aqueles que são gran- des exportadores de comida, compar- tilham dessa realidade. O problema, pelo menos nos países mais desenvolvi- dos e naqueles que possuem forte agri- cultura e boa produção de comida, é menos relacionado à disponibilidade de comida e mais relativo ao acesso físico e econômico a essa comida. É comum que, de uma forma geral, a indústria do varejo não tenha presença nas áreas pobres das cidades. Os que residem em áreas mais rurais sofrem com a fal- ta de acesso, normalmente relacionada a problemas de infraestrutura, dificul- dade de transporte e escassez da pres- tação de serviços que inibem a população. Esse é o motivo pelo qual bancos de alimentos são essenciais. Eles estão relacionados à logística, pe- gando comida de onde há um amplo abastecimento e levando para onde ela é necessária. Que fator mais implica na falta de comida: o desperdício ou a falta de engajamento da sociedade na promoção da distribuição igualitária de comida? JK: Ambos os fatores contribuem de for- ma significativa para a falta de comida para certos segmentos da população. O primeiro deles, o desperdício, pode ser resolvido através da organização e coordenação de ajuda alimentar, como em redes de bancos de alimentos. Eles existem para coletar alimentos nutriti- vos, próprios para uso, antes que sejam desperdiçados. O segundo, a promo- ção social da distribuição igualitária de alimentos, é bem mais complexo. O setor comercial está focando, e real- mente deveria, nas implicações econô- micas da cadeia de distribuição e prováveis alvos produtivos. Essa não é uma coisa fundamentalmente ruim, promover o lucro é o trabalho do setor produtivo. Lembrando que é incum- bência da sociedade determinar qual é a melhor forma de cuidar daqueles que precisam de cuidado. Todos os setores da sociedade devem se engajar nesse diálogo e participar do desenvolvimen- to da infraestrutura apropriada identifi- cada nessas discussões. ENTREVISTA Jeffrey Klein É preciso acreditar em dias melhores
  9. 9. O Presidente e CEO da Rede Global de Bancos de Alimentos, Jeffrey Klein, ao lado da coordenação nacional do Programa Mesa Brasil Sesc, Ana Barros, René Castro e Cláudia Roseno Sandra, Gleyse e Marília comandaram o primeiro painel do Seminário Painelistas e organizadores do Seminário comemoraram o sucesso do encontroKathleen, Alcione e Caio encerraram as discussões do evento A secretária de Meio Ambiente da Bahia, Moema Gramacho, destacou programas de combate à fome Equipe do Programa Mesa Brasil Sesc, na Bahia, reunida com Jeffrey Klein durante o evento Carlos Andrade, Célia Batista e Irlando Moreira representaram o Sesc. José Raimundo, jornalista e mediador do evento, Adriana Franco e Paulo Mindlin, ambos do Instituto Walmart
  10. 10. 16 17 Cidadania, mudança cultural, desenvolvimento social inclusivo, comida. “Afinal, a gente tem fome de quê?” Essa pode ser uma pergunta bastante complexa e foi ela que deu início aos debates do Seminário Internacional de Segurança Alimentar: Sustentabilidade e Combate à Fome. Provocadas a responder à questão, as painelistas Marília Leão, da Ação Brasileira pela Desnutrição e Direitos Humanos (Abrandh), Sandra Maria Chaves, nutricionista e professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA), e Gleyse Peiter, secretária-executiva do COEP/ Rede Nacional de Mobilização Social, falaram, respectivamente, sobre alimentação como um direito social, sistemas alimentares saudáveis e desenvolvimento social, trazendo cenários e desafios sobre o tema. PAINEL 1 Direito social, comida de qualidade e desenvolvimento sustentável 16
