SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
                      Educação a Distância da UFSM - EAD
                   Projeto Universidade Aberta do Brasil - UAB

          Especialização em Tecnologias da Informação e da Comunicação
                              Aplicadas à Educação
                                  PÓLO: Agudo
                     DISCIPLINA: Elaboração de Artigo Científico
                PROFESSOR ORIENTADOR: Ronaldo Martins Glufke
                                    04/10/2010




  Uso das Tecnologias da Informação e Comunicação em Programas de Educação
            Ambiental nas Unidades de Conservação do Rio Grande do Sul

 Use of Information and Communication Technologies in Environmental Education
                Programs in the Protected Areas of Rio Grande do Sul

                                     RAMOS, Christiane
               Licenciada em Biologia pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA)



A despeito da natural convergência entre as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC)
e a Educação Ambiental (EA), em alguns contextos, como no caso da EA desenvolvida em
Unidades de Conservação (UC), são ainda incipientes as iniciativas, ou pelo menos são
poucos os casos relatados. Este artigo apresenta uma pesquisa preliminar sobre o uso das nos
programas de EA desenvolvidos nas UC localizadas no estado do Rio Grande do Sul (RS).
Através da aplicação de um questionário aos gestores das UC, via mensagem eletrônica, foi
avaliado o desenvolvimento de programas de EA, bem como o uso de TIC nesses programas.
Apesar da maioria das UC avaliadas utilizarem pelo menos uma das TIC apresentadas no
questionário, as baixas freqüências alcançadas por quase todos os itens evidenciam que as TIC
ainda são pouco utilizadas na EA desenvolvida nas UC do estado.

Palavras-chave: Tecnologias da Informação e Comunicação, Educação Ambiental, Unidades de
Conservação.
Despite the natural convergence between Information and Communication Technology (ICT) and
Environmental Education (EE), in some contexts, such as the EE developed in Protected Areas
(PA), the initiatives are still incipient, or at least are few cases reported. This paper presents
preliminary research on the use of ICT in programs of EE developed in the PA in the state of Rio
Grande do Sul (RS). By applying a questionnaire to managers of protected areas, via electronic
mail, we evaluated the development of EE programs, as well as the use of ICTs in these programs.
While most PA evaluated using ICT at least one provided in the questionnaire, the low frequencies
achieved for almost all items showed that ICT are still little used in the EE developed in the PA of
the RS state.

Keywords: Information and Communication Technologies, Environmental Education, Protected
Areas.




