SlideShare uma empresa Scribd logo
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E
ESCOPO DE PRÁTICA
Oficina 43: Formação, Exercício e Mercado de Trabalho de Especialidades
em Saúde no Brasil: Perspectivas de Estudos Colaborativos.
Salvador, BA - 19 de Novembro de 2022
Jackson Freire Araujo
Ana Cristina van Stralen
2
Fonte: EPSM/Nescon/FM/UFMG a partir da RAIS/MTP. *Valor estimado a partir da proporção de pessoal de saúde e não saúde nas Atividades de Atenção à Saúde Humana.
Segmentos do macrossetor Saúde
Brasil Região Norte
n % n % % BR
I - Serviços de Saúde 4.634.843 67,9 326.999 77,3 7,1
Atividades de Atenção à Saúde Humana 2.297.800 33,6 95.757 22,7 4,2
At. de Atenção à Saúde Integradas com Assist. Social 132.081 1,9 1.405 0,3 1,1
Administração Pública, Defesa e Seguridade Social* 2.089.014 30,6 225.250 53,3 10,8
Atividades de manutenção do físico corporal 96.520 1,4 3.775 0,9 3,9
Atividades veterinárias 19.428 0,3 812 0,2 4,2
II - Atividades industriais de produção de insumos 174.230 2,6 2.164 0,5 1,2
III - Atividades de comercialização de produtos 733.995 10,8 40.498 9,6 5,5
IV - Atividades de financiamento 118.429 1,7 3.541 0,8 3,0
V - Atividades de saneamento 323.404 4,7 14.691 3,5 4,5
VI - Profissionais de saúde em atividades de Ensino, P&D 138.881 2,0 4.992 1,2 3,6
VII - Profissionais de saúde em outras atividades 706.052 10,3 29.900 7,1 4,2
Total do Macrossetor saúde 6.829.834 100 422.785 100 6,2
Total da Economia 46.236.176 2.642.126 5,7
% Macrossetor saúde 14,8 16,0
Vínculos formais de emprego por segmentos do macrossetor saúde. Brasil e Região Norte,
2020.
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados dos Conselhos dos profissionais, do CNES/MS, e da RAIS/MTP. 1
Nº de profissionais ativos nos respectivos conselhos profissionais em 2021. 2
Dados do
CNES/MS dez./2021. 3
Dados da RAIS/MTP de 2020. 4
Total de vínculos formais relacionados a CNAE de Atividades de Atenção à Saúde Humana.
Indicadores gerais de dimensionamento da força de trabalho para o total de trabalhadores da
saúde, e por profissão analisada. Brasil, 2020 – 2021.
Dados Méd. Enf. CD Fisio. Farm. Psic.
Total trab.
saúde
Nº de profissionais ativos nos Conselhos Profissionais 1
584.905 637.435 362.922 265.094 260.473 418.398 -
Nº de profissionais em estabelecimentos de saúde 2
434.035 333.135 143.236 101.830 72.004 80.092 3.689.484
% Profissionais que trabalham em Serviços de Saúde 74,2 52,3 39,5 38,4 27,6 19,1 -
Nº de Vínculos em Estabelecimentos de Saúde 1.323.965 419.317 205.724 138.206 92.089 99.088 5.065.087
Razão de vínculos por indivíduo 3,1 1,3 1,4 1,4 1,3 1,2 1,4
Razão de profissionais em ETI por mil habitantes 2,2 1,7 0,6 0,4 0,3 0,3 17,2
% Profissionais em ETI SUS 71,2 85,2 50,4 67,1 66,7 58,6 79,9
% Profissionais em ETI APS 16,6 22,8 34,2 9,4 10,8 14,8 24,7
Nº de vínculos formais de emprego 3
261.253 353.864 60.474 68.453 150.741 64.035 2.297.800 4
% de empregos formais ocupados por mulheres 48,7 84,6 62,4 76,9 72 85,4 76,4
% de empregos na Adm. Pública direta 72,6 42,1 81,4 36,1 17,8 61,4
4
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados dos Conselhos dos profissionais, do CNES/MS, e da RAIS/MTP. 1
Nº de profissionais ativos nos respectivos conselhos profissionais em 2021. 2
Dados do
CNES/MS dez./2021. 3
Dados da RAIS/MTP de 2020. 4
Total de vínculos formais relacionados a CNAE de Atividades de Atenção à Saúde Humana.
Indicadores gerais de dimensionamento da força de trabalho, para o total de trabalhadores da
saúde, e por profissão analisada. Região Norte, 2020 – 2021.
Dados Méd. Enf. CD Fisio. Farm. Psic. Total trab.
saúde
Nº de profissionais ativos nos Conselhos Profissionais 1
26.881 49.125 21.186 11.680 15.656 18.427 -
Nº de profissionais em estabelecimentos de saúde 2
21.982 24.444 8.703 5.638 5.546 3.656 280.679
% Profissionais que trabalham em Serviços de Saúde 81,8 49,8 41,1 48,3 35,4 19,8 -
Nº de Vínculos em Estabelecimentos de Saúde 54.062 30.136 11.618 7.539 7.401 4.468 342.753
Razão de vínculos por indivíduo 2,5 1,2 1,3 1,3 1,3 1,2 1,2
Razão de profissionais em ETI por mil habitantes 1,4 1,4 0,4 0,3 0,3 0,2 14,8
% Profissionais em ETI SUS 84,8 94,8 64,4 79 76 77,4 90,1
% Profissionais em ETI APS 20,6 27,8 41 11 11,1 19,5 32,6
Nº de vínculos formais de emprego 3
12.890 21.411 3.491 3.357 9.755 3.296 95.757 4
% de empregos formais ocupados por mulheres 47,8 81,2 60,3 70,4 67,6 83,4 72,5
% de empregos na Adm. Pública direta 90,8 62,3 88,9 52,4 30,8 76,1
5
Psic.
Farm.
Fisio.
CD
Enf.
Méd.
0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%
19,1
27,6
38,4
39,5
52,3
74,2
80,9
72,4
61,6
60,5
47,7
25,8
% registrados no CNES % não registrados no CNES
Fonte: EPSM/Nescon/FM/UFMG a partir do CNES/MS.
Distribuição percentual do nº de profissionais ativos nos conselhos segundo situação no CNES.
Brasil, 2021.
6
Psic.
Farm.
Fisio.
CD
Enf.
Méd.
0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%
18,9
26,1
38,0
38,8
49,5
71,4
0,3
1,6
0,4
0,6
2,7
2,8
80,9
72,4
61,6
60,5
47,7
25,8
% Assistência/Vigilância % Gestão % Não registrados no CNES
Distribuição percentual do nº de profissionais ativos nos conselhos segundo tipo de atividade.
Brasil, 2021.
Fonte: EPSM/Nescon/FM/UFMG a partir do CNES/MS.
7
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de
2021. *Serviço de apoio diagnóstico; **Serviço de apoio terapêutico
Distribuição (%) dos profissionais por grupos de atividades nos tipos de serviços e
classificação dos estabelecimentos assistenciais. Brasil, dezembro de 2021.
Distribuição (%) dos profissionais, por grupos de atividades nos tipos de serviços e
classificação dos estabelecimentos assistenciais. Brasil, dezembro de 2021.
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de
2021. *Serviço de apoio diagnóstico; **Serviço de apoio terapêutico
9
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021. *Serviço de
apoio diagnóstico; **Serviço de apoio terapêutico
Distribuição (%) dos profissionais, por grupos de atividades nos tipos de serviços e classificação
dos estabelecimentos assistenciais. Região Norte, dezembro de 2021.
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados
do CNES/MS de dezembro de 2021. *Serviço de apoio
diagnóstico; **Serviço de apoio terapêutico
Distribuição (%) dos profissionais, por grupos de atividades nos tipos de serviços e
classificação dos estabelecimentos assistenciais. Região Norte, dezembro de 2021.
11
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021, e RAIS/MTP de 2020.
Natureza Jurídica
CNES 2021 RAIS 2020
BR
Região
Norte
BR
Região
Norte
Públicos 519.984 35.113 189.589 11.707
% públicos 39,3 64,9 72,6 90,8
Privados Lucrativos 425.908 13.617 16.740 627
% privados 32,2 25,2 6,4 4,9
Privados Não Lucrativos 378.073 5.332 54.924 556
% não lucrativos 28,6 9,9 21,0 4,3
Total 1.323.965 54.062 261.253 12.890
Número e Percentual de vínculos médicos, por natureza jurídica no CNES 2021 e RAIS 2020.
Brasil e Região Norte.
12
Tipo de
vinculação
Total Vínculos Total Vínc. de Médicos
BR Norte BR Norte
N % N % N % N %
Total 5.065.073 100 342.752 100 1.323.964 100 54.062 100
Direto 4.274.349 84,4 320.401 93,5 1.054.489 79,6 42.985 79,5
Intermediado 749.909 14,8 19.656 5,7 253.702 19,2 9.914 18,3
Outros* 40.815 0,8 2.695 0,8 15.773 1,2 1.163 2,2
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021.
Distribuição (%) e (N) do total de vínculos e de vínculos médicos para Brasil e Região Norte,
por tipo de contrato se direto ou intermediado.
13
Distribuição (%) dos vínculos para o total de trabalhadores em estabelecimentos de saúde e para
médicos, por vínculo empregatício, autônomo, e Bolsistas, Residentes, Estagiários. Brasil e Região
Norte, dezembro de 2021..
33,6
63,4
2,2
BRASIL
VINCULOS MÉDICOS
53,5
41,2
3,4
REGIÃO NORTE
VINCULOS MÉDICOS
74,0
23,6
2,0BRASIL
88,5
9,7
1,3
REGIÃO NORTE
Total de
trabalhadores em
estabelecimentos
de saúde,
Médicos
