Projeto econômico e financeiro

3.607 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.607
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto econômico e financeiro

  1. 1. PROJETO “SAÚDE”ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO - FINANCEIRO PARA IMPLANTAÇÃO DE OPERADORA DE SAÚDE. Abril/2003
  2. 2. 2SUMÁRIO 1. ÍNDICE DE PLANILHAS............................... Pags.83 a 139 e 142 a 149 2. ÍNDICE DE FIGURAS..................................... Pag.9 3. ÍNDICE DE QUADROS.................................. Pag.9I- O ESTUDO FINANCEIRO DA OPERADORA SAÚDE Objetivos e Metas 111 Estruturação do Investimento Total 121.1. Investimentos Fixos 121.1.1. Imobilizações Técnicas 121.1.1.1 Descrição do Sistema : Software de Gestão 131.1.2. Gastos de Implantações e Pré Operacionais 181.2. Mercado Consumidor: Clientela Potencial e Produtos Desenvolvidos 191.3. Identificação dos Produtos 221.4. Base de Cálculo de Receitas 431.5. Garantias Financeiras 431.5.1 Capital Mínimo ou Provisão de Operação 461.5.2. Provisão de Risco 471.5.3. Provisão Para Eventos Ocorridos e Não Avisados 471.5.4. Margem de Solvência 48
  3. 3. 31.6. Corretagem 491.7. Custos Assistenciais 501.8. Pessoal 521.9. Prestação de Serviços Call Center 531.9.1. Dimensionamento do Serviço 541.10. Taxas de Saúde Suplementar 562. Estrutura Financeira 622.1. Investimento Operacional em Giro – IOG 632.2. Capital Circulante Líquido – CCL 642.3. Capital de Giro Próprio – CGP 652.4 Saldo em Tesouraria 66II- O ESTUDO ECONÔMICO DA OPERADORA ANÁLISE MICROECONÔMICA 691. Estrutura de Custos 692. Demonstração dos Resultados 702.1. Impostos 702.2. Depreciação 712.3. Amortização do Diferido 723. Análise da Rentabilidade Econômica : Indicadores Estáticos e 74 Dinâmicos
  4. 4. 43.1. Indicadores Estáticos 743.1.1. Ponto de Equilíbrio Econômico 743.1.2. Ponto De Equilíbrio Caixa – (Pecx) 763.1.3. Índices de Liquidez 783.1.3.1 Liquidez Corrente 783.1.3.2 Liquidez Geral 783.1.3.3. Retorno Sobre o Patrimônio Líquido 793.1.3.4. Rentabilidade das Vendas 793.1.3.5. Giro do Ativo 793.1.3.6. Retorno Sobre o Ativo 793.2. Indicadores Dinâmicos 803.2.1. Valor Presente Líquido – VPL 813.2.2. Taxa Interna de Retorno 813.2.3. Prazo de Retorno de Investimento – (Pay – Back) 823.2.4. Taxa Média de Retorno Descontado dos Recursos Totais Investidos – 82 TMDIII- Conclusão 83IV - ANEXOS
  5. 5. 51. LISTA DE PLANILHAS1 Planilha de Investimento2 Móveis e Utensílios3 Utensílios Médicos4 Instalações5 Equipamentos de Processamento de Dados6 Marcas e Patentes7- A Consultorias Salários7 –B8 Sofware Mídia e Produção9 Outras Despesas Operacionais10 Clientela Potencial11 Plano Ambulatorial I Com Urgência Odontológica1213 Plano Ambulatorial II com Odontologia Total Plano Básico I e Especial I Com Urgência Odontológica1415 Plano Básico II e Especial II Com Urgência Odontológica e Odontologia Preventiva Plano Básico III e Especial III Com Odontologia Total1617 Plano Master Com Odontologia Projeção de Receitas1818-B Preços Garantias Financeiras : Provisões Técnicas de Acordo Com a Legislação19 Pertinente
  6. 6. 6 Projeção do Pagamento a Corretor20 Despesas Assistenciais : Custo Médio21 Impostos e Taxas22 Cálculo da Média Ponderada da Utilização / Usuários Mês2324 Taxas Para Registro Provisório de Funcionamento Número Médio de Usuários Considerado Para o Cálculo da Taxa de25 – A25 –B Taxas Por Plano de Assistência à Saúde Investimento Operacional Em Giro2627 Capital Circulante Líquido Capital de Giro Próprio28 Saldo Em Tesouraria29 Memória do Fluxo de Caixa30 – A Projeção do Fluxo de Caixa30 – B31 Estrutura de Custos e Despesas Demonstrações Financeiras : Balanço Patrimonial3233 Demonstração de Resultados Depreciação3435- A Coeficientes Dinâmicos Coeficientes Estáticos35- B Índices de Liquidez36
  7. 7. 7 LISTA DE FIGURAS1 Ponto de Equilíbrio : Conceito Econômico – Ano 2 1382 Ponto de Equilíbrio : Conceito Caixa – Ano 2 1383 Ponto de Equilíbrio : Conceito Econômico – Ano 3 1394 Ponto de Equilíbrio : Conceito Caixa – Ano 3 139 LISTA DE QUADROS1 Capital Mínimo ( CM) 472 Provisão de Risco 473 Provisão Para Eventos Ocorridos e Não- Avisados 484 Margem de Solvência 495 Pessoal 536 Dimensionamento de Pessoal do Call Center 557 Média de Usuários no Trimestre 588 Balanço Reclassificado Para Análise 639 Resumo da Estrutura Patrimonial da Operadora SAÚDE 64
  8. 8. 8O ESTUDO FINANCEIRO DA OPERADORA EM SAÚDE
  9. 9. 9I- O PROJETO FINANCEIRO DA OPERADORA DE SAÚDEObjetivos e Metas O presente projeto tem por objetivo fornecer informaçõestécnicas econômicas e financeiras concernentes a implantação daoperadora SAÚDE. Nessa primeira parte aborda-se especificamente, asquestões relativas ao investimento das inversões programadas . Entende-se, aqui, por investimentos, a imobilização dos recursos totais necessários àimplementação da operadora em análise. Para atingir este objetivoexaminou-se o estudo financeiro com os seguintes aspectos:1. Estruturação do Investimento Total2. Estrutura Financeira2.1.Definição do Investimento Operacional em Giro2.2.Definição do Circulante Líquido2.3.Definição do Capital de Giro Próprio2.4.Definição do Saldo em Tesouraria2.5. Fluxo de Caixa1. ESTRUTURAÇÃO DO INVESTIMENTO TOTAL O investimento total para esse empreendimento é deR$ 796.534 (setecentos e noventa e seis mil, quinhentos e trinta e quatro
  10. 10. 10reais) bancado inteiramente com recursos próprios e encontra-seestruturado na seguinte forma : (Ver Planilha 1 em anexo).1.1. Investimentos Fixos:1.1.1.Imobilizações Técnicas Estão nesta planilha relacionados todos os gastos com Móveise Utensílios (Planilha 2); Utensílios Médicos ( Planilha 3); Instalações(Planilha 4); compra de Equipamentos de Informática (Planilha 5); Marcas ePatentes ( Planilha 5) e Sistemas de Software (Planilha 8) essenciais aofuncionamento administrativo e operacional da operadora . Após realizadopesquisa de preço desses Ativos, que compõe o Imobilizados, dentro dosmoldes pré-definidos pelos investidores, os custos ficaram na ordem deR$ 396.960 no primeiro ano, e R$ 80.230, R$ 50.734 para o 2º e 3º anorespectivamente. Na consulta de preço dos software, foi consultada a empresaDatasul, que apresentou resolução e módulo de trabalho envolvendo todosos tramites operacional da operadora. A licença de uso do sistema,considerando a implantação na fase “zero”, isto é, sem os vícios emigrações de sistemas anteriores, fica na ordem de R$ 295.729. Além dalicença de uso haverá custo de manutenção mensal de R$ 2.446 e anual deR$ 2.534.
  11. 11. 111.1.1.1.Descrição do Sistema : Software de Gestão (Planilha 8)a) Finanças SEM 2.0 : O aplicativo disponibiliza os software de contabilidade; contas a pagar; contas a receber; caixa e bancos. Aplicativo de contabilidade: além da forte integração com os aplicativos de estoque, custos, contas a receber, contas a pagar, folha de pagamento, faturamento, patrimônio e caixa e bancos, coloca à disposição uma série de ferramentas para geração de demonstrações financeiras, acompanhamento orçamentário, consolidação de empresas, geração de gráficos e integração com planilhas. Além disso, através de consultas recursivas possibilita rastrear com facilidade, toda e qualquer transação efetuada na empresa ( até o movimento contábil) . Contas a Pagar : O aplicativo de Contas a Pagar proporciona o gerenciamento dos compromissos financeiros, controlando títulos, impostos, antecipações e previsões de pagamento. Permite a geração de relatórios gerenciais agilizando a tomada de decisões. Contas a Receber: O aplicativo, dispõe de recursos para controlar títulos, comissões, antecipações, previsões e notas de débitos/créditos. Contabiliza as informações implementadas no sistema e disponibiliza informações através de consultas e relatórios, colaborando nas decisões de gerência financeira. Caixa e Bancos: O aplicativo administra o fluxo financeiro, controlando as transações e ocorrências entre bancos e a empresa. O Fluxo de Caixa
  12. 12. 12gerencial possibilita uma visão para projetar pagamentos erecebimentos em diversos períodos, bem como fazer simulações defluxo financeiro e gerar gráficos.Tecnologia Integrada: O aplicativo disponibiliza o data Viewer, (DV)que permite a elaboração de relatórios e gráficos, sem a necessidade deconhecimento de programação.Gestão de Plano de Saúde : Os aplicativos, disponibilizados para aestruturação do Plano de saúde, tem como objetivo uma melhor relaçãocusto x benefício. A licença de uso contempla os seguintes aplicativos:Estrutura do Produto – PR : Possibilita uma flexível parametrizaçãodos planos de saúde com a criação de módulos de cobertura, taxas epreços dos planos e procedimentos médicos envolvidos, oferecendo umagrande aderência à realidade atual da empresa.Atendimento ao Cliente – AC : Permite autorização dos procedimentosmédicos solicitados pelos beneficiários, efetuando a verificação docontrole financeiro até a coerência do procedimento realizado.Vendas de Planos –VP: Permite um rápido atendimento aosbeneficiários garantindo satisfação e agilidade do processo de venda.Administra todas as etapas de venda de planos de saúde, desde aconfiguração desejada pelo beneficiário até a emissão da proposta finalque se tornará um contrato.