  11. 11. 18 19 1940 a 1960 Concepção de Josué de Castro FOME: Questão social e política 1964 a 1984 Ditadura Militar FOME: Tema proibido 1985 a 2002 Redemocratização do Brasil FOME: O tema volta a ser debatido 2003 aos dias atuais Lançamento do Fome Zero FOME: Erradicação é prioridade do Governo Federal A VISÃO SOBRE A FOME NO BRASIL O caráter político do problema da fome deu o tom da palestra da especialista, que citou Josué de Castro, lembrando que a fome é uma doença social que re- presenta prejuízos para a economia de um país. E, para curar essa enfermida- de, só uma cidadania muito forte. “Quem defende a alimentação adequa- da está defendendo todos os outros di- reitos a uma vida digna”, comentou a especialista. Entre os desafios que ainda se apresen- tam ao país, sobretudo no que diz res- peito às ações do poder público, Marília Leitão defende uma intervenção em ní- vel municipal no combate à fome. Ainda no sentido de se aproximar mais dos fo- cos onde o problema é mais grave, é importante conhecer e fortalecer as ONGs que se dedicam a diminuir as cau- sas e os efeitos da fome. Por fim, estimu- laraparticipaçãosocialnasmaisvariadas instâncias é de grande importância. “O Brasil reduziu à metade a quantidade de pessoas que passam fome. Mas não po- demos perder o foco”, concluiu. Um direito universal, uma luta constante QUEM DEFENDE A ALIMENTAÇÃO ADEQUADA ESTÁ DEFENDENDO TODOS OS OUTROS DIREITOS A UMA VIDA DIGNA Enfermeira-sanitarista, mestre em Nutrição Humana pela Universidade de Brasília (UnB) e especialista em Políticas Públicas e em Saúde Pública, é conselheira titular do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), órgão assessor da Presidência da República, e suplente da Comissão Intersetorial de Nutrição, vinculada ao Conselho Nacional de Saúde. Marília Leitão A humanidade chegou a um nível de conhecimento que, muitas vezes, im- pressiona. Mesmo assim, grande parte do planeta ainda sofre com a falta de acesso à alimentação adequada e pas- sa fome. Diante desse paradoxo social, Marília Leão, presidente da Ação Brasi- leira pela Desnutrição e Direitos Huma- nos (Abrandh), defende que, do ponto de vista das políticas públicas e do or- çamento destinado à causa, o Brasil já avançou bastante. Ainda é preciso, en- tretanto, reforçar a participação social e a integração entre os agentes. De acordo com a especialista, no que diz respeito a políticas e legislação, o cenário é bastante positivo. Desde 2006, o Brasil já possui sua Lei Orgâni- ca de Segurança Alimentar e Nutricio- nal e apresenta um longo histórico de políticas públicas de segurança alimen- tar e nutricional, sendo o salário mínimo exemplo disso. “O problema é que o pú- blico não sabe trabalhar com o privado. E, quando a gente vê exemplos como o do Sesc e do Walmart, a gente percebe o quanto uma empresa pode fazer”, pontuou, lembrando ainda que é neces- sário lutar contra o assistencialismo.