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021.
28,4
71,6
12,4
87,6
Distribuição (%) dos vínculos INTERMEDIADOS para o Total de trabalhadores em estabelecimentos de
saúde e parae médicos em estabelecimentos de saúde, por tipo de vínculo empregatício, e autônomo.
Brasil e Região Norte, dezembro de 2021.
67,0
33,0
BRASIL VIN. INTERMEDIADOS
45,2
54,8
REGIÃO NORTE VIN. INTERMEDIADOS
Total de
trabalhadores em
estabelecimentos
de saúde,
Médicos
15
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021.
Tipo de vínculo Agregado
Total Vínculos Intermediados Médicos Brasil
Adm. Pub.
Federal
Adm. Pub.
Estadual
Adm. Pub.
Municipal
Adm. Pub.
Outros
Privado
Lucrativo
Priv. Não
Lucrativo
Pessoa
Física
Total
Total
Vínculos
Intermedi
ados
% % % % % % %
Vínculos empregatícios 2,2 24,8 58 0,9 7,8 6,7 0,0 100,0 28,4
Empregado público 21,4 3,1 53,8 3,8 0,3 17,6 0,0 100,0 2,4
Comissionado 0,0 18,0 19,0 1,0 55,0 7,0 0,0 100,0 0,1
Celetista 0,4 31,5 61,0 0,5 2,3 4,3 0,0 100,0 18,8
Temporário 0,9 14,3 50,2 0,7 24,3 9,5 0,0 100,0 7,1
Vínculos autônomos 0,3 22,7 34,7 0,5 13,5 27,8 0,6 100,0 71,6
PJ equiparado a proprietário 0,5 24,7 50,4 0,8 12,4 11,2 0,0 100,0 33,8
Autônomo, pessoa física 0,1 21,0 20,6 0,2 14,4 42,6 1,2 100,0 37,7
Outros, autônomo sem descrição 0,0 0,0 0,0 0,0 71,4 14,3 14,3 100,0 0,0
Total (%) tipos de vínculos 0,8 23,3 41,2 0,6 11,9 21,8 0,5 100 100
Distribuição (%) dos Vínculos Intermediados de Médicos por natureza jurídica e tipo de
vínculo. Brasil, dezembro de 2021.
16
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021.
Tipo de vínculo Agregado
Total Vínculos Intermediados Médicos Brasil
Adm.
Pub.
Federal
Adm.
Pub.
Estadual
Adm.
Pub.
Municipal
Adm.
Pub.
Outros
Privado
Lucrativo
Priv. Não
Lucrativo
Pessoa
Física Total Total Vínculos
Intermediados
% % % % % % %
Vínculos empregatícios 0,7 58,9 26 10,3 2,4 1,7 0,0 100,0 12,4
Empregado público 0,0 0,0 66,7 33,3 0,0 0,0 0,0 100,0 0,0
Comissionado 0,0 87,5 0,0 0,0 0,0 12,5 0,0 100,0 0,1
Celetista 0,2 71,1 3,6 22,5 1,8 0,9 0,0 100,0 5,6
Temporário 1,2 48,5 45,0 0,0 3,0 2,3 0,0 100,0 6,7
Vínculos autônomos 0,0 75,9 5,6 0,9 7,6 10,0 0,1 100,0 87,6
PJ equiparado a proprietário 0,0 33,5 13,4 0,0 5,8 47,3 0,0 100,0 15,7
Autônomo, pessoa física 0,0 85,2 3,8 1,1 7,9 1,9 0,1 100,0 71,8
Total (%) tipos de vínculos 0,1 73,8 8,1 2,0 6,9 9,0 0,1 100 100
Distribuição (%) dos Vínculos Intermediados de Médicos por natureza jurídica e tipo de
vínculo. Região Norte, dezembro de 2021.
17
Fonte: EPSM/Nescon/FM/UFMG a partir da RAIS/MTP.
Remuneração (em Reais) no mercado formal de profissões de saúde selecionadas segundo
sexo. Brasil e Região Norte, 2020.
Médicos Enfermeiros Cir. Dentistas Farmacêuticos Fisioterapeutas Psicólogos
BR Norte BR Norte BR Norte BR Norte BR Norte BR Norte
Rem media (R$)
Total 9.994 11.068 4.824 4.917 5.871 5.903 3.485 4.004 4.251 4.094 3.940 4.532
Masc 10.368 11.654 4.859 4.861 6.075 6.305 4.260 4.176 3.622 4.155 4.079 4.826
Fem 9.602 10.433 4.817 4.933 5.750 5.644 4.251 4.068 3.444 3.941 3.917 4.473
% Rem masc 92,6 89,5 99,1 101,5 94,6 89,5 99,8 97,4 95,1 94,9 96 92,7
Media de
horas/semana
Total 26 32 37 36 30 32 30 33 38 36 33 35
Masc 26 32 37 36 29 33 38 36 30 33 33 35
Fem 26 32 37 36 30 32 38 37 30 33 33 35
Rem/hora (R$)
Total 97,0 86,8 32,8 34,5 49,4 45,4 29,4 30,4 27,7 28,0 30,1 32,2
Masc 101,3 91,0 33,2 33,9 51,7 48,3 27,9 28,7 30,3 31,7 30,6 34
Fem 92,5 82,3 32,7 34,6 48,1 43,5 27,6 27,7 29,1 29,8 30 31,8
% Rem masc 91,3 90,4 98,4 102,2 93,0 90,1 98,9 96,7 95,9 94,2 98,1 93,6
Rem media
equiv. 40 horas
Masc 16.207 14.557 5.315 5.424 8.278 7.727 4.470 4.591 4.851 5.065 4.896 5.442
Fem 14.803 13.161 5.228 5.541 7.695 6.962 4.421 4.439 4.654 4.770 4.802 5.093
Índice salarial
(rem/hora
médico = 100)
Masc 100 100 32,8 37,3 51,1 53,1 27,6 31,5 29,9 34,8 30,2 37,4
Fem 100 100 35,3 42,1 52,0 52,9 29,9 33,7 31,4 36,2 32,4 38,7
18
Fonte: EPSM/Nescon/FM/UFMG a partir da RAIS/MTP.
Remuneração (em Reais) no mercado formal de profissões de saúde selecionadas segundo a
natureza jurídica do estabelecimento empregador. Brasil e Região Norte, 2020.
Médicos Enfermeiros Cir. Dentistas Farmac. Fisioterap. Psicólogos
BR N BR N BR N BR N BR N BR N
Rem media (R$)
Total 9.994 11.068 4.824 4.917 5.871 5.903 3.485 4.004 4.251 4.094 3.940 4.532
Público 9.976 11.181 5.305 5.648 6.039 6.147 5.485 6.160 4.052 5.058 4.544 5.044
Priv. lucrativo 8.137 7.581 4.143 3.368 3.585 2.497 3.934 3.103 2.685 2.406 2.715 2.591
Priv. não lucr. 10.622 12.627 4.722 3.979 5.734 4.600 4.392 4.063 3.563 3.489 3.122 3.301
Media de
horas/semana
Total 26 32 37 36 30 32 30 33 38 36 33 35
Público 27 32 36 35 30 33 34 33 31 34 33 35
Priv. lucrativo 26 29 38 38 31 38 39 38 30 32 33 38
Priv. não lucr. 22 28 37 35 27 26 38 39 29 30 32 37
Rem/hora (R$)
Total 97,0 86,8 32,8 34,5 49,4 45,4 29,4 30,4 27,7 28,0 30,1 32,2
Públicos 92,5 86,8 50,3 46,8 39,9 46 37,3 40,3 33,1 36,8 34,3 36,5
Priv. lucrativo 79 65,5 28,8 16,4 25 20,5 27,2 22 22,6 18,6 20,5 17,2
Priv. não lucr. 122,9 112,9 52,8 44,2 28,6 26,3 31,5 28,1 31 28,7 24,6 22,3
Rem media equiv.
40 horas
Públicos 14.797 13.885 8.049 7.490 6.385 7.358 5.971 6.451 5.303 5.895 5.495 5.844
Priv. lucrativo 12.637 10.483 4.612 2.620 4.003 3.288 4.352 3.527 3.618 2.981 3.279 2.759
Priv. não lucr. 19.670 18.056 8.441 7.070 4.577 4.201 5.040 4.495 4.962 4.600 3.944 3.570
Índice salarial
(rem/hora
médico = 100)
Públicos 100 100 54,4 53,9 43,2 53 40,3 46,5 35,8 42,5 37,1 42,1
Priv. lucrativo 100 100 36,5 25 31,7 31,4 34,4 33,6 28,6 28,4 25,9 26,3
Priv. não lucr. 100 100 42,9 39,2 23,3 23,3 25,6 24,9 25,2 25,5 20 19,8
19
Clínica
m
édica
M
edicina
de
Fam
ília
e
Com
unidade
Pediatria
Cirurgia
Geral
Ginecologia
e
Obstetrícia
Anestesiologia
Cardiologia
Radiologia
e
Diagnóstico
por Im
agem
Ortopedia
e
Traum
atologia
M
edicina
Intensiva
Oftalm
ologia
Psiquiatria
Derm
atologia
Neurologia
Gastroenterologia
Otorrinoloaringologia
Endocrinologia
e
M
etabologia
Oncologia
Clínica
Urologia
M
edicina
do
Trabalho
Cirurgia
Plástica
Cirurgia
Vascular
Nefrologia
Endoscopia
Cirurgia
Cardiovascular
Pneum
ologia
Infectologia
Neurocirurgia
Hem
atologia
e
Hem
oterapia
Angiologia
Cirurgia
do
Aparelho
Digestivo
Cirurgia
Oncológica
Geriatria
Reum
atologia
M
astologia
Patologia
Coloproctologia
Cirurgia
Pediátrica
Alergia
e
Im
unologia
Acupuntura
Cirurgia
de
Cabeça
e
Pescoço
Patologia
clínica-m
edicina
laboratorial
Cirurgia
Torácica
Hom
eopatia
Nutrologia
Radioterapia
M
edicina
Nuclear
M
edicina
Física
e
Reabilitação
M
edicina
do
Tráfego
M
edicina
Preventiva
e
social
Cirurgia
da
M
ão
Genética
M
édica
0,0
5,0
10,0
15,0
20,0
25,0
30,0
35,0
40,0
45,0
50,0
44,7
12,4
10,8
8,4 8,2
5,6 5,1 5,1
4,4 4,1 3,8
2,9 2,6 2,0 1,9 1,7 1,7 1,5 1,4 1,3 1,3 1,3 1,2 1,1 1,0 1,0 0,9 0,9 0,8 0,8 0,7 0,7 0,7 0,6 0,6 0,6 0,6 0,5 0,4 0,4 0,3 0,3 0,3 0,3 0,2 0,2 0,2 0,2 0,1 0,1 0,1 0,1
Distribuição percentual dos médicos ocupados em estabelecimentos de saúde segundo a
especialidade. Brasil, dez. 2021.
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
20
Enferm
eiro
generalista
Enferm
agem
em
Saúde
da
Fam
ília
e
Com
unidade
Enferm
agem
em
Saúde
da
M
ulher (Obstetrícia)
Enferm
agem
em
Terapia
Intensiva
Enferm
agem
em
Auditoria
Enferm
agem
em
Nefrologia
Enferm
eiro
do
Trabalho/Enferm
eiro
em
Saúde
do
Trabalhador
Enferm
agem
em
Centro
Cirúrgico
Enferm
agem
em
Vigilância
Enferm
agem
em
Saúde
da
Criança
e
Adolescente
(Neonatologia)
Enferm
agem
em
Cardiologia
(Perfusionista)
Enferm
agem
em
Saúde
M
ental
Enferm
agem
em
Saúde
da
Criança
e
Adolescente
(Pediatria)
0,0
10,0
20,0
30,0
40,0
50,0
60,0
70,0
80,0
90,0
82,4
17,2
1,8 1,2 0,5 0,5 0,4 0,3 0,2 0,2 0,1 0,1 0,1
Distribuição percentual dos enfermeiros ocupados em estabelecimentos de saúde segundo a
especialidade. Brasil, dez. 2021.
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
21
Cirurgião
dentista
- clínico
geral
Cirurgião-dentista
da
ESF
Endodontia
Ortodontia
Cirurgia
e
Traum
atologia
Buco-M
axilo-Faciais
