SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Era uma vez
uma bruxa
Sistematização
Roda de leitura
Por: Ms Denise Oliveira
“Uma contínua construção do sentido (...) a literatura permite
‘ser outro sem deixar de ser o mesmo’, uma experiência que,
como a do jogo, oferece o mistério de permitir ser e não ser –
ou ser mais de uma coisa – ao mesmo tempo. É através dessa
experiência tão particular de sonhar-se a si mesmo que se dá
ao leitor um instrumento poderoso de construção pessoal e
uma completa dimensão educativa sobre os sentimentos e
ações humanas” (COLOMER, 2007, p. 61).
“Ao ler, estou abrindo uma porta entre meu mundo
e o mundo do outro. O sentido do texto só se
completa quando esse trânsito se efetiva, quando se
faz a passagem de sentidos entre um e outro. Se
acredito que o mundo está absolutamente completo
e nada mais pode ser dito, a leitura não faz sentido
(...) Abrir-se ao outro para compreendê-lo, ainda
que isso não implique aceitá-lo, é o gesto
essencialmente solidário exigido pela leitura de
qualquer texto. O bom leitor, portanto, é aquele que
agencia com os textos os sentidos do mundo,
compreendendo que a leitura é um concerto de
vozes e nunca um monólogo (...) o ato físico de ler
pode até ser solitário, mas nunca deixa de ser
solidário” (COSSON, 2006, p. 27).
É durante a interação que o leitor mais inexperiente
compreende o texto: não é durante a leitura
silenciosa, nem durante a leitura em voz alta, mas
durante a conversa sobre aspectos relevantes do texto.
Muitos aspectos que o aluno sequer percebeu ficam
salientes nessa conversa, muitos pontos que ficaram
obscuros são iluminados na construção conjunta da
compreensão (KLEIMAN, 1993, p. 24).
Por que precisamos conversar com as crianças
sobre os textos literários lidos por elas ou para
elas?
não é “qualquer conversa que serve de suporte temporário
para compreender o texto” (KLEIMAN, 1993, p. 24).
Todavia...
A leitura do texto literário em sala de aula envolve
PLANEJAMENTO:
1º. A escolha do texto que será lido:
• Repertório leitor do professor;
• Ouvir as próprias crianças;
• Conhecimento mais amplo por parte do professor dos
acervos disponíveis na escola.
Frente a leitura na escola, parece necessário que o
professor se pergunte com que bagagem as crianças
poderão abordá-la, prevendo que esta bagagem não será
homogênea. Esta bagagem condiciona enormemente a
interpretação que se constrói e não se refere apenas aos
conceitos e sistemas conceituais dos alunos; também está
constituída pelos seus interesses, expectativas,
vivências... por todos os aspectos mais relacionados ao
âmbito afetivo e que intervêm na atribuição do sentido
ao que se lê (SOLÉ, 1998, p. 104).
não estamos recomendando que o professor faça “um
interrogatório”, com uma enorme lista de perguntas de todos os
tipos. Defendemos, porém, uma conversa planejada, que além de
avaliar a compreensão dos pequenos leitores/ouvintes, contribua
para que eles aprendam a abordar o texto literário de uma forma
reflexiva. Para tanto, além de planejar a conversa, é preciso haver
abertura para se ouvir, de fato, as falas das crianças, atenção para se
perceber o que pode estar dificultando sua compreensão e,
principalmente, favorecer um diálogo criativo e agradável
(BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 85).
Atenção!!!
2º. Planejar o que perguntar aos alunos sobre a
leitura
Tipos de perguntas de compreensão que podem
ser feitas antes, durante e após a leitura de textos
literários.
a) Perguntas de ativação de conhecimentos prévios:
Perguntas formuladas, em geral, antes da leitura do texto.
Objetivo: convidar os leitores ou ouvintes a entrar no texto que será lido,
trazendo para a situação de leitura conhecimentos que possam ser relevantes
para sua compreensão.
Este tipo de pergunta pode envolver conhecimentos sobre: o nome do autor,
ilustrações da capa; sobre o gênero discursivo (se será lida uma fábula, um conto
de fada, um cordel, por exemplo), ou sobre o próprio tema central a ser tratado
no texto.
BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 79.
b) Perguntas de previsão sobre o texto:
Ao longo da leitura também é possível formular perguntas de previsão.
Assim, ao se ler um conto, pode-se perguntar o que as crianças imaginam
que acontecerá em seguida, com base no que foi lido até um determinado
momento.
BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 79.
c) Perguntas literais ou objetivas:
São aquelas cujas respostas estão explicitamente colocadas, sendo,
portanto, encontradas diretamente no texto.
Embora retomar ou localizar este tipo de informação possa contribuir para a
compreensão do texto, é preciso ter cuidado para não desconsiderar as
capacidades do leitor.
d) Perguntas inferenciais:
São aquelas que vão além das informações explicitamente colocadas no texto, pois
implicam o estabelecimento de relações por parte do leitor, ora de natureza mais
simples, ora de natureza mais complexa.
Em alguns casos, a pergunta pode exigir apenas que se estabeleçam relações
coesivas entre informações dadas no texto, em que o leitor/ouvinte comumente se
utiliza de seus conhecimentos sintáticos para estabelecer correferências.
Outras poderão exigir que ele preencha vazios e estabeleça relações entre
conhecimentos extratextuais e o texto, respostas que não podem ser extraídas
diretamente do que está escrito no texto.
Vale destacar que as perguntas de previsão, discutidas anteriormente, podem ser
tomadas como inferenciais, na medida em que exigem a construção de relações
entre conhecimentos prévios do leitor e as pistas textuais (ou dadas pelas
ilustrações) que apontam para uma determinada previsão.
BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 80.
e) Perguntas subjetivas:
São as que solicitam a opinião e/ou conhecimento do leitor e, embora tomem
o texto como referência, a resposta dada não pode ser deduzida dele.
Envolvem questões:
• de preferência: questões que “convidam” o leitor/ouvinte a apontar sua
preferência (De qual parte do texto você mais gostou? Por quê?);
• de avaliação: questões que “convidam” o leitor/ouvinte a expressar uma
opinião sobre algum fato ou ação de personagem no texto (Você concorda
com o que fez o personagem X? ou, Se você fosse o personagem X, o que
faria?).
BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 80.
É importante discutir a justificativa para as preferências elencadas, já que,
em geral, se observa que as respostas para esse tipo de pergunta são dadas
em coro, não havendo, de fato, um estímulo por parte do professor para uma
conversa, de modo a desenvolver nas crianças as habilidades de expor e
justificar oralmente suas escolhas (BRANDÃO; ROSA, 2010, p.81).
d) Perguntas de extrapolação do texto:
Perguntas que extrapolam o texto, solicitando que o leitor/ouvinte associe o
texto a experiências suas.
Obs.: não constituem perguntas de compreensão de texto, já que nem
mesmo requerem sua leitura.
BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 80.
Sobre as perguntas subjetivas, vale destacar:
Dialogando
com a
teoria
“Aqui não se pode esquecer que todo o início de leitura é,
necessariamente, subjetivo e impressionista. Se o professor
conduz o aluno nesses primeiros passos, sem censurá-lo e
reconhecendo sua leitura como própria, buscando
aprofundar essas primeiras impressões, então terá melhores
resultados” (COSSON, 2006, p. 113).
Motivação:
“Ao denominar motivação a esse primeiro passo da
sequência básica do letramento literário, indicamos
que seu núcleo consiste exatamente em preparar o
aluno para entrar no texto. O sucesso inicial do
encontro do eleitor com a obra depende de boa
motivação” (COSSON, 2006, p. 54).
1. Motivação: Dinâmica “Palavras relacionadas”
Objetivos explorados: criar um clima favorável para a leitura
despertando o interesse para o texto, além de fazer relação com a obra
que será lida e discutida.
2. Antes da leitura: Apresentação da obra, autora e ilustrador.
Perguntas de ativação de conhecimentos prévios (BRANDÃO; ROSA, 2010).
Objetivos explorados:
 Possibilitar a elaboração de hipóteses, criar expectativas sobre a
história;
 Ativar os conhecimentos prévios dos alunos.
Leitura compartilhada
“[...] é preciso compartilhar a
interpretação e ampliar os sentidos
construídos individualmente. A razão disso
é que, por meio do compartilhamento de
suas interpretações, os leitores ganham
consciência de que são membros de uma
coletividade e de que essa coletividade
fortalece e amplia seus horizontes de
leitura” (COSSON, 2006, p. 66)
“Compartilhar as obras com outras pessoas é importante
porque torna possível beneficiar-se da competência dos outros
para construir o sentido e obter o prazer de entender mais e
melhor os livros. Também porque permite experimentar a
literatura em sua dimensão socializadora, fazendo com que a
pessoa se sinta parte de uma comunidade de leitores com
referências e cumplicidades mútuas” (COLOMER, 2007 p.
143).
“Para a escola, as atividades de compartilhar são as que
melhor respondem a esse objetivo de ‘formar o gosto’ a que
aludimos; porque comparar a leitura individual com a
realizada por outros é o instrumento por excelência para
construir o itinerário entre a recepção individual das obras e
sua valorização social” (COLOMER, 2007, p. 144).
3. Leitura compartilhada
Objetivos explorados:
 Relacionar as modalidades verbal e imagética na construção de
sentidos dos textos;
 Localizar informações explícitas em textos de diferentes gêneros
e temáticas;
 Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de diferentes
gêneros e temáticas.
Perguntas de previsão sobre o texto (BRANDÃO; ROSA, 2010).
(BRASIL, 2012, p. 49)
Imagens como
substitutas diretas das
palavras.
Texto iconizado por
meio da escolha do
formato de letras
Negociação dos
sentidos atribuídos
às imagens.
Ex.: meninos, guris
ou crianças.
Durante a leitura, o
professor poderá fazer
perguntas de previsão
indagando o que os
alunos acham que irá
acontecer a partir de
algum trecho lido.
Ex.: Será que a bruxa se
zangou com os
meninos?
O que será que ela fez
com eles?
Repetição da letra “u”
para marcar intensidade
na duração das horas do
voo.
Uso de asteriscos (ou
florezinhas) para realçar
a palavra.
Uso da palavra “cabeça”:
representação
verticalizada com
traçados indicando o
movimento de mergulho.
Iconização da letra “o”,
substituída pela
representação de um
relógio.
Obs.: a obra foi publicada
antes das alterações do Acordo
ortográfico (voo).
Destaque gráfico para a
letra “O” para marcar a
oralização acentuada da
palavra “enorme”.
Substituição da palavra
pela imagem.
Analisar o texto é procurar compreender sua elaboração
escrita e imagética para com ela sustentar um sentido.
Esse modo de ler precisa ser aprendido tal como se
aprende outras práticas e conteúdos (COSSON, 2010, p.
61).
Ao exercer o papel de mediação, chamando a atenção
para a relação entre o verbal e o imagético, o professor
em nada prejudica a fruição do texto; antes pode
tornar ainda mais claro os sentidos propostos na obra
(COSSON, 2010).
Depois da leitura
“Após a leitura compartilhada ou silenciosa, é
essencial que ao propiciar o espaço/condição de
reflexão conjunta, o educador possa problematizar
questões apontadas no texto literário, conduzindo
os educandos ao questionamento, à indagação
formativa” (BEZERRA, 2013, p.8).
As questões subjetivas de natureza avaliativa também
precisam ser mais frequentes na conversa sobre textos
literários (...) envolvem julgamentos pessoais de ações de
personagens ou eventos narrados no texto. Tais questões
permitem, assim, a expressão de diferentes pontos de vista,
possibilitando o confronto de opiniões (BRANDÃO; ROSA,
2010, p. 85).
Todo texto literário tem uma mensagem mais ou menos
explícita, tem um desenho de mundo a ser depreendido no
momento da leitura, um saber sobre essa ou aquela área que
não pode e nem deve ser desprezado – trata-se do contexto
da obra, entendendo que contexto (...), não é o que está em
volta da obra, mas, sim, as referências de mundo que ela
traz consigo, o que vem com o texto (COSSON, 2010, p.
62).
4. Depois da leitura
Objetivos:
 Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos
pelo professor ou por outro leitor experiente.
 Estabelecer relações de intertextualidade na compreensão de textos
diversos.
Perguntas literais ou objetivas;
Perguntas inferenciais;
Perguntas subjetivas (BRANDÃO; ROSA, 2010).
IMPORTANTE:
Retomar as hipóteses inicias dos alunos. Elas se confirmaram após a leitura do texto?
(BRASIL, 2012, p. 49)
Avaliação da Roda de leitura
O objetivo maior da avaliação é engajar o
estudante na leitura literária e dividir esse
engajamento com o professor e os colegas – a
comunidade de leitores. (...) a leitura do aluno
deve ser discutida, questionada e analisada,
devendo apresentar coerência com o texto e a
experiência de leitura da turma (COSSON, 2006,
p. 113).
5. Análise linguística
5.1 Discursividade, textualidade e normatividade
Objetivos:
Saber procurar no dicionário a grafia correta de palavras.
Saber usar o dicionário, compreendendo sua função e organização.
5.2 Apropriação do sistema de escrita alfabética
Objetivo:
Dominar correspondência entre letras e grupos de letras e seu valor
sonoro, de modo a ler e escrever palavras e textos.
A exploração do contexto da obra faz parte do espaço da literatura em sala de
aula, até porque, ao dizer o mundo, a literatura envolve os mais variados
conhecimentos que também passam pela escola em outros textos e disciplinas
(COSSON, 2010, p. 62).
Expandindo a leitura
Na sala de aula, a literatura precisa de espaço para ser texto, que deve
ser lido em si mesmo, por sua própria constituição. Também precisa de
espaço para ser contexto, ou seja, para que seja lido o mundo que o
texto traz consigo. E precisa de espaço para ser intertexto, isto é, a
leitura feita pelo leitor com base em sua experiência, estabelecendo
