Unidade 1

147 visualizações

Publicada em

Curso de Economia Monetária

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
147
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Unidade 1

  1. 1. 09/03/2015 1 Definição e Funções da Moeda Unidade 1 Profa. Gisele F.Tiryaki ECO 174 – Economia Monetária FCE/UFBA Sumário  Introdução  Moeda e o Sistema de Pagamentos  Formas de Comercialização  Definição e Funções da Moeda  Evolução Histórica do Sistema de Pagamentos  Meios de Pagamento  Moeda e o Sistema Financeiro  Objetivo e Serviços do Sistema Financeiro  Canais do Sistema Financeiro  Estrutura do Sistema Financeiro Nacional  Regulação
  2. 2. 09/03/2015 2 Introdução  Porque temos uma cobertura diária e extensiva sobre eventos no sistema financeiro?  Comportamento do mercado de ações  Desempenho de instituições financeiras  Decisões do Banco Central  Influência do sistema financeiro na economia  Facilita a canalização de recursos de agentes superavitários para agentes deficitários com oportunidades lucrativas de investimento  Especialização da identificação e avaliação de desempenho gera maior eficiência  Promoção do desenvolvimento econômico (poupança, investimento e crescimento): King & Levine (1993), Fry (1995)  Redução da volatilidade dos ciclos econômicos: Silva (2001, 2002), Denizer et al (2002) Moeda e o Sistema de Pagamentos
  3. 3. 09/03/2015 3 Introdução  Quais os ganhos em eficiência possibilitados pela moeda?  Especialização de atividades produtivas e comercialização  Tipos de sistemas de comercialização:  Escambo: custos de transação elevados (busca por parceiros comerciais, preços múltiplos e inconsistentes, dificuldades em incorporar variações na qualidade de produtos e necessidade de coincidência mútua de “desejos”)  Alocação governamental: dificuldade em criar incentivos para produção eficiente (planejamento central pode não agradar a todos) e em atender à variedade de serviços e bens demandados pelos consumidores  Utilização de moeda: redução dos custos de transação e eliminação da necessidade de coincidência mútua de “desejos” Definições de Moeda  Produtos que passaram a ser aceitos na intermediação de trocas e que não possuem “valor de uso”, ou seja, não são desejados enquanto produto, mas pela sua ampla aceitação na intermediação de trocas “Moeda é aquilo que é aceito por todos em troca de bens e serviços – aceito não como um objeto para ser consumido, mas como um objeto que representa um conteúdo temporário de poder aquisitivo a ser usado para comprar outros bens e serviços” (Friedman, 1992, p. 28).
  4. 4. 09/03/2015 4 Definições de Moeda  Marx: moeda enquanto relação social “(...) o dinheiro inicia e finaliza o ciclo completo de reprodução do capital. Sem dinheiro no início não há processo de produção capitalista, onde meios de produção e força de trabalho são mercadorias. Sem ele, não há criação de valor no processo de produção. Sem dinheiro no final do ciclo, não há lucro, categoria que define um sistema capitalista, porque lucro não é apenas excedente de mercadorias extraído da força de trabalho humana, mas excedente convertido em moeda” (Mollo, 1987) Definições de Moeda  Keynes: circulação industrial vs. financeira “A primeira mudança desta abordagem [de Keynes] em relação à ortodoxia parte da identificação de uma circulação financeira, que quebra a ligação única da moeda com a circulação de bens, que Keynes chamou de circulação industrial. Nesta última, a moeda é meramente usada para facilitar a circulação de bens.A circulação financeira, por sua vez, inclui as operações com ativos e estoques de riqueza e não necessariamente se relaciona com a troca de bens.A moeda é tida como uma forma de espera (especulação) sobre os valores dos ativos”. (Val e Linhares, 2007)
