AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA

6.871 visualizações

Publicada em

1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.871
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
610
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
432
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA

  1. 1. AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA Profª.: Danúbia Zanotelli Soares
  2. 2. As disputas entre as potências européias provocaram dois conflitos mundiais, que deixaram a Europa praticamente em ruínas. Afinal, por que o mundo entrou em guerra ?
  3. 3. A Europa foi pioneira na Revolução Industrial , o que lhe assegurou grande vantagem competitiva e tecnológica perante o resto do mundo. Alguns países europeus especialmente Reino Unido e França, que criaram o processo de industrialização - tiveram de aumentar seu suprimento de matérias-primas e fontes de energia. Essa necessidade impulsionou a expansão dos territórios coloniais europeus na África e na Ásia . O controle direto ou indireto de territórios, sob a forma de colônias ou protetorados, também garantia mercados nos quais os capitalistas pudessem aplicar os recursos excedentes, abrindo companhias ou emprestando dinheiro para os governos e empresas daquelas regiões. Além disso, era necessário dar saída ao excedente demográfico dos países europeus. Essa dominação territorial, política e econômica é denominada imperialismo.
  4. 4. No século XIX, o imperialismo expandiu seus domínios, impondo seu modelo cultural e seus produtos industrializados, retirando recursos naturais e decidindo os destinos políticos das áreas ocupadas. A partir da segunda metade do século XIX, novas potências emergiram: os Estados Unidos, a Alemanha e o Japão. Alguns países, como a Alemanha e a Itália, ficaram em desvantagem na partilha da Ásia e da África, pois a maior parte do planeta já se encontrava dominada por Reino Unido, França, Bélgica e Portugal. Isso criou focos de tensão no panorama internacional.
  5. 5. ANTECEDENTES DA GUERRA A política imperialista, aliada ao fato de que os países europeus estavam empenhados numa corrida armamentista, gerou um clima de tensão, que resultou na formação de alianças político-militares conhecidas como Tríplice Entente, entre Reino Unido, França e Rússia, e Tríplice Aliança, entre Alemanha, Áustria-Hungria e Itália. Em junho de 1914, o assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando, por nacionalistas da Sérvia, deflagrou o conflito. Ferdinando era herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, que disputava com a Sérvia, aliada dos russos, a hegemonia na região dos Bálcãs. A declaração de guerra da ÁustriaHungria contra a Sérvia pôs em funcionamento todo o esquema de alianças. Em poucas semanas, praticamente todo a Europa estava em guerra.
  6. 6.  A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL      O  primeiro  conflito  mundial  estendeu-se  de  1914  a  1918,  período  durante  o  qual  territórios  europeus,  africanos  e  asiáticos  tornaram-se  campos  de  batalha.  A  Itália  mudou  de  lado, em troca da promessa de ganhos territoriais, fortalecendo  assim  a  Tríplice  Entente.  Mas  o  resultado  a  favor  dessa  aliança  só  ficou  claro  quando  os  Estados  Unidos,  com  a  economia  abalada  pela  redução  drástica  de  suas  exportações  para  a  Europa,  decidiram  entrar  na  guerra,  em  1917.  Nesse  mesmo  ano,  a  Rússia,  que  enfrentava  uma  revolução  em  seu  território,  retirou-se  do  conflito.  Mas  a  maquinaria  bélica  estadunidense  bastou  para  reverter  a  situação  em  favor  dos  britânicos e dos franceses.    Após quase quatro  anos de batalhas e um saldo de mais de  20  milhões  de  mortos,  a  Tríplice  Entente,  vencedora  da  guerra, determinou os termos de paz, impondo severas penas  aos  perdedores,  em  especial  à  Alemanha,  pelo  Tratado  de  Versalhes. 
  7. 7. TRATADO DE VERSALHES     Com o fim da guerra, os alemães foram obrigados a assinar  o  Tratado  de  Versalhes,  reconhecendo  a  culpa  pelo  conflito.  O governo da Alemanha ainda teve de :   -   restituir os territórios da Alsácia e da Lorena à França ;   -   ceder as minas de  carvão existentes na região do Sarre à  França por um período de 15 anos ;   -   ceder  suas  colônias,  submarinos  e  navios  mercantes  ao  Reino Unido, França e Bélgica ;  -   pagar  aos  aliados  vencedores  uma  indenização  de  33  bilhões de dólares; -  reduzir seu poderio bélico, ficando proibida de manter força  aérea e marítima, de fabricar armas e de  ter um exército com  contingente superior a 100 mil homens.           