ligações com outros textos e, por meio deles, com a rede da cultura
(COSSON, 2010, p. 67).
6. Expandindo a leitura
Apesar do tom humorado da narrativa, a história pode levar os alunos a refletir
sobre as cidades que estamos construindo, os problemas enfrentados pelas pessoas
nos grandes centros urbanos como a poluição, falta de segurança, trânsito caótico
etc.
Diálogo com Ciências da Natureza
Eixo: Vida nos ambientes
Objetivos:
• Identificar ambientes transformados pela ação humana e interferências dos seres
humanos no ambiente (1º ano – Introduzir; 2º e 3º – Ampliar).
• Identificar atitudes de cuidados com o ambiente como a limpeza da casa, da rua,
da escola, do destino dos resíduos e da conservação do solo (1º ano – Introduzir;
2º e 3º – Ampliar).
(BRASIL, 2012, p. 109)
FONTE: https://www.youtube.com/watch?v=zjqcwkEX-ao
Um plano para salvar o planeta
Produção textual
a) planeje situações de escrita com finalidades claras e diversificadas
e com explicitação dos interlocutores do texto;
b) realize atividades prévias à escrita do texto (discussões, leituras,
vídeos, explanação etc.), garantindo conhecimentos sobre o tema e
sobre o gênero textual a ser utilizado;
c) crie situações de planejamento geral dos textos (antecipadamente)
e também de planejamento em processo;
d) ajude a criança a realizar a releitura-revisão de seu texto durante o
processo e, também, na versão final do texto.
Princípios didáticos gerais para o ensino da produção textual.
É fundamental que o professor:
(BRASIL, 2015, p. 57)
Objetivos:
 Planejar a escrita de textos considerando o contexto de
produção: organizar roteiros, planos gerais para atender a
diferentes finalidades, com autonomia.
 Produzir textos de diferentes gêneros com autonomia,
atendendo a diferentes finalidades.
 Gerar o conteúdo textual, estruturando os períodos e utilizando
recursos coesivos para articular ideias e fatos.
 Organizar o texto, dividindo-o em tópicos e parágrafos.
 Pontuar os textos, favorecendo a compreensão do leitor.
 Utilizar vocabulário diversificado e adequado ao gênero e às
finalidades propostas.
(BRASIL, 2012, p. 52)
O escritor pode considerar seu texto como um objeto a ser retrabalhado,
revisado, refeito, mesmo a ser descartado, até o momento em que o dá a seu
destinatário. O texto permanece provisório enquanto estiver submetido a esse
trabalho de reescrita. Podemos até dizer que considerar seu próprio texto como
objeto a ser trabalhado é um objetivo essencial do ensino da escrita (DOLZ;
NOVERRAZ; SCHNEUWLY, 2004, p. 94-95).
Refacção textual
Objetivos:
 Revisar autonomamente os textos durante o processo de escrita, retomando
as partes já escritas para planejar os trechos seguintes.
 Revisar os textos após diferentes versões, reescrevendo-os de modo a
aperfeiçoar as estratégias discursivas. (BRASIL, 2012, p. 52)
Ao planejarmos e desenvolvermos uma atividade ou sequência didática de
produção de textos, precisamos nos perguntar se auxiliamos os aprendizes a ter
clareza sobre:
• qual é a finalidade do texto a ser escrito;
• o que se deseja comunicar e qual o gênero textual adequado para fazê-lo;
• quem é o leitor-destinatário e quais são as características dele que precisamos
levar em conta como escritores;
• que “tom” (registro mais ou menos formal) vai-se poder usar na hora de
escrever;
• em que espaço de circulação o texto produzido será lido;
• qual suporte será adequado para divulgarmos o texto naquele espaço.
(MORAIS; FERREIRA, p. 73-74)
Avaliação da produção textual
Não esqueça:
Avaliar para replanejar!!
 Será que a proposta é de interesse da criança?
 Será que está relacionada à sua idade?
 Será que houve mediação qualitativa?
 Será que “o problema pode estar no planejamento ou na execução da
proposta”?
A circulação do texto pronto deveria constar como horizonte de
possibilidades durante todas as etapas anteriores de sua
preparação, orientando os investimentos a serem feitos sobre os
aspectos materiais do suporte do texto em prol de sua
transformação em objeto de leitura e sua mais ajustada inscrição
em instâncias de socialização ou em eventos de letramento
(BRASIL, 2015, p. 79).
Publicação
Toda produção escrita, na perspectiva sociointeracionista do letramento,
deve cumprir sua função social e, portanto, deve ter um leitor real.
Referências:
BEZERRA, A. R. R. Contribuições da pedagogia freireana à roda de conversa sobre textos literários. Colóquio
Internacional Paulo Freire (2013). Disponível em:
http://coloquio.paulofreire.org.br/participacao/index.php/coloquio/viii-coloquio/paper/viewFile/204/219.
Acesso em 25.mai.2014.
BRANDÃO, Ana C. Perrusi; ROSA, Ester C. de Souza. A leitura de textos literários na sala de aula: é
conversando que a gente se entende…. IN: PAIVA, Aparecida; MACIEL Francisca; COSSON, Rildo (Coord.)
Literatura: ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010. p.
55-68. (Coleção Explorando o Ensino; v. 20)
BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela
Alfabetização na Idade Certa: A oralidade, a leitura e a escrita no ciclo de alfabetização. Caderno 5.
Brasília: MEC, SEB, 2015.
_______. Secretaria de Educação Básica. Elementos Conceituais e Metodológicos para definição dos
Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento do Ciclo de Alfabetização (1º, 2º e 3º Anos) do Ensino
Fundamental. Brasília: MEC/DICEI/COEF, 2012.
COLOMER, Teresa. Andar entre livros: a leitura literária na escola. São Paulo: Global Editora, 2007.
COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2006
COSSON, Rildo. O espaço da literatura na sala de aula. IN: PAIVA, Aparecida; MACIEL Francisca; COSSON,
Rildo (Coord.) Literatura: ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação
Básica, 2010. p. 55-68. (Coleção Explorando o Ensino; v. 20)
KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria & prática. São Paulo: Pontes/Unicamp, 1993.
MORAIS, Artur Gomes de; FERREIRA, Andréa Tereza Brito. Avaliação do texto escrito: uma questão de
concepção de ensino e aprendizagem. IN: LEAL, Telma Ferraz; BRANDÃO, Ana C. Perrusi (Org.). Produção
de textos na escola: reflexões e práticas no Ensino Fundamental. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 65-
80.
SANTOS, Fábio Cardoso dos; MORAES, Fabiano. Alfabetizar letrando com a literatura infantil. São Paulo:
Editora Cortez, 2013.
SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de
Letras, 2004.
SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Tradução Cláudia Schilling. Porto Alegre: ArtMed, 1998. 6. ed.
ZATZ, Lia. Era uma vez uma bruxa. São Paulo: Moderna, 2002. Disponível em:
http://pt.slideshare.net/Adrinic/era-uma-vez-uma-bruxa-7383024?qid=b495219b-ecaf-45b9-91f9-
a1ebf5a2998e&v=&b=&from_search=2. Acesso em: 02/06/2016.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciaisFormação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciaisAlex Silva
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoFernanda Tulio
 
Sequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantilSequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantilJoão Rafael Lopes
 
A importância do ato de ler
A importância do ato de lerA importância do ato de ler
A importância do ato de lersusiesirius
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolarAnanda Lima
 
Critérios para avaliação da produção de textos
Critérios para avaliação da produção de textosCritérios para avaliação da produção de textos
Critérios para avaliação da produção de textosRosemary Batista
 
Sequência didática poema
Sequência didática   poemaSequência didática   poema
Sequência didática poemaAnalú Lúcia
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slidesestercotrim
 
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano ensino fundamental
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano   ensino fundamentalGêneros textuais do 1ª ao 5ª ano   ensino fundamental
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano ensino fundamentalKleber Freitas
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilSusanne Messias
 
A importância do ato de ler
A importância do ato de lerA importância do ato de ler
A importância do ato de lerRoberto Gomes
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisElaine Cruz
 
Incentivo a leitura
Incentivo a leituraIncentivo a leitura
Incentivo a leituraFabianeM
 
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerLer e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerMonica Oliveira
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)PamelaAschoff
 

Mais procurados (20)

Formação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciaisFormação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciais
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
Sequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantilSequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantil
 
A importância do ato de ler
A importância do ato de lerA importância do ato de ler
A importância do ato de ler
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Critérios para avaliação da produção de textos
Critérios para avaliação da produção de textosCritérios para avaliação da produção de textos
Critérios para avaliação da produção de textos
 
Sequência didática poema
Sequência didática   poemaSequência didática   poema
Sequência didática poema
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slides
 
Geografia na educação infantil
Geografia na educação infantilGeografia na educação infantil
Geografia na educação infantil
 
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano ensino fundamental
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano   ensino fundamentalGêneros textuais do 1ª ao 5ª ano   ensino fundamental
Gêneros textuais do 1ª ao 5ª ano ensino fundamental
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenil
 
Projeto jornal escolar
Projeto jornal escolarProjeto jornal escolar
Projeto jornal escolar
 
A importância do ato de ler
A importância do ato de lerA importância do ato de ler
A importância do ato de ler
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
 
Incentivo a leitura
Incentivo a leituraIncentivo a leitura
Incentivo a leitura
 
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerLer e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
 
Projeto de leitura
Projeto de leituraProjeto de leitura
Projeto de leitura
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 

Semelhante a Sistematização roda de leitura Era uma vez uma bruxa

A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundoA interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundoMitsa Toledo Danielli
 
Gestar Ii 26 05 09
Gestar Ii 26 05 09Gestar Ii 26 05 09
Gestar Ii 26 05 09Marystela
 
A arte de fazer perguntas, joy moss
A arte de fazer perguntas, joy mossA arte de fazer perguntas, joy moss
A arte de fazer perguntas, joy mossVivian gusm?
 
A arte de fazer perguntas, joy moss cópia
A arte de fazer perguntas, joy moss   cópiaA arte de fazer perguntas, joy moss   cópia
A arte de fazer perguntas, joy moss cópiaVivian gusm?
 
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino MédioOT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino MédioClaudia Elisabete Silva
 
Proposta Pedagógica da Prefeitura de São Paulo
Proposta Pedagógica da Prefeitura de São PauloProposta Pedagógica da Prefeitura de São Paulo
Proposta Pedagógica da Prefeitura de São PauloAlessandroRubens
 
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraFatima Costa
 
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de criançasComo avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de criançasMarcia Oliveira
 
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptxnoadiasilva2
 
A importancia de ler
A importancia de lerA importancia de ler
A importancia de lerElaine Junger
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silvawaleri
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxEscolaMunicipalMaria16
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxEscolaMunicipalMaria16
 
Soares Magda - Letramento - Um tema em três gêneros-Autêntica (2009).pdf
Soares Magda - Letramento - Um tema em três gêneros-Autêntica (2009).pdfSoares Magda - Letramento - Um tema em três gêneros-Autêntica (2009).pdf
Soares Magda - Letramento - Um tema em três gêneros-Autêntica (2009).pdfCEIP
 
Leitura de Gêneros
Leitura de GênerosLeitura de Gêneros
Leitura de Gênerosvivianelima
 
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuEncontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuSoleducador1
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxEscolaMunicipalMaria16
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxEscolaMunicipalMaria16
 

Semelhante a Sistematização roda de leitura Era uma vez uma bruxa (20)

arte de fazer perguntas[1]-1.pdf
arte de fazer perguntas[1]-1.pdfarte de fazer perguntas[1]-1.pdf
arte de fazer perguntas[1]-1.pdf
 
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundoA interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
 
Gestar Ii 26 05 09
Gestar Ii 26 05 09Gestar Ii 26 05 09
Gestar Ii 26 05 09
 
A arte de fazer perguntas, joy moss
A arte de fazer perguntas, joy mossA arte de fazer perguntas, joy moss
A arte de fazer perguntas, joy moss
 
A arte de fazer perguntas, joy moss cópia
A arte de fazer perguntas, joy moss   cópiaA arte de fazer perguntas, joy moss   cópia
A arte de fazer perguntas, joy moss cópia
 
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino MédioOT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
 
Proposta Pedagógica da Prefeitura de São Paulo
Proposta Pedagógica da Prefeitura de São PauloProposta Pedagógica da Prefeitura de São Paulo
Proposta Pedagógica da Prefeitura de São Paulo
 
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitora
 
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de criançasComo avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
 
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
 
A importancia de ler
A importancia de lerA importancia de ler
A importancia de ler
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silva
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
Letramento Magda Soares.pdf
Letramento Magda Soares.pdfLetramento Magda Soares.pdf
Letramento Magda Soares.pdf
 
Soares Magda - Letramento - Um tema em três gêneros-Autêntica (2009).pdf
Soares Magda - Letramento - Um tema em três gêneros-Autêntica (2009).pdfSoares Magda - Letramento - Um tema em três gêneros-Autêntica (2009).pdf
Soares Magda - Letramento - Um tema em três gêneros-Autêntica (2009).pdf
 
Leitura de Gêneros
Leitura de GênerosLeitura de Gêneros
Leitura de Gêneros
 
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuEncontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 

