Apresentação lógica e criatividade nov 08

1.262 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.262
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Entao: desligar celular, dedicação, participação....
  • extrair algo; Preciso buscar informação com outro para conseguir preencher a tabela. Metáfora da vaca: O que a vaca dá? Expectativa – exEsperar eles responderem....(leite, couro, carne,....) Vcs têm certeza que a vaca dá td isso? Na verdade a vaca não dá nada, o homem que TIRA, que vai atrás do que ele precisa!!! Humildade Estar aberto Sem preconceitos
  • Na Era Industrial Clássica (início no final do século XIX até meados do século XX) as bases para administrar uma empresa prendiam-se com os aspectos prescritivos e normativos. Nesta fase prevaleceram as teorias: Clássica, da Burocracia e das Relações Humanas, sendo que a principal fonte de riqueza é o capital financeiro. A Era Industrial Neoclássica, que decorreu entre 1950-1990, foi um período de transição na área empresarial, notando-se uma maior mudança e flexibilidade, que permitiu uma conquista dos mercados regionais, nacionais e até mesmo internacionais, contudo, esta mudança trouxe alguma instabilidade. Nesta Era, as Teorias   Clássica, da Burocracia e das Relações Humanas foram substituídas respectivamente pelas teorias Neoclássica, Estruturalista e Comportamental. De igual modo, surgem também as Teorias de Sistemas e da Contingência. Tal como aconteceu com as Teorias Clássicas, os conceitos prescritivos e normativos foram substituídos por conceitos descritivos e explicativos. No início da década de 1990, nasce a Era da Informação. Nesta terceira etapa do mundo organizacional é substituído a capital financeiro pelo capital intelectual, ou seja, o conhecimento torna-se o recurso mais importante. O maior impacto desta Era foi a tecnologia da informação (a junção entre os computadores, a televisão e as telecomunicações) que invadiu a vida das organizações e das pessoas, atribuindo à informação novas características: Menor espaço – os registos em papel foram substituídos por arquivos electrónicos, os centros de processamento de dados foram reduzidos e descentralizados através de redes de microcomputadores, e surgiram as salas virtuais, o que levou à redução das despesas e do tamanho de prédios e escritórios. Menor tempo – há uma maior disponibilidade para os clientes devido à maior flexibilidade das comunicações. Maior contacto – através dos recursos multimédia, apesar da distância física as pessoas podem trabalhar em conjunto. Durante esta fase, com a globalização da Informação há também uma globalização da Economia, devendo-se em grande parte ao aparecimento da Internet. Assim, sendo a riqueza desta Era é o conhecimento, quanto mais informação um indivíduo ou organização tiver, mais poderoso(a) será.       :“ 1 . Divisão do trabalho; 2. Hierarquia da autoridade; 3. Regulamentação; 4. Comunicações formalizadas; 5. Impessoalidade; 6. Competência profissional;     ão é muito simples estabelecer uma diferença entra a teoria clássica e a neoclássica. Esta compreende a maioria dos paradigmas clássicos e aprimora outros. Negam de certa forma a teoria do valor dos clássicos, é importante destacar que o erro dos clássicos acerca da teoria do valor permitiu que Marx construísse sua teoria da mais-valia e por extensão a teoria da exploração. Uma vez refutada a teoria do valor-trabalho (estrutura das teorias de Marx), cai por terra todo o edifício teórico erigido por Karl Marx em O Capital. Utilizam pressupostos que asseguram o equilíbrio, não acreditam na luta e diferença entre classes e negam o caráter progressivo do capitalismo. Os neoclássicos negam a teoria clássica do valor-trabalho. Amparados pelas idéias do filósofo inglês Jeremy Bentham (1748-1832), criador do utilitarismo, eles afirmam que o valor de um produto é uma grandeza subjetiva: relaciona-se com a utilidade que ele tem para cada um. Essa utilidade, por sua vez, depende da quantidade do bem de que o indivíduo dispõe. Dessa maneira, o preço das mercadorias e dos serviços passa a ser definido pelo equilíbrio entre a oferta e a procura. Essa lei do mercado, para os neoclássicos, conduz à estabilidade econômica. Os economistas dessa escola acreditam que a quantidade de moeda afeta apenas o nível de preços de uma economia; há uma igualdade em relação à níveis de investimento e poupança (sendo que a poupança determina o investimento), onde a taxa de juros funciona como o preço regulador. Toda a teoria sofre mudanças no decorrer do tempo, aprimoram as já existentes e buscam tornar seus modelos cada vez mais aplicáveis a realidade.