  13. 13. 13Manutenção Cadastral- MC : O aplicativo, permite o efetivo controledo histórico do beneficiário. Cartões de identificação emitidos,históricos de atividades/inatividade do cliente. Estas características doAplicativo permitem que a informação seja armazenada de formacentralizada e auxilia na minimização de fraudes por cartões utilizadosincorretamente ( furto ou perda).Gerenciamento de Planos- GP: Possibilita ao cliente empresarialadministrar remotamente seu plano de saúde, através da movimentaçãodos seus beneficiários, sem a necessidade de envio ou processamento dedocumentos.Estatísticas de Custo- EC: Permite um melhor planejamentoestratégico baseado em dados históricos, agilizando a tomada dedecisão e visando a redução de custos, tanto operacionais como decontratos de prestadores de serviço. A dimensão do custo pode seranalisada por cliente, tipos de plano , permitindo identificar a existênciade quais são os planos mais lucrativos ou os que possuem um custo muitoalto.Estatísticas de Procedimento – EP : Permite um melhor planejamentoestratégico baseado em dados históricos, permitindo a análisecomportamento da carteira de beneficiários, analisando quais osprocedimentos médicos são mais utilizados.Estatísticas de Vendas – EV: Permite um melhor planejamentoestratégico baseado em dados históricos, é possível verificar a
  14. 14. 14eficiência de determinados planos e também da força de vendas,permitindo a tomada de decisão sobre ações a serem efetuadas parauma melhor resposta ao mercado.Revisão de Contas – RC : Permite administrar e controlar todas astransações efetuadas entre credenciados e beneficiários, avaliandoinsumos, procedimentos autorizados ao credenciamento e aobeneficiário. Esse aplicativo garante a precisão nos pagamentosefetuados aos credenciados pelos procedimentos efetuados. ( PropostaComercial, pag. 58)Faturamento de Plano – FP : Permite a emissão de faturas para osclientes, calculando o valor da fatura através da estrutura de módulo-cobertura, considerando suas características de pré-pagamento (mensalidade) e/ou custo operacional ( procedimentos efetuados) epossibilitando ainda diversas datas de pagamentos para os planos. (Proposta Comercial, pag. 60)Pagamento de Prestadores – PP: Possibilita efetuar o pagamento deacordo com o contrato de cada um. As negociações podem seradministradas individualmente com cada prestador em datasdeterminadas, permitindo grande flexibilidade a empresa paraestabelecer acordos comerciais com os prestadores.Automação de Consultórios – AC : Permite que seja efetuada aconsulta aos dados relativos aos beneficiários, sejam eles financeiros ou
  15. 15. 15procedimentos autorizados, de modo on –line e real time, pela simplesutilização de um cartão magnético.Auditoria Médica – AM : Possibilita realizar uma avaliaçãoindependente e de asssesoramento na administração de planos de saúde,voltada para o exame e adequação, eficiência, economicidade dosprestadores de serviços. O aplicativo possibilitará a verificação daexistência de possíveis fraudes relativas aos materiais, insumos ecustos dos procedimentos efetuados.Assessoria de Implantação e Gerência de Projeto : A Datasul prevê212 horas para a gerência do projeto, como também 1.832 horas deassessores responsáveis na implantação dos aplicativos, totalizando umvalor total de R$ 204.904. Nesta fase será preparado o ambiente detrabalho com a instalação dos produtos DATASUL. Nesta fase, seráapresentada a operadora em SAÚDE o método de trabalho DATASUL ,visando esclarecer as condições básicas para o andamento dostrabalhos, bem como, o comprometimento de todas as pessoasenvolvidas. Posteriormente, será realizada a simulação parcial dosmovimentos, visando análise imediata das funções, definição geral deprocedimentos, treinamento dos usuários e validação inicial dosprocedimentos, tendo como base as metas definidas
  16. 16. 161.1.2. Gastos de Implantações e Pré Operacionais Na fase deverá ser considerado todos as consultorias edispêndios envolvidas na elaboração do projeto, que somam R$ 399.574apresentada abaixo de forma simplificada, e melhor detalhada na Planilha1- Investimentos e Planilha 7A e 7B – Pessoal; Planilha 10- OutrasDespesas Operacionais, constantes em anexo. INVESTIMENTOSDISCRIMINAÇÃO EM R$ MIL1. INVESTIMENTO FIXO 796.5341.1. Imobilizações Técnicas 396.9601.2. Gastos de Implantações e Pré Operacionais 399.5742. CAPITAL DE GIRO LÍQUIDO3. INVESTIMENTO TOTAL 104.4703.1.FONTESRECURSOS PRÓPRIOS 796.5341.2. Mercado Consumidor: Clientela Potencial e Produtos Desenvolvidos De acordo com estudo de mercado realizado, verificou-se queo número de famílias no Estado analisado com renda superior a 3 saláriosmínimos fica na faixa de 146.979, este número multiplicado por 4 (númeromédio de vidas por família) totaliza 587.916 vidas, de acordo com osdados oficiais do IBGE. Como se constata, se retirarmos deste total o número de vidasque já possuem planos de saúde, ficamos com mercado potencial
  17. 17. 17representado por 232.346 vidas que ainda não possuem de planos privadosde saúde. No estudo de viabilidade econômico-financeiro a capacidadeinstalada foi considerado da seguinte forma: para o segundo semestre doano 1, a conquista de 2.5% destas vidas, ou seja, 5.809 vidas; para o ano 2a conquista de mais 5.663 vidas que corresponde a 2.5% do remanescente,totalizando 5.522 vidas/ano; e no ano 3 a conquista de mais 2.5%, ou seja,5.522, perfazendo uma capacidade instalada de 16.994, vidas/ano. Onúmero apurado foi distribuído entre os produtos, considerando asconquistas/ano e o grau de aceitabilidade, conforme dados abaixoextraídos da Planilha 11. Clientela Potencial em anexo.ANO 1 Margem Vidas/ano Produtos/distribuição vidas conquistadasPRODUTO 1 – Plano Ambulatorial I –com Urgência Odontológica 20,00% 1.162PRODUTO 2 – Plano Ambulatorial II – com odontologia total 20,00% 1.162PRODUTO 3 – Plano Básico I e Especial I – com urgência 15,00% 871odontológica Plano Básico II e Especial II – com urgênciaPRODUTO 4- 15,00% 871odontológica ePlano Básico III e Especial III – com odontológiaPRODUTO 5- odontologia preventiva. 15,00% 871totalPRODUTO 6 – Plano Master – com odontológia 15,00% 871 Nicho de Mercado: 2.5% das vidas disponíveis no mercado 2,5% 5.809com renda mensal acima de 3 salários mínimosMédia /mês usuários 968
  18. 18. 18ANO 2 Margem Nr. Vidas Produtos/distribuição vidas conquistadasPRODUTO 1 – Plano Ambulatorial I –com Urgência Odontológica 20,00% 1.133PRODUTO 2 – Plano Ambulatorial II – com odontologia total 20,00% 1.133PRODUTO 3 – Plano Básico I e Especial I – com urgência 15,00% 850odontológica Plano Básico II e Especial II – com urgênciaPRODUTO 4- 15,00% 850odontológica ePlano Básico III e Especial III – com odontológiaPRODUTO 5- odontologia preventiva. 15,00% 850totalPRODUTO 6 – Plano Master – com odontológia 15,00% 850Nicho de Mercado: 2.5% das vidas disponíveis no mercado 2.5 5.663com renda mensal acima de 3 salários mínimosMédia /mês usuários 472ANO 3 Margem Nr. Vidas Produtos/distribuição vidas conquistadasPRODUTO 1 – Plano Ambulatorial I –com Urgência Odontológica 20,00% 1.104PRODUTO 2 – Plano Ambulatorial II – com odontologia total 20,00% 1.104PRODUTO 3 – Plano Básico I e Especial I – com urgência 15,00% 828odontológica Plano Básico II e Especial II – com urgênciaPRODUTO 4- 15,00% 828odontológica ePlano Básico III e Especial III – com odontológiaPRODUTO 5- odontologia preventiva. 15,00% 828totalPRODUTO 6 – Plano Master – com odontológia 15,00% 828Nicho de Mercado: 10% das vidas disponíveis no mercado 10% 5.522com renda mensal acima de 3 salários mínimosMédia /mês usuários 4601.3 – Identificação Dos Produtos. Os PRODUTOS (Planos de Saúde), aqui propostos, foramformatados levando-se em consideração os produtos disponíveis no
  19. 19. 19mercado em análise de assistência à saúde, no que tange às seguintescaracterísticas: Área de abrangência; Coberturas; Carências; Tipo de acomodação e Custeio Com relação à abrangência, das 35 operadoras pesquisadasatuantes no Estado, 22 dispõem de produtos com abrangência nacional (19autogestões e as 3 seguradoras). Três operadoras (2 Medicinas de Grupo, 1Cooperativa) possuem produtos com abrangência nacional ou estadual. Oitodelas têm planos apenas estaduais (3 cartões de desconto, 4 autogestões e1 medicina de grupo). Apenas a Integral Saúde possui produto comabrangência regional (3 estados) e a Bioclínica (cartão de desconto) possuium produto municipal. Quanto às coberturas, 2 operadoras (cartões de desconto)possuem produtos com cobertura apenas ambulatorial, 16, com coberturaambulatorial+ hospitalar e 17, com cobertura ambulatorial + hospitalar +odontológica. Destas últimas, 14 são autogestões e 3 são operadoras namodalidade de medicina de grupo.
