Universidade Federal de Santa Maria -
UFSM
Pobreza, "questão social" e seu enfrentamento
Carlos Montaño
Componentes:
Andre...
I. Concepções sobre pobreza,
“questão social” e seu
enfrentamento
 Pensamento conservador, entre o econômico e o
social, ...
 A origem dessa separação são os acontecimentos de
1830-48. No momento e que a classe burguesa perde
seu caráter crítico ...
 Após o surgimento da economia marxista, seria
impossível ignorar a luta de classes como fato
fundamental do desenvolvime...
 A questão social portanto , passa a ser concebida
como questões isolada, e ainda como fenômenos
naturais ou produzidos p...
 Surgem com isso as bases para o desenvolvimento de
concepções , como o da cultura da pobreza . o tratamento
e o enfrenta...
2. A concepção Hegemônica de Pobreza e
"Questão Social" no capitalismo
monopolista do "Estado de Bem Estar“
 Marcado por ...
 O problema de distribuição estaria vinculado a um déficit
de demanda efetiva no mercado, criado pela sobreoferta
de forç...
3. A Pobreza no contexto e no
pensamento Neoliberal
 O pensamento neoliberal concebe o pauperismo mais
uma vez como um pr...
II. Desigualdade Social e as políticas
compensatórias de combate à pobreza
(extrema)
Nas sociedades de escassez, a desigua...
 Em sociedades de abundância , onde a produção é
suficiente para abastecer toda a população, como é a
sociedade capitalis...
A partir dessa constatação, uma caracterização
histórica-crítica da pobreza e da “questão social” deve
considerar os segui...
 Todo enfrentamento da pobreza direcionada ao
fornecimento de bens e serviços é meramente paliativo.
Toda forma de desenv...
2. A crise capitalista: causa da pobreza?
Para Marx, na medida em que o uso industrial da
máquina tende a separar o trabal...
Os ciclos das crises, conforme
Mandel (1977):
a. Período de expansão ou
“auge e prosperidade”;
b. Fase de super produção;
...
 Nas sociedades pré-capitalistas as crises são
resultadas de um déficit de produção (bens de
consumo), insuficiente para ...
3. A desigualdade no MPC e as
políticas públicas
• Combate a fome, miséria com a independência da
acumulação capitalista a...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho carol 27 05

257 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
257
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho carol 27 05

  1. 1. Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Pobreza, "questão social" e seu enfrentamento Carlos Montaño Componentes: Andressa Lopes Francine Seidel Guilherme Miranda Luisa Munekata Nathalia Escobar Stefani Almeida
  2. 2. I. Concepções sobre pobreza, “questão social” e seu enfrentamento  Pensamento conservador, entre o econômico e o social, dissociando as questões tipicamente econômicas das ‘’questões sociais ‘’  O ‘’social’’ pode ser visto como ‘’fato social’’ como algo natural, a-histórico, desarticulado dos fundamentos econômicos e políticos da sociedade A expressão ‘’questão social’’ começa a ser empregada a partir da separação positivista, portanto, dos interesses e conflitos sociais. 1. As concepções homogênicas de pobreza e “questão social” no capitalismo concorrencial
  3. 3.  A origem dessa separação são os acontecimentos de 1830-48. No momento e que a classe burguesa perde seu caráter crítico - revolucionário perante as lutas proletárias. Surge um tipo de racionalidade que procura:  A mistificação da realidade  Cria uma imagem fetichizada e pulverizada
  4. 4.  Após o surgimento da economia marxista, seria impossível ignorar a luta de classes como fato fundamental do desenvolvimento social, sempre que as relações sociais fossem estudadas a partir da economia.  Surge a sociologia como ciência autônoma  Começa –se a se pensar então a ‘’questão social’’  a miséria, a pobreza e todas as manifestações dela