  8. 8. O PÓS-PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL E O PERÍODO  ENTRE GUERRAS
  9. 9. Após  a  Primeira  Guerra  Mundial,  o  quadro  político  europeu já se mostrava muito diferente. A  leste,  o  vasto  império  do  czar  da  Rússia,  derrubado  por  uma  revolução  socialista  em  1917,  deu  lugar  ao  primeiro  Estado  de  regime  socialista  -  a  União  das  Repúblicas  Socialistas Soviéticas (URSS) -, organizado no final de 1922.     Também  em  1922,  na  Itália,  o  líder  fascista  Benito  Mussolini  foi  conduzido  ao  poder.  Financiada  pelos  grandes  empresários  temerosos  de  uma  revolução,  a  ascensão  do  fascismo  expressava  também  a  insatisfação  italiana  com  o  teor do Tratado de Versalhes.
  10. 10. A  Europa após a primeira guerra
  11. 11. A SITUAÇÃO DA  ALEMANHA    As  imposições  do  Tratado  de  Versalhes  deixaram  a  Alemanha  em  uma  situação  humilhante,  o  que  acirrou  na  população  um  sentimento  revanchista,  fundamentado  na  defesa  dos  interesses  nacionais.  Os  problemas  econômicos  enfrentados  pelo  país  após  o  conflito,  resultaram  no  fechamento  de  muitas  indústrias.  Isso  implicou  o  aprofundamento  de  problemas  sociais  como  desemprego,  inflação,  concentração  de  renda  e  empobrecimento  das  classes trabalhadoras.    Adolf Hitler, líder do partido nacional-socialista (nazista)  inspirado  no   fascismo  italiano,  aproveitou-se  do  sentimento  de baixa autoestima que acometia o povo alemão para chegar  ao  poder  em  1933  e  iniciar  a  retomada  do  projeto  militar  do  país. 
  12. 12. As  relações  com  o  mundo  passaram  a  se  basear  na  negação  das  instituições  democráticas  e  na  crença  da  superioridade da raça ariana  (da  qual os nazistas afirmavam  que  os  alemães  faziam  parte),  com  perseguição  dos  indivíduos  considerados  inferiores  (judeus,ciganos,  homossexuais, deficientes físicos e mentais).
  13. 13. A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL        A expansão territorial alemã foi vertiginosa. Em 1936,  Hitler  reocupou  a  Renânia,  região  alemã  cedida  aos  franceses  como  indenização  de  guerra,  pelo  Tratado  de  Versalhes. Em 1938, a Áustria foi anexada à Alemanha. No  mesmo  ano,  o  Tratado  de  Munique  cedeu  aos  alemães  a  região tcheca dos Sudetos. Em 1939, os nazistas ocuparam  o restante da Tchecoslováquia.    O  segundo  conflito  mundial  foi  desencadeado  quando  os  nazistas  invadiram  a  Polônia,  em  1939.  Os  alemães  buscavam  reaver  parte  do  território  conhecido  como  “corredor  polonês”  (veja  a  figura  abaixo),  entregue  à  Polônia na ocasião do Tratado de Versalhes. O Reino Unido  e  a  França  declararam  guerra  à  Alemanha  e,  posteriormente,  tiveram  apoio  dos  Estados  Unidos  e  da  então União Soviética, formando o bloco dos Aliados.
  14. 14. A Alemanha formalizou o bloco das potências do Eixo,  unindo-se à Itália e ao Japão, países que também buscavam  ampliar seu poder por meio da conquista de territórios. De 1939 a 1942, os nazistas dominaram boa parte da  Europa.  Em  1943,  porém,  foram  derrotados  na  África  e  na  União  Soviética,  enquanto  os  estadunidenses  ganhavam  a  iniciativa  contra  os  japoneses.  Desse  momento  até  1945,  sucederam-se vitórias dos Aliados.                                O FIM DO CONFLITO    Após quase seis anos de batalhas e um saldo de mais  de 50 milhões de mortos e 28 milhões de mutilados, a guerra  mundial  terminou  com  o  esmagamento  do  Eixo.  O  Japão,  último  a  se  render,  sofreu  ainda  ataques  nucleares  dos  Estados  Unidos,  que  lançaram  duas  bombas  atômicas  nas  cidades de Hiroshima e Nagasaki, assombrando o mundo.  
  15. 15. A GUERRA FRIA O aspecto mais marcante da ordem geopolítica bipolar  foi  a  chamada  Guerra  Fria.  Ela  consistiu  simultaneamente  numa disputa e numa  conivência entre Estados Unidos e exUnião Soviética.    A  guerra  fria  Foi  uma  disputa  tanto  político-militar  e  econômica como diplomática cultural e ideológica.    Outro elemento típico da bipolaridade e da Guerra Fria  foram as duas  principais alianças militares das duas últimas  décadas,  a  OTAN    (Tratado  do  Atlântico  Norte  1949)  e  o  PACTO de VARSÓVIA – 1955.