  20. 20. 20 As carências dos produtos comercializados no Estado sãopraticamente semelhantes nas diversas modalidades de operadora e estãode acordo com os limites preconizados na Lei 9.656/98 da ANS. Produtos com acomodação coletiva ou individual prevalecem namaioria das operadoras (21). Apenas duas delas oferecem apenas produtoscom acomodação coletiva (autogestões). Todas as operadoras nasmodalidades de medicina de grupo, seguradora ou cooperativa oferecemprodutos com acomodação coletiva ou individual. O custeio dos produtos em grande parte das operadoras éfeito na forma de pré-pagamento, através de contraprestações mensais,com ou sem co-participação pela utilização dos serviços. A co-participaçãoestá presente nos produtos de 22, das 35 operadoras pesquisadas noEstado, das quais 18 são autogestões. Os produtos das seguradoras nãocontemplam co-participação, porém são os mais dispendiosos do mercado.Apenas uma operadora possui produtos com co-participação (Amic).Salientamos que, com aplicação da co-participação no custeio do plano desaúde, é possível formatar produtos mais acessíveis a classes com menorpoder aquisitivo, bem assim a se exercer um controle mais eficiente dasinistralidade. Tomando-se como base as características acima abordadas enorteados pela distribuição da variedade de produtos no mercado, bemassim pela oportunidade que se vislumbra de novos modelos assistenciais é
  21. 21. 21que formatamos, como proposta inicial, 10 produtos a serem oferecidospela operador em SAÚDE, ao mercado de Saúde Suplementar, a saber: PLANO AMBULATORIAL I - Cobertura Ambulatorial + Urgência Odontológica; PLANO AMBULATORIAL II – Cobertura Ambulatorial + Odontologia Total; BÁSICO I – Cobertura Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia + Urgência Odontológica e Acomodação em Quarto Coletivo; ESPECIAL I – Cobertura Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia + Urgência Odontológica e Acomodação em Apartamento; BÁSICO II – Cobertura Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia + Urgência Odontológica + Odontologia Preventiva e Acomodação em Quarto Coletivo; ESPECIAL II – Cobertura Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia + Urgência Odontológica + Odontologia Preventiva e Acomodação em Apartamento; BÁSICO III – Cobertura Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia + Odontologia Total e Acomodação em Quarto Coletivo; ESPECIAL III – Cobertura Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia + Odontologia Total e Acomodação em Apartamento;
  22. 22. 22 BÁSICO MASTER – Cobertura Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia + Odontologia Total e Acomodação em Quarto Coletivo em Rede Hospitalar “CLASSE A”; ESPECIAL MASTER – Cobertura Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia + Odontologia Total e Acomodação em Apartamento em Rede Hospitalar “CLASSE A” A descrição mais detalhada dos referidos produtos, bem comosuas tabelas de preços por faixa etária, encontram-se detalhadas no AnexoI – Produtos , constantes nas Planilhas de 12 a 17.PLANO AMBULATORIAL I AMBULATORIAL COM URGÊNCIAODONTOLÓGICA2. ABRANGÊNCIA: Estadual2. COBERTURAS: Atendimentos de Urgência/Emergência; Consultas eletivas; Exames complementares; Procedimentos clínico/ciruúgicos ambulatorias; Tratamentos seriados.Urgências Odontólogicas
  23. 23. 23OBSERVAÇÃO:COBERTURA FORA DO ESTADO – apenas para os casos de urgência eemergência, que serão pagos sob a forma de reembolso, tendo como limitesos valores das tabelas praticadas.3. CARÊNCIAS: Atendimentos de urgência emergência – 24 horas (inclusive urgência odontológica) Consultas eletivas – 30 dias Exames laboratoriais simples (hemograma, parasitólogico de fezes e sumário de urina) – 30 dias Demais exames, tratamentos seriados e procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais – 180 dias Lesões e doenças pré-existentes- 24 meses4. CUSTEIO DO PLANO:4.1. PRESTAÇÃO MENSAL – Planilha 18- B , em anexo4.2. CO-PARTICIPAÇÃO:4.2.1. Consultas eletivas – R$ 10,00 por cada consulta realizada;4.2.2. Atendimento de urgência, exames, cir. Ambulatoriais e tratamentosseriados - 30% do valor pago aos prestadores.
  24. 24. 24OBS.: Não há co-participação nos atendimentos de urgênciaodontológica.*Urgências Odontológicas: Curativo em caso de hemorragia bucal, curativo em caso de odontalgia aguda/pulpectomia ; imobilização dentária temporária, recimentação da peça protética, tratamento da alveolite, colagem de fragmentos, incisão e drenagem de abcesso extra oral, incisão e drenagem de abcesso intra oral e reimplante de dente avulsionado. PLANO AMBULATORIAL II AMBULATORIAL COM ODONTOLOGIATOTAL2. ABRANGÊNCIA: Estadual2. COBERTURAS: Atendimentos de Urgência/Emergência; Consultas eletivas; Exames Complementares; Procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais; Tratamentos Seriados;
  25. 25. 25 Urgências Odontológicas*; Odontologia Preventiva*;* Demais Procedimentos Odontológicos – vide Rol de Procedimentos odontológicos da ANS.***OBSERVAÇÃO: COBERTURA FORA DO ESTADO – apenas para os casosde urgência/emergência, que serão pagos sob a forma de reembolso, tendocomo limites os valores das tabelas praticadas.3. CARÊNCIAS: Atendimentos de urgência/emergência – 24 horas (inclusive urgência odontológica); Consultas eletivas – 30 dias; Exames laboratoriais simples (hemograma, parasitólógico de fezes e sumário de urina) – 30 dias; Demais exames, tratamentos seriados e procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais – 180 dias; Lesões e doenças pré-existentes- 24 meses.Odontologia Preventiva – 90 diasDemais Procedimentos Odontológicos – 120 dias2. CUSTEIO DO PLANO: 4.1. PRESTAÇÃO MENSAL – Planilha 18 –B , em anexo 4.2. CO-PARTICIPAÇÃO:
  26. 26. 26 4.2.1. Consultas eletivas – R$ 10, 00 por cada consulta realizada; 4.2.2. Atendimentos. De urgência, exames, cirúrgicos ambulatoriais e tratamentos seriados - 30% do valor pago aos prestadores.OBS.: Não há co-participação nos atendimentos odontológicos*Urgências Odontológicas: Curativo em caso de hemorragia bucal, curativo em caso de odontalgia aguda/pulpectomia; imobilização dentária temporária, recimentação da peça protética, tratamento da alveolite, colagem de fragmentos, incisão e drenagem de abcesso extra oral, incisão e drenagem de abcesso intra oral e reimplante de dente avulsionado. **Odontologia Preventiva: Orientação de higiene bucal, evidenciação de placa bacteriana, aplicação tópica profissional de flúor, aplicação de selante, profilaxia – polimento coronário.**Demais Procedimentos Odontológicos: não cobre próteses, aparelhosortodônticos ou implantes.
  27. 27. 27PLANOS BÁSICO I – COBERTURA AMBULATORIAL + HOSPITALARCOM OBSTETRÍCIA+ URGÊNCIA ODONTOLÓGICA E ACOMODAÇÃOEM QUARTO COLETIVO2. ABRANGÊNCIA: Estadual2. COBERTURAS: Atendimentos de Urgência/Emergência; Consultas eletivas; Exames Complementares; Procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais; Tratamentos Seriados; Internações ; PartosUrgências Odontológicas*OBSERVAÇÃO:COBERTURA FORA DO ESTADO – apenas para os casos de urgência eemergência, que serão pagos, sob a forma de reembolso, tendo comolimites os valores das tabelas praticadas.3. CARÊNCIAS: Atendimentos de urgência/emergência – 24 horas (inclusive urgência odontológica);
  28. 28. 28 Consultas eletivas – 30 dias; Exames laboratoriais simples (hemograma, parasitólogico de fezes e sumário de urina) – 30 dias; Demais exames, tratamentos seriados e procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais – 180 dias; Internações – 180 dias; Parto –300 dias; Lesões e doenças pré-existentes- 24 meses.2. CUSTEIO DO PLANO:4.1. PRESTAÇÃO MENSAL – Planilha 18-B4.2. CO-PARTICIPAÇÃO:4.2.1. Consultas eletivas – R$ 10,00 por cada consulta realizada.4.2.2. Atendimento de urgência, exames, cirúrgicos ambulatoriais etratamentos. Seriados - 30% do valor pago aos prestadores;4.2.3. Internações em enfermaria – franquia de R$ 100,00 por internação.4.2.4. Internações em apartamento – franquia de R$ 200,00 porinternação.OBS.: Não há co-participação nos atendimentos de urgência odontológica.*Urgências Odontológicas:
  29. 29. 29 Curativo em caso de hemorragia bucal, curativo em caso de odontalgia aguda/pulpectomia; imobilização dentária temporária, recimentação da peça protética, tratamento da alveolite, colagem de fragmentos, incisão e drenagem de abcesso extra oral, incisão e dreenagem de abcesso intra oral e reimplante de dente avulsionado. PLANOS BÁSICO II e ESPECIAL II PLANO AMBULATORIAL +HOSP. COM OBSTETRÍCIA COM URGÊNCIA ODONTOLÓGICA EODONTOLOGIA PREVENTIVA2. ABRANGÊNCIA: Estadual2. COBERTURAS: Atendimentos de Urgência/Emergência; Consultas eletivas; Exames Complementares; Procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais; Tratamentos Seriados; Internações ; Partos.Urgências Odontológicas*Odontologia Preventiva**OBSERVAÇÃO:
  30. 30. 30COBERTURA FORA DO ESTADO – apenas para os casos deurgência/emergência, que serão pagos sob a forma de reembolso, tendocomo limites os valores das tabelas praticadas.3. CARÊNCIAS: Atendimentos de urgência/emergência – 24 horas (inclusive urgência odontológica) Consultas eletivas – 30 dias; Exames laboratoriais simples (hemograma, glicemia, exame parasitológicos de fezes, e sumário de urina) – 30 dias; Demais exames, tratamentos seriados e procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais – 180 dias; Internações – 180 dias; Parto –300 dias; Lesões e doenças pré -existentes- 24 mesesOdontologia Preventiva – 90 dias2. CUSTEIO DO PLANO:4.1. PRESTAÇÃO MENSAL – TABELA ANEXA4.2. CO-PARTICIPAÇÃO:4.2.1. Consultas eletivas – R$ 10,00 por cada consulta realizada;4.2.2. Atendimento de urgência, exames, cirúgicos ambulatoriais etratamento Seriados - 30% do valor pago aos prestadores;
  31. 31. 314.2.3. Internações em enfermaria – franquia de R$ 100,00 por internação;4.2.4. Internações em apartamento – franquia de R$ 200,00 porinternação;4.2.5. Odontologia preventiva – 30% (R$ 12,00 na implantação e R$ 6,00na manutenção);OBS.: Não há co - participação nos atendimentos de urgência odontológicanem naqueles de odontologia preventiva.*Urgências Odontológicas: Curativo em caso de hemorragia bucal, curativo em caso de odontalgia aguda/pulpectomia; imobilização dentária temporária, recimentação da peça protética, tratamento da alveolite, colagem de fragmentos, incisão e drenagem de abcesso extra oral; incisão e dreenagem de abcesso intra oral e reimplante de dente avulsionado;**Odontologia Preventiva: Orientação de higiene bucal, evidenciação de placa bacteriana, aplicação tópica profissional de flúor, aplicação de selante, profilaxia – polimento coronário.
