Revista Digital

164 visualizações

Publicada em

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
164
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Digital

  1. 1. Os filmes brasileiros conseguiram vender 27,5 milhões de ingressos . Confira a continuação da notícia na página 3 Preço: R$ 9,90 Revista Nº 1 Faroeste caboclo Meu passado me condena Confira sobre um grande sucesso de 2013 na página 4 Filme+música=sucesso confira o filme baseado na música de Legião Urbana
  2. 2. Página 4 Página 3 Meu passado me condena Sucesso do Cinema Brasileiro Página 7 Página 6 Minha mãe é uma peça Faroeste Caboclo Página 9 Vai que da certo
  3. 3. APENAS UMA PALAVRA PARA DEFINIR: SUCESSO Este ano foi o ano em que o cinema brasileiro bateu o recorde de estreias, com mais de 120 filmes. O fato é inédito nos últimos 30 anos, segundo o balanço divulgado pela Agência Nacional do Cinema (Ancine). Desde 1986, os lançamentos nacionais do cinemas não chegavam aos três dígitos. Dos dez longas brasileiros mais vistos em 2013, sete são comédias. 'Quem está dando essa resposta é o público brasileiro, que realmente está interessado nesse tipo de filme. As comédias têm atingido níveis incríveis de qualidade técnica e artística, um período maravilhoso repetindo o que já tivemos aqui, de grandes artistas comediantes como Mazzaropi, Oscarito, Grade 'Otelo', compara o produtor Fabiano Gullane,de filmes como 'Até que a sorte nos separe 2' e 'Uma história de amor e fúria'. Para Paulo Boccato, produtor da Glaz Cinema ( de 'Odeio o dia dos namorados' e ' Minhocas'), esse aumento da produção 'é reflexo das possibilidades de financiamento, com o Fundo Setorial do Audiovisual e o constante crescimento da Riofilme'. Boccato diz que produtores já entenderam a importância que os distribuidores comprometidos com os filmes brasileiros têm para o crescimento do mercado. A comédia ajudou a alavancar a participação do filme nacional no market share do país de 10,62%, em 2012, para 18,3% este ano. Os 10 principais filmes desse ano foram: 1º Minha mãe é um peça – R$ 49.533.218 de renda e 4.600.145 espectadores. 2° Meu passado me condena – R$ 32.893.019 de renda e 2.952.113 espectadores. 3° Vai que da certo – R$ 28.990.666 de renga e 2.729.340 espectadores. 4° Somos tão Jovens – R$ 18.253.649 de renda e 1.729.340 espectadores. 5° Faroeste caboclo – R$ 15.559.965 de renda e 1.469.743 espectadores. 6° O concurso – R$ 14.125.214 de renda e 1.320.102 de espectadores. 7° Mato sem cachorro – R$ 11.586.425 de renda e 1.134.551 espectadores. 8° O tempo e o vento – R$ 7.719.893 de renda e 711.267 espectadores. 9° Crô: O filme – R$ 7.056.892 de renda e 641.967 espectadores. 10° Cine Holliúdy – R$ 4.980.954 de renda e 481.203 espectadores.
  4. 4. Meu passado me condena Meu passado me condena conta a história de Fábio ( Fábio Porchat) e Miá ( Miá Mello) um casal apaixonado que assim como todos querem ficar o tempo todo juntos um ao outro. Com uma casamento prematuro a lua de mel é onde tudo pode acontecer. Desde a primeira briga dos dois, descobertas sobre o passado até as suas alergias inusitadas. O filme é baseado em um seriado de Tv do canal Multishow que tem o mesmo nome do filme enquanto que na primeira temporada o ninho do casal é um pousada no filme ela se transforma em um belo e luxuoso navio e que também usam Marcelo Valle e Inez Viana como Wilson e Suzana. Não se teve muito esforço em escolher o nome dos personagens pois continuam os mesmos. O filme foi um dos maiores sucessos do cinema desse ano ficando atrás apenas de ''Minha mãe é uma peça''. Com um elenco incrível e a ambientação perfeita em um cruzeiro de verdade não se podia esperar por menos desta grande comédia. Com um roteiro com muita improvisação por parte dos protagonistas, o filme contou com um pouco de sorte para ser finalizado, segundo sua produtora Mariza Leão toda a história e seu financiamento foram feitos a partir da ideia de se filmar em um navio, que foi disponibilizado por um de seus produtores associados porém, quando eles descobriram que a embarcação não estaria mais disponível correram para empresas do ramo para conseguirem concluir o filme. O filme teve nada mais nada menos que 2.952.113 de espectadores e com uma renda de R$ 32.893.019 de bilheteria foi o segundo maior de 2013.