Periodontia
Prótese
Dentária
Dentística
Odontopediatria
Radiologia
Odontológica
e
Im
aginologia
Im
plantodontia
Odontologia
para
Pacientes com
Necessidades Especiais
Odontologia
Legal
Estom
atologia
Saúde
Coletiva
Prótese
Buco-M
axilo-Facial
Patologia
Oral e
M
axilo
Facial
Odontologia
do
Trabalho
Cirurgião
dentista
- auditor
Disfunção
Tem
porom
andibular e
Dor Orofacial
Odontogeriatria
0,0
10,0
20,0
30,0
40,0
50,0
60,0
70,0
63,2
23,8
6,3 5,4
4,0 3,8 3,7 2,6 2,4 2,1 1,6 1,6
0,5 0,4 0,4 0,4 0,2 0,1 0,1 0,1 0,1
Distribuição percentual dos cirurgiões-dentistas ocupados em estabelecimentos de saúde
segundo a especialidade. Brasil, dez. 2021.
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
22
Farm
ácia
Análises Clínico-Laboratoriais
Farm
ácia
Hospitalar e
Clínica
Saúde
Pública
Práticas Integrativas e
Com
plem
entares
Farm
ácia
Industrial
Alim
entos
Taxicologia
0,0
10,0
20,0
30,0
40,0
50,0
60,0
70,0
80,0
74,1
29,2
2,1
0,5 0,1 0,1 0,0 0,0
Distribuição percentual dos farmacêuticos ocupados em estabelecimentos de saúde segundo a
especialidade. Brasil, dez. 2021.
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
23
Fisioterapeuta
generalista
Fisioterapia
Respiratória
Fisioterapia
em
Acupuntura
Fisioterapia
Traum
ato-Ortopédica
Fisioterapia
Neurofuncional
Fisioterapia
do
Trabalho
Fisioterapia
Esportiva
Fisioterapia
em
Osteopatia
Fisioterapia
em
Quiropraxia
0,0
20,0
40,0
60,0
80,0
100,0
120,0
98,3
2,0 0,8 0,8 0,4 0,2 0,1 0,1 0,0
Distribuição percentual dos fisioterapeutas ocupados em estabelecimentos de saúde segundo
a especialidade. Brasil, dez. 2021.
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
24
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
Psicologia
Clínica
Psicologia
Hospitalar
Psicologia
Social
Psicologia
Organizacional e
do
Trabalho
Psicologia
de
Trânsito
Neuropsicologia
Psicanalista
Psicologia
Escolar e
Educacional
Psicólogo
acupunturista
Psicologia
Jurídica
Psicologia
do
Esporte
0,0
10,0
20,0
30,0
40,0
50,0
60,0
70,0
80,0
90,0
100,0
94,7
4,7
0,7 0,5 0,4 0,4 0,4 0,3 0,1 0,0 0,0
Distribuição percentual dos psicólogos ocupados em estabelecimentos de saúde segundo a
especialidade. Brasil, dez. 2021.
Escopo de prática
 O escopo de prática estabelece os parâmetros da profissão, definindo, em termos amplos,
o que a profissão faz e como ela faz.
• Conjunto de atividades e procedimentos que um profissional exerce com segurança,
segundo legislação, formação e competência profissional .
• Determinantes: regulação professional (leis de exercício e conselhos profissionais)
formação (graduação, pós graduação, treinamentos), políticas de saúde, protocolos,
guias de atuação, características pessoais, localidade de atuação, entre outros.
 A maneira como os escopos de prática são estabelecidos impacta diretamente na
composição e produtividade da força de trabalho em saúde e, portanto, na qualidade e
no custo associados à saúde.
Escopo de prática
 A revisão da regulação dos escopos de prática de profissionais de saúde tem sido apontada como uma
iniciativa importante para aprimorar o acesso, a equidade e a qualidade do sistema de saúde.
 Desafios:
• Disputas por práticas exclusivas e privativas entre e intra profissões, como entre as especialidades
médicas.
• Vários atores e instituições envovidos, incluindo as coorporações profissionas.
o É impossível mudar e incorporar novas atividades, pensando corporativamente, afirmando que uma
categoria pode fazer determinada atribuição e outra não pode.
 Propostas de maior compartilhamento e ampliação de escopos de prática tem sido encorajadas.
 A legislação brasileira não impõe nenhuma barreira para a prática do médico em qualquer área ou
especialidade.
• Nem todos os profissionais médicos que exercem procedimentos especializados possuem formação
específica nas especialidades.
• Nem todos os médicos que possuem título e registro de especialistas exercem exclusivamente a
especialidade para a qual obtiveram treinamento e titulação
• Há médicos de diferentes especialidades que são subutilizados.
Escopo de prática
 Objetivo: Compreender como os profissionais médicos realizam a composição de suas prática em torno das
especialidades médicas.
• Exercício de aproximação da Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) aos escopos de prática a partir
de dados secundários (CNES, 2021).
• Buscou-se identificar:
o A prática ampliada em torno de escopos pertinentes a mais de uma especialidade.
o A exclusividade de prática em torno de escopos pertencentes a uma unica especialidade.
o Quais especialidaes são mais prováveis a que seus membros se limitem em atuar apenas na
especialidade ou se são propensas a ultrapassar as fronteiras em direção a outras especialidades.
Escopo de prática
A maioria dos médicos ocupados em
estabelecimentos de saúde possuiam mais de
um vínculo, sendo 23,6% dois vínculos, 16,%
três vínculos e 30,8% quatro ou mais.
28,8
23,6
16,8
30,8
Um Dois Três Quatro ou mais
Médicos ocupados em estabelecimentos de saúde segundo distribuição
do número de vínculos
29
63,7
27,7
6,2 2,3
Uma Duas Três Quatro ou mais
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
63,1% dos médicos atuavam em
apenas uma especialidade, ao
passo que 27,7% em duas, 6,2% em
três e 2,3% em quatro ou mais
especialidades.
Escopo de prática
Distribuição percentual dos médicos ocupados em estabelecimentos de saúde
segundo número de especialidades de atuação. Brasil, dez. 2021.
Oftalmologia
Psiquiatria
Otorrinoloaringologia
Dermatologia
Ortopedia e Traumatologia
Anestesiologia
Ginecologia e Obstetrícia
Pediatria
Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Genética Médica
Medicina Preventiva e social
Patologia
Endocrinologia e Metabologia
Medicina de Família e Comunidade
Medicina Nuclear
Medicina Física e Reabilitação
Reumatologia
Infectologia
Radioterapia
Cirurgia Plástica
Cardiologia
Neurologia
Clínica médica
Homeopatia
Nefrologia
Hematologia e Hemoterapia
Urologia
Medicina do Trabalho
Alergia e Imunologia
Pneumologia
Acupuntura
Geriatria
Neurocirurgia
Cirurgia Pediátrica
Patologia clínica-medicina laboratorial
Nutrologia
Medicina do Tráfego
Oncologia Clínica
Gastroenterologia
Medicina Legal e Perícia Médica
Medicina Intensiva
Coloproctologia
Cirurgia Torácica
Cirurgia Geral
Mastologia
Cirurgia de Cabeça e Pescoço
Medicina Hiperbárica
Endoscopia
Cirurgia Vascular
Medicina Antroposófica
Angiologia
Cirurgia Cardiovascular
Cirurgia do Aparelho Digestivo
Cirurgia da Mão
Cirurgia Oncológica
81,5
72,7
68,0
67,3
61,4
59,4
57,5
56,4
56,4
54,4
51,2
51,1
50,7
49,1
48,4
46,6
44,7
44,6
43,9
43,4
41,2
41,1
39,6
39,0
38,8
38,3
37,6
36,9
36,3
35,4
31,5
29,9
27,6
26,8
25,6
24,4
23,3
21,8
20,0
17,2
14,5
14,3
13,8
13,2
12,7
12,3
11,6
11,5
10,8
10,0
9,0
7,9
3,9
3,0
2,1
Distribuição (%) dos médicos em apenas uma especialidade,
por especialidade médica.
Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021
Entre as especialidades com maior proporção de
médicos que dedicam 100% da carga horária ao seu
exercício destacam-se a oftalmologia , a psiquiatria, a
otorrinolaringologia, a dermatologia e a ortopedia e
traumatologia.
Escopo de prática
ESPECIALISTAS OCUPADOS SEGUNDO COMPOSIÇÃO DO EXERCÍCIO*.
Cir. Geral
21%
Cir. Oncológica
21%
Oncologia Clínica
13%
Clínica médica
9%
Ginecologia
5%
Cir. Cabeça e
Pescoço
4%
Urologia
3%
Mastologia
3%
Ortopedia
3%
Outras
17%
Cirurgia Oncoló-
gica
Cirurgia On-
cológica
Oftalmologia
91%
Clínica médica
4%
Outras
5%
Oftalmologia
Especialistas podem se ocupar em diferentes especialidades, possuindo escopos de prática expandidos, como por
exemplo a cirurgia oncológica, em que apenas 21% da carga horária é dedicada ao exercício da especialidade.
Outras especialidades são mais “fechadas”, como a oftalmologia, em que 91% de sua carga horária é dedicada ao
exercício da especialidade.
Obrigado/a!
Jackson – jackson@nescon.medicina.ufmg.br
Ana – anastralen@nescon.medicina.ufmg.br