  12. 12. 20 21 Ter acesso à comida não é o suficiente, é importante também garantir a quali- dade dessa comida. As mudanças na relação que o brasileiro possui com a comida têm refletido em graves proble- mas no que diz respeito à segurança ali- mentar e nutricional, como o aumento da obesidade no país. Para impedir que esse tipo de distorção continue a afetar a população, a professora Sandra Cha- ves defende mudanças tanto culturais quanto no reabastecimento e regulação por parte do governo. “O padrão alimentar ditado pela dinâ- mica urbana de hoje faz com que o ser humano coma cada vez menos comida e mais produtos multiprocessados”, preocupa-se Sandra Chaves, tratando de distinguir alimentos (minimamente processados) dos produtos alimentí- cios (ultraprocessados e com muitas substâncias). Segundo dados apre- sentados pela professora, 14,8% dos brasileiros apresentam um quadro de excesso de peso ou obesidade, e os custos do Sistema único de Saúde (SUS) com patologias relacionadas com o sobrepeso é de quase R$ 500 milhões por ano. No que diz respeito à participação do Estado nesse processo de consumo consciente e saudável de alimentos, a professora lembrou que o sistema ali- mentar é uma cadeia que envolve pro- dução, transporte, venda, compra e, finalmente, consumo dessa mercadoria. Por isso, o desenvolvimento de ações como uma política nacional de abaste- cimento e um fortalecimento da regula- ção é urgente. “Hoje existe uma série de políticas públicas para a agricultura fa- miliar, mas ainda é necessário que o Es- tado participe mais em pontos como a regulação e a informação”, afirmou a nutricionista. Ainda nessa perspectiva do sistema ali- mentar como cadeia, é impossível dei- xar de pensar no impacto ambiental da agricultura de massa que existe hoje. Um grande percentual dos gases que provocam o efeito estufa vem da produ- ção de alimentos. “Não dá para voltar ao modelo de manejo totalmente natural, que é bastante caro. Temos que saber encontrar o meio-termo”, pontuou. An- tes de mais nada, lembra a professora, as pessoas têm o direito de saber o que estão comendo para que, a partir daí, possam reconstruir o hábito alimentar. Fonte: Vigitel 2006 a 2011 OBESIDADE NO BRASIL EM COMPARAÇÃO COM OUTROS PAÍSES 14,8 20,5 25,1 27,6 BRASIL ARGENTINA CUBA EUA Qualidade e informação para garantir a segurança alimentar Formada em nutrição, fez mestrado em Saúde Pública e doutorado em Administração Pública pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Pesquisadora da área de Políticas Públicas em Segurança Alimentar e Nutricional, ela atua como orientadora e professora da graduação e da pós-graduação da UFBA nas áreas de Saúde Coletiva, Metodologia da Pesquisa em Alimentos e Nutrição, Nutrição e Políticas Públicas e Segurança Alimentar e Nutricional. Sandra Chaves É NECESSÁRIO QUE O ESTADO PARTICIPE MAIS EM PONTOS COMO A REGULAÇÃO E A INFORMAÇÃO
  13. 13. 22 23 de ser basilar para outras políticas por se tratar de um tema multidisciplinar e intersetorial, esse tipo de abordagem estabelece os parâmetros para o mo- delo do desenvolvimento sustentável, antecipando problemas e suas conse- quentes soluções. “Aqui no Brasil, nós temos a tradição de remediar, e não de prevenir”, co- mentou a painelista. Problemas recor- rentes como o da seca apontam para a necessidade de adaptar para reduzir vulnerabilidades. Para que essa adap- tação efetivamente aconteça, devem ser evitadas abordagens relacionadas a políticas assistencialistas. Como lem- brou Peiter em sua palestra, homens e mulheres precisam ser protagonistas do próprio desenvolvimento. Citando o sociólogo brasileiro Herbert de Souza, o Betinho, ela lembra que, antes de tu- do, somos cidadãos. Segundo Gleyse Peiter, que também é conselheira do Consea, atualmente há uma demanda grande por alimentos que não é atendida, ao mesmo tempo que a pressão pelo biocombustível é cada vez maior. Por isso, grandes exten- sões de terra que poderiam estar pro- duzindoalimentosparaconsumointerno são dedicadas