Encontro dos coordenadores da educação infantil

1.662 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.662
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
544
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Encontro dos coordenadores da educação infantil

  1. 1. Encontro dos coordenadores da Educação Infantil Santa Maria/DF, 8 de abril de 2011.
  2. 2. Vídeo A escola e a criatividade – Ken Robinson
  3. 3. Projeto Maritaca Fazendo um “barulhinho bom”
  4. 4. A maritaca pertence à família dos Psitacídeos, a mesma dos papagaios e das araras. Por isso, a semelhança entre as aves é tão aparente, embora se diferenciem pelo tamanho e coloração das penas. A espécie mais comum das maritacas é a Pionus maximiliani (Maitaca bronzeada) que apresenta penas verdes enegrecidas na cabeça, bico amarelado e pode atingir até 27 centímetros na fase adulta. A ave é característica da região de cerrado. Vive nas matas altas e prefere os primeiros momentos da manhã para realizar seus vôos. Quando em atividade, gosta da companhia de seus semelhantes e os bandos podem chegar a até 100 integrantes. As aventuras das maritacas só são silenciosas quando em curta distância; em caso de vôos longos, as aves emitem um ruído sonoro e bem perturbador durante o percurso. Para subir na copa das árvores – local ideal para encontrar os frutos dos quais se alimentam – as maritacas utilizam o bico de apoio, como se fosse um terceiro pé. As aves são atraídas por árvores frutíferas como mangueiras, jabuticabeira, goiabeiras, laranjeiras e mamoeiros, mas mais do que a polpa das frutas, as maritacas adoram as sementes e as quebram com a ajuda do bico forte. Quando vai se aproximando a época do acasalamento, a fêmea colhe as próprias penas de seu corpo, que caem naturalmente e as utiliza para forrar o ninho. Macho e fêmea compartilham todas as atividades nessa época: chocam os ovos por um período de 23 a 25 dias, em média, alimentam os filhotes até que eles saiam do ninho, geralmente com dois meses de vida, e zelam pela segurança. O casal de maritacas permanece junto no interior do ninho mesmo pela manhã e sempre inspeciona os arredores colocando-se à entrada do abrigo. Se assustados, saem um a um rapidamente sem emitir o menor som. O sexo da maritaca não é visível. Seu órgão sexual é interno e, por isso, para descobrir se uma maritaca é macho ou fêmea é preciso realizar exames precisos, como o que analisa o DNA. O acasalamento entre as maritacas ocorre de agosto a janeiro e as aves põem de três a cinco ovos, geralmente.
  5. 5. Histórico do Projeto Maritaca O Projeto Maritaca foi idealizado pela Diretoria de Educação Infantil e teve início no ano de 2002. O Projeto surgiu em função de diagnóstico realizado por esta diretoria em parceria com as Diretorias Regionais de Ensino, onde foi observada a necessidade de otimizar as coordenações coletivas.
  6. 6. O Projeto visava subsidiar a atuação dos coordenadores locais durante a coordenação coletiva nas escolas que ofertavam Educação Infantil. O encontro, espaço/tempo de formação continuada, realizava-se mediante apresentação de acervo bibliográfico, palestras, oficinas e estudo de temas pertinentes à primeira etapa da Educação Básica.
  7. 7. O nome ‘Maritaca’ foi escolhido através de um concurso entre as regionais de ensino. A DRE vitoriosa foi a de Taguatinga, que sugeriu ‘Maritaca’ devido ao barulho que esta ave produz como uma representação do papel dos coordenadores que seria ‘fazer barulho’ nas coordenações coletivas. Em 2010, o projeto foi reformulado a partir de sugestões da equipe central e dos coordenadores intermediários.
