Guiaderemediosnaturaisparacriancas sofia loureiro

1.177 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.177
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guiaderemediosnaturaisparacriancas sofia loureiro

  1. 1. Prefácio da atriz Joana Seixas Sofia Loureiro GUIA DE REMÉDIOS NATURAIS PARA CRIANÇAS Fundadora da Casa Verdes Anos Doutorada em Química do Ambiente * Terapeuta Natural A saúde dos filhos constitui uma das grandes preocupações da vida dos GUIA STE é um completo guia prático de remédios naturais pais, já que, apesar da sua grande para crianças, para consultar sempre que necessário. vitalidade, as crianças são sensíveis e, por Os remédios naturais beneficiam as crianças porque DE vezes, sofrem quebras no seu bem-estar. REMÉDIOS NATURAIS são simples e eficazes, contribuindo para reduzir a intensidade Nessas alturas, os pais questionam-se e frequência das queixas, aliviar o desconforto e prevenir com- sobre o que podem fazer para os ajudar. plicações futuras. Por isso, nas últimas décadas tem-se SOFIA LOUREIRO PARA observado um aumento da procura de é licenciada em biotecnologia, doutorada em QUI vai encontrar conselhos práticos sobre mais de tratamentos simples e naturais para química do ambiente e especialista em terapias uma centena de queixas de saúde das crianças. Para prevenir e tratar as queixas mais comuns naturais. Foi nestas terapias que encontrou uma ponte entre o microcosmo humano da biologia cada problema obterá recomendações ao nível da das crianças. Os remédios naturais são e o macrocosmo ambiental da ecologia. alimentação, plantas medicinais e aromaterapia, hidroterapia, Alimentação Saudável * Plantas Medicinais * Aromaterapia * Hidroterapia * Geoterapia uma excelente opção, pois contribuem C M Os vários anos dedicados à investigação científica geoterapia, homeopatia e sais de Schüssler, florais de Bach, Homeopatia * Sais de Schüssler * Florais de Bach * Massagem * Reflexologia para reduzir a intensidade e frequência e a publicação de artigos, juntamente com massagem, reflexologia e, ainda, recomendações de carácter Y das queixas, para aliviar o desconforto e os conhecimentos adquiridos ao longo da suaCM geral. para prevenir as complicações. Afinal, queMY formação em diversas disciplinas de terapias naturais (naturopatia, homeopatia, aurículo- mais podem os pais ambicionar do que ARA além dos conselhos práticos, este guia incluiCYCMY -acupunctura, etc.), concorreram para o rigor proporcionar aos seus filhos saúde e K essencial à redação desta obra abrangente uma introdução às terapias naturais, sugestões para a vitalidade, respeitando as leis da e detalhada. organização de um «kit natural» e notas sobre hábitos Natureza? A sua dedicação ativa às terapias naturais saudáveis, entre outros temas importantes para a saúde física, manifesta-se através de artigos de divulgação mental e emocional da criança. Este é um guia detalhado e da participação em palestras. O seu trabalho de remédios naturais para crianças, pleno Sofia Loureiro expõe ainda uma devoção às questões ambientais de conselhos práticos, para consultar e sociais. Um livro imprescindível, para ter sempre à mão. sempre que necessário. Assim, a resposta que procura pode estar tão perto como nas suas mãos. Classificação: Saúde e Bem-Estar Conheça mais sobre a autora através do seu blogue, Espreite o ISBN 978-989-668-169-2 vídeo deste SoPro Verde - Um Sopro de Mudança para Uma livro no Consciência (Mais) Verde, em: ecrã de um 9 789896 681692 telemóvel. www.nascente.pt http://soproverde.wordpress.com
  2. 2. Sofia Loureiro Doutorada em Química do Ambiente * Terapeuta Natural Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças Sofia Loureiro Doutorada em Química do Ambiente * Terapeuta Natural GUIA DE REMÉDIOS NATURAIS GUIA PARA DE REMÉDIOS NATURAIS PARAAlimentação Saudável * Plantas Medicinais * Aromaterapia * Hidroterapia * Geoterapia Homeopatia * Sais de Schüssler * Florais de Bach * Massagem * ReflexologiaAlimentação Saudável * Plantas Medicinais * Aromaterapia * Hidroterapia * Geoterapia Homeopatia * Sais de Schüssler * Florais de Bach * Massagem * Reflexologia 1
  3. 3. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças ÍNDICEPrefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5Nota Introdutória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7Agradecimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9Dedicatória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10Capítulo IIntrodução às Terapias Naturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Fitoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Herbalismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Infusão e Decocção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Tinturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Dosagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Outras Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Aromaterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Como Usar Óleos Essenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Advertências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 Florais de BacH . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Hidroterapia e Geoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Hidroterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Banhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 A Cura das Meias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Fricções de Pele . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Compressas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Banho de Vapor Facial: Inalações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Hidrocinesiterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Regras Gerais para a Aplicação de Hidroterapia . . . . . . . . . . . 31 Geoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Cataplasma de Argila . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Homeopatia e Sais de Schüssler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 3
  4. 4. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças Homeopatia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Sais de Schüssler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Massagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 Reflexologia Podal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Suplementos Alimentares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Ácidos Gordos Essenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Gérmen de Trigo, Levedura de Cerveja e Sementes de Linhaça . . 43 Probióticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Própolis e Geleia Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Suplementos Multivitamínicos e de Minerais . . . . . . . . . . . . . . . . 46 Notas Finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46Kit Natural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Fitoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Florais de Bach . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 Hidroterapia e Geoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Homeopatia e Sais de Schüssler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Massagem e Reflexologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 Suplementos Alimentares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50Exemplo de um Questionário de Terapias Naturais . . . . . . . . . . 53Prevenção — Práticas Saudáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Alimentação Nutritiva e Saudável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Carga glicémica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Vitaminas, Minerais e Ácidos Gordos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 Reforçar o Sistema imunitário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 Água é Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 Medidas de Higiene . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 Sono Reparador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 Técnicas de Relaxamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 Criatividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Contacto com a Natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Exercício Físico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71Capítulo IIAs Queixas Mais Comuns em Crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75(ver Índice de Queixas, pág. 431) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Capítulo IIISíndrome de Pós-Vacinação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415Sistemas de Educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 421Curso de Socorrismo Pediátrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 423Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 425Índice de Queixas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4314
  5. 5. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças P r efáci o A Natureza não faz milagres, faz revelações. Carlos Drummond de Andrade Foi muito curioso ter recebido o convite para fazer este prefácio,porque os meus conhecimentos de medicinas naturais são apenas osda minha experiência como mãe. Há já muito tempo que sentia que ainformação em Portugal nesta área era muito escassa, e este guia vempreencher uma lacuna no que respeita aos manuais de saúde natural. Tal como eu, a equipa educativa da Casa Verdes Anos — um pro-jeto pedagógico alternativo criado em 2004 por um conjunto de pais —também tem sentido essa falta de informação, lacuna que temos vindoa compensar com palestras e formações. Temos como filosofia o ensino do respeito pela Natureza, a importân-cia educacional e ambiental de uma alimentação vegetariana biológicae biodinâmica, a utilização de materiais orgânicos e recicláveis comoinstrumento pedagógico e a criação de espaços físicos ambientalmenteconscientes. Temos também uma grande abertura ao recurso a algumasdas medicinas alternativas, pois estas respeitam os ritmos naturais decada ser humano e contribuem para a preservação do meio ambiente edos recursos naturais. Este guia vem ajudar (e muito) pais, educadores, professores e outrosresponsáveis pelas crianças a fazerem tratamentos eficazes e a teremmais opções numa primeira abordagem. A busca pelo equilíbrio e aaproximação à Natureza é uma escolha consciente que todos podemosfazer. O objetivo é ajudarmos as nossas crianças a tornarem-se adultosfortes e saudáveis, transmitindo-lhes confiança, que é uma ferramenta 5