  5. 5. 09/03/2015 5 Funções da Moeda  Intermediária de trocas: qualquer bem ou ativo que tenha aceitação geral na aquisição e venda de produtos e serviços e no pagamento de dívidas  Permite a especialização em larga escala: maior eficiência  Unidade de conta: cotação de preços de todos os bens e serviços  Reduz problemas associados a preços múltiplos e inconsistentes  Escambo: é necessário existir quantos preços em uma economia com 3 mercadorias? Com 10 mercadorias? Com 1000?  Moeda: é necessário existir quantos preços em uma economia com 3 mercadorias? Com 10 mercadorias? Com 1000?  Torna comparável bens e serviços que não seriam comparáveis de outra forma: ordenação de preferências Funções da Moeda  Padrão de valor diferido: facilita a distribuição de pagamentos ao longo do tempo (transações de crédito)  Reserva de valor: forma alternativa de guardar riqueza ou poder de compra  Reservatório por excelência de poder de compra: ativo com maior nível de liquidez  Como mensurar a capacidade da moeda de ser utilizada enquanto reserva de valor?  Depende do nível de preços: valor = 1/P
  6. 6. 09/03/2015 6 Determinação de Valor da Moeda Estoque Nominal de Moeda O0 O1 O que ocorre com o valor da moeda como resultado de um aumento na oferta monetária pelo Banco Central? Critérios: O que pode ser utilizado como moeda?  Aceitação pela maioria dos participantes do mercado  Qualidade padrão (duas unidades devem ser idênticas)  Durabilidade: deterioração mínima com o manuseio  Facilidade de transporte  Divisibilidade: capacidade de realização de transações de grande e pequeno valor (múltiplos e submúltiplos)
  7. 7. 09/03/2015 7 Evolução Histórica do Sistema de Pagamentos Moeda Mercadoria Papel Moeda Moeda Eletrônica (E-Money) Moeda Papel Evolução Histórica do Sistema de Pagamentos  Moeda Mercadoria: aceitação geral garantida em função do seu valor de uso intrínseco  Primórdios: gado, sal  Dificuldades: perecíveis; não fracionáveis  Metais: não havia competição entre o valor de uso e valor de troca  Raridade garantia o valor da moeda  Atendia a quase todos os critérios de forma satisfatória: aceitação, durabilidade e divisibilidade, mas...
  8. 8. 09/03/2015 8 Evolução Histórica do Sistema de Pagamentos  Problema 1: pureza não era garantida  Solução: cunhagem de moedas (selo garantia a qualidade)  Problema 2: dificuldade de transporte de grandes valores  Solução: depósito com ourives e emissão de certificados (Idade Média)  Certificados começaram a ser utilizados nas troca: o surgimento da atual configuração da moeda... Certificado de Depósito – Ouro (1914)
  9. 9. 09/03/2015 9 Evolução Histórica do Sistema de Pagamentos  Moeda Papel: certificado com garantia de 100% de conversibilidade  Valor de uso deixa de existir completamente  Moeda Fiduciária (início): certificado com garantia inferior a 100%, emissão por particulares (bancos)  Moeda Fiduciária atual ou Papel Moeda: sem lastro metálico (inconvertível), monopólio estatal da emissão  Moeda de curso legal (legal tender): moeda deve ser obrigatoriamente aceita nas transações comerciais e para saldar dívidas  Depósito de moeda em bancos: emissão de cheques com garantia de conversão imediata Evolução Histórica do Sistema de Pagamentos  Cheques: menos líquidos do que moeda, mas facilitam as transações envolvendo grandes valores e permitem maior segurança no armazenamento de valores  Maiores custos de transação: mais agentes envolvidos no processo de troca  Custo de informação: garantia que o cheque tem a contrapartida em moeda depositada no banco  Moeda eletrônica: sistema eletrônico de transferência de recursos  Cartões de débito e caixas eletrônicos: redução dos custos de transação e informação assimétrica  Cartões inteligentes: é possível armazenar com moeda eletrônica oriunda da conta corrente do proprietário  E-Cash: compra-se crédito com banco com acesso à internet (paypal)