INTRODUÇÃO


         As Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) apresentam um grande
diferencial     em   relação   aos   meios     clássicos    de   comunicação,      baseados      na
unidirecionalidade do processo comunicativo. Diferentemente destes, as TIC possibilitam
uma maior interação entre os pólos de comunicação, permitindo que ambos interfiram na
mensagem (MORAES et al, 2006). Calcada no uso das tecnologias associadas à
informática e no grande desenvolvimento das telecomunicações, as TIC têm promovido
profundas modificações na nossa forma de conhecer o mundo, no modo de representá-lo
e na transmissão dessas representações, democratizando um pouco mais as informações
(RODRIGUES & COLESANTI, 2008).
         A necessidade de responder às questões que surgem diariamente, frente a um
cenário atual de transformações e descobertas científicas e tecnológicas, tem exigido que
as pessoas cada vez mais trabalhem em conjunto e essa colaboração requer
comunicação (SCHEIBEL et al, 2009). O uso da rede mundial, assim como dos recursos
da hipermídia, viabilizam sobremaneira essa comunicação, rompendo barreiras
geográficas de espaço e tempo, e permitindo o surgimento de um processo cooperativo
de construção dos saberes (SANTOS, 1998).
Neste sentido, as TIC tem contribuído para a criação de um novo espaço social, no
qual uma aprendizagem cooperativa, caracterizada pelo trabalho em equipe, auxílio
mútuo, troca de idéias, realização de negociações e tomada de decisões coletivas, pode
ser desenvolvida (TRIMBUR, 1989; SCHEIBEL et al, 2009). Segundo Arriada & Ramos
(2003), esses novos ambientes de aprendizagem podem ser caracterizados como
amplamente favoráveis à criatividade, autonomia, criticidade e cooperação.
      Um tema que surgiu e se intensificou nas últimas décadas refere-se à degradação
do meio ambiente. Dentre as diversas estratégias que têm sido empregadas na reversão
dos problemas ambientais, a Educação Ambiental (EA) tem recebido uma especial
atenção. Através da EA, busca-se a formação de atitudes ecológicas e cidadãs, por meio
do desenvolvimento de capacidades e sensibilidade para identificar e compreender os
problemas ambientais e mobilizar-se e comprometer-se com a tomada de decisões
voltadas a solução dos mesmos (CARVALHO, 2004).
      A integração das TIC à EA tem sido de fundamental importância no atual cenário,
uma vez que essas tecnologias têm o potencial de promover a sensibilização e o
conhecimento dos ambientes e de seus problemas de uma forma mais atrativa, interativa,
instigante, e, portanto, mais adaptada aos atuais hábitos perceptivos de uma “sociedade
multimídia” (RODRIGUES & COLESANTI, 2008). Essa integração tem ocorrido de forma
natural, uma vez que tanto as TIC quanto a EA atuam na formação política da cidadania e
na mudança de valores e atitudes, favorecendo o conceito de inter-relação e a
convivência entre os seres humanos (CARVALHO, 2004a; MOLON et al, 2009).
      Os contextos e as formas em que essa integração tem acontecido, entretanto, são
variados. Em geral, as TIC têm se constituído em instrumentos de apoio ao
desenvolvimento do tema educação ambiental nos currículos escolares (SILVA et al,
2008; ANDRADE & VOSGERAU, 2009) e na formação de educadores ambientais
(GUERRA, 2001) ou como material didático produzido para a EA, tanto no ensino formal
quanto no ensino não formal (EICHLER & DEL PINO, 2006; RODRIGUES, 2007).
      A despeito da natural convergência entre as TIC e a EA, em alguns contextos são
ainda incipientes as experiências nesse sentido, ou pelo menos são poucos os casos
relatados. É o caso do uso das TIC na EA desenvolvida em Unidades de Conservação
(UC). Essas áreas especialmente protegidas com o objetivo de conservar a
biodiversidade têm na EA a forma mais adequada de sensibilizar e despertar a
consciência crítica da comunidade para esse objetivo (CERATI & LAZARINI, 2009).
Entretanto, apesar das inúmeras iniciativas do uso das TIC em outros contextos da EA,
pouco se sabe sobre a sua contribuição para a EA realizada nessas áreas protegidas.
      Considerando-se      este    cenário,   o   presente   trabalho   objetivou   avaliar
preliminarmente o uso das TIC nos programas de EA desenvolvidos nas UC localizadas
no estado do Rio Grande do Sul (RS). Com isso pretende contribuir para o conhecimento
do papel atual das TIC nesse contexto, bem como lançar uma luz sobre a disponibilidade
de materiais didáticos relacionados a esse tipo de mídia nas UC.




