Projeto Educativo - Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de Janeiro

1.374 visualizações

Publicada em

Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de Janeiro

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.374
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto Educativo - Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de Janeiro

  1. 1. Delegação do MED da Praia Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de Janeiro Telefone: 2627696 - Email: ebpalmarejo@gmail.com PROJETO EDUCATIVO Triénio: 2014/2015 a 2016/2017
  2. 2. Abreviaturas e Siglas APEBIP – Associação dos Pais Encarregados de Educação da Escola Básica e Integrado de Palmarejo EB – Escola Básica FENU – Fórum for Educations NGO´S in Uganda NEE – Necessidade Educativas Especiais PAA – Plano Annual e Atividades PE – Projeto Educativo TIC – Tecnologias de Informações e Comunicação EAF – Equipa de Apoio à Famílias SWOT - strenghts, weaknesses, opportunities, threats
  3. 3. 3 Índice Introdução ....................................................................................................................................... 4 Visão ........................................................................................................................................... 5 Caraterização Contextual da escola ................................................................................................ 6 Pessoal não docente.................................................................................................................... 8 Pessoal docente........................................................................................................................... 8 Alunos ......................................................................................................................................... 9 Estrutura Física.......................................................................................................................... 10 Análise Estratégica........................................................................................................................ 10 Análise SWOT............................................................................................................................ 11 Eixo I - Gestão e Desenvolvimento Institucional ......................................................................... 12 Eixo II. Desenvolvimento curricular e ação educativa ................................................................. 15 Eixo III. Resultados educativos .................................................................................................... 18 Eixo IV. Educação e Sociedade.................................................................................................... 21 Cronograma das Atividades...................................................................................................... 23 Avaliação e Monitorização ........................................................................................................... 24 Bibliografia ................................................................................................................................... 25 Anexos .......................................................................................................................................... 26
  4. 4. 4 Introdução A elaboração do projeto educativo da escola do Palmarejo deve-se ao facto de tentar responder a duas motivações: uma de ordem externa que relaciona com a solicitação da Delegação do MED do concelho da Praia, outra de ordem interna que advém da necessidade de criar melhores condições de trabalho, sabendo que um dos maiores desafios que se coloca, hoje, à Escola é de ter a sua própria identidade, ou seja reconhecer as suas caraterísticas e pô-las ao serviço das grandes finalidades educativas e, em particular do direito à educação. Num contexto cada vez mais globalizado e competitivo a imagem corporativa das escolas constitui-se num fator crucial de diferenciação. E preciso estar atento as mudanças e incertezas que ocorrem no meio. É nesta óptica que cabe a escola o papel de elaborar um projeto educativo, que lhe permita interagir com o meio, apresentar as linhas de força da sua ação educativa, as suas dinâmicas, concretizando desta forma a sua autonomia. O projeto educativo de escola assume um papel decisivo na articulação da autonomia e da participação comunitária implicada no processo de descentralização, indicando-se os valores, as metas e as estratégias segundo as quais a escola se propõe cumprir a sua função educativa. A elaboração deste projeto parte de uma reflexão e avaliação dos trabalhos feitos e tornar límpido o novo instrumento de ação, com o objetivo de melhorar a qualidade do ensino. Tem uma duração prevista de três anos e a sua operacionalidade concretizar-se-á através dos projetos elaborados pela escola, regulamento interno e do plano anual de atividades. Neste quadro, o PE é um documento orientador da EB do Palmarejo, elaborado e aprovado pelos órgãos da gestão administrativa, pelo qual, faz-se ênfase aos princípios, valores e as metas que se pretendem alcançar. O PE é elaborado de forma participativa, envolvendo toda a comunidade educativa, tendo em consideração a autoridade e independência da organização escolar. Neste sentido, alcançar-se-á objetivos comuns, perspetivando vias de melhoria de gestão e funcionamento dos serviços que pautem pela qualidade do ensino prestado aos cidadãos.
  5. 5. 5 Missão A EB do Palmarejo possui uma perspetiva humanista, atuando como um centro de formação de cidadãos capacitados para participar na vida ativa do país, com respeito a preceitos fundamentais como princípios, valores, respeito pelos outros, liberdade, democracia, cultura, desporto, tolerância, assunção das responsabilidades, solidariedade e atenção aos princípios dos direitos humanos. Apoia a implementação da Escola Inclusiva, pautado na qualidade do ensino-aprendizagem do sistema geral do ensino de todos os alunos, fomentando a criação de condições básicas essenciais para crianças com deficiências, apostando na diversificação e inovação de estratégicas educativas. Nesta lógica, a EB do Palmarejo, assume que o projeto deve estabelecer as seguintes funções:  Ser um ponto de referência para a gestão e tomada de decisão dos diferentes órgãos educativos;  Ter boa articulação com a tutela e demais escolas congéneres;  Promover atualização e contextualização curricular;  Fomentar a sã convivência entre os docentes, discentes e todos os intervenientes no processo educativo;  Garantir identidade e autonomia necessária que garanta a sustentabilidade e desenvolvimento; Visão A EB do Palmarejo trabalhará para ser reconhecida como instituição de referência na comunidade, na eliminação dos fatores que contribuem para o insucesso escolar, na promoção da nossa cultura, igualdade, transparência e respeito pela diferença e cooperação. Acredita no papel de todos os intervenientes educativos no exercício das suas funções, em contribuir na formação dos cidadãos, na qualidade e equidade para aprendizagens significativas.
  6. 6. 6 Aposta nas atividades extracurriculares, no sentido de aumentar as capacidades dos alunos e consolidação de valores como o esforço, o trabalho, a solidariedade e a colaboração. Caraterização Contextual da escola A escola 13 de Janeiro de Palmarejo, localiza-se em Palmarejo - Praia, localidade essa que se encontra em expansão, albergando milhares de habitantes. É uma zona onde se assiste um crescimento espetacular, cumprindo um programa de urbanização previamente traçado. Palmarejo é tido como um dos bairros nobres da cidade da Praia. Surgiu com a expansão urbana dos finais dos anos noventa, com edifícios altos, ruas largas, estabelecimentos de comércio, ensino, etc., mas há coisas básicas que foram claramente negligenciadas. A única praça existente está longe de merecer o nome, transformada que está numa “sucupira” a céu aberto. Os jovens reclamam da inexistência de um campo para praticar desporto. Palmarejo é, hoje em dia, um dos cartões postais da cidade da Praia. É claramente o espelho da expansão urbana que tomou conta da capital nos últimos 20 anos, para a satisfação da classe média. 1 - Palmarejo - Praia
  7. 7. 7 A par de estabelecimentos de ensino (“Abílio Duarte”, “13 de Janeiro”) não faltam lojas de comércio, edifícios onde habitam milhares de cidadãos, que, todos os dias, se vêem confrontados com problemas vários, alguns dos quais básicos. A rua única EB do Palmarejo, para além de ser de terra batida, quando chove, parece uma piscina e a água, por vezes, perdura vários dias e as crianças têm dificuldades de entrar nas salas de aula, o que acaba também para constituir um foco de mosquitos. A construção da EB do Palmarejo foi iniciada em 1992 e concluída em 1993, com apoio e colaboração da FENU. A mesma foi inaugurada em Outubro de 1993. Possuía inicialmente 4 salas de aulas amplas com 9.000 X 7.100m, 1 secretaria, 1 sala de professores, 4 casas de banho, 1 cozinha, 1 dispensa, 1 pequeno recinto desportivo e 1 pátio amplo. Com o aumento progressivo do número de alunos, sentiu-se a necessidade de recorrer a duas salas particulares e posteriormente foram construídas paulatinamente mais oito (8) salas de aulas, com ajuda da Cooperação e uma pequena biblioteca por iniciativa de duas estagiárias do Instituto Pedagógico. Atualmente a EB do Palmarejo não consegue atender toda à procura e conta de momento com o apoio da igreja adventista local, na facilitação de uma sala de aula para satisfazer o pedido de ingresso de alguns pais/encarregados de educação. 2EB 13 de Janeiro do Palmarejo
  8. 8. 8 Recursos Humanos Pessoal não docente A EB do Palmarejo tem a colaboração de 13 funcionários que prestam serviços de apoios a salas de aulas, distribuição de refeições quentes, limpezas gerais, gestão administrativa, segurança, espaço verde, que trabalham em regime parcial e outros a tempo inteiro. Pessoal docente A EB do Palmarejo tem na sua composição, vinte e nove Professores qualificados e com formações complementares em diferentes áreas: Estudos Cabo-verdianos e Portugueses, Tecnologia de Informação e Comunicação, Sociologia, Psicologia, História Educacional e Patrimonial, Língua Portuguesa, Gestão de Qualidade, Supervisão Pedagógica, Karaté e Economia. Direção 1 Gestora 2 técnicos administrativos Cozinha 6 Cozinheiras ServiçosGerais 2 Auxiliares Guardas 1 Diurno 1 Noturno Alunos da EB do Palmarejo
  9. 9. 9 Alunos No ano letivo 2013-2014, frequentam um total de 996 alunos na EB do Palmarejo, distribuídos em três fases. A maioria dos alunos estão no 2º ano da 1ª fase, deve-se a transição automática dos alunos do 1º ano e uma taxa de reprovação considerável neste ano específico que tem preocupado a classe docente e à direção da EB do Palmarejo. Tem-se igualmente verificado a diminuição de Professores 1ª Fase - 11 2ª Fase - 9 3ª Fase - 9 Alunos da 1ª Fase • 177 do 1º ano • 201 do 2º ano Alunos da 2ª Fase • 150 do 3º ano • 171 do 4º ano Alunos da 3ª Fase • 120 do 5º ano • 177 do 6º ano
  10. 10. 10 competências no decorrer da 3ª fase – 5º e 6º anos, o que leva a reflexão e posterior análise da reinserção/readapatação da pluridocência neste ciclo. Estrutura Física Compõem-se este estabelecimento, 14 Salas de aulas, 1 Gabinete da Gestora, 1 Secretaria, 1 Biblioteca, 1 Cantina, 1 armazém, 1 Cozinha, 4 casas de banho, 2 placas desportivas e 1 horto. Todos os espaços descritos necessitam de serviços de manutenção ou reparação, assim como a reestruturação. Análise Estratégica A equipa desenvolveu um diagnóstico estratégico, que carateriza o ambiente interno e externo dos diferentes fatores que condicionam a atuação da EB do Palmarejo, considerando apreciações de diferentes agentes da comunidade escolar. Foram identificados os pontos fortes e fracos e analisados relatórios dos anos letivos transatos. A obtenção dos resultados destas reflexões, foram reagrupados numa matriz SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats). Esta avaliação será orientadora das ações a desenvolver nos próximos tempos, de modo a minimizar os riscos externos identificados e à melhoria da gestão interna do estabelecimento.
