SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso de
Agronegócio
TURMA – RODEIO BONITO
INSTRUTOR – DANIEL VERDI
20 de Março 2023
Milho
Dentre os cereais cultivados no Brasil, o milho é o mais
expressivo, com cerca de 75,455 milhões de toneladas de grãos
produzidos em uma área de aproximadamente 15,466 milhões de
hectares.
Os maiores produtores mundiais de milho são os Estados Unidos,
a China e o Brasil.
Possíveis locais de origem:
-- Paraguai até a Colômbia
-- Guatemala e México
Dados da Produção de milho
Introdução
⚫Planta C4: maiseficiente na produção de matériaseca e produção de grãos
⚫Cereal com maiorcoberturageográfica no mundo
⚫Uso naalimentação humana
⚫Base para rações deanimais domésticos
Botânica
⚫Semente
- Pericarpo: é a camada mais externa, fina e resistente, constituindo a
paredeexternada semente.
- Endosperma ou Albúmen: parte mais volumosa da semente,
constituída de substâncias de reserva, principalmenteamido.
- Embrião: a planta em miniatura, possuindo os primórdios de todos os
órgãos da plantadesenvolvida.
Semente
Sistema Radicular
Raízesfasciculadas
Raízesadventícias
Inflorescência do milho
+A planta do milho é Monóica, ou seja, possui o dois
sexos na mesma planta, em inflorescências
diferentes.
+Inflorescência masculina
⚫Cada flor é constituída de 03 (três) estames protegidas pela
lema e pálea, que são as partes constituintes da espigueta.
⚫A produção de pólen dura cerca de 8 dias e cada panícula
pode produzir até 50 milhões de grãos de pólen.
Inflorescência do milho
⚫Inflorescência feminina
⚫ A inflorescência feminina é constituída por um eixo ou raques (sabugo),
ao longe dos quais se dispõem os alvéolos.
⚫ Nos alvéolos se desenvolvem as espiguetas aos pares como na
inflorescência masculina.
⚫ Cada flor é constituída de um ovário unilocular, onde no seu interior
existe apenas um óvulo, saindo do ovário se desenvolve o estilo-estigma
(cabelo do milho).
Reprodução milho - flor
Inflorescência masculina (pendão) Inflorescência feminina (espiga)
POLINIZAÇÃO
+ A polinização consiste na transferência do grão de pólen da
antera da flor masculina ao estigma das flores femininas.
Estádios da cultura
+ Sistema de identificação empregado divide o
desenvolvimento da planta em vegetativo (V) e
reprodutivo (R). Subdivisões dos estádios vegetativos
são designados numericamente como V1, V2, V3 até Vn;
onde (n) representa a última folha emitida antes do
pendoamento (VT). O primeiro e o último estádio V são
representados, respectivamente, por (VE, emergência)
e (VT, pendoamento).
Estádios da cultura
Estádios da cultura
+https://www.youtube.com/watch?v=eXpSYoZOS-E
+https://www.youtube.com/watch?v=874yL1mXeGg
+https://www.youtube.com/watch?v=4zqHtdlFX6Y
PRODUTORES DE MILHO NO BRASIL
BAIXA TECNOLOGIA
+- Descapitalizados;
+- Utilizam solo de média / baixa fertilidade;
+- Não utilizam adubação;
+- Não fazem adubação de cobertura;
+- Não fazem controle de pragas;
+- Costumam utilizar semente de “paiol”.
MÉDIA TECNOLOGIA
+- Utilizam solos mais férteis;
+- Fazem correção da acidez;
+- Fazem adubação de reposição;
+- Utilizam adubação em cobertura;
+- Realizam algum controle de pragas;
+- Costumam comprar semente todo ano.
ALTA TECNOLOGIA
+- Preparam o solo corretamente;
+- Utilizam outros sistemas de cultivo;
+- Ocupam solos muito férteis;
+- Fazem correção e reposição de fertilidade;
+- Realizam coberturas com altas doses de N;
+- Controlam bem pragas e plantas daninhas;
+- Alguns utilizam irrigação.
Resumo
+ A maior parte do consumo do milho é destinada à alimentação animal,
principalmente avicultura e suinocultura. É utilizado também na indústria e
para consumo humano. Outra forma de utilização do milho é a produção
de silagem destinada à pecuária.
+ • O conhecimento das fases de desenvolvimento da planta de milho
auxilia o produtor no manejo da cultura, como, por exemplo, a adubação
nitrogenada de cobertura, que deve ser feita entre os estádios V6 ao V8.
+ • Para o desenvolvimento adequado do milho, a faixa de temperatura ideal
é de 25 a 30o C. Deve-se evitar o plantio em temperaturas abaixo de 10o
C, pois, neste caso, a germinação é reduzida e o número de plantas
anormais aumenta.
Resumo
+• Para o plantio do milho a profundidade ideal de semeadura é de 3
a 5 centímetros de profundidade para solos mais argilosos e até 8
centímetros para solos arenosos. • A melhor época para plantar o
milho de verão coincide com o início do período chuvoso, que é
variável com as diferentes regiões brasileiras.
+• O plantio do milho safrinha deve ser realizado após a colheita da
cultura de verão, geralmente no mês de fevereiro. O plantio de
menor risco é aquele realizado o mais cedo possível, aproveitando
as chuvas para evitar o déficit hídrico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxNUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxGeagra UFG
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozGeagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Geagra UFG
 
Nutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoNutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoGeagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaGeagra UFG
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoGeagra UFG
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoGeagra UFG
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaGustavo Avila
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do AmendoimKiller Max
 
Sorgo: Comercialização e Logística
Sorgo:  Comercialização e LogísticaSorgo:  Comercialização e Logística
Sorgo: Comercialização e LogísticaGeagra UFG
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de MandiocaÍtalo Arrais
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAApresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAMarcos Fontes
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoKiller Max
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoGeagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Geagra UFG
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadoAndre Vinicius
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIROGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxNUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
Nutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoNutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milho
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do Milho
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
 
Sorgo: Comercialização e Logística
Sorgo:  Comercialização e LogísticaSorgo:  Comercialização e Logística
Sorgo: Comercialização e Logística
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAApresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
 

Semelhante a Cultura do milho

A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do MilhoKiller Max
 
Milho e Suas propriedades - Geografia
Milho e Suas propriedades - Geografia  Milho e Suas propriedades - Geografia
Milho e Suas propriedades - Geografia Eduardo
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arrozKiller Max
 
Amendoim
AmendoimAmendoim
Amendoimwagcher
 
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmoBruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmoLuis Travassos
 
culturas AVEIA.pptx
culturas  AVEIA.pptxculturas  AVEIA.pptx
culturas AVEIA.pptxMurilo574925
 
Breno Freitas - A Importância da Polinização
Breno Freitas - A Importância da PolinizaçãoBreno Freitas - A Importância da Polinização
Breno Freitas - A Importância da PolinizaçãoApiculturaeAgricultura
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxMilenaAlmeida74
 
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdfAula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdfAdilsonAmorimBrando
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaGeagra UFG
 
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptxCiências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptxEdilmaBrando1
 
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no BrasilTecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no BrasilAlice Melo Candido
 

Semelhante a Cultura do milho (20)

A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Milho e Suas propriedades - Geografia
Milho e Suas propriedades - Geografia  Milho e Suas propriedades - Geografia
Milho e Suas propriedades - Geografia
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Amendoim
AmendoimAmendoim
Amendoim
 
Aula soja
Aula sojaAula soja
Aula soja
 
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmoBruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
 
culturas AVEIA.pptx
culturas  AVEIA.pptxculturas  AVEIA.pptx
culturas AVEIA.pptx
 
Apresentação feijao paty e vinicius
Apresentação feijao   paty e viniciusApresentação feijao   paty e vinicius
Apresentação feijao paty e vinicius
 
Relatorio aureo
Relatorio aureoRelatorio aureo
Relatorio aureo
 
97a64e07.pptx
97a64e07.pptx97a64e07.pptx
97a64e07.pptx
 
Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)
 
Breno Freitas - A Importância da Polinização
Breno Freitas - A Importância da PolinizaçãoBreno Freitas - A Importância da Polinização
Breno Freitas - A Importância da Polinização
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
 
Algodoeiro.pdf
Algodoeiro.pdfAlgodoeiro.pdf
Algodoeiro.pdf
 
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdfAula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Estados Fenológicos do Milho
Estados Fenológicos do MilhoEstados Fenológicos do Milho
Estados Fenológicos do Milho
 
1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx
 
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptxCiências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
Ciências - Cap. 8 - pág,140 a 148.pptx
 
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no BrasilTecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
 