  32. 32. 32 PLANOS BÁSICO III e ESPECIAL IIIPLANO AMBULATORIAL + HOSP. COM OBSTETRÍCIA EODONTOLOGIA TOTAL2. ABRANGÊNCIA: Estadual2. COBERTURAS: Atendimentos de Urgência/Emergência Consultas eletivas; Exames Complementares; Procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais; Tratamentos Seriados; Internações ; Partos;Urgências Odontológicas*Odontologia Preventiva**Demais Procedimentos Odontológicos – vide Rol de Procedimentosodontológicos da ANS***OBSERVAÇÃO: COBERTURA FORA DO ESTADO – apenas para oscasos de urgência e emergência, que serão pagos sob a forma dereembolso, tendo como limites os valores das tabelas praticadas.3. CARÊNCIAS:
  33. 33. 33 Atendimentos de urgência/emergência – 24 horas (inclusive urgência odontológica); Consultas eletivas – 30 dias; Exames laboratoriais simples (hemograma, glicemia exame parasitólogico de fezes, e sumário de urina) – 30 dias Demais exames, tratamentos seriados e procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais – 180 dias Internações – 180 dias; Parto –300 dias; Lesões e doenças pré -existentes- 24 meses;Odontologia Preventiva – 90 diasDemais Procedimentos Odontológicos – 120 dias4. CUSTEIO DO PLANO:4.1. PRESTAÇÃO MENSAL – Planilha 18-B, em anexo.4.2. CO-PARTICIPAÇÃO:4.2.1. Consultas eletivas – R$ 10, 00 por cada consulta realizada;4.2.2. Atendimento de urgência, exames, cirúrgico ambulatoriais etratamento Seriados - 30% do valor pago aos prestadores;4.2.3. Internações em enfermaria – franquia de R$ 100,00 por internação;
  34. 34. 344.2.4. Internações em apartamento – franquia de R$ 200,00 porinternação;4.2.5. Odontologia preventiva – 30% (R$ 12,00 na implantação e R$ 6,00 namanutenção);4.2.6. Demais procedimentos odontológicos – 30% do valor da tabelaodontológicaOBS.: Não há co-participação nos procedimentos odontológicos.*Urgências Odontológicas: Curativo em caso de hemorragia bucal, curativo em caso de odontalgiaaguda/pulpectomia; imobilização dentária temporária, recimentação da peça protética,tratamento da alveolite, colagem de fragmentos, incisão e drenagem deabcesso extra oral, incisão e drenagem de abcesso intra oral e reimplantede dente avulsionado.**Odontologia Preventiva: Orientação de higiene bucal, evidenciação de placa bacteriana, aplicação tópica profissional de flúor, aplicação de selante, profilaxia – polimento coronário.
  35. 35. 35**Demais Procedimentos Odontológicos: não cobre próteses, aparelhosortodônticos ou implantes.PLANOS BÁSICO MASTER E ESPECIAL : PLANO AMBULATORIAL +HOSPITALAR COM OBSTETRÍCIA E ODONTOLOGIA TOTAL2. ABRANGÊNCIA: Estadual2. COBERTURAS: Atendimentos de Urgência/Emergência; Consultas eletivas; Exames Complementares; Procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais; Tratamentos Seriados; Internações; PartosUrgências Odontológicas*Odontologia Preventiva**Demais Procedimentos Odontológicos – vide Rol de Procedimentosodontológicos da ANS.OBSERVAÇÃO:
  36. 36. 36COBERTURA FORA DO ESTADO – apenas para os casos de urgência eemergência, que serão pagos sob a forma de reembolso, tendo como limitesos valores das tabelas praticadas.3. CARÊNCIAS: Atendimentos de urgência/emergência – 24 horas (inclusive urgência odontológica); consultas eletivas – 30 dias; Exames laboratoriais simples (hemograma, glicemia, exame parasitólogico.de fezes, e sumário de urina) – 30 dias; Demais exames, tratamentos seriados e procedimentos clínico/cirúrgicos ambulatoriais – 180 dias; Internações – 180 dias; Parto –300 dias ; Lesões e doenças pré-existentes- 24 meses; Odontologia Preventiva – 90 dias; Demais Procedimentos Odontológicos – 120 dias;4. CUSTEIO DO PLANO:4.1. PRESTAÇÃO MENSAL – Planilha 18 –B4.2. CO-PARTICIPAÇÃO:4.2.1. Consultas eletivas – R$ 10,,00 por cada consulta realizada;
  37. 37. 374.2.2. Atendimentos de urgência, exames, cir. Ambulatoriais e tratamentos.Seriados - 30% do valor pago aos prestadores;4.2.3. Internações em enfermaria – franquia de R$ 100,00 por internação;4.2.4. Internações em apartamento – franquia de R$ 200,00 porinternação.4.2.5. Odontologia preventiva – 30% (R$ 12,00 na implantação e R$ 6,00 namanutenção);4.2.6. Demais procedimentos odontológicos – 30% do valor da tabelaodontológica;OBS.: Não há co-participação nos procedimentos odontológicos.*Urgências Odontológicas: Curativo em caso de hemorragia bucal, curativo em caso de odontalgia aguda/pulpectomia,; imobilização dentária temporária, recimentação da peça protética, tratamento da alveolite, colagem de fragmentos, incisão e drenagem de abcesso extra oral, incisão e dreenagem de abcesso intra oral e reimplante de dente avulsionado.**Odontologia Preventiva: Orientação de higiene bucal, evidenciação de placa bacteriana, aplicação tópica profissional de flúor, aplicação de selante, profilaxia – polimento coronário.
  38. 38. 38**Demais Procedimentos Odontológicos: não cobrem próteses nemimplantes.O Plano Master dá direito, em caso de internações, à rede hospitalarCLASSE ABASE DE CÁLCULO DE RECEITAS E DESPESAS O custo dos produtos do plano foi apurado a partir da utilização databela THM/AMB_92 com o CH = 0,25. Todo o trabalho posterior foipautado na distribuição do número de vidas extraído da clientela potencial.Com base na capacidade instalada foi possível determinar os receitas comas contraprestações emitidas, as despesas assistenciais ( eventosindenizáveis), as reservas técnicas (garantias financeiras) e todos oscustos variáveis.1.4. Receitas As contraprestações pecuniárias foram apuradas a partir dadeterminação do número de vidas que se pretende conquistar, edistribuídas de acordo com os produtos descritos no item 1.2. MercadoConsumidor: Clientela Potencial e Produtos Desenvolvidos, deste relatório.A receita média ponderada vida/mês foi de R$ 90,88, a receita médiaponderada por usuário /ano foi de: R$ 318,09, no primeiro na; R$ 843.84,no ano 2, e R$ 928.19 no ano 3. (Projeção das Receitas – Planilha 18 emanexo)
  39. 39. 391.5. Garantias Financeiras A Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, porintermédio de Resolução de Diretoria Colegiada – RDC ANS n° 77, de17/07/2001, estabeleceu critérios de operação a serem observadas pelasOperadoras de planos de saúde, com objetivo de assegurar aosconsumidores de planos de saúde, garantia de atendimento quando delaprecisarem. Consistem de modo geral, na obrigatoriedade de constituiçãode garantias financeiras a serem observadas pelas OPS, nos seguintesmoldes: Resolução – RDC nº 77, de 17 de julho de 2001 Dispõe sobre os critérios de constituição de garantias financeiras a serem observados pelas operadoras de Planos de Assistência à Saúde – OPS ................................................................................... “Art. 4º As OPS que iniciaram sua operação em data anterior à vigência desta norma ou que venham a iniciar sua operação em data posterior sujeitar-se-ão, conforme o caso, à constituição das seguintes garantias financeiras, para início e continuidade das
  40. 40. 40 operações, de acordo com o disposto nesta Resolução: l – Capital Mínimo ou Provisão de Operação; ll- Provisão de Risco; lll- Provisão para Eventos Ocorridos e Não- Avisados; lV- Margem de Solvência; V- outras provisões técnicas.”. Nesse sentido , importante avaliar as definições conceituaisde tais indicadores:1.5.1. Capital Mínimo ou Provisão de Operação, calculado a partir damultiplicação de um fator variável K, previsto na Tabela A do Anexo l daResolução em referência, pelo capital de R$ 3.100.000,00 (três milhões ecem mil reais). As OPS com fins lucrativos deverão, a qualquer tempo,manter o Patrimônio Líquido igual ou superior ao Capital Mínimo.1.5.2. Provisão de Risco, constituída, mensalmente, para garantia de suasobrigações contratuais, correspondente ao maior dos valores entre asseguintes hipóteses:I – cinqüenta por cento das contraprestações líquidas emitidas namodalidade pré – pagamento;