  6. 6. Guia de Remédios Natur ais par a Cr iançasimportante quando aplicamos qualquer tratamento. Ajudá-las a conhe-cer e a perceber melhor o seu corpo, que está em permanente mudança,é também determinante para o seu bem-estar. Este livro abre-nos as portas da Natureza. Parabéns à autora por terescrito este guia, que nos dá mais informação e liberdade de escolha notratamento das nossas crianças. Joana Seixas Fundadora da Casa Verdes Anos6
  7. 7. I n t r o d u ç ã o à s Te r a p i a s N at u r a i s I N TRO D UÇÃO ÀS T E RAP I AS N ATURA I S O terreno é tudo, o micróbio não é nada. Claude Bernard A citação recorda uma das leis da naturopatia em que se refere quea doença (o micróbio) não tem condições para se desenvolver num orga-nismo (o terreno) vital e em boa forma. Assim, para garantir a manuten-ção do equilíbrio funcional do nosso organismo temos ao alcance umasérie de práticas saudáveis como, por exemplo, uma dieta adequada, amanutenção de um sistema de defesa ativo, o exercício físico, um sonoreparador, o contacto com a natureza e a criatividade mental. Afinal decontas, é na prevenção que está a chave para uma vida saudável. Infelizmente, por vezes o organismo sofre quebras de vitalidade, dandomargem para que as patologias se desenvolvam. Nessas ocasiões, os remé-dios naturais vêm em nosso auxílio para estimular e reforçar os mecanis-mos de cura. Neste âmbito, o sector das terapias naturais conta com umdiverso leque de disciplinas que nos apoiam no processo de recuperação,como a dietoterapia (terapia através de uma dieta equilibrada), fitoterapiae aromaterapia (terapia pelas plantas e óleos essenciais), essências floraisde Bach (terapia psicoemocional por essências de flores), hidroterapia egeoterapia (terapia pela água e elementos da terra como a argila), homeo­patia e sais de Schüssler (terapia por remédios diluídos), massagens ereflexologia podal, acupunctura e osteopatia, entre outros. Cada vez mais, os pediatras evitam prescrever medicamentos far-macêuticos de síntese indiscriminadamente devido aos seus reconheci-dos efeitos adversos (por exemplo, antibióticos, anti-histamínicos). Noentanto, não temos de deixar as crianças indefesas, visto que podemos 13
  8. 8. Guia de Remédios Natur ais par a Cr iançasencontrar o suporte de que necessitam em tratamentos naturais e sim-ples. De facto, quando administrados precocemente e de forma correta,os remédios naturais podem contribuir para restabelecer o equilíbrio doorganismo de uma forma segura e rápida. Para compreender o processo de cura, temos de ter em consideraçãoque a recuperação de uma pessoa depende da sua Energia Vital e, nestedepartamento, as crianças têm tudo a seu favor devido à sua grandevitalidade e capacidade de reação. Como alicerce, temos atualmente umflorescente mercado de suplementos naturais de linha infantil e júnior,acessíveis em ervanárias e dietéticas, assim como em certas parafarmá-cias e farmácias. Sempre que usados corretamente, os remédios naturais têm diversasvantagens, tais como: — Menor possibilidade de efeitos colaterais que os medicamentos farmacêuticos de síntese. — Não intoxicam o organismo. — Não causam problemas de resistência a patógenos. — Por serem naturais, os produtos de eliminação não contaminam o ambiente. — Seguem um modelo holístico, isto é, têm em conta a integridade do indivíduo a nível mental, emocional e físico. «Tratamos doentes, não doenças» é a máxima. De facto, nunca édemais relembrar a definição de saúde da Organização Mundial deSaúde (OMS): «Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mentale social, e não, simplesmente, a ausência de doenças ou enfermidades.» Nos casos em que a Energia Vital se encontra demasiado debilitada e énecessário recorrer a medicamentos farmacêuticos, deve ter-se em contaque os remédios naturais, quando administrados corretamente, podemapoiar e complementar o tratamento médico. No entanto, aconselha-seuma consulta a um terapeuta especializado de modo a evitar possíveisproblemas de interação medicamentosa. Similarmente, no caso de qual-quer dúvida, se o seu filho toma algum tipo de medicamento ou sofre deuma condição crónica, deve consultar o seu profissional de saúde antesde iniciar qualquer tipo de tratamento natural. A secção seguinte expõe as bases das terapias referidas nesta obrae a sua leitura é imprescindível para o uso correto dos tratamentosrecomendados.14
  9. 9. I n t r o d u ç ã o à s Te r a p i a s N at u r a i s Fitoterapia A cura através de plantas é uma prática milenar que faz parte da his-tória do homem. De facto, o estudo e aplicação de remédios à base deplantas constituíram o fundamento do sistema de saúde. Atualmente,a investigação científica contribui para complementar o conhecimentotradicional das propriedades da flora medicinal, tornando o seu uso maisseguro e eficaz. As plantas medicinais podem ser preparadas de diferentes manei-ras, desde uma simples infusão ou tintura (herbalismo), até ao uso deóleos essenciais (aromaterapia). Estas diferentes preparações permitemextrair os diversos princípios ativos de cada planta, isto é, as substânciasque são responsáveis pelas suas propriedades curativas. Há que ter em conta que as plantas medicinais devem ser adquiri-das em locais de venda credenciados. Dê preferência a produtos bioló-gicos, já que estes são mais puros (livres de resíduos de pesticidas oufertilizantes químicos, entre outros), reduzindo assim a probabilidadede causarem reações alérgicas, além de que a sua produção envolve umreduzido impacto ambiental. H erb ali sm o Infusão e decocção As infusões e decocções são formas de extração aquosa em que aplanta é posta em contacto com água a ferver. De notar que o «chá» corresponde a uma infusão da planta de chá.De facto, hoje em dia podemos adquirir a planta de chá em diferentesformas, como chá verde, chá preto, chá branco ou chá vermelho. Assim,quando nos referimos a um «chá de camomila» deveríamos dizer deforma mais correta uma «infusão de camomila» e aplicar a designaçãode «chá» apenas quando fazemos uma infusão da planta de chá. Para preparar infusões: verter água a ferver por cima da planta ouparte dela, tapar o recipiente (por exemplo, bule), deixar a preparaçãoem repouso (infusão) de 5 a 10 minutos, e coar. As infusões são usadaspara as partes mais moles das plantas, como folhas e flores. As decocçõessão usadas para as partes mais duras da planta, como a raiz, o rizoma,a casca ou as sementes. Neste caso, a planta é colocada num recipientecom água, levada a ebulição e fervida a fogo lento (decocção) pelo tempo 15
  10. 10. Guia de Remédios Natur ais par a Cr iançasrecomendado (5 a 15 minutos), deixando-se de seguida em repouso (10a 15 minutos) e coando. Para simplificar, ao longo deste guia faz-se apenas referência a infu-sões. Como tal, conforme a dureza da parte da planta em questão, oleitor terá de avaliar se o seu modo de preparação corresponde a umainfusão ou a uma decocção. Não se devem usar recipientes de alumíniopara estas preparações devido aos reconhecidos problemas de contami-nação por este metal. Na preparação de infusões e decocções usa-se em geral uma colher desopa de planta seca por cada meio litro de água. No caso de se usar a plantafresca, esta quantidade deve ser 2 ou 3 vezes maior que a quantidade deplanta seca. Para as crianças, as preparações podem ser adoçadas com umpouco de mel, de preferência biológico, de modo a facilitar a toma. Vejamais adiante as recomendações sobre as doses a administrar a crianças. Tinturas Nas tinturas, os princípios ativos das plantas são extraídos por meiode uma solução hidroalcoólica. Deste modo, obtêm-se soluções mais con-centradas do que as infusões e decocções, com um prazo de validade alar-gado. Existem no mercado tinturas que usam glicerina na sua composiçãoem vez de álcool, sendo assim mais indicadas para crianças. Os extratosde plantas, tanto fluidos como secos, são soluções mais concentradasque as tinturas. Diversos extratos são vendidos sob a forma de ampolas. A tintura pode ser diluída num pouco de água, ou água com mel, ousumo de fruta. De modo a evaporar o álcool das tinturas hidroalcoóli-cas, coloque a quantidade a usar numa chávena de café com água quentee espere 5 minutos. Em alguns casos, pode formar-se um precipitadodevido aos constituintes resinosos da planta. Dosagem A maioria dos produtos no mercado já contém a posologia diferenciadaentre adultos e crianças. Caso não haja indicação (como no caso das infu-sões), e sempre que os produtos possam ser tomados por crianças, exis-tem regras e proporções que nos possibilitam saber qual a dosagem maiscorreta. A regra de Clark está entre as mais usadas e permite o cálculo dadose a tomar com base no peso da criança. Assim, para saber a dose a admi-nistrar, divide-se o peso da criança (em kg) pelo peso padrão de um adulto(68 kg), e multiplica-se o resultado pela dose recomendada para um adulto.16
