Tdc mod 3_4_

996 visualizações

Publicada em

Tomada de Decisão - 3 e 4

Publicada em: Negócios
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
996
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tdc mod 3_4_

  1. 1. - 1 - TOMADA DE DECISÃO E CENÁRIOS MÓDULO 3 – Abordagens do Processo Decisório TOMADA DE DECISÃO E CENÁRIOS MÓDULO 3 – Abordagens do Processo Decisório
  2. 2. - 2 - No Módulo 3 estudaremos: Abordagem Integrada; Abordagem Descritiva; Abordagem Prescritiva. Módulo 3Módulo 3 CONTEÚDO DO MÓDULO
  3. 3. - 3 -  Que abordagens “seriam integradas” pela abordagem integrada? ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 Reflexão: Como buscamos tomar decisões na vida pessoal? • Ex: Decisão sobre apartamento. Reflexão: Como buscamos tomar decisões na vida pessoal? • Ex: Decisão sobre apartamento.
  4. 4. - 4 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3
  5. 5. - 5 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 • Círculo virtuoso das abordagens Abordagem prescritiva (teoria) Abordagem descritiva (prática) + +
  6. 6. - 6 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3  Metade do século XX • Utilização de ferramentas de cunho quantitativo para auxiliar a tomada de decisão. • Lançamento dos fundamentos da teoria clássica da tomada de decisão. • Embrião da abordagem prescritiva, baseadas em teorias normativas. • Teoria clássica • Racionalidade do indivíduo; • Baseia-se na premissa de que: Breve histórico das abordagens O problema é claramente definido, assim como critérios, objetivos, alternativas e respectivas consequências devidamente explorados.
  7. 7. - 7 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3  Década de 1960 • Os pesquisadores Richard Cyert e James March propuseram que a essência da teoria da tomada de decisão nas empresa baseia-se na racionalidade limitada. • Conceito originalmente desenvolvido por Herbert Simon, Prémio Nobel da Economia em 1978, pela contribuição aos estudos da racionalização da tomada de decisões. • Principal pilar de evolução da abordagem descritiva. Breve histórico das abordagens
  8. 8. - 8 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 Breve histórico das abordagens • Princípios fundamentais da racionalidade limitada: a) quase resolução do conflito entre os diferentes objetivos da organização; b) minimização da incerteza ou do risco envolvido; c) busca de uma solução satisfatória (em detrimento de uma solução ótima),em torno de um objetivo principal; d) aprendizagem constante e adaptação da organização.
  9. 9. - 9 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 • Modelo da teoria clássica e da racionalidade limitada Tipos de modelos Teoria clássica,base da Abordagem Prescritiva Modelo da Racionalidade limitada,base da Abordagem Descritiva Principais características Gestores devem tomar decisões economicamente viáveis, em estrita conformidade com os interesses das organizações. Gestores são incapazes de tomar decisões totalmente racionais, ainda que eles queiram. Conceitos básicos Racionalidade ilimitada e soluções ótimas. Racionalidade limitada e soluções satisfatórias. Pressupostos Problemas bem definidos e formatados,objetivos conhecidos e acordados,informações completas a fim de alcançar alto grau de certeza, critérios conhecidos, seleção de alternativa que maximiza o retorno econômico para as organizações. Metas vagas, conflitantes, sem consenso entre gestores, busca de alternativas limitadas em função do tempo, dos recursos e de outras restrições. Aplicações Decisões programadas, caracterizada por um ambiente de baixo risco ou certeza. Decisões não programadas, com médio ou alto grau de risco ou incerteza. Fonte: adaptado de BATEMAN, Thomas S.; SNELL, Scott. Administração: novo cenário competitivo. 2ed. São Paulo: Atlas, 2006. Breve histórico das abordagens
