Organização do tempo, espaços, rotina na Educação Infantil

25.333 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25.333
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
525
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Organização do tempo, espaços, rotina na Educação Infantil

  1. 1. Organização do trabalho pedagógico: tempo, ambientes, materiais, rotina Educação Infantil
  2. 2. Organização do Trabalho Pedagógico Conteúdos; Áreas do desenvolvimento; Listas de atividades; Datas comemorativas; Tema gerador;
  3. 3. Por que as crianças devem fazer a mesma coisa, ao mesmo tempo, do mesmo modo?
  4. 4. Poder disciplinar - Foucault
  5. 5. Práticas e artefatos para “docilização” do corpo
  6. 6. A infância como algo diferente não é o objeto (ou o objetivo) de conhecimento, mas o que escapa a qualquer objetivação e tudo o que se desvia da meta; não é o ponto de ligação do poder, mas o que marca sua linha de colapso, o seu limite exterior, o seu total desamparo; não é o que está presente em nossas instituições, mas o que permanece ausente e incompreensível, sempre brilhando fora dos limites. Portanto, a alteridade da infância não significa que as crianças estejam relutantes em ser plenamente apropriadas pelo nosso conhecimento, nossas práticas e nossas instituições; sequer significa que essa apropriação nunca poderá realizar-se completamente. A alteridade da infância é algo muito mais radical: nada mais e nada menos do que sua absoluta heterogeneidade em relação a nós e nosso mundo, a diferença absoluta. E se a presença enigmática das crianças é a presença de algo radical e irredutivelmente outro, há de se pensá-la em como sempre nos escapa: em como inquieta o que sabemos (e a soberba da nossa vontade saber), em como suspende o que podemos (e a arrogância da nossa vontade de poder) e em como põe em questão os lugares que temos construído para ela (e a presunção da nossa vontade de abarcá-la). Aí está a vertigem: em como a alteridade da infância conduz a uma região onde as medidas do nosso conhecimento e do nosso poder não a regem. LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: Estudios sobre lenguaje, subjetividad, fomación.

×