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA

Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdfMonitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
DaviCarvalho66
 
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado FederalApresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
Ministério da Saúde
 
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Situação dos agravos
Situação dos agravosSituação dos agravos
Situação dos agravos
Vanessa Karla
 
Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdfPanorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
EduardotilaSoares
 
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdfEscassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
DaviCarvalho66
 
Seguro Saúde - Cenário Atual e Desafios - Magali Zeller
Seguro Saúde - Cenário Atual e Desafios - Magali ZellerSeguro Saúde - Cenário Atual e Desafios - Magali Zeller
Seguro Saúde - Cenário Atual e Desafios - Magali Zeller
Oficina do Texto Assessoria de Comunicação
 
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdfIndicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
DaviCarvalho66
 
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Planejamento II  plano municipal Santa RosaPlanejamento II  plano municipal Santa Rosa
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Bi_Oliveira
 
Saúde da Saúde do Brasil Com Suas Verdades Convenientes nas Ofertas e Demandas
Saúde da Saúde do Brasil Com Suas Verdades Convenientes nas Ofertas e DemandasSaúde da Saúde do Brasil Com Suas Verdades Convenientes nas Ofertas e Demandas
Saúde da Saúde do Brasil Com Suas Verdades Convenientes nas Ofertas e Demandas
Orlando C Passos
 
Gestao por resultados_no_setor_saude
Gestao por resultados_no_setor_saudeGestao por resultados_no_setor_saude
Gestao por resultados_no_setor_saude
Luiz Fernando Arantes Paulo
 
Audiência Pública Reunião Ordinária na Comissão de Constituição e Justiça e d...
Audiência Pública Reunião Ordinária na Comissão de Constituição e Justiça e d...Audiência Pública Reunião Ordinária na Comissão de Constituição e Justiça e d...
Audiência Pública Reunião Ordinária na Comissão de Constituição e Justiça e d...
Ministério da Saúde
 
FGV / IBRE – Modelos de Parcerias Publico Privadas para Gestão de Serviços de...
FGV / IBRE – Modelos de Parcerias Publico Privadas para Gestão de Serviços de...FGV / IBRE – Modelos de Parcerias Publico Privadas para Gestão de Serviços de...
FGV / IBRE – Modelos de Parcerias Publico Privadas para Gestão de Serviços de...
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
1 rdaq (4)
1 rdaq  (4)1 rdaq  (4)
1 rdaq (4)
cristiano docarmo
 
1 rdaq (3)
1 rdaq (3)1 rdaq (3)
1 rdaq (3)
cristiano docarmo
 
IBGE - Estatisticas de Saude no Brasil
IBGE - Estatisticas de Saude no BrasilIBGE - Estatisticas de Saude no Brasil
IBGE - Estatisticas de Saude no Brasil
Filipe Mello
 
Texto 1 pnab
Texto 1   pnabTexto 1   pnab
Texto 1 pnab
comunidadedepraticas
 
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel LisbôaQuimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
Oncoguia
 
Mercado de Trabalho do Profissional Médico
Mercado de Trabalho do Profissional MédicoMercado de Trabalho do Profissional Médico
Mercado de Trabalho do Profissional Médico
Renato Moura
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Sebástian Freire
 

Semelhante a MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA (20)

Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdfMonitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
 
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado FederalApresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
Apresentação Audiência Pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal
 
