Pesquisa principio cientifico e educativo

434 visualizações

Publicada em

Pesquisa principio cientifico e educativo
Curso Ava 2013

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
434
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa principio cientifico e educativo

  1. 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS DIVISÃO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL Curso Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) no Contexto da Aprendizagem e Avaliação Atividade: Fórum SlideShare Módulo 4: Pesquisa: princípio cientifico e educativo Mediador Pedagógico: Jany Baena Fernandez Cursista: Danielle Yoshie Harada
  2. 2. DESMITIFICANDO O CONCEITO A pesquisa deveria fazer parte da vida escolar do educando desde o início e se ampliar gradativamente no decorrer da construção do conhecimento. Conforme menciona Demo(2006): É possível desenhar o alcance alternativo da pesquisa, que a tome como base não somente das lides científicas, mas também do processo de formação educativa, o que permitiria introduzir a pesquisa já na escola básica, a partir do pré-escolar e considerar atividade humana processual pela vida afora. http://www.google.com.br/ http://www.google.com.br/ http://www.google.com.br
  3. 3. DESMITIFICANDO O CONCEITO Para uma aprendizagem significativa ensino e pesquisa devem estar articulados. Na opinião de Demo (2006): Quem ensina carece pesquisar; quem pesquisa carece ensinar. Professor que apenas ensina jamais o foi. Pesquisador que só pesquisa é elitista explorador, privilegiado e acomodado. LEIA revistaescola.abril.com.br Demo (2006) afirma que: Pesquisar toma aí contornos muito próprios e desafiadores, a começar pelo reconhecimento de que o melhor saber é aquele que sabe superar-se. O caminho emancipatório não pode vir de fora, imposto ou doado, mas será conquista de dentro, construção própria, para o que é mister lançar mão de todos os instrumentos de apoio: professor, material didático, equipamentos físicos, informação. Mas, no fundo, ou é conquista, ou é domesticação. http://www.google.com.br http://www.google.com.br
  4. 4. HORIZONTES MÚLTIPLOS DA PESQUISA As ações pedagógicas do professor devem ser equilibradas em dois pilares: a teoria e a prática adotando o critério da discutibilidade para alcançar os objetivos almejados na aprendizagem dos alunos. http://www.google.com.br/ http://www.google.com.br http://www.revistadehistoria.com.br De acordo com Demo (2006): Teoria e prática detêm a mesma relevância científica e constituem no fundo um todo só. Uma não substitui a outra e cada qual tem sua lógica própria. Nos extremos, os vícios do teoricismo e do ativismo causam os mesmos males. Não se pode realizar prática criativa sem retomo constante à teoria, bem como não se pode fecundar a teoria sem confronto com a prática. Assim chegamos a reconhecer que o critério mais pertinente, criativo, formal e politicamente, da cientificidade é a discutibilidade: somente o que é discutível, na teoria e na prática, pode ser aceito como científico.
  5. 5. A PESQUISA COMO DESCOBERTA E CRIAÇÃO O contexto não muda, o que vai mudar são as formas de pensar e agir a partir do que se descobriu. http://repapeando.blogspot.com.br/2009/04/mafalda-em-foco.html Conforme explica Demo( 2006): Na descoberta criou-se conhecimento novo, não realidade nova, embora a partir daí se possa inventar usos novos do conhecimento.
  6. 6. A PESQUISA COMO DIÁLOGO O diálogo constitui-se como um fator de fundamental importância durante o processo de pesquisa, pois permite a troca de conhecimento através da interação, na qual entre acordos e discordâncias buscam um objetivo em comum. Diálogo é fala contrária, entre atores que se encontram e se defrontam. Somente pessoas emancipadas podem de verdade dialogar, porque têm com que contribuir. Somente quem é criativo tem o que propor e contrapor. Um ser social emancipado nunca entra no diálogo para somente escutar e seguir, mas para demarcar espaço próprio, a partir do qual compreende o do outro e com ele se compõe ou se defronta. •pesquisa como princípio científico e educativo faz parte integrante de todo processo emancipatório, no qual se constrói o sujeito histórico auto-suficiente, crítico e autocrítico, participante, capaz de reagir contra a situação de objeto e de não cultivar os outros como objeto; •pesquisa como diálogo é processo cotidiano, integrante do ritmo da vida, produto e motivo de interesses sociais em confronto, base da aprendizagem que não se restrinja a mera reprodução; na acepção mais simples, pode significar conhecer, saber, informar-se para sobreviver, para enfrentar a vida de modo consciente. Segundo Demo (2006): http://dobra.com.br/ http://www.citi.org.br/