Mais de Denise Oliveira

Trilha de leitura e produção textual MEMES
Trilha de leitura e produção textual MEMESTrilha de leitura e produção textual MEMES
Trilha de leitura e produção textual MEMESDenise Oliveira
 
Cenários virtuais de aprendizagem
Cenários virtuais de aprendizagemCenários virtuais de aprendizagem
Cenários virtuais de aprendizagemDenise Oliveira
 
"Pedagogia dos Multiletramentos"
"Pedagogia dos Multiletramentos""Pedagogia dos Multiletramentos"
"Pedagogia dos Multiletramentos"Denise Oliveira
 
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e cultural
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e culturalMultiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e cultural
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e culturalDenise Oliveira
 
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques DerridaGilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques DerridaDenise Oliveira
 
Mapa mental recursos digitais
Mapa mental recursos digitaisMapa mental recursos digitais
Mapa mental recursos digitaisDenise Oliveira
 
Vivência o segredo da lagartixa
Vivência o segredo da lagartixaVivência o segredo da lagartixa
Vivência o segredo da lagartixaDenise Oliveira
 
Roda de leitura era uma vez uma bruxa
Roda de leitura era uma vez uma bruxaRoda de leitura era uma vez uma bruxa
Roda de leitura era uma vez uma bruxaDenise Oliveira
 
Vivencia quanto custa o feijão
Vivencia quanto custa o feijãoVivencia quanto custa o feijão
Vivencia quanto custa o feijãoDenise Oliveira
 
Por que defendemos um ensino sistematico da escrita
Por que defendemos um ensino sistematico da escritaPor que defendemos um ensino sistematico da escrita
Por que defendemos um ensino sistematico da escritaDenise Oliveira
 
Inter relacoes entre oralidade e escrita Caderno 5
Inter relacoes entre oralidade e escrita Caderno 5Inter relacoes entre oralidade e escrita Caderno 5
Inter relacoes entre oralidade e escrita Caderno 5Denise Oliveira
 
Tangolomangos oralidade leitura.
Tangolomangos oralidade leitura.Tangolomangos oralidade leitura.
Tangolomangos oralidade leitura.Denise Oliveira
 
Campo aditivo resolucao de problemas
Campo aditivo resolucao de problemasCampo aditivo resolucao de problemas
Campo aditivo resolucao de problemasDenise Oliveira
 
A Matematica como um texto
A Matematica como um textoA Matematica como um texto
A Matematica como um textoDenise Oliveira
 
Texto oral com destino escrito
Texto oral com destino escritoTexto oral com destino escrito
Texto oral com destino escritoDenise Oliveira
 
Vivência pedagógica "Estrelinha atrapalhada"
Vivência pedagógica "Estrelinha atrapalhada"Vivência pedagógica "Estrelinha atrapalhada"
Vivência pedagógica "Estrelinha atrapalhada"Denise Oliveira
 
A aprendizagem da pontuação no Ciclo de alfabetização - 4º e 5º anos
A aprendizagem da pontuação no Ciclo de alfabetização - 4º e 5º anosA aprendizagem da pontuação no Ciclo de alfabetização - 4º e 5º anos
A aprendizagem da pontuação no Ciclo de alfabetização - 4º e 5º anosDenise Oliveira
 
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaic
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaicCiências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaic
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaicDenise Oliveira
 
Jogos no Ciclo da alfabetização
Jogos no Ciclo da alfabetizaçãoJogos no Ciclo da alfabetização
Jogos no Ciclo da alfabetizaçãoDenise Oliveira
 

Mais de Denise Oliveira (20)

Trilha de leitura e produção textual MEMES
Trilha de leitura e produção textual MEMESTrilha de leitura e produção textual MEMES
Trilha de leitura e produção textual MEMES
 
Cenários virtuais de aprendizagem
Cenários virtuais de aprendizagemCenários virtuais de aprendizagem
Cenários virtuais de aprendizagem
 
"Pedagogia dos Multiletramentos"
"Pedagogia dos Multiletramentos""Pedagogia dos Multiletramentos"
"Pedagogia dos Multiletramentos"
 
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e cultural
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e culturalMultiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e cultural
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e cultural
 
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques DerridaGilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
Gilles Deleuze, Felix Guattari e Jacques Derrida
 
Mapa mental recursos digitais
Mapa mental recursos digitaisMapa mental recursos digitais
Mapa mental recursos digitais
 
Design thinking
Design thinkingDesign thinking
Design thinking
 
Vivência o segredo da lagartixa
Vivência o segredo da lagartixaVivência o segredo da lagartixa
Vivência o segredo da lagartixa
 
Roda de leitura era uma vez uma bruxa
Roda de leitura era uma vez uma bruxaRoda de leitura era uma vez uma bruxa
Roda de leitura era uma vez uma bruxa
 
Vivencia quanto custa o feijão
Vivencia quanto custa o feijãoVivencia quanto custa o feijão
Vivencia quanto custa o feijão
 
Por que defendemos um ensino sistematico da escrita
Por que defendemos um ensino sistematico da escritaPor que defendemos um ensino sistematico da escrita
Por que defendemos um ensino sistematico da escrita
 
Inter relacoes entre oralidade e escrita Caderno 5
Inter relacoes entre oralidade e escrita Caderno 5Inter relacoes entre oralidade e escrita Caderno 5
Inter relacoes entre oralidade e escrita Caderno 5
 
Tangolomangos oralidade leitura.
Tangolomangos oralidade leitura.Tangolomangos oralidade leitura.
Tangolomangos oralidade leitura.
 
Campo aditivo resolucao de problemas
Campo aditivo resolucao de problemasCampo aditivo resolucao de problemas
Campo aditivo resolucao de problemas
 
A Matematica como um texto
A Matematica como um textoA Matematica como um texto
A Matematica como um texto
 
Texto oral com destino escrito
Texto oral com destino escritoTexto oral com destino escrito
Texto oral com destino escrito
 
Vivência pedagógica "Estrelinha atrapalhada"
Vivência pedagógica "Estrelinha atrapalhada"Vivência pedagógica "Estrelinha atrapalhada"
Vivência pedagógica "Estrelinha atrapalhada"
 
A aprendizagem da pontuação no Ciclo de alfabetização - 4º e 5º anos
A aprendizagem da pontuação no Ciclo de alfabetização - 4º e 5º anosA aprendizagem da pontuação no Ciclo de alfabetização - 4º e 5º anos
A aprendizagem da pontuação no Ciclo de alfabetização - 4º e 5º anos
 
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaic
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaicCiências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaic
Ciências no Ciclo de Alfabetização - Caderno 8, PactoPnaic
 
Jogos no Ciclo da alfabetização
Jogos no Ciclo da alfabetizaçãoJogos no Ciclo da alfabetização
Jogos no Ciclo da alfabetização
 