  11. 11. 11 Análise SWOT Existência de espaços interiores que promovam o convívio Iniciativas que promovam a solidariedade e evitam comportamentos de riscos Diversidade de atividades no âmbito do PAA Abertura da Escola à Comunidade Condições favoráveis para promover da saúde na escola Professores Formados e com diferentes habilitações académicas Alguns pais esclarecidos e com boa posição sócio-económica Pontos Fortes Oportunidade de participação em formações da aprendizagens e capacitação Parcerias com empresas, instituições locais e regionais Participação no Programa Escola Segura Expetativas promissoras de crescimento a nível da estrutura, espaço verde e TIC A escola está inserida numa localidade industrial ou comercial Oportunidades
  12. 12. 12 Esta análise permite-nos reflectir nos factores que influenciam a escola e permite que se traça algumas estratégias ou actividades que permitirá atingir os objectivos indicados. Eixo I - Gestão e Desenvolvimento Institucional Objetivo central  Favorecer uma organização e gestão escolar de qualidade Objetivos gerais  Favorecer a melhoria da qualidade nos serviços, recursos e equipamentos;  Estimular o trabalho da equipe, da cooperação na realização de tarefas.  Descentralizar a gestão de modo participativo e dinamizadora. Pontos Fracos Maioria de alunos oriundos de zonas periféridas com problemas sociais agravantes. Fraco poderio financeiro da Escola. Muito alunos com dificuldades de aprendizagem. Reprovação acentuada nas classes finais de cada fase. Falta de cobertura no recinto para ocupação de tempos livres. Ameaças Fraca motivação de alguns professores no processo de auto formação. Superlotação de turmas. Poucos meios de controlo a ameaças externas de segurança. Pouca participação dos pais/encarregados de educação na vida escolar. Crescimento da taxa de desemprego na localidade.
  13. 13. 13 Domínios de análises Pontos Fortes Pontos Fracos Oportunidades AmeaçasInstrumentos de planeamento; Funcionamento e desempenho dos órgãos de gestão; Os órgãos funcionam na maioria. Concelho do pólo não funciona devidamente Conselho do pólo formado Disponibilidade dos membros Clima organizacional e ambiente educativos; Atividades planificadas Fraca aplicabilidade das atividades planificadas Monitorização e mecanismos internos de controlo Problemas sociais agravantes Conservação, segurança e higiene das infraestruturas e dos equipamentos Guardas Permanentes – diurnos e noturnos Agentes de limpeza e uma comissão de trabalho ativos nestes setores. Alguns alunos com pouca sensibilização de conservação. Espaço propício para desenvolvimento de atividades que promovam melhorias de conservação, manutenção e higiene. Parcos recursos de controlo, manutenção e conservação. Adequação dos recursos pedagógicos e logísticos A escola possui recursos pedagógicos e logísticos significativos Falta de motivação por parte de alguns alunos e professores. Professores com vontade de partilha de conhecimentos e experiências Disponibilidade dos professores. Envolvimento da comunidade educativa Existência de pais esclarecidos e colaborativos Pouca participação da comunidade na vida escolar Gestão participativa e aberta à comunidade educativa Meios de comunicação e articulação Avaliação institucional e promoção da melhoria. Motivação da direção na implementação de mecanismos de avaliação e promoção de melhorias. O não funcionamen to de alguns órgãos educativos Sensibilização da utilização de mecanismos avançados de controlo e avaliação - CAF Articulação dos agentes educativos
  14. 14. 14 Objetivos Estratégicos Ações Resultados esperados Facilitar o acesso dos agentes educativos nos serviços prestados pela escola. A1- Criação de atividades formais e informais de aproximação da comunidade educativa Melhoria do funcionamento dos serviços prestados pela EB do Palmarejo. Aperfeiçoar o controlo de conservação e manutenção dos equipamentos e da estrutura física. A2- Atualização e melhoria de instrumentos de registos de danos e outros constrangimentos nos espaços físicos. A3- Criação de processos de reparação/manutenção e de avaliação das mesmas. Ambiente de trabalho moderno e confortável. Melhoria de acesso e acessibilidades às crianças com deficiências A4- Criação de projetos de melhoria do acesso a espaço físico; A5- Comunicação a entidades competentes para implementação do projeto. A6- Aquisição dos equipamentos e materiais lúdicos e pedagógicos de facilitação de aprendizagens. Escola acessível a todos. Garantir melhorias no controlo e segurança. A7- Criação de um plano interno de segurança e controlo. A8- Realização de ações de sensibilização e simulacros na questão de segurança. A9- Reforço da fiscalização da Escola Segura nos arredores do recinto. Ambiente seguro e acolhedor Promover o trabalho de equipe A10- Implementação de funções ou tarefas de grupo e de equipa que envolvam toda a comunidade educativa. Reconhecimento da Escola na comunidade. Aperfeiçoar a comunicação e articulação dos diferentes agentes educativos A11- Encontro de reflexão sobre a temática. A12- Criação e implementação de melhoria dos meios de comunicação, Participação significativa dos agentes educativos na vida escolar.
  15. 15. 15 Eixo II. Desenvolvimento curricular e ação educativa Objetivo central  Transformar a EB do Palmarejo num espaço de Educação para a Cidadania Objetivos gerais  Assegurar um ambiente favorável de ensino-aprendizagem;  Estimular práticas para educação para a saúde;  Estimular práticas para a educação ambiental;  Encorajar a implementação de competências socio-culturais e desportivas;  Dotar as crianças de conhecimentos e competências que permitam a sua participação na vida social, de forma justa equilibrada;  Desenvolver autodisciplina, auto-organização e respeito pelos valores. articulação e divulgação das atividades. Promover a cooperação entre os docentes; A13- Criação de um plano de formação e replicação de aprendizagens. A14- Realização de formações internas entre os docentes em diferentes áreas, no âmbito da replicação de aprendizagens e conhecimentos. Angariação de competências na escola. Aproximação dos docentes; Definir as prioridades para o desenvolvimento da escola de Palmarejo; A15- Realização de uma assembleia geral de pais/encarregados de educação, docentes e de alunos de modo que possam dar contributos para o desenvolvimento da escola citando aspectos prioritários. Modelo criativo de prioridades da EB do Palmarejo.
  16. 16. 16 Domínios de análises Pontos fortes Pontos Fracos Oportunidades Ameaças Gestão curricular e planeamento didático- pedagógico Excelente organização e planificação dos trabalhos. Complexificação dos currículos existentes. Pesquisas científicas e pedagógicas para a adaptação e aperfeiçoamento de competências. Fraca articulação e utilização de meios tecnológicos de informação e comunicação. Inovações educativas e curriculares; Oferta de atividades extra- curriculares de complemento ao ensino Fraca disponibilidade financeira de muitos pais. Parceiros eficientes e colaborativos. Fraca articulação e de meios tecnológicos de informação e comunicação. Processos de inclusão, apoios educativos e ação social; Professores sensíveis e motivados pela causa. A acessibilidade, implementação de atividades programadas. Existência diversificada de fundos de apoios e financiamento. Fraca capacidade na captação de recursos sociais; Educação para os valores, cidadania e direitos humanos Grande número de alunos e de famílias. Diferentes níveis sociais e financeiros dos alunos. Participação significativa de alguns pais/encarregados de educação. Problemas sociais agravantes. Orientação escolar e vocacional Identificação de algumas competências internas dos alunos Sobrecarga das funções dos docentes. Poucas atividades práticas para identificação das valências profissionais dos alunos. Existência de especialistas e salas vocacionadas para o efeito na delegação concelhia e escolas secundárias regionais. Fraca articulação e comunicação com agentes educativos para apoiar esta causa. Desempenho docente e supervisão pedagógica Professores qualificados e com boa experiência profissional. Fraca motivação de alguns professores. Superlotação de turmas. Vários materiais de apoio existentes na web e outros espaços educativos de apoio. Vários estabelecimentos de ensino locais. Fraca articulação entre níveis de ensino diferenciados – pré- escolar, básico e secundário.
  17. 17. 17 Objetivos Estratégicos Ações Resultados esperados Colaborar para o alcance de um clima excelente de trabalhos entre agentes educativos. A1- Introdução no PAA, de atividades de aproximação dos diferentes agentes educativos. A2- Realização de atividades, culturais, desportivas e académicas que envolvam diferentes agentes educativos. Ambiente de trabalho desenvolvido no âmbito de cooperação e colaboração entre os agentes educativos. Estabelecer direitos e deveres dos diferentes agentes da comunidade educativa. A3- Criação e implementação do regulamento internos que garanta estes preceitos. Respeito pelo Regulamento Interno da EB do Palmarejo. Desenvolver atividades de vida saudável. A4- Formação e sensibilização na questão da sexualidade, desporto, valores e direitos humanos. A5- Criação de uma Equipe de Apoio às Famílias – EAF. Implementação de hábitos saudáveis e inteligentes e de apoio social na EB do Palmarejo. Promover atividades de respeito pelo ambiente. A6- Motivar o clube ambiental dos alunos para promoção do ambiente intra e extra curricular. A7- Criação de projetos sustentáveis da vida ambiental na EB do Palmarejo. Escola amiga do ambiente, na mudança de atitudes e comportamentos da comunidade educativa. Estabelecer parcerias regionais de educação e ensino-aprendizagem. A8- Desenvolver projetos educacionais de dimensão regionais. A9- Realização de atividades comuns de cidadania que promovam o desenvolvimento integral dos alunos. Escola engajada nas questões sociais da localidade e da região. Desenvolver atividades de aprendizagens e solidariedade entre docentes. A10- Criação e implementação de um programa anual de aprendizagem e solidariedade entre os docentes. A11- Participação dos professores em iniciativas de voluntariado e de combate a problemas sociais. Boa relação entre os docentes na EB do Palmarejo. Comprometimento da classe nos problemas socioeconómicos da comunidade.
  18. 18. 18 Eixo III. Resultados educativos Objetivo central  Educar para a vida ativa, provendo a qualidade e sucesso do processo ensino-aprendizagens Objetivos Gerais  Estabelecer uma cultura de qualidade e de responsabilização dos agentes educativos;  Alcançar resultados satisfatórios, no âmbito da promoção de igualdade de oportunidades do ensino-aprendizagem para todos;  Combater o abandono e afastamento escolar; Domínios de análises Pontos fortes Pontos Fracos Oportunidades Ameaças Taxas de frequência, de abandono e afastamento escolar; Sem registos do número de abandono e afastamento escolar. Fraco nível de aproveitamento e adaptação de um número significativo de alunos. Inserção dos alunos nos programas socioeducativos locais. Existências significativas de famílias desestruturadas e monoparentais na localidade. Resultados da avaliação dos alunos; Alta taxa de desempenho escolar dos alunos em todas as classes. Superlotação de turmas. Fraca competência da maioria dos alunos na entrada para o ensino básico e dificuldades com a Língua portuguesa. Abertura de uma Escola local semi- pública, com novas ofertas formativas; Oferta de aulas extras de recuperação de alunos por docentes em regime privado. Fraco seguimento dos pais/encarregados de educação na vida ativa dos alunos. Fracos recursos económicos por parte das famílias para promoção da aprendizagem do educando. Taxas de transição e de conclusão; Registos significativos da taxa de transitação nos últimos anos. Ausência com alguma frequência de alguns alunos da escola. Acompanhar a taxa nacional determinada pela tutela. Acompanhamento (in)adequado por parte dos pais / encarregados de educação. Sistema de avaliação dos alunos Boa articulação/colaboração dos docentes na elaboração e aplicação do sistema de avaliação. Avaliação dos alunos com dificuldades significativas de aprendizagem. Sensibilização dos agentes educativos para análise e melhoria do processos de avaliação. Inexistência de um sistema de avaliação diferenciados que abrange alunos com NEE.
