Risco e incerteza

3.329 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.329
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
220
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Risco e incerteza

  1. 1. AVALIAÇÃO DE PROJETOS NUM MUNDO INCERTO É sabido que as decisões sobre projetos são tomadas envoltas por incertezas quanto ao futuro. Não é possível garantir que as expectativas formadas sobre os benefícios e custos serão perfeitamente realizadas. 2
  2. 2. AVALIAÇÃO DE PROJETOS NUM MUNDO INCERTO Como, então, proceder a avaliação de projetos nestas condições? 3
  3. 3. AVALIAÇÃO DE PROJETOS NUM MUNDO INCERTO Na presença de risco, não é válido basear o processo de escolha com base simplesmente no valor presente de cada projeto. 4
  4. 4. AVALIAÇÃO DE PROJETOS NUM MUNDO INCERTO De modo geral, a viabilidade de cada projeto, depende, com maior ou menor intensidade, mais da possibilidade de erros em certos parâmetros do que em outros. 5
  5. 5. AVALIAÇÃO DE PROJETOS NUMMUNDO INCERTO Existem, basicamente, três maneiras de introduzir risco na tomada de decisão: 1 - O Cálculo do Payback 2 - Análise de Sensibilidade 3 - Prêmio para Risco n/Taxa Desc. 6
  6. 6. PAYBACK O Payback mostra o número de períodos requeridos para recuperar os recursos dispendidos com a implantação do projeto. 7
  7. 7. Fluxo de Caixa = 56.305,43 Disp.Líquida / Tx.Atratividade + 1 = Fluxo Caixa DescontadoAno 1 30.145,53/1,17 = 25.765,41Ano 2 35.266,44/(1,17²) = 25.762,61Ano 3 41.256,67/(1,17³) = 25.759,45 Cálculo do Tempo de Retorno:(56.305,43) + 25.765,41 = 30.537,02(30.537,02) + 25.762,61 = 4.774,41(4.774,41) / 25.759,45 = 0,180,18 * 12 (meses) = 2,160,16 * 30 (dias) = 4,8Resultado: 2 anos, 2 meses e 4 dias 8
  8. 8. ANÁLISE DE SENSIBILIDADE Determina o grau de variação dos resultados e dos indicadores de viabilidade de um determinado projeto, face as alterações nas variáveis mais relevantes para a determinação da viabilidade, nomeadamente variações nos preços de venda, preços de custo, variações nas quantidades vendidas e variações nas quantidades dos inputs. 9
  9. 9. ANÁLISE DE SENSIBILIDADEGasto Total $ 90 milhões100 mil unidades/anoPreço Produto $ 410,00/unidade0,5 horas/homemPreço médio $ 100,00/horaPreço Insumo $ 90,00/unidadeTaxa de Desconto 15% a.a.Dois fatores: Trabalho e insumo 10
  10. 10. VP = -90.000 + [410 - (0,5 * 100 + 2 * 90)] *100 / 0,15 = 30.000 Preço do Preço da Preço do Insumo A Cálculo Caso Mão-de- Produto obra 50,00 90,00 170,00 a 280 80 +3,3 -50,0 -156,70 b 410 100 +83,3 +30,0 -76,7 c 610 120 +210,0 +156,7 +50,0 11
  11. 11. ANÁLISE DE SENSIBILIDADE Os praticantes deste método sugere que funciona satisfatoriamente quando são poucos os parâmetros sujeitos a amplas flutuações, ou seja, até três ou quatro parâmetros. 12
  12. 12. PRÊMIO PARA RISCO NA TAXA DE DESCONTO Juros e retornos variam com os riscos, atividades e empreendimentos mais sujeitos a risco e devem oferecer uma taxa média de retorno esperado mais elevada do que outras atividades 13
  13. 13. MAXIMIZAÇÃOO critério de maximizaçãocorresponde à maximização deutilidade obtida com a ponderaçãoda utilidade dos benefícios líquidospossíveis pelas respectivasprobabilidades 14
  14. 14. DEFINIÇÃO DE TESESDomar e Musgrave, na década de 40, definiam risco como simplesmente o valor esperado das perdas de um determinado eventoOs trabalhos de Markwitz, Tobin e outros passaram a identificar risco simplesmente como variância dos retornos 15
  15. 15. A MELHOR ALTERNATIVA É TENTARNEUTRALIZAR OS EFEITOS DAS DISTORÇÕES Sharpe, Lintner, Fama e outros, o risco privado total, ou variância dos retornos de um projeto é decomposto em dois componentes: o risco não diversificável e o risco diversificável. Hirshleifer e outros sugerem a produtividade marginal do capital no setor privado como a taxa de desconto em projetos públicos 16
  16. 16. A MELHOR ALTERNATIVA É TENTARNEUTRALIZAR OS EFEITOS DAS DISTORÇÕES Economistas como Vickrey, Samuelson, Arrow, Dasgupta, Sem, Marglin e outros consideram que o risco é indubitavelmente, um componente da taxa de desconto privado. 17

×