  • No passado predominou um modelo antitético entre emoção-razão como duas entidades competindo pelo controle da mente. Segundo esta visão quando as emoções predominam a lógica desaparece e os pensamentos se tornam irracionais (Greenberg, 2002). De fato as visões mais antigas encaram as emoções como fatores desorganizadores da atividade cognitiva trazendo falta de clareza ao raciocínio. Por muito tempo a psicologia cognitiva adotou um enfoque frio da cognição procurando entender como ocorre o processamento de informação sem prestar muita atenção nos aspectos afetivos (Ledoux, 1996).
  • O cérebro humano é seletivo , abres-se para receber as informações que pertencem aos seus centros de interesse, a bloqueia a entrada daquelas que estão que estão distanciadas dos mesmos. Rejeitamos informações que não tenham real utililidade. Construímos nosso conhecimento usando as informações como unidades morfológicas por volta dos 2 anos, quando entendemos o significado das primeiras palavras e sua utilidade na comunicação. Conhecimento é um tipo de informação com significado, aquela que foi absorvida e que foi capaz de encontrar caminhos, construir utilidade, fabricar beleza. Aprendemos de verdade somente aquilo que pode ser utilizado para transformar nossas vidas para melhor. Estudar para a prova_: virou treinamento, capacitação apenas para responder questões, e não para usar o novo saber com a finalidade transformadora. Jean Piaget- pai do construtivismo, doutrina consagrada na maioria de nossas escolas ocidentais- não podemos transferir conhecimento como fazemos com a informação, mas podemos construí-lo em nós.
  • Howard Gardner (1985) Acredita-se, hoje, que o sistema nervoso seja altamente diferenciado e que diferentes centros neurais processem diferentes tipos de informação ( Gardner, 1987). Finalmente, ele define inteligência como a habilidade para resolver problemas ou criar produtos que sejam significativos em um ou mais ambientes culturais.
  • Se compreendemos o significado de uma informação, podemos transformá-la em conhecimento. Aprendemos que conhecimento é um produto perecível: quando não usado, degrada , quando não aumentado ou reciclado, desvaloriza-se. Conhecimento é algo pessoal, propriedade de quem o possui, e não pode ser transferido com todas as suas características e seus significados de uma pessoa para outra. Quando um professor está dando uma aula, está na verdade passando dados e informações na expectativa de que seus alunos utilizem essa matéria-prima com a finalidade de construírem , eles próprios , seu conhecimento. Além de informações, dois outros elementos são necessários para essa construção: a percepção do significado e a criação de um elo afetivo.
  • Vamos conhecer esse modelo....
  • Qdo desenham a sala – levantar o que estao sentindo? Conforto, realizacao, mesmo tendo problemas eu os conheço, etc. Mostrar o piano – o que tiveram que fazer para ele entrar na sala? Trocar, acrescentar, eliminar, alterar Pque fizeram? Confiança Qual a primeira reacao? Desconforto + Oportunidade Depois de tudo – consigo voltar a sentir conforto, prazer, etc…?
  • Por que as pessoas formam as barreiras?
  • Por que as pessoas formam as barreiras?
  • Fazer o link com a rota para ir ao cliente..... Esta parte a gente geralmente esquece!!!!!!!! Mas isto motiva as pessoas a continuar as mudanças para melhorar o desempenho.
  • Explicar o que significa Paradigma (extrair dos participantes)
  • Do espiríto à matéria....da intuição à concretização. Como é que se forma o arco-íris? A cor branca é formada por uma mistura de cores que podem ser decompostas com o auxílio de certos prismas transparentes - de cristal, por exemplo - formando uma imagem conhecida pelos cientistas como espectro. O espectro é uma faixa de sete listas principais nas cores vermelha, alaranjada, amarela, verde, azul, anil e violeta. O arco-íris é o espectro formado pela luz solar ao atravessar as gotas da chuva, que funcionam como um prisma de cristal.
  • QUANDO A SITUAÇÃO NÃO É ROTINEIRA, CONFIAR DEMAIS NAS INFLUÊNCIAS ASCENDENTES-DESCENDENTES ESTREITARÁ MUITO SEU CONE DE ATENÇÃO, LEVANDO-O A REDUZIR O ESPECTRO DAS PREMISSAS PERCEPTIVAS, O QUE POR SUA VEZ , O IMPEDIRÁ REALMENTE DE RESOLVER O PROBLEMA.
  • Segundo Jung , a energia psíquica se comporta como a energia física num sistema fechado, não pode ser perdida nem criada , apenas transformada. “ Nenhum valor psíquico pode desaparecer sem que seja substituído por outro.
