Revisão de Ergonomia

559 visualizações

Publicada em

Apresentação da aula de revisão de ergonomia (fatores humanos) para o curso de graduação em Design. São tratadas a definição do termo, conceitos de usabilidade, experiência do usuário, antropometria e design universal.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
559
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revisão de Ergonomia

  1. 1. ERGONOMIA
  2. 2. ERGONOMIA ERGONOMIA Ergon [trabalho] + Nomos [normas, regras, leis] Fatores humanos/Human Factors HFE [Human Factors and Ergonomics] FHE [Fatores Humanos e Ergonomia] Definição
  3. 3. ERGONOMIA ERGONOMIA A Ergonomia (ou Fatores Humanos) é uma disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre os seres humanos e outros elementos ou sistemas, e à aplicação de teorias, princípios, dados e métodos a projetos a fim de otimizar o bem estar humano e o desempenho global do sistema. Os ergonomistas contribuem para o planejamento, projeto e a avaliação de tarefas, postos de trabalho, produtos, ambientes e sistemas de modo a torná-los compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas.Definição
  4. 4. ERGONOMIA ERGONOMIA • Disciplina científica • Interações entre os seres humanos e outros elementos ou sistemas • Bem estar humano e o desempenho global do sistema • Necessidades, habilidades e limitações das pessoas Objetivos clássicos • Segurança • Conforto • Eficiência. Definição
  5. 5. ERGONOMIA Questão 1 - ENADE 2012 Por meio do design se desenvolvem projetos para idosos com a observância dos requisitos ergonômicos, que proporcionam uma relação adequada entre usuário, objeto e tarefa a ser executada. PORQUE A ergonomia propõe solucionar problemas relacionados a conforto, saúde, eficiência e adequação às limitações dos usuários, por meio da análise do problema, visando facilitar a compreensão da ação que se deve executar. A respeito dessas asserções, assinale a opção correta. a) As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa da I. b) As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a II não é uma justificativa da I. c) A asserção I é uma proposição verdadeira, e a II é uma proposição falsa. d) A asserção I é uma proposição falsa, e a II é uma proposição verdadeira. e) As asserções I e II são proposições falsas. Definição
  6. 6. ERGONOMIA Questão 1 - ENADE 2012 Por meio do design se desenvolvem projetos para idosos com a observância dos requisitos ergonômicos, que proporcionam uma relação adequada entre usuário, objeto e tarefa a ser executada. PORQUE A ergonomia propõe solucionar problemas relacionados a conforto, saúde, eficiência e adequação às limitações dos usuários, por meio da análise do problema, visando facilitar a compreensão da ação que se deve executar. A respeito dessas asserções, assinale a opção correta. a) As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa da I. b) As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a II não é uma justificativa da I. c) A asserção I é uma proposição verdadeira, e a II é uma proposição falsa. d) A asserção I é uma proposição falsa, e a II é uma proposição verdadeira. e) As asserções I e II são proposições falsas. Definição
  7. 7. História Cognitiva Física Design Universal
  8. 8. HISTÓRIA
  9. 9. PRÉ-HISTÓRIA Primeiras relações homem-objeto/sistema
  10. 10. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Relação homem-máquina problemática
  11. 11. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Relação homem-máquina problemática FREDERICK WINSLOW TAYLOR 1856 – 1915 Engenheiro mecânico Administração científica ou Taylorismo • Instruções sistemáticas e adequadas • Todo trabalho requer estudo • Co-participação entre o capital e o trabalho • Controle, seqüência e um tempo pré- programados
  12. 12. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Relação homem-máquina problemática HENRY FORD 1863 – 1947 Empreendedor Fordismo • Produção de produtos por linha de montagem • Processo de produção em massa • Busca pelo baixo custo
  13. 13. SURGIMENTO OFICIAL II Guerra Mundial
  14. 14. SURGIMENTO OFICIAL II Guerra Mundial ERGONOMIA • Equipes multidisciplinares (médicos, fisioterapeutas, engenheiros, militares). • Solução de problemas na interação homem-sistema. • Ênfase no bem estar do ser humano.