  11. 11. I n t r o d u ç ã o à s Te r a p i a s N at u r a i s Por exemplo: qual a quantidade de infusão (ou tintura) a adminis-trar a uma criança com 15 kg, sabendo que a dose recomendada para umadulto é de 1 chávena de chá (ou 30 gotas de tintura)? Para este cálculovamos ter em conta que uma chávena de chá corresponde em média a200 mililitros (ml) de líquido. Dose de criança (de infusão) = (15 kg / 68 kg) x 200 ml de infusão =44 ml, é a quantidade de infusão que devemos administrar à criança emcada toma. Dose de criança (de tintura) = (15 kg / 68 kg) x 30 gotas de tintura =6 gotas, é a quantidade de tintura que devemos administrar à criançaem cada toma A partir dos 12 anos, já se pode administrar a dose de adulto (nestecaso seriam 200 ml de infusão ou 30 gotas de tintura). Existem também quadros orientadores que indicam as doses reco-mendadas para crianças. Por exemplo, quando a dose de adulto corresponde a uma chávenade chá de infusão, a dose a administrar será: IDADE * DOSE DE CRIANÇA < 2 anos 2 a 3 colheres de chá de infusão em cada toma 2 a 4 anos 2 colheres de sopa de infusão em cada toma 5 a 7 anos ¼ chávena de chá de infusão em cada toma 8 a 12 anos ½ chávena de chá de infusão em cada toma > 12 anos 1 chávena de chá de infusão em cada toma (dose de adulto) Quando a dose de adulto corresponde a 30 gotas de tintura: IDADE* DOSE < 12 meses 3 gotas de tintura em cada toma 12 a 18 meses 4 a 7 gotas de tintura em cada toma 18 a 24 meses 8 a 10 gotas de tintura em cada toma 2 a 4 anos 10 a 12 gotas de tintura em cada toma 4 a 6 anos 12 a 15 gotas de tintura em cada toma 6 a 9 anos 15 a 20 gotas de tintura em cada toma 9 a 12 anos 20 a 25 gotas de tintura em cada toma > 12 anos 30 gotas de tintura em cada toma (dose de adulto) * Durante a fase de amamentação a mãe pode tomar a dose de adulto por- que, neste caso, o tratamento é transmitido à criança através do leite materno. 17
  12. 12. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças Em geral, quando neste guia não se indicam dosagens específicas,deve ter em conta que a dose de infusão recomendada para um adultocorresponde a 1 chávena de chá (200 ml), 2 ou 3 vezes ao dia. Em rela-ção às tinturas, a dose recomendada para um adulto é geralmente indi-cada no produto e pode oscilar entre 20 a 30 gotas, 2 ou 3 vezes ao dia.Assim, sempre que o produto possa ser tomado por crianças, estas dosespadrão podem ser aplicadas nas regras acima indicadas para determi-nar a dose a administrar a uma criança consoante o seu peso ou idade. Note que estas regras não se aplicam a todas as plantas ou produtos nomercado, já que alguns podem ser demasiado concentrados para seremtomados por crianças. Ao longo deste guia serão sugeridas plantas paracada queixa. Embora as plantas sejam geralmente bem aceites pelas crian-ças, ainda assim, como acontece com qualquer outra substância, podemregistar-se reações alérgicas. Para minimizar estas reações, quando usaruma planta, ou complexo à base de plantas, pela primeira vez, recomenda--se usar apenas uma pequena quantidade do produto e avaliar os resulta-dos após a sua administração. Se detetar alguma reação, como erupçõescutâneas, dores de cabeça, problemas digestivos ou dificuldade respirató-ria nas 24 horas a seguir à toma, descontinue o seu uso e procure umaalternativa. Em casos de reação alérgica grave recorra imediatamente aatenção médica. Caso não se registem reações adversas, pode aumentara quantidade administrada de forma gradual até atingir a dose recomen-dada. Adicionalmente, tenha em conta que de uma maneira geral não sedeve usar a mesma planta por mais de 4 semanas. Como tal, a menos queseja referido o contrário neste guia ou que o seu terapeuta assim o indique,varie de planta, ou de mistura delas, após 3 a 4 semanas de uso. Outras aplicações As plantas também podem ser usadas em inalações (feitas com vapor),banhos (em que se podem misturar preparados de plantas à água dobanho), pomadas, xaropes, gargarejos, bochechos, compressas e cre-mes, entre outros. Aro materap i a A aromaterapia é baseada no uso de óleos essenciais que são extraí-dos das plantas por uma técnica de destilação por arrastamento de vapor.Estes óleos aromáticos possuem inúmeras propriedades terapêuticas,18
  13. 13. I n t r o d u ç ã o à s Te r a p i a s N at u r a i ssendo eficazes na prevenção e alívio de diversos problemas de saúde. Háque ter em consideração que os óleos essenciais são produtos muito con-centrados, que devem ser usados com precaução. Como ilustração, paraproduzir 1 kg de óleo essencial de alfazema é necessário destilar 150 kgda planta fresca. Cada óleo possui um cheiro específico e determinadaspropriedades curativas que o caracterizam. Por exemplo, o óleo essencialde alfazema, que está entre os mais multifacetados, possui propriedadesanalgésicas, anticonvulsivas, antidepressivas, antimicrobianas, antirreu-máticas, antiespasmódicas, carminativas, colagogas, cicatrizantes, diu-réticas, emenagogas, sedantes, tónicas, entre outras. Como usar óleos essenciais Os óleos essenciais podem ser usados para diversos fins, tais como: — Massagens. Diluir umas gotas de óleo essencial em óleo vegetal veicular — como azeite, óleo de amêndoas doces, de semente de uva, de gérmen de trigo, de cenoura, de rosa mosqueta, de sésamo, de hipericão ou calêndula (consultar a tabela mais à frente para saber as proporções) — e usar esta mistura para fazer uma mas- sagem. Como opção, colocar umas gotas de óleo essencial num creme base sem perfume, de preferência de cosmética natural biológica, para obter um creme de massagem. — Banhos. Misturar num copo 1 colher de sopa de leite com umas gotas de óleo essencial (consultar a tabela mais à frente para saber as proporções) e adicionar à água do banho, desenhando o con- torno de um 8 com o copo na água de modo a obter uma mistura bem homogénea. Como opção, os óleos essenciais podem ser misturados com um pouco de gel de banho e adicionados à água. Através do banho, a criança poderá beneficiar do óleo essencial por absorção da pele, assim como por inalação do vapor da água. O banho deve durar de 10 a 15 minutos. — Vaporização e inalação. Existem vários modos de o fazer: adicionar 2 gotas de óleos essenciais numa tigela com 250 ml de água fer- vida e colocar no quarto da criança, sempre fora do seu alcance; de modo a purificar o ar, misturar 200 ml de água morna com 10 gotas de óleo essencial dentro de um vaporizador corrente (como os usados para vaporizar as plantas), agitar vigorosamente e vapo- rizar a casa apontando bem para o alto, tendo o cuidado de evitar áreas em que se encontram materiais delicados que se possam 19
  14. 14. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças danificar (por exemplo, móveis de madeira envernizados). A par- tir dos 3 meses de idade, pode vaporizar o quarto da criança 10 minutos antes da hora de deitar; a partir dos 6 meses de idade, pode aplicar 1 gota de óleo essencial num lenço e colocá-lo debaixo do travesseiro, ou entre a fronha e o travesseiro, mas afastado da área dos olhos; a partir dos 2 anos de idade pode colocar 1 gota de óleo essencial num lenço para a criança inalar; consulte a secção de «Hidroterapia, Banho de Vapor Facial: Inalações» para saber mais detalhes sobre inalações de vapor. Adicionalmente, existem diferentes tipos de difusores elétricos e queimadores de óleos essenciais no mercado; leia atentamente as instruções para o seu uso correto. Dê preferência ao uso de difusores em vez de quei- madores, já que certos óleos essenciais degradam-se pela ação do calor, perdendo parte das suas propriedades terapêuticas. — Compressas Num recipiente com 250 ml de água quente, adicio- nar 2 a 4 gotas de óleo essencial diluídas num pouco de leite, sub- mergir a compressa — pedaço de algodão ou linho — no líquido durante um breve período, escorrer o excesso, aplicar sobre a zona afetada e envolver com uma toalha. Repetir a operação quando a compressa esfriar ou, como opção, colocar um saco de água quente em cima da compressa de modo a manter o calor (consultar a sec- ção de Hidroterapia — Compressas para mais detalhes). A com- pressa também pode ser aplicada com água fria. Usar compressas em crianças maiores de 2 anos. A duração de um tratamento com óleos essenciais depende da purezado óleo, da capacidade de reação da criança e do tipo de patologia. Comoregra geral, em casos agudos (afeções de início brusco, geralmente comsinais e sintomas intensos, mas que duram pouco tempo, como a gripe),se o tratamento é iniciado precocemente aquando do aparecimento dasmoléstias, a duração do tratamento pode ser curta (de 1 a 2 dias), casocontrário a melhoria pode levar mais tempo (de 5 a 7 dias). Para casoscrónicos (afeções lentas mas que se prolongam no tempo), ou problemasorgânicos mais profundos, podem fazer-se tratamentos de 2 a 3 sema-nas por mês, intercalados por uma pausa de 1 a 2 semanas, até atingiruma melhoria estável. Caso não se verifiquem quaisquer melhorias aofim da primeira semana de tratamento, há que mudar de óleo essencialou recorrer a outra terapia.20