  19. 19. 19 Preparação para a vida ativa Iniciação de aulas suplementares no ensino básico de formação profissional e empreendedorismo. Poucas aulas práticas e laboratoriais. Possibilidade de parcerias com entidades ou pessoas individuais para promoção do ensino profissional. Fraco recursos da escola e dificuldades na captação de recursos. Objetivos Estratégicos Ações Resultados esperados Promover a cooperação dos diferentes agentes educativos para a questão dos resultados educativos dos alunos. A1- Criação de uma equipa multidisciplinar para definição de um plano estratégico de intervenção e recuperação dos alunos com dificuldades de aprendizagens; A2- Elaboração e implementação de um plano Formação de uma equipa pedagógica que combata esta causa; A3- Apoio dos pais/encarregados de educação na EAF. Partilha de conhecimentos e experiência dos diferentes agentes educativos. Aperfeiçoar resultados avaliativos em todas as disciplinas em particular a da Língua Portuguesa. A4- Divisão de classes/turmas em diferentes níveis de ensino; A5- Organização de materiais de apoios para classes com insucesso escolar; A6- Avaliações formativas diferenciados, de acordo com o grau de aprendizagem dos alunos; A7- Promoção de atividades lúdicas e pedagógicas em diferentes ambientes e espaços escolares Aumento de taxa de sucesso escolar de acordo com a meta pré estabelecida.
  20. 20. 20 Reconhecer o mérito e/ou a excelência do aproveitamento escolar. A8- Seleção de alunos de mérito e excelência nas diferentes fases, no âmbito da plano curricular e extra- curricular; A9- Quadro de honra fixado no final de cada trimestre para divulgação de alunos em referência; A10- Cerimónia de entrega de certificados de mérito ou excelência, no final do ano letivo. Valorização do esforço e dedicação do educando. Incentivar alunos para a cultura da leitura e da literacia. A11- Apetrechamento a biblioteca com manuais atrativos e diversificados; A12- Encaminhamento dos alunos para a biblioteca para o estudo e leitura, principalmente na ausência de professores titulares; A13- Concursos de leitura de níveis e fases diferenciados; Aprimoramento do estudo e leitura nos alunos. Uso frequente da biblioteca pelos alunos e professores e da comunidade. Diminuir número de reprovação em todas as classes. A14- Mini-jornadas pedagógicas entre núcleos pedagógicos de outras escolas regionais; A15- Realização de Atelier de materiais didático- pedagógicos. A16- Apoio a professores com dificuldades na recuperação de alunos. Baixa Taxa de reprovação na EB do Palmarejo. Zerar o abandono e afastamentos dos alunos da escola. A17- Visitas domiciliarias de sensibilização e apoio às famílias. A18- Programa comum entre escolas para o combate ao abandono e afastamento escolar. Eliminação do abandono e afastamento escolar dos alunos.
  21. 21. 21 Eixo IV. Educação e Sociedade Objetivo central  Estreitar a relação Escola/Comunidade Objetivos gerais  Estimular a participação das famílias na vida escolar;  Estabelecer boa articulação entre a escola e o meio envolvente;  Promover a comunicação e compreensão mútua entre os elementos da Comunidade Escolar;  Prevenir os conflitos e a violência;  Melhorar a integração dos alunos no contexto escolar;  Diminuir os efeitos dos conflitos e da violência no que se refere ao abandono e ao insucesso escolar; Domínios de análises Pontos fortes PontosFracos Oportunidades Ameaças Colaboração/interação com as famílias; Docentes e funcionários residentes em diversos pontos da localidade. Inexistência de um registo estatístico do histórico familiar dos educandos. Colaboração de escola segura. Melhor envolvência com associações comunitárias locais. Existência de pais esclarecidos e colaborativos. Muitas famílias desestruturadas. Desemprego acentuado nas zonas periféricas. Pouca participação de famílias na vida ativa escolar. Desenvolvimento de parcerias sociais, comunitários e institucionais; Equipa diretiva organizada e com Implementação de atividades no PAA. Grande apoio dos parceiros para a evolução da escola. Crise financeira; Envolvência das entidades e instituições nas
  22. 22. 22 Objetivos Estratégicos Ações Resultados esperados Fomentar a participação das famílias na vida escolar. A1- Reuniões com pais encarregados de educação por classe. A2- Restabelecimento da associação dos pais / encarregados de educação da escola. A3- Reunião da equipa diretiva com Associação dos pais / encarregados de educação da Escola do Palmarejo - APEBIP e outras associações comunitárias. A4- Participação dos pais encarregados de educação em pelo menos um evento realizado pela escola. A5- Apoio da direção na realização de atividades da APEBIP pelo menos 1 vez por semestre. Aperfeiçoamento da qualidade na participação da comunidade na vida escolar. Divulgar atividades da escola no seio da comunidade. A6- Atualização da rede social para divulgação de atividades da escola. A7- Promoção de um boletim informativo trimestral da comunidade educativa local. Divulgação eficiente das atividades escolares. Promover formações de capacitação à comunidade. A8- Levantamento das necessidades. A9- Parcerias com instituições formativas profissionalizantes; Facilitação e aprimoramento da auto-formação e capacitação profissionalizante de famílias desestruturadas ou monoparentais. conhecimentos abrangentes. causas sociais da comunidade. Atividades extra- curriculares Criação de diferentes grupos de trabalhos, de acordo com o PAA. Inexistência de uma equipa de monitorização e avaliação do PAA. Aproximação dos parceiros e amigos da escola nas atividades extra- curriculares. Envolvência da comunidade nas atividades extra- curriculares da escola.
  23. 23. 23 A10- Atelier de formação de capacitação em diversas áreas profissionalizantes. Cronograma das Atividades Eixo I •A1 - De Outubro 2014 a junho 2017 •A2 e A3 - Até III Trimestre de 2015 •A4, A5 - Até III trimestre de 2015 •A6 - Até I Trimestre de 2016 •A7, A8 e A9 - Até IV trimestre de 2016 •A10 - De Outubro 2014 a junho 2016 •A11 e A12 - II Trimestre de 2015 •A13 - Até III trimestre de 2015 •A14 - De Setembro de 2015 a Junho de 2016 •A15 - II Trimestre de 2015 Eixo II •A1- outubro de 2014 •A2 - De outubro 2014 a junho de 2017 •A3 - Até III trimestre de 2015 •A4 - março de 2015 a junho de 2017 •A5 - março de 2015 •A6 e A7 - De outubro de 2014 a junho de 2017 •A8 e A9- De outubro de 2014 a junho de 2017 •A10 - Até III trimestre de 2015 •A11 - De Março 2015 a junho de 2017 Eixo III •A1, A2 e A3 - III Trimestre de 2015 a junho de 2017 •A4, A5, A6 e A7 - I trimestre de 2014 a junho de 2017 •A8, A9 e A10 - II trimestre de 2015 a julho de 2017 •A11, A12 - I trimestre de 2014 a junho de 2017 •A13 - Final de cada trimestre até junho 2017 •A14, A15 e A16 - III trimestre 2015 a junho 2017 •A17 e A18 - II semestre de 2015 a junho de 2017 Eixo IV •A1, A2 e A3 - outubro de 2014 a junho de 2017 •A4 e A5 - De Março 2015 a julho 2017 •A6 e A7 - Março 2015 a julho 2017 •A8 e A9 - Até III trimestre de 2015 •A10 - Final de Cada semestre, do ano 2015 a 2017 Calendarização
  24. 24. 24 DESENVOLVIMENTO DE MICRO- PROJETOS Podem ainda ser enquadrados o desenvolvimento de micro-projetos ou atividades que, enquadrados no Projeto Educativo macro da Escola, se destinem a fomentar o gosto pelas línguas estrangeiras, pelas TIC, com o objetivo de aumentar os níveis de proficiência das línguas, o desenvolvimento de competências nas tecnologias de informação como ferramentas de aprendizagem de forma a apropriar-se dos saberes, bem como a dinamização de projetos da escola que envolvam o desempenho dos alunos e a sua participação em atividades relevantes para o seu desenvolvimento e para melhorar os processos de ensino/aprendizagem. Os diferentes eixos de intervenção apontados, serão analisados por um grupo multidisciplinar. Será criado equipas ad-hoc para responsabilização dos eixos supra mencionados, que fará a programação de diferentes atividades e apresentação de investimento financeiro. Em cada grupo, será igualmente criado, uma equipe gestora do projeto e de fiscalização e monitorização do projeto. A aprovação do PE será feita pelo Conselho do Pólo, a ser criada e oficializada brevemente. Avaliação e Monitorização A direção da escola apresentará instrumentos de avaliação do PE que passa pela avaliação de diferentes instrumentos:  Atas de reuniões do seguimento, divulgação e implementação do PE;  Relatórios anuais de PAA complementares ao PE;  Relatórios dos resultados anuais dos resultados educativos;  Auto-avaliação interna do desempenho escolar; É da expetativa de todos os agentes educativos, que o PE forneça informações referentes a:
  25. 25. 25  Grau de participação dos diferentes agentes educativos no PE;  Taxa de concretização das diferentes atividades planificadas;  Os constrangimentos denotados ao longo de cada atividade realizada;  As atualizações ocorridas no decorrer de cada projeto;  Marcos de concretização adotadas em cada atividade do PE; Serão criados questionários de avaliação de cada atividade implementada e o grau do impacto no seio da comunidade educativa. Este projeto educativo determina a sua persistência por um período de três anos letivos subsequentes e entrará em vigor após a sua aprovação. Bibliografia Azevedo, Rui. (Coord.). (2011). Projetos Educativos: Elaboração, Monitorização e Avaliação: Guião de Apoio. Lisboa: Agência Nacional para a Qualificação. Costa, Jorge. (1991). Gestão Escolar. Autonomia. Projeto Educativo de Escola. Lisboa: Texto Editora. Instituto Nacional de Estatística. (2012). Principais resultados dos Censos 2010. Disponível em: Sites diversos: Jornal A Nação, Ministério da Educação e Desporto de Cabo verde, Universidade de Cabo Verde.