  10. 10. - 10 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 • A moderna abordagem prescritiva, apesar de continuar baseada na teoria clássica, tenta incorporar aspectos referentes à racionalidade limitada. • Racionalidade limitada do ser humano; • As teorias racionais associadas ao processo de tomada de decisão partem de duas consideração: consequências e preferências; • As consequências são avaliadas em termos de preferências pessoais; • Dificuldades relacionadas com o processo de tomada de decisão:  Complexidade da decisão;  Incerteza relacionada com a situação em que a decisão ocorre;  Existência de múltiplos objetivos e critérios, muitas vezes conflituosos. Abordagem Prescritiva
  11. 11. - 11 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 • Fatores que podem contribui para a complexidade de um problema: • quanto maior for o número e os respectivos valores que cada variável pode assumir; • número de objetivos; • cenários para a tomada de decisão que seja predominantemente de risco e incerteza. • Contexto da tomada de decisão Gradações de RiscoGradações de RiscoCerteza Incerteza Menor risco Maior risco Abordagem Prescritiva
  12. 12. - 12 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 • Ferramentas predominantemente quantitativas que auxiliam:  Árvore de decisão;  Ferramentas da área financeira: • valor presente líquido (VPL); • payback.  Ferramentas da área de pesquisa operacional e estatística: • programação linear; • teoria das filas.  AHP (Analytic Hierarchy Process) ou método analítico hierárquico • utiliza múltiplos critérios na apreciação da melhor alternativa para determinado processo de tomada de decisão.  Sistemas de Apoio à Decisão (SAD ou DSS, Decision Support Systems) • Tem o objetivo de prover o devido suporte às decisões com médio ou alto grau de complexidade. Abordagem Prescritiva
  13. 13. - 13 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 • Técnica qualitativas relacionadas com a teoria da decisão  diagrama de influência;  brainstorming;  diagrama da espinha de peixe; Abordagem Prescritiva
  14. 14. - 14 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 • Adquiriu maior peso na última década do século XX; • A psicologia cognitiva é sua força motriz; ‒ Psicologia cognitiva – trata o ser humano como um sistema que absorve e interpreta as informações do meio ambiente, de acordo com modelos mentais que processam especificidades, como emoções, atitudes, memórias, etc. • A sociologia é relevante para a abordagem descritiva; ‒ Sociologia – estuda o comportamento dos seres humanos em função do meio e dos processos que os interligam de forma interdependente em associações, grupos e organizações. Abordagem Descritiva
  15. 15. - 15 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 • É baseada em observações do mundo real das organizações e das pessoas como decisores; • Os decisores • Entende que o comportamento dos decisores é influenciado pelo meio ambiente, bem como por um elemento de irracionalidade; • Trabalham com uma solução que seja suficientemente satisfatória. Abordagem Descritiva
  16. 16. - 16 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 • Integração das abordagens descritiva e prescritiva • Meio-termo • Círculo virtuoso Abordagem Integrada Abordagem prescritiva (teoria) Abordagem descritiva (prática) + +
  17. 17. - 17 - ABORDAGEM INTEGRADA Módulo 3Módulo 3 • Considerações na busca do que seria ideal para estruturar um processo decisório: a) A prática da administração exige conhecimentos prescritivos. b) Não podemos ignorar que boa parte do conhecimento adquirido por meio de pesquisas em administração é descritiva. c) Para ser útil, esse conhecimento precisa ser transformado em uma abordagem prescritiva, criando assim, o círculo virtuoso. d) Essa transformação de resultados de pesquisa descritiva para orientações prescritivas úteis é dificultada pela diferença de terminologia e culturas dessas áreas de conhecimento. e) A criação de um círculo virtuoso não é tão simples. Abordagem Integrada
