Audea Lima

918 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Audea Lima

  1. 1. COMISSÃO NACIONALP r o j e t o V i d a n o Tr â n s i t o e m Te r e s i n a : Nossos passos rumo a uma cultura de segurança no trânsito Audea Lima Prefeitura de Teresina Superint. Mun. Transp. Trânsito-STRANS
  2. 2. REALIZADORES COMISSÃO INTERSETORIAL DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO DE TERESINA - STRANS - DETRAN-PI - DNIT - PRF - CIPTRAN - BPRE - FMS - SESAPI - SAMU - HUT Comissão SEMEC - SEST/SENAT - UESPI - UFPI - Nacional CFC - OAB - CRM - CREA - SEMPLAM - SEMCOM DELEGACIA DE ACIDENTES MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL
  3. 3. PROJETO VIDA NO TRÂNSITO O começo
  4. 4. “O que é a vida?...é o sopro do CRIADOR numa atitude repleta de amor” Gonzaguinha
  5. 5. O BrasilDécada de Ação pela Segurança Viária
  6. 6. Década de Ação de Segurança ViáriaOs pilaresDécada de Ação pela Segurança Viária 1. Órgãos gestores de trânsito fortalecidos 2. Sistema viário seguro 3. Veículos seguros 4. Usuários com comportamentos seguros 5. Atendimento/assistência de saúde pós traumas
  7. 7. O PiauíPacto Nacional –Redução de Acidentes PARQUE NACIONAL DA SERRA DA CAPIVARA Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade 600 sítios arqueológicos, com pinturas rupestres de até 12 mil anos
  8. 8. Teresina – PIProjeto Vida no TrânsitoPIAUÍPop: 3.119.015 habFrota-583.050 veiculos PIAUI TERESINA Pop: 814.439 hab Frota- 282.384 veíc 2, 8 hab/ veiculo Fonte: DETRAN/2010
  9. 9. Teresina – PIProjeto Vida no Trânsito Teresina? (VT)
  10. 10. Cenário : O problema Dados 2011-HUT Atende 90% dos TRAUMAS 15.355 - atendimento geral/ ANO 20% DOS ATENDIMENTOS -acidentes de trânsito 85% dos atend. acidentes envolveu motos 60% de Teresina
  11. 11. Cenário:Frentes Trânsito/transportes PRF - 02 postos STRANS- Trânsito/ Transports Ônibus coletivo- 498 Transp. Escolar – 21 Táxi - 1.543 P ROD. EST. - 02 postos Mototáxi - 1.843 postos Transporte Rural - 40 DETRAN-PI 27 RADARES 125 CÂMERASPOL TRANS URBANO - 90 130 AGENTES DE DNIT TRÂNSITO
  12. 12. Cenário:Frente Saúde SAMU 25 EQUIPES DE ATENDIMENTO AMBULÂNCIAS 13 VEICULOS (Suporte Básico / Avançado) 2 MOTOLANCIAS REDE HOSPITALAR 13 HOSPITAIS PÚBLICOS 6 HOSPITAIS PRIVADOS Hospital de Urgência de Teresina – HUT -289 LEITOS – 26 UTIs
  13. 13. PROJETO VIDA NO TRÂNSITO etapas
  14. 14. Etapas do Projeto 1. ESCOLHA E ADESÃO DE TERESINA 2. DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA E EQUIPE 3. COLETA E GESTÃO DE DADOS 4. PROCESSO DE ANÁLISE DOS DADOS 5. ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS 6. EXECUÇÃO DOS PROJETOS 7. MONITORAMENTO 8. RESULTADOS
  15. 15. TeresinaA Adesão REUNIÃO COM O PREFEITO, COMISSÃO NACIONAL, GESTORES E TÉCNICOS: O SIM
  16. 16. Linha do Tempo 2010 a 2012 2010 2011 2012 Ações de Início do Processo de coleta de Melhoria dos processos de estruturação dados e de execução de ações coleta e análises dados
