O NEGÓCIO DAS ARENAS: PROFISSIONALISMO ESPORTIVO, CULTURA E ENTRETENIMENTO             MBA Executivo Internacional        ...
Agenda• Introdução• Objetivos do Plano• Referencial teórico• Principais aspectos do Plano de Negócios• Considerações finais
Introdução•   Gestão de Arenas Multiuso – propósito de apresentar um modelo de negócio que seja uma    alternativa viável ...
Introdução
IntroduçãoPlano de Negócios - análise dos principais atributos do negócio, do entorno demográfico ecompetitivo, e da viabi...
Objetivos•   Principal objetivo - avaliar um caso hipotético, baseado em pesquisas no setor de arenas    multiuso, do pont...
Referencial Teórico•   BDO RCS. Esporte Total. Internet: http://www.bdobrazil.com.br/pt/.•   CAMPOMAR, Marcos Cortez. O Pl...
O Plano de Negócios• Arena Multiuso com enfoque puramente esportivo.• Arena Multiuso a ser utilizada tanto para eventos es...
O Plano de Negócios Forças competitivas: há inúmeras oportunidades de negócios, uma vez que não existe  nenhuma oferta qu...
O Plano de Negócios Aspectos tangíveis: instalações e equipamentos; mobiliário; equipe funcional. Aspectos intangíveis: ...
O Plano de NegóciosPremissas: Público médio por jogo: 15.000 pagantes no primeiro ano de operação da arena, com  crescime...
O Plano de NegóciosPremissas: Eventos: as participações sobre eventos e atividades comerciais, assim como sobre  possívei...
O Plano de NegóciosEstimativa do Fluxo de Caixa e Resultado:
Considerações Finais Desenvolver um Plano de Negócios aderente ao  mercado que se pretende atingir é fundamental.        ...
Caso WEMBLEY      Antes (2003)• Investimento de 757M libras• 57% em empréstimos bancários      Depois (2010)• 28 eventos e...
Caso MORUMBI    “Com shows de Madonna e Lady Gaga, São     Paulo projeta arrecadação maior do que com                     ...
Considerações Finais•   Resultado do projeto de uma arena multiuso hipotética, a uma taxa mínima de    atratividade de 13%...
Muito Obrigado!     José Rubens Mottazerubensmotta@hotmail.com
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

T39 tcc o negócio das arenas profissionalismo esportivo, cultura e entretenimento_ josé rubens motta

884 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
884
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Destacar na forma de tópicos os principais aspectos abordados na apresentação. Fazer uma breve contextualização do estudo. Objetivos Justificativa de escolha do tema
  • Destacar na forma de tópicos os principais aspectos abordados na apresentação. Fazer uma breve contextualização do estudo. Objetivos Justificativa de escolha do tema
  • Destacar na forma de tópicos os principais aspectos abordados na apresentação. Fazer uma breve contextualização do estudo. Objetivos Justificativa de escolha do tema
  • Colocar os principais conceitos utilizados para embasamento das discussões e conclusão do trabalho. Não é necessário detalhar pois o foco da apresentação deve ser na parte de análise/apresentação do plano.
  • T39 tcc o negócio das arenas profissionalismo esportivo, cultura e entretenimento_ josé rubens motta

    1. 1. O NEGÓCIO DAS ARENAS: PROFISSIONALISMO ESPORTIVO, CULTURA E ENTRETENIMENTO MBA Executivo Internacional Turma 39 Autor: José Rubens C. G. da Motta Orientadora: Cristina Froes Trabalho de Conclusão de Curso Data: 24/08/2012 Local: FEA-USP
    2. 2. Agenda• Introdução• Objetivos do Plano• Referencial teórico• Principais aspectos do Plano de Negócios• Considerações finais
    3. 3. Introdução• Gestão de Arenas Multiuso – propósito de apresentar um modelo de negócio que seja uma alternativa viável na busca por fontes de recursos financeiros e patrimoniais direcionados a centros multifuncionais que agregam atividades e estruturas de esporte, lazer, culturais e serviços diversos.• Copa 2014 - R$7 bilhões apenas com os gastos na construção de 12 arenas – padrão FIFA (OESP; 17/09/2011), baseado nos orçamentos de 2011. Equivale a 3,5 vezes o que foi gasto no ciclo olímpico brasileiro para Londres 2012 (UOL; 16/07/2012). Em bilhões• Legado – a Copa do Mundo de Futebol de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 serão lembrados como responsáveis por infra-estruturas de Arenas Multiuso ou “elefantes brancos”?