  41. 41. 41II - média dos eventos indenizáveis líquidos conhecidos na modalidade pré-pagamento nos últimos doze meses, multiplicando o resultado pelo fator Yda Tabela B do Anexo l da aludida Resolução;1.5.3. Provisão para Eventos Ocorridos e Não-Avisados, constituídasmensalmente, constantes de Nota Técnica Atuarial de Provisões –NTAP,conforme metodologia adotada pelo atuário responsável. Requer aprovaçãoda ANS;1.5.4. Margem de Solvência. Reserva suplementar às provisões técnicas, que a operadoradeverá dispor para suportar oscilações das suas operações, devendo sercorrespondente à suficiência do Ativo Líquido para cobrir montante igualou maior que os seguintes valores:I – zero virgula vinte vezes a média anual do total das contraprestaçõespecuniárias emitidas líquidas nos últimos trinta e seis meses;II – zero virgula trinta e três vezes a média anual do total dos EventosIndenizáveis Líquidos nos últimos sessenta meses.”. No caso específico do estudo de viabilidade econômico-financeira para implantação da Operadora “SAÚDE”, essas garantias ficamassim constituídas:
  42. 42. 42 Capital Mínimo (CM) Representa o investimento inicial da Operadora, no total deR$ 104.470.00 (cento e quatro mil, quatrocentos e setenta reais), calculadode acordo com o mencionado no Art. 5º da supra citada resolução,conforme Planilha 19, em anexo, e descrição e cálculo no Quadro 1 abaixo: QUADRO 1- CAPITAL MÍNIMOSegmento Região de atuação Variável K (*)Medicina de Grupo – SPP 5 3.37%(*) Obtido a partir da Tabela A do Anexo l, da RDC 77CM = R$ 3.100.000,00 x 3.37% = R$ 104.470 Provisão de Risco Provisão contábil registrada na rubrica Provisões Técnicas noPassivo, calculado sobre 50% das contraprestações emitidas líquidas, porrepresentar o maior hipótese entre os valores mencionados no Art. 7º daRDC 77, conforme Planilha 19 em anexo e descrição e cálculo abaixo: QUADRO 2- PROVISÃO DE RISCO ANO Valor médio das Contraprestações emitidas 1 153.974 2 403.358 3 657.230
  43. 43. 43 QUADRO 3 – PROVISÃO PARA EVENTOS OCORRIDOS E Provisão para Eventos Ocorridos e Não-Avisados Como já dito, esta provisão deverá ser definida por intermédio demetodologia atuarial. Entretanto, para efeito deste estudo, e comorientação dos consultores atuarial e de planejamento estratégico, estaprovisão foi calculada conforme Planilha 19 e descrição e cálculo abaixo daseguinte forma: Média mensal das contraprestações emitidas x 61,5% (percentualmédio estimado dos custos sobre a receita) x 1,5 (prazo médio para opagamento)QUADRO 3 – PROVISÃO PARA EVENTOS OCORRIDOS E NÃO -AVISADOSANO CÁLCULO Valor da Prov.Event.Ocor. e Não- Avisados 1 R$ 307.948 x 61,5% x 1,5 284.083 2 R$ 806.716 x 61,5% x 1,5 744.195 3 R$ 1.314.460 x 61,5% x 1,5 1.212.589 Em linhas gerais, essa provisão tem o objetivo de estimar ototal de eventos que já ocorreram, mas que não foram avisados. Deverãoser considerados, na base de cálculo, todos os eventos que já ocorreram,mas que não foram pagos, embora a definição mencione, tão somente, osque não foram avisados.
  44. 44. 44 Margem de Solvência Representa apenas um balizador para medir a solvência daOperadora, não representando provisão contábil ou financeira. Em atençãoa esse indicador a Operadora deve manter o valor do Ativo Líquido nosparâmetros definidos pela ANS ( incisos II e III do art. 2° da supra citadaResolução), cuja previsão é de que o Ativo Líquido seja suficiente parafazer face ao maior resultado entre as médias abaixo apuradas, conformePlanilha 19 em anexo, e descrição do cálculo abaixo: QUADRO 4 – MARGEM DE SOLVÊNCIAANO 0,20 x Média anual das 0,33 x média anual do total contraprestações emitidas dos eventos indenizáveis líquidas nos últimos 36 meses líquidos nos últimos 60 meses Ativo Líquido 1 369.538 180.913 1.153.014 2 1.152.828 937.755 4.005.878 3 1.820.120 1.638.631 8.739.836 Quanto a constituição desta garantias fica evidenciado, apósesclarecimento no Site da ANS link “Perguntas mais freqüentes sobregarantias financeiras RDC No. 77/01” (em anexo), que estas podem serconstituídas com ativos que deverão estar vinculadas à ANS e que nãopoderão ser alienados. Cabe destacar que as normas de vinculação destesativos ainda serão publicadas posteriormente pela ANS.
  45. 45. 451.6. Corretagem A despesa com corretagem corresponde a 100% da primeiraprestação paga pelo usuário, que deverá ser repassada ao corretor após aconfirmação do pagamento, ou seja 30 dias após a emissão dacontraprestação. ( Planilha 20 em anexo)1.7. Custos Assitenciais: No estudo dos custos assistenciais (eventos indenizáveis) foramconsiderados média ponderada das tabelas praticadas no Estado, emconfronto com preços a nível nacional. Para se chegar aos custosassistenciais envolvidos sistematicamente no presente estudo, foramcalculados as médias de utilização considerando os períodos de carênciapor procedimento para a apuração dos prazos médios ponderados: 180 diaspara procedimento cirúrgicos ambulatoriais, tratamentos seriados,obstetrícia e internamentos, e demais procedimentos 30 dias. No primeiroano, para um período de 6 meses, o prazo médio foi de 2,5 meses deutilização para os procedimentos com carência de 30 dias, 3,5 meses paraprocedimentos com carência de 24h, e 1 mês para carência de 90 dias. Aapuração do valor do custo total/ano é obtida a partir da formulação daseguinte equação: prazo médio ponderado multiplicado pelo custo médio porusuário e pela capacidade instalada. Para o segundo ano, os prazos médios ponderados foram de 7,74meses para procedimentos com 30 dias de carência, 4,42 meses paraprocedimento com 180 dias de carência, 8,4 para carência de 24 h e 6,42para carência de 90 dias. Para o terceiro ano esses prazos foram
  46. 46. 46respectivamente de: 9,59, 7,68, 9,96 e 8,84 meses, adotando a mesmametodologia de cálculo apresentada acima. Os quadros abaixo demonstrama apuração dos custos assistenciais/ano: conforme Planilhas 21 e 23 emanexo e descrição e cálculo abaixo:1º ano Número de Usuários: TIPO CUSTO MÉDIO PRAZOS CUSTO CUSTO POR USUARIO MÉDIOS PARÂMETRO TOTAL ANO MÊS PONDERADOS (Considerando carências)consultas 10.00 2,5exames 16.00 2,5internações 12.00 -proc. cirurg. Ambulatoriais 5.40 -Trat. Seriados 2.16 -atend. De emergência 1.80 3,5insumos ambulatoriais 4.28 3,5Odontologia total 12,00 1,5urgência odontologica 1.20 3,5Total dos eventos indenizáveis2º ano Número de Usuários:33.690 TIPO CUSTO PRAZOS CUSTO CUSTO TOTAL MÉDIO POR MÉDIOS PARÂMETRO ANO (Considerando USUARIO PONDERADOS carências) MÊSConsultas 10.00 7,74 336.902 2.608.084Exames 16.00 7,74 539.042 4.172.934Internações 12.00 4,42 404.282 1.787.902Proc. Cirurg. Ambulatoriais 5.40 4,42 181.927 804.556Trat. Seriados 2.16 4,42 72.771 321.822Atend. De emergência 1.80 8,4 60.642 509.186Insumos ambulatoriais 4.28 8,40 144.194 1.210.732Odontologia total 12,00 6,42 202.141 1.298.233Urgência odontologica 1.20 8,40 20.214 169.729Total dos eventos idenizáveis 12.883.179
  47. 47. 47 ANO 3 Número de usuários : 53.555 TIPO CUSTO PRAZOS CUSTO CUSTO TOTAL MÉDIO POR MÉDIOS PARÂMETRO ANO USUARIO PONDERADOS (Considerando MÊS carências)Consultas 10.00 9,59 535.557 5.135.427Exames 16.00 9,59 856,892 8.216.683Internações 12.00 7,68 642.669 4.937.469Proc. Cirurg. Ambulatoriais 5.40 7,68 289.201 2.221.861Trat. Seriados 2.16 7,68 115.680 888.744Atend. De emergência 1.80 9,96 96.400 960.135Insumos ambulatoriais 4.28 9,96 229.219 2.282.987Odontologia total 12,00 8,84 321.335 2.839.559Urgência odontologica 1.20 9,96 32.133 320.045Total dos eventos idenizáveis 27.802.9111.8. Pessoal Os salários e respectivos encargos sociais referem-se à mão-de-obra fixa permanente, discriminado salários por cargo/função,observando a demanda/ano. Os gastos referentes a despesas com pessoal contratadosserá de R$ 325.867 no primeiro ano, R$ 1.210.436 no 2º ano e R$1.506530 no 3º ano, computando os encargos sociais sobre salários, 13ºsalário e férias. Conforme Planilhas 7-B e 22 em anexo .