  5. 5. Filme e música combinação mais que perfeita Desta vez no filme Faroeste de caboclo o objetivo de João não é falar com o presidente diferente da canção de Legião Urbana. Essa opção por um registro menos espetacular do que a letra da famosa música sugeria, é um dos filmes do estreante René Sampaio. João, o sertanejo da cidade de Santo Cristo que no fim dos anos 70 encontra a morte e o amor em Brasília, não tem como dividir com os outros, sua sombria predestinação. É um herói solitário como os bons tipos condenados, e ao tornar mais introspectiva essa jornada, e deixa o filme mais trágico que a música. A opção por seguir um tom abaixo da canção permite com que o espectador perceba alguns fatores que tornam Brasília um luga meio alienante. - a cidade do modernismo de Oscar Niemeyer cuja a exclusão consumia o isolamento de João. A quadra em que mora Maria Lúcia (Ísis Valverde) é um desses lugares, e João consegue com um pouco de malabarismo acabar com a distância que o separa da moça. Mas basta voltar um pouco à Ceilândia cenário setentista ao filmar em Jardim ABC, bairro mais afastado do Plano Piloto, consegue emular bem que nem João nem ninguém pertencem a Brasília. Com muita competência algumas escolhas do diretor potencializam a história de João como a escolha do ator Fabrício Boliviera para interpretar o protagonista como em nenhuma parte da música se fala da etnia e só fala que João sofria preconceito por conta da sua cor seria lógico colocar um ator mulato como herói porém Boliviera é inconfundivelmente negro. E Sampaio não se detêm em enquadrar o ator na contraluz, contra o sol seco do Cerrado brasileiro que em uma vez ou outra transforma o rosto do ator em um borrão na tela.
  6. 6. Dos palcos para a telona o filme de maior sucesso em 2013 Adaptada de uma peça teatral de mesmo nome de grande sucesso em muitos palcos por todo Brasil o filme ''Minha Mãe é um Peça'' tem o diferencial das outras de atingir um público bem mais amplo. Com o ator Paulo Gustavo interpretando a personagem principal Dona Hermínia é uma mãe extremamente protetora, figura que todo mundo conhece de perto ou de longe. Essa familiaridade aproxima a personagem do espectador e não é rompida, mesmo quando se constata que a zombeteira Dona Hermínia tem instintos maternais que atingem as raias da neurose --afinal ela só quer o bem da prole, objeto de seu amor fervoroso. Dona de casa divorciada de meia-idade, Dona Hermínia vive com os filhos Juliano (Rodrigo Pandolfo) e Marcelina (Mariana Xavier). Exagerada e autoritária, ela controla todos os passos dos dois adolescentes até o dia em que se sente ofendida por eles e decide sair de casa sem avisá-los, refugiando-se na casa de uma tia (Suely Franco). Ela chora as mágoas com a tia, rememorando vários episódios da vida familiar, dando à narrativa uma estrutura de flashback. No geral, Minha Mãe é uma Peça o Filme entretém e faz rir, principalmente se para o indivíduo que for assisti-lo o comediante for um sujeito desconhecido. A realização de Pellenz e Gustavo não é muito diferente dos últimos produtos de comédia que ocuparam as salas de cinema brasileiras, como Penetras, E aí Comeu e Agamenon, ainda que este seja muito mais engraçado que os citados.
  7. 7. Vai que da certo deu certo Depois de deixar de ir trabalhar para jogar bola com seus amigos Rodrigo ( Danton Mello) é expulso só que para um homem, o amor verdadeiro são dos amigos. No aperto, Rodrigo e seus amigos falidos (vividos por Fábio Poerchat, Gregório Duvivier e Felipe Abib) decidem aceitar um plano proposto pelo personagem de Lúcio Mauro Filho: um sequestro forjado seguido de uma tentativa de assalto a um carro-forte. O inexplicável do grupo alugar armas de verdade para cometer um sequestro de mentira está na base de todas as reviravoltas do roteiro. Um dos maiores humores do filme é eles não nasceram para roubar ninguém, ou seja, cometem vários erros que levam o público as gargalhadas, o resultado é um filme que chega a ser bobo, quase inocente com momentos cômicos de situações constrangedoras dentro da sua própria história. O filme é bem movimentado então não é toda hora que se cai na gargalhada mas o filme lhe instiga a ficar vidrado na tela com o pensamento '' caramba e agora o que eles vão fazer ?'' isso foi uma aposta boa pois mantém o público vidrado, curioso pelo final do filme. Os clichês de como os personagens masculinos serem muito imaturos quase adolescentes e a minoria feminina madura mentalmente para fazer um contraponto é quase uma autosátira. Enfim não é um filme de você rir 2 horas seguidas e sim rir nos momento em que o filme se acalma e fica um pouco mais parado e depois é seguido de momentos agitados de cenas de ação que te fazem rir as vezes por bobagens que acontecem. O filme conta com um ótimo elenco muito conhecido por causa do canal Porta dos Fundos e de outros filme e séries de humor na TV fechada.

×