Educação Ambiental e as TIC


      De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) do ensino
fundamental, o meio ambiente e a EA são temas transversais, devendo ser discutidos em
todas as áreas de estudo, de forma interdisciplinar, e não individualizada em uma única
disciplina (BRASIL, 1997). Essa determinação foi estendida a todos os níveis e
modalidades do processo educativo, da educação formal e não formal, com o advento da
lei n.º 9.795, que instituiu a Política Nacional de Educação Ambiental (SECAD, 2010).
      Segundo Andrade & Vosgerau (2009), houve no Brasil um expressivo aumento da
associação sistemática entre o uso pedagógico do computador e a existência da EA nas
escolas do ensino fundamental. Para esses autores, todas as esferas de gestão
educacional (municipal, estadual e federal) estão empenhadas em integrar educação e
tecnologia, no intuito de oferecer maiores alternativas de aprendizagem ao aluno.
Programas e ações federais como o Programa Nacional de Informática na Educação-
PROINFO e o Guia de Tecnologias Educacionais tem contribuído fortemente para isso.
      Diversos são os recursos relacionados às TIC no contexto educacional, sendo que
o uso do computador e da internet são as principais ferramentas às quais outros recursos
estão associados (ANDRADE & VOSGERAU, 2009). Segundo Rodrigues & Colesanti
(2008), a Internet e o ambiente digital viabilizam não somente a divulgação de
informações em diferentes formas (textuais, fotografias, filmes, mapas, etc.), mas também
permitem a sua integração, caracterizando-a como uma multimídia. Esse suporte digital é
de grande relevância para o desenvolvimento da EA, por permitir problematizar o saber
ambiental, “colocando-o em uma perspectiva onde os alunos possam se apropriar e
utilizá-lo para a construção das atitudes ecológicas”.
Outros recursos, relacionados à implementação dessa informação, tais como o uso
de câmeras digitais, processadores de texto, de sons, digitalizadores de mapas, entre
outros, também são ferramentas de grande utilidade na EA desenvolvida no ensino formal
(SILVA et al, 2008; RODRIGUES & COLESANTI, 2008; ANDRADE & VOSGERAU, 2009).
       Um aspecto importante a ser considerado na integração das TIC à EA é o
desenvolvimento de materiais didáticos adequados a essas tecnologias. Neste sentido há
um número crescente de iniciativas na produção de objetos de aprendizagem digital, que
podem compreender jogos, textos, vídeos, gráficos, áudio, animações, apresentações,
etc. A Rede Interativa Virtual de Educação (RIVED), um programa da Secretaria de
Educação a Distância - SEED do MEC, tem dado um grande suporte à produção de
conteúdos pedagógicos digitais, na forma de objetos de aprendizagem, por meio de
capacitações realizadas junto às instituições de ensino superior e na rede pública de
ensino (SEED, 2010). Energos (EICHLER et al, 2006), Carbópolis (EICHLER & DEL
PINO, 2006) e o Jogo Tartarugas (FILHO et al, 2010) são exemplos de objetos de
aprendizagem digital direcionados à EA.
       Um fator importante a ser ressaltado nesse contexto é a qualidade pedagógica
desses materiais didáticos produzidos. Com relação a isso, Rodrigues & Colesanti (2008)
registram que não há ainda o estabelecimento de “modelos de sucesso”, o que pode levar
a experimentações dos mais variados tipos, como também a uma simples transferência
de conteúdos e formas dos meios tradicionais para o meio digital.
       O uso das TIC também tem se tornado presente na formação dos educadores
ambientais. Santos (2000) relata o uso da Internet na formação do oceanógrafo, como
educador ambiental habilitado a organizar programas e projetos de EA relacionados às
áreas costeiras. Por outro lado, cada vez mais se faz uso das TIC como plataformas de
apoio à formação continuada em EA, na modalidade de Ensino à Distância (ZAKRZEVSKI
et al, 2006).
       A EA não formal, entretanto, ainda carece de uma maior atenção quanto ao uso
das TIC. Escassas são as iniciativas neste sentido, apesar de áreas como a gestão de
unidades de conservação demandarem um forte investimento em EA.