  26. 26. 26 Anexos Anexo1 – Cada sala um canteiro Anexo2 – Comissões de trabalho Anexo3 – Plano Anual de Atividades Anexo5 – Controlo dos Recursos Humanos Anexo6 – Escola Escola de Família Anexo7 – Implantação de um laboratório informático
  27. 27. 27 Pólo nº XV do Palmarejo - Escola Monte Vermelho e-mail: ebpalmarejo@gmail.com, Telefone: 2627696 Cada sala um canteiro Ficha de Projeto Praia, setembro de 2014
  28. 28. 28 FICHA DE PROJETO 1. Nome do projeto Cada sala um canteiro 2. Agência de Execução Nome Pólo nº X do Palmarejo – Escola Monte Vermelho Endereço Palmarejo – Praia Telefone 262 7696 E-mail: ebpalmarejo@gmail.com Responsáveis do Projeto Gestora, professores Colaboradores diretos Professores, alunos, pais, cozinheiras, guarda Apresentação da entidade solicitadora de financiamento Situada no Palmarejo, o Pólo Educativo NºX de Palmarejo é um serviço desconcentrado da Delegação de Educação da Praia. O Pólo é constituído por 14 salas de aulas, 4 casas de banho, 1 cozinha, 1 armazém, 1 arrecadações, e 1 gabinete da gestora, nele trabalha um total de 31 professores, 3 cozinheiras, 2 empregadas de limpeza, e um guarda diurno e um nocturno. No Pólo encontram-se matriculados cerca de 950 alunos do 1º ao 6º ano de escolaridade. 3. BENIFICIÁRIOS Beneficiários diretos - Alunos, professores Beneficiários indiretos Comunidade educativa
  29. 29. 29 4. DURAÇÃO DO PROJETO Data de início Setembro de 2014 Data de fim Julho de 2015 5. OBJETIVOS Objetivos  Desenvolver atitudes de respeito em relação ao meio ambiente e à alimentação;  Estimular o trabalho coletivo dinâmico;  Desenvolver trabalhos pedagógicos práticos;  Valorizar a educação ambiental na escola;  Proporcionar melhores condições para a produção de legumes e hortaliças  Abastecer a escola com produtos hortícolas  Reduzir os gastos na compra de géneros.  Criar mais espaços verdes na escola;  Proporcionar o engajamento de toda a comunidade educativa na conservação dos espaços.  Incentivar a participação ativa nas salas de aulas e na monotorização dos canteiros;  Responsabilizar os alunos na criação de espaços verdes na escola.  Explorar a capacidade de imaginação dos alunos  Sensibilizar os alunos a desenvolver hábitos alimentares saudáveis;  Valorizar alimentos produzidos na própria escola
  30. 30. 30  Reconhecer o valor nutritivo das hortaliças e dos legumes por eles produzidos;  Reconhecer a importância das plantas verdes no embelezamento da escola, na proteção ambiental, no desenvolvimento das atuações pedagógicas aliando a teoria a prática e no enriquecimento da dieta alimentar. ATIVIDADES Atividade 1 Elaboração do projeto Atividade 2 Apresentação do projeto aos professores Atividade 3 Criação de uma comissão para a administração e implementação do projeto na escola Atividade 4 Sensibilização da comunidade educativa para o engajamento no projeto Atividade 5 Aquisição dos materiais necessários para a montagem dos canteiros Atividade 6 Montagem dos canteiros Atividade 7 Plantação, rega e embelezamento dos canteiros Atividade 8 Realização de atividades pedagógicas Atividade 9 Colheita de produtos dos canteiros Atividade 19 enriquecimento da dieta alimentar dos alunos Atividade 20 Exposição dos produtos cultivados nos canteiros, compilação dos trabalhos desenvolvidos na brochura “Brilho de junho”
  31. 31. 31 JUSTIFICAÇÃO DO PROJETO A criação de espaços verdes nas escolas e a sua exploração para fins pedagógicos são desafios atuais do sistema educativo cabo-verdiano na tentativa de garantir o sucesso e a qualidade do ensino. Por outro lado a preservação do meio ambiente constitui, cada vez mais, um objetivo essencial de todos numa lógica de consciencializar a comunidade educativa pela necessidade de desenvolver ações que possibilitam a proteção ambiental. Pretendemos ainda desenvolver um trabalho prático voltado para a realização de atuações pedagógicas com todas as classes de forma a melhorar a qualidade do ensino aprendizagem a todos os níveis, tendo em atenção os aspetos particulares de cada aluno. Assim, a implementação deste projeto visa a reflexão contínua, a mudança de valores e a construção de novas atitudes e comportamentos que garantam maior respeito ao meio ambiente e melhoramento da dieta alimentar projetando o sucesso dos alunos e por outro lado, possibilitando o contacto direto com a natureza na montagem dos canteiros, na sementeira e no regar das plantas, angariando outros conhecimentos aliados a germinação e o crescimento das mesmas. É nesta perspetiva que elaboramos o presente projeto intitulado “Cada classe um canteiro”, com o qual se pretende alcançar os objetivos supra-citados crriando uma dinamica de trabalho coletivo aliando a teoria a pratica. 10. RESULTADOS ESPERADOS Com a implementação do projeto espera-se: - Uma maior sensibilização dos alunos na criação de espaços verdes na escola; - Maior tolerância e respeito ao meio ambiente;
  32. 32. 32 - Melhorias no exercício da cidadania; - Melhorias na dieta alimentar dos alunos 11. ESTIMATIVA DE CUSTO TOTAL DO PROJETO Materiais necessários Designação Quantidade Preço Unitário Preço total Madeiras Blocos 450 55$00 24750$00 terra 2 carro 2000$00 4000$00 estrume 10 sacos 300$00 3000$00 Sementes (salsa, coentro, cenoura, baterraba, abobrinha, nado 2 cada 2 cada 100$00 100$00 800$00 400$00 regador 3 1200$00 3600$00 enxada 1 850$00 850$00 ancinho 2 1400$00 2800$00 Carrinho de mão 1 3500$00 3500$00 Plantas (couve, pimentão, cebola, tomate, outras...) 100 pé cada 4$00 1600$00 Total 2…............................................ 45.300$00 Elaborado por Maria do Céu Baptista ________________________________ A gestora /Carla Freire/___________________________________________
  33. 33. 33 Comissões de trabalho Na perspectiva de uma gestão participativa de escola , de uma forma geral, a direcção entendeu, num encontro concertado com a assembleia-geral dos professores, formar comissões de trabalho, que poderiam apoiar na tomada de certas iniciativas, programação, organização e promoção de actividades intra e extra-escolares, zelar para a conservação e manutenção da escola, colaborar na resolução de certos conflitos, participar nas actividades desportivas na escola, inter- escolas e nos jogos escolares, realização de actividades culturais, recreativas e de lazeres, deste modo formou- se as seguintes comissões de trabalho: Cultura e festa Mª do Nascimento Veiga - Responsável Graciete Carvalho Dulceneia Cardoso Manuel António de Pina Comissão de informação e desporto Iria Afonseca silva Hirondina Tavares Mª da Graça Ortet – responsável de desporto Manuel António de Pina Albertino Delgado- responsável de informação
  34. 34. 34 Comissão de manutenção, ornamentação, higiene e limpeza Helga Almeida Elvira da Trindade Carmem Rocha - responsável Teresa Mendes Comissão de segurança Teresa Amado Nery Furtado Osvaldina Roque Alita Borges - responsável MªClotilde Moreira Mªde Lourdes Centeio Hirondina Tavares Dulceneia Cardoso Comissão de intervalo orientado Elsa Barreto Mª da Graça Ortet Mª do Nascimento Veiga Dulceneia Cardoso Graciete Carvalho
  35. 35. 35 Mªde Lourdes Centeio Hirondina Tavares Eurídice Perreira Silvino Moreira – responsável Comissão de Cantina escolar Silvino Moreira_ responsável Natércia do Canto Giraldina Rosa Sandra Teixeira Comissão de solidariedade Mª Madalena Barbosa Carlos Silva - responsável Graciete Carvalho MªConceição Lopes MªVitalina Veiga Comissão de elaboração de projectos Mªdo Nascimento Sandra Teixeira Mª do Céu Baptista Albertino Delgado- responsável Elsa Barreto Eurídice Pereira
  36. 36. 36 Pólo Educativo NºX de Palmarejo Telefone:262 76 96, Email:ebpalmarejo@gmail.com Plano de actividades ano lectivo 2014/2015 Novembro de 2014
  37. 37. 37 Introdução O Plano Anual de Actividades (PAA) é um documento de planeamento onde são definidos os objectivos, as formas de organização e de programação das atividades, procedendo à identificação dos recursos envolvidos. É um documento de operacionalização dos objectivos estabelecidos no Projecto Educativo, nomeadamente: Melhorar o sucesso da escola nas diferentes disciplinas, áreas não disciplinares e competência do Ensino Básico, Cursos de Educação e Formação. Apoiar os alunos com dificuldades de aprendizagem. Prevenir e Combater o abandono escolar, a saída antecipada e precoce. Educar para uma sociedade tecnológica, investindo na utilização das novas tecnologias de informação e comunicação, proporcionando não só uma maior abertura ao conhecimento e ao mundo exterior, mas também explorando todas as potencialidades que estas tecnologias permitem, tudo isto potenciado pelo Plano de Acção para as TIC, pela Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis e pelo uso de plataformas de ensino à distância. Promover a educação para a cidadania, arte, saúde e ambiente em todas as suas vertentes, formando cidadãos socialmente activos, dotados de espírito crítico, responsáveis perante si e perante a sociedade, promovendo uma vida saudável, assente no funcionamento dos diversos órgãos escolares, na relação pedagógica e no funcionamento das actividades extracurriculares (clubes). Reconhecer o mérito escolar na intervenção social e desportiva dos alunos, através da sua visibilidade e reconhecimento público. Pretende-se que este documento seja o reflexo destes objectivos e metas enunciados e possa assumir a dimensão organizacional e de socialização que lhe é inerente.