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
 
Situação dos agravos
Situação dos agravosSituação dos agravos
Situação dos agravos
 
Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdfPanorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
Panorama-Clinicas-e-Hospitais-2023.pdf
 
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdfEscassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
 
Seguro Saúde - Cenário Atual e Desafios - Magali Zeller
Seguro Saúde - Cenário Atual e Desafios - Magali ZellerSeguro Saúde - Cenário Atual e Desafios - Magali Zeller
Seguro Saúde - Cenário Atual e Desafios - Magali Zeller
 
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdfIndicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
 
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Planejamento II  plano municipal Santa RosaPlanejamento II  plano municipal Santa Rosa
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
 
Saúde da Saúde do Brasil Com Suas Verdades Convenientes nas Ofertas e Demandas
Saúde da Saúde do Brasil Com Suas Verdades Convenientes nas Ofertas e DemandasSaúde da Saúde do Brasil Com Suas Verdades Convenientes nas Ofertas e Demandas
Saúde da Saúde do Brasil Com Suas Verdades Convenientes nas Ofertas e Demandas
 
Gestao por resultados_no_setor_saude
Gestao por resultados_no_setor_saudeGestao por resultados_no_setor_saude
Gestao por resultados_no_setor_saude
 
Audiência Pública Reunião Ordinária na Comissão de Constituição e Justiça e d...
Audiência Pública Reunião Ordinária na Comissão de Constituição e Justiça e d...Audiência Pública Reunião Ordinária na Comissão de Constituição e Justiça e d...
Audiência Pública Reunião Ordinária na Comissão de Constituição e Justiça e d...
 
FGV / IBRE – Modelos de Parcerias Publico Privadas para Gestão de Serviços de...
FGV / IBRE – Modelos de Parcerias Publico Privadas para Gestão de Serviços de...FGV / IBRE – Modelos de Parcerias Publico Privadas para Gestão de Serviços de...
FGV / IBRE – Modelos de Parcerias Publico Privadas para Gestão de Serviços de...
 
1 rdaq (4)
1 rdaq  (4)1 rdaq  (4)
1 rdaq (4)
 
1 rdaq (3)
1 rdaq (3)1 rdaq (3)
1 rdaq (3)
 
IBGE - Estatisticas de Saude no Brasil
IBGE - Estatisticas de Saude no BrasilIBGE - Estatisticas de Saude no Brasil
IBGE - Estatisticas de Saude no Brasil
 
Texto 1 pnab
Texto 1   pnabTexto 1   pnab
Texto 1 pnab
 
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel LisbôaQuimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
Quimioterapia oral: Como estamos? - Raquel Lisbôa
 
Mercado de Trabalho do Profissional Médico
Mercado de Trabalho do Profissional MédicoMercado de Trabalho do Profissional Médico
Mercado de Trabalho do Profissional Médico
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 

Mais de DaviCarvalho66

DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdfDESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DaviCarvalho66
 
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
DaviCarvalho66
 
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
DaviCarvalho66
 
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidadeMovimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
DaviCarvalho66
 
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdfShortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
DaviCarvalho66
 
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
DaviCarvalho66
 
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdfRutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
DaviCarvalho66
 
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
DaviCarvalho66
 
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdfPanorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
DaviCarvalho66
 
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdfRegulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
DaviCarvalho66
 
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdfÍndice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
DaviCarvalho66
 
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdfMercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
DaviCarvalho66
 
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
DaviCarvalho66
 
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
DaviCarvalho66
 
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdfO Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
DaviCarvalho66
 
Modelos e parâmetros internacionais de projeção de especialidades médicas BH ...
Modelos e parâmetros internacionais de projeção de especialidades médicas BH ...Modelos e parâmetros internacionais de projeção de especialidades médicas BH ...
Modelos e parâmetros internacionais de projeção de especialidades médicas BH ...
DaviCarvalho66
 
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdfInsecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
DaviCarvalho66
 
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
DaviCarvalho66
 
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdfTransformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
DaviCarvalho66
 
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdfA realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
DaviCarvalho66
 

Mais de DaviCarvalho66 (20)

DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdfDESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
 
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
 
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
 
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidadeMovimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
 
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdfShortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
 
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
 
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdfRutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
 
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
 
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdfPanorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
 
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdfRegulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
 
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdfÍndice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
 
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdfMercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
 
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
 
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
 
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdfO Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
 
Modelos e parâmetros internacionais de projeção de especialidades médicas BH ...
Modelos e parâmetros internacionais de projeção de especialidades médicas BH ...Modelos e parâmetros internacionais de projeção de especialidades médicas BH ...
Modelos e parâmetros internacionais de projeção de especialidades médicas BH ...
 
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdfInsecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
Insecurity Health Care Index - NYC 2010.pdf
 
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
Caracterização dos serviços públicos municipais de Saúde Bucal no Brasil - BH...
 
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdfTransformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
Transformações no Mundo do Trabalho - BSB 2010.pdf
 
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdfA realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf
 

Último

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 

Último (20)

