Barroco

1.701 visualizações

Publicada em

Barroco: Contexto histórico, características e autores.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.701
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Barroco

  1. 1.  Surgimento: Europa, meados do século XVI - Brasil, início do século XVII. (Lembrar que, no Brasil, a literatura barroca acaba no século XVII, junto com o declínio da sociedade açucareira baiana. Contudo, na arquitetura e nas artes plásticas, o estilo barroco atingirá o seu apogeu apenas nos séculos XVIII e início do XIX, em Minas Gerais.)a) Duração no Brasil: 1601 a 1768 (todo o século XVII e mais da metade do século XVIII).b) Obra inauguradora: Prosopopéia, poema épico de Bento Teixeira.c) Outros nomes para o movimento:Seiscentismo: em homenagem aos anos de 1600 no Brasil.Grupo Baiano: no Brasil, o Barroco literário desenvolve-se na Bahia (Salvador).Gongorismo: em homenagem a Luiz de Gôngora; é também a denominação do Barroco na Espanha.
  2. 2. a) CULTISMO ou GONGORISMO ("como dizer") - É o jogo de palavras; é o rebuscamento da forma, é a obsessão pela linguagem culta, erudita. Viram moda a inversão da frase (hipérbato) e o uso de palavras difíceis. É o abuso no emprego de três figuras de linguagem: a metáfora, a antítese e o hipérbato. O principal cultista do barroco mundial é o espanhol Luiz de Gôngora. No Brasil, Gregório de Matos.
  3. 3. b) CONCEPTISMO ("o que dizer") - É o aspectoconstrutivo do Barroco, voltado para o jogo das idéias edos conceitos. É a preocupação com as associações inesperadas,seguindo um raciocínio lógico, racionalista. O principal conceptista do barroco mundial é oespanhol Francisco de Quevedo. No Brasil, padre AntônioVieira.
  4. 4.  TEOCENTRISMO x ANTROPOCENTRISMO - O rebusca-mento da artebarroca é reflexo do dilema em que vive o homem do seiscentismo (os anos de1600). Daí as preferências por temas opostos: espírito e matéria, perdão epecado, bem e mal, céu e inferno. Tudo isso gera a preocupação com a brevidadeda vida (carpe diem)Conflito entre corpo e alma. Dividido entre os prazeres renascentistas e o fervorreligioso, o homem barroco oscila entre: A celebração do corpo, da vida terrena, do gozo mundano e do pecado;Os cuidados com a alma visando à graça divina e à salvação para a vida eterna.
  5. 5.  Gregório de Matos Guerra nasceu na Bahia, filho de família abastada e poderosa, de fortes raízes em Portugal. Fez seus primeiros estudos no colégio jesuítico da Bahia. Com dezesseis anos, ingressou na Universidade de Coimbra, onde viria a se formar em Direito. No ano de 1663, tornou-se juiz, sendo nomeado para um lugarejo do interior português. Em seguida, tornou-se juiz em Lisboa, casando-se com a filha de um importante magistrado e da qual enviuvou em 1678. Retornaria ao Brasil já com quarenta e seis anos, recebendo a tonsura (ordens eclesiásticas menores) e assim virando padre. Dois anos depois foi destituído da condição clerical por levar uma "vida sem modo de cristão".
  6. 6.  Poesia religiosa: O exemplo mais conhecido de sua literatura sacra é o soneto A Jesus Cristo Nosso Senhor. Numa curiosa dialética (discussão), o poeta apela para a infinita capacidade de Cristo em redimir os piores pecadores, alegando que a ausência de perdão representaria o fim da glória divina. Trata-se, pois, de um poema simultaneamente contrito e desafiador, humilde e presunçoso.
  7. 7. A Jesus Cristo nosso senhorPequei, Senhor, mas não porque hei pecado, Da vossa alta clemência me despido; Porque quanto mais tenho delinqüido, Vos tenho a perdoar mais empenhado. Se basta a vos irar tanto pecado, A abrandar-vos sobeja* um só gemido: Que a mesma culpa que vos há ofendido, Vos tem para o perdão lisonjeado. Se uma ovelha perdida e já cobrada Glória tal e prazer tão repentino Vos deu, como afirmais na sacra história, Eu sou, Senhor, a ovelha desgarrada, Cobrai-a; e não queirais, pastor divino, Perder na vossa ovelha a vossa glória. * Sobeja: basta.
  8. 8.  Poesia amorosa: Exemplo dessa perspectiva é um dos sonetos dedicados a D. Ângela, provável objeto da paixão do poeta e que o teria rejeitado por outro pretendente. Observe-se o jogo de aproximações entre as palavras anjo e flor para designar a amada. Observe-se também que, ao mesmo tempo tais vocábulos possuem um caráter contraditório (anjo = eternidade; flor = brevidade). Como sugere um crítico, esta duplicidade de Angélica lança o poeta em tensão e quase desespero ("Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda.")
  9. 9. Anjo no nome, Angélica na cara! Isso é ser flor, e Anjo juntamente: Ser Angélica flor, e Anjo florente*Em quem, senão em vós, se uniformara?Quem vira uma tal flor, que a não cortara, De verde pé, da rama florescente? A quem um Anjo vira tão luzente Que por seu Deus o não idolatrara?Se pois como Anjo sois dos meus altares,Fôreis o meu custódio*, e minha guarda, Livrara eu de diabólicos azares. Mas vejo que tão bela, e tão galharda, Posto que* os Anjos nunca dão pesares,Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda. * Florente: florido. * Custódio: defesa * Posto que: ainda que.
  10. 10.  Poesia obscena-satírica: Na poesia obscena- satírica, Gregório de Matos não apresenta qualquer requinte voluptuoso. Sua visão do amor físico é agressiva e galhofeira. Quer despertar o riso ou o comentário maldoso da platéia. Por isso, manifesta desprezo pela concepção cristã do amor que envolve a camada espiritual.
  11. 11. O amor é finalmente um embaraço de pernas, uma união de barrigas,um breve tremor de artérias. Uma confusão de bocas, uma batalha de veias, um reboliço de ancas,quem diz outra coisa, é besta.
  12. 12. Se Pica-flor me chamais, Pica-flor aceito ser, mas resta agora saber, se no nome, que me dais,meteis a flor, que guardais no passarinho melhor! se me dais este favor, sendo só de mim o Pica,e o mais vosso, claro fica, que fico então Pica-flor.
  13. 13.  Poesia satírica: Contra tal ordem de coisas, contra este novo mundo, que revirou todos os princípios e hierarquias, que pôs tudo de cabeça para baixo, que está afundando a sua classe, ele vai protestar. O protesto dá-se através da linguagem poética, transformada quase sempre em caricatura, ofensa, praguejar, explosões de um cinismo cru e sem piedade. O gosto do poeta pelo insulto leva-o a acentuar os aspectos grotescos dos indivíduos e do contexto baiano.
  14. 14. A cada canto um grande conselheiro, Quer nos governar cabana e vinha, * Não sabem governar sua cozinha, E podem governar o mundo inteiro. Em cada porta um freqüente olheiro, Que a vida do vizinho, e da vizinha Pesquisa, escuta, espreita e esquadrinha, Para a levar à Praça e ao Terreiro. Muitos mulatos desavergonhados Trazidos pelos pés os homens nobres, Posta nas palmas toda a picardia.* Estupendas usuras* nos mercados, Todos os que não furtam muito pobres: E eis aqui a cidade da Bahia.Cabana e vinha: no sentido de negócios particulares. Picardia: esperteza ou desconsideração. Usuras: juros ou lucros exagerados.
  15. 15.  Nasceu em Lisboa e veio menino (seis anos) para a Bahia com seu pai, alto funcionário da Coroa. Estudou no colégio dos jesuítas, onde brotaria sua vocação sacerdotal, ordenando-se aos 26 anos. Em 1640, prega o seu audacioso sermão Contra as armas de Holanda. No ano seguinte, já reconhecido, volta para Lisboa, tornando-se o grande pregador da Corte. Entre os seus aficionados, encontrava-se o jovem rei D. João IV. A pedido dele executou várias funções políticas e diplomáticas.
  16. 16.  Crítica aos pregadores cultistas: No conhecido Sermão da Sexagésima, fulmina a linguagem rebuscada e defende a argumentação clara e harmoniosa. O principal alvo de sua crítica são os pregadores cultistas, com seu artificialismo e seu gosto exagerado pela antítese.
  17. 17. “O pregar há de ser como quem semeia e não como quem ladrilha ou azuleja. Ordenado, mas como as estrelas. Não fez Deus o céu em xadrez de estrelas como os pregadores fazem o sermão em xadrez de estrelas. Se de uma parte está branco, da outra há de estar negro; se de uma parte está dia, da outra há de estar noite; se de uma parte dizem luz, da outra hão de dizer sombra; de uma parte dizem desceu, da outra hão de dizer subiu. Basta que não havemos de ver num sermão duas palavras em paz? Todas hão de estar sempre em fronteira com o seu contrário. Aprendamos do céu o estilo da disposição e também o das palavras. Como hão de ser as palavras? Como as estrelas. As estrelas são muito distintas e claras. Assim há de ser o estilo do pregador, muito distinto e muito claro.” (Fragmento do sermão da sexagésima)
  18. 18.  Temas religiosos: O interesse pela existência cotidiana da Colônia e pelo futuro histórico de Portugal não impedem Vieira de desenvolver uma oratória estritamente religiosa, onde as questões da morte e da eternidade avultam a todo momento.
  19. 19. “Duas coisas a Igreja prega hoje a todos os mortais: ambas grandes, ambas tristes, ambas temerosas, ambas certas. Mas uma de tal maneira certa, e evidente, que não é necessário entendimento para a crer; outra de tal maneira certa, e dificultosa, que nenhum entendimento basta para a alcançar. Uma é presente, outra futura. (...) E que duas coisas enigmáticas são estas? Pulvis es et in pulverem reverteris. Sois pó e em pó vos haveis de converter. Sois pó é a presente. Em pó vos haveis de converter é a futura. (...)Ora suposto que já somos pó e não pode deixar de ser, pois Deus o disse; perguntar-me-eis, e com muita razão, em que nos distinguimos os vivos dos mortos? Os mortos são pó, nós também somos pó. Distinguimo-nos, os vivos dos mortos, assim como se distingue o pó do pó. Os vivos são pó levantado, os mortos são pó caído; os vivos são pó que anda, os mortos são pó que jaz.” (Fragmento do Sermão de Quarta-feira de Cinzas, pregado em Roma, no ano de 1672)
  20. 20.  O Olhar sobre a Vida Concreta: Inúmeros outros sermões desse padre jesuíta partem de alusões religiosas para comentar criticamente aspectos da sociedade brasileira ou portuguesa, mostrando sua profunda relação com a vida pública. Implacável inimigo dos corruptos, fulminou-os no Sermão do bom ladrão, apresentado diante de D. João IV, em 1655.
  21. 21. “Não são só ladrões - diz o Santo - os que cortam bolsas ou espreitam os que se vão banhar, para lhe colher a roupa; os ladrões que mais própria e dignamente merecem este título são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e legiões, ou o governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais já com manha, já com força, roubam e despojam os pobres. Os outros ladrões roubam um homem, estes roubam cidades e reinos; os outros furtam debaixo de seu risco, estes sem temor, nem perigo; os outros, se furtam, são enforcados, estes furtam e enforcam. Diógenes que tudo via com mais aguda vista que os outros homens, viu que uma grande tropa de varas (juízes) e ministros de justiça levavam a enforcar uns ladrões e começou a bradar: "Lá vão os ladrões grandes enforcar os pequenos." Ditosa Grécia que tinha tal pregador! Quantas vezes se viu em Roma ir a enforcar um ladrão por ter furtado um carneiro, e no mesmo dia ser levado em triunfo um cônsul ou ditador por ter roubado uma província.” (Fragmento do Sermão do bom ladrão, apresentado diante de D. João IV, em 1655)
  22. 22. A Questão do Escravismo: A ambigüidade de Vieira é visível no problema da escravatura. Como intelectual e homem de ação envolve-se na luta em defesa dos índios contra os colonos que desejavam aprisioná-los. É odiado pelos grandes proprietários que o tem como o maior inimigo. Contraditoriamente, não manifesta o mesmo ardor contra a escravidão de africanos, chegando a requerer a substituição dos escravos índios por negros. No entanto, ao ver as torturas e humilhações aplicadas aos últimos no Brasil, é tomado de ira santa, atacando os senhores rurais e comparando os sofrimentos dos cativos ao sofrimento de Cristo.Embora isso hoje pareça hipocrisia ou ideologia justificatória do escravismo, na época tal pregação tinha um fundo sentido subversivo porque conferia aos escravos uma condição humana (em oposição á desumanidade dos senhores) e oferecia-lhes um passaporte para a eternidade, negada aos que os brutalizavam.
  23. 23. “Os senhores poucos, os escravos muitos; os senhores rompendo galas, os escravos despidos e nus; os senhores banqueteando, os escravos perecendo à fome; os senhores nadando em ouro e prata, os escravos carregados de ferros; os senhores tratando-os como brutos, os escravos adorando-os e temendo-os como deuses; os senhores em pé apontando para o açoite, como estátuas da soberba e da tirania, os escravos prostrados com as mãos atadas atrás, como imagens valíssimas da servidão e espetáculos de extrema miséria. Oh Deus! Quantas graças devemos à Fé que nos destes, porque só ela cativa o entendimento para que, à vista destas desigualdades, reconheçamos contudo vossa justiça e providência! Estes homens não são filhos do mesmo Adão e da mesma Eva? Estas almas não foram resgatadas com o sangue do mesmo Cristo? Estes corpos não nascem e morrem com os nossos? Não respiram o mesmo ar? Não os aquenta o mesmo sol? Que estrela é logo aquela que os domina tão triste, tão inimiga, tão cruel?” (Fragmento do Sermão Vigésimo Sétimo)

×