  17. 17. Etapas do Projeto 1. ESCOLHA E ADESÃO DE TERESINA 2. DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA E EQUIPE 3. COLETA E GESTÃO DE DADOS 4. PROCESSO DE ANÁLISE DOS DADOS 5. ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS 6. EXECUÇÃO DOS PROJETOS 7. MONITORAMENTO 8. RESULTADOS
  18. 18. Metodologia- EPP
  19. 19. Equipe EPPFormação das parcerias Coordenação Grupo de coleta e Comissão Executiva análise de Dados Comissão Intersetorial de Segurança no Trânsito de Teresina PARCEIROS/ MÍDIA/ONGs/ VOLUNTÁRIOS
  20. 20. EPP - AÇÃO Integrada Ação INTERSETORIAL3 INs SAÚDE INTEGRAÇÃO INFORMAÇÃO INTERVENÇÃO
  21. 21. Etapas da EPP Formação da Parceria Renovação e Expansão Coleta, Gestão e Análise De Dados Revisão Anual Processo de Proatividade e Monitoramento da Parformance, Parceria Avaliação e Reconhecimento (Ações Integradas de Segurança Viária)
  22. 22. Etapas do Projeto 1. ESCOLHA E ADESÃO DE TERESINA 2. DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA E EQUIPE 3. COLETA E GESTÃO DE DADOS 4. PROCESSO DE ANÁLISE DOS DADOS 5. ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS 6. EXECUÇÃO DOS PROJETOS 7. MONITORAMENTO 8. RESULTADOS
  23. 23. Processo de coleta dos dados PROCESSO DE COLETAFMS/SAMU/BPRE/PRF/CIPTRAN/DELEGACIA 1. Retiradas FMS duplicidades SAMU 2. Identificação de todas as vítimas C EXECUTIVA LISTA DE CIPTRAN VÍTIMAS DELEGACIA DE ACIDENTES BPRE BANCO DE VÍTIMAS LEVES, GRAVES E FATAIS PRF
  24. 24. Processo de identificaçãoGraves e fatais /MS SAMU 1.600 VITIMAS GRAVES (+24 HORAS INT. HOSP) 87 CIPTRAN 490 BASE DE VÍTIMAS LINKAGE LISTA GERAL GRAVES E DE VÍTIMAS VITIMAS FATAIS FATAIS DPRF (30 DIAS) 2.681 141 730 54 DELEGA CIA SIM AIH 26
  25. 25. Fontes PrimáriasPrimárias de Dados Fontes dos Dados Registros em %Fonte de Dados ComumCIPTRAN 9 6% 10CIPTRAN+DElEGA 8 6% DPRFDELEGACIA 18 13%DELEGACIA+DPRF 1 1%DPRF 10 7% 2 10 54% 1SAMU 75SAMU+CIPTRAN 10 7% 1 9SAMU+DELEGACI 75 4% 6 8A 6SAMU+DELEGACI CIPTRAN 1%A+DPRF 1 18SAMU+DPRF 2 1% SAMU A lista de vítimas do SAMU identificou 75 vítimas que não Delegacia de haviam sido registradas em nenhuma outra fonte primária Acidentes de informações
  26. 26. Formulário coleta trânsito Dados da Dados da Vítima Indicadores da vítima Ocorrência Motoris ta Motoci Passag Pedestr Ciclista Ferido Fatal Num Cidad Idad Sex Condut clista eiro e Data Nome Enderêço UF or (S=1/N= (S=1/N= (S=1/N= (S=1/N= (S=1/N= (S=1/N= . e e o 0) 0) 0) (S=1/N= 0) 0) 0) 0) Dados do Indicadores do Dados da Ocorrência Veículo Condutor Sinais Uso Excesso de Tipo do de Hora Placa Alcoo Num BO Local Data Class. Veícul Cinto velocidad Provável Veículo lemia o (S=0/ e (S=1/ N=1) (S=1/N=0) N=0) T A B E L A S
  27. 27. Formulário para coleta de dados para o PVTFormulário coleta SAMU
  28. 28. FICHA SAMU antes
  29. 29. Formulário de coleta de dados (ficha carbonada)Ficha SAMU hoje
  30. 30. Formulário de coleta de dados (ficha carbonada)Ficha SAMU hoje
  31. 31. Formulário de coleta de dados (ficha carbonada)Ficha SAMU hoje
  32. 32. Etapas do Projeto 1. ESCOLHA E ADESÃO DE TERESINA 2. DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA E EQUIPE 3. COLETA E GESTÃO DE DADOS 4. ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GRUPOS DE VÍTIMAS 5. ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS 6. EXECUÇÃO DOS PROJETOS 7. MONITORAMENTO 8. RESULTADOS