    4. 4. Introdução
    5. 5. IntroduçãoPlano de Negócios - análise dos principais atributos do negócio, do entorno demográfico ecompetitivo, e da viabilidade econômica, é fundamental para que se decida pela execução ounão dos projetos de arenas multiuso. E como é hoje? – Conforto: a visibilidade do espetáculo, a conservação e qualidade da estrutura. – Facilidade de acesso: os deslocamentos internos e os meios de mobilidade urbana e estacionamentos. – Segurança: a garantia da posse do lugar adquirido e o monitoramento dos ambientes. – Serviços: a conveniência de serviços de alimentação, compras e entretenimento. – Tecnologia: a disponibilidade da infra-estrutura de tecnologia da informação. – Valor percebido: o atendimento às necessidades dos usuários mantém-se em patamares baixos.
    6. 6. Objetivos• Principal objetivo - avaliar um caso hipotético, baseado em pesquisas no setor de arenas multiuso, do ponto de vista dos indicadores financeiros de atratividade de projetos – Payback (prazo de retorno do investimento), Taxa Interna de Retorno (TIR) e Valor Presente Líquido (VPL).• Marketing: tratar do planejamento estratégico de produtos e serviços, com visão de médio e longo prazo, capaz de apoiar projetos de construção e gestão de arenas multiuso. Quem são os interessados? – Os maiores beneficiados: a sociedade em geral, que paga seus tributos e não quer vê- los aplicados a esmo ou em interesses excusos, e as próprias entidades responsáveis pela continuidade das futuras arenas.
    7. 7. Referencial Teórico• BDO RCS. Esporte Total. Internet: http://www.bdobrazil.com.br/pt/.• CAMPOMAR, Marcos Cortez. O Plano de Marketing, Revista Marketing n° 51, 1977.• FUTEBOL FINANCE. Internet: http://www.futebolfinance.com/.• KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de Marketing. 12 ed. Pearson, 2006.• O EMPREITEIRO, Revista Brasileira de Construção, Infraestrutura & Concessões. Ano XLIX, Agosto de 2010, n. 489.• PORTER, Michael. Estratégia Competitiva. 7 ed. Elsevier, 2004.• RAMOS, Raphael. Nos novos estádios, futebol é um detalhe. Jornal “O Estado de São Paulo”, 21/11/2011.• ROSS, Stephen; WESTERFIELD, Randolph; JAFFE, Jeffrey. Administração Financeira – Corporate Finance. 2 ed. Atlas, 2010.• RUFINO, Andressa. Arena Multiuso, Um Novo Campo de Negócios. Trevisan Escola de Negócios, 2010.• TORKILDSEN, George. Sport and Leisure Management. 6 ed. Routledge, 2011.• VARIAN, Hal. Microeconomia - Princípios Básicos. 7 ed. Elsevier, 2006.
    8. 8. O Plano de Negócios• Arena Multiuso com enfoque puramente esportivo.• Arena Multiuso a ser utilizada tanto para eventos esportivos como para entretenimento,atividades corporativas e celebrações religiosas.• Arena Multiuso para fins de: esportes, entretenimento, negócios, comércio e cultura (modelomais completo), agrega atividades não esporádicas. Demanda potencial... Clube País Sócios- torcedores Benfica Portugal 171.000 Barcelona Espanha 163.000 Manchester Inglaterra 151.000 Média de Lotação dos Utd. Competição Público Estádios Bayern Munique Alemanha 146.000 Bundesliga 42.680 94,43% Premier League 35.278 91,33% Porto Portugal 115.000 La Liga 29.120 74,22% Internacional Brasil 100.000 Championship 17.526 69,52% Ligue.1 19.867 68,80% Sporting Portugal 96.000 Serie A 23.970 54,76% Real Madrid Espanha 92.000 Campeonato Brasileiro 17.542 37,81% River Plate Argentina 82.000 Fonte: Futebol Finance, 2011. Schalke 04 Alemanha 72.000 Fonte: Futebol Finance, 2009
    9. 9. O Plano de Negócios Forças competitivas: há inúmeras oportunidades de negócios, uma vez que não existe nenhuma oferta que atenda aos atributos de complementaridade dos serviços que podem ser oferecidos por uma Arena Multiuso. Fonte: elaborado pelo autor, a partir de Porter (2004).
    10. 10. O Plano de Negócios Aspectos tangíveis: instalações e equipamentos; mobiliário; equipe funcional. Aspectos intangíveis: apelos emocionais relativos à agremiação ou ao clube que representa,ou à cidade onde se localiza, com valor simbólico e cultural, e potencializados pela TI. Fonte: elaborado pelo utor, a partir de Campomar (1977). Fonte: elaborado pelo autor, a partir de Campomar (1977).