  38. 38. 38 O PAA é um documento de trabalho basilar para a Escola e para a comunidade educativa em geral. Será elaborado tendo em conta as várias propostas do Conselho Executivo, das estruturas de orientação educativa, da Associação de Pais, , bem como de outras instituições, com as quais a Escola estabelece parcerias e protocolos. Do PAA fazem parte actividades de natureza curricular e extra-curricular, desenvolvidas com os alunos na escola ou fora dela. Com as actividades apresentadas procurar-se-á:  Incentivar o sucesso escolar e minorar o abandono;  Promover a qualidade das práticas educativas;  Contribuir para a construção de uma escola dinâmica do ponto de vista social e cultural;  Contribuir para a formação cívica dos alunos, desporto escolar e educação física;  Desenvolver em toda a comunidade educativa uma cultura de responsabilização e de solidariedade;  Valorizar a disciplina, a tolerância e a cooperação e prevenir comportamentos de risco;  Fazer do quotidiano da escola uma aprendizagem permanente de direitos e deveres de cidadania;  Aprofundar o envolvimento das famílias na escola e na educação escolar dos alunos;  Reflectir e analisar o trabalho desenvolvido ao longo do ano letivo, partilhando êxitos e constrangimentos, de forma a corrigir trajetórias, visando uma melhor resposta educativa para os alunos e para a comunidade educativa. Este Plano Anual de Actividades constitui-se como um espaço aberto, podendo ser alterado e/ou reformulado ao longo do ano letivo. Objectivos Na elaboração do Plano Anual de Actividades do Conselho Executivo há a preocupação de o subordinar aos princípios orientadores inscritos no Projecto Educativo da escola. Parte das actividades identificam-se com metas específicas do plano, outras têm carácter marcadamente transversal. O plano é composto por diversas atividades, parte delas são uma reposição de actividades já experimentadas em anos letivos pretéritos com assinalável êxito, outras são novas apostas. É óbvio que não se consegue nem se pretende encerrar neste plano muitas outras actividades de gestão corrente da escola como, os momentos de avaliação, matrículas, constituição de turmas, manutenção dos equipamentos, etc., etc. Deste plano
  39. 39. 39 fazem parte, para além da identificação da actividade e da sua descrição sucinta, os destinatários, a origem das fontes de financiamento envolvidas e os indicadores para a sua avaliação (quantitativa e qualitativos). Verbos como Integrar, Apoiar, Avaliar, Divulgar, Promover, Melhorar e Reflectir moldam este plano, onde algumas das actividades necessitam de apoios externos para se realizarem. Têm-se pois, a expectativa que este plano contribua para promover uma maior dinâmica da escola, se insira harmoniosamente no Plano Anual de Actividades da escola e que vá ao encontro das necessidades da comunidade educativa, na certeza de que este é um documento aberto que deve possuir a flexibilidade necessária para se adaptar a novas necessidades identificadas e novas oportunidades surgidas.
  40. 40. 40 Meta do Projecto Educativo onde se insere: Acolhimento – transversal a todas as metas Actividades Calendarização Público-alvo Recursos financeiros alocados/ entidades a contactar/patrocinadores Indicadores de Avaliação Avaliação Recepção aos alunos de 1º ano - lanche Setembro de 2014 Alunos Receitas próprias da escola Análise da participação dos alunos Recepção aos professores - Reunião Geral e Almoço setembro de 2014 Professores Produtos oferecidos por patrocinadores Análise da participação dos professores Meta do Projecto Educativo onde se insere: Melhoramento das instalações – transversal a todas as metas do projecto educativo. Actividades Calendarização Público-alvo Recursos financeiros alocados/ entidades a contactar/patrocinadores Indicadores de Avaliação Avaliação Espaços verdes da escola – Continuar o melhoramento nos espaços verdes da escola, nomeadamente transplantar algumas plantas devido às obras da “Parque Escolar” Ao longo do ano letivo Comunidade Receitas próprias da escola Verificação das condições de asseio dos espaços verdes Sala de Informática – pese a implementação e valorização da sala multimédia. Ao longo do ano letivo Comunidade Escolar Potenciais Parceiros – MED, CECV, UNITEL, CVTELECOM… Verificação da implementação e análise dos equipamentos
  41. 41. 41 Meta do projecto onde se insere: Fomentar a coesão do grupo – transversal a todas as metas do projecto educativo. Actividades Calendarização Público-alvo Recursos financeiros alocados/ entidades a contactar/ patrocinadores Indicadores de Avaliação Avaliação Natal das crianças Dezembro de 2014 Alunos Produtos oferecidos por patrocinadores e parte dos custos suportados pelos envolvidos Verificação da realização do evento e do número de envolvidos Almoço de Natal para docentes e não docentes, com o sorteio de um pato Dezembro de 2014 Pessoal docente e não docente Produtos oferecidos por patrocinadores e parte dos custos suportados pelos envolvidos Verificação da realização do evento e do número de envolvidos Meta do Projecto Educativo onde se insere: Recentrar a escola nos resultados académicos, definindo, anualmente, metas de melhoria (quer a nível interno, quer externo), diversificando formas de apoio educativo aos alunos com mais dificuldades. Actividades Calendarização Público-alvo Recursos financeiros alocados/entidades a contactar/ patrocinadores Indicação de avaliação Avaliação Biblioteca/Centro de Recursos – aquisição de material impresso e digital Ao longo do ano letivo Comunidade Escolar Receitas próprias da escola e apoios a parceiros nacionais desta área específica Verificação da aquisição de material.
  42. 42. 42 Continuar a política de aquisição de material lúdicos/pedagógicos e desportivo Ao longo do ano letivo Comunidade escolar Receitas próprias da escola e do MED Verificação da aquisição de material. Meta Projecto Educativo onde se insere: Educar para uma sociedade tecnológica, continuando a investir na utilização das novas tecnologias de informação e comunicação, proporcionando não só uma maior cobertura ao conhecimento e ao mundo exterior, mas também explorando todas as potencialidades que estas tecnologias permitem, tudo isto potenciado pelo Plano de Acção para as TIC, pela Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis e pelo uso de plataformas de ensino à distância. Actividades Calendarização Público-alvo Recursos financeiros alocados/ entidades a contactar/ patrocinadores Indicação de avaliação Avaliação Sites Sociais Interativos – atualização permanente da página social da escola no facebook, tornando-a cada vez mais útil para alunos, pais e professores, procurando aumentar o número médio de acessos e criação de um blog. Ao longo do ano letivo Comunidade Escolar Sem recursos financeiros envolvidos Verificação do numero de actualizações da página Web e do crescimento no número de acessos. Plano de Formação de Informática a Professores, alunos e jovens comunitários Ao longo do ano letivo Comunidade Escolar Comunidade Escolar Verificação da aquisição de material e da promoção de eventos diversos
  43. 43. 43 Meta do Projecto Educativo onde se insere: Promover a educação para a cidadania, arte, saúde e ambiente em todas as suas vertentes, formando cidadãos socialmente activos, dotados de espírito crítico, responsáveis perante si e perante a sociedade, promovendo uma vida saudável, assente no funcionamento dos diversos órgãos escolares, na relação pedagógica e no funcionamento das actividades extracurriculares (clubes). Actividades Calendarização Público-alvo Recursos financeiros alocados/ entidades a contactar/ patrocinadores Indicação de avaliação Avaliação Combater os hábitos sociais repugnáveis reforçando a sua prevenção e repressão Ao longo do ano letivo Alunos Sem recursos financeiros envolvidos Diminuição sensível no número de alunos com comportamentos desviantes Espaços interiores da escola – Continuar a decoração dos espaços interiores da escola com trabalhos dos alunos, professores e amigos da escola Ao longo do ano letivo Comunidade Escolar Cedência dos trabalhos por parte dos alunos e Receitas próprias da escola Verificação da realização Simulacro de Incêndio – Realização de Simulacro de incêndio – estabelecendo parceria com a Proteção Civil Início do 3º período Comunidade Escolar Sem recursos financeiros envolvidos. Apoio da CMP, e Proteção Civil. Verificação da realização Exercícios de Evacuação – Realização de Exercícios de Evacuação (dois) – estabelecendo parceria com a Proteção Civil Um durante o 2º período e outro no 3º período Comunidade Escolar Sem recursos financeiros envolvidos. Verificação da realização
  44. 44. 44 Objetivos do Grupo de Informação e Desporto  Alertar a comunidade escolar para os aspectos relacionais com a segurança na Internet.  Promover o convívio desportivo entre a comunidade escolar.  Promover o respeito pelas regras do jogo/desporto;  Aplicar matérias abordadas nas aulas em situação de competição;  Ocupar de forma saudável os tempos livres.  Promover o espírito de equipa e camaradagem entre os professores e alunos. Nota: Os objetivos do grupo acima referido continuam na mesma linha do ano letivo transato, uma vez que o projeto tem o limite temporário de 2 anos. Desporto Responsável Actividade Calendarização Público-alvo Indicadores de Avaliação Albertino Delgado Programa Escola de Família – Criação de uma Escola Desportiva Novembro a junho – inicia-se o processo da escola desportiva com introdução de três modalidade – basquetebol, andebol e karaté. Comunidade Educativa Relatórios trimestrais Graciete Ortet Jogo de Futsal – Professores/Alunos novembro e dezembro (Natal) março e junho (dia dos pais e das crianças) Comunidade Escolar Realatórios /memorandos
  45. 45. 45 Responsável Actividade Calendarização Público-alvo Indicadores de Avaliação Eurídice Pereira Seminário sobre as Regras Desportivas – Andebol e Futsal Janeiro e fevereiro Comunidade Educativa Fichas de apresentação
  46. 46. 46 Responsável Actividade Calendarização Público-alvo Indicadores de Avaliação Madalena Delgado Atividades de prevenção e combate a obesidade janeiro e junho Alunos e Pais/Enc. Educação Verificação da realização Informação
  47. 47. 47 Responsável Actividades Calendarização Público-alvo Albertino Delgado e Nery Furtado Sites Sociais Interativos – atualização permanente da página social da escola no facebook, criação de um blog e divulgação de informações educacionais Ao longo do ano letivo Comunidade Escolar Plano de Formação de Capacitação da Informática a Professores, alunos e jovens comunitários Ao longo do ano letivo Comunidade Escolar