  33. 33. Análise INTERSETORIAL/TRIMESTRALdos Acidentes Graves e Fatais Equipe Intersetorial Trânsito 1 Saúde 3 2 PolíciaA análise dos acidentes graves e fatais TRIMESTRAIS é feita na Delegacia de Acidentes
  34. 34. Análise INTERSETORIAL/TRIMESTRALdos Acidentes Graves e Fatais FOTO DELEGACIA DE ACIDENTES
  35. 35. Análise das ocorrências :Procedimentos 1. identificação dos inquéritos 2. leitura do histórico do acidente 3. leitura da conclusão da perícia e do IML 4. definição dos fatores que causaram 5. definição de possibilidade de identificação dos agravantes 6. definição das vitimas 7. definição dos pesos e preenchimento da tabela de análise
  36. 36. Análise do 1º trimestre/2011
  37. 37. Acidentes Graves e FataisTeresina - Jan-Mar/2011 N=116 32% 68% ACIDENTES GRAVES ACIDENTES FATAIS
  38. 38. Fatores de Risco(Acidentes Fatais) Teresina - Jan-Mar/2011 Fatores contributivos para agravamento da Fatores contributivos para ocorrência de acidentes severidade do trauma 40% 40% 35% Janela Foco + Foco 35% 35% Adicional (Álcool) 30% 30% 25% 25% 25% 20% Janela Adicional Foco 20% 15% Severidade do Trauma 15% 10% 3% 2% 10% 10% 5% 10% 8% 7% 0% 5% 0%Acidentes Fatais
  39. 39. Grupos Locais de Vítimas (Vítimas Fatais) Teresina - Jan-Mar/2011 60% Janela Foco 50% 40% 30% 20% 10% 0% MOTOCICLISTA PEDESTRE CONDUTOR VEICULO CICLISTA LEVEAcidentes Fatais
  40. 40. Etapas do Projeto 1. ESCOLHA E ADESÃO DE TERESINA 2. DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA E EQUIPE 3. COLETA E GESTÃO DE DADOS 4. ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GRUPOS DE VÍTIMAS 5. ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS 6. EXECUÇÃO DOS PROJETOS 7. MONITORAMENTO 8. RESULTADOS
  41. 41. Programas Peso 45% Fiscalização Educação Peso 30% Fiscalização Peso 25% M O T O C I C L I S TA V I V A engenharia Fiscalização Educação ÁLCOOL ZERO VELOCIDADE LEGAL
  42. 42. Programas deSegurança Viária PROGRAMAS Fator/grupo de RiscoD I A G N Ó S T I C O C U LT U R A L IISV* IFSV** A LT E R A Ç Ã O C U LT U R A L REDUÇÃO de MFG Percentual de motociclistas Índice de acidentes graves e Motocilista, Viv Motociclistas fiscalizados em relação a a! fatais relacionados com frota motociclistas por 10.000/vm Percentual de infrações Índice de AGF Excesso de relacionadas a excesso de Velocidade relacionados a excesso de Velocidade velocidade registradas em Legal velocidade por 10.000/vm relação ao total Indice de acidentes graves e Percentual de motoristas e Álcool motociclistas autuados em relação Álcool Zero fatais relacionados com álcool aos fiscalizados quanto a Lei seca por 10.000/vm * IISV – Indicador Intermediário de Segurança Viária ** IFSV – Indicador Final de Segurança Viária *** Uso incorreto de capacete, excesso de velocidade, direção perigosa
  43. 43. Construção Intersetorialdo Plano de Ação Plano de Ação Municipal-2011 Teresina-PI março /2011
  44. 44. Definição da META META : REDUZIR EM 7% O NÚMERO DE MORTOS E FERIDOS GRAVES EM 2011.