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 

MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA

  • 1. MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA Oficina 43: Formação, Exercício e Mercado de Trabalho de Especialidades em Saúde no Brasil: Perspectivas de Estudos Colaborativos. Salvador, BA - 19 de Novembro de 2022 Jackson Freire Araujo Ana Cristina van Stralen
  • 2. 2 Fonte: EPSM/Nescon/FM/UFMG a partir da RAIS/MTP. *Valor estimado a partir da proporção de pessoal de saúde e não saúde nas Atividades de Atenção à Saúde Humana. Segmentos do macrossetor Saúde Brasil Região Norte n % n % % BR I - Serviços de Saúde 4.634.843 67,9 326.999 77,3 7,1 Atividades de Atenção à Saúde Humana 2.297.800 33,6 95.757 22,7 4,2 At. de Atenção à Saúde Integradas com Assist. Social 132.081 1,9 1.405 0,3 1,1 Administração Pública, Defesa e Seguridade Social* 2.089.014 30,6 225.250 53,3 10,8 Atividades de manutenção do físico corporal 96.520 1,4 3.775 0,9 3,9 Atividades veterinárias 19.428 0,3 812 0,2 4,2 II - Atividades industriais de produção de insumos 174.230 2,6 2.164 0,5 1,2 III - Atividades de comercialização de produtos 733.995 10,8 40.498 9,6 5,5 IV - Atividades de financiamento 118.429 1,7 3.541 0,8 3,0 V - Atividades de saneamento 323.404 4,7 14.691 3,5 4,5 VI - Profissionais de saúde em atividades de Ensino, P&D 138.881 2,0 4.992 1,2 3,6 VII - Profissionais de saúde em outras atividades 706.052 10,3 29.900 7,1 4,2 Total do Macrossetor saúde 6.829.834 100 422.785 100 6,2 Total da Economia 46.236.176 2.642.126 5,7 % Macrossetor saúde 14,8 16,0 Vínculos formais de emprego por segmentos do macrossetor saúde. Brasil e Região Norte, 2020.
  • 3. Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados dos Conselhos dos profissionais, do CNES/MS, e da RAIS/MTP. 1 Nº de profissionais ativos nos respectivos conselhos profissionais em 2021. 2 Dados do CNES/MS dez./2021. 3 Dados da RAIS/MTP de 2020. 4 Total de vínculos formais relacionados a CNAE de Atividades de Atenção à Saúde Humana. Indicadores gerais de dimensionamento da força de trabalho para o total de trabalhadores da saúde, e por profissão analisada. Brasil, 2020 – 2021. Dados Méd. Enf. CD Fisio. Farm. Psic. Total trab. saúde Nº de profissionais ativos nos Conselhos Profissionais 1 584.905 637.435 362.922 265.094 260.473 418.398 - Nº de profissionais em estabelecimentos de saúde 2 434.035 333.135 143.236 101.830 72.004 80.092 3.689.484 % Profissionais que trabalham em Serviços de Saúde 74,2 52,3 39,5 38,4 27,6 19,1 - Nº de Vínculos em Estabelecimentos de Saúde 1.323.965 419.317 205.724 138.206 92.089 99.088 5.065.087 Razão de vínculos por indivíduo 3,1 1,3 1,4 1,4 1,3 1,2 1,4 Razão de profissionais em ETI por mil habitantes 2,2 1,7 0,6 0,4 0,3 0,3 17,2 % Profissionais em ETI SUS 71,2 85,2 50,4 67,1 66,7 58,6 79,9 % Profissionais em ETI APS 16,6 22,8 34,2 9,4 10,8 14,8 24,7 Nº de vínculos formais de emprego 3 261.253 353.864 60.474 68.453 150.741 64.035 2.297.800 4 % de empregos formais ocupados por mulheres 48,7 84,6 62,4 76,9 72 85,4 76,4 % de empregos na Adm. Pública direta 72,6 42,1 81,4 36,1 17,8 61,4
  • 4. 4 Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados dos Conselhos dos profissionais, do CNES/MS, e da RAIS/MTP. 1 Nº de profissionais ativos nos respectivos conselhos profissionais em 2021. 2 Dados do CNES/MS dez./2021. 3 Dados da RAIS/MTP de 2020. 4 Total de vínculos formais relacionados a CNAE de Atividades de Atenção à Saúde Humana. Indicadores gerais de dimensionamento da força de trabalho, para o total de trabalhadores da saúde, e por profissão analisada. Região Norte, 2020 – 2021. Dados Méd. Enf. CD Fisio. Farm. Psic. Total trab. saúde Nº de profissionais ativos nos Conselhos Profissionais 1 26.881 49.125 21.186 11.680 15.656 18.427 - Nº de profissionais em estabelecimentos de saúde 2 21.982 24.444 8.703 5.638 5.546 3.656 280.679 % Profissionais que trabalham em Serviços de Saúde 81,8 49,8 41,1 48,3 35,4 19,8 - Nº de Vínculos em Estabelecimentos de Saúde 54.062 30.136 11.618 7.539 7.401 4.468 342.753 Razão de vínculos por indivíduo 2,5 1,2 1,3 1,3 1,3 1,2 1,2 Razão de profissionais em ETI por mil habitantes 1,4 1,4 0,4 0,3 0,3 0,2 14,8 % Profissionais em ETI SUS 84,8 94,8 64,4 79 76 77,4 90,1 % Profissionais em ETI APS 20,6 27,8 41 11 11,1 19,5 32,6 Nº de vínculos formais de emprego 3 12.890 21.411 3.491 3.357 9.755 3.296 95.757 4 % de empregos formais ocupados por mulheres 47,8 81,2 60,3 70,4 67,6 83,4 72,5 % de empregos na Adm. Pública direta 90,8 62,3 88,9 52,4 30,8 76,1
  • 5. 5 Psic. Farm. Fisio. CD Enf. Méd. 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 19,1 27,6 38,4 39,5 52,3 74,2 80,9 72,4 61,6 60,5 47,7 25,8 % registrados no CNES % não registrados no CNES Fonte: EPSM/Nescon/FM/UFMG a partir do CNES/MS. Distribuição percentual do nº de profissionais ativos nos conselhos segundo situação no CNES. Brasil, 2021.
  • 6. 6 Psic. Farm. Fisio. CD Enf. Méd. 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 18,9 26,1 38,0 38,8 49,5 71,4 0,3 1,6 0,4 0,6 2,7 2,8 80,9 72,4 61,6 60,5 47,7 25,8 % Assistência/Vigilância % Gestão % Não registrados no CNES Distribuição percentual do nº de profissionais ativos nos conselhos segundo tipo de atividade. Brasil, 2021. Fonte: EPSM/Nescon/FM/UFMG a partir do CNES/MS.
  • 7. 7 Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021. *Serviço de apoio diagnóstico; **Serviço de apoio terapêutico Distribuição (%) dos profissionais por grupos de atividades nos tipos de serviços e classificação dos estabelecimentos assistenciais. Brasil, dezembro de 2021.
  • 8. Distribuição (%) dos profissionais, por grupos de atividades nos tipos de serviços e classificação dos estabelecimentos assistenciais. Brasil, dezembro de 2021. Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021. *Serviço de apoio diagnóstico; **Serviço de apoio terapêutico
  • 9. 9 Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021. *Serviço de apoio diagnóstico; **Serviço de apoio terapêutico Distribuição (%) dos profissionais, por grupos de atividades nos tipos de serviços e classificação dos estabelecimentos assistenciais. Região Norte, dezembro de 2021.
  • 10. Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021. *Serviço de apoio diagnóstico; **Serviço de apoio terapêutico Distribuição (%) dos profissionais, por grupos de atividades nos tipos de serviços e classificação dos estabelecimentos assistenciais. Região Norte, dezembro de 2021.
  • 11. 11 Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021, e RAIS/MTP de 2020. Natureza Jurídica CNES 2021 RAIS 2020 BR Região Norte BR Região Norte Públicos 519.984 35.113 189.589 11.707 % públicos 39,3 64,9 72,6 90,8 Privados Lucrativos 425.908 13.617 16.740 627 % privados 32,2 25,2 6,4 4,9 Privados Não Lucrativos 378.073 5.332 54.924 556 % não lucrativos 28,6 9,9 21,0 4,3 Total 1.323.965 54.062 261.253 12.890 Número e Percentual de vínculos médicos, por natureza jurídica no CNES 2021 e RAIS 2020. Brasil e Região Norte.
  • 12. 12 Tipo de vinculação Total Vínculos Total Vínc. de Médicos BR Norte BR Norte N % N % N % N % Total 5.065.073 100 342.752 100 1.323.964 100 54.062 100 Direto 4.274.349 84,4 320.401 93,5 1.054.489 79,6 42.985 79,5 Intermediado 749.909 14,8 19.656 5,7 253.702 19,2 9.914 18,3 Outros* 40.815 0,8 2.695 0,8 15.773 1,2 1.163 2,2 Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021. Distribuição (%) e (N) do total de vínculos e de vínculos médicos para Brasil e Região Norte, por tipo de contrato se direto ou intermediado.
  • 13. 13 Distribuição (%) dos vínculos para o total de trabalhadores em estabelecimentos de saúde e para médicos, por vínculo empregatício, autônomo, e Bolsistas, Residentes, Estagiários. Brasil e Região Norte, dezembro de 2021.. 33,6 63,4 2,2 BRASIL VINCULOS MÉDICOS 53,5 41,2 3,4 REGIÃO NORTE VINCULOS MÉDICOS 74,0 23,6 2,0BRASIL 88,5 9,7 1,3 REGIÃO NORTE Total de trabalhadores em estabelecimentos de saúde, Médicos