  48. 48. 48 ANO/QUANT.2. SALÁRIOS (*) Ano 1 Ano 2 Ano 3 TOTALCARGO/FUNÇÃOSuperintendente 1 1 1 1 1GERENCIA ODONTO MÉDICO 1 1 1CONTAS MÉDICAS 1Coordenador 1 1 1 10Auxiliar administrativo 5 10AUDITORIA DE CONTAS 3Médico auditor - Interno 2 3 3Enfermeira aditora - Interna 1 2 3 3Médico auditor externo 1 3 4Enfermeira auditora - exeterno 2 4CREDENCIAMENTO 1Coordenador 1 1 1 3Auxiliar administrativo 2 3GERENCIA OPERACIONAL 1Gerente 1 1 1COMERCIAL 1Coordenador 1 1 1 3Auxiliar administrativo 2 3ATENDIMENTO AO CLIENTE 1Coordenador 1 1 1 6Auxiliar administrativo 5 6
  49. 49. 49SISTEMA DE INFORMÁTICA 1Coordenador 1 1 1 2Supervisor de Sist/Rede 1 2APOIO ADM/FINANCEIRO 1Coordenador 1 1 1 3Assist.adm/finenceiro 2 3 3Auxiliar administrativo 1 3 3 1Secretária 1 1 1 1Aux. De Serv. Gerais 1 1 1TOTAL 13 38 54 541.9. Prestação De Serviços Do Call Center Nos estudos econômico – financeiro estão previstos acontratação tercerizada da Empresa Pronto Call Center, pertencente aoGrupo Rede Bahia, para prestação dos serviços denominada de “CallCenter”. A ferramenta , Call Center, presta serviço de Atendimento aoCliente (SAC), venda de produtos e serviços, cobrança, prospeção (atravésdo gerenciamento de relatórios), pesquisa de mercado, formação eatualização de banco de dados, e outros. Os serviços específicos, a serem oferecidos pela operadorasão concernentes ao suporte de relacionamento com o seu público, deforma a ampliar a sua efetividade e padronizar procedimentos em sua área
  50. 50. 50de abrangência, registrando consultas e exames e prestando informaçõesdiretamente aos seus beneficiários. A Central de Informações, receberá ligações de Associados eCredenciados da operadora para informações diversas, tais como:coberturas e carências de planos, procedimentos periciáveis, orientaçõesno preenchimento de formulários de reembolso, solicitação de autorizaçõesetc.1.9.1.Dimensionamento Do Serviço Estão previstos, a estruturação física, pessoal e tecnológicada Central de Atendimento , na forma a seguir: QUADRO 6 – DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DO CALL CENTERANO Ponto de Atendimento Ponto de Atendimento Recursos Humanos Diurno Noturno Alocados1 2 Posições de 1 Posição de 6 operadoras Atendimentos (PA) Atendimentos (PA) 04 supervisores 01 coordenador2 05 Posições de 1 Posição de 12 operadoras Atendimentos (PA) Atendimentos (PA) 04 supervisores 01 coordenador3 9 Posições de 1 Posição de 18 operadoras Atendimentos (PA) Atendimentos (PA) 04 supervisores 01 coordenador
  51. 51. 51 O serviço deverá ser DDG, através de um número 0800, emvirtude da área geográfica de abrangência da Empresa. O número 0800será de propriedade da operadora, sendo direcionadas as ligações para oPronto Call Center. Isso permitirá a manutenção deste número para esteserviço no futuro, independente de quem e de onde esteja sendo feito oatendimento, além de evitar a bi–tributação da tarifa telefônica. Emoportuno, informamos que a tarifação das ligações recebidas será faturadadiretamente a operadora , (conforme Proposta da Pronto Call Center).1.10. Taxas De Saúde Suplementar Para início das atividades é obrigatório sejam pagos pelaempresa determinadas taxas perante à ANS, face o registro da operadorae dos planos (produtos) a serem comercializados, em atenção aos ditamesnormativos emanados das Resoluções de Diretoria Colegiada ANS nos. 05,06, ambas divulgadas em 22 de Fevereiro de 2001. O estudo de viabilidade mercadológica demonstrou aoportunidade de operacionalização de 6 produtos distintos, assimdistribuídos:a) 2 produtos com cobertura ambulatorial, entre os planos individuais e coletivos (4 atos);b) 4 produtos abrangendo o Básico e o Especial, e todos contemplando osplanos individuais e coletivos (16 atos).
  52. 52. 52 Somam-se 20 atos ao total, a custo de R$ 20.000,00 (vintemil reais), caso sejam registrados todos os produtos apresentados.Adicionando o registro da Operadora, em valor de R$ 2.000,00 (dois milreais), o investimento totaliza R$ 22.000,00 (vinte e dois mil reais),consoante demonstra a Planilha 24 “Taxas de Registro Provisório defuncionamento”, em anexo. A cada trimestre a Operadora deverá pagar à AgênciaNacional de Saúde, Taxa de Saúde Suplementar, correspondente a R$0,50 da média aritmética do número de usuários no último dia do mês, dos3 (três) meses que antecederem ao mês do recolhimento. Será consideradopara cada mês o total de usuários auferidos no último dia útil, devendo serexcluído, para fins de base de cálculo, o total de usuários que completarem60 anos no trimestre considerado. Sobre o valor da taxa incidirão abatimentos que dependerãoda área de abrangência geográfica e cobertura assistencial de cadaproduto, nos seguintes moldes:b) desconto fixo de 15%, face abrangência Estadual;c) desconto de 14%, face o oferecimento de plano assistencial com cobertura Ambulatorial + Odontologia (A+O);d) desconto de 2%, face o oferecimento de plano assistencial com cobertura Ambulatorial + Hospitalar + Obstetrícia + Odontologia (A+H+OB+O)
  53. 53. 53 Vejamos como exemplo, descritivamente, a aplicação dosdescontos concernentes ao Produto 1:Descrição: Plano Ambulatorial com urgência odontológicaDescontos: 15% + 14% = 29%R$ 0,50 X 29% = R$ 0,14R$ 0,50 – R$ 0,14 = R$ 0,36 (VALOR DA TAXA/USUÁRIO COMDESCONTO NO TRIMESTRE) QUADRO 7 – MÉDIA DE USUÁRIO NO TRIMESTREMeses Total de usuários Usuários com idade Total de usuários a = ou > que 60 anos ser considerado (com idade < 60 anos)Junho 387 39 348Julho 774 77 697Agosto 1161 116 1045 Média aritmética = (348 + 697 + 1045)/3 = 697 Cálculo da taxa do trimestre para o Produto I – Ambulatorial I – comodontologia: 697 (média) x R$ 0,36 (valor da taxa com desconto) = R$ 250,92 (Vide Planilha 25 A e 25 B constante no anexo).
  54. 54. 2. ESTRUTURA FINANCEIRA A estrutura financeira está diretamente relacionada a eficiênciada gestão dos recursos, maximizando a rentabilidade e minimizando os custos.Neste contexto a administração de capital de giro revela capacidade daempresa de pagar os seus compromissos pontualmente, assim, essencialmente, aanálise de liquidez das empresas está centrada no estudo detalhado dacomposição e magnitude de seus Ativos e Passivos Circulantes, com base nosdados do balanço reclassificado para análise, conforme o Quadro 8, que deramorigem a quadros subsequentes, denominados de : Planilha 26- Demonstrativodo Investimento Operacional em Giro, Planilha 27 – Demonstrativo do CapitalCirculante Líquido – CCL; Planilha 28 – Demonstrativo do Capital de Giro Próprio-CGP e Tabela 29- Demonstrativo do Saldo em Tesouraria. QUADRO 8- BALANÇO RECLASSIFICADO PARA ANÁLISEAPLICAÇÃO DE RECURSOS ORIGEM DE RECURSOSATIVO CIRCULANTE FINANCEIRO – ACF PASSIVO CIRCULANTE ONEROSO- PCOATIVO CIRCULANTE CÍCLICO- ACC PASSIVO CIRCULANTE CÍCLICO – PCCATIVO NÃO CIRCULANTE –ANC PASSIVO NÃO CIRCULANTE- PNCATIVO TOTAL PASSIVO TOTALFonte: FLEURIET, KEHDY e BLANC, 1980.