  15. 15. Cognitiva Física Design Universal
  16. 16. ERGONOMIA COGNITIVA
  17. 17. ERGONOMIA COGNITIVA Elementos • Questões de percepção • Teoria da Gestalt • Fatores tipográficos • Estereótipo popular • Conceito de informação • Memória e cognição
  18. 18. ERGONOMIA COGNITIVA Elementos • Questões de percepção • Teoria da Gestalt • Fatores tipográficos • Estereótipo popular • Conceito de informação • Memória e cognição
  19. 19. ERGONOMIA COGNITIVA Estereótipo popular
  20. 20. ERGONOMIA COGNITIVA Informação INFORMAÇÃO “É uma transferência de energia que tenha um significado em uma dada situação”.
  21. 21. ERGONOMIA COGNITIVA Informação
  22. 22. ERGONOMIA COGNITIVA Memória MEMÓRIA • Memória de curta duração • Memória de longa duração
  23. 23. ERGONOMIA COGNITIVA Memória de curta duração MEMÓRIA DE CURTA DURAÇÃO • Baixa capacidade de armazenamento 7±2 itens • Tempo de retenção de poucos segundos • Fortemente fonética
  24. 24. ERGONOMIA COGNITIVA Memória de curta duração MEMÓRIA DE LONGA DURAÇÃO • Capacidade de armazenamento ilimitada • Retenção de muitos anos • Fortemente semântica
  25. 25. Física Design Universal
  26. 26. ERGONOMIA FÍSICA
  27. 27. ERGONOMIA FÍSICA Elementos ERGONOMIA FÍSICA • Projeto • Usabilidade e experiência do usuário • Prototipagem • Avaliação de usabilidade • Antropometria
  28. 28. ERGONOMIA FÍSICA Projeto Tarefa ContextoUsuário
  29. 29. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência do usuário USABILIDADE Medida em que um sistema, produto ou serviço pode ser usado por usuários específicos para se atingir objetivos específicos com eficácia, eficiência e satisfação em um determinado contexto de uso. ISO 9241-210-2011
  30. 30. EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO Percepções e respostas das pessoas, resultantes do uso e/ou uso antecipado de um produto, sistema ou serviço. ISO 9241-210-2011 ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência do usuário
  31. 31. EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO NOTA 1 - A experiência do usuário inclui todas as emoções, crenças, preferências, percepções, respostas físicas e psicológicas, comportamentos e realizações do usuário que ocorrem antes, durante e depois do uso. ISO 9241-210-2011 ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência do usuário
  32. 32. EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO NOTA 2 - A experiência do usuário é uma consequência da imagem da marca, da apresentação, da funcionalidade, do desempenho do sistema, do comportamento interativo e das capacidades assistivas do sistema interativo, dos estados interno e físico do usuário, resultantes de experiências anteriores, atitudes, habilidades e personalidade, e do contexto de uso. ISO 9241-210-2011
  33. 33. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO NOTA 3 - A usabilidade, quando interpretada a partir da perspectiva dos objetivos pessoais do usuário, pode incluir o tipo de aspectos perceptivos e emocionais tipicamente associados à experiência do usuário. Os critérios de usabilidade podem ser usados para avaliar aspectos da experiência do usuário. ISO 9241-210-2011
  34. 34. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso QUESTÃO ENADE A usabilidade (usability) de um produto significa facilidade e comodidade no uso desse produto. A usabilidade não depende apenas das características do produto. Depende também do usuário, dos objetivos pretendidos, das características operacionais e do ambiente no qual o produto é utilizado. A partir do texto acima, analise as asserções a seguir. Os produtos que possuem boa usabilidade são mais eficientes, além de reduzirem os erros e acidentes envolvendo os usuários, porque esses produtos usam componentes de boa qualidade, fornecidos por empresas com certificação ISO 9000 e que atendem às normas da ABNT.
  35. 35. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso QUESTÃO ENADE a) As duas asserções são proposições verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira. b) As duas asserções são proposições verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira. c) A primeira asserção é uma proposição verdadeira, e a segunda é uma proposição falsa. d) A primeira asserção é uma proposição falsa, e a segunda é uma proposição verdadeira. e) Tanto a primeira como a segunda asserções são proposições falsas.
  36. 36. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso QUESTÃO ENADE a) As duas asserções são proposições verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira. b) As duas asserções são proposições verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira. c) A primeira asserção é uma proposição verdadeira, e a segunda é uma proposição falsa. d) A primeira asserção é uma proposição falsa, e a segunda é uma proposição verdadeira. e) Tanto a primeira como a segunda asserções são proposições falsas.