  7. 7. A PESQUISA COMO PRINCÍPIO CIENTIFICO Demo (2006) define que: Se a pesquisa é a razão do ensino, vale o reverso: o ensino é a razão da pesquisa, se não quisermos alimentar a ciência como prepotência a serviço de interesses particulares. Transmitir conhecimento deve fazer parte do mesmo ato de pesquisa, seja sob a ótica de dar aulas, seja como socialização do saber, seja como divulgação socialmente relevante. O professor deve inovar sua prática docente tendo a pesquisa como base de formação. http://www.portaleducacao.com.br http://www.estradaafora.com.br
  8. 8. A QUESTÃO DA AVALIAÇÃO A pesquisa poderia ser utilizada para resolver o impasse existente no processo avaliativo: ora não valoriza o desenvolvimento individual, ora se adapta às necessidades dos alunos, promovendo a aprovação em massa. De acordo com Demo(2006): A avaliação pode conter o desafio da própria pesquisa, como realimentação do processo de produção científica, como busca de redirecionamentos, superações, alternativas, como respeito a compromissos assumidos com a sociedade em planos e políticas. http://alunaspe3.blogspot.com.br/ http://aprendendoaensinar.blogspot.com.br/
  9. 9. EDUCAÇÃO, PESQUISA E EMANCIPAÇÃO Emancipação significa libertação, no contexto escolar significa que o aluno deve ter a liberdade de pensar, agir, criar, mas não sozinho e sim tendo o professor como orientador e motivador de suas ações. Na opinião de Demo(2006): Emancipação não é atitude isolada, porque nada em sociedade é espontâneo estritamente. Precisa ser motivada, mas não pode ser conduzida. O filho não se emancipa sem os pais, mas estes precisam assumir uma postura instrumental de motivação. http://psicopedagogiaeducacao.blogspot.com.br http://www.judofoz.com
  10. 10. LIMITAÇÕES DO APENAS ENSINAR A limitação é o oposto da emancipação, na qual o aluno somente recebe as informações e as reproduz sem questionar. Demo (2006) menciona: A sala de aulas, lugar em si privilegiado para processos emancipatórios através da formação educativa, toma-se prisão da criatividade cerceada, à medida que se instala um ambiente meramente transmissivo e imitativo de informações de segunda mão. http://muitashistorias.spaceblog.com.br http://www.viaes.com.br
  11. 11. LIMITAÇÕES DO APENAS APRENDER As circunstancias do contexto escolar condicionam o aluno a decorar os conteúdos e reproduzi-los na prova, logo esquecem até mesmo o assunto que estudaram. Decorar, apenas, é fatal, porque destrói o desafio essencial de criar soluções. Para quem só decora (cola), na prova — se der “um branco” — o único recurso é colar. Não se sabe deduzir, induzir, inferir, estabelecer relações, reconstruir contextos. Resta copiar. A cópia perfeita é a cola, como xerox. Tal condição reduz o aluno ao “mero aprender”, obstruindo passos da criatividade própria, O “mero aprender” estiola o desafio técnico e político da educação, matando a expectativa preventiva, emancipatória, redistributiva e equalizadora, cabível em sujeitos sociais que aprendem a aprender. http://qrolecionar.blogspot.com.br Demo (2006) afirma que:
  12. 12. VAZIOS DA ESCOLA FORMAL Na visão do aluno, a escola não é atrativa, o ensino não tem significado, então qual é o sentido de estudar? A influência da escola sobre a criança é cada vez mais “formal” e, neste sentido, vazia, pela artificialidade da sua organização distanciada da sociedade diária ou pela concorrência avassaladora com os meios de comunicação. De acordo com Demo (2006): http://www.truth.com.br http://aquivocepode2013.blogspot.com.br/
  13. 13. Construindo a pratica Discutir a prática significa sempre também recolocar a questão da cidadania. Sem polemizar, cidadania quer dizer atuação política consciente e organizada, a nível de sujeito social. Remete à capacidade histórica de ocupação de espaço próprio, no contexto emancipatório; inclui a sua manifestação individual, mas se completa principalmente na organização associativa, para ser competente. A qualidade política coloca para a universidade (e, mutatis mutandis, para a escola), ao lado da expectativa sobre competência científica, a pergunta fundamental: Competência para quê e para quem? O profissional competente se realiza em dois horizontes mais marcantes: como capaz de operar a instrumentação científica em termos de aplicação prática e como capaz de ser ator eficaz na realidade histórica. Cidadania envolve os dois horizontes, embora no seu âmago se constitua de competência política.
  14. 14. REFERENCIAS DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio cientifico e educativo. São Paulo : Cortez,2006. http://www.youtube.com/watch?v=JUly_0STUOg http://www.youtube.com/watch?v=Vra4hclt7kw http://www.google.com.br

×