  48. 48. 48 Objetivos do Grupo de projetos  Promover uma maior pluridisciplinaridade e transversalidade integradoras de vários saberes.  Promover a operacionalização transversal dos projetos.  Coordenar as atividades de final de 1º e 2º e 3º trimestre. Professores Responsáveis Atividade Calendarização Público-alvo Albertino Delgado e Eurídice Pereira Fazer o levantamento dos projetos dos diferentes grupos de atividades e da direção escolar relacionados com o desporto e cultura:  Intercâmbio Desportivo;  Teatro, música, dança;  Natal e carnaval;  Reestruturação do espaço desportivo e recreativo Elaboração destes projetos. Em duas fases 1. outubro a dezembro 2. janeiro a junho Comunidade Escolar Elsa, Maria do Céu e Sandra Teixeira Fazer o levantamento dos projetos dos diferentes grupos de atividades e da direção escolar relacionados com a formação, aprendizagens psico-pedagógicas e outros programas sociais, ambientais, etc:  Recolha para reciclagem e reciclagem de produtos;  Enriquecimento da dieta Alimentar;  Ações de Formação de capacitação em línguas (crioulo e novo acordo ortográfico)  Programa Eco-Escolas - investigação de espécies em extinção, sensibilização da comunidade visando a poupança de água e energia, atividades verão, melhoria do espaço verde. Em duas fases 1. outubro a dezembro 2. janeiro a junho Comunidade Escolar
  49. 49. 49 Professores Responsáveis Atividade Calendarização Público-alvo  Jornadas académicas da leitura e do cálculo Elaboração de projetos Núcleo Pedagógico Responsável Actividade Calendarização Público-alvo Elementos de núcleo pedagógico Assistência às aulas Durante ano lectivo professores Elaboração de materiais didáticos mensalmente Professors por classes Apresentação trimestral de atividades Fim de cada trimestre classes Concurso de leitura Maio/Junho alunos Semana de valores especiais Durante ano lectivo alunos
  50. 50. 50 Responsável Actividade Calendarização Público-alvo Indicadores de Avaliação Nascimento Feira de alimentação e da cultura Outubro – Feira em comemoração do dia da alimentação e o dia da cultura Comunidade Educativa fotos Nascimento e manuel Intercâmbio com professors de Assomada novembro 50rofessors fotografias Grupo de cultura Natal na escola dezembro Alunos e professores “ Carnaval na escola Fevereiro Alunos professores Grupo de cultura Intercâmbio com professors de outro concelho Abril professores “ Dia do pai Março pais “ Dia da mulher caboverdiana Março Professores e mães “ Dia das crianças Junho crianças “ Dia do ambiente Junho crianças
  51. 51. 51 Grupo de segurança Responsável Actividade Calendarização Público-alvo Indicadores de Avaliação Grupo de segurança Campanha de limpeza Durante ano lectivo Professors e alunos “ Campanha de angariação de materiais de limpeza janeiro Professores, alunos Relatórios /memorandos “ Ornamentação das ruas pontualmente De acordo com actividades Comunidade educativa “ Recolha e reciclagem de lixo Maio/junho Alunos, professores “ e grupo de finalistas Finalistas julho Alunos, pais encarregados de educação “ Fim do ano lectivo julho profesores
  52. 52. 52 Resultados esperados - Melhorar a qualidade de ensino - Melhorar a gestão financeira e pedagógica do pólo - Melhorar a gestão pedagógica do pólo - Espaço fisíco com melhores condições possiveis - Criação de espaço verde - Comunidade mais envolvida nas atividades curriculares e extra curriculares Plano de Monitorização Nº Atividades Ponto de situação Causas do desvio Medidas corretivas Fontes de comprovação
  53. 53. 53 Controlo de Recursos Humanos Nº Nome B.I. NIF Nacionalidade Categoria Profissional Tipo de Vínculo Vencimento Anual 1 Maria do Carmo Paiva Tavares 61262 106126296 Caboverdiana 7/C Quadro 2 Maria Clotilde Moreira 164249 116424915 Caboverdiana 7/A Quadro 3 Maria da Graça Vaz Ortet 109533 110953347 Caboverdiana 7/A Quadro 4 Hirondina Gomes Tavares 16426 101642626 Caboverdiana 7/B Quadro 5 Helga Andreia Martins Almeida 117727 111772761 Caboverdiana 7/B Quadro 6 Manuel António Gonçalves de Pina 177738 117773891 Caboverdiano 7/B Quadro 7 Albertino Soares Rosa Delgado 8175 100817556 Caboverdiano 8/A Quadro 8 Maria do Céu Baptista 53485 105348570 Caboverdiana 9/A Quadro 9 Osvaldina Silva Roque 115642 111564220 Caboverdiana 1/A Eventual 10 Maria Vitalina Cabral Veiga 69068 106906895 Caboverdiana 8/D Quadro 11 Silvino Pina Moreira 101604 110164436 Caboverdiano 1/A Eventual 12 Eurídice Pereira 10883 101088310 Caboverdiana 7/A Quadro 13 Ana Paula da R.Vanzil 70001277 152242015 Angolana 7/A Eventual 14 Maria Madalena Delgado Barbosa 71761 107176173 Caboverdiana 7/A Quadro Relação de Pessoal - Ministério de Educação e Desporto - Delegação / Escola Secundária__________________________________ 1. IDENTIFICAÇÃO Escola 13 de Janeiro de Palmarejo Palmarejo - Praia 2627696 ebpalmarejo@gmail.com 2627696, 9380380 Indique lista discriminada do número de efectivos por categorias profissionais, no ano de 2014, afecto à esta Unidade Orgânica, através do preenchimento do quadro seguinte:
  54. 54. 54 15+ A36 Dulceneia Garcia Cardoso 124586 112458670 Caboverdiana 7/A Quadro 16 Maria Tereza Mendes Gonçalves 144648 114464804 Caboverdiana 3/B Quadro 17 Graciete Mendes de Carvalho 21795 102179590 Caboverdiana 7/B Quadro 18 Elvira da Trindade M. Santos 32300 103230076 Caboverdiana 7/B Quadro 19 Maria Teresa Amado Timas 135781 113578199 Caboverdiana 7/A Quadro 20 Carmem Samira Vaz Rocha 66455 106645560 Caboverdiana 7/A Quadro 21 Iria Isidoro Afonseca Lopes Silva 119830 111983037 Caboverdiana 7/A Quadro 22 Carlos Rodrigues Silva 711007 107110741 caboverdiano 7/A Quadro 23 Maria de Lourdes Pina Centeio Pina 68349 106834967 Caboverdiana 7/A Quadro 24 Maria Conceiçao Silva Moreira Lopes 9045 100904521 Caboverdiana 7/B Quadro 25 Nery daConceição Gomes Furtado 30311 103031111 Caboverdiana 7/A Quadro 26 Maria do Nascimento G.F.Veiga 158432 115843272 Caboverdiana 7/C Quadro 27 Sandra Eloisa Nunes Mendes Teixeira 1159 100115950 Caboverdiana 7/A Quadro 28 Alita Delgado Lopes Borges 68034 106803492 Caboverdiana 7/A Quadro 29 Elsa de Pina Barreto 114103 111410347 Caboverdiana 3/A Eventual 30 Carla Iolanda Mendes dos Santos Freire 46955 104695595 Caboverdiana 3/A Eventual 31 Ana Maria Carvalho Alves Furtado Vaz 150865 115086552 Caboverdiana 8/A Quadro 32 Maria Gonçalves Mendes Martins Monteiro 23512 102351244 Caboverdiana 1/A Quadro 33 Sandra Helena Tavares 51175 105117501 Caboverdiana 1/A Quadro 34 José Pina dos Santos 88309 108830969 Caboverdiano Quadro 35 João Domingos Cardoso Fernandes 109273 110927346 Caboverdiano 1/B Eventual
  55. 55. 55 1 Alita Delgado Lopes Borges M.VermelhoIP/Lic. Lic E 7/A 26 Professor 3º x 2 Ana Maria Carvalho Alves Furtado VazM.VermelhoIP/Lic. Lic Superv Q 8/A 27 Secretaria 3 Carla Iolanda Mendes dos Santos M.VermelhoIP E 3/A 20 Gestora 4 Carmem Samira Vaz Rocha M.VermelhoIP Q 7/A 11 Professor 6º x 5 Natalina Oliveira M.VermelhoIP Lic Q 7/B 13 Professor 6º x 6 Dulceneia Garcia Cardoso M.VermelhoIP E 7/A 11 Professor 4º x 7 Elsa de Pina Barreto M.Vermelho1ª Fase Lic C. Soc 4º E 3/A 28 Professor 5º x 8 Elvira da Trindade Miranda Santos M.VermelhoIP Q 7/A 15 Professor 4º x 9 Eurídice Lopes Pereira M.VermelhoIP Lic C. Soc E 7/A 17 Professor 3º x 10 Graciete Mendes de Carvalho M.VermelhoIP Q 7/B 11 Professor 4º x 11 Helga Andreia Martins de Almeida M.VermelhoIP Q 7/B 22 Professor 2º x 12 Hirondina Gomes Tavares M.VermelhoIP Q 7/A 27 Professor 1º x 13 Iria Isidoro Afonseca Lopes M.VermelhoIP Lic Port Q 7/A 19 Professor 6º x 14 Manuel António Gonçalves de Pina M.VermelhoIP Q 7/B 28 Professor 1º x 15 Maria Clotilde Lopes Moreira M.VermelhoIP Q 7/A 23 Professor 1º x 16 Maria Conceição Silva Moreira Lopes M.VermelhoIP Q 7/B 28 Professor 5º x 17 Maria da Graça Vaz Ortet M.Vermelholicenciado E 7/A 18 Professor 1º x 18 Maria de Lourdes Pina Centeio de Pina M.VermelhoIP Q 7/A 26 Professor 5º x 19 Maria do Carmo Paiva Tavares M.VermelhoIP Q 7/B 23 Professor 1º x 20 Maria do Nascimento Gomes Furtado Veiga M.VermelhoMag. Prim/ 2ª fase Lic Q 7/C 24 Professor 3º x 10% 36 32 20% 31 36 32 20% 31 34 20% Ano Periodo 10% 36 35 36 30 36 35 Curso Ano Escola MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DESPORTO DELEGAÇÃO DA PRAIA Ano Lectivo 2014/2015 Pólo Educativo/Escola - Monte Vermelho - Contacto - 2627696 - Gestor(a) Carla Iolanda Mendes dos Santos Nivel Carga Horaria Formação em curso Função T Nº e AlunosTempo de serviço M Vínculo Refer. Escalão N .º N OM E D E P R OF ESSOR ES (po r ó rdem alfabética) Formaç ão profissi onal 38 33 10% 37 37 33 10% 10% 20%
  56. 56. 56 21 Maria Madalena Delgado Barbosa M.VermelhoIP Q 7/A 28 Professor 3º x 22 Maria Teresa Mendes Gonçalves M.VermelhoIP Q 3/A 24 Professor 4º x 23 Maria Teresa Souto Amado Timas M.VermelhoIP Q 7/A 30 Professor 6º x 24 Maria Vitalina Cabral da Veiga M.Vermelholicenciado Q 8/C 31 Professor 2º x 25 Nery Da Conceição Gomes Furtado M.VermelholicenciadoTIC Q 7/A 18 Professor 5º x 26 Osvaldina Lopes Andrade M.VermelhoIP F/CS Psicologia E 1/A 14 Professor 3º x 27 Sandra Eloisa Nunes Monteiro TeixeiraM.VermelhoIP Lic Soc 4º Q 7/A 21 Professor 5º x 28 Silvino de Pina Moreira M.VermelhoIP Q 1/A 30 Professor 3º x 29 João Domingos Cardoso Fernandes M.VermelhoS/F Q 1/A 14 pSecretaria x x Pessoal não Docente T. ServiçoFunção 1 José de Pina dos Santos M.vermelho17.10.61Fogo EB 25 guarda 2 Augusto Fernando Co M.vermelho19.11.70Guiné EB 5 guarda Dia 3 Sandra Helena Tavares M.vermelho20.02.74Santiago EB 3 ASG 4 Maria Gonçalves Mendes Martins MonteiroM.vermelho02.0.62 Santiago EB 27 ASG 5 Maria Augusta do Canto M.vermelho06.07.49Fogo EB 18 Cozinheira 6 Geraldina Rosa M.vermelho11.12.68Fogo EB 11 Cozinheira 7 Natacia do Canto M.vermelho22.08-90Fogo EB 18 Cozinheira 8 Helena da Silva M.vermelho24.5.57 Fogo EB 18 Cozinheira 22 35 20%30 36 39 C.Custo 28 25 21 20% FICASE MED Pólo MED 10% 20% FICASE MED FICASE FICASE
  57. 57. 57 ‘‘Escola de Família’’ Ação Conjunta Inter Setoriais Elaborado por: Albertino Delgado Com colaboração dos Profissionais de Educação das Escolas envolvidas Pólo nº X do Palmarejo - Escola Monte Vermelho e-mail: ebpalmarejo@gmail.com, Telefone: 2627696
  58. 58. 58 Projeto “Escola Desportiva” Apresentação A Escola Básica do Palmarejo vem desenvolvendo programas e projetos com o intuito de melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e minimizar o quadro de exclusão social / abandono escolar a que estão submetidas parcelas da população. Parcerias governamentais buscam otimizar os recursos e espaços públicos objetivando aumentar as oportunidades de participação das pessoas em setores que, pela condição sócio econômica, nem sempre conseguem fácil acesso. A comunidade educativa do concelho possui um grande número de população e em consequência o maior número de estudantes das Escola Públicas e Privadas do País. Assim na busca de novas opções, espaços, eventos e oportunidades, a Escola Básica do Palmarejo, visa atender as necessidades da comunidade, principalmente crianças e adolescentes, unindo esforços na busca da estimulação da prática desportiva orientada otimizando a infraestrutura da (s) escola (s) básicas e secundárias, utilizando o potencial técnico e de materiais desportivos existentes.