  5. 5.  A questão social portanto , passa a ser concebida como questões isolada, e ainda como fenômenos naturais ou produzidos pelo comportamento dos sujeitos que os padecem.  A partir de tal pensamento , as causas da miséria e da pobreza estariam vinculadas a pelo menos três tipos de fatores , sempre vinculados ao indivíduos que padece tal situação.  Primeiramente a pobreza no pensamento burguês estaria vinculado a uma :  Déficit educativo  Problema de planejamento  Problemas de ordem moral-comportamental
  6. 6.  Surgem com isso as bases para o desenvolvimento de concepções , como o da cultura da pobreza . o tratamento e o enfrentamento da mesma desenvolve-se fundamentalmente a partir da organização de ações filantrópicas. Assim o tratamento das chamadas ‘’questões sociais’’passa a ser orientada segundo os valores da filantropia burguesa.  Moralizador e comportamental.  A ação é então a educação e a filantropia. Surgem assim os abrigos para “pobres” e as organizações de caridade e filantropia.  Na Inglaterra, promulga-se a lei dos pobres, destinado a amparar trabalhadores pobres. Em 1834, o parlamento inglês começa a entender a própria Lei dos Pobres como a ‘’principal fonte do pauperismo inglês’’  Desta forma , em vez de tratar a pobreza com ações filantrópicas /assistenciais , ela passa a ser reprimida e castigada (como sendo uma questão delitiva ou criminal
  7. 7. 2. A concepção Hegemônica de Pobreza e "Questão Social" no capitalismo monopolista do "Estado de Bem Estar“  Marcado por um capitalismo tardio  Estado vai assumir tarefas e funções essenciais para a nova fase de acumulação capitalista e inibição dos conflitos sociais da classe trabalhadora  Aqui a "Questão Social" passa a ser internalizada na ordem social. Não mais como um problema meramente oriundo do indivíduo, mas como consequência do ainda insuficiente desenvolvimento social e econômico  A "Questão Social" passa a ser vista como caso de polícia  Nessa perspectiva, a pobreza e a miséria, expressões da "Questão Social" são vistas como um problema de distribuição de mercado, como um descompasso na relação oferta/demanda de bens e serviços
  8. 8.  O problema de distribuição estaria vinculado a um déficit de demanda efetiva no mercado, criado pela sobreoferta de força de trabalho não absorvida pela esfera produtiva  O Estado passa a intervir em dois sentidos: Responde a algumas necessidades dessa população carente; Cria condições para a produção e o consumo, incentivando a uma contenção do desemprego ou uma transferência de renda  Essa perspectiva avança ao considerar as manifestações da "Questão Social" como um produto transitório do sistema capitalista e não como mera consequência dos hábitos e comportamentos dos indivíduos que padecem as necessidades sociais  Finalmente considera-se aqui a pobreza como um problema de distribuição. Com isso o tratamento da "Questão Social" e o combate a pobreza se determina como um processo de redistribuição
  9. 9. 3. A Pobreza no contexto e no pensamento Neoliberal  O pensamento neoliberal concebe o pauperismo mais uma vez como um problema individual-pessoal e, ´portanto “devolve” à filantropia (individual ou organizacional) a responsabilidade pela intervenção social: surge o debate do “terceiro setor”, da filantropia empresarial (ou “responsabilidade social”), do voluntariado. A autoajuda, a solidariedade local, o benefício, a filantropia substituem o direito constitucional do cidadão de resposta estatal.  O Neoliberalismo em três estratégias diante da pobreza: I. Ação Estatal (cidadão usuário); II. Ação Mercantil; III. Ação chamada de terceiro setor.
