ND Voluntariado PT15_Maquetación 1 01/12/15 12:34 Página 72
Missão
voluntária
O voluntário ganha sempre mais
do que a pessoa que é ajudada
David Francisco
médico dentista
”Embora só ...
Quais são as principais dificuldades que sente no trabalho
como voluntário?
Talvez a maior dificuldade seja quando não con...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

000-Voluntariado-PT15 maxillaris portugal

80 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
80
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

000-Voluntariado-PT15 maxillaris portugal

  1. 1. ND Voluntariado PT15_Maquetación 1 01/12/15 12:34 Página 72
  2. 2. Missão voluntária O voluntário ganha sempre mais do que a pessoa que é ajudada David Francisco médico dentista ”Embora só tenha concluído a licenciatura em Medicina Dentária em julho do ano passado, David Francisco já soma uma considerável experiência no universo do voluntariado. Iniciou- -se, na infância, em campanhas do Corpo Nacional de Escuteiros e, durante a fase univer- sitária, participou em ações solidárias da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, entre outras iniciativas. A sua mais recente – e marcante – missão tem a chancela da associação Mundo a Sorrir e remonta ao último trimestre de 2014. O jovem médico dentista esteve na Guiné-Bissau a prestar tratamentos dentários para a instituição Casa Emanuel, que abriga um orfanato com mais de 150 crianças. Natural de: Sesimbra. • Idade: 24 anos. Formação: Licenciado (desde julho de 2014) pela Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa. Prática clínica: Três meses de prática na Guiné-Bissau. MAXILLARIS DEZEMBRO 2015 73 ND Voluntariado PT15_Maquetación 1 01/12/15 12:34 Página 73
  3. 3. Quais são as principais dificuldades que sente no trabalho como voluntário? Talvez a maior dificuldade seja quando não conseguimos socorrer toda a gente e nos vemos forçados a optar por quem ajudar. Qual é a principal recompensa desse trabalho? As vantagens são muitas; o voluntário ganha sempre mais do que a pessoa que é ajudada. O que diria para motivar outros colegas de profissão a ade- rirem ao voluntariado? Diria que ser voluntário é ser o que se pode, dar o que se pode, e que não há alturas ideais para começar. Atrai-me o impacto que tem na vida das pessoas e o facto de não ser uma atividade rotineira, devido às diversas especialidades. Esta área profissional foi a sua primeira escolha? Sim, de facto, foi a minha primeira opção. Que apreciação faz da atual conjuntura do setor dentário? Sei que não estamos a viver os melhores dias da profissão, no entanto, há que manter o espírito positivo. Na Medicina Dentária atrai-me o impacto que esta profissão tem na vida das pessoas e o facto de não ser uma atividade rotineira, devido às diversas especialidades Missão voluntária David Francisco guarda “as melhores recordações” das crianças que tratou no orfanato da instituição guineense Casa Emanuel. Como surgiu a sua ligação ao universo do voluntariado? Esta ligação começou desde muito cedo, ao fazer parte do Corpo Nacional de Escuteiros, vulgarmente conhecido como escuteiros, em que participei em diversas atividades, tais como campanhas de angariação de bens alimentares para o Banco Alimentar Contra a Fome. Em que projetos esteve ou está envolvido? O projeto mais recente foi uma experiência de voluntariado na Guiné-Bissau, durante o último trimestre de 2014, ao abrigo da associação Mundo a Sorrir. Antes desta missão, estive envolvido na criação do projeto “Abriga um sorriso”, uma iniciativa dos estu- dantes da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa que consiste na distribuição, uma vez por mês, de escovas e pastas dentífricas aos sem-abrigo da capital. Para além destes, lembro-me ainda do projeto “Missão País” em que participei du- rante três anos. A lista é longa… Que recordações e ensinamentos guarda do período em que este- ve no terreno? As recordações são mesmo muitas; as melhores são, sem dúvida, as que guardo das crianças que tratei no orfanato da instituição Casa Emanuel. Um dos ensinamentos que me ficou na cabeça –ultimamente tenho pensado muito nele – é um provérbio africa- no: “se queres ir rápido vai sozinho, se queres ir longe vai acom- panhado”. Há algum episódio, particularmente marcante, que queira partilhar com os nossos leitores? Recordo especialmente o momento do meu regresso a Portugal. Saí da Guiné-Bissau no passado dia 16 de dezembro, sem data marcada para voltar. Nesse dia, uma criança guineense pediu-me para não me demorar, caso contrário iria perder... a festa de Natal. 74 MAXILLARIS DEZEMBRO 2015 ND Voluntariado PT15_Maquetación 1 01/12/15 12:34 Página 74

×