  59. 59. 59 Justificativa A Escola Básica do Palmarejo objetivando atender os cidadãos e potencializar o seu Programa, cria e desenvolve ações inter localidades no Concelho. A Escola procura ainda enquadrar-se nos programas existentes nas secretarias municipais e nas direções juvenis do governo, no âmbito Desportivo e Educativo. O Programa Escola da Família deseja que se atue em todo o Concelho, nas diversas Escolas Públicas e Privadas existentes, aos sábados e domingos das 09 às 17 horas, envolvendo atividades sócio-educativas, utilizando os espaços e equipamentos das Escolas, Municípios e Direções juvenis. Os objetivos são: desenvolver a cultura de paz, vincular as atividades dos finais de semana ao projeto pedagógico da escola, garantindo o seu caráter educativo bem como estimular a comunidade a apropriar-se com responsabilidade dos espaços escolares que em muitas regiões são os únicos equipamentos públicos existentes. O Programa pretende abranger nesta primeira fase, a comunidade educativa do Concelho com atividades relacionadas a cultura, desporto, saúde e qualificação para o trabalho. O Programa é aberto a alunos e ex-alunos das diferentes localidades, crianças, jovens e adultos. Far-se-á protocolos com diversos parceiros – associações, religiosos, academias desportivas, universidades, instituições, além de vários parceiros oriundos dos setores privado e público, para angariar um maior número de voluntários para esta causa. Modalidades olímpicas de grande importância como o basquetebol, o andebol e Karaté possuem uma demanda menor, o projeto busca incrementar, divulgar e realizar atividades relacionadas a estas modalidades. O Programa Escola da Família tem o desporto como um dos eixos mais importantes, devido a procura pelos pais / encarregados de educação. Sabe-se também que em várias localidades, a falta de materiais desportivos específicos inibe o desenvolvimento e gera substituição das atividades pelas modalidades mais tradicionais (futebol e futsal).
  60. 60. 60 Objetivo do Projeto  Objetiva atender nesta fase os cidadãos oriundos da comunidade educativa das diferentes localidades no Concelho - crianças, adolescentes, adultos e pessoas com necessidades especiais, com ações de desporto voltados especificamente as modalidades olímpicas de basquetebol, andebol e karaté.  Objetiva trabalhar a iniciação desportiva nestas modalidades.  Objetiva implantar núcleos junto dos parceiros supra mencionados, podendo de acordo com a demanda estender-se a outras regiões da ilha ou do País. Objetivos Gerais  Oferecer aos participantes do Programa Escola da Família desportos olímpicos alternativos e em consequência melhorando a vivência e a convivência dos usuários nos finais de semana;  Promover através da atividade física e da prática do desporto a integração, a prevenção à doença, à marginalidade e a violência;  Divulgar, incrementar e massificar modalidades desportivas olímpicas de grande projeção mundial junto aos participantes. A Parceria O objetivo nesta Ação Inter setoriais é otimizar o que já existe, minimizar custos e principalmente estimular e difundir a prática destas modalidades desportivas olímpicas. Possíveis parceiros  Direção da Juventude do Concelho da Praia através do apoio na realização das atividades regionais e/ou nacionais, numa união de esforços com as associações locais;  Direção Geral do Desporto, Federações desportivas das modalidades referidas através da disponibilização dos materiais desportivos e apoios técnicos para desenvolver o Programa.  Universidades e Academias Desportivas através da disponibilização / mobilização dos recursos humanos e formações dos educadores.
  61. 61. 61 Serão convidados a colaborar, todas as pessoas individuais e coletivas, setores privados ou públicos, atletas renomados que se sensibilizarem com a causa. Área Abrangência O Projeto Piloto abrangerá a princípio a comunidade educativa do Concelho da Praia. Participarão do Projeto todas as crianças, adolescentes, adultos, idosos e pessoas com e necessidades especiais, que frequentam o Programa Escola da Família nos finais de semana (sábados e domingos) e que demonstrarem interesse nas modalidades apresentadas. Serão agrupados por faixa etária ou habilidades, recomendando-se didaticamente um limite de 30 alunos por turma. Poderão ser formadas mais de uma turma por núcleo a critério da coordenação do programa nas escolas e de acordo com o nível de interesse. Estima-se a frequência de 450 participantes até dezembro do ano 2015. Serão constituídos aproximadamente 15 núcleos desportivos, sendo 5 por cada modalidade específica. Numa sequência de Projeto, deseja-se atingir outras regiões do País. Estratégia de Desenvolvimento 1. A Coordenação do Programa Escola da Família efetuará um levantamento das pessoas interessadas nas escolas básicas e secundárias e outras participantes fora da escola que desejem iniciar a aprendizagem destas modalidades; 2. A Coordenação do Programa efetuará encontros com os possíveis parceiros, para apoios financeiros e de recursos humanos, principalmente na aquisição de materiais necessários para o arranque do projeto; 3. As atividades de iniciação e quiçá aperfeiçoamento serão desenvolvidas pelos profissionais vinculados ao Programa Escola da Família; 4. A Coordenação do Programa em conjunto com os parceiros fará os contatos necessários para programar atividades especiais durante e no final de determinado período de
  62. 62. 62 atividades. Entende-se como atividades especiais: palestras, visitas, clínicas, workshops, presenciar jogos de nível elevado, festivais para encerramento dos semestres, etc; 5. As academias desportivas e universidades realizarão a capacitação dos universitários que atuarão no Projeto. Público alvo Todos os interessados que participam do Programa Escola da Família, buscando agrupá-los por faixa etária para facilitar o desenvolvimento do processo pedagógico. Proposta Pedagógica As atividades desenvolvidas no Projeto “Escola desportiva” iniciarão os participantes nas modalidades de basquetebol, andebol e caraté. Serão trabalhados os seguintes tópicos: – Histórico das modalidades. – A quadra de jogo / tatame. – Regras básicas das modalidades. – Fundamentos da modalidade. Passes Arremessos. Deslocamentos com bola. Técnicas / regras - Jogos pré – desportivos - Sistemas táticos básicos – defensivo e ofensivo. - O jogo em si.
  63. 63. 63 O Projeto Os participantes serão divididos em grupo de 30 pessoas por núcleo. Os jovens/voluntários do Programa Escola da Família, após serem submetidos à capacitação, desenvolverão as atividades projetadas. A coordenação do Projeto estará subdividida em 2 áreas: Administrativa – Programa Escola da Família – Setor de parcerias. Técnica – Coordenadoria do Desporto e Lazer.
  64. 64. 64 Fases do projeto DIVULGAÇÃO MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO PROCESSO PEDAGÓGICO COMPETIÇÃO CONSOLIDAÇÃO DETECÇÃO DE TALENTOS
  65. 65. 65 Divulgação Feita pela Coordenação do Programa Escola da Família, junto à comunidade educativa e que já possuam atividades desportivas destas modalidades ou que tencionem iniciá-las. Mobilização Junto à comunidade / escolas básicas e secundárias, através dos cidadãos e que desejem praticar as duas modalidades sugeridas, propondo-se um grupo de 30 pessoas para iniciar. Implementação e Processo Pedagógico Desenvolver a iniciação da modalidade desportiva escolhida, sempre aos sábados e domingos. Competição Torneios e outras formas de competição deverão ocorrer dentro e mesmo fora dos núcleos do Projeto, após certo tempo de atividades. Consolidação Os participantes terão domínio de todo o processo de iniciação à modalidade desportiva, após a avaliação dos professores responsáveis pelo desenvolvimento das atividades.
  66. 66. 66 Detecção de Talentos Naturalmente serão identificados, acompanhados e encaminhados os potenciais talentos desportivos que surgirem no Projeto. Serão orientados sobre o Projeto ou mesmo indicados para clubes que trabalham com desporto de alto rendimento. Cronologia do desenvolvimento Novembro / Dezembro de 2014 – 1ª Capacitação dos Educadores / Monitores Serão capacitados 20 a 30 Educadores/Monitores de Escolas Públicas, Privadas, Associações ou Religiões estruturando-se em 15 Núcleos desportivos de handebol, basquetebol e caraté junto a estas Escolas. A Capacitação desenvolvida conta com corpo docente de excepcional qualidade, técnicos renomados, jovens e adultos com o apoio essencial das Federações Caboverdianas de Handebol, Basquetebol e Caraté, universidade locais e academias desportivas. De março a setembro de 2015 – Ampliação do Projeto Busca-se levar o Projeto para outras regiões do país e delegações do ensino, com vista a capacitar outros educadores, surgindo novos Núcleos desportivos de basquetebol, handebol e caraté, instalados em outros Municípios do País. Comunicação e Marketing  Divulgação nos espaços escolares;  Divulgação nos espaços desportivos;  Divulgação nos materiais de comunicação dos Parceiros envolvidos;
  67. 67. 67  Divulgação nos materiais das entidades convidadas a colaborar;  Impressões serigráficas dos logos do Programas envolvidos nos gomos das bolas a serem utilizadas. Grade de distribuição das atividades A carga horária semanal de atividades será de no mínimo 4horas/ aula por cada Núcleo. A distribuição das atividades no final de semana será a seguinte:  Aos sábados – 2 horas de atividades;  Aos domingos – 2 horas de atividades. A atividade prática desta fase terá o seu início em janeiro de 2015 e término no mês dezembro de 2015.
  68. 68. 68 Indicadores para Avaliação dos Resultados Necessário se faz verificar o processo e o alcance ou não das metas pré-estabelecidas. Para isto, precisa-se conhecer indicadores e os meios de verificação para avaliar o processo como um todo. Vejamos: Indicadores Meios de verificação Conhecer a quadra de jogo / tatame, as suas demarcações e regras básicas do jogo. Observação das atividades e respostas mecânicas mostradas durante o desenvolver das atividades. Realizar todos os tipos de passes, arremessos e técnicas usados na modalidade Observação das atividades e respostas mecânicas mostradas durante o desenvolver das atividades. Conhecer os sistemas táticos defensivo e ofensivo básicos da modalidade. Observação da ocupação espaço- temporal dos participantes durante o jogo.