  8. 8. Um dos elementos que contribuíram para a reformulação, foi a avaliação do SIADE dos anos de 2008 e 2009. Para incidir sobre as necessidades levantadas pelo sistema avaliativo, foram promovidas quatro grandes palestras: Planejamento; Rotina na Educação Infantil; Atividades diversificadas; e Avaliação. Este trabalho envolveu DEI, coordenadores intermediários e locais. As DREs ficaram com a atribuição de viabilizar a melhor forma de repasse dos conteúdos das palestras aos professores.
  9. 9. 2011 Maritaca Curricular Enfoque no estudo, reflexão e análise do Currículo Experimental Construção de espaços de estudo coletivo nas escolas, respectivas DREs e DEI.
  10. 10. 1ª Palestra Organizada pela DEI: A Infância Levada a Sério Tema: Concepção de Criança, de Infância e de Currículo Data: 4 de maio de 2011 Local: Auditório da EAPE No turno de coordenação Participantes: Professores da Educação Infantil, Coordenadores e 1 representante da Direção
  11. 11. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Resolução nº 5 de 17/12/2009 (MEC/CNE) Criança: sujeito histórico e de direitos, centro do planejamento curricular (art. 4º) Matrícula obrigatória na Educação Infantil (4 e 5 anos completos até 31/03) – EC 59 de 11/11/2009 (Art. 208)
  12. 12. Propostas pedagógicas pautadas em princípios éticos, políticos e estéticos. Práticas pedagógicas com os seguintes eixos norteadores: interações e brincadeira.
  13. 13. Práticas pedagógicas que garantam experiências que: “(Art. 9º) I - promovam o conhecimento de si e do mundo por meio da ampliação de experiências sensoriais, expressivas, corporais que possibilitem movimentação ampla, expressão da individualidade e respeito pelos ritmos e desejos da criança; II - favoreçam a imersão das crianças nas diferentes linguagens e o progressivo domínio por elas de vários gêneros e formas de expressão: gestual, verbal, plástica, dramática e musical; III - possibilitem às crianças experiências de narrativas, de apreciação e interação com a linguagem oral e escrita, e convívio com diferentes suportes e gêneros textuais orais e escritos;
  14. 14. IV - recriem, em contextos significativos para as crianças, relações quantitativas, medidas, formas e orientações espaçotemporais; V - ampliem a confiança e a participação das crianças nas atividades individuais e coletivas; VI - possibilitem situações de aprendizagem mediadas para a elaboração da autonomia das crianças nas ações de cuidado pessoal, auto- organização, saúde e bem-estar; VII - possibilitem vivências éticas e estéticas com outras crianças e grupos culturais, que alarguem seus padrões de referência e de identidades no diálogo e reconhecimento da diversidade; VIII - incentivem a curiosidade, a exploração, o encantamento, o questionamento, a indagação e o conhecimento das crianças em relação ao mundo físico e social, ao tempo e à natureza;
  15. 15. IX - promovam o relacionamento e a interação das crianças com diversificadas manifestações de música, artes plásticas e gráficas, cinema, fotografia, dança, teatro, poesia e literatura; X - promovam a interação, o cuidado, a preservação e o conhecimento da biodiversidade e da sustentabilidade da vida na Terra, assim como o não desperdício dos recursos naturais; XI - propiciem a interação e o conhecimento pelas crianças das manifestações e tradições culturais brasileiras; XII - possibilitem a utilização de gravadores, projetores, computadores, máquinas fotográficas, e outros recursos tecnológicos e midiáticos.
  16. 16. Parágrafo único - As creches e pré- escolas, na elaboração da proposta curricular, de acordo com suas características, identidade institucional, escolhas coletivas e particularidades pedagógicas, estabelecerão modos de integração dessas experiências.”
  17. 17. Sugestão de Leitura: Resolução nº 5 de 17/12/2009 (MEC/CNE) O Currículo na Educação Infantil: o que propõem as novas diretrizes nacionais? (Zilma de Moraes Ramos de Oliveira) Visibilidade social e estudo da infância (Manuel Jacinto Sarmento)

×