  45. 45. Etapas do Projeto 1. ESCOLHA E ADESÃO DE TERESINA 2. DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA E EQUIPE 3. COLETA E GESTÃO DE DADOS 4. ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GRUPOS DE VÍTIMAS 5. ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS 6. EXECUÇÃO DOS PROJETOS 7. MONITORAMENTO 8. RESULTADOS
  46. 46. P R O J E TO S Educação/fiscalização/engenhariaÁ L C O O L / V E L O C I D A D E / M O T O C I L I S TA
  47. 47. Modelo de projeto OBJETIVO: Orientar os motociclistas para o comportamento seguro ao trânsito Público alvo: Motociclistas , incluindo os profissionais ligados à área Meta: 2.000 pessoas Ação- abordagens em blitzs e palestras educativas Realizada de jan a out :1590 Responsável: STRANS (Iranildes) PARCERIAS Setor Setor Sociedade SECRETARIAS PROGRAMAS FATORES DE RISCO Público Privado Civil TRANSITO MOTOCICLISTA, VIVA! MOTOCICLISTA 12 05 05
  48. 48. P Ú B L I C O A LV O Motociclista
  49. 49. Manual do Motociclista 40 mil manuais / 1.500 cartazes/ 30 bus-door / 01 vt/ 01 spott
  50. 50. Mudança de comportamentoespecífico Campanha de uso do capacete afivelado 30 outdoors 1.500 cartazes
  51. 51. Material informativo Campanha de uso do capacete afivelado 30.000 capacetes
  52. 52. Atividades de sensibilizaçãoSTRANS/DETRAN/SEST SENAT Motociclistas 5.600 abordagens.
  53. 53. Fa t o r e s d e r i s c o :álcool e velocidade
  54. 54. Campanhas educativas AÇÕES EDUCATIVAS
  55. 55. Integração nos eventos e açõesDETRAN/STRANS/MPE/SESTSENAT/CFC/MAÇONARIA/FMS/SESAPI/APPM/CREA/OAB/PRF/CIPTRAN/DNIT/BPRE/ Dia nacional da qualidade de vida Avenida Joaquim Nelson Um Grito pela Vida -– Semana Nac. trânsito 300 PESSOAS 1.000 pessoas CAMPANHA CREA – 80 PESSOAS CAMPANHA MAÇONARIA MINISTÉRIO Público Estadual do Piauí
  56. 56. Palestras/Escolinha de TrânsitoEscolas/ associações/empresas 3.750 PESSOAS ATENDIDAS
  57. 57. Fa t o r d e r i s c o : Á l c o o l
  58. 58. Teresina - PIIntermediários Resultados Resultados Fiscalização Fiscalização Rodovia PRF • testes de alcoolemia- 7.713 1 a cada 12 abord • autuações- 511 1 a cada 18 abord • prisões- 216 1 a cada 35 abord
  59. 59. Motociclista e álcool
  60. 60. Operação Salva –VidasPM/CIPTRAN/BPRE/STRANS/DETRAN/PRF AÇÃO SEMANAL PLANEJAMENTO INTEGRADO MÉDIA DE 1.500 ABORDAGENS ÁLCOOL / MOTOCICLISTA
  61. 61. Resultados IntermediáriosFiscalização URBANA • abordagens a motociclistas 1/4 frota • • testes de alcoolemia 1/500 veículos abord • remoção de motocicletas- 1/29 motos abord • Cond. motocicleta s/ capacete 1/17 frota • dirigir sob a influência de álcool 1/178 abord • total de autuações 1/3 abordados
  62. 62. Projetos especiais:Mobilização social
  63. 63. MobilizaçãoEstudantes/educadores/jornalistas 150 instituições Escolas Estudantes 24 premiados Jornalistas Empresas 670 trabalhos Pessoas
  64. 64. II PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO TEMA : O Trânsito e o motociclista
  65. 65. II PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO TEMA : O trânsito e o motociclista