  • A coisa não vem de graça. Você tem talento ...trabalhe!!! Executar, uma coisa puxa a outra. O ÚNICO LUGAR ONDE SUCESSO VEM ANTES DO TRABALHO É NO DICIONÁRIO!!!
  • O QUE É? Detalhando melhor, o resiliente não se abate facilmente, não culpa os outros pelos seus fracassos e tem um humor invejável. Quem não consegue se projetar no futuro dificilmente realiza seus desejos. “ que lhe ensinou a ser livre, positiva e a viver de bem com o mundo. "Nas dificuldades, também reside a oportunidade de crescimento", se nutrir das pequenas vitórias que você conquistou, " A crise é representada, no ideograma chinês, por um símbolo que traduz perigo e oportunidade ao mesmo tempo",
  • ISSO QUER DIZER QUE PODEMOS VER O MESMO OBJETO, OUVIR O MESMO SOM, SABOREAR A MESMA COMIDA E A NOSSA CONSCIÊNCIA DESSAS PERCEPÇÕES PODE MUDAR A CADA VEZ. O meu olhar é nítido como um girassol. Tenho o costume de andar pelas estradas Olhando para a direita e para a esquerda, E de vez em quando olhando para trás… E o que vejo a cada momento É aquilo que nunca antes eu tinha visto, E eu sei dar por isso muito bem… Sei ter o pasmo essencial Que tem uma criança se, ao nascer, Reparasse que nascera deveras… Sinto-me nascido a cada momento Para a eterna novidade do Mundo…Creio no mundo como num malmequer, Porque o vejo. Mas não penso nele Porque pensar é não compreender… O Mundo não se fez para pensarmos nele (Pensar é estar doente dos olhos) Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo… Eu não tenho filosofia; tenho sentidos… Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é, Mas porque a amo, e amo-a por isso Porque quem ama nunca sabe o que ama Nem sabe por que ama, nem o que é amar… Amar é a eterna inocência, E a única inocência não pensar… Alberto Caeiro, em “O Guardador de Rebanhos”, 8-3-1914
  • Apresentação lógica e criatividade nov 08

    1. 1. 
    2. 2. DINÂMICA DE APRESENTAÇÃO E ESQUENTA
    3. 3. REGRAS DE CONVIVÊNCIA• Desligar o celular • Dedicação e Participação• Não sair com dúvidas• Confidencialidade
    4. 4. QUAIS EXPECTATIVAS Verdadeiras contribuições
    5. 5. EVOLUÇÃODO MUNDO
    6. 6. O SÉCULO XX TROUXEGRANDES MUDANÇAS ETRANSFORMAÇÕES QUE INFLUENCIARAM AS ORGANIZAÇÕES E OCOMPORTAMENTO DAS PESSOAS
    7. 7. O tempo de permanência de um profissional hoje numa empresa é muito curto comparado há alguns anos... PORQUE?
    8. 8. GLOBALIZAÇÃODESAFIOS DO TERCEIRO MILÊNIOMudanças cada vez mais velozes e intensas nas pessoas, nos ambientes, nas empresas, no mundo... Tecnologia Informação Conhecimento Serviços Ênfase no Cliente Qualidade Produtividade COMPETITIVIDADE
    9. 9. GLOBALIZAÇÃOO profissional PRECISA inovar e criar estratégias para obter sucesso driblando os concorrentes... “O analfabeto do novo milênio será aquele que não souber aprender, desaprender e reaprender novamente”. Alvin Toffler
    10. 10. GLOBALIZAÇÃOGerou uma GRANDE necessidade de profissionais: Competentes Criativos Aprimoramento constante
    11. 11. GLOBALIZAÇÃOO EMPREENDEDOR precisa executar a regra dos 6 C’s Companhia Concorrentes Canais de vendas Consumidores Custos Contexto
    12. 12. GLOBALIZAÇÃO Qual o perfil ideal HOJE de um profissional? Especialista ou Generalista
    13. 13. PENSAMENTO
    14. 14. O CONCEITO DE INTELIGÊNCIA O CONCEITO MUDOU ATRAVÉS DO TEMPO AMPLIAÇÃO DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA MAXIMIZAR O POTENCIL QUE O CÉREBRO TEM
    15. 15. ENTENDENDO O CÉREBROLÓGICA E RAZÃO EMOÇÃO E INTUIÇÃOVISÃO DA PARTE VISÃO DO TODOCONHECIMENTO SABEDORIACRIATIVIDADE CRIATIVIDADE ARTÍSTICAOPERACIOANAL COOPERAÇÃOCOMPETIÇÃO SENSAÇÕESLINGUAGEM VERBAL ESPIRUTUALIDADEVALOR À MATÉRIA ESPONTANEIDADE
    16. 16. INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS
    17. 17. EXPLICAR CADA UMA DAS INTELIGÊNCIAS
    18. 18. VOCÊ É ÚNICO, COM POTENCIAL ÚNICO
    19. 19. O APRENDIZADOINFORMAÇÃO: matéria primaPERCEPÇÃO DO SIGNIFICADO ELO AFETIVO CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO PRODUTO PERECÍVEL PROPRIEDADE DE QUEM O POSSUI
    20. 20. O APRENDIZADO PERCEBER SIGNIFICA “ APODERAR-SE DE UMA IMAGEM”. “ APRENDER PELOS SENTIDOS. E OS SENTIDOS VARIAM MUITO ENTRE INDIVÍDUOS. TODO PENSAMENTO TENDE A SER PARTE DE UMA CONSCIÊNCIA PESSOAL. O RACÍOCINIO DERIVA DAS EXPERIÊNCIAS E DAS PERCEPÇÕES SOBRE SI MESMO. DENTRO DE CADA CONSCIÊNCIA PESSOAL, O PENSAMENTO ESTÁ SEMPRE SE TRANSFORMANDO.
