Os Habitos de Consumo

7.642 visualizações

Publicada em

São os arquivos que o professor Joaquin enviou para a confecçao do JOB2.

Att.
Daiane

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.642
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os Habitos de Consumo

  1. 1. Thaís Letícia Ortega, André Luís Garcia. Os hábitos de consumo da nova classe C brasileira nas ruas e na internet OS HÁBITOS DE CONSUMO DA NOVA CLASSE C BRASILEIRA NAS RUAS E NA INTERNET Thaís Letícia Ortega1, André Luis Garcia2Resumo O presente artigo, todo baseado em informações obtidas por meio de revisõesbibliográficas e publicações de pesquisas realizadas por organizações setoriais einstitutos de pesquisas, procura identificar quais os novos comportamentos da atualclasse média do Brasil, qual sua nova faixa salarial, hábitos de consumo e outrascaracterísticas gerais que modelem estes novos consumidores. Ao final deste estudo,são apresentadas algumas formas mais eficientes de despertar a atenção e ointeresse desses novos consumidores. Por fim, este trabalho tem o propósito de reunirinformações úteis sobre o comportamento do consumidor da classe C e de quemaneira ele quer ser tratado.Palavras–chave: Brasil, Classe C, Comportamento, ConsumidoresAbstract This article, based on all information obtained through literature reviews andpublication of research by industry groups and research institutes, which seeks toidentify the new behaviors of the current middle class in Brazil, where his new salaryrange, consumption habits and other general features that model these newconsumers. At the end of this study, we present some more efficient ways to arousethe attention and interest of these new consumers. Finally, this study aims to gatheruseful information about the consumer behavior of the C class and how he wants to betreated.Keywords: Behavior, Brazil, Class C, Consumers1 Bacharel em Marketing, Discente do curso MBA em Gestão Empresarial do Centro Universitário de Lins,thaismiazzo@yahoo.com.br2 Mestre em Gestão da Educação, Professor do Centro Universitário de Lins, andre@unilins.edu.br
  2. 2. Thaís Letícia Ortega, André Luís Garcia. Os hábitos de consumo da nova classe C brasileira nas ruas e na internet1. Introdução Influenciado por políticas econômicas bem sucedidas, o mercado consumidorbrasileiro foi inundado por novos personagens. Trabalhadores oriundos das classes C,D e E foram alçados à posição de emergentes, dando origem a nova classe C, quetambém pode ser chamada de nova classe média. Neste trabalho foi identificado que anova classe C espera que as empresas adaptem suas estratégias de comunicação aseu novo estilo de vida. Outro dado importante em relação ao comportamento desses novos consumidoresé que nos últimos três anos, aproximadamente 45 milhões de pessoas da classe Cpassaram a ter conexão com a internet, e que a maioria desses internautas utiliza ainternet diariamente para realizar pesquisas de interesses gerais, produtos e preços.Por isso a internet vem ganhando cada vez mais força no mundo do consumo. Por essa mudança na classe média se tratar de um fato recente na economiabrasileira. O mercado precisa identificar: Como são os personagens dessa nova classee quais são seus hábitos de consumo? Por este motivo, o objetivo deste trabalho foi revelar importantes informaçõesestratégicas, que se aplicadas corretamente poderão fazer a diferença nos processosde comunicação entre empresa e mercado.1.1 O que é consumidor e porque o estudo do seu comportamento é importante No Brasil é costume representar as classes salarias por meio de uma pirâmide,onde no topo situa-se a classe A, que representa a menor parcela da populaçãobrasileira, com rendimentos acima de R$10.200,00, seguida pela classe B comrendimentos entre R$5.100,00 e R$10.200,00, seguida pela classe C, atualmente coma maioria da população brasileira, com rendimentos entre R$2.040,00 e R$5.100,00,seguida pela classe D com rendimentos entre R$1.020,00 e R$2.040,00 e finalmente,seguida pela classe E com rendimentos entre R$0,00 e R$1.020,00. (Rodrigo, 2010) O ponto de partida deste trabalho é a busca pela melhor definição do que éconsumidor e porque o estudo detalhado desse sujeito pode se tornar uma vantagemcompetitiva para as empresas que disputam esse mercado atualmente tão concorrido.Segundo a lei nº 8.078, que trata do Código de Defesa do Consumidor, Art. 2°Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviçocomo destinatário final. Parágrafo único. Equipara-se a consumidor a coletividade depessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo.(BRASIL, Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990). O comportamento do consumidor pode ser definido como um estudo dos gruposcompradores e de todos os processos de troca relacionados à aquisição e consumode bens e serviços. (Mowen e Minor, 2003) Toda e qualquer empresa exerce um papel de comunicadora na sociedade em queestá instalada, por isso precisa se preocupar em transmitir uma imagem verdadeira deempresa responsável com o meio em que está envolvida. A empresa que estuda o comportamento do consumidor prevê reações do mercadoe da sociedade em geral de maneira mais realista, portanto mais assertiva. Esse fatorpode ser considerado um diferencial que gera vantagem competitiva.1.2 Como é composta a nova classe C Nos últimos dez anos, cerca de vinte milhões de brasileiros das classes mais baixasinvadiram o universo do consumo. Atualmente, essa classe tem apresentado novoscomportamentos que provocam o interesse do mercado em conhecer seus hábitoscada vez melhor e mais intimamente. Alguns aspectos determinantes para a continuidade da ascensão dessa classe são:o sucesso dos programas de distribuição de rendimentos, o fator de ascensão social, o 2
  3. 3. Thaís Letícia Ortega, André Luís Garcia. Os hábitos de consumo da nova classe C brasileira nas ruas e na internetaumento real dos rendimentos, assim como o aumento da oferta de crédito (Meirelles,2009). Os que constituem a atual classe C são, em sua maioria, cidadãos da geração Y1.Quem pertence a essa geração nasceu em meados da década de 1970 até meadosda década de 1990. Essa geração viveu um período de grandes avanços tecnológicose desenvolvimento económico. (Loiola, 2009) Em 2006, a classe C representava 44,9 % da população brasileira, atualmente, écomposta por 95 milhões de cidadãos, representando mais da metade da população, oequivalente a 50,5 %. (Agostini e Meyer, 2010) O Brasil não é o único país com essa rápida evolução da classe média. Essemovimento acontece também nos países pertencentes ao BRIC (Brasil, Rússia, Índia eChina). A previsão é de que em alguns anos, somando números desses quatro países,a classe média resultará cerca de 800 milhões de pessoas. (Consumo Pop, 2010). A classe C ou a nova classe média brasileira, em sua maioria, tem em média 30anos de idade e 55 % de seus componentes são afro-descendentes. Seu rendimentofamiliar mensal está entre R$1.126,00 e R$4.824,00, segundo critério da FundaçãoGetúlio Vargas (FGV, 2010). Essa nova classe é basicamente formada no fundamental e por uma parcela nosegundo grau. Diferente das classes mais altas, a C tem uma baixa proporção deintegrantes com fluência em um segundo idioma. Foi identificado também que a classeC já representa a maioria dos alunos em escolas privadas, com algo mais que quatromilhões de crianças matriculadas.1.3 Revisão e análise de dados publicados por institutos de pesquisas Em 2009, o Instituto Bridge Research realizou uma pesquisa com pessoas comidade entre 18 e 30 anos das cidades Rio de Janeiro, Porto Alegre e Grande SãoPaulo. O objetivo deste estudo foi identificar padrões de consumo e quais oscomportamentos desse grupo. (Melo, 2010) Uma pesquisa do IBOPE (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística)revelou que essa nova classe média tem preferência por centros comerciais abertos,como lojas de ruas, a shoppings centers grandes e luxuosos. Além dessasinformações, verificou-se que um grupo grande de consumidores acredita napropaganda e nas marcas de forma irrestrita (IBOPE, 2010). Com base ainda nessa sondagem, o IBOPE dividiu a nova classe C em 4 grupossegundo seus hábitos de consumo, são eles: Racionais, Consumistas, Personalistas eConformistas. A pesquisa também identificou que a classe C aparenta estar menospreocupada com a qualidade da alimentação, está menos propensa aos excessosalimentares e à atividades físicas e também mostra estar menos ligada a prevenção. Identificou-se ainda que boa parte das mulheres da classe C tomam atitudes deconsumo principalmente em relação à aparência, mas quem sustenta esse mercadosão as jovens entre 20 e 34 anos. Estima-se que nos últimos três anos, 45 milhões de pessoas da classe C passarama ter conexão com a internet, esse dado contribui positivamente com o crescimento dadigitalização do país. Em outra pesquisa, esta realizada pela consultoria Data Popular, foramentrevistadas 2000 pessoas, das quais 68 % dos integrantes da classe C utilizam ainternet para pesquisar preços, número bastante próximo aos 82 % das classes A e B.(Data Popular, apud EXAME, 2010). Embora a influência da internet venha crescendo significativamente, a penetraçãodas compras em e-commerce ainda é pequena, mas já evidencia uma tendência de 1 A classificação de gerações X, Y, Z foi criada para definir melhor os perfis de cada faixa etária. Sendodesignadas, da seguinte maneira: Geração X: Nascidos aproximadamente entre os anos 1960 e 1970. Geração Y:Nascidos aproximadamente entre os anos 1970 e 1990. Geração Z: Nascidos aproximadamente entre os anos 1990 e2009. 3