  66. 66. II PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO TEMA : O motociclista
  67. 67. II PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO TEMA : As Responsabilidades do Motociclista
  68. 68. II PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO TEMA : Como evitar acidentes no trânsito envolvendo álcool/velocidade/motociclista
  69. 69. II PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO TEMA : O motociclista no Trânsito
  70. 70. II PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO TEMA : O motociclista no Trânsito
  71. 71. II PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO Raimundo Clementino
  72. 72. Saúde na EscolaFMS/ escolas PARCERIAS SECRETARIAS PROGRAMAS Setor Setor Sociedade EDUCAÇÃO ESTADO ÁLCOOL ZERO Público Privado Civil FMS –SAUDE FATORES DE RISCO STRANS ÁLCOOL 3 0 0
  73. 73. Escola em Trânsito
  74. 74. Trânsito LivreSTRANS/ SDUs Depois Antes
  75. 75. EquipandoOPAS/OMS Segundo dados do Ministério da Saúde,Teresina já chegou a um índice de 30 mortes por 100 mil habitantes, uma taxa quase duas vezes maior do que a média nacional que é de 19 mortes por 100 mil habitantes. 03 ETILÔMETROS ADQUIRIDOS PELA OPAS A superintendente da Strans, Auzenir Porto, disse que a prefeitura vai adquirir 10 bafômetros e que vai intensificar a fiscalização nas ruas e avenidas da cidade. A Prefeitura e o Detran fecharam parceria para que os agentes possam fiscalizar E ENTREGUES AO PROJETO EM TERESINA documentação de veículos e aplicarem os etilômetros. Participaram da solenidade, o presidente do Detran Antônio José Vasconcelos, representantes do Ministério da Saúde, das Cidades, Pedro Leopoldino (Saúde) e coordenação de prevenção no trânsito. Flash de Yala Sena (Direto da Prefeitura) Redação Carlos Lustosa Filho redacao@cidadeverde.com
  76. 76. Etapas do Projeto 1. ESCOLHA E ADESÃO DE TERESINA 2. DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA E EQUIPE 3. COLETA E GESTÃO DE DADOS 4. ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GRUPOS DE VÍTIMAS 5. ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS 6. EXECUÇÃO DOS PROJETOS 7. MONITORAMENTO 8. RESULTADOS
  77. 77. MonitoramentoExemplo da Planilha de Performance por Projeto - Teresina 1
  78. 78. Oficinas • Trimestrais com Comissão Nacional Intersetorial e executiva/ OPAS/GRSP • Locais diversos • Motivação • Divisão de sucessos e desafios
  79. 79. Etapas do Projeto 1. ESCOLHA E ADESÃO DE TERESINA 2. DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA E EQUIPE 3. COLETA E GESTÃO DE DADOS 4. ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GRUPOS DE VÍTIMAS 5. ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS 6. EXECUÇÃO DOS PROJETOS 7. MONITORAMENTO 8. RESULTADOS RESULTADOS
  80. 80. Resultados Intermediários Resultados Mobilização/CampanhasSensibilização/capacidadesOficina UFRGS Dia em memória das vitimas OFICINA ANTP/OPAS/STRANS
  81. 81. Ações em mobilidade Resultados Mobilização/Campanhas Reestruturação STRANS CICLOFAIXAS/ INTEGRAÇÃO TEMPORAL/CENTRAL DE MONITORAMENTO/ FAIXA SEMI-EXCLUSIVA FREI SERAFIM