a plantações para abas- tecer o mercado externo (soja) ou para produzir combustíveis (cana-de-açú- car). “A monocultura traz problemas pa- ra a segurança alimentar e nutricional, que precisa de biodiversidade”, alertou Peiter, lembrando ainda que o fortaleci- mento da agricultura local acaba por preservar a cultura também, através da gastronomia. É nesse contexto que as ações desen- volvidas para garantir a segurança ali- mentar e nutricional se mostram como um importante ponto de partida. Além Por um desenvolvimento consciente e multidimensional Crescimento é diferente de desenvolvi- mento, e isso muita gente já sabia. Mui- tos não sabem, entretanto, que aquilo que chamamos de desenvolvimento sus- tentável possui seis dimensões: social, econômica, ecológica, cultural, política e espacial. Foi para essa peculiaridade que chamou atenção a secretária-executiva da Rede Nacional de Mobilização (Coep), Gleyse Peiter. Para ela, o primeiro passo para garantir a tão falada e sonhada sus- tentabilidade é repensar culturalmente o consumo – inclusive o de alimentos. Secretária-executiva do Coep, da Rede Nacional de Mobilização Social e, desde 2004, é conselheira do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), que tem como principal objetivo garantir a segurança alimentar e nutricional e o direito humano à alimentação adequada a todos brasileiros. Hoje ela coordena o grupo de trabalho Mudanças Climáticas, Pobreza e Desigualdade, ligado ao Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas e o Laboratório Herbert de Souza – Tecnologia e Cidadania. Gleyse Peiter AQUI NO BRASIL, NÓS TEMOS A TRADIÇÃO DE REMEDIAR, E NÃO DE PREVENIR População em 2010 7 bilhões População em 2050 9 bilhões Limites do planeta Impacto ecológico do uso dos recursos globais Parcela dos recursos utilizados pelos 20% mais pobres UMA MUDANÇA NECESSÁRIA Fonte: Oxfam - Crescendo para um futuro melhor
  14. 14. Plateia atenta durante o primeiro painel do dia A multidisciplinaridade do tema foi percebida nos bate-papos do intervalo Material gráfico incluiu folders com dados sobre o cenário nacional Público foi recebido pela equipe do Seminário pela manhã Integrantes do Programa Mesa Brasil Sesc compareceram em peso Boa participação evidenciou a importância do debate O evento contou com 350 inscritos de todo o Brasil Profissionais de diversas áreas compuseram o público Em Salvador, os debates foram realizados em dois turnos O coffee break também foi momento de troca de experiências Participantes receberam material do evento
  15. 15. 26 27 A ideia de trabalhar em rede, já adotada pelos bancos de alimentos em diversos países, pode ser aplicada também de uma forma mais ampla. A luta pela erradicação da fome e da miséria envolve agentes dos mais variados setores, demandando vontade política, engajamento social e muito investimento. Para falar sobre o que já vem sendo feito nesse sentido para além do Programa Mesa Brasil Sesc, o segundo painel do Seminário contou com a analista de políticas sociais do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Kathleen Souza Oliveira; o diretor do Instituto Ethos, Caio Magri; e a fundadora do Instituto Amigos do Bem, a empresária Alcione Albanesi. PAINEL 2 Exemplos brasileiros já conquistam e inspiram 26
  16. 16. 28 29 Além da iniciativa privada, o Estado também se articula para abastecer bancos de alimentos em todo o país. Especificamente no Brasil, há dez anos, esse tipo de iniciativa figura na política nacional através do Ministério de De- senvolvimento Social e Combate à Fo- me. Para traçar um panorama sobre o que vem sendo feito, a nutricionista e analista de políticas sociais do MDS, Ka- thleen Oliveira, ministrou palestra e ain- da anunciou uma importante parceria. “No caso das ações do Governo Fede- ral, trabalha-se não apenas com a doação de alimentos, mas também com o Programa de Aquisição de Ali- mentos, em que o governo compra alimento do agricultor”, explicou a analista. Independente do caso, a ideia é, além de implementar – o que já foi feito em muitas áreas –, monitorar o funcionamento desses bancos e dar apoio técnico para que eles se susten- tem – etapas ainda em fase de estru- turação. Para ela, entretanto, ainda faltam articulação e integração gover- no-governo e governo-empresa. “A relação entre o público e o privado ainda é complicada, pois não existe um código de ética sobre o assunto”, aler- tou Kathleen. Apesar de nem sempre ser fácil, o somatório de esforços do go- verno com as empresas é fundamental para que os benefícios sejam mais abrangentes e sustentáveis. Foi por isso que, em uma parceria inédita na área, o Programa Mesa Brasil Sesc assinou, ain- da em 2013, um acordo de cooperação com o MDS para fortalecer a rede na- cional de banco de alimentos e, no futu- ro, compor uma gestão compartilhada. Ainda apresentando o planejamento do MDS na área, Kathleen Oliveira explicou que, assim como no caso da iniciativa privada, existe uma necessidade forte por parte do governo de otimizar os es- forços. “Nosso foco agora, por exem- plo, está nas Ceasas do Brasil. Passa muito alimento por ali e boa parte so- bra. Consideramos estratégica a inte- gração dos bancos de alimentos nesses espaços”, revelou a analista, afirmando ainda que o governo pretende aumen- tar o número de bancos de alimentos, que hoje é de 74, para 102 até 2015. DISTRIBUIÇÃO DOS BANCOS DE ALIMENTOS GOVERNAMENTAIS PELO PAÍS Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome 74 unidades em funcionamento 47 unidades em implantação Governo quer integração e parcerias com setor privado ASSIM COMO NO CASO DA INICIATIVA PRIVADA, EXISTE UMA NECESSIDADE FORTE POR PARTE DO GOVERNO DE OTIMIZAR OS ESFORÇOS Analista do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e formada em Nutrição pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) em 2000. Kathleen atua, há 11 anos, na área de saúde pública, na qual é mestra pela Fiocruz. Analista de Políticas Sociais especializada em Nutrição Clínica e Gestão de Políticas de Alimentação, já trabalhou na Secretaria de Saúde do Paraná e hoje é coordenadora-geral de Equipamentos Públicos da Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sesan). Kathleen de Sousa Oliveira 9 3 29 19 61 Sul Sudeste Norte Nordeste Centro-Oeste
  17. 17. 30 31 No trabalho de erradicação da fome e da pobreza, o governo investe, as em- presas criam boas estruturas e contam com uma ajuda imprescindível de vo- luntários. Trabalhos relevantes de dedi- cação e solidariedade podem ser conferidos em todo o mundo. Um exemplo desse engajamento é o que vem sendo desenvolvido pela Amigos do Bem, uma instituição fundada pela empresária Alcione Albanesi, em 1993, que luta no combate à fome no Sertão nordestino. Convidada para apresentar o seu tra- balho como voluntária na causa, Alba- nesi exibiu um vídeo sobre a ONG que dirige e não hesitou em afirmar: “Tudo começa com o alimento. É a base de tudo”. Partindo desse princípio, a enti- dade procura os mais diversos tipos de parceria para levar cada vez mais co- mida a municípios pobres dos estados de Alagoas, de Pernambuco e do Cea- rá. Entre esses parceiros, está o Wal- mart, que realiza, em diversas lojas, campanhas de arrecadação de alimen- tos junto aos clientes, numa corrente de solidariedade loja-ONG-cidadão. “Existe miséria em todos os lugares, mas, no Sertão nordestino, há povoados intei- ros sem comida e o pior: não há geração de empregos”, pontuou Albanesi. Por is- so, o trabalho da instituição vai além da entrega da comida arrecadada. Há uma preocupação em capacitar a população inserida em um contexto de pobreza e dificuldade. Mais uma vez, entra em ação o poder dos voluntários, que, por diver- sas ocasiões, ministram cursos e oficinas em áreas que vão desde a matemática e o português até esportes, música, dança e corte de cabelo. Seja por meio de entidades organiza- das ou do trabalho “formiguinha” feito por pequenos grupos de pessoas, o im- portante, segundo a empresária paulis- ta, é fazer com que as pessoas