    21. 21. O PROFISSIONAL CRIATIVO
    22. 22. DEFINIÇÃO
    23. 23. CRIATIVO POTENCIAL INOVA R INOVA R INOVAFERRAMENTA R INOVA FUNDAMENTAL E RINDISPENSÁVEL INOVA REM UM MUNDO INOVA RONDE INOVA A PALAVRA CHAVE RÉ INOVA R
    24. 24. É PRECISO VER SOB TODOS OSASPECTOSENXERGAR TODAS AS POSSIBILIDADES
    25. 25. É PRECISO MUDAR!
    26. 26. Sala dos sonhos
    27. 27. É FÁCIL MUDAR????
    28. 28. RESISTÊNCIA À MUDANÇABarreiras para a Mudança 1. Hábito 2. Segurança 3. Fatores Econômicos 4. Medo do Desconhecido 5. Processamento Seletivo de Informações
    29. 29. PARA VENCER ARESISTÊNCIA A MUDANÇA
    30. 30. A MUDANÇA Para mudar é necessário quebrar PARADÍGMAS!!
    31. 31. “Não julgue ninguém pelo primeiroolhar. Aprofunda tua visão e observe com o coração, pois do contrário, perderá mais uma oportunidade de enxergar o universo novo, e maravilhoso, que existe dentro de cada ser.”
    32. 32. AS LEIS DA CRIATIVIDADE
    33. 33. PROCESSO CRIATIVO  ESPÍRITO ABERTO  SEM MEDO DE ERRAR  CURIOSO
    34. 34. PROCESSO CRIATIVO
    35. 35. PROCESSO CRIATIVO
    36. 36. O PROCESSO CRIATIVOO DESENVOLVIMENTO , A ESCOLHA DISSO OU DAQUILO, O COZIMENTO, DEPENDE DE TODA A SUA HISTÓRIA, TRAJETÓRIA.
    37. 37. O PROCESSO CRIATIVO TRANSFORMAÇÃO DO ORDINÁRIO NO EXTRAORDINARIO! E QUALQUER UM PODE FAZER ISSO. (ANTÔNIO PETICOV)
    38. 38. EXPLORADOR  COLETA INFORMAÇÕES  VISITA CAMPOS DESCONHECIDOS  DESCOBRIR NOVOS PADRÕES  LEVANTAR DIVERSOS TIPOS DE INFORMAÇÕES  AVENTURAR-SE  ABRIR-SE AO MUNDO “ A melhor maneira de ter uma boa idéia é ter um monte de idéias”.“ Procurar idéias é garimpar ouro”.
    39. 39. ARTISTA EXPERIMENTA SEGUE A INTUIÇÃO TRANSFORMA PERGUNTA: E SE...?
    40. 40. GUERREIRO  LEVA A SUA IDÉIA AO MUNDO.  DESENHA PLANO ESTRATÉGICO  DISCIPLINA  FORÇA  CORAGEM
    41. 41. JUIZ AVALIA , PESA CRITICAMENTE OS PRÓS E CONTRAS. PROCURA FALHAS NA IDÉIA E IMAGINA SE O MOMENTO É PROPÍCIO. FAZ ANÁLISE DOS RISCOS, QUESTIONA PRESSUPOSTOS E FORMA UM JUÍZO. TOMA A DECISÃO. AVALIA E DECIDE SOBRE OS DESTINOS DE UMA IDÉIA. O JUIZ PRECISA PENSAR EM DUAS POSSIBILIDADES ENQUANTO ESTÁ AVALIANDO UMA IDÉIA. O QUE HÁ DE ERRADO COM ESTA IDÉIA? E SE NÃO DER CERTO?