  82. 82. Resultados de Processo  Integração 1  Melhor atuação (ações específicas /instrumentalização dos órgãos)  Avanços nos procedimentos administrativos (inquéritos, boletins de ocorrências-SAMU e Delegacia de Acidentes) Oficina SEST/SENAT
  83. 83. Resultados Finais VÍTIMAS FATAIS 225 161 FORAM SALVAS 69 VIDAS REDUÇÃO DE 30% 2010 2011
  84. 84. Resultados Finais VÍTIMAS FATAIS/ 10 MIL VEICULOS 8,14 FORAM PROTEGIDAS 3 VIDAS A 5,12 CADA 10 MIL VEICULOS NO ANO DE 2011. 2010 2011
  85. 85. Resultados Finais VÍTIMAS FATAIS/ 100 MIL habitantes 27,9 FORAM PROTEGIDAS 8 VIDAS A 19,7 CADA 100 MIL HABITANTES NO ANO DE 2011. 2010 2011
  86. 86. Resultados Finais MOTOCICLISTAS VÍTIMAS FATAIS/ 10 MIL MOTOCICLETAS 5,2 4,0 2010 2011
  87. 87. Resultados Finais INDICE DE VITIMAS FATAIS RELACIONADAS A ALCOOL/ 10 MIL ? ? 2010 2011
  88. 88. Resultados Finais INDICE DE VITIMAS FATAIS RELACIONADAS A VELOCIDADE/10 MIL VEICULOS ? ? 2010 2011
  89. 89. PROJETO VIDA NO TRÂNSITO 2012
  90. 90. Plano de Ação/ 2012  operação salva-vidas/PM/ STRANS/DETRAN-PI/PRF/CIPTRAN/BPRE/  realização de exames nas vitimas fatais/Sesapi/IML  projeto de educação no trânsito – Denatran/Ministerio das Cidades  Inserção de conteúdo de segurança no trânsito na rede municipal de ensino/SEMEC  Convocação de agentes de trânsito/ Strans  capacitação de legistas/ policiais/multiplicadores/ FMS/Sesapi/Seduc/Semjuv/Sest Senat/Detran-PI  escola segura/Semec/STRANS
  91. 91. PROJETO VIDA NO TRÂNSITO aprendizados
  92. 92. Precisamos saber “pra onde ir” 1.O que fazemos?... 2.Sabemos exatamente o quanto fazemos?... 3.Fazemos o que e o quanto devíamos fazer?... 4. Como funciona o trânsito em minha cidade? 5. Onde queremos chegar? 6. Quais indicadores utilizaremos? 7. Quem fará o que? 8. Com base em que?
  93. 93. Dificuldades existem ......para serem superadas  melhoria das informações  ações interinstitucionais  Desburocratização  Mudança de gestores  Absorvência da estratégia
  94. 94. Acreditar…motiva Meleckidzedeck Khayesi, oficial da Organização Mundial de Saúde e m visita a Teresina. Com Prefeito, Governador , Ministério Público e comissão intersetorial. Nov/2011.
  95. 95. Somos eternos aprendizes VIDAS OPERAÇÃO SALVAFrases que motivaram… “Se fosse fácil, alguém já teria feito...” “Alguém precisa começar....”
  96. 96. 1 + 1 é mais que 2…
  97. 97. “Existirmos…a que será que se destina?” não sabemos tudo, não fazemos tudo, não somos tudo... Somos parte, sabemos parte, fazemos parte... O todo está sempre em processo de vir a ser... Será que nossa parte é a parte que falta para que o todo um dia se faça? Nossos sinceros agradecimentos a todos que fizeram e fazem sua parte!
  98. 98. um passo de cada vez......rumo a uma cultura avançada desegurança no trânsito. (José Cardita-GRSP)
  99. 99. Grata pela atenção! Projetovidanotransitoteresina.blogspot.com audealima@gmail.com (86) 9981 – 9844 - TIM / 8845 – 4875 - OI Comissão executiva:Simone Sady/ Edilene Pereira/César Roberto/ Mônica Marques/ Francisco/Denerval/ Regina/Audea

×