Último

Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 

Último (20)

Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 

Sistematização roda de leitura Era uma vez uma bruxa

  • 1. Era uma vez uma bruxa Sistematização Roda de leitura Por: Ms Denise Oliveira
  • 2. “Uma contínua construção do sentido (...) a literatura permite ‘ser outro sem deixar de ser o mesmo’, uma experiência que, como a do jogo, oferece o mistério de permitir ser e não ser – ou ser mais de uma coisa – ao mesmo tempo. É através dessa experiência tão particular de sonhar-se a si mesmo que se dá ao leitor um instrumento poderoso de construção pessoal e uma completa dimensão educativa sobre os sentimentos e ações humanas” (COLOMER, 2007, p. 61).
  • 3. “Ao ler, estou abrindo uma porta entre meu mundo e o mundo do outro. O sentido do texto só se completa quando esse trânsito se efetiva, quando se faz a passagem de sentidos entre um e outro. Se acredito que o mundo está absolutamente completo e nada mais pode ser dito, a leitura não faz sentido (...) Abrir-se ao outro para compreendê-lo, ainda que isso não implique aceitá-lo, é o gesto essencialmente solidário exigido pela leitura de qualquer texto. O bom leitor, portanto, é aquele que agencia com os textos os sentidos do mundo, compreendendo que a leitura é um concerto de vozes e nunca um monólogo (...) o ato físico de ler pode até ser solitário, mas nunca deixa de ser solidário” (COSSON, 2006, p. 27).
  • 4. É durante a interação que o leitor mais inexperiente compreende o texto: não é durante a leitura silenciosa, nem durante a leitura em voz alta, mas durante a conversa sobre aspectos relevantes do texto. Muitos aspectos que o aluno sequer percebeu ficam salientes nessa conversa, muitos pontos que ficaram obscuros são iluminados na construção conjunta da compreensão (KLEIMAN, 1993, p. 24). Por que precisamos conversar com as crianças sobre os textos literários lidos por elas ou para elas?
  • 5. não é “qualquer conversa que serve de suporte temporário para compreender o texto” (KLEIMAN, 1993, p. 24). Todavia... A leitura do texto literário em sala de aula envolve PLANEJAMENTO: 1º. A escolha do texto que será lido: • Repertório leitor do professor; • Ouvir as próprias crianças; • Conhecimento mais amplo por parte do professor dos acervos disponíveis na escola.
  • 6. Frente a leitura na escola, parece necessário que o professor se pergunte com que bagagem as crianças poderão abordá-la, prevendo que esta bagagem não será homogênea. Esta bagagem condiciona enormemente a interpretação que se constrói e não se refere apenas aos conceitos e sistemas conceituais dos alunos; também está constituída pelos seus interesses, expectativas, vivências... por todos os aspectos mais relacionados ao âmbito afetivo e que intervêm na atribuição do sentido ao que se lê (SOLÉ, 1998, p. 104).
  • 7. não estamos recomendando que o professor faça “um interrogatório”, com uma enorme lista de perguntas de todos os tipos. Defendemos, porém, uma conversa planejada, que além de avaliar a compreensão dos pequenos leitores/ouvintes, contribua para que eles aprendam a abordar o texto literário de uma forma reflexiva. Para tanto, além de planejar a conversa, é preciso haver abertura para se ouvir, de fato, as falas das crianças, atenção para se perceber o que pode estar dificultando sua compreensão e, principalmente, favorecer um diálogo criativo e agradável (BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 85). Atenção!!! 2º. Planejar o que perguntar aos alunos sobre a leitura
  • 8. Tipos de perguntas de compreensão que podem ser feitas antes, durante e após a leitura de textos literários. a) Perguntas de ativação de conhecimentos prévios: Perguntas formuladas, em geral, antes da leitura do texto. Objetivo: convidar os leitores ou ouvintes a entrar no texto que será lido, trazendo para a situação de leitura conhecimentos que possam ser relevantes para sua compreensão. Este tipo de pergunta pode envolver conhecimentos sobre: o nome do autor, ilustrações da capa; sobre o gênero discursivo (se será lida uma fábula, um conto de fada, um cordel, por exemplo), ou sobre o próprio tema central a ser tratado no texto. BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 79.
  • 9. b) Perguntas de previsão sobre o texto: Ao longo da leitura também é possível formular perguntas de previsão. Assim, ao se ler um conto, pode-se perguntar o que as crianças imaginam que acontecerá em seguida, com base no que foi lido até um determinado momento. BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 79. c) Perguntas literais ou objetivas: São aquelas cujas respostas estão explicitamente colocadas, sendo, portanto, encontradas diretamente no texto. Embora retomar ou localizar este tipo de informação possa contribuir para a compreensão do texto, é preciso ter cuidado para não desconsiderar as capacidades do leitor.
  • 10. d) Perguntas inferenciais: São aquelas que vão além das informações explicitamente colocadas no texto, pois implicam o estabelecimento de relações por parte do leitor, ora de natureza mais simples, ora de natureza mais complexa. Em alguns casos, a pergunta pode exigir apenas que se estabeleçam relações coesivas entre informações dadas no texto, em que o leitor/ouvinte comumente se utiliza de seus conhecimentos sintáticos para estabelecer correferências. Outras poderão exigir que ele preencha vazios e estabeleça relações entre conhecimentos extratextuais e o texto, respostas que não podem ser extraídas diretamente do que está escrito no texto. Vale destacar que as perguntas de previsão, discutidas anteriormente, podem ser tomadas como inferenciais, na medida em que exigem a construção de relações entre conhecimentos prévios do leitor e as pistas textuais (ou dadas pelas ilustrações) que apontam para uma determinada previsão. BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 80.
  • 11. e) Perguntas subjetivas: São as que solicitam a opinião e/ou conhecimento do leitor e, embora tomem o texto como referência, a resposta dada não pode ser deduzida dele. Envolvem questões: • de preferência: questões que “convidam” o leitor/ouvinte a apontar sua preferência (De qual parte do texto você mais gostou? Por quê?); • de avaliação: questões que “convidam” o leitor/ouvinte a expressar uma opinião sobre algum fato ou ação de personagem no texto (Você concorda com o que fez o personagem X? ou, Se você fosse o personagem X, o que faria?). BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 80.
  • 12. É importante discutir a justificativa para as preferências elencadas, já que, em geral, se observa que as respostas para esse tipo de pergunta são dadas em coro, não havendo, de fato, um estímulo por parte do professor para uma conversa, de modo a desenvolver nas crianças as habilidades de expor e justificar oralmente suas escolhas (BRANDÃO; ROSA, 2010, p.81). d) Perguntas de extrapolação do texto: Perguntas que extrapolam o texto, solicitando que o leitor/ouvinte associe o texto a experiências suas. Obs.: não constituem perguntas de compreensão de texto, já que nem mesmo requerem sua leitura. BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 80. Sobre as perguntas subjetivas, vale destacar:
  • 14. “Aqui não se pode esquecer que todo o início de leitura é, necessariamente, subjetivo e impressionista. Se o professor conduz o aluno nesses primeiros passos, sem censurá-lo e reconhecendo sua leitura como própria, buscando aprofundar essas primeiras impressões, então terá melhores resultados” (COSSON, 2006, p. 113). Motivação: “Ao denominar motivação a esse primeiro passo da sequência básica do letramento literário, indicamos que seu núcleo consiste exatamente em preparar o aluno para entrar no texto. O sucesso inicial do encontro do eleitor com a obra depende de boa motivação” (COSSON, 2006, p. 54).
  • 15. 1. Motivação: Dinâmica “Palavras relacionadas” Objetivos explorados: criar um clima favorável para a leitura despertando o interesse para o texto, além de fazer relação com a obra que será lida e discutida. 2. Antes da leitura: Apresentação da obra, autora e ilustrador. Perguntas de ativação de conhecimentos prévios (BRANDÃO; ROSA, 2010). Objetivos explorados:  Possibilitar a elaboração de hipóteses, criar expectativas sobre a história;  Ativar os conhecimentos prévios dos alunos.
  • 16. Leitura compartilhada “[...] é preciso compartilhar a interpretação e ampliar os sentidos construídos individualmente. A razão disso é que, por meio do compartilhamento de suas interpretações, os leitores ganham consciência de que são membros de uma coletividade e de que essa coletividade fortalece e amplia seus horizontes de leitura” (COSSON, 2006, p. 66)
  • 17. “Compartilhar as obras com outras pessoas é importante porque torna possível beneficiar-se da competência dos outros para construir o sentido e obter o prazer de entender mais e melhor os livros. Também porque permite experimentar a literatura em sua dimensão socializadora, fazendo com que a pessoa se sinta parte de uma comunidade de leitores com referências e cumplicidades mútuas” (COLOMER, 2007 p. 143). “Para a escola, as atividades de compartilhar são as que melhor respondem a esse objetivo de ‘formar o gosto’ a que aludimos; porque comparar a leitura individual com a realizada por outros é o instrumento por excelência para construir o itinerário entre a recepção individual das obras e sua valorização social” (COLOMER, 2007, p. 144).
  • 18. 3. Leitura compartilhada Objetivos explorados:  Relacionar as modalidades verbal e imagética na construção de sentidos dos textos;  Localizar informações explícitas em textos de diferentes gêneros e temáticas;  Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de diferentes gêneros e temáticas. Perguntas de previsão sobre o texto (BRANDÃO; ROSA, 2010). (BRASIL, 2012, p. 49)
  • 19. Imagens como substitutas diretas das palavras. Texto iconizado por meio da escolha do formato de letras Negociação dos sentidos atribuídos às imagens. Ex.: meninos, guris ou crianças. Durante a leitura, o professor poderá fazer perguntas de previsão indagando o que os alunos acham que irá acontecer a partir de algum trecho lido. Ex.: Será que a bruxa se zangou com os meninos? O que será que ela fez com eles?
  • 20. Repetição da letra “u” para marcar intensidade na duração das horas do voo. Uso de asteriscos (ou florezinhas) para realçar a palavra. Uso da palavra “cabeça”: representação verticalizada com traçados indicando o movimento de mergulho. Iconização da letra “o”, substituída pela representação de um relógio. Obs.: a obra foi publicada antes das alterações do Acordo ortográfico (voo). Destaque gráfico para a letra “O” para marcar a oralização acentuada da palavra “enorme”. Substituição da palavra pela imagem.
  • 21. Analisar o texto é procurar compreender sua elaboração escrita e imagética para com ela sustentar um sentido. Esse modo de ler precisa ser aprendido tal como se aprende outras práticas e conteúdos (COSSON, 2010, p. 61). Ao exercer o papel de mediação, chamando a atenção para a relação entre o verbal e o imagético, o professor em nada prejudica a fruição do texto; antes pode tornar ainda mais claro os sentidos propostos na obra (COSSON, 2010).
  • 22. Depois da leitura “Após a leitura compartilhada ou silenciosa, é essencial que ao propiciar o espaço/condição de reflexão conjunta, o educador possa problematizar questões apontadas no texto literário, conduzindo os educandos ao questionamento, à indagação formativa” (BEZERRA, 2013, p.8).
  • 23. As questões subjetivas de natureza avaliativa também precisam ser mais frequentes na conversa sobre textos literários (...) envolvem julgamentos pessoais de ações de personagens ou eventos narrados no texto. Tais questões permitem, assim, a expressão de diferentes pontos de vista, possibilitando o confronto de opiniões (BRANDÃO; ROSA, 2010, p. 85). Todo texto literário tem uma mensagem mais ou menos explícita, tem um desenho de mundo a ser depreendido no momento da leitura, um saber sobre essa ou aquela área que não pode e nem deve ser desprezado – trata-se do contexto da obra, entendendo que contexto (...), não é o que está em volta da obra, mas, sim, as referências de mundo que ela traz consigo, o que vem com o texto (COSSON, 2010, p. 62).
  • 24. 4. Depois da leitura Objetivos:  Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou por outro leitor experiente.  Estabelecer relações de intertextualidade na compreensão de textos diversos. Perguntas literais ou objetivas; Perguntas inferenciais; Perguntas subjetivas (BRANDÃO; ROSA, 2010). IMPORTANTE: Retomar as hipóteses inicias dos alunos. Elas se confirmaram após a leitura do texto? (BRASIL, 2012, p. 49)
  • 25. Avaliação da Roda de leitura O objetivo maior da avaliação é engajar o estudante na leitura literária e dividir esse engajamento com o professor e os colegas – a comunidade de leitores. (...) a leitura do aluno deve ser discutida, questionada e analisada, devendo apresentar coerência com o texto e a experiência de leitura da turma (COSSON, 2006, p. 113).
  • 26. 5. Análise linguística 5.1 Discursividade, textualidade e normatividade Objetivos: Saber procurar no dicionário a grafia correta de palavras. Saber usar o dicionário, compreendendo sua função e organização. 5.2 Apropriação do sistema de escrita alfabética Objetivo: Dominar correspondência entre letras e grupos de letras e seu valor sonoro, de modo a ler e escrever palavras e textos.