  55. 55. 55 O resumo da estrutura patrimonial da operadora, demonstra acombinação dos três elementos que compõem a posição de curto prazo daentidade (CCL,IOG e T). Esses dados, determinam a estrutura financeiraem dado período delineando uma tendência assumida para um horizonte detempo mais dilatado , assim como a situação de liquidez e solvência daentidade em igual momento , mediante a sua evolução no decorrer deexercícios sucessivos, como mostra o Quadro 9QUADRO 9 - Resumo da Estrutura Patrimonial Projetada da operadoraANO IOG CCL CGP TESOURARIA SITUAÇÃO01 -830.630 -587.847 -597.085 242.783 EXCELENTE02 -4.837.821 5.723.860 5.691.723 10.561.680 EXCELENTE03 -10.032.120 19.775.212 19.714.614 29.807.332 EXCELENTE2.1.Investimento Operacional em Giro – IOG Fórmula IOG= ACC- PCC O investimento operacional consiste na avaliação doselementos patrimoniais de natureza operacional, que tendem a se renovarconstantemente em função das operações rotineiras. Tendo como principalfunção medir a performance da empresa quanto ao equacionamento dosusos e fontes de recursos decorrentes da sua própria atividade. Este dadoestá diretamente ligado ao ciclo financeiro quanto ao equacionamento dosprazos de recebimentos e pagamentos. De acordo com os dados da
  56. 56. 56projeção das demonstrações, conforme demonstra o quadro acima, aentidade apresenta IOG negativo nos três, concomitante o saldo emtesouraria foi positivo, revelando a tendência de recursos disponível parainvestimentos em aplicações rentáveis no curto prazo, aplicações estasconciliadas com prazos para pagamentos a rede credenciada. A análise dos três períodos analisados demonstram que o Planode SAÚDE possui uma situação financeira excelente em razão do altonível de liquidez praticada. O IOG negativo (- 830.630; - 4.837.821; -10.032.120), significa que os passivos ciclicos são superiores aos ativosciclicos,, performance econômica que denota a liberação de recursos paraoutras aplicações, pois as fontes de recursos estão sendo financiadasprioritariamente pelas Provisões Técnicas e Débitos de Operações deAssistência à Saúde, conforme demonstra o anexo representado pelo(Planilha 26 – Demonstrativo do Investimento Operacional em Giro).2.2.Capital Circulante Líquido Fórmula CCL = AC- PC Os critérios de avaliação financeira evidenciam que quantomaior for o CCL melhor será a condição de liquidez da empresa. O CapitalCirculante Líquido – CCL tem a função de financiar o InvestimentoOperacional em Giro – IOG . O quadro das variáveis indicam que a empresanão necessita de recursos do Patrimônio Líquido para o giro dos negócios,
  57. 57. 57apresentando-se inclusive negativo, em decorrência do financiamentoLíquido da atividade operacional, mediante as chamadas fontes naturais(Provisões Técnicas e Débitos de Operações de Assistência à Saúde),conforme demonstra o anexo representado pela (Planilha 27 –Demonstrativo do Capital Circulante Líquido – CCL).2.3.Capital de Giro Próprio Fórmula CGP = PL – (AP+RLP) O Capital de Giro Próprio é a parcela do ativo circulante que éfinanciada com recursos próprios, isto é, o que sobra do Patrimônio Líquidoapós o comprometimento dos recursos com o ativo permanente mais orealizável a longo prazo. A análise dos três anos demonstram uma tendência crescenteCapital de Giro Próprio – CGP, evidenciando a existência de recursospróprios no Ativo Circulante do Plano de SAÚDE, conforme a composiçãodos recursos especificados no saldo em tesouraria. ( Planilha 28 –Capital de Giro Próprio – CGP)2.4.Saldo em Tesouraria Fórmula Saldo em Tesouraria= CCL-IOG
  58. 58. 58 A variável T- Tesouraria, também obtida da reclassificação dascontas do Ativo e Passivo Circulantes, indica a folga financeira da empresaquando positiva ou, negativa , a utilização de recursos de terceiros decurto prazo para financiar as atividades, conforme Planilha 29 –Demonstrativo do Saldo em Tesouraria e Tabela 30-B Projeção doFluxo de Caixa. O saldo em tesouraria positivo (ver : Quadro 9 - Resumo daEstrutura Patrimonial da operadora e Planilha 29 ), são constituídas de35,16% ano 1; 37,13% ano 2 ; e 31,77% ano 3, de recursos oriundosda liberação de recursos do investimento operacional em giro – IOG eprioritariamente de 64,84% ano 1; 62,87% ano 2; 68,23% ano 3, dereceitas proveniente do Patrimônio Líquido.MARGEM DE CONSTITUIÇÃO DO SALDO EM TESOURARIAANO IOG Patrimônio Líquido 1 35,16% 64,84% 2 37,13% 62,87% 3 31,77% 68,23%
  59. 59. 59O ESTUDO ECONÔMICO DA OPERADORA DE SAÚDE
  60. 60. 60II- O ESTUDO ECONÔMICO : ANÁLISE MICROECONÔMICA O estudo econômico representa a síntese de todo o trabalhorealizado. Nesta abordagem contêm o conjunto de informações produzidasao longo dos estudos precedentes, conforme Planilha 31, como também serealiza a análise do investimento, apresentando os principais indicadoresde desempenho da operadora de SAÚDE, segundo a escola de desempenhooperacional adotada, projetando-se no tempo até o limite do horizontetemporal de 3 anos. O estudo econômico é estruturado mediante a abordagem dosseguintes aspectos:1. Montagem da estrutura de custos (Planilha 31)2. Demonstração dos Resultados (Planilha 33)3. Análise da rentabilidade econômica – Financeira (Planilhas 35 A e 35 B)1. ESTRUTURA DE CUSTOS Nos custos segundo o enfoque econômico foram consideradostodos os dispêndios materiais e imateriais a serem realizados. Caberessaltar, que a distribuição dos custos está relacionado diretamente coma quantidade de vidas a conquistar no ano 1; ano 2 e ano 3 ( utilização dacapacidade produtiva) da operadora de SAÚDE.
  61. 61. 61 Na Planilha 31- Estrutura de Custos e Despesas, sãodemonstrados os custos fixos1 e os custos variáveis utilizados para ocálculo dos indicadores estáticos .2. Demonstração dos Resultados Na Planilha 33, até o item “Capacidade de Pagamento Líquida”,nada há o que comentar, tendo em vista, que trabalha-se com oDemonstrativo de Resultados clássico. A partir de então, são necessáriosos seguintes esclarecimentos:e) IMPOSTOS (Planilhas 22 e 33) O Governo federal, por meio da Medida Provisória no. 2.158 –35, de 24 de Agosto último alterou a legislação relativa ao PIS/PASEP,Cofins e Imposto de Renda - Pessoa Jurídica. A importância da matéria é que ficou permitido, às operadorasde planos privados de assistência à saúde, deduzir da base de cálculo dascontribuições sociais relativas aos PIS/PASEP, Cofins, devidos a partir de1º De dezembro de 2001, as despesas efetivamente realizadas referentesàs co – responsabilidades cedidas, a parcela das contraprestaçõespecuniárias destinadas à constituição de provisões técnicas e o valorreferente às indenizações correspondentes aos eventos ocorridos,1 Custos Fixos: aqueles que permanecerão constantes, sem variações em uma determinada escala de prestação de serviços de saúdeprivado, e também, espaço de tempo.
  62. 62. 62efetivamente pago, deduzindo das importâncias recebidas a título detransferência de responsabilidade. Essa permissibilidade legal ficouinserida no artigo 2º da citada Medida Provisória no. 2.158-35, que altera oartigo 3º da Lei no. 9.718, de 27 de novembro de 1998. O artigo 83 da mesma medida provisória também estabeleceque, para efeito da apuração do lucro real e da base de cálculo dacontribuição social sobre o lucro líquido, as mesmas operadoras poderãodeduzir o valor das provisões técnicas.2.2.Depreciação Constitui um custo não – caixa no valor total de R$ 30.261 ano1, R$ 60.522 ano 2, e R$ 60.522 ano 3, conforme demonstração da Planilha34 , em anexo. Por não constituírem dispêndios efetivos, são fontes defundos para a empresa. Assim sendo, serão desconsiderados dos custospara o cálculo correto do IR e da contribuição social e retornaram comoadição ao lucro líquido, conforme ilustra a Planilha 33 – Demonstração deResultados).2.3.Amortização Do Diferido A amortização do diferido constante no projeto, constitui umcusto não – caixa no valor total de R$ 226.065. Representa a reposiçãogradativa dos gastos realizados para os gastos de implantação e pré –
  63. 63. 63operação do empreendimento na organização e eventuais; despesas fiscaise de transportes; estudos e projetos; administração do projeto; despesasfinanceiras na execução do projeto e gastos da pré – operação. ( verPlanilha 1 - Investimento). Amortização do Diferido conforme demonstração do cálculoabaixo, são custos não caixa. Por não constituírem dispêndios efetivos, sãofontes de fundos para a empresa. São desconsiderados para o cálculocorreto do IR e da contribuição social e retornaram como adição ao lucrolíquido, calculo no valor R$ 45.213 no ano 1; R$ 90.426 no ano 2 eR$ 90.426 no ano 3. O cálculo da amortização do diferido constante na planilha deCustos e Despesas e no Balanço Patrimonial - Ativo Permanente foi feito deacordo às normas da lei 6.404/76 ( Parágrafo 3 º do ar. 183) queestabelece um prazo máximo de 10 anos para a sua efetivação da data deinício efetivo de operação do empreendimento. Nos projetos trabalha-secom a amortização do diferido em prazos de até 5 anos ( 19,59% a . a). Noprojeto ”SAÚDE” essa rubrica calculou- se da seguinte forma:R$ 226.065 : 30 meses (período de junho/ano 1 a dezembro ano3) =7.535,50 / mêsAmortização no 1º ano = R$ 7.535,50 x 6 = R$ 45.213,00 ( constante naPlanilha 31- Estrutura de custo e despesas : custos administrativos).
  64. 64. 64Saldo do diferido no 1º ano R$ 226.065 - R$ 45.213,00 = 180.852,00( constante Planilha 32 na rubrica do Ativo Permanente).Amortização no 2º ano = R$ 7.535,50 x 12 = R$ 90.426,00 ( constante naPlanilha 31- Estrutura de custo e despesas : custos administrativos).Saldo do diferido no 2 º ano R$ 180.852,00 – 90.426,00 = R$ 90.426,00( constante Planilha 32 na rubrica do Ativo Permanente).Saldo do diferido no 3º ano R$ 7.535,50 X 12 = 90.426,00 ( constante naPlanilha 31- Estrutura de custo e despesas : custos administrativos).Amortização no 2º ano R$ 90.426,00 – 90.426,00 = R$ 0,00 ( constantePlanilha 32 na rubrica do Ativo Permanente).3. ANÁLISE DA RENTABILIDADE ECONÔMICA : INDICADORESESTÁTICOS E DINÂMICOS O exame do empreendimento sob o ponto de vista da iniciativaprivada tem sido realizado com maior ênfase nos projetos convencionais.Nesse sentido, trabalha-se com dois conjuntos distintos de indicadores queentre si se completam. O primeiro conjunto refere-se a indicadoresestáticos. Assim denominados por representarem “cortes” da situação daempresa examinada para um determinado nível em um dado momento. Osegundo conjunto refere-se a indicadores dinâmicos porque tomam como
  65. 65. 65referencial o valor do dinheiro no tempo, medido pelo seu preço ( a taxa dejuros)3.1. Indicadores Estáticos3.1.1.Ponto de Equilíbrio Econômico Fórmula PE= CF X 100 ROL - CV Fórmula PEf= CF RMÉ- CVmé Os percentuais encontrados demonstram, que no primeiro anode funcionamento da operadora de Saúde, quando o mesmo atingir 40,16%da sua capacidade ocupada, correspondente a 4.665 vidas, os custos seigualarão às receitas geradas, permitindo, a partir deste nível de ocupação,a apuração do lucro. Como se constata, nos anos subsequentes, a operadora deSaúde, passará a utilizar margens de 19,86%; e 28,48%, portanto menoselevadas da capacidade instalada inicial. Desta forma, como se observa nosíndices de ponto de equilíbrio econômico , a operadora de SAÚDE , obterálucro sempre que operar em níveis superiores a esses margens definidas no
  66. 66. 66ano 2; 19,86% no ano 2; e 28,48 % no ano 3 da utilização da meta definidana Planilha 11 - Clientela Potencial. Cabe ressaltar, porém, que setrabalhar abaixo destes níveis operacionais estará operando com prejuízo. Para obter lucro, a empresa terá que conquistar um nicho demercado superior ao correspondente de 4.665 vidas no ano 1; 4.385vidas no ano 2 e 5.658 vidas no ano 3, aliado a receitas acima de1.204.487; 4.165.413 e 11.342.867, respectivamente. Ainda nessecontexto, conquistando quantidades inferiores de vida, dar-se-á prejuízo.3.1.2. Ponto de Equilíbrio Caixa (PEcx) Fórmula Pecxf= CF- CNCX RMÉ- CVmé Fórmula Pecx= CF- CNCX X 100 ROL - CV Para operar em condições que possibilitem as entradas decaixa se igualarem às saídas de caixa, a operadora, no ano 01, deveráconquistar, 34,83% das vidas existentes , no mercado Estadual, quecorresponde a 4.046 vidas.