se engajem de fato na causa. “A situação só pode ser revertida com a interven- ção humana. É um problema de todos nós”, defendeu durante sua palestra, provocando uma importante reflexão em todos os presentes: o que já faze- mos e o que mais podemos fazer para contribuir para a diminuição da miséria, da fome e do desperdício? AMIGOS DO BEM Voluntariado tem papel estratégico na luta contra a fome A SITUAÇÃO SÓ PODE SER REVERTIDA COM A INTERVENÇÃO HUMANA Empresária e fundadora da instituição Amigos do Bem, que desde 1993 tem a missão de erradicar a fome e a miséria no sertão nordestino, por meio de ações educacionais e projetos autossustentáveis, ela foi vencedora do Projeto Generosidade 2007, da Editora Globo, e do Trip Transformador 2011, da Editora Trip. Alcione de Albanesi Funciona desde 1993 Atua em 4 cidades nordestinas Possui 5 mil voluntários PROJETOS SOCIAIS NAS ÁREAS DE • educação • esportes • cultura • culinária • agricultura • construção civil • combate à fome • saúde • formação profissional
  18. 18. 32 33 “Desperdício de alimentos na conjuntu- ra atual é crime de lesa-humanidade.” A frase é impactante, mas a verdade é que, no fundo, faz todo sentido. Essa é a ideia defendida pelo sociólogo Caio Magri, do Instituto Ethos, último paine- lista do Seminário. Para ele, mais do que pensar na questão humanitária imedia- ta, é importante perceber que algumas escolhas econômicas e sociais na área do agronegócio podem ter efeitos irre- versíveis para o planeta. Pesquisas do Ministério do Meio Ambiente revelam que, ao longo da história, os homens utilizaram para sua alimenta- ção cerca de 3 mil espécies de produtos de natureza vegetal. Hoje apenas 15 es- pécies fazem a base da segurança ali- mentar de cerca de 80% das pessoas que vivem no planeta – soja, mandioca, milho e arroz, entre outras. Os números apresentados por Magri são o reflexo do que uma cultura de consumo não consciente é capaz de provocar. “Pre- cisamos discutir de uma forma mais profunda sobre a destruição da biodi- versidade e da incapacidade que a gen- te pode dispor, num médio e longo prazo, de alternativas para a segurança alimentar de produtos que já utilizamos na nossa história e que foram muito im- portantes para o desenvolvimento hu- mano”, enfatizou o sociólogo. O momento é de contradição: é impor- tante gerar mais alimentos, mas temos a necessidade de preservar a biodiversida- de, que é a base da segurança alimentar dos povos. “Depender somente de 15 produtos que se encontram concentra- dos na mão de poucas empresas é extre- mamente preocupante do ponto de vista do acesso, da democracia”, diz Magri. Por isso, apesar de já apresentar avan- ços no combate à fome e erradicação da miséria – investindo em políticas de fortalecimento da agricultura familiar e de distribuição de renda –, o governo brasileiro precisa também regular os impactos da atividade agroindustrial. Além de estimular a prática sustentável de produção e consumo, é necessário que o governo também seja capaz de estabelecer regras que garantam me- nor impacto, segundo o palestrante. Regulação e engajamento para preservar a biodiversidade Formado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), Magri é o atual gerente executivo de Políticas Públicas do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. Foi gerente de Políticas Públicas da Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e coordenador do Programa de Políticas Públicas para a Juventude da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto/SP. Integrou em 2003 a assessoria especial do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o Programa Fome Zero. Caio Magri DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NA CONJUNTURA ATUAL É CRIME DE LESA-HUMANIDADE