Cultura do milho

  • 1. Curso de Agronegócio TURMA – RODEIO BONITO INSTRUTOR – DANIEL VERDI 20 de Março 2023
  • 2. Milho Dentre os cereais cultivados no Brasil, o milho é o mais expressivo, com cerca de 75,455 milhões de toneladas de grãos produzidos em uma área de aproximadamente 15,466 milhões de hectares. Os maiores produtores mundiais de milho são os Estados Unidos, a China e o Brasil. Possíveis locais de origem: -- Paraguai até a Colômbia -- Guatemala e México
  • 4. Introdução ⚫Planta C4: maiseficiente na produção de matériaseca e produção de grãos ⚫Cereal com maiorcoberturageográfica no mundo ⚫Uso naalimentação humana ⚫Base para rações deanimais domésticos
  • 5. Botânica ⚫Semente - Pericarpo: é a camada mais externa, fina e resistente, constituindo a paredeexternada semente. - Endosperma ou Albúmen: parte mais volumosa da semente, constituída de substâncias de reserva, principalmenteamido. - Embrião: a planta em miniatura, possuindo os primórdios de todos os órgãos da plantadesenvolvida.
  • 8. Inflorescência do milho +A planta do milho é Monóica, ou seja, possui o dois sexos na mesma planta, em inflorescências diferentes. +Inflorescência masculina ⚫Cada flor é constituída de 03 (três) estames protegidas pela lema e pálea, que são as partes constituintes da espigueta. ⚫A produção de pólen dura cerca de 8 dias e cada panícula pode produzir até 50 milhões de grãos de pólen.
  • 9. Inflorescência do milho ⚫Inflorescência feminina ⚫ A inflorescência feminina é constituída por um eixo ou raques (sabugo), ao longe dos quais se dispõem os alvéolos. ⚫ Nos alvéolos se desenvolvem as espiguetas aos pares como na inflorescência masculina. ⚫ Cada flor é constituída de um ovário unilocular, onde no seu interior existe apenas um óvulo, saindo do ovário se desenvolve o estilo-estigma (cabelo do milho).
  • 10. Reprodução milho - flor Inflorescência masculina (pendão) Inflorescência feminina (espiga)
  • 11. POLINIZAÇÃO + A polinização consiste na transferência do grão de pólen da antera da flor masculina ao estigma das flores femininas.
  • 12. Estádios da cultura + Sistema de identificação empregado divide o desenvolvimento da planta em vegetativo (V) e reprodutivo (R). Subdivisões dos estádios vegetativos são designados numericamente como V1, V2, V3 até Vn; onde (n) representa a última folha emitida antes do pendoamento (VT). O primeiro e o último estádio V são representados, respectivamente, por (VE, emergência) e (VT, pendoamento).
  • 16. PRODUTORES DE MILHO NO BRASIL BAIXA TECNOLOGIA +- Descapitalizados; +- Utilizam solo de média / baixa fertilidade; +- Não utilizam adubação; +- Não fazem adubação de cobertura; +- Não fazem controle de pragas; +- Costumam utilizar semente de “paiol”.
  • 17. MÉDIA TECNOLOGIA +- Utilizam solos mais férteis; +- Fazem correção da acidez; +- Fazem adubação de reposição; +- Utilizam adubação em cobertura; +- Realizam algum controle de pragas; +- Costumam comprar semente todo ano.
  • 18. ALTA TECNOLOGIA +- Preparam o solo corretamente; +- Utilizam outros sistemas de cultivo; +- Ocupam solos muito férteis; +- Fazem correção e reposição de fertilidade; +- Realizam coberturas com altas doses de N; +- Controlam bem pragas e plantas daninhas; +- Alguns utilizam irrigação.
  • 19. Resumo + A maior parte do consumo do milho é destinada à alimentação animal, principalmente avicultura e suinocultura. É utilizado também na indústria e para consumo humano. Outra forma de utilização do milho é a produção de silagem destinada à pecuária. + • O conhecimento das fases de desenvolvimento da planta de milho auxilia o produtor no manejo da cultura, como, por exemplo, a adubação nitrogenada de cobertura, que deve ser feita entre os estádios V6 ao V8. + • Para o desenvolvimento adequado do milho, a faixa de temperatura ideal é de 25 a 30o C. Deve-se evitar o plantio em temperaturas abaixo de 10o C, pois, neste caso, a germinação é reduzida e o número de plantas anormais aumenta.
  • 20. Resumo +• Para o plantio do milho a profundidade ideal de semeadura é de 3 a 5 centímetros de profundidade para solos mais argilosos e até 8 centímetros para solos arenosos. • A melhor época para plantar o milho de verão coincide com o início do período chuvoso, que é variável com as diferentes regiões brasileiras. +• O plantio do milho safrinha deve ser realizado após a colheita da cultura de verão, geralmente no mês de fevereiro. O plantio de menor risco é aquele realizado o mais cedo possível, aproveitando as chuvas para evitar o déficit hídrico.