  67. 67. 67 A partir desta meta operacional, acima mencionada, existirásaldo positivo de caixa (saldo de tesouraria), para fazer face aoscompromissos assumidos pela operadora, quando essa disponibilizar da:Quantia mínimaAno 1 - R$ 799.963 (setecentos e noventa e nove mil, novecentos esessenta e três reais);Ano 2 - R$ 2.250.524( dois milhões, duzentos e cinqüenta mil, quinhentose vinte e quatro reais);Ano 3- R$ 7.350.729 ( sete milhões, trezentos e cinqüenta mil, setecentose vinte e nove reais);Quantia máxima ( ver Planilhas 29 de 30B)Ano 1 - R$ 2.296.764 (dois milhões, duzentos e noventa e seis mil,setecentos e sessenta e quatro reais);Ano 2- R$ 11.331.942 ( onze milhões, trezentos e trinta e hum mil,novecentos e quarenta e dois reais);Ano 3- R$ 25.810.145 (vinte e cinco milhões oitocentos e dez mil cento equarenta e cinco reias). Abaixo desse limites, faltará dinheiro para pagar oscompromissos. Cabe ressaltar, que são parâmetros similares que definem a
  68. 68. 68margem de solvência definidas pela ANS ( RDC 77, incisos II e III do art.2º ) Estima-se nos anos subsequentes, que a Operadora venha autilizar percentuais de Ponto de Equilíbrio de Caixa de 17,97% e 27,43%,portanto menos elevados, que possibilitarão as entradas de caixa seigualarem às saídas ( ponto de equilíbrio). Cabe ressaltar que, para disporde saldo positivo em caixa , a operadora deverá ter como metamercadológica mínima - a conquista de potencial clientela correspondente,no 2º ano, a 3.965,83 vidas e, no 3ºano, a 5.448 vidas. Cabe ressaltar,porém, que se trabalhar abaixo destes níveis operacionais, faltarádinheiro oriundos de recursos próprios e de fontes naturais para pagar oscompromissos. O exame do Ponto de Equilíbrio Econômico e de Caixa permiteconstatar que, quanto menores forem os custos fixos, maior será aflexibilidade operacional da empresa em análise. O ponto de equilíbrio é demonstrado, graficamente, nasfiguras 1;2;3 e 4, constantes no Anexo .3.1.3. Índices De Liquidez ( Tabela 36)3.1.3.1.Liquidez Corrente Fórmula Liquidez Corrente= Ativo circulante /Passivo Circulante
  69. 69. 69 Com um índice de liquidez corrente de 2,12%; 2,18% e 2,51,%podemos afirmar que para cada real que o Plano de Saúde deve pagar nocurto prazo, possui 2,12; 2,18; e 2,51 em dinheiro mais bens e direitosrealizáveis no próximo exercício comparado com as suas dívidas a serempagas no mesmo período3.1.3.2.Liquidez Geral Fórmula Liquidez Geral= Ativo Circ.+ Real. a L. Prazo/Passivo Circ.+ Ex. a L. Prazo Os índices de liquidez encontrados de 2,12% no ano 1;2,18% no ano 2 e 2,51 % no ano 3, indicam , o quanto, a operadoradeverá possuir em dinheiro, bens e direitos realizáveis a curto prazo e alongo prazo, para fazer face as suas dívidas totais. Cabe destacar que aliquidez geral é o oposto da imobilização do patrimônio Líquido, no sentidode que quando um deles cresce, o outro decresce. ( ver DemonstrativoContábil).3.1.3.3.Retorno Sobre o Patrimônio Líquido Fórmula RET. S/ PAT. LÍQ.= LUCRO LÍQUIDO/ PAT. LIQ - L. LÍQUIDO Os percentuais previstos em torno de 30,72% no ano 1;279,65% no ano 2 e 141,69% no ano 3, representam o lucro que osproprietários da operadora de SAÚDE obterão em relação aos seusinvestimentos.
  70. 70. 703.1.3.4.Rentabilidade Das Vendas Fórmula LUCRO LÍQUIDO/VENDAS LÍQUIDAS Os percentuais de lucros que a operadora deverá obter em relaçãoao faturamento anual estão previstos em torno de 20,40%; no ano 1;29,5% no ano 2 e 28,% no ano 3 .3.1.3.5.Giro do AtivoFórmula GIRO DO ATIVO = VENDAS LÍQUIDAS/ATIVOS TOTAIS Nos períodos analisados, esse índice estabelece uma relação de38,86% ano 1; 64,5% ano 2; e 52,8% ano 3 entre as vendas efetuadasno período e os investimentos totais da empresa. A interpretação isoladado índice de giro das vendas é no sentido de quanto maior, melhor,indicando o nível de eficiência com que são utilizados os investimentos daProjeto de SAÚDE.3.1.3.6.Retorno Sobre o AtivoFórmula LUCRO LÍQUIDO / ATIVO TOTAL O retorno sobre o investimento total previsto emR$ 2.036.463 permite uma lucratividade da operadora de SAÚDE, emtorno de 14,01% no ano 1; 40,7% ano 2; e 35,1% ano 3,
  71. 71. 71respectivamente, caracterizando-se o lucro como espécie de prêmio pelorisco assumido no empreendimento.3.2. Indicadores Dinâmicos (Tabela 35-A) São ditos dinâmicos, pois nos cálculos são considerados o valordo dinheiro no tempo, onde os preços são expressos pela taxa de juros de19,59% ao ano, num prazo de 3 (três anos). Encontram-se assimdistribuídos:3.2.1. Valor Presente Líquido (VPL) O fluxo de caixa foi projetado para 3 anos, calculado combase numa Taxa Mínima de Atratividade (TMA) de 19,59% ao ano,relativamente ao valor do investimento de R$ 2.036.463 (dois milhões,trinta e seis mil, quatrocentos e sessenta e três reais).Com base nesses dados, identificou-se saldo líquido positivo deR$ 8.482.925 (oito milhões, quatrocentos e oitenta, trezentos e noventa eseis reais), atualizado do fluxo de receitas e do investimento do projeto,que garante a viabilidade econômica - financeira, indicando a realização deganho financeiro, se o fluxo de caixa projetado se realizar conformeprevisto.
  72. 72. 723.2.2.Taxa Interna de Retorno A taxa interna de retorno, indica a que taxa de desconto, ofluxo de caixa paga ( zerando ) o investimento efetuado. Por esta razão asua aplicação deve ser associada a taxa de atratividade do mercado.2 Supondo Taxa Mínima de Atratividade de 19,59% aa., ecomparando a mesma com a Taxa Interna do Projeto, estimada em136,01% aa., o empreendimento é considerado viável, vez que a TaxaInterna de Retorno -TIR supera a Taxa de Mercado. Em oportuno, destacamos que quanto menor for a Taxa Mínimade Atratividade maior será o Valor Presente Líquido, enquanto que , quantomaior for essa taxa menor será o VPL. ( tabela 35-A CoeficientesDinâmicos)3.2.3.Prazo de Retorno de Investimento (“PAY – BACK”) Segundo dados analisados, os recursos a serem investidos noempreendimento, R$ 2.036.463 (dois milhões, trinta e seis mil,quatrocentos e sessenta e três reais), serão totalmente recuperados pelosseus investidores no prazo de 1 ano 4 meses e 25 dias. Dessa forma, serãorecuperados 22,02%% do investimento no ano 1 e o restante no ano 2, querepresenta 77,98% das disponibilidades líquidas para fazer face ao2 A taxa de atratividade do mercado (TAM) constitui o custo de oportunidade do capital. É aquela entreas diversas taxas que estão sendo praticadas pelos investidores no mercado, que oferece a melhorremuneração do capital investido.
  73. 73. 73investimento. (Planilha 1- Investimento Total) ( Planilha 35-A CoeficientesDinâmicos)3.2.4.Taxa Média de Retorno Descontado dos Recursos TotaisInvestidos ( TMD) O coeficiente obtido entre o valor presente líquido (VPL) dasentradas e o valor presente líquido ( VPL) das saídas do investimento aserem realizados pela operadora de SAÚDE, descontada a uma taxa de19,59% aa. Cabe destacar, que para efeito do cálculo desse índice, oinvestimento total não foi descontado por já se encontrarem no valor atual. O cálculo da Taxa Média de Retorno Descontado dos RecursosTotais Investidos ( TMD) , revela que os ganhos produzidos pelo projetosão 13,08 vezes maiores do que os recursos totais aplicados para a suaexecução.III- CONCLUSÃO A partir do exame minucioso de todos os aspectos relevantesque envolverão a implantação da operadora de SAÚDE conclui-se, a luz daanálise dos índices econômicos - financeiros, que o empreendimento de R$2.036.463 (dois milhões, trinta e seis mil, quatrocentos e sessenta e trêsreais), bancado inteiramente com recursos próprios, é viável, desde queimplementado dentro das estimativas de receitas e custos previstos nesteestudo. Dentre os diversos índices analisados, destaca-se o ganho
  74. 74. 74financeiro de R$ 8.482.925 (oito milhões, quatrocentos e oitenta,trezentos e noventa e seis reais) em relação ao investimento a ser feito, euma TIR de 136,01% aa, acima da taxa mínima atratividade escolhida de19,59% ano , demonstrando que o investimento a ser feito apresentarentabilidade superior a taxa média de captação de recursos no mercadofinanceiro, numa expectativa de retorno do empreendimento no prazo de 1ano 4 meses e 25 dias.

×