  15. 15. I n t r o d u ç ã o à s Te r a p i a s N at u r a i s Dosagem: quadro orientador das doses de óleos essenciais a usar con-forme a sua aplicação em banho ou massagem. Banho Massagem número de gotas de óleo número de gotas de óleo es- Idade da criança essencial numa colher de sencial em 30 ml de óleo ve- sopa de leite getal (ou de creme base) Após 4 semanas 1, e usar ¼ da mistura 0a1 e até 2 meses 2 a 6 meses 1, e usar ¼ da mistura 0a1 7 a 12 meses 1, e usar ½ da mistura 1a3 1 a 4 anos 1 a 2, e usar ½ da mistura 1a4 5 a 7 anos 1a3 3a6 8 a 12 anos 1a4 4a8 > 12 anos dose de adulto: 1 a 8 dose de adulto: 5 a 12 Cada óleo essencial é recomendado conforme o grau de desenvol-vimento da criança e o grau de atividade do óleo. Segue-se uma tabelaorientadora dos óleos essenciais mais usados, ordenados segundo aidade da criança: Idade da criança Óleos essenciais que pode usar * Após 4 semanas Alfazema, Camomila romana e até 2 meses 2 a 6 meses além dos óleos essenciais referidos acima, pode usar: Mandarina, Neroli, Endro 7 a 24 meses além dos óleos essenciais referidos acima, pode usar: Árvore do chá, Eucalyptus smithii, Niaouli, Gerânio, Petit- grain 2 a 5 anos além dos óleos essenciais referidos acima, pode usar: Palmarosa, Mil-folhas 6 a 8 anos além dos óleos essenciais referidos acima, pode usar: Gengibre, Funcho, Bergamota, Laranja, Limão, Manjerona, Ravensara, Tomilho linalol, Toranja, Hortelã-verde (Mentha spicata) 9 a 11 anos além dos óleos essenciais referidos acima, pode usar: Cidreira, Ylang ylang, Eucalyptus globulus > 12 anos o mesmo que para um adulto (sempre sujeito a um teste de sensibilidade prévio) 21
  16. 16. As Queixas Mais Comuns em Crianças A s Q u ei x a s M a i s Comuns em Crianças Neste Capítulo apresentam-se recomendações de terapias naturaispara queixas comuns em crianças. Na parte de «Recomendações» decada rubrica são aconselhadas circunstâncias nas quais deve procuraratenção especializada. No entanto, em qualquer caso de dúvida, persis-tência ou agravamento da queixa, recorra sempre ao seu profissional desaúde. Tenha com conta que as terapias naturais podem ser utilizadascomo coadjuvantes do tratamento farmacológico. Nesse caso, consulteum terapeuta especializado para evitar possíveis interações medicamen-tosas. De notar que o uso correto dos conselhos aqui apresentados requera leitura atenta do Capítulo I — Introdução às Terapias Naturais. Osremédios naturais são mais eficazes se usados desde o início, seguindoas doses recomendadas. A melhor medicina é sempre a preventiva, porisso certifique-se que a criança se encontra vital, seguindo as recomen-dações da secção Prevenção — Práticas saudáveis do Capítulo I. Caso a dose não seja especificada, consulte a Introdução às TerapiasNaturais, Capítulo I, para saber qual a dosagem recomendada para cadaterapia. 75
  17. 17. As Queixas Mais Comuns em Crianças ~ A ~ AB C ESSOS Os abcessos são pequenas bolsas de pus, causadas na sua maioriapor infeções bacterianas, que podem ocorrer a um nível superficial, napele (por exemplo, furúnculo), ou desenvolverem-se em órgãos inter-nos. Normalmente o corpo tende a amadurecer e rebentar os abcessossuperficiais de modo a expulsar as toxinas presentes. Na fase aguda, oinchaço é acompanhado de dor, calor e vermelhidão (abcesso «quente»). Dieta e Suplementos Fazer uma dieta rica em vitaminas A, C, D e E, carotenos, zinco eselénio, para fortalecimento da pele e do sistema imunitário. Beber flui-dos frequentemente, incluindo água, sumos naturais de fruta e vegetais(por exemplo, cenoura, agrião e beterraba) e infusões, de modo a drenaras toxinas do organismo. Evitar alimentos ricos em gorduras saturadas,açúcares refinados e derivados. A formação de abcessos ou furúncu-los pode estar associada a uma sensibilidade alimentar. Consultar arubrica Alergias para mais informações. Reforçar o sistema imunitáriocom um suplemento da linha infantil ou júnior indicado para este fim.Administrar a dose recomendada a cada 3 horas durante os 2 primeirosdias, e 3 vezes ao dia durante os 14 dias seguintes. Caso recorra à tomade antibióticos, esta deve ser complementada pela toma de probióticosde modo a manter o equilíbrio adequado da flora digestiva (consultar asecção de Suplementos — Introdução às Terapias Naturais, Capítulo I). 77
  18. 18. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças Fitoterapia Herbalismo A decocção de raiz de bardana é um ótimo depurativo da pele. Tomara dose recomendada, 2 vezes ao dia, durante 2 a 3 semanas e avaliar osresultados. Aplicar creme de calêndula, 2 vezes ao dia, na área afetada.Para abcessos na boca, fazer bochechos com tintura de equinácea diluí­daem água, 2 ou 3 vezes ao dia, durante 2 minutos. Aromaterapia Óleo essencial: árvore do chá. Aplicar na área a tratar o óleo essencialdiluído em óleo vegetal, 3 a 4 vezes ao dia. Para abcessos na boca, adi-cionar 4 gotas de óleo essencial a 50 ml de água destilada ou purificada.Guardar esta solução num frasco de vidro escuro. Antes de usar, agitarvigorosamente o frasco, retirar uma colher de chá da solução e misturarnum copo de água morna, agitar bem e fazer bochechos, 2 vezes ao dia,durante 1 a 2 minutos. Não deglutir a solução. Florais de Bach Crab Apple ajuda a limpar o organismo. Rescue, aplicar em creme, 2 vezes ao dia, na área afetada. Em caso de abcessos na boca, misturar 4 gotas de Crab Apple com 4gotas de Rescue num copo de água, agitar bem e fazer bochechos, 2 vezesao dia, durante 1 a 2 minutos. A solução de Crab Apple com Rescue também pode ser tomada por viaoral de modo a potenciar a ação de limpeza do organismo. Hidroterapia e Geoterapia A aplicação de argila em abcessos, durante cerca de 1 hora, 2 vezes aodia, ajuda o abcesso a amadurecer. Quando o abcesso começar a supurar,aplicar um emplastro de sementes de feno-grego até esgotar a secreção.Este emplastro deve ser substituído a cada 3 horas limpando o abcessode cada vez (com água limpa seguida de óleo essencial de alfazema oude árvore do chá). Para preparar o emplastro, moer as sementes de feno--grego de modo a obter um pó, juntar água até obter uma pasta e levarao lume por 2 minutos, mexendo, de modo a obter uma consistência decreme. Aplicar este creme em cima do abcesso. O emplastro pode serenvolvido com argila e mantido no lugar por meio de uma compressa.78
  19. 19. As Queixas Mais Comuns: Abcessos Homeopatia e Sais de Schüssler Homeopatia — Apis 7CH, para inchaço vermelho, ardente, sensível à pressão; melhor por aplicações frias. — Belladonna 15CH, se o abcesso cresce rapidamente e é acompa- nhado de dor e vermelhidão; pode haver febre. — Calcarea sulphurica 7CH funciona como drenante; para tendên- cia a formar abcessos, abcessos com supuração amarela, podendo estar acompanhada de sangue. — Hepar sulphur 30CH, para abcesso mole, possível supuração com cheiro a queijo, dor intensa; pior por aplicações frias. Este remé- dio é normalmente usado em combinação com Myristica sebifera 9CH, conhecida como o «bisturi homeopático». A Myristica abre o abcesso e o Hepar ajuda a drenar o seu conteúdo. Fazer tomas alternadas. — Pyrogenium 5CH, usado para infeções em geral, evita a propaga- ção da infeção. — Silicea 15CH, para abcessos de formação lenta, com inchaço, recor- rentes, que levam tempo a cicatrizar. Para abcessos agudos, tomar 2 grânulos, 4 vezes ao dia, durante 3 a5 dias e avaliar resultados. Para casos crónicos, tomar 3 grânulos, 1 vezao dia, durante 2 semanas e avaliar resultados. Em casos recorrentes,consultar um terapeuta especializado para um tratamento de fundo. Sais de Schüssler — Ferrum phosphoricum, no início da fase de formação do abcesso, pode reverter a sua evolução. — Silicea amadurece o abcesso e inicia a descarga. — Calcarea sulphurica, usar no estágio final da supuração para dre- nar bem o abcesso e promover uma cicatrização saudável. — Kalium phosphoricum, devido à sua ação antisséptica, pode ser usado alternadamente com Silicea e Calcarea sulphurica de modo a evitar que a infeção se espalhe. Reflexologia Trabalhar rins e fígado. Usar óleos essenciais e/ou florais de Bachdiluídos no óleo de massagem. 79
  20. 20. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças Recomendações — Em caso de dor intensa, se as moléstias se agravam, de «abcessos frios» que se desenvolvem sem dor ou calor ou vermelhidão, de abcessos graves localizados em zonas sensíveis (por exemplo, no rosto ou boca), ou se a criança não reage ao tratamento natural, recorra a atenção médica. — Não esprema o abcesso/furúnculo para evitar que a infeção se espalhe. — As crianças só aprendem a bochechar a partir de certa idade. Para verificar se o seu filho já consegue fazer bochechos, faça-o expe- rimentar com um pouco de água pura sob a sua supervisão, de modo a assegurar que a criança não se engasga. — Tenha em conta que a pele é um órgão de eliminação e, como tal, quantas mais toxinas presentes no organismo mais impurezas terão de ser eliminadas através da pele e mais a pele se encontra sobrecarregada. Assim, um estilo de vida saudável (dieta adequada, exercício físico, sono reparador) e o equilíbrio e funcionalidade de outros órgãos de eliminação (como os rins e intestino) são impor- tantes para a saúde da pele. Ao recorrer a um tratamento natural e/ou no início de adotar um estilo de vida saudável é possível que, em certos casos, os sinais e sintomas a nível da pele se agravem ligeiramente antes de se registarem melhorias, devido à ação de desintoxicação do organismo através da pele. AC NE Os recém-nascidos podem apresentar erupções cutâneas em formade pequenas borbulhas, especialmente na área do rosto. Esta acne é nasua maioria temporária e é causada por hormonas maternas que pas-sam ao feto durante a gestação. Pode durar até aos 3 a 4 meses de idade. Durante a puberdade, as mudanças hormonais aumentam a produ-ção de sebo das glândulas sebáceas, favorecendo a obstrução dos canaispilossebáceos. A acumulação de sebo pode beneficiar o desenvolvimentode bactérias que produzem substâncias irritantes originando inflama-ções. A acne pode manifestar-se sob a forma de lesões não-inflamató-rias como o comedão fechado (ponto branco) e aberto (ponto negro), elesões inflamatórias como pápulas, papulopústulas (espinhas), nódulos equistos. Nas raparigas, a acne pode aparecer cada mês associada ao ciclo80