  • 14. Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021. 28,4 71,6 12,4 87,6 Distribuição (%) dos vínculos INTERMEDIADOS para o Total de trabalhadores em estabelecimentos de saúde e parae médicos em estabelecimentos de saúde, por tipo de vínculo empregatício, e autônomo. Brasil e Região Norte, dezembro de 2021. 67,0 33,0 BRASIL VIN. INTERMEDIADOS 45,2 54,8 REGIÃO NORTE VIN. INTERMEDIADOS Total de trabalhadores em estabelecimentos de saúde, Médicos
  • 15. 15 Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021. Tipo de vínculo Agregado Total Vínculos Intermediados Médicos Brasil Adm. Pub. Federal Adm. Pub. Estadual Adm. Pub. Municipal Adm. Pub. Outros Privado Lucrativo Priv. Não Lucrativo Pessoa Física Total Total Vínculos Intermedi ados % % % % % % % Vínculos empregatícios 2,2 24,8 58 0,9 7,8 6,7 0,0 100,0 28,4 Empregado público 21,4 3,1 53,8 3,8 0,3 17,6 0,0 100,0 2,4 Comissionado 0,0 18,0 19,0 1,0 55,0 7,0 0,0 100,0 0,1 Celetista 0,4 31,5 61,0 0,5 2,3 4,3 0,0 100,0 18,8 Temporário 0,9 14,3 50,2 0,7 24,3 9,5 0,0 100,0 7,1 Vínculos autônomos 0,3 22,7 34,7 0,5 13,5 27,8 0,6 100,0 71,6 PJ equiparado a proprietário 0,5 24,7 50,4 0,8 12,4 11,2 0,0 100,0 33,8 Autônomo, pessoa física 0,1 21,0 20,6 0,2 14,4 42,6 1,2 100,0 37,7 Outros, autônomo sem descrição 0,0 0,0 0,0 0,0 71,4 14,3 14,3 100,0 0,0 Total (%) tipos de vínculos 0,8 23,3 41,2 0,6 11,9 21,8 0,5 100 100 Distribuição (%) dos Vínculos Intermediados de Médicos por natureza jurídica e tipo de vínculo. Brasil, dezembro de 2021.
  • 16. 16 Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021. Tipo de vínculo Agregado Total Vínculos Intermediados Médicos Brasil Adm. Pub. Federal Adm. Pub. Estadual Adm. Pub. Municipal Adm. Pub. Outros Privado Lucrativo Priv. Não Lucrativo Pessoa Física Total Total Vínculos Intermediados % % % % % % % Vínculos empregatícios 0,7 58,9 26 10,3 2,4 1,7 0,0 100,0 12,4 Empregado público 0,0 0,0 66,7 33,3 0,0 0,0 0,0 100,0 0,0 Comissionado 0,0 87,5 0,0 0,0 0,0 12,5 0,0 100,0 0,1 Celetista 0,2 71,1 3,6 22,5 1,8 0,9 0,0 100,0 5,6 Temporário 1,2 48,5 45,0 0,0 3,0 2,3 0,0 100,0 6,7 Vínculos autônomos 0,0 75,9 5,6 0,9 7,6 10,0 0,1 100,0 87,6 PJ equiparado a proprietário 0,0 33,5 13,4 0,0 5,8 47,3 0,0 100,0 15,7 Autônomo, pessoa física 0,0 85,2 3,8 1,1 7,9 1,9 0,1 100,0 71,8 Total (%) tipos de vínculos 0,1 73,8 8,1 2,0 6,9 9,0 0,1 100 100 Distribuição (%) dos Vínculos Intermediados de Médicos por natureza jurídica e tipo de vínculo. Região Norte, dezembro de 2021.
  • 17. 17 Fonte: EPSM/Nescon/FM/UFMG a partir da RAIS/MTP. Remuneração (em Reais) no mercado formal de profissões de saúde selecionadas segundo sexo. Brasil e Região Norte, 2020. Médicos Enfermeiros Cir. Dentistas Farmacêuticos Fisioterapeutas Psicólogos BR Norte BR Norte BR Norte BR Norte BR Norte BR Norte Rem media (R$) Total 9.994 11.068 4.824 4.917 5.871 5.903 3.485 4.004 4.251 4.094 3.940 4.532 Masc 10.368 11.654 4.859 4.861 6.075 6.305 4.260 4.176 3.622 4.155 4.079 4.826 Fem 9.602 10.433 4.817 4.933 5.750 5.644 4.251 4.068 3.444 3.941 3.917 4.473 % Rem masc 92,6 89,5 99,1 101,5 94,6 89,5 99,8 97,4 95,1 94,9 96 92,7 Media de horas/semana Total 26 32 37 36 30 32 30 33 38 36 33 35 Masc 26 32 37 36 29 33 38 36 30 33 33 35 Fem 26 32 37 36 30 32 38 37 30 33 33 35 Rem/hora (R$) Total 97,0 86,8 32,8 34,5 49,4 45,4 29,4 30,4 27,7 28,0 30,1 32,2 Masc 101,3 91,0 33,2 33,9 51,7 48,3 27,9 28,7 30,3 31,7 30,6 34 Fem 92,5 82,3 32,7 34,6 48,1 43,5 27,6 27,7 29,1 29,8 30 31,8 % Rem masc 91,3 90,4 98,4 102,2 93,0 90,1 98,9 96,7 95,9 94,2 98,1 93,6 Rem media equiv. 40 horas Masc 16.207 14.557 5.315 5.424 8.278 7.727 4.470 4.591 4.851 5.065 4.896 5.442 Fem 14.803 13.161 5.228 5.541 7.695 6.962 4.421 4.439 4.654 4.770 4.802 5.093 Índice salarial (rem/hora médico = 100) Masc 100 100 32,8 37,3 51,1 53,1 27,6 31,5 29,9 34,8 30,2 37,4 Fem 100 100 35,3 42,1 52,0 52,9 29,9 33,7 31,4 36,2 32,4 38,7
  • 18. 18 Fonte: EPSM/Nescon/FM/UFMG a partir da RAIS/MTP. Remuneração (em Reais) no mercado formal de profissões de saúde selecionadas segundo a natureza jurídica do estabelecimento empregador. Brasil e Região Norte, 2020. Médicos Enfermeiros Cir. Dentistas Farmac. Fisioterap. Psicólogos BR N BR N BR N BR N BR N BR N Rem media (R$) Total 9.994 11.068 4.824 4.917 5.871 5.903 3.485 4.004 4.251 4.094 3.940 4.532 Público 9.976 11.181 5.305 5.648 6.039 6.147 5.485 6.160 4.052 5.058 4.544 5.044 Priv. lucrativo 8.137 7.581 4.143 3.368 3.585 2.497 3.934 3.103 2.685 2.406 2.715 2.591 Priv. não lucr. 10.622 12.627 4.722 3.979 5.734 4.600 4.392 4.063 3.563 3.489 3.122 3.301 Media de horas/semana Total 26 32 37 36 30 32 30 33 38 36 33 35 Público 27 32 36 35 30 33 34 33 31 34 33 35 Priv. lucrativo 26 29 38 38 31 38 39 38 30 32 33 38 Priv. não lucr. 22 28 37 35 27 26 38 39 29 30 32 37 Rem/hora (R$) Total 97,0 86,8 32,8 34,5 49,4 45,4 29,4 30,4 27,7 28,0 30,1 32,2 Públicos 92,5 86,8 50,3 46,8 39,9 46 37,3 40,3 33,1 36,8 34,3 36,5 Priv. lucrativo 79 65,5 28,8 16,4 25 20,5 27,2 22 22,6 18,6 20,5 17,2 Priv. não lucr. 122,9 112,9 52,8 44,2 28,6 26,3 31,5 28,1 31 28,7 24,6 22,3 Rem media equiv. 40 horas Públicos 14.797 13.885 8.049 7.490 6.385 7.358 5.971 6.451 5.303 5.895 5.495 5.844 Priv. lucrativo 12.637 10.483 4.612 2.620 4.003 3.288 4.352 3.527 3.618 2.981 3.279 2.759 Priv. não lucr. 19.670 18.056 8.441 7.070 4.577 4.201 5.040 4.495 4.962 4.600 3.944 3.570 Índice salarial (rem/hora médico = 100) Públicos 100 100 54,4 53,9 43,2 53 40,3 46,5 35,8 42,5 37,1 42,1 Priv. lucrativo 100 100 36,5 25 31,7 31,4 34,4 33,6 28,6 28,4 25,9 26,3 Priv. não lucr. 100 100 42,9 39,2 23,3 23,3 25,6 24,9 25,2 25,5 20 19,8
  • 19. 19 Clínica m édica M edicina de Fam ília e Com unidade Pediatria Cirurgia Geral Ginecologia e Obstetrícia Anestesiologia Cardiologia Radiologia e Diagnóstico por Im agem Ortopedia e Traum atologia M edicina Intensiva Oftalm ologia Psiquiatria Derm atologia Neurologia Gastroenterologia Otorrinoloaringologia Endocrinologia e M etabologia Oncologia Clínica Urologia M edicina do Trabalho Cirurgia Plástica Cirurgia Vascular Nefrologia Endoscopia Cirurgia Cardiovascular Pneum ologia Infectologia Neurocirurgia Hem atologia e Hem oterapia Angiologia Cirurgia do Aparelho Digestivo Cirurgia Oncológica Geriatria Reum atologia M astologia Patologia Coloproctologia Cirurgia Pediátrica Alergia e Im unologia Acupuntura Cirurgia de Cabeça e Pescoço Patologia clínica-m edicina laboratorial Cirurgia Torácica Hom eopatia Nutrologia Radioterapia M edicina Nuclear M edicina Física e Reabilitação M edicina do Tráfego M edicina Preventiva e social Cirurgia da M ão Genética M édica 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 44,7 12,4 10,8 8,4 8,2 5,6 5,1 5,1 4,4 4,1 3,8 2,9 2,6 2,0 1,9 1,7 1,7 1,5 1,4 1,3 1,3 1,3 1,2 1,1 1,0 1,0 0,9 0,9 0,8 0,8 0,7 0,7 0,7 0,6 0,6 0,6 0,6 0,5 0,4 0,4 0,3 0,3 0,3 0,3 0,2 0,2 0,2 0,2 0,1 0,1 0,1 0,1 Distribuição percentual dos médicos ocupados em estabelecimentos de saúde segundo a especialidade. Brasil, dez. 2021. Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
  • 20. 20 Enferm eiro generalista Enferm agem em Saúde da Fam ília e Com unidade Enferm agem em Saúde da M ulher (Obstetrícia) Enferm agem em Terapia Intensiva Enferm agem em Auditoria Enferm agem em Nefrologia Enferm eiro do Trabalho/Enferm eiro em Saúde do Trabalhador Enferm agem em Centro Cirúrgico Enferm agem em Vigilância Enferm agem em Saúde da Criança e Adolescente (Neonatologia) Enferm agem em Cardiologia (Perfusionista) Enferm agem em Saúde M ental Enferm agem em Saúde da Criança e Adolescente (Pediatria) 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 82,4 17,2 1,8 1,2 0,5 0,5 0,4 0,3 0,2 0,2 0,1 0,1 0,1 Distribuição percentual dos enfermeiros ocupados em estabelecimentos de saúde segundo a especialidade. Brasil, dez. 2021. Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