    11. 11. O Plano de NegóciosPremissas: Público médio por jogo: 15.000 pagantes no primeiro ano de operação da arena, com crescimento anual de 2.000 pagantes nos dois anos seguintes e acréscimo de 2.000 pagantes no quarto e quinto ano, atingindo um total de 25.000 pagantes por jogo, a partir do sexto ano de operação. Ticket médio: R$30,00 no primeiro ano e atingindo R$50,00 a partir do terceiro ano de operação. Após esse período, os crescimentos considerados são decorrentes apenas de atualizações monetárias. Camarotes e áreas VIP: estimativa de valor = 50% do total auferido com ingressos dos demais setores, pois trata-se de área com menor capacidade de público. Serviços: para os setores de Bares e Restaurantes, adotou-se a premissa de que haverá dois estabelecimentos de marca renomada que repassarão 25% do total faturado para a administração da arena. Estima-se um faturamento mensal médio de cerca de R$100.000,00. Estacionamento: área com capacidade para 3.000 veículos, cobrando R$20,00 para acesso a eventos esportivos e R$30,00 para os demais eventos e serviços. A participação da administração da arena será de 30% sobre o faturamento.
    12. 12. O Plano de NegóciosPremissas: Eventos: as participações sobre eventos e atividades comerciais, assim como sobre possíveis opções de entretenimento, serão de 25% sobre o faturamento dos locatários. Estima-se uma média de 90 eventos por ano, além das partidas esportivas. Programação: 5 eventos anuais de grande porte, com faturamento de R$4M cada, 10 eventos anuais de médio porte, com faturamento de R$800K cada, e 75 eventos de pequeno porte (1 a cada 4-5 dias), com faturamento de R$100K cada. Público médio: 50.000 pessoas nos grandes eventos, com ingressos no valor médio de R$80,00 cada; nos eventos de médio porte, considera-se 15.000 pessoas com ingressos pouco acima de R$50,00 cada; e nos eventos menores, considera-se R$50,00, porém, com um total de 2.000 pessoas por evento. Naming Rights: ~R$8M/ano, valor médio estimado para 12 arenas, em construção, no Brasil, com sobrepreço de 20% sobre a média, pois a arena hipotética deste estudo será sediada em São Paulo. Investimento: ~R$340M em 3 anos de construção; considera um custo de R$9,6K por assento e capacidade para 35.000 espectadores, em eventos esportivos.
    13. 13. O Plano de NegóciosEstimativa do Fluxo de Caixa e Resultado:
    14. 14. Considerações Finais Desenvolver um Plano de Negócios aderente ao mercado que se pretende atingir é fundamental. Portanto... Saber adaptar um modelo de Arena Multiuso ao ambiente é mais importante do que idealizar o modelo. O desafio é equilibrar o porte do equipamento, a infra-estrutura e os serviços disponíveis e o perfil consumidor do público-alvo.
    15. 15. Caso WEMBLEY Antes (2003)• Investimento de 757M libras• 57% em empréstimos bancários Depois (2010)• 28 eventos e 2 milhões de clientes• Prejuízo = 12M libras Fonte: Wembley - The Official Guide e Football Economy.com
    16. 16. Caso MORUMBI “Com shows de Madonna e Lady Gaga, São Paulo projeta arrecadação maior do que com futebol” Em 6 partidas que disputou em casa, o clube faturou R$2,2 milhões com a torcida. Os dois shows das estrelas americanas, em 3 dias, vão gerar R$3,6 milhões. Em 2011, a DRE do S. P. F. C. apresentou um lucro de R$29 milhões com o estádio. Em comparação, projeta-se que a arena de Wembley (Inglaterra) gere lucro líq., convertido em Euros, em torno de 6,5 milhões de Euros, nos anos de superávit. Fonte: UOL; 05/08/2012.
    17. 17. Considerações Finais• Resultado do projeto de uma arena multiuso hipotética, a uma taxa mínima de atratividade de 13%, é positivo, com VPL = R$42K ao final de 30 anos de operação.• A taxa de atratividade ou custo de oportunidade de 13% ao ano deve-se a um prêmio pelo risco, equivalente a 2% ao ano, em relação a um investimento conservador, como um fundo de renda fixa com rentabilidade anual de 11%.• O payback deste projeto é de 8 anos e 11 meses, e a TIR é de 13,0012%; ambos são satisfatórios, a taxa interna de retorno porque não está abaixo da taxa mínima de atratividade (13%) e o payback porque ocorre num prazo razoável, dado o porte do projeto.• Em relação aos demais tipos de arena que foram citados, anteriormente, o resultado é que o VPL ficaria negativo em mais de R$80M no caso da arena puramente esportiva e em mais de R$8M no modelo de arena com esporte & eventos esporádicos.
    18. 18. Muito Obrigado! José Rubens Mottazerubensmotta@hotmail.com

    ×