  18. 18. - 18 -Módulo 3Módulo 3  Racionalidade Limitada  Tomada de decisão:  Como se proteger de falhas mentais quando buscamos a racionalidade? ABORDAGEM DESCRITIVA
  19. 19. - 19 - Bibliografia Básica: Capítulo 03 - YU, Abraham Sin Oih. Tomada de Decisão nas Organizações: Uma Visão Multidisciplinar. 1ª. Ed. São Paulo: Saraiva, 2011. Sugestão de Leitura: PEREIRA, M J; FONSECA, J GM. Faces da Decisão: abordagem sistêmica do processo decisório. http://www.brasiladmin.com/index.php/administracao-publica/38-fundamentos/92-her REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Módulo 3Módulo 3
  20. 20. - 20 - TOMADA DE DECISÃO E CENÁRIOS MÓDULO 4 – Estruturação da Decisão e Métodos de Análise TOMADA DE DECISÃO E CENÁRIOS MÓDULO 4 – Estruturação da Decisão e Métodos de Análise
  21. 21. - 21 - No Módulo 4 estudaremos: A Escolha da Melhor Ferramenta; Decisões em Condições de Certeza; Decisões em Condições de Incerteza; Decisões com Mais de um Objetivo; Decisões em Ambientes de Complexidade Dinâmica; Exercícios. Módulo 3Módulo 3 CONTEÚDO DO MÓDULO
  22. 22. - 22 - A ESCOLHA DA MELHOR FERRAMENTA Módulo 4Módulo 4 “ “
  23. 23. - 23 - A ESCOLHA DA MELHOR FERRAMENTA Módulo 4Módulo 4 Critérios de escolha da melhor ferramenta
  24. 24. - 24 - A ESCOLHA DA MELHOR FERRAMENTA Módulo 4Módulo 4 Critérios de escolha da melhor ferramenta Programação Linear Programação Não Linear Ponto de Equilíbrio Valor Presente Líquido
  25. 25. - 25 - A ESCOLHA DA MELHOR FERRAMENTA Módulo 4Módulo 4 Critérios de escolha da melhor ferramenta Diagrama de Influências Árvore de Decisão Simulação de Monte Carlo
  26. 26. - 26 - A ESCOLHA DA MELHOR FERRAMENTA Módulo 4Módulo 4 Critérios de escolha da melhor ferramenta Pensamento Sistêmico Dinâmica de Sistemas Diagramas Causais
  27. 27. - 27 - A ESCOLHA DA MELHOR FERRAMENTA Módulo 4Módulo 4 Exemplos de problemas Problema Número de Variáveis Incerteza Complexidade Dinâmica Modelagem de um sistema macroeconômico Alto Alta Alta Aquisição de um imóvel Alto Baixa Baixa Problemas envolvendo o meio ambiente Alto Alta Alta Previsão de demanda de um segmento industrial Baixo Alta Alta Mandar um foguete ao espaço Alto Alta Alta Problemas contábeis de uma empresa Alto Baixa Baixa Problemas políticos Alto Alta Alta
  28. 28. - 28 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE CERTEZA Módulo 4Módulo 4 • O que indica um ponto de equilíbrio? Ponto de Equilíbrio “ “ • Como calcular? Exemplo: CF = 10.000,00 CV = 7,50 P = 10,00 Custos = Receitas (CF + CV) (P X Q) 10.000 + 7,5Q = 10Q 10.000 = 10Q – 7,5Q 10.000 = 2,5Q Q = 4.000
  29. 29. - 29 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE CERTEZA Módulo 4Módulo 4 Valor Presente Líquido • Valor do dinheiro no tempo 3.000 1.000 1.000 1.000 1.000 Período Valor 0 -3.000 1 1.000 2 1.000 3 1.000 4 1.000 • Fluxo de Caixa O VPL é o somatório dos VP’s mais o gasto efetuado no instante 0 r = 10% VPL = 1.041,32 VP = VF n (1 + r) [Taxa de Desconto]
  30. 30. - 30 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE CERTEZA Módulo 4Módulo 4 Valor Presente Líquido VP = VF n (1 + r) [Taxa de Desconto]Exemplo: Em qual dos dois investimentos deve-se aceitar, levando em consideração os índices do VPL? Justifique sua resposta. Período A B 0 -80.000 -100.000 1 25.000 30.000 2 25.000 30.000 3 25.000 30.000 4 25.000 40.000 Deve-se aceitar o investimento B, pois ele apresenta o maio VPL. Deve-se aceitar o investimento B, pois ele apresenta o maio VPL.