  10. 10. 09/03/2015 10 Uso de Instrumentos de Pagamento – Quantidade de Transações Fonte: BCB, 2014 0 1000 2000 3000 4000 5000 6000 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 QuantidadedeTransações-Milhões Cheque C.Débito C.Crédito DOC/TED Meios de Pagamento  Ativos Financeiros: diferem de acordo com o grau de liquidez  Papel Moeda: mais líquido dos ativos financeiros  Classificação dos agregados monetários (BCB, 2009): Agregado Definição M1 Papel moeda em poder público + depósitos à vista M2 M1 + depósitos especiais remunerados + depósitos de poupança + títulos emitidos por instituições depositárias1 M3 M2 + quotas de fundos de renda fixa2 + operações compromissadas registradas no Selic3 M4 M3 + títulos públicos de alta liquidez Meios de Pagamento Restritos Meios de Pagamento Ampliados Poupança Financeira 1 Inclui depósitos a prazo, letras de câmbio, letras hipotecárias e letras de imobiliárias 2 Fundos Cambial; Curto Prazo; Renda Fixa (inclusive extramercado); Multimercado; Referenciado; e outros fundos ainda não enquadrados nas classes instituídas pela Instrução CVM Nº 409, de 18. 8 2004 3 Operações de compra de títulos com compromisso de revenda (Selic - Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic): títulos doTesouro Nacional)
  11. 11. 09/03/2015 11 Meios de Pagamento – Brasil Fonte: BCB, 2015 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 jan/95 nov/95 set/96 jul/97 mai/98 mar/99 jan/00 nov/00 set/01 jul/02 mai/03 mar/04 jan/05 nov/05 set/06 jul/07 mai/08 mar/09 jan/10 nov/10 set/11 jul/12 mai/13 mar/14 jan/15 R$milhões(base:Jan/95) M1 M2 M3 M4 Meios de Pagamento – Brasil Fonte: BCB, 2015 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 0 100 200 300 400 500 600 jan/95 dez/95 nov/96 out/97 set/98 ago/99 jul/00 jun/01 mai/02 abr/03 mar/04 fev/05 jan/06 dez/06 nov/07 out/08 set/09 ago/10 jul/11 jun/12 mai/13 abr/14 R$Milhões(Base:Jan/95) M2 M1
  12. 12. 09/03/2015 12 Meios de Pagamento – Brasil Fonte: BCB, 2015 0 100 200 300 400 500 600 jan/95 nov/95 set/96 jul/97 mai/98 mar/99 jan/00 nov/00 set/01 jul/02 mai/03 mar/04 jan/05 nov/05 set/06 jul/07 mai/08 mar/09 jan/10 nov/10 set/11 jul/12 mai/13 mar/14 jan/15 R$milhões(base:Jan/95) M1 M2-M1 M3-M2 M4-M3 Moeda e o Sistema Financeiro
  13. 13. 09/03/2015 13 Objetivo do Sistema Financeiro  Desequilíbrio entre rendimentos e despesas de indivíduos e organizações: oportunidade de comercialização  Sistema financeiro: possibilita a transferência de recursos de agentes econômicos superavitários (poupadores) para agentes deficitários  Facilita a produção de bens e serviços  Maior eficiência e bem estar social Sistema Financeiro Sistema Financeiro Poupadores: agentes econômicos superavitários Demandadores: agentes econômicos deficitários Mercados e Instituições Governos Empresários Unidades Familiares Instrumentos financeiros Ativos Instrumentos financeiros Passivos
  14. 14. 09/03/2015 14 Serviços do Sistema Financeiro  Compartilhamento de risco: risco do projeto é dividido entre poupadores e demandantes de empréstimos Diversificação: poupadores podem diversificar seus riscos aplicando em diferentes instrumentos (portfólio de ativos) Transferência de riscos: o mercado financeiro cria instrumentos que permitem que agentes avessos ao risco transfiram a incerteza para agentes dispostos a incorrer em maior risco  Exemplo: O que é preferível, uma aplicação com 50% de probabilidade de render 5% e 50% de probabilidade de render 15% ou uma aplicação com 100% de probabilidade de render 8%? Serviços do Sistema Financeiro  Liquidez: sistema financeiro disponibiliza mecanismos de comercialização que facilitam a conversão de ativos em moeda  Exemplo: um portfólio de ações é mais facilmente convertido em moeda do que equipamentos ou terrenos de empresas  Medida de eficiência do sistema financeiro: nível de liquidez dos ativos comercializados (facilidade de conversão)  Informação:  Sistema financeiro: capacitado para identificar e avaliar desempenho dos demandadores de recursos financeiros  Mecanismos de preços difundem essa informação