  • 21. 21 Cirurgião dentista - clínico geral Cirurgião-dentista da ESF Endodontia Ortodontia Cirurgia e Traum atologia Buco-M axilo-Faciais Periodontia Prótese Dentária Dentística Odontopediatria Radiologia Odontológica e Im aginologia Im plantodontia Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais Odontologia Legal Estom atologia Saúde Coletiva Prótese Buco-M axilo-Facial Patologia Oral e M axilo Facial Odontologia do Trabalho Cirurgião dentista - auditor Disfunção Tem porom andibular e Dor Orofacial Odontogeriatria 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 63,2 23,8 6,3 5,4 4,0 3,8 3,7 2,6 2,4 2,1 1,6 1,6 0,5 0,4 0,4 0,4 0,2 0,1 0,1 0,1 0,1 Distribuição percentual dos cirurgiões-dentistas ocupados em estabelecimentos de saúde segundo a especialidade. Brasil, dez. 2021. Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
  • 22. 22 Farm ácia Análises Clínico-Laboratoriais Farm ácia Hospitalar e Clínica Saúde Pública Práticas Integrativas e Com plem entares Farm ácia Industrial Alim entos Taxicologia 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 74,1 29,2 2,1 0,5 0,1 0,1 0,0 0,0 Distribuição percentual dos farmacêuticos ocupados em estabelecimentos de saúde segundo a especialidade. Brasil, dez. 2021. Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
  • 23. 23 Fisioterapeuta generalista Fisioterapia Respiratória Fisioterapia em Acupuntura Fisioterapia Traum ato-Ortopédica Fisioterapia Neurofuncional Fisioterapia do Trabalho Fisioterapia Esportiva Fisioterapia em Osteopatia Fisioterapia em Quiropraxia 0,0 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 120,0 98,3 2,0 0,8 0,8 0,4 0,2 0,1 0,1 0,0 Distribuição percentual dos fisioterapeutas ocupados em estabelecimentos de saúde segundo a especialidade. Brasil, dez. 2021. Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS.
  • 24. 24 Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS. Psicologia Clínica Psicologia Hospitalar Psicologia Social Psicologia Organizacional e do Trabalho Psicologia de Trânsito Neuropsicologia Psicanalista Psicologia Escolar e Educacional Psicólogo acupunturista Psicologia Jurídica Psicologia do Esporte 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 94,7 4,7 0,7 0,5 0,4 0,4 0,4 0,3 0,1 0,0 0,0 Distribuição percentual dos psicólogos ocupados em estabelecimentos de saúde segundo a especialidade. Brasil, dez. 2021.
  • 25. Escopo de prática  O escopo de prática estabelece os parâmetros da profissão, definindo, em termos amplos, o que a profissão faz e como ela faz. • Conjunto de atividades e procedimentos que um profissional exerce com segurança, segundo legislação, formação e competência profissional . • Determinantes: regulação professional (leis de exercício e conselhos profissionais) formação (graduação, pós graduação, treinamentos), políticas de saúde, protocolos, guias de atuação, características pessoais, localidade de atuação, entre outros.  A maneira como os escopos de prática são estabelecidos impacta diretamente na composição e produtividade da força de trabalho em saúde e, portanto, na qualidade e no custo associados à saúde.
  • 26. Escopo de prática  A revisão da regulação dos escopos de prática de profissionais de saúde tem sido apontada como uma iniciativa importante para aprimorar o acesso, a equidade e a qualidade do sistema de saúde.  Desafios: • Disputas por práticas exclusivas e privativas entre e intra profissões, como entre as especialidades médicas. • Vários atores e instituições envovidos, incluindo as coorporações profissionas. o É impossível mudar e incorporar novas atividades, pensando corporativamente, afirmando que uma categoria pode fazer determinada atribuição e outra não pode.  Propostas de maior compartilhamento e ampliação de escopos de prática tem sido encorajadas.  A legislação brasileira não impõe nenhuma barreira para a prática do médico em qualquer área ou especialidade. • Nem todos os profissionais médicos que exercem procedimentos especializados possuem formação específica nas especialidades. • Nem todos os médicos que possuem título e registro de especialistas exercem exclusivamente a especialidade para a qual obtiveram treinamento e titulação • Há médicos de diferentes especialidades que são subutilizados.
  • 27. Escopo de prática  Objetivo: Compreender como os profissionais médicos realizam a composição de suas prática em torno das especialidades médicas. • Exercício de aproximação da Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) aos escopos de prática a partir de dados secundários (CNES, 2021). • Buscou-se identificar: o A prática ampliada em torno de escopos pertinentes a mais de uma especialidade. o A exclusividade de prática em torno de escopos pertencentes a uma unica especialidade. o Quais especialidaes são mais prováveis a que seus membros se limitem em atuar apenas na especialidade ou se são propensas a ultrapassar as fronteiras em direção a outras especialidades.
  • 28. Escopo de prática A maioria dos médicos ocupados em estabelecimentos de saúde possuiam mais de um vínculo, sendo 23,6% dois vínculos, 16,% três vínculos e 30,8% quatro ou mais. 28,8 23,6 16,8 30,8 Um Dois Três Quatro ou mais Médicos ocupados em estabelecimentos de saúde segundo distribuição do número de vínculos
  • 29. 29 63,7 27,7 6,2 2,3 Uma Duas Três Quatro ou mais Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS. 63,1% dos médicos atuavam em apenas uma especialidade, ao passo que 27,7% em duas, 6,2% em três e 2,3% em quatro ou mais especialidades. Escopo de prática Distribuição percentual dos médicos ocupados em estabelecimentos de saúde segundo número de especialidades de atuação. Brasil, dez. 2021.
  • 30. Oftalmologia Psiquiatria Otorrinoloaringologia Dermatologia Ortopedia e Traumatologia Anestesiologia Ginecologia e Obstetrícia Pediatria Radiologia e Diagnóstico por Imagem Genética Médica Medicina Preventiva e social Patologia Endocrinologia e Metabologia Medicina de Família e Comunidade Medicina Nuclear Medicina Física e Reabilitação Reumatologia Infectologia Radioterapia Cirurgia Plástica Cardiologia Neurologia Clínica médica Homeopatia Nefrologia Hematologia e Hemoterapia Urologia Medicina do Trabalho Alergia e Imunologia Pneumologia Acupuntura Geriatria Neurocirurgia Cirurgia Pediátrica Patologia clínica-medicina laboratorial Nutrologia Medicina do Tráfego Oncologia Clínica Gastroenterologia Medicina Legal e Perícia Médica Medicina Intensiva Coloproctologia Cirurgia Torácica Cirurgia Geral Mastologia Cirurgia de Cabeça e Pescoço Medicina Hiperbárica Endoscopia Cirurgia Vascular Medicina Antroposófica Angiologia Cirurgia Cardiovascular Cirurgia do Aparelho Digestivo Cirurgia da Mão Cirurgia Oncológica 81,5 72,7 68,0 67,3 61,4 59,4 57,5 56,4 56,4 54,4 51,2 51,1 50,7 49,1 48,4 46,6 44,7 44,6 43,9 43,4 41,2 41,1 39,6 39,0 38,8 38,3 37,6 36,9 36,3 35,4 31,5 29,9 27,6 26,8 25,6 24,4 23,3 21,8 20,0 17,2 14,5 14,3 13,8 13,2 12,7 12,3 11,6 11,5 10,8 10,0 9,0 7,9 3,9 3,0 2,1 Distribuição (%) dos médicos em apenas uma especialidade, por especialidade médica. Fonte: EPSM/NESCON/FM/UFMG a partir dos dados do CNES/MS de dezembro de 2021 Entre as especialidades com maior proporção de médicos que dedicam 100% da carga horária ao seu exercício destacam-se a oftalmologia , a psiquiatria, a otorrinolaringologia, a dermatologia e a ortopedia e traumatologia. Escopo de prática
  • 31. ESPECIALISTAS OCUPADOS SEGUNDO COMPOSIÇÃO DO EXERCÍCIO*. Cir. Geral 21% Cir. Oncológica 21% Oncologia Clínica 13% Clínica médica 9% Ginecologia 5% Cir. Cabeça e Pescoço 4% Urologia 3% Mastologia 3% Ortopedia 3% Outras 17% Cirurgia Oncoló- gica Cirurgia On- cológica Oftalmologia 91% Clínica médica 4% Outras 5% Oftalmologia Especialistas podem se ocupar em diferentes especialidades, possuindo escopos de prática expandidos, como por exemplo a cirurgia oncológica, em que apenas 21% da carga horária é dedicada ao exercício da especialidade. Outras especialidades são mais “fechadas”, como a oftalmologia, em que 91% de sua carga horária é dedicada ao exercício da especialidade.
  • 32. Obrigado/a! Jackson – jackson@nescon.medicina.ufmg.br Ana – anastralen@nescon.medicina.ufmg.br