  16. 16. A  Guerra  Fria  serviu  igualmente  para  tentar  impedir  o  surgimento  de  novas  alternativas  nessa  realidade  bipolar.  Tentou-se  reduzir  os  caminhos  dos  povos  somente  a  duas  vias  ou  opções.  Reprimiam-se  as  novas  possibilidades  que  podiam ir além de socialismo e capitalismo.    A  Guerra  Fria  foi,  assim,  acompanhada  por  uma  fantástica  corrida  armamentista.  Da  bomba  atômica  chegouse à termonuclear.    O mundo bipolar possuía uma ideologia, que consistia  na  supervalorização  da  oposição  entre  capitalismo  e  socialismo. 
  17. 17. OTAN E PACTO DE VARSÓVIA Criada  em  1949,  durante  a  Guerra  Fria,  a  OTAN  era  uma  aliança  militar  formada  apenas  por  países  ocidentais  e  capitalistas,  tendo  os  Estados  Unidos  como  principal  líder.  Essa  organização  tinha  como  principal  objetivo  inibir  o  avanço do bloco socialista no continente europeu, fornecendo  apoio militar  para  as  nações  integrantes  da  OTAN.  Em  contrapartida,  os  países  socialistas,  em  1955,  criaram  o  Pacto  de  Varsóvia,  cujo  objetivo  era  o  mesmo  da  OTAN,  no  entanto, era composto por países socialistas.
  18. 18. EUROPA DIVIDIDA – MURO DE BERLIM Como  conseqüência  da  bipolarização  (divisão  mundial  de  países  capitalistas  e  países  socialistas),  em  1949,  os  países  da  Europa  dividiram-se  em  dois  blocos  rivais  :  a  Europa Ocidental capitalista e a Europa Oriental socialista.  Nesse mesmo ano o território alemão foi dividido entre  dois novos estados: a República Federal da Alemanha (RFA)  ou,  Alemanha  Ocidental  Capitalista  e  República  Democrática  Alemã (RDA) ou Alemanha  Oriental, socialista.  O maior símbolo da divisão do mundo entre capitalistas  e socialistas foi a construção do muro de Berlim, em 1961 . O  muro foi construído pelo governo da Alemanha Oriental, para  impedir a fuga de seus habitantes para o lado ocidental. 
  19. 19. A cidade de Berlim estava dividida em dois territórios : a parte oeste, controlada pela Alemanha capitalista, e a parte leste capital do governo oriental socialista .
  20. 20. CORRIDA ESPACIAL Nesse cenário, a corrida espacial foi um marco na disputa entre os blocos capitalistas e socialistas. Os soviéticos foram os primeiros a lançar um satélite e a enviar um homem ao espaço, enquanto os estadunidenses organizaram a primeira expedição tripulada até a Lua. A corrida tinha finalidade científica, mas sobretudo era uma maneira de cada bloco fazer propaganda de suas conquistas tecnológicas e de seu modo de vida.
  21. 21. EQUILÍBRIO DO TERROR Além da corrida espacial, durante a Guerra Fria ocorreu a chamada corrida armamentista, que teve início com o lançamento das bombas atômicas sobre o Japão. Estados Unidos e União Soviética esforçavam-se em produzir bombas nucleares com poder de destruição cada vez maior, gerando preocupação em todo o mundo. Acreditava-se que o ataque de um dos dois lados desencadearia uma guerra total que poderia pôr em risco a própria existência humana. Era o equilíbrio do terror. Por esse motivo, as duas superpotências tentavam manter os conflitos longe de suas fronteiras.
  22. 22. Os focos de tensão foram mudando ao longo do tempo, sempre que algum país não deixava claro a qual bloco estava aliado. Soviéticos e estadunidenses financiaram grupos rebeldes, partidos e até artistas e intelectuais para difundir suas ideologias. Por isso, a Guerra Fria não foi uma guerra no sentido militar, de combate armado, mas uma guerra tecnológica, ideológica e cultural.
  23. 23.   O FIM DA GUERRA FRIA Em 1985, Mikhail Gorbatchev (figura abaixo) assumiu o poder na União Soviética. Nos anos seguintes, ele iniciou um processo de reestruturação econômica (perestroika, em russo), com abertura política e com transparência das ações do Estado (glasnost).
  24. 24. Entre as ações empreendidas por iniciativa do líder soviético, destacaram-se os acordos entre os dois blocos para diminuição do arsenal nuclear. Desse modo, o equilíbrio pelo terror tornou-se menos inquietante. Iniciado no governo de Gorbatchev, o fim da Guerra Fria teve alguns momentos marcantes : 1989 - a população de Berlim derruba o muro que dividia a cidade em duas partes incomunicáveis e havia se tornado um símbolo de opressão. 1990 - ocorre a reunificação do território alemão, dividido formalmente em 1949. A República Federal da Alemanha passa a ser o único Estado alemão. 1991 - Depois de ser vítima de uma tentativa de golpe de Estado, Gorbatchev perde o poder e a União Soviética desmembra-se em várias repúblicas independentes.

×