  31. 31. - 31 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE INCERTEZA Módulo 4Módulo 4 • A condição de incerteza existe quando não é possível saber a priori qual o universo de consequências relevantes e a probabilidade de ocorrência de cada uma delas em um problema relevante. • A incerteza nos leva a uma reflexão ‒ Boa decisão Bom resultado. • Quando for possível adiar uma decisão e conseguir mais tempo para coletar dados que reduzam as incertezas, faça-o. Quando for possível. Uma breve reflexão sobre a incerteza
  32. 32. - 32 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE INCERTEZA Módulo 4Módulo 4 Conceitos sobre a incerteza • Não é possível eliminar a certeza, mas lidar com ela. • 1º passo: reconhecer sua existência. ‒ Compreender seus aspectos • 2º passo: selecionar as incertezas realmente relevantes e eliminar as demais (relevância/probabilidade/impacto)
  33. 33. - 33 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE INCERTEZA Módulo 4Módulo 4 Conceitos sobre a incerteza • 3º passo: definir categorias de resultados ‒ Critérios para definir resultados possíveis • 4º passo: atribuir probabilidades de ocorrência de cada resultado ‒ Julgamento próprio; uso de especialistas; jornais, revistas, internet
  34. 34. - 34 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE INCERTEZA Módulo 4Módulo 4 Conceitos sobre a incerteza • 5º passo: definir as principais consequências ‒ Descrição por escrito; Descrição qualitativa por objetivos; Descrição quantitativa por objetivos
  35. 35. - 35 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE INCERTEZA Módulo 4Módulo 4 Diagramas de Influência • Um bom DI contém todas as informações necessárias para que se entenda adequadamente o ambiente da decisão. • Símbolos próprios: ‒Nós •Nós de Origem (predecessor) •Nó de Destino (sucessor) ‒Setas (ou arcos) Símbolo Significado Retângulos representam decisões Elipses representam eventos incertos Retângulos com os cantos arredondados representam cálculos Losangos representam resultados
  36. 36. - 36 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE INCERTEZA Módulo 4Módulo 4 Diagramas de Influência • Exemplo: Substituir um gerador Problema Máquina Nova Máquina Antiga Probabilidade de funcionar bem 70% 100% VPL (funcionando bem) $8 milhões $5 milhões VPL ( funcionando com restrições) $3 milhões - Teste (100% certeza) $0,3 milhões -
  37. 37. - 37 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE INCERTEZA Módulo 4Módulo 4 Diagramas de Influência • Decisão 1 ‒ Novidade ‒ Convencional ‒ Teste • Consequência 1 ‒ Novidade ok (VPL=8) ‒ Novidade não ok (VPL=3) ‒ Convencional (VPL = 5) • Decisão 2 ‒ Novidade ok ‒ Convencional • Consequência 2 ‒ Novidade ok (VPL=8) ‒ Convencional (VPL = 5) Situação real do gerador Consequência 1 Consequência 2 Decisão 1 Decisão 2 Executar teste
  38. 38. - 38 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE INCERTEZA Módulo 4Módulo 4 Árvores de Decisão • Da mesma forma que os Diagramas de Influências (DI), as Árvores de Decisão (AD) também são elementos gráficos que auxiliam na tomada de decisão. Símbolo Significado Quadrados representam decisões Círculos representam eventos incertos T deitado indica terminação da árvore • Apresentam 3 elementos do processo: (1) Decisões (2) Eventos incertos (3) Resultados em uma sequência temporal da esquerda para a direita.