  19. 19. “Antes deste seminário, eu não tinha noção do cenário mundial do combate à fome, só conhecia a realidade brasileira. Além disso, os debates me ajudaram a entender o porquê da abordagem assistencialista ser tão combatida. Por fim, é sempre importante perceber o quanto o serviço social pode contribuir para a segurança alimentar e nutricional.” Naiara Bispo Estudante de serviço social na União Metropolitana de Educação e Cultura (Unime) “No processo de distribuição de alimentos excedentes ainda em condições de consumo, o Programa Mesa Brasil Sesc conta com o auxílio inestimável de parceiros e voluntários. Apenas nos primeiros nove meses de 2013, o programa arrecadou, na Bahia, mais de 1 tonelada de alimentos e materiais de limpeza. Juntos, Sesc e Walmart continuarão trabalhando pela sustentabilidade e pelo combate à fome, fortalecendo uma grande rede de solidariedade.” Carlos Amaral Presidente do Sesc Bahia “A ideia é fazer a ponte entre as pessoas e os alimentos. Mais do que apenas repassar comida, é preciso conduzir para o consumo consciente e saudável. É difícil porque o hábito alimentar, muitas vezes errado, está muito enraizado na sociedade. Por isso, o programa busca estabelecer critérios para garantir refeições mais nutritivas.” Marion Cerqueira Nutricionista do MBS de Feira de Santana “Tem garotos na comunidade que, às vezes, vão para a escola por causa da merenda. Da mesma forma, a boa alimentação acaba atraindo crianças para entidades que trabalham com esportes, educação, etc. Os meninos têm consciência do valor do alimento e multiplicam essa cultura. Isso se reflete diretamente na comunidade.” Samuel Santana Presidente da Associação Beneficente Pernamboés Quem acompanhou os debates e as palestras do Seminário Internacional de Segurança Alimentar: Sustentabilidade e Combate à Fome aproveitou para tirar lições e ampliar seus conhecimentos sobre o tema. Na plateia, estiveram assistentes sociais, estudantes, representantes de ONGs, entre outros. Todos interessados e animados diante das informações apresentadas. Confira o que algumas dessas pessoas falaram sobre o evento e o tema de uma forma geral. “As palestras trouxeram uma série de novidades para mim, como, por exemplo, a questão do prazo de validade para consumo dos alimentos, que é diferente do prazo para venda. O Programa Mesa Brasil Sesc tem me ensinado bastante sobre a alimentação ideal para as mais de 80 crianças que a minha instituição assiste.” Liliana Mendonça Sociedade Beneficente Criança Feliz “A demanda por alimentos é sempre muito grande, o que faz com que estejamos sempre envolvidos na captação de doadores, muito focados nas comunidades em que trabalhamos. Trabalhamos muito; entretanto, entendo que ainda precisamos correr muito atrás das ações educativas, que são muito importantes.” Gracie Pereira Assistente social do Programa Mesa Brasil Sesc (MBS) Salvador “Em meio aos painéis e debates, eu consegui enxergar várias pautas. Quando a gente se coloca em contato com essa gama de informações, fica mais atento. O dia de hoje, sem dúvida nenhuma, mudou minha percepção sobre o tema e alertou formadores de opinião sobre algo grave que está tão próximo a nós.” José Raimundo Jornalista e mediador dos debates do Seminário
  20. 20. Esta publicação é uma consolidação do conteúdo abordado durante o Seminário Internacional de Segurança Alimentar: Sustentabilidade e Combate à Fome, realizado no dia 16 de outubro de 2013, em Salvador/BA. Projeto editorial DIÁLOGO COMUNICAÇÃO INTEGRADA dialogo@faladialogo.com.br (81) 3426.2263 Jornalistas MÁRCIA GUENES (DRT/PE 1637) RENATA REYNALDO (DRT/PE 1902) Produção de Conteúdo LAURA CORTIZO Projeto Gráfico e Diagramação ISABELA FARIA BRUNO SOUZA LEÃO Revisão RAFAEL FILIPE SOUZA JOSÉ BRUNO MARINHO Fotografia MANUELA CAVADAS Todo o conteúdo desta publicação se encontra disponível no blog do evento: seminariodesegurancaalimentar.wordpress.com Permitida a reprodução desta obra desde que citada a fonte. REALIZAÇÃO PARCERIA APOIO LOCAL O que você faz para mudar isso? 1/3 DA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS DO PLANETA VAI PARA O LIXO. QUASE 870 MILHÕES DE PESSOAS PASSAM FOME NO MUNDO.
  21. 21. seminariodesegurancaalimentar.wordpress.com REALIZAÇÃO PARCERIA APOIO LOCAL

×