Educação Ambiental em Unidades de Conservação e o uso de TIC
De acordo com a legislação que institui o Sistema Nacional de Unidades de
Conservação (SNUC), Lei n.° 9.985/2000, as UC são áreas protegidas com o objetivo de
conservar a biodiversidade e outros atributos naturais nelas contidas, com o mínimo de
impacto (ICMBio, 2010). As UC são divididas em unidades de proteção integral, nas quais
se admite o mínimo de interferência humana nos ecossistemas, e as unidades de uso
sustentável, que têm por objetivo compatibilizar a conservação da natureza com o uso
sustentável dos recursos. São considerados de proteção integral, os Parques Nacionais,
Monumentos Naturais e Refúgios de Vida Silvestre, as Estações Ecológicas e as
Reservas Biológicas. Fazem parte das unidades de uso sustentável, as Áreas de
Proteção Ambiental, Áreas de Relevante Interesse Ecológico, Florestas Nacionais,
Estaduais e Municipais, Reservas de Fauna, Reservas de Desenvolvimento Sustentável e
Reservas Extrativistas (ICMBio, 2010).
      No que tange a gestão dessas áreas protegidas, a EA desempenha um papel
central, visto que a sensibilização e o despertar da consciência crítica da comunidade
para a proteção dos recursos naturais é a forma mais adequada de proteção dessas
áreas (CERATI & LAZARINI, 2009).
      Neste sentido, diversas estratégias tem sido empregadas para implementação da
EA em áreas protegidas. Uma dessas estratégias diz respeito à instituição da gestão
participativa, proposta implementada principalmente a partir da regulamentação do SNUC
pelo decreto n.° 4.340/2002. Esta iniciativa, caracterizada pelo estabelecimento de
Conselhos de Unidades de Conservação, de caráter consultivo ou deliberativo, busca
uma maior democratização na elaboração e na execução das políticas públicas, de modo
sustentável, por meio da participação permanente dos diferentes agentes internos e
externos à UC (LOUREIRO & CUNHA, 2008). Por outro lado, são inúmeras as iniciativas
de EA relacionadas à sensibilização e interpretação do ambiente junto a visitantes,
turistas ou moradores do entorno, seja através da implantação de Centros de
Interpretação Ambiental, de trilhas interpretativas, de vivências ou da recreação ao ar livre
(NEIMAN & RABINOVICI, 2002; VENDRAMETTO, 2004; CAMPOS & FERREIRA, 2006;
MOREIRA, 2008)
      No Brasil, são ainda poucos os trabalhos em EA nas UC que tratam do uso das
TIC. Santos et al (2000) relatam o uso de Sistemas de Informações Geográficas para a
caracterização do sistema ambiental e sensibilização dos grupos sociais em relação ao
problemas ambientais da Estação Ecológica de Jataí, em São Paulo. Rodrigues (2007)
desenvolveu material didático em hipermídia, com o uso de imagens, textos e sons
referentes ao Parque Municipal Victorio Siquierolli, em Minas Gerais. Mais recentemente,
Moreira (2008) fez uma avaliação do uso do patrimônio geológico das Unidades de
Conservação em atividades interpretativas, educativas e geoturísticas no país, avaliando
também as diversas estratégias de abordagem, incluindo o uso das TIC. O mesmo estudo
compara as iniciativas brasileiras com outros países, evidenciando que há ainda uma
grande trajetória a ser percorrida.
       No estado do Rio Grande do Sul, o sistema de Unidades de Conservação é
constituído por 58 áreas de proteção sob o poder público, sendo 12 federais, 22 estaduais
e 24 municipais (SEMA, 2010). Este número, somado a outras tantas UC particulares,
abrangem uma área de 712.763 ha (SEPLAG, 2008), que é distribuída nas diferentes
regiões do estado, conforme evidencia a Figura 1.
       Apesar de diversas iniciativas de EA ocorrentes nas UC do Rio Grande do Sul,
nada se sabe sobre a utilização das TIC nessas iniciativas, resultando numa lacuna
importante do conhecimento sobre o potencial de uso dessas tecnologias.




Figura 1 - Municípios do Rio Grande do Sul com Unidades de Conservação Federais, Estaduais, Municipais
e/ou particulares, em 2008. Fonte: SEPLAG (2008).
METODOLOGIA


      O presente estudo foi baseado em uma pesquisa on-line, na qual um questionário
foi enviado aos gestores das UC públicas localizadas no estado do Rio Grande do Sul, via
mensagem eletrônica, no período de agosto/setembro de 2010.          O recebimento dos
questionários respondidos também se deu por mensagem eletrônica. Desta forma, a
população alvo desta pesquisa constituiu-se em 58 UC, sendo duas unidades
desconsideradas, em função de atualmente estarem desprovidas de gestores. Foram,
portanto, enviados 56 questionários apresentando seis perguntas com respostas
fechadas, abordando: a identificação da unidade, a caracterização do público alvo da UC,
a quantidade de visitantes no ano de 2009, a existência de programa ou atividades de EA,
o uso de TIC nessas atividades e quais tecnologias são empregadas.
      Os dados são apresentados sob a forma de freqüência das respostas obtidas,
sendo analisados para o total de UC, assim como para cada categoria de UC, quando
pertinente.


RESULTADOS E DISCUSSÃO


      Do total de 56 questionários enviados aos gestores de UC, foram recebidos 23
respondidos, perfazendo um tamanho amostral de 41,1%, conforme mostrado na Tabela
1. Esta tabela também evidencia que a percentagem de UC amostradas foi variável
conforme sua categoria. Das oito categorias de UC existentes no estado, duas não foram
contempladas na amostragem (Jardim Botânico / Horto Florestal e Refúgio de Vida
Silvestre), uma apresentou baixa representatividade (Reserva Biológica) e as demais
foram amostradas em pelo menos 40%.
      O índice de retorno de aproximadamente 41% pode ser considerado razoável, visto
que questionários que são enviados para os entrevistados alcançam em média 25% de
devolução, segundo estudo de Marconi & Lakatos (2005). No presente trabalho, os
questionários foram enviados e recebidos por mensagem eletrônica, de modo que
diversos fatores podem ter influenciado na transmissão das mensagens, tais como
endereços eletrônicos desatualizados, caixas de correio eletrônico lotadas, falta de
freqüência na verificação de e-mails, falhas técnicas de transmissão, entre outros.