  39. 39. - 39 - DECISÕES EM CONDIÇÕES DE INCERTEZA Módulo 4Módulo 4 Árvores de Decisão • Apesar da simplicidade, esse exemplo aborda a maior parte dos problemas em AD. • Existem softwares parra facilitar o trabalho, uma versão grátis é o www.treeplan.com 3 Novidade Convencional Executar Teste Ok Não Ok Novidade Convencional 6,56,5 55 6,86,8 88 33 70%70% 30%30% 55 100%100% 7,77,7 4,74,7 E(ramo1) = 8*0,7 + 3*0,3 E(ramo1) = 5,6 + 0,9 E(ramo1) = 6,5 E(ramo1) = 8*0,7 + 3*0,3 E(ramo1) = 5,6 + 0,9 E(ramo1) = 6,5 E(ramo3) = (8-0,3)*0,7 + (5-0,3)*0,3 E(ramo3) = 7,7*0,7 + 4,7*0,3 E(ramo3) = 5,39 + 1,41 E(ramo3) = 6,8 E(ramo3) = (8-0,3)*0,7 + (5-0,3)*0,3 E(ramo3) = 7,7*0,7 + 4,7*0,3 E(ramo3) = 5,39 + 1,41 E(ramo3) = 6,8
  40. 40. - 40 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 • Exemplo – Escolha do Escritório Ideal Critérios: (1) preço, (2) área útil e (3) localização. Imóvel Preço (R$) Área Útil (m2) Localização 1 500.000 218 ? 2 450.000 190 ? 3 420.000 200 ? 4 390.000 150 ? 5 600.000 300 ? O Método da Ponderação por Pesos
  41. 41. - 41 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 O Método da Ponderação por Pesos • O 1º passo para definir uma pontuação para localização é a criação de uma escala de valores, considerando novos critérios. Vizinhança Segurança Comércio Paisagem Transporte Ótimo 5 5 5 5 5 Muito bom 4 4 4 4 4 Bom 3 3 3 3 3 Regular 2 2 2 2 2 Aceitável 1 1 1 1 1
  42. 42. - 42 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 O Método da Ponderação por Pesos • O 2º passo para definir uma pontuação para localização é atribuir pesos para cada critério. Vizinhança Segurança Comércio Paisagem Transporte Peso 5 5 4 3 3
  43. 43. - 43 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 • Avaliação dos imóveis quanto à localização O Método da Ponderação por Pesos Vizinhança Segurança Comércio Paisagem Transporte Ótimo 4 5 4 3 3 Muito bom 5 5 3 4 3 Bom 5 5 3 3 4 Regular 5 5 4 5 3 Aceitável 3 4 3 3 5
  44. 44. - 44 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 O Método da Ponderação por Pesos • O 3º passo é multiplicar a nota atribuída a cada imóvel pelos pesos dos critérios. Vizinhança Segurança Comércio Paisagem Transporte Ótimo 4 x 5 5 x 5 4 x 4 3 x 3 3 x 3 Muito bom 5 x 5 5 x 5 3 x 4 4 x 3 3 x 3 Bom 5 x 5 5 x 5 3 x 4 3 x 3 4 x 3 Regular 5 x 5 5 x 5 4 x 4 5 x 3 3 x 3 Aceitável 3 x 5 4 x 5 3 x 4 3 x 3 5 x 3
  45. 45. - 45 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 O Método da Ponderação por Pesos • O 3º passo é multiplicar a nota atribuída a cada imóvel pelos pesos dos critérios. Vizinhança Segurança Comércio Paisagem Transporte Total Ótimo 20 25 16 9 9 79 Muito bom 25 25 12 12 9 83 Bom 25 25 12 9 12 83 Regular 25 15 16 15 9 90 Aceitável 15 20 12 9 15 71
  46. 46. - 46 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 Imóvel Preço (R$) Área Útil (m2) Localização 1 500.000 218 79 2 450.000 190 83 3 420.000 200 83 4 390.000 150 90 5 600.000 300 71 • O 4º passo é normalizar os valores encontrados para cada um dos critérios em uma escala única, por exemplo de 0 a 100. O Método da Ponderação por Pesos
  47. 47. - 47 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 • O 4º passo é normalizar os valores encontrados para cada um dos critérios em uma escala única, por exemplo de 0 a 100. Valor Normalizado Preço (R$) Área Útil (m2) Localização 0 390.000 150 71 100 600.000 300 90 O Método da Ponderação por Pesos
  48. 48. - 48 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 Imóvel Total Melhor Pior Valor Normalizado 1 79 90 71 42 2 83 90 71 63 3 83 90 71 63 4 90 90 71 100 5 71 90 71 0 • O 4º passo é normalizar os valores. • Localização Valor = 100* |Obtido – Pior | Normalizado |Melhor – Pior| O Método da Ponderação por Pesos
  49. 49. - 49 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 • O 4º passo é normalizar os valores. • Valores normalizados para todos os critérios: o total representa o valor de cada opção, no caso dos pesos atribuídos aos critérios serem iguais; se fossem diferentes, repete-se o a ponderação por pesos. Imóvel Preço (R$) Área Útil (m2) Localização Total 1 48 45 42 135 2 71 27 63 161 3 86 33 63 182 4 100 0 100 200 5 0 100 0 100 O Método da Ponderação por Pesos
  50. 50. - 50 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 Eliminação de Alternativas Dominadas • Existem casos em que seria conveniente simplificar o problema antes de aplicar cálculos matemáticos. • Eliminar alternativas dominadas consiste em eliminar as alternativas que perdem de outra em todos os critérios. Imóvel Preço (R$) Área Útil (m2) Localização 1 500.000 218 79 2 450.000 190 83 3 420.000 200 83 4 390.000 150 90 5 600.000 300 71Alternativa imóvel 3 domina a alternativa imóvel 2 !