  21. 21. As Queixas Mais Comuns: Acnemenstrual. Embora as crises de acne juvenil sejam normais durante afase da adolescência, estas podem ter graves consequências emocionaiscomo falta de confiança, baixa autoestima e ansiedade, o que tende apiorar esta condição. O tratamento da acne requer paciência e deve serprolongado de modo a obter melhorias visíveis. Dieta e Suplementos A acne pode ser o resultado de uma sensibilidade alimentar. Consultea rubrica Alergias para mais informações. Se bem que a comida indus-trial, as gorduras saturadas e os açúcares refinados não tenham sidodiretamente associados ao aparecimento da acne, estes alimentos podemcontribuir para agravar as crises constituindo assim um obstáculo à cura.Assim, estes alimentos devem ser evitados. Quanto mais natural e sau-dável for a dieta alimentar, mais equilibrada estará a pele. Beber líquidosfrequentemente, incluindo água, sumos naturais (cenoura, espinafres,pepino sem pele, aipo, salsa, cerejas, ananás, gengibre) e infusões, demodo a eliminar as toxinas. Fazer uma dieta rica em vitaminas A e E,carotenos, zinco, selénio e ácidos gordos essenciais, importantes para asaúde da pele. Os suplementos de zinco e de óleo de peixe também sãoindicados para esta condição. De ter em conta que as melhorias apenasse tornam evidentes após um tratamento de 10 a 12 semanas. A aplicaçãotópica de óleo de vitamina E nas áreas afetadas pode aliviar esta queixa.Para a acne pré-menstrual, tomar um suplemento de vitamina B6 antese durante o ciclo menstrual. Fitoterapia Herbalismo A infusão de raiz de bardana é um ótimo depurativo da pele. Tomara dose recomendada (consultar a secção de Fitoterapia do Capítulo I), 2vezes ao dia. O dente-de-leão e a urtiga também funcionam como depu-rativos. Aplicar gel de aloé vera, ou creme de calêndula, 2 vezes ao dia,na área afetada. Para a acne do bebé: lavar a cara do bebé com um poucode sabão (de preferência de cosmética natural), enxaguar e, de seguida,aplicar com uma bola de algodão uma infusão suave de alfazema e péta-las de rosa nas áreas afetadas. Também pode acrescentar um pouco desumo de aloé à infusão. Como opção, fazer uma infusão de bardana commalvas e aplicar do mesmo modo. 81
  22. 22. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças Aromaterapia Óleos essenciais: alfazema, árvore do chá, tomilho linalol e berga-mota. Usar em compressas ou banhos. Como opção, adicionar umasgotas de óleo essencial num gel de lavagem para o rosto indicado paraesta condição, sem perfume, de preferência de cosmética natural, elavar a cara suavemente, 2 vezes ao dia. Nunca aplicar óleos essenciaisperto dos olhos. Florais de Bach Crab Apple contribui para a limpeza do organismo e aceitação da ima-gem. Pode ser usado internamente e para lavagens. Em uso externo:dissolver 10 gotas num litro de água, misturar bem e usar para lavar asáreas afetadas, 2 vezes ao dia. Como opção, pode ser acrescentado aosoutros produtos de limpeza utilizados. Gorse, se já não há esperanças de melhoria. Larch, para quem se sente inferior aos outros, com falta de confiançaou baixa autoestima. Rescue pode ser misturado com Crab Apple para a limpeza da pele.Ao deitar, depois de limpar a pele, massajar Rescue em creme em cadalesão, com um dedo limpo ou cotonete. Sweet Chestnut, para angústia e desespero. Homeopatia e Sais de Schüssler Homeopatia — Aconitum 9CH, no estágio inicial, para inflamação vermelha e bri- lhante, ansiedade; pior por ar frio. — Antimonium tartaricum 7CH, para borbulhas cheias de pus que deixam uma marca azulada. — Calcarea sulphurica 5CH atua como drenante da pele; para borbu- lhas vermelhas, quentes, com líquido amarelo. — Graphites 7CH, para acne com secreção amarela viscosa, formando crostas, pele geralmente seca, que supura facilmente; ajuda no tratamento das cicatrizes e queloides. — Kalium bromatum 7CH, para acne na parte superior do corpo, incluindo o rosto, pele fria, cicatrizes que permanecem depois das erupções. — Ledum palustre 7CH, para pústulas no rosto, em especial na testa (acne conglobata); melhor por aplicações frias.82
  23. 23. As Queixas Mais Comuns: Acne — Pulsatilla 7CH, para acne juvenil associado a mudanças hormo- nais, pessoas sensíveis, que requerem atenção; mudanças bruscas de humor. — Rhus toxicodendron 9CH, para acne com comichão, pele dura, seca e quente, com crostas; sensível ao ar frio; muita ansiedade. — Silicea 5CH, para borbulhas dolorosas que levam tempo a desapa- recer e deixam cicatriz. — Sulphur 7CH funciona como drenante; para acne crónico em pele áspera e seca, comichão que piora à noite na cama, pés quentes. Tomar 3 grânulos, 2 vezes ao dia, durante 3 semanas e avaliar os resul-tados. Para acne crónica, consulte um terapeuta especializado. Sais de Schüssler — Ferrum phosphoricum, no primeiro estágio da inflamação com calor, vermelhidão, dor. — Kalium muriaticum, no segundo estágio da inflamação, para erup- ções com líquido branco. — Natrum phosphoricum regula o excesso de acidez que contribui para o desenvolvimento da acne. — Natrum muriaticum, para erupções com descarga transparente, aquosa. — Silicea, para acne com supuração amarela, espessa; efeito cicatrizante. — Calcarea sulphurica ajuda a drenar e a cicatrizaçar, ação de desinto- xicação do organismo. No caso de adolescentes pálidos e anémicos, usar Calcarea sulphurica em alternância com Calcarea phosphorica. Na fase final da supuração, usar Calcarea sulphurica em alternân- cia com Silicea. Hidroterapia Depois de lavar a área afetada, aplicar uma fina camada de argila.A argila deve ser preparada como para uma cataplasma (consultar a sec-ção de Hidroterapia e Geoterapia, Capítulo I). Pode usar água das rosaspara fazer a máscara. No caso de aplicar argila no rosto, evite a área pertodos olhos. Após 15 a 20 minutos, ou quando a argila secar, retirar a más-cara com água morna ou fria e lavar a cara com água das rosas. No pri-meiro mês de tratamento aplicar a máscara uma vez por semana. No mêsseguinte, usar a argila apenas uma vez cada 15 dias, já que esta pode secardemasiado a pele levando a um aumento da taxa de produção de gordura. 83
  24. 24. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças Reflexologia Trabalhar o fígado, rins e sistema linfático. Usar óleos essenciais e/ouflorais de Bach diluídos no óleo de massagem. Recomendações — Caso não ocorram melhorias ao fim de 10 a 12 semanas de trata- mento natural, ou em casos severos de acne, recorra a conselho médico. O uso de fármacos e antibióticos tópicos e sistémicos podem ser complementados com os tratamentos naturais desde que não haja interação medicamentosa. — Caso se recorra à toma de antibióticos orais, esta deve ser comple- mentada com probióticos de modo a restaurar a flora digestiva. Administrar o probiótico 2 horas depois do antibiótico (consultar a secção de Suplementos, Capítulo I). — Começar o tratamento aos primeiros sinais de acne de modo a minimizar o aparecimento de cicatrizes na pele. Mesmo após o desaparecimento dos sinais e sintomas, o tratamento deve ser pro- longado por mais alguns meses de modo a evitar reincidências. Toda a área afetada deve ser tratada para incidir sobre as lesões existentes e prevenir o surgimento de outras. — Resistir à tentação de espremer ou coçar as borbulhas, pois assim poderá aumentar a extensão da área afetada ou levar ao apareci- mento de cicatrizes. — A pressão agrava a acne. Como tal, evitar exercer pressão com roupa, chapéus ou com as mãos nas áreas afetadas. — O cabelo deve ser mantido limpo e afastado da cara. — Lavar a pele de manhã e ao deitar, aplicando uma pressão suave, já que ao esfregar apenas piora esta afeção. Usar um sabão suave ou um gel líquido, de preferência de cosmética natural de modo a evitar os tóxicos concentrados dos produtos correntes. Secar a área com pequenos toques da toalha. Evitar produtos de limpeza de pele abrasivos. — Evitar aplicar produtos na pele que não sejam adequados para esta condição. Dar preferência a produtos de cosmética natural evitando assim ingredientes tóxicos. — Fazer exercício físico regularmente e passear ao ar livre de modo a oxigenar o corpo. Depois de fazer exercício, tomar um duche para evitar a acumulação de suor.84
  25. 25. As Queixas Mais Comuns: Aftas Bucais — Se a acne for a nível do corpo, evitar usar roupas que irritem a pele, dando preferência a tecidos naturais (por exemplo, algodão, linho). Procure também evitar detergentes para a roupa e amacia- dores que possam causar reação. — O uso excessivo de antibióticos pode provocar um crescimento anormal de Candida albicans, o que também pode agravar a acne. Nesse caso consulte a rubrica Candidíase. — Apoie o seu filho. A baixa autoestima associada a esta condição pode levar a estados de depressão. — Alguns cosméticos (comedogénicos) e medicamentos (esteroides e corticosteroides, lítio, isoniazida e certos anticoncecionais orais) podem agravar a acne. Se possível, evite-os. As mulheres devem evitar os produtos de maquilhagem, ou usar apenas os indicados para esta condição. — Tenha em conta que a pele é um órgão de eliminação e, como tal, quantas mais toxinas presentes no organismo mais impurezas terão de ser eliminadas através da pele e mais a pele se encontra sobrecarregada. Assim, um estilo de vida saudável (dieta adequada, exercício físico, sono reparador) e o equilíbrio e funcionalidade de outros órgãos de eliminação (como os rins e intestino) são impor- tantes para a saúde da pele. Ao recorrer ao tratamento natural e/ou no início de adotar um estilo de vida saudável é possível que, em certos casos, os sinais e sintomas a nível da pele se agravem ligei- ramente antes de se registarem melhorias, devido à ação de desin- toxicação do organismo através da pele. A F ONIA ver Laringite (pág. 284) AF TAS B U C A I S As aftas bucais são pequenas úlceras que ocorrem na mucosa daboca (língua, parte interior dos lábios, bochechas, palato, gengivas e,em alguns casos, garganta). Podem aparecer isoladas ou em grupo eacompanhar-se de mau hálito e boca seca. São incómodas ao pontode dificultar a mastigação e duram geralmente de 5 a 20 dias. Emboraas causas sejam em geral desconhecidas, podem associar-se a aler-gias alimentares ou às pastas de dentes, carência nutricionais, fatores 85