  15. 15. 09/03/2015 15 Instrumentos Financeiros  Definição: certificados que evidenciam o direito do adquirente sobre a renda futura ou ativos do emitente  Títulos e empréstimos: instrumentos financeiros de dívida  Pagamento periódico de valor e duração pré-especificados  Emitentes: governos e corporações  Custo do recurso emprestado: taxas de juros  Ações: instrumento financeiro que representa uma participação na propriedade de uma corporação  Pagamento de dividendos Canais do Sistema Financeiro Intermediários Financeiros Financiamento Indireto Recursos Mercado Financeiro Recursos Financiamento Direto Poupadores: •Governo •Empresas •Pessoas Deficitários: •Governo •Empresas •Pessoas Recursos Recursos Recursos
  16. 16. 09/03/2015 16 Mercado Financeiro  Tipos de ativos comercializados:  Ações:  Ordinárias: com direito a voto  Preferenciais: prioridade na distribuição de resultados  Nominativas: títulos de propriedade identificados  Escriturais: não há emissão de títulos de propriedade  Títulos de dívida: garantia de instituições financeiras ou lastreadas em ativos
  17. 17. 09/03/2015 17
  18. 18. 09/03/2015 18 Legenda  (NM) Novo Mercado  (N1) Nível 1 de Governança Corporativa  (N2) Nível 2 de Governança Corporativa  (MA) Bovespa Mais  (MB) Balcão Org.Tradicional  (DR1) BDR Nível 1  (DR2) BDR Nível 2  (DR3) BDR Nível 3  (DRN) BDR Não Patrocinado Debêntures
  19. 19. 09/03/2015 19 Mercado Financeiro  Classificações:  Primário vs. Secundário  Balcão vs. Bolsa  ÀVista vs. Derivativos  Monetário vs. De Capitais Mercado Financeiro  Mercado primário versus secundário:  Mercado primário: emissão inicial de ações e títulos  Mercado secundário: comercialização de ações e títulos entre investidores  Mercado de bolsa: contratos bilaterais, não padronizados  Mercado de balcão: contratos padronizados  Como as empresas não alavancam recursos nos mercados secundários, podemos concluir que eles são menos importantes para a economia do que os mercados primários.Verdadeiro ou falso?
  20. 20. 09/03/2015 20 Mercado Secundário: Balcão vs. Bolsa Fonte: BM&F Mercado Financeiro  Mercado à vista versus derivativos:  Mercado à vista: comercialização e liquidação imediata  Derivativos: comercialização no presente e liquidação no futuro  Mercado a termo: transações que envolvem a comercialização de uma mercadoria ou ativo financeiro que será efetivada no futuro, por um preço especificado no presente (balcão ou bolsa)  Mercado futuro: semelhante ao mercado a termo, mas liquidação pode ocorrer antes do vencimento (somente em bolsa)  Mercado de opções: comercializa-se o direito de comprar ou de vender uma mercadoria ou ativo financeiro por um preço fixo numa data futura  Swaps: negocia-se a troca de rentabilidade entre duas mercadorias ou ativos financeiros
  21. 21. 09/03/2015 21 Mercado Financeiro  Exemplo: swap de ouro x ativo com taxa prefixada  InvestidorA: compra ouro e vende ativo com taxa prefixada  Investidor B: compra ativo com taxa prefixada e vende ouro  Vencimento do contrato: valorização do ouro inferior à taxa prefixada negociada entre as partes, investidor B é beneficiado  Se a rentabilidade do ouro for superior à taxa prefixada, investidorA é beneficiado Taxa prefixada = R$ 94,80/g Vencimento: cotação é R$95,00/g “A” ganha, pois pagará R$ 94,80/g e poderá vender a R$95/g Fonte: BM&F
  22. 22. 09/03/2015 22 Mercado Financeiro  Mercado monetário versus mercado de capitais: títulos de curto prazo versus títulos de médio e longo prazo  Instrumentos do mercado monetário: papéis de curto prazo emitidos pelo tesouro nacional (política monetária)  Instrumentos do mercado de capitais: operações de repasse, arrendamento mercantil (leasing), securitização de recebíveis, oferta pública de ações e debêntures, títulos de governo de longo prazo Canais do Sistema Financeiro: Intermediários Financeiros  Financiamento indireto do poupador para o demandante de recursos  Bancos comerciais  Bancos de investimento: operações de médio e longo prazo  Bancos especializados em crédito habitacional  Cooperativas de crédito: produtores rurais  Sociedades de crédito imobiliário e associações de poupança e empréstimo: crédito habitacional  Sociedades de crédito e financiamento: crédito ao consumidor  Empresas corretoras e distribuidoras: mercados de câmbio, derivativos  Bancos múltiplos