  10. 10. II. Desigualdade Social e as políticas compensatórias de combate à pobreza (extrema) Nas sociedades de escassez, a desigualdade de classes (a desigual distribuição da riqueza socialmente existente) é que permitiria o acúmulo de riqueza por parte de alguns e o empobrecimento por parte de outros, permitindo que o excedente acumulado nas mãos de uns possa ser investido no crescimento produtivo. I. Pobreza e “questão social”: uma análise histórico- crítico
  11. 11.  Em sociedades de abundância , onde a produção é suficiente para abastecer toda a população, como é a sociedade capitalista na era dos monopólios, a desigualdade social é produto do próprio desenvolvimento das forças produtivas, e não o resultado do seu insuficiente desenvolvimento, nem a condição para o mesmo.  No capitalismo, quanto mais se desenvolvem as forças produtivas, maior acumulação ampliada de capital e maior pobreza.
  12. 12. A partir dessa constatação, uma caracterização histórica-crítica da pobreza e da “questão social” deve considerar os seguintes aspectos:  “Questão social”, como fenômeno próprio do MPC, constitui-se da relação capital-trabalho a partir do processo produtivo, suas contradições de interesses e suas formas de enfrentamento e lutas de classes.  A pobreza em sociedade pré-capitalista, é resultado da escassez de produtos, na sociedade comandada pelo capital elas são o resultado da acumulação privada do capital. No MPC, não é o precário desenvolvimento social e econômico que leva à pauperização de ambos os setores sociais, mas o próprio desenvolvimento (das forças produtivas) é o responsável pelo empobrecimento (absoluta ou relativa) de segmentos da sociedade.
  13. 13.  Todo enfrentamento da pobreza direcionada ao fornecimento de bens e serviços é meramente paliativo. Toda forma de desenvolvimento econômico como forma de combater a pobreza (sem enfrentar a acumulação de riqueza, sem questionar a propriedade privada) não faz outra coisa se não ampliar a pauperização (absoluta ou relativa).  Não há novidade na “questão social” na atualidade, a não ser nas formas e dimensões que assume. E enquanto houver a ordem capitalista , haverá a questão social.  Portanto só as lutas de classe, e a mudança de correção de forças sociais poderão reverter esse processo histórico. Confirmando e ampliando conquistas e direitos dos trabalhadores , políticas e sociais e superando a ordem do capital.
  14. 14. 2. A crise capitalista: causa da pobreza? Para Marx, na medida em que o uso industrial da máquina tende a separar o trabalhador dos seus meios de consumo, os trabalhadores expulsos transformam-se em não compradores. • Diminuindo a procurada de certas mercadorias; • Cairá o preço das mesmas; • Aumento do desemprego; • Parte do capital antes destinado à produção, passa a se reproduzir na forma de atividade financeira; • Trabalhadores empregados na área de produção ficarão privados de parte de seus salários.
  15. 15. Os ciclos das crises, conforme Mandel (1977): a. Período de expansão ou “auge e prosperidade”; b. Fase de super produção; c. Período de “crise e depressão”; d. Recuperação econômica. SOBE OS PREÇOS DAS MERCADORIAS, E COM OS PREÇOS DAS MATÉRIAS PRIMAS AINDA BAIXOS, AUMENTA A TAXA DE LUCROS!
  16. 16.  Nas sociedades pré-capitalistas as crises são resultadas de um déficit de produção (bens de consumo), insuficiente para atender toda a população . O resultado é uma subprodução de mercadorias (pouca produção em relação à demanda). Nas sociedades capitalistas se caracteriza uma crise com a superprodução , ou seja um excesso de mercadorias que não podem ser consumidas. Em virtude da ampliação da capacidade de produção (intensificação da produtividade) e da reduzida capacidade de compra do trabalhador (resultando no desemprego, perda salarial, etc.)
  17. 17. 3. A desigualdade no MPC e as políticas públicas • Combate a fome, miséria com a independência da acumulação capitalista a qual bate recordes a cada ano. Modo de Conclusão: • Não é no mercado, mas na esfera produtiva que se não gerar as contradições fundantes entre classes na sociedade: a partir do lugar que se ocupam ou do papel que desempenham. • A desigualdade no Capitalismo -> eliminação de classes e de exploração do trabalho pelo capital -> ordem capitalista.

×