  26. 26. Guia de Remédios Natur ais par a Cr iançashormonais, stress e sistema imunitário reprimido, entre outros. As mani-pulações dentárias e as dentadas acidentais nas bochechas ou línguatambém podem produzir aftas. No caso da estomatite aftosa, certos fato-res, como infeções, alguns medicamentos, uma má nutrição e outrasdesordens inflamatórias, têm sido apontados como causas deste pro-cesso inflamatório recorrente. Dieta e Suplementos Averiguar se as aftas são a consequência de alguma sensibilidade ali-mentar (consultar a rubrica Alergias). Evitar alimentos irritantes como asespeciarias fortes, frutos cítricos, tomates, ananás, cerejas, nozes, café,chocolate e alimentos muito quentes. Consumir alimentos ricos em vita-minas A, B, C, E, ácido fólico e ferro. Consumir maçãs todos os dias.Reforçar o sistema imunitário com um suplemento da linha infantil oujúnior. Fazer bochechos com 15 gotas de tintura de própolis diluídas emmeio copo de água, 2 vezes ao dia, durante 2 a 3 minutos. A toma de pro-bióticos pode ser necessária nos casos recorrentes para equilibrar a floradigestiva e estimular os mecanismos de defesa das mucosas. Dissolver oprobiótico em água e, com a boca limpa, bochechar ligeiramente a mis-tura antes de engolir. Tomar durante 4 semanas (consultar a secção deSuplementos, Capítulo I). Fitoterapia Herbalismo As infusões ou tinturas de folhas de framboesa, tomilho, camomila,malva, calêndula ou equinácea podem ajudar. Usar estas preparaçõespara fazer bochechos, 2 a 3 minutos, 2 vezes ao dia. Após bochechar,não deglutir a preparação. Aromaterapia Óleo essencial: árvore do chá. Adicionar 4 gotas do óleo essencial a50 ml de água destilada ou purificada. Guardar esta solução num frascode vidro escuro. Antes de usar, agitar vigorosamente o frasco, retiraruma colher de chá da solução e misturar num copo de água morna, agi-tar bem e fazer bochechos durante 2 a 3 minutos, 2 vezes ao dia. Apósbochechar, deitar fora a preparação.86
  27. 27. As Queixas Mais Comuns: Aftas Bucais Florais de Bach Crab Apple ajuda na limpeza do organismo. Dissolver 4 gotas de CrabApple e 4 gotas de Rescue num copo de água e bochechar durante 2 a 3minutos, 2 vezes ao dia. Hidroterapia Dissolver uma colher de chá de sal marinho não refinado num copode água morna e fazer bochechos durante 2 a 3 minutos, 2 vezes ao dia.Este procedimento também pode ser feito após a lavagem dos dentes. Misturar uma colher de chá de argila num copo de água, mexer, dei-xar repousar 5 minutos e fazer bochechos durante 2 a 3 minutos, 2 vezesao dia. Usar uma colher de plástico ou madeira para fazer a preparaçãode argila. Homeopatia e Sais de Schüssler Homeopatia — Arsenicum album 7CH, para aftas dolorosas, que queimam; melhor por bebidas quentes; pessoas ansiosas e tensas, com a mania da ordem. — Borax 7CH, se o bebé apresenta aftas com vesículas inflamadas, dolorosas, quentes, que sangram facilmente, diarreia amarela; grita ao inclinar-se para a frente. — Calcarea carbonica 9CH, remédio constitucional; para crianças com aftas de repetição, que suam durante a noite, especialmente da nuca; lentos em aprender a andar e/ou na dentição. — Mercurius solubilis 9CH, para saliva abundante, sede intensa, gosto metálico na boca, gengivas que sangram, língua inchada, mau hálito. — Natrum muriaticum 9CH, para crises de aftas de repetição, aftas nas gengivas e língua, boca seca que pode acompanhar-se de lábios secos e cantos da boca cortados, muita sede e desejo de comidas salgadas. — Nitricum acidum 7CH, para inflamação e irritação das mucosas, dores agudas que aparecem e desaparecem bruscamente, sensa- ção de ter uma farpa enterrada na carne, aftas que sangram facil- mente, mau hálito, saliva abundante, irritabilidade. — Sulphur, para aftas dolorosas, vermelhas, inflamadas, com sensação de queimadura; pior por bebidas quentes; gosto amargo na boca. 87
  28. 28. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças Tomar 3 grânulos, 2 vezes ao dia, durante 1 semana e avaliar resul-tados. Em casos recorrentes, consultar um terapeuta especializado paratratamento de fundo. Sais de Schüssler — Ferrum phosphoricum, para estágios iniciais da inflamação. — Kalium muriaticum, para aftas brancas. — Kalium phosphoricum, para aftas cinzas. — Natrum phosphoricum, para aftas de cor amarelada. — Silicea, para aftas no canto da boca ou língua. — Calcarea sulphurica, para aftas que tardam em desaparecer. Recomendações — Em caso de aftas grandes (maiores de 1 cm), febre, se os sinais e sintomas se agravarem ou se após 1 semana de tratamento natu- ral não se verificarem melhorias, recorra a atenção médica. — Visite um dentista se as aftas são provocadas pelo roçar dos dentes. — Tenha em conta que as crianças só são capazes de fazer boche- chos a partir de certa idade. Para verificar se o seu filho já conse- gue bochechar, faça-o experimentar com um pouco de água pura sob a sua supervisão, de modo a assegurar que a criança não se engasga. — Não consumir pastilhas elásticas. — Não morder as partes moles da boca. — Escovar os dentes de modo a garantir uma boa higiene oral. — Evitar situações de stress. As técnicas de relaxamento (por exem- plo, meditação anapana, respirações profundas, ioga, pintar man- dalas, visualização) ajudam a controlar a ansiedade. Para atingir bons resultados, estas técnicas devem ser praticadas diariamente, durante 10 a 20 minutos, numa atmosfera tranquila. — Experimente mudar para outra pasta dentífrica, de preferência de cosmética natural, que não contenha lauril sulfato de sódio (SLS). AL ERG IAS As alergias desenvolvem-se devido a uma resposta exagerada do sistemaimunitário a uma determinada substância (alergénio). Qualquer substân-cia pode constituir um potencial alergénio, sendo os mais frequentes os88
  29. 29. As Queixas Mais Comuns: Alergiasalimentos, pólen, poeira, humidade ou diferenças de temperatura, produ-tos agroquímicos (resíduos de pesticidas nos alimentos), aditivos presen-tes na comida industrial, fatores ambientais (poluição atmosférica, fumode tabaco), metais, detergentes, perfumes, cosméticos, pelos ou saliva deanimais, medicamentos ou certos componentes das vacinas. O alergéniopode entrar no organismo através da pele, das mucosas nasais, dos pul-mões ou do sistema digestivo. De seguida, a resposta excessiva do sistemade defesa ao alergénio desencadeia uma reação alérgica com uma produ-ção elevada de substâncias químicas, em especial a histamina, que podemafetar a pele, o sistema respiratório, o sistema digestivo ou o sistemacardiovascular. Os sinais e sintomas habituais de alergia podem incluircongestão nasal e espirros, urticária, eczema, inchaço (por exemplo, nosolhos, língua, garganta, cara), diarreia, cólicas, insónias, hiperatividade,fadiga, dores de cabeça, asma, podendo mesmo chegar a anafilaxia (rea-ção alérgica grave que pode incluir inchaço da garganta com dificuldaderespiratória, pulso débil e rápido, tonturas, diminuição da pressão arte-rial e, em certos casos, perda de consciência e choque). As crianças cujospais sofrem de alergias a determinadas substâncias têm maior probabi-lidade de desenvolver quadros alérgicos. Consultar as rubricas apropria-das para mais detalhes (por exemplo, Eczema, Urticária, Rinite alérgica). Dieta e Suplementos As crianças amamentadas têm menos probabilidade de sofrer dequadros alérgicos. Se o seu filho estiver em risco de desenvolver alergias(por exemplo, por antecedentes familiares) e se não tiver possibilidadesde o amamentar, poderá optar por uma fórmula infantil hidrolisada.Esclareça as suas dúvidas acerca das diferentes fórmulas com o seupediatra. Pensa-se também que em crianças em risco de sofrer de aler-gias a redução de alimentos potencialmente alergénicos na dieta da mãedurante o período de aleitamento poderá diminuir a probabilidade de acriança desenvolver episódios alérgicos. Consulte o seu profissional desaúde para esclarecer as suas questões. A introdução demasiado precocede alimentos potencialmente alergénicos (leite de vaca e outros produtoslácteos, trigo, ovos, frutos cítricos, amendoim, peixe, soja) na dieta deum bebé aumenta as probabilidades de este sofrer de diferentes tipos dealergias. Sempre que possível, siga o calendário alimentar recomendado. Incluir fruta, gengibre, cereais integrais e vegetais diversos na dieta.A papaia, o mamão e o ananás contêm enzimas proteolíticas que ajudam 89