  23. 23. 09/03/2015 23 Sistema Financeiro Nacional - Estrutura Sistema Financeiro Nacional - Estrutura Subsistema Normativo Conselho Monetário Nacional (CMN) Ministros da Fazenda, Planejamento e Presidente do BCB Banco Central (BCB) Comissão de Valores Mobiliários (CVM) Instituições Especiais (BB, CEF, BNDES)
  24. 24. 09/03/2015 24 Sistema Financeiro Nacional - Estrutura  CMN: política monetária e cambial  BCB:  Executor das políticas estabelecidas pelo CMN: COPOM  Fiscalizador das instituições financeiras  CVM: regulamentação do mercado financeiro  BB: banco múltiplo e agente financeiro do governo federal  CEF: banco múltiplo e agente do SFH  BNDES: fomento a empresas de interesse ao desenvolvimento do país Sistema Financeiro Nacional - Estrutura Subsistema de Intermediação Instituições Financeiras Bancárias Bancos Comerciais, Múltiplos e de Investimento Instituições Financeiras Não Bancárias Bancos de Desenvolvimento Estaduais, Financeiras e Leasing Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo Instituições Auxiliares Bolsas, Corretoras e Agentes Autônomos Instituições Não Financeiras Cooperativas de Crédito
  25. 25. 09/03/2015 25 Fonte: BCB (2014) Fonte: BCB (2014)
  26. 26. 09/03/2015 26 Fonte: BCB (2014) Fonte: BCB (2014)
  27. 27. 09/03/2015 27 Fonte: BCB (2014) Concentração Bancária no Brasil 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 %Ativos-CincoMaioresBancos Brasil Estados Unidos Fonte: GFDI (2014)
  28. 28. 09/03/2015 28 Regulação do Sistema Financeiro  Objetivo 1: estabilidade financeira  Promover maior eficiência na alocação de recursos de uma economia  Garantir a eficácia do sistema financeiro em prover serviços de compartilhamento de risco, informação e liquidez em períodos de instabilidade econômica  Objetivo 2: disseminação e transferência de informação aos participantes do sistema financeiro  Objetivo 3: execução da política monetária Regulação do Sistema Financeiro – Justificativas  Keynes e Pós-Keynesianos: mercado de capitais, investimento e instabilidade  Desenvolvimento do mercado de capitais permite maior disponibilidade de recursos para investimento, mas...  Aumento na volatilidade do investimento: fragilidade do estado de confiança  Decisão de investimento: determinada pelas expectativas dos especuladores (mudanças bruscas de opinião, psicologia do mercado, reputação e comportamento de manada)  Solução proposta: cobrança de impostos sobre transações, regulação
  29. 29. 09/03/2015 29 Regulação do Sistema Financeiro – Justificativas  Novos Keynesianos: informação assimétrica e racionamento de crédito  Risco moral e seleção adversa: taxa de juros não é mais a variável de ajuste  Equilíbrio de mercado: sub-acumulação de capital  Economias de escala na aquisição de informação e monitoramento: tendência de concentração de mercado bancário  Solvência das instituições financeiras: necessidade de monitoramento dos acionistas ou investidores  Crises financeiras e necessidade de resgate de instituições: importância da regulação Questões  Na ausência de custos de informação e transação, intermediários financeiros não existiriam.Verdadeiro ou falso?  Se você suspeita que uma empresa irá à falência no próximo ano, que tipo de ativo você preferirá manter: títulos emitidos pela empresa ou ações da empresa?  Porque agiotas aparentemente se preocupam menos com o risco moral associado aos empréstimos concedidos do que as instituições financeiras?

×