  69. 69. 69 Atribuição das Instituições EB do Palmarejo  Capacitar os recursos humanos que atuarão no Projeto, com apoio das academias e universidades locais;  Aquisição das bolas que serão utilizadas no Projeto;  Acompanhar o desenvolvimento técnico do Projeto;  Organizar atividades complementares como jogos, workshop, encontros, etc. Outras Escolas  Disponibilizar os espaços físicos (quadras) para o desenvolvimento do Projeto;  Indicar e se responsabilizar pelos Recursos Humanos que atuarão no Projeto. Valores a serem agregados  Incremento a prática desportiva do Handebol e Basquetebol;  Massificação destas modalidades;  Colaboração numa futura detecção de talentos;  Ação de saúde e de lazer para a comunidade. Parceiros  Otimização e motivação dos núcleos do Programa Escola da Família;  Melhoria da capacitação dos Recursos Humanos que atuam no Projeto;  Incentivo e lançamento de novas opções desportivas no Programa;
  70. 70. 70  Utilizar do desporto como agente social, cultural e de lazer no processo pedagógico das Escolas. Aprendizado com o Projeto É muito importante capacitar, treinar e em consequência melhorar a qualidade dos Educadores participantes do Projeto. Novas ações sempre são muito bem recebidas pelos Educadores e pela Comunidade. As Secretarias Municipais / Direção Juvenil, isoladamente, possuem ótimos programas que podem ser potencializados com a união com outros segmentos, sejam públicos e/ou privados. A sustentabilidade do Projeto estará assegurada, através da motivação, carinho e empenho dos técnicos, professores, federações e outros colaboradores do programa. Custos Para implantação e desenvolvimento do Projeto serão discutidos com os parceiros / colaboradores, a possibilidade de apoios financeiros, materiais, recursos humanos ou de formação, de acordo com o “core bisness” de cada colaborador. Assim serão avaliados e incrementados os custos, no âmbito da assinatura de protocolos com as diferentes entidades. Efetividade de Resultados Os resultados pretendidos, nesta fase serão os seguintes:  Cinco Escolas Públicas e Privados no Concelho receberão oportunidades e conhecimentos na prática destas três modalidades desportivas através dos educadores / monitores capacitados e treinados;  Criação de pelo menos 15 Núcleos desportivos beneficiando cerca de 450 pessoas em todo o Concelho.  Criação de pelo menos 30 talentos em cada modalidade que serão encaminhados para clubes desportivas locais.
  71. 71. 71 Consideração Final Serão Estruturados novos projetos suplementares ao Programa Escola da Família, nomeadamente:  Ampliação, Manutenção do Espaço Desportivo nas Escolas;  Workshops, Visitas, Clínicas e Formações;  Saúde Desportiva;  Integrações Socioculturais;  Ambiente e Cidadania;  (...)
  72. 72. 72 Delegação do Ministério da Educação e Desporto do Concelho da Praia Pólo nº X do Palmarejo – Escola Monte Vermelho do Palmarejo e-mail: ebpalmarejo@gmail.com, Telefone: 2627696 IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA NA ESCOLA BÁSICA 13 DE JANEIRO DO PALMAREJO - PRAIA Elaborado por: Albertino Soares Rosa Delgado Professor do Ensino Básico / Informático Colaboração: Sandra Eloisa Nunes Monteiro Teixeira Professora do Ensino Básico / Socióloga Praia, agosto de 2013
  73. 73. 73 Coordenação do Projeto: Gestora. Carla Freire "Quando eu estava na escola, o computador era uma coisa muito assustadora. As pessoas falavam em desafiar aquela máquina do mal que estava sempre fazendo contas que não pareciam corretas. E ninguém pensou naquilo como uma ferramenta poderosa." Bill Gates, EU em 2004
  74. 74. 74 SUMÁRIO OBJETO.......................................................................................................................................... 75 HISTÓRICO..................................................................................................................................... 75 JUSTIFICATIVA............................................................................................................................... 76 OBJETIVO GERAL........................................................................................................................... 76 OBJETIVOS ESPECÍFICOS ............................................................................................................... 76 METAS........................................................................................................................................... 77 OPERACIONALIZAÇÃO................................................................................................................... 78 PÚBLICO ALVO .............................................................................................................................. 78 CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO.......................................................................................... 78 RECURSOS HUMANOS .................................................................................................................. 78 RECURSOS MATERIAIS .................................................................................................................. 79 CUSTOS DO PROJETO.................................................................................................................... 79 RESULTADOS ESPERADOS............................................................................................................. 81 Abreviaturas EPB – Escola Básica do Palmerejo TIC – Tecnologias de Informação e Comunicação
  75. 75. 75 OBJETO O projeto visa implementar um Laboratório de Informática naEscolaBásica do Plamarejo, Pólo nº XV – Monte Vermelho - Praia. HISTÓRICO A escola possui uma biblioteca que foi adaptada para uma sala de aula devido a falta de espaço, criando alguns constrangimentos, na transformação deste numa Mediateca, uma aspiração de todos os colaboradores em prol de uma educação diferenciada para os alunos. Vivemos numa época, em que o combate a info-exclusão é necessário e urgente, dado que o mundo gira à volta das novas tecnologias e a sala de aula per si, demonstra-se pequena para a aspirações dos educandos. É necessário a convivência com novos colegas, professores, ambiente, isto é um Mundu Novu a nossa volta. A escola pretende alcançar o caminho que os guia para a modernização, e ter informações precisas a cada segundo, minuto, de modo a propiciar um ensino de qualidade. O laboratório que se quer implementar, contribuirá para a formação integral dos seus professores, alunos e estender de certa forma para a comunidade local, através de parcerias com associações comunitárias. Em particular, pretence favorecer o ensino da informática aos alunos carentes que necessitam de uma aprensizagem diferenciada.
  76. 76. 76 Caraterização da EPB O Pólo Educativo Nº XV de Palmarejo é um serviço desconcentrado da Delegação do MED da Praia, localizada na zona do Palmarejo. Com uma população estudantil que ronda 1000 alunos, distribuidos em 29 turmas,oriundos de algumas zonas periféricas da capital, como Casa Lata, Fontom e Monte Vermelho, onde a população é considerada económicamente muito pobre. JUSTIFICATIVA A EBP, pretende:  alcaçar novos conhecimentos aos seus educandos;  promover inter-relacões sociais;  apostar em novas tecnologias no processo ensino-aprendizagem;  ampliar o horizonte, para além da sala de aula;  oferecer novos instrumentos de trabalho didáctico-pedagógico aos seuseducandos e professores;  o reconhecimento da informática como o atual processo ensino- aprendizagem; OBJETIVO GERAL Facultar a EPB, o acesso às TIC e a acessibilidade ás informações atuais. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Viabililizar o ensino das TIC como forma a combater a info-exclusão;  Utilizar os meios tecnológicos como um instrumento de ensino e aprendizagem para os alunos e professsores;
  77. 77. 77 METAS  Implementar um laboratório de informática com qualidade;  Capacitaçãodois professores/tutores responsáveis do Laboratório;  Formação inicial a 150 alunos na 2ª e 3ª fase do ensino por ano;
  78. 78. 78 OPERACIONALIZAÇÃO  Aquisição de equipamentos informáticos e eletrotécnicos;  Infraestruturação e reparação do espaço do laboratório a ser implementado;  Capacitação do pessoal afeto à escola,com ênfase aos mais desfavorecidos;  A supervisão e avaliação do ensino da informática a cargo dos tecnicos espacializados do Ministério da Educação e Desporto. PÚBLICO ALVO Alunos e professores da EPB em específico e comunidade educativa local. CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO  Implementação do laboratório informático, 3 meses após o financiamento - previsão setembro, outubro e novembro de 2015;  Capacitação dos professores tutores, no prazo de 2 meses, após a implementação do laboratório – previsão novembro e dezembro de 2016;  Iniciação á formação de 150 alunos e professores – ano de 2016. RECURSOS HUMANOS A EPB acredita no apoio ténico de algumas instituções públicas e privados, nomeadamente: a. Pedagogos e informáticos do Ministério da Educação e Desporto; b. Professores e alunos da EBP; c. Professores informáticos da Escola Secundária Abílio Duarte - Praia
  79. 79. 79 d. Paia/Encarregados de Educação, amigos da EBP RECURSOS MATERIAIS Para que este projeto seja uma realidade, serão necessários materias informáticos e acessórios para o seu cabal funcionamento: e. Computadores; f. Impressora multifuncional; g. Programas educacionais (Softwares); h. Acessórios diversos para cablagem e eletrificação CUSTOS DO PROJETO 1 - Equipamentos/móveis: 10 microcomputadores (office incluído) 350.000,00 01 impressora multifunções 48.000,00 10 estabilizadores 70.000,00 10 mesas (micros) 65.000,00 20 cadeiras 16.000,00 01 ar condicionado 42.200,00 Sub. Total 1 591.200,00 2 - Softwares: Softwareseducativos (leitura e escrita, cálculos, jogos educativos) 35.000,00
  80. 80. 80 Sub. Total 2 35.000,00 3 - Capacitação para responsável do laboratório: Softwares (de controlo de rede...) 17.300,00 Sub. Total 3 17.300,00 4 - Acessórios Cabeamento para interligação dos computadores 22.000,00 Tomadas de rede e cat 4/5 12.000,00 Swithc/Router 16.400,00 Tomadas e fios de eletricidade 9.500,00 Sub. Total 4 59.900,00 5 - Internet Banda larga 52.000,00 anual Sub. Total 5 52.000,00 6 - Mão de obra: Assistência técnica 20.000,00 trimestral Instalação, manutenção ou reparação 20.000,00 Sub. Total 6 40.000,00
  81. 81. 81 Total Geral: Laboratório/projeto 795.400,00 O projeto tem o custo estimado de setecentos e noventa e cinco mil e quatrocentos escudos. RESULTADOS ESPERADOS Facultar um ambiente virtual à comunidade educativa da EBP, proporcionando interações individuais e coletivas, entre alunos dos diversos concelhos do país e da diáspora. A Internet será uma ferramenta pedagógica, que permite o processo de inovação tecnológica, podendo ser um inportante meio de comunicação inter escolas, instituições e associações e será igualmente um processo de mediação e colaboração de vária ordem e sobreturo de saberes.
  82. 82. 82 Ficha Técnica do Projeto Educativo Elaboração do PE – Gestora / Equipa do Projeto Colaboração – Professores da EB do Palmarejo / Pais Encarregados de Educação Coordenação e Organização – Equipe do Projeto / Direção Promotora – EB do Palmarejo Data: fevereiro de 2015 O responsável da Equipe do Projeto / Rep. APEBIP __________________________ /Albertino Delgado/ A Gestora / Coordenadora do PE __________________________ /Carla Freire/

×