  • 27. A exploração do contexto da obra faz parte do espaço da literatura em sala de aula, até porque, ao dizer o mundo, a literatura envolve os mais variados conhecimentos que também passam pela escola em outros textos e disciplinas (COSSON, 2010, p. 62). Expandindo a leitura Na sala de aula, a literatura precisa de espaço para ser texto, que deve ser lido em si mesmo, por sua própria constituição. Também precisa de espaço para ser contexto, ou seja, para que seja lido o mundo que o texto traz consigo. E precisa de espaço para ser intertexto, isto é, a leitura feita pelo leitor com base em sua experiência, estabelecendo ligações com outros textos e, por meio deles, com a rede da cultura (COSSON, 2010, p. 67).
  • 28. 6. Expandindo a leitura Apesar do tom humorado da narrativa, a história pode levar os alunos a refletir sobre as cidades que estamos construindo, os problemas enfrentados pelas pessoas nos grandes centros urbanos como a poluição, falta de segurança, trânsito caótico etc. Diálogo com Ciências da Natureza Eixo: Vida nos ambientes Objetivos: • Identificar ambientes transformados pela ação humana e interferências dos seres humanos no ambiente (1º ano – Introduzir; 2º e 3º – Ampliar). • Identificar atitudes de cuidados com o ambiente como a limpeza da casa, da rua, da escola, do destino dos resíduos e da conservação do solo (1º ano – Introduzir; 2º e 3º – Ampliar). (BRASIL, 2012, p. 109)
  • 30. Produção textual a) planeje situações de escrita com finalidades claras e diversificadas e com explicitação dos interlocutores do texto; b) realize atividades prévias à escrita do texto (discussões, leituras, vídeos, explanação etc.), garantindo conhecimentos sobre o tema e sobre o gênero textual a ser utilizado; c) crie situações de planejamento geral dos textos (antecipadamente) e também de planejamento em processo; d) ajude a criança a realizar a releitura-revisão de seu texto durante o processo e, também, na versão final do texto. Princípios didáticos gerais para o ensino da produção textual. É fundamental que o professor: (BRASIL, 2015, p. 57)
  • 31. Objetivos:  Planejar a escrita de textos considerando o contexto de produção: organizar roteiros, planos gerais para atender a diferentes finalidades, com autonomia.  Produzir textos de diferentes gêneros com autonomia, atendendo a diferentes finalidades.  Gerar o conteúdo textual, estruturando os períodos e utilizando recursos coesivos para articular ideias e fatos.  Organizar o texto, dividindo-o em tópicos e parágrafos.  Pontuar os textos, favorecendo a compreensão do leitor.  Utilizar vocabulário diversificado e adequado ao gênero e às finalidades propostas. (BRASIL, 2012, p. 52)
  • 32. O escritor pode considerar seu texto como um objeto a ser retrabalhado, revisado, refeito, mesmo a ser descartado, até o momento em que o dá a seu destinatário. O texto permanece provisório enquanto estiver submetido a esse trabalho de reescrita. Podemos até dizer que considerar seu próprio texto como objeto a ser trabalhado é um objetivo essencial do ensino da escrita (DOLZ; NOVERRAZ; SCHNEUWLY, 2004, p. 94-95). Refacção textual Objetivos:  Revisar autonomamente os textos durante o processo de escrita, retomando as partes já escritas para planejar os trechos seguintes.  Revisar os textos após diferentes versões, reescrevendo-os de modo a aperfeiçoar as estratégias discursivas. (BRASIL, 2012, p. 52)
  • 33. Ao planejarmos e desenvolvermos uma atividade ou sequência didática de produção de textos, precisamos nos perguntar se auxiliamos os aprendizes a ter clareza sobre: • qual é a finalidade do texto a ser escrito; • o que se deseja comunicar e qual o gênero textual adequado para fazê-lo; • quem é o leitor-destinatário e quais são as características dele que precisamos levar em conta como escritores; • que “tom” (registro mais ou menos formal) vai-se poder usar na hora de escrever; • em que espaço de circulação o texto produzido será lido; • qual suporte será adequado para divulgarmos o texto naquele espaço. (MORAIS; FERREIRA, p. 73-74) Avaliação da produção textual
  • 34. Não esqueça: Avaliar para replanejar!!  Será que a proposta é de interesse da criança?  Será que está relacionada à sua idade?  Será que houve mediação qualitativa?  Será que “o problema pode estar no planejamento ou na execução da proposta”?
  • 35. A circulação do texto pronto deveria constar como horizonte de possibilidades durante todas as etapas anteriores de sua preparação, orientando os investimentos a serem feitos sobre os aspectos materiais do suporte do texto em prol de sua transformação em objeto de leitura e sua mais ajustada inscrição em instâncias de socialização ou em eventos de letramento (BRASIL, 2015, p. 79). Publicação Toda produção escrita, na perspectiva sociointeracionista do letramento, deve cumprir sua função social e, portanto, deve ter um leitor real.
  • 36. Referências: BEZERRA, A. R. R. Contribuições da pedagogia freireana à roda de conversa sobre textos literários. Colóquio Internacional Paulo Freire (2013). Disponível em: http://coloquio.paulofreire.org.br/participacao/index.php/coloquio/viii-coloquio/paper/viewFile/204/219. Acesso em 25.mai.2014. BRANDÃO, Ana C. Perrusi; ROSA, Ester C. de Souza. A leitura de textos literários na sala de aula: é conversando que a gente se entende…. IN: PAIVA, Aparecida; MACIEL Francisca; COSSON, Rildo (Coord.) Literatura: ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010. p. 55-68. (Coleção Explorando o Ensino; v. 20) BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: A oralidade, a leitura e a escrita no ciclo de alfabetização. Caderno 5. Brasília: MEC, SEB, 2015. _______. Secretaria de Educação Básica. Elementos Conceituais e Metodológicos para definição dos Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento do Ciclo de Alfabetização (1º, 2º e 3º Anos) do Ensino Fundamental. Brasília: MEC/DICEI/COEF, 2012. COLOMER, Teresa. Andar entre livros: a leitura literária na escola. São Paulo: Global Editora, 2007. COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2006
  • 37. COSSON, Rildo. O espaço da literatura na sala de aula. IN: PAIVA, Aparecida; MACIEL Francisca; COSSON, Rildo (Coord.) Literatura: ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010. p. 55-68. (Coleção Explorando o Ensino; v. 20) KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria & prática. São Paulo: Pontes/Unicamp, 1993. MORAIS, Artur Gomes de; FERREIRA, Andréa Tereza Brito. Avaliação do texto escrito: uma questão de concepção de ensino e aprendizagem. IN: LEAL, Telma Ferraz; BRANDÃO, Ana C. Perrusi (Org.). Produção de textos na escola: reflexões e práticas no Ensino Fundamental. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 65- 80. SANTOS, Fábio Cardoso dos; MORAES, Fabiano. Alfabetizar letrando com a literatura infantil. São Paulo: Editora Cortez, 2013. SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Tradução Cláudia Schilling. Porto Alegre: ArtMed, 1998. 6. ed. ZATZ, Lia. Era uma vez uma bruxa. São Paulo: Moderna, 2002. Disponível em: http://pt.slideshare.net/Adrinic/era-uma-vez-uma-bruxa-7383024?qid=b495219b-ecaf-45b9-91f9- a1ebf5a2998e&v=&b=&from_search=2. Acesso em: 02/06/2016.