Tabela 1 – Número e percentagem de questionários respondidos em relação ao total de UC localizadas no
estado do Rio Grande do Sul, por categoria da unidade.

                                                         Número
                                                         de UC no          Número e % de
                                                            RS        questionários respondidos

           Área de Proteção Ambiental                       10             5          50
           Área de Relevante Interesse Ecológico             2             1          50
           Estação Ecológica                                 3             2         66,7
           Floresta Nacional                                 3             2         66,7
           Jardim Botânico / Horto Florestal                 1             0          0
           Parque (Municipal, Estadual ou Nacional)         29            12         41,4
           Refúgio de Vida Silvestre                         1             0          0
           Reserva Biológica.                                7             1         14,3

           Total                                            56            23         41,1




       Pode-se considerar que as três esferas de poder público, gestoras das UC, foram
contempladas de maneira semelhante na amostragem, conforme evidencia a Tabela 2.
Portanto, os resultados refletem de maneira equilibrada a contribuição das diferentes
políticas adotadas pelas UC.


Tabela 2 – Número de questionários respondidos pelos gestores das unidades de conservação localizadas
no estado do Rio grande do Sul por categoria da unidade e órgão gestor.


                                                              Número de Questionários
                                                                   respondidos

        Categoria da Unidade de Conservação               Municipal       Estadual   Federal      Total

        Área de Proteção Ambiental                            3                1        1          5
        Área de Relevante Interesse Ecológico                 1                                    1
        Estação Ecológica                                                               2          2
        Floresta Nacional                                                               2          2
        Parque                                                4                5        3          12
        Reserva Biológica                                     1                                    1

        Total                                                 9                6        8          23
O tipo de público atendido pelas UC no estado é bastante amplo, de modo que
todos os tipos avaliados estão presentes em no mínimo 70% das Unidades (Tabela 3). As
UC são mais freqüentadas pelo público em geral (em torno de 87% delas). Naturalmente,
os resultados por categoria de UC refletem as suas restrições de uso conforme a
legislação. Por outro lado, a visitação, tomando por base o ano de 2009, foi em sua
maioria superior a 1000 visitantes. Mais uma vez, a influência do tipo de UC foi diferencial,
onde Parques e Florestas Nacionais apresentaram uma maior intensidade de visitação.
Informações adicionais, fornecidas pelos próprios gestores nos questionários, dão conta
que, exceto algumas, a mairoia das UC recebem um número de visitantes não muito
supeior a 1000.


Tabela 3 – Tipo e número de público visitante no ano de 2009 indicados nos questionários respondidos por
categoria de unidade de conservação localizada no estado do Rio Grande do Sul: (A) Área de Proteção
Ambiental, (B) Área de Relevante Interesse Ecológico, (C) Estação Ecológica, (D) Floresta Nacional, (E)
Parque e (F) Reserva Biológica.


                                   Número de citações por Categoria da UC

                                                                                 Número total e % de
                                     A     B      C      D      E        F           citações

     Tipo de público visitante
     Estudantes                      1      1      2     2      9        1        15          69,56
     Pesquisadores                   3      1      2     2      9        1        17          78,26
     Público em geral                4      1      2     2      11       0        19          86,95

     Número de visitantes
     (2009)
     Até 50                          1      0      0     0      1        0        2            9,09
     De 50 a 500                     4      0      1     0      2        0        7           31,82
     De 500 a 1000                   0      0      0     0      0        1        1            4,55
     Mai de 1000                     0      1      1     2      9        0        13          56,52



       A quase totalidade dos gestores das UC amostradas (91,3%) registrou o
desenvolvimento de programas ou atividades de EA, conforme evidencia a Tabela 4.
Apenas uma Área de Proteção Ambiental e um Parque estadual amostrados não
desenvolvem atividades de EA. Quanto ao uso de TIC nessas atividades, 80,1% registrou
o uso de pelo menos umas das tecnologias sugeridas no questionário. Neste quesito, os
Parques e as Áreas de Proteção Ambiental