  30. 30. Guia de Remédios Natur ais par a Cr iançasna digestão e a diminuir as inflamações. Sempre que possível, aumentaro consumo de produtos crus. Em caso de excessiva produção de muco,evitar alimentos que o estimulem, como lacticínios, em especial os gor-dos, fritos, alimentos ricos em gorduras saturadas, açúcares refinadose derivados, comida processada ou alimentos elaborados com farinhasrefinadas (por exemplo, pão branco, massas brancas). Beber líquidos fre-quentemente, incluindo água, infusões e sumos naturais de fruta e vege-tais (por exemplo, cenoura, beterraba, aipo, salsa, pepino sem pele), demodo a limpar o organismo. Fazer uma dieta rica em vitaminas A, B, Ce E, e minerais como cálcio, magnésio e zinco. Se necessário, tomar umbom suplemento vitamínico e de minerais. Tomar probióticos durante 4a 8 semanas (consultar a secção de Suplementos, Capítulo I). Reforçar osistema imunitário com vitamina C, minerais (por exemplo, zinco, selé-nio) ou um complexo natural da linha infantil ou júnior. Em casos agudos,administrar a dose recomendada a cada 3 horas durante os 2 primeirosdias, e 3 vezes ao dia durante os 14 dias seguintes. Como medida de pre-venção e reforço, tomar a dose recomendada de suplemento infantil parao sistema imunitário, 2 vezes ao dia, durante 3 a 4 semanas nas mudan-ças de estação (primavera e outono). Existem inúmeros alimentos que podem causar alergias e/ou into-lerâncias alimentares. A Dieta de Eliminação é um dos métodos que opode auxiliar na deteção de uma sensibilidade alimentar. Dieta de Eliminação: a dieta de eliminação envolve um trabalho dedetetive. Para começar, deve elaborar um diário onde se anotam todos osalimentos e bebidas consumidas pelo seu filho no espaço de uma semana.Ao mesmo tempo, anotar quando, e por quanto tempo, duram os sinaise sintomas observados (alterações físicas e/ou de comportamento), ten-tando associá-los a certos alimentos ou bebidas. Se as crianças são maiscrescidas, pode pedir a sua colaboração para elaborar o diário descre-vendo o que sentem ao ingerir determinado alimento suspeito. Depoisde uma semana, analisar atentamente o diário procurando associaçõesentre a ingestão e as queixas detetadas e verificando quais são os alimen-tos mais consumidos. Há que ter em conta que determinadas reaçõespodem levar algum tempo a manifestar-se. Isto torna o trabalho de dete-tive mais difícil. De seguida, eliminar da alimentação alguns dos alimen-tos suspeitos durante 2 semanas. De notar que durante os primeiros diasdesta eliminação o organismo pode passar por uma reação de limpezalevando ao aumento de certos sinais e sintomas, como catarro nasal,90
  31. 31. As Queixas Mais Comuns: Alergiascansaço ou diarreias, entre outros. Esta descarga faz normalmente parteda ação de desintoxicação do organismo. Durante as 2 semanas em queos alimentos suspeitos foram eliminados da dieta alimentar, verificar sehouve melhorias. Em caso positivo, então o alimento que desencadeia asensibilidade alimentar encontra-se provavelmente na lista de alimentoseliminados. Após as 2 semanas de pausa, reintroduza um dos alimentose verifique se a criança continua bem. Em caso positivo, este alimentonão constitui problema. As queixas voltaram? Então este é muito pro-vavelmente um alimento que desencadeia uma sensibilidade alimentare deve ser eliminado da dieta durante uns meses. Ao fim de uns mesespode tentar reintroduzir esse alimento, sempre de forma gradual e empoucas quantidades, anotando a reação. Se as queixas retornam, excluirde novo o alimento da dieta. Um modo mais simplificado de aplicar a Dieta de Eliminação con-siste em retirar da dieta alimentar os produtos com maior reputação decausarem sensibilidade alimentares, um a um, e verificar o que acontecedurante as 2 semanas seguintes. Os alimentos nesta lista incluem os cere-ais com glúten como o trigo (pão de trigo, massas de trigo, pizzas, bolos,barras de cereais com trigo, cereais de pequeno almoço), o centeio, cevada,espelta (consultar Doença Celíaca para mais informações), marisco e seusderivados, ovos e seus derivados, leite e seus derivados, certos frutos secosoleaginosos (por exemplo, amendoim, nozes, avelãs), certos peixes e seusderivados, certos frutos cítricos (por exemplo, laranjas) e comida proces-sada repleta de aditivos. A sensibilidade a amendoins e marisco tende adurar algum tempo, como tal, só deve tentar reintroduzi-los na dieta apósos 7 anos de idade. Se preferir, em vez de reintroduzir o alimento, faça umteste de alergia prévio para evitar situações de stress. Os lacticínios podemser substituídos por leites e iogurtes vegetais (por exemplo, de soja, amên-doa, aveia, quinoa), ou, como opção, pode tentar os produtos de cabra oude ovelha. Por vezes, o leite de vaca e iogurte biológicos que se encontramnum estado mais puro têm menos probabilidades de desencadearem sen-sibilidades alimentares. De ter em especial atenção, que o(s) alimento(s)eliminado(s) da dieta deve(m) ser substituído(s) por outros alimentos compropriedades semelhantes de modo a nunca originar carências alimentares.Consulte um terapeuta que o possa aconselhar acerca de uma dieta saudá-vel e nutritiva, não entrando em faltas nutricionais devido aos alimentoseliminados. Quanto mais diversificada for a dieta alimentar, menos pos-sibilidade haverá de desenvolver carências nutricionais ou sensibilidades. 91
  32. 32. Guia de Remédios Natur ais par a Cr iançasTenha em conta que o excesso de um determinado alimento pode levarao desenvolvimento de uma sensibilidade alimentar. Por exemplo, temvindo a verificar-se um aumento da sensibilidade alimentar em relação aotrigo que entra na composição do pão, massas, pizzas, cuscuz, cereais depequeno-almoço, bolos e bolachas, entre outros. Se o seu filho consumiumuitos destes produtos num só dia, ou em dias repetidos, poderá ter umexcesso de trigo na alimentação; diversifique. Opte por outros cereais aolongo do dia, como o arroz integral, quinoa, millet, aveia, centeio integral,cevada integral, trigo-sarraceno, tapioca, milho ou amaranto, de modo anão sobrecarregar o organismo com trigo. Fitoterapia Herbalismo No início, administrar apenas uma pequena dose de preparação deplantas e avaliar os resultados. Se a criança reagir bem às plantas usadas,aumentar a dose gradualmente até atingir a dose recomendada. Evitara equinácea se a criança tem alergia a plantas da família Compositae ouAsteraceae (por exemplo, margarida, crisântemos, calêndula, camomila,dente de leão, arnica). Para problemas de olhos, como conjuntivite, fazer uma infusãode eufrásia, coar muito bem, e lavar os olhos 2 vezes ao dia, com umalgodão embebido na infusão. A infusão de eufrásia também pode sertomada oralmente, 2 vezes ao dia. Para mais detalhes, consultar a rubricaConjuntivite. O gengibre pode ajudar no caso de alergias. A partir dos 12 meses,fazer a infusão com 1 colher de café rasa de gengibre fresco ralado, apartir dos 2 anos de idade fazer a infusão com 1 colher de chá rasa damesma substância. Juntar uma chávena de água a ferver ao gengibreralado, repousar 5 minutos, coar e adicionar mel. Tomar a dose reco-mendada 2 vezes ao dia (consultar a secção de Fitoterapia, Capítulo I).As infusões ou tinturas de urtiga, malva ou tanchagem podem ser úteisem caso de quadros alérgicos. Tomar a dose recomendada 2 vezes aodia. Consultar as rubricas apropriadas para mais detalhes (por exemplo,Eczema, Urticária, Rinite Alérgica). Aromaterapia Óleos essenciais: Eucalyptus smithii, árvore do chá, alfazema, berga-mota. Usar em banhos, massagens ou inalações. As inalações ajudam92
  33. 33. As Queixas Mais Comuns: Alergiasa aliviar a congestão, mas apenas devem ser usadas por crianças maiscrescidas e sempre sob supervisão (consultar a secção de Hidroterapia— Banho de Vapor Facial, Capítulo I). Antes de usar óleos essenciaispela primeira vez, é sempre necessário fazer um teste de sensibilidade,em especial no caso de haver alergias a plantas (consultar a secção deFitoterapia — Aromaterapia, do Capítulo I). Florais de Bach Beech, para alergias ou intolerâncias. Crab Apple, para a limpeza do organismo. Rescue, para tomar durante uma crise de alergia. Consultar a tabela de Florais de Bach do Capítulo I para procurar ofloral que mais se adapta à criança ou procurar a ajuda de um terapeutaespecializado para guiá-lo no processo de seleção. Hidroterapia No caso de alergias respiratórias, aplicar uma compressa quente nopeito de modo a aliviar os sintomas a nível dos pulmões e ajudar a eli-minar o excesso de muco. Aplicar a compressa durante 15 minutos, 1 a 2vezes ao dia. Como opção, pode usar um saco de água quente enroladonuma toalha. A limpeza do nariz com soro fisiológico, ou uma soluçãosalina, facilita a respiração e alivia a congestão nasal (consultar a secçãode Medidas de Higiene, Capítulo I). Homeopatia e Sais de Schüssler Homeopatia — Allium cepa 15CH, para corrimento nasal irritante, olhos verme- lhos com secreção não irritante, espirros; melhor ao ar livre, pior pela noite e pelo calor. — Antimonium crudum 9CH, para alergias com problemas digesti- vos, língua branca, muita sede, irritabilidade. — Apis 7CH, para alergias com edema (inchaço) de várias partes do corpo; previne o edema da glote; possíveis manifestações a nível da pele; possível dificuldade respiratória, boca seca, sem sede, gar- ganta vermelha, tosse com sensação de comichão na laringe; pior pelo calor, melhor por aplicações frias. — Arsenicum album 15CH, para alergia respiratória com secreções irri- tantes, ardor, secreção nasal que inflama a pele debaixo do nariz, 93