  51. 51. - 51 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 O Método das Trocas Justas • O método também simplifica o problema, porém, ao invés de eliminar as alternativas, elimina os objetivos. • Exemplo – Decisão entre projetos sem fins lucrativos. ‒ Critérios: (1) melhoria da qualidade de vida da população afetada; (2) número de pessoas atingidas pelo projeto; (3) facilidade para obter recursos governamentais e (4) atratividade para aderir voluntários. ‒ Notas: 0 a 10 (considerar nível de subjetividade nas notas) Critérios P1 P2 P3 Melhoria da qualidade de vida da população afetada 7 8 7 Número de pessoas atingidas pelo projeto 6 7 9 facilidade para obter recursos governamentais 10 7 7 atratividade para aderir voluntários 7 7 7
  52. 52. - 52 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 O Método das Trocas Justas • O método também simplifica o problema, porém, ao invés de eliminar as alternativas, elimina os objetivos. • 4º Critério: notas iguais / 1º Critério: notas equilibradas Critérios P1 P2 P3 Melhoria da qualidade de vida da população afetada 7 8 7 Número de pessoas atingidas pelo projeto 6 7 9 facilidade para obter recursos governamentais 10 7 7 atratividade para aderir voluntários 7 7 7
  53. 53. - 53 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 O Método das Trocas Justas • O método também simplifica o problema, porém, ao invés de eliminar as alternativas, elimina os objetivos. • 4º Critério: notas iguais / 1º Critério: notas equilibradas Critérios P1 P2 P3 Melhoria da qualidade de vida da população afetada 7 8 8 7 8 Número de pessoas atingidas pelo projeto 6 7 9 8 Facilidade para obter recursos governamentais 10 8 7 7 Atratividade para aderir voluntários 7 7 7
  54. 54. - 54 - DECISÕES COM MAIS DE UM OBJETIVO Módulo 4Módulo 4 O Método das Trocas Justas • O método também simplifica o problema, porém, ao invés de eliminar as alternativas, elimina os objetivos. • 4º Critério: notas iguais / 1º Critério: notas equilibradas Critérios P1 P2 P3 Número de pessoas atingidas pelo projeto 6 7 8 Facilidade para obter recursos governamentais 8 7 7
  55. 55. - 55 - DECISÕES EM AMBIENTES DE COMPLEXIDADE DINÂMICA Módulo 4Módulo 4 O Pensamento Sistêmico e a Dinâmica de Sistemas • A Dinâmica de Sistemas foi criada por Jay W. Forrester, que publicou o livro Industrial Dynamics, em 1961, para compreender os ciclos de negócios nas indústrias de manufatura. • O Pensamento Sistêmico, derivado da Dinâmica de Sistemas, tem sua figura central em Peter Senge, que em seu livro A Quinta Disciplina apresenta como entender os sistemas complexos. Forrester • Simulação matemática Senge • Diagramas Causais
  56. 56. - 56 - DECISÕES EM AMBIENTES DE COMPLEXIDADE DINÂMICA Módulo 4Módulo 4 Diagramas Causais • É a ferramenta básica usada no Pensamento Sistêmico para mapear as relações causais e a estrutura de um sistema. • Setas indicam a influência que cada elemento tem sobre o outro. • Foram fechadas duas “malhas”. • Sinais das setas: + influência direta / - influência indireta. • Sinais das malhas: + realimentação positiva / - realimentação negativa • Exemplo Nascimentos População Mortes + + + - + -
  57. 57. - 57 -Módulo 4Módulo 4 EXERCÍCIOS

×