  37. 37. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso AVALIAÇÃO POR ESPECIALISTA É realizada por um especialista na área onde se procura identificar situações que podem ser problemáticas para os usuários. Essas avaliações são geralmente realizadas tendo como base conhecidas recomendações da área.
  38. 38. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso TESTE DE USABILIDADE São testes aplicados com usuários reais. Eles podem ser aplicados com protótipos ou em versões finais dos sistemas. Geralmente são aplicados para: • Detecção de problemas • Comparação entre objetivos quantitativos (métricas de sucesso). • Comparação de produtos
  39. 39. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso AVALIAÇÃO DE EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO São ferramentas utilizadas para avaliar diferentes aspectos da experiência dos usuários.
  40. 40. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso Emocards
  41. 41. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso Diferencial semântico
  42. 42. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso Diários de uso
  43. 43. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso Observação
  44. 44. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso Entrevistas
  45. 45. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso Clipes de uso
  46. 46. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso Círculo de emoção Geneva
  47. 47. ERGONOMIA FÍSICA Prototipagem PROTOTIPAGEM São versões incompletas que permitem um feedback antecipado de uma hipóteses de projeto (todo protótipo é uma pergunta), insights e comunicar ideias com as partes interessadas.
  48. 48. ERGONOMIA FÍSICA Prototipagem
  49. 49. ERGONOMIA FÍSICA Prototipagem
  50. 50. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso QUESTÃO ENADE Um fabricante de máquinas para devolução de latas de bebida de alumínio convidou pesquisadores de duas universidades para desenvolver um novo tipo de máquina, com ênfase na usabilidade. Foram definidas duas alternativas – manual e automática. Para identificar qual das duas alternativas propicia usabilidade mais adequada, um designer recomenda: a) A construção de modelos em escala reduzida. b) A realização de entrevistas com especialistas, designers e empresários. c) A utilização de modelos rústicos com usuários reais. d) O desenvolvimento de softwares que realizem as atividades automáticas. e) O uso de mock-ups virtuais e testes de realidade virtual.
  51. 51. ERGONOMIA FÍSICA Usabilidade e experiência de uso QUESTÃO ENADE Um fabricante de máquinas para devolução de latas de bebida de alumínio convidou pesquisadores de duas universidades para desenvolver um novo tipo de máquina, com ênfase na usabilidade. Foram definidas duas alternativas – manual e automática. Para identificar qual das duas alternativas propicia usabilidade mais adequada, um designer recomenda: a) A construção de modelos em escala reduzida. b) A realização de entrevistas com especialistas, designers e empresários. c) A utilização de modelos rústicos com usuários reais. d) O desenvolvimento de softwares que realizem as atividades automáticas. e) O uso de mock-ups virtuais e testes de realidade virtual.
  52. 52. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria ANTROPOMETRIA Antropometria (do grego anthropos, "homem", e metron, "medida") é o conjunto de técnicas utilizadas para medir o corpo humano ou suas partes.
  53. 53. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria
  54. 54. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria
  55. 55. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria
  56. 56. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria Adaptado ao indivíduo
  57. 57. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria Regulável
  58. 58. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria
  59. 59. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria Pela média
  60. 60. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria
  61. 61. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria Por faixas
  62. 62. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria
  63. 63. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria Pela extrema
  64. 64. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria
  65. 65. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria QUESTÃO ENADE De acordo com dados do Ministério da Saúde, quase 50% da população brasileira está acima do peso considerado ideal. Segundo a pesquisa, a proporção de pessoas acima do peso no Brasil avançou de 42,7%, em 2006, para 48,5%, em 2011, e o percentual de obesos subiu de 11,4% para 15,8% no mesmo período. Diante desse panorama nacional e com objetivo de atingir a maior quantidade possível de usuários, é adequado um designer desenvolver produtos:
  66. 66. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria QUESTÃO ENADE a) Que possibilitem ajustes com base no valor médio da tabela antropométrica. b) Que possibilitem ajustes com base nos valores mínimos da tabela antropométrica. c) Específicos para obesos, devido à impossibilidade de adequar um produto aos vários percentis da tabela antropométrica. d) Específicos para os indivíduos que se situam na média antropométrica dos EUA, devido ao grande índice de obesidade registrado naquele país. e) Que possibilitem ajustes para facilitar o uso por todos os indivíduos que se situam nos diversos percentis da tabela antropométrica.