  34. 34. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças problemas nos olhos, sensibilidades alimentares, ansiedade; pior depois da meia-noite e pelo frio, melhor pelo calor e pela manhã. — Euphrasia 7CH, para sintomas a nível dos olhos como conjunti- vite, comichão e irritação, com ardor e vermelhidão, sensibilidade à luz; pior pelo calor. — Natrum muriaticum 9CH, para olhos lacrimejantes ardentes, espir- ros violentos, secreção nasal abundante e aquosa que mais tarde entope o nariz e dificulta a respiração; melhor ao ar livre, pior pelo calor e perto do mar; desejo de comer sal ou comidas salgadas. — Nux vomica 9CH, para espirros frequentes, tendência a cometer excessos alimentares, problemas digestivos como cólicas, refluxo, diarreias, irritabilidade. — Phosphorus 15CH, para hipersensibilidade a cheiros fortes (flores, químicos, fumos, perfumes), alergias piores por tempo húmido, melhores pelo calor. — Pulsatilla 9CH, para rinites, comichão nos olhos; pior em ambien- tes quentes e pela noite; se a criança precisa de atenção, chora- minga, tem mudanças bruscas de humor. — Sabadilla 7CH, para espirros e secreção nasal que não param. — Urtica urens 9CH, para comichão na pele, urticária, com ardor. Em caso de crise, tomar 2 grânulos a cada 30 minutos ou 1 hora, con-forme a intensidade da afeção, até 10 doses. Se necessário, tomar 2 grâ-nulos, 2 vezes ao dia, durante os 2 a 3 dias seguintes. Em casos crónicos,tomar 2 ou 3 grânulos, 2 vezes ao dia, durante 2 semanas e avaliar resul-tados. No entanto, em caso de alergias crónicas aconselha-se a consultade um terapeuta especializado para tratamento de fundo. Sais de Schüssler — Ferrum phosphoricum, ação preventiva, reforça o sistema imunitá- rio, primeiro estágio de inflamações. — Magnesia phosphorica, ação antialérgica. — Calcarea phosphorica, para revitalizar o organismo em caso de alergias. — Kalium sulphuricum, anti-inflamatório do aparelho respiratório. Massagem Massajar o peito da criança com óleos essenciais e/ou florais de Bachdiluídos no óleo de massagem.94
  35. 35. As Queixas Mais Comuns: Alergias Reflexologia Trabalhar os dedos dos pés, pulmões e suprarrenais. Em caso de inges-tão de um alimento alergénico, trabalhar o fígado e cólon para uma eli-minação rápida das toxinas. Usar óleos essenciais e/ou florais de Bachno óleo de massagem. Recomendações — Em caso de reação alérgica grave — choque anafilático (comichão, inchaço, dificuldade respiratória, pulsação rápida, náuseas e vómi- tos, vertigens, perda de consciência, choque) — dirija-se às urgên- cias de um hospital ou chame o Serviço de Emergência. Certos estudos sugerem que a administração de vitamina C, enquanto espera por atenção especializada, pode ajudar a aliviar o quadro de anafilaxia. Neste caso, dissolver em água 5 g de vitamina C em pó e dar a beber. O excesso desta vitamina é facilmente excretado do organismo através de uma diarreia. Também um possível inchaço abdominal tende a desaparecer depressa. Os remédios homeopáti- cos como Apis (15 ou 30 CH, para inchaço rápido, possíveis sinais e sintomas a nível da pele, edema da glote), Aconitum (15CH, alivia sintomas como ansiedade extrema, medo de morrer, susto, que podem ocorrer durante e após o choque) e Arnica (15CH em caso de choque ou experiência traumática) podem ajudar em caso de anafilaxia, enquanto espera por ajuda. — Se a criança já sofreu em alguma ocasião um choque anafilático, consulte o seu médico sobre a possibilidade de ter consigo um injetor de adrenalina. A criança deve usar uma pulseira de alerta médico que identifique o problema, de maneira a ser socorrida de modo adequado em caso de reação alérgica grave. — Explique ao seu filho o que pode ou não comer, esclarecendo-lhe o que pode acontecer caso consuma os alimentos alergénicos. — Na escola, explique a que alimentos o seu filho é alérgico. — Dê preferência a alimentos naturais, no seu estado mais puro e, sempre que possível, biológicos de modo a evitar uma sobrecarga de toxinas. Leia atentamente a rotulagem alimentar para evitar os alergénios. Informe-se sobre as diferentes denominações nas quais os alergénios podem ser apresentados nos rótulos. — Na cozinha, tenha cuidado na preparação dos alimentos de modo a evitar a contaminação cruzada. 95
  36. 36. Guia de Remédios Natur ais par a Cr ianças — Se necessário, fazer testes de alergia clínicos, de modo a determi- nar as substâncias alergénicas. — Esteja atento aos sinais e sintomas do seu filho. Quanto mais cedo detetar uma reação alérgica mais possibilidades terá de tomar medidas, evitando o despoletar de outras hipersensibilidades. — Não exponha o seu filho ao fumo de tabaco. — As técnicas de relaxamento (por exemplo, meditação anapana, res- pirações profundas, ioga, pintar mandalas e visualização) podem auxiliar na autogestão de situações de stress associadas a esta con- dição. Para atingir bons resultados, estas técnicas devem ser pra- ticadas a nível diário, durante 10 a 20 minutos, numa atmosfera relaxante. — Seguir um estilo de vida saudável com exercício físico regular e sono restaurador. AMIG D AL IT E As amígdalas constituem uma barreira de defesa contra as infe-ções. A amigdalite, ou inflamação das amígdalas e tecidos circundan-tes, associa-se normalmente a dor de garganta, febre, mal-estar, dor decabeça, dificuldade em deglutir e, por vezes, mau hálito, inchaço dosgânglios linfáticos do pescoço e dor de ouvido. Esta queixa é comumdurante a infância. Pode estar associada a constipações, bronquites eoutros tipos de afeções. O inchaço e vermelhidão das amígdalas, quepodem apresentar pontos brancos ou amarelos, são facilmente visíveis.Os bebés choram quando comem devido à dor ao deglutir. A amigdaliteé causada geralmente por bactérias, mas a dor de garganta corrente énormalmente causada por uma infeção por vírus. Consultar a rubricaFebre caso esta se manifeste. Dieta e Suplementos Beber fluidos abundantemente, incluindo água, infusões e sumosnaturais de frutas e vegetais (por exemplo, cenoura, ananás, aipo, maçãe laranja). Fazer uma dieta rica em vitaminas A, C, D, zinco e selénio. Senecessário tomar um suplemento. Usar alho na comida ou, se a criançanão gostar do sabor a alho, a partir dos 6 anos, tomar alho em cápsulas. Emcaso de excesso de muco, evitar alimentos que estimulem a produção demuco, como açúcares refinados e derivados, lacticínios, fritos e alimentos96
  37. 37. As Queixas Mais Comuns: Amigdalitericos em gorduras saturadas, comida processada ou alimentos elabora-dos com farinhas refinadas (por exemplo, pão branco, massas brancas).Reforçar o sistema imunitário com um suplemento da linha infantil oujúnior. Administrar a dose recomendada a cada 3 horas durante os 2 pri-meiros dias, e 3 vezes ao dia durante os 14 dias seguintes. Adicionalmente,fazer bochechos e gargarejos com 15 gotas de tintura de própolis diluídasem meio copo de água, durante 30 segundos a 1 minuto, 2 vezes ao dia. Fitoterapia Herbalismo Fazer bochechos e gargarejos com infusões — ou 15 gotas de tinturadiluídas em meio copo de água — de tomilho, salva, calêndula ou equi-nácea, durante 30 segundos a 1 minuto, 2 vezes ao dia. Opcionalmente,para os bochechos e gargarejos, usar 1 ou 2 gotas de extrato de semente detoranja em 100 ml de água pura. Tomar a dose recomendada de infusãode alteia ou malva, adoçada com mel, 2 vezes ao dia (consultar a secçãode Fitoterapia, Capítulo I). A infusão de gengibre fresco também podealiviar esta condição. A partir dos 12 meses, fazer a infusão com 1 colherde café rasa de gengibre fresco ralado, a partir dos 2 anos de idade fazera infusão com 1 colher de chá rasa da mesma substância. Juntar umachávena de água a ferver ao gengibre ralado, repousar 5 minutos, coar,adicionar mel. Tomar a dose recomendada 1 ou 2 vezes ao dia (consul-tar a secção de Fitoterapia do Capítulo I para saber a dose a administrar.) Aromaterapia Óleos essenciais: alfazema ou árvore do chá. Adicionar 4 gotas (no total)de um óleo essencial ou uma mistura deles a 50 ml de água destilada oupurificada. Guardar esta solução num frasco de vidro escuro. Antes deusar, agitar vigorosamente o frasco, retirar 1 colher de chá da solução emisturar num copo de água morna, agitar bem, e fazer bochechos e gar-garejos, durante 30 segundos a 1 minuto, 2 ou 3 vezes ao dia. Não deglutira solução. A aplicação externa de uma mistura de óleos essenciais diluídosem óleo vegetal nas zonas afetadas do pescoço pode ajudar esta condição.Fazer a aplicação à noite, por meio de uma massagem suave. Florais de Bach Crab Apple, para a limpeza do organismo. Dissolver 4 gotas de CrabApple juntamente com 4 gotas de Rescue num copo de água. Com a boca 97
  38. 38. Guia de Remédios Natur ais par a Cr iançaslimpa, fazer bochechos e gargarejos durante 30 segundos a 1 minuto, 2ou 3 vezes ao dia. Para uso externo, aplicar Rescue em creme nas partes doloridas e afe-tadas, 2 vezes ao dia. Hidroterapia Dissolver 1 colher de chá de sal marinho não refinado num copo deágua morna e usar esta solução para fazer bochechos e gargarejos, 2 ou3 vezes ao dia, durante 30 segundos a 1 minuto. Envolver uma compressa fria à volta do pescoço e, em cima, enro-lar um cachecol de lã seco, dando duas voltas. Deixar a compressa atuardurante 15 minutos, 2 vezes ao dia. Pode adicionar um pouco de vina-gre à água fria de modo a tornar o tratamento mais efetivo. A aplicaçãode uma cataplasma de argila à volta do pescoço é um tratamento muitoefetivo para esta afeção. Aplicar 1 vez ao dia durante 30 minutos. Tome adevida atenção para não apertar a compressa ou a cataplasma à volta dopescoço. A cura das meias ou o banho de pés de temperatura crescentepodem aliviar esta condição (consultar a secção Hidroterapia, Capítulo I).Em caso de febre, recorrer à cura das meias. Homeopatia e Sais de Schüssler Homeopatia — Aconitum 5CH, administrar no estágio inicial; sinais e sintomas de início rápido, amígdalas inchadas, garganta seca e quente, sen- sação de um corpo estranho na garganta, dor ao deglutir, muita sede; pior por frio seco. — Apis 9CH, para garganta e amígdalas inchadas, vermelhas e secas, uvula inchada e pendente, dor em picadas, possível inchaço da glote, dor ao deglutir; melhor por bebidas frias, ainda que frequen- temente com ausência de sede. — Belladonna 7CH, administrar no estágio inicial; para sinais e sinto- mas de início rápido, garganta inflamada, dolorida, pescoço rígido; pode associar-se a febre com delírio e pupilas dilatadas, rosto e garganta vermelhos, brilhantes. — Ferrum phosphoricum 5CH, para inflamações no primeiro estágio com inchaço, vermelhidão, calor e dor. — Gelsemium 9CH, para dores no pescoço e ouvidos, dor ao deglutir, dores musculares como no caso de gripes, fadiga.98

×