    42. 42. PROCESSO CRIATIVO JUIZ
    43. 43. PROCESSO CRIATIVO JUIZ
    44. 44. É A ELABORAÇÃO DE NOVAS CONEXÕES.
    45. 45. AS PRESSÕES DA EXPERIÊNCIARACIONAL  TENDEMOS A VER O MUNDO EM TERMOS DO QUE É NORMAL, PROVÁVEL OU PLAUSÍVEL( E TAMBÉM DO QUE PRECISAMOS E PODEMOS FAZER).  A RAZÃO PELA QUAL AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES SÃO COMO SÃO É UMA SIMPLES QUESTÃO DE FAMILIARIDADE.  ASSIM O SEU CÉREBRO DÁ A MELHOR OPÇÃO, NO PRIMEIRO CASO E NO SEGUNDO CASO. O CÉREBRO NÃO TEM INFORMAÇÃO SUFICIENTE PARA DECIDIR QUAL DAS SUAS INTERPRETAÇÕES É A MAIS ADEQUADA E TENDE A ALTERNAR UMA E OUTRA.
    46. 46. AS PRESSÕES DA EXPERIÊNCIARACIONAL MANTIDAS AS MESMAS CONDIÇÕES, O CÉREBRO PROVAVELMENTE APRESENTARÁ INTERPRETAÇÕES QUE TENHAM SENTIDO NO CONTEXTO. ELE PROCURA O PADRÃO GERAL MAIS ACEITÁVEL EM TERMOS DE EXPERIÊNCIA ACUMULADA E ADAPTA OS DETALHES À SUA INTERPRETAÇÃO. RABO DO TIGRE!
    47. 47. PROCESSAMENTO CEREBRALASCENDENTE DESCENDENTE O CÉREBRO FUNCIONA COMO UM MÉDICO MODALIDADE RÁPIDA E EFICIENTE DESDE QUE NÃO TENHA NENHUMA DOENÇA INCOMUM.
    48. 48. PROCESSAMENTO CEREBRAL
    49. 49. O PERIGO DAS IMPRESSÕES INICIAIS QUANDO DIZEMOS ISSO É...ADOTAMOS UMA ATITUDE EM RELAÇÃO A ESSE OBJETO QUE NOS IMPEDE DE VÊ-LO COMO QUALQUER OUTRO COISA. ENQUANTO QUE SE DISSÉSSEMOS “ ISSO PODERIA SER...” ESTARÍAMOS CONVIDANDO A NÓS MESMOS A PERGUNTAR: BEM...E O QUEMAIS PODERIA SER? PODERIA SER????
    50. 50. EXPERIÊNCIAS DE HAVARD OBJETO DE BORRACHA DESCONHECIDO ESSE É UMA DAS FORMAS POSSÍVEIS DE SEGURAR A RAQUETE VÍDEO SOBRE FÍSICA
    51. 51. SER CRIATIVO É FAZER O MAIOR USO POSSÍVEL DE TODO TIPO DE INFORMAÇÃO DISPONÍVEL: NÃO-VERBAL, INTUITIVA,IMPERCEPTÍVEL, VERBALIZADA E CONCRETA.
    52. 52.  RESOLVER UM PROBLEMA É PERMITIR QUE SUA MENTE CIRCULE CALMAMENTE ENTRE TODOS OS DADOS RECOLHIDOS. VOCÊ DEVE OBSERVAR TANTO QUANTO PROCURAR IMAGENS E PADRÕES.
    53. 53. A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK Estar perto demais para enxergar!
    54. 54. PRAXIS
    55. 55. TRANSFORMANDO AS ADVERSIDADE DA VIDA EM PONTOS POSITIVOS
    56. 56. O meu olhar é nítido como um girassol.Tenho o costume de andar pelas estradasOlhando para a direita e para a esquerda,E de vez em quando olhando para trás…E o que vejo a cada momentoÉ aquilo que nunca antes eu tinha visto... Alberto Caeiro, em “O guardador de rebanhos”
    57. 57. RESILIÊNCIA
    58. 58. Re aça Re programe f ReproduzaRe defina te edesenhe inven RRe Re visu Re imagine al ize

    ×