  67. 67. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria QUESTÃO ENADE a) Que possibilitem ajustes com base no valor médio da tabela antropométrica. b) Que possibilitem ajustes com base nos valores mínimos da tabela antropométrica. c) Específicos para obesos, devido à impossibilidade de adequar um produto aos vários percentis da tabela antropométrica. d) Específicos para os indivíduos que se situam na média antropométrica dos EUA, devido ao grande índice de obesidade registrado naquele país. e) Que possibilitem ajustes para facilitar o uso por todos os indivíduos que se situam nos diversos percentis da tabela antropométrica.
  68. 68. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria QUESTÃO ENADE I. Um projeto ergonômico deve privilegiar as habilidades e limitações do homem médio. PORQUE II. Os estudos dos percentis extremos determinam parâmetros mais precisos de qualidade e uso.
  69. 69. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria QUESTÃO ENADE A respeito dessas afirmativas é correto afirmar: a) A primeira afirmativa é verdadeira, e a segunda é falsa. b) As duas afirmativas são falsas. c) As duas afirmativas são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira. d) A primeira afirmativa é falsa, e a segunda verdadeira. e) As duas afirmativas são verdadeiras, e a segunda não justifica a primeira.
  70. 70. ERGONOMIA FÍSICA Antropometria QUESTÃO ENADE A respeito dessas afirmativas é correto afirmar: a) A primeira afirmativa é verdadeira, e a segunda é falsa. b) As duas afirmativas são falsas. c) As duas afirmativas são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira. d) A primeira afirmativa é falsa, e a segunda verdadeira. e) As duas afirmativas são verdadeiras, e a segunda não justifica a primeira.
  71. 71. Design Universal
  72. 72. DESIGN UNIVERSAL
  73. 73. DESIGN UNIVERSAL Definição DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 IX - desenho universal: concepção de espaços, artefatos e produtos que visam atender simultaneamente todas as pessoas, com diferentes características antropométricas e sensoriais, de forma autônoma, segura e confortável, constituindo-se nos elementos ou soluções que compõem a acessibilidade.
  74. 74. DESIGN UNIVERSAL Definição
  75. 75. 20 20 26 28 30 35 45 67 0 10 20 30 40 50 60 70 80 Paleolítico Neolítico Era do Bronze Grécia e Roma Mais e Incas Idade média Século XX 2010
  76. 76. DESIGN UNIVERSAL Princípios PRINCÍPIOS • Movimento amplo e acessibilidade • Tecnologias assistivas e adaptativas • Estética
  77. 77. DESIGN UNIVERSAL Princípios USO EQUITATIVO São espaços, objetos e produtos que podem ser utilizados por pessoas com diferentes capacidades, tornando os ambientes iguais para todos.
  78. 78. DESIGN UNIVERSAL Princípios USO ADAPTÁVEL Design de produtos ou espaços que atendem pessoas com diferentes habilidades e diversas preferências, sendo adaptáveis para qualquer uso.
  79. 79. DESIGN UNIVERSAL Princípios USO SIMPLES E INTUITIVO De fácil entendimento para que uma pessoa possa compreender, independente de sua experiência, conhecimento, habilidades de linguagem, ou nível de concentração.
  80. 80. DESIGN UNIVERSAL Princípios INFORMAÇÃO DE FÁCIL PERCEPÇÃO Quando a informação necessária é transmitida de forma a atender as necessidades do receptador, seja ela uma pessoa estrangeira, com dificuldade de visão ou audição.
  81. 81. DESIGN UNIVERSAL Princípios TOLERANTE AO ERRO Previsto para minimizar os riscos e possíveis consequências de ações acidentais ou não intencionais.
  82. 82. DESIGN UNIVERSAL Princípios BAIXO ESFORÇO FÍSICO Para ser usado eficientemente, com conforto e com o mínimo de fadiga.
  83. 83. DESIGN UNIVERSAL Princípios DIMENSÃO E ESPAÇO PARA APROXIMAÇÃO E USO Estabelece dimensões e espaços apropriados para o acesso, o alcance, a manipulação e o uso, independentemente do tamanho do corpo, da postura ou mobilidade do usuário (pessoas em cadeira de rodas, bengalas etc.).

×