  4. 4. Thaís Letícia Ortega, André Luís Garcia. Os hábitos de consumo da nova classe C brasileira nas ruas e na internetcrescimento. Quando os entrevistados pelo Bridge Research foram questionados emrelação às tecnologias que mais utilizam, a maioria ainda prefere televisão e rádio,deixando a internet na 5ª posição. Com informações obtidas em um levantamento realizado em parceria entre o DataPopular e o Data Folha, foi possível identificar características do perfil desses novosconsumidores que demonstraram tendências para esse mercado. A tendência maisforte é a do consumo de inclusão. Diferente desses consumidores mais ativos, os emergentes preferem estarincluídos, por isso não tem vergonha ao pedir descontos e vantagens em processosde troca, preferindo, em muitos casos, pagar mais por um determinado produto sereconhece que ele tem diversas funcionalidades que podem ser aproveitadas, comoexemplo as latas e potes muitas vezes reutilizados como porta-mantimentos.2. Conclusão Após o estudo de todos esses dados é possível afirmar que a nova classe Cbrasileira tem as seguintes características: A maioria pertence a geração Y, com idades entre 20 e 41 anos; Carrega sempre consigo um aparelho celular para finalidades além de simplesligações; Representa mais da metade da população brasileira, o equivalente a 55,5 %. 55 % de seus componentes são afrodescendentes; O valor correspondente ao consumo anual da classe C na internet é de R$ 321,00; Poucos integrantes têm fluência em um segundo idioma; São ágeis e gostam de se manter atualizados sobre as novas tecnologias; Valorizam sua individualidade; A maioria acredita na propaganda e nas marcas e 20 % deles acredita e dáaudiência a celebridades; Apresentam três diretrizes de compra: planejamento, pesquisa de preços e buscapor oportunidades. A comunicação com essa geração, também chamada de NativosDigitais, não tem barreiras. A nova classe média brasileira quer que os prestadores de serviços e fornecedoresde produtos levem em consideração seus valores, seu estilo de vida e suas atitudes.Mas para resolver essa questão é necessário observar seu comportamento, analisaraspectos culturais, e comportamentos que determinam a forma como essa populaçãolida com o consumo. Quanto à internet, ela tem se tornado cada vez mais presente no cotidiano dessepúblico, em consequência disso o mundo virtual tem sido invadido por essesconsumidores emergentes, que por enquanto utilizam a internet mais para pesquisar ecomparar preços e produtos, do que para efetivamente realizar compras. Mas o fato de quase 70 % deles interagirem em redes sociais e serviços demensagens instantâneas facilita para que as empresas estudem melhor suaspreferências e comportamentos, e dessa forma obtenham mais informações paraelaborar campanhas que sejam mais eficientes no despertar da atenção, interesse,desejo e por fim, provocar a atitude de consumo. Além disso, esse dado demonstraque o e-commerce só tende a aumentar. Essa constatação representa significativas implicações para o posicionamento dasdiversas marcas e empresas. Principalmente porque a Classe C continuará sendo deextrema importância para elas, sendo necessário atender todas suas necessidades eexpectativas. Aliás, esse movimento poderá motivar a criação de novos negócios commodelos criativos e inclusivos para as Classes D/E. Por fim, os constituintes da classe c estão cada vez mais conscientes do seusignificado e importância na sociedade e por isso vem valorizando cada vez mais assuas conquistas. Portanto, para conquistar esse grande, novo e diferente mercado é 4
  5. 5. Thaís Letícia Ortega, André Luís Garcia. Os hábitos de consumo da nova classe C brasileira nas ruas e na internetnecessário se relacionar com tudo aquilo que é simbólico para ele, procurando sempremanter próxima a marca da empresa em relação à cultura desse consumidor.Referências BibliográficasAGOSTINI, R., MEYER, C., 2010, “A classe C cai na rede”. Exame, 44(19), pp.35-45.BRASIL, Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispões sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 setembro 1990Consumo Pop, 2010, “Folha. Mercado”, in http://www1.folha.uol.com.br/mercado/818964-artigo- consumo-pop.shtmlFGV.- Fundação Getúlio Vargas, 2010, “Portal FGV IBRE”, in http://portalibre.fgv.br/main.jsp?lumChannelId=402880811D8E2C4C011D8E33F5700158IBOPE - Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística, 2010, “Apresenta estudo inédito sobre a classe C”, in http://www.cidademarketing.com.br/2009/n/3680/ibope-apresenta- estudo-indito-sobre-a-classe-c.htmlLOIOLA, R., 2009, “Geração Y. Comportamento.”. Galileu, in http://revistagalileu.globo.com/Revista/Galileu/0,,EDG87165-7943-219,00-GERACAO+Y.htmlMEIRELLES, R., 2009, “Como conquistar o consumidor da Classe C.”, Revista Marketing, in http://www.revistamarketing.com.br/materia.aspx?m=385MELO, C., 2010, “O que deseja, como pensa, consome e age a geração Y”. IDG Now!, in http://idgnow.uol.com.br/carreira/2010/01/22/o-que-deseja-como-pensa-e-age-a-geracao-y/MOWEN, J.C., MINOR, M.S., 2003, Comportamento do Consumidor, 2ª Ed. São Paulo, Prentice-Hall.RODRIGO, T., 2010, “A vida é feita de consumo: Faixas salariais x classe social - Qual a sua classe social?”, in http://blog.thiagorodrigo.com.br/index.php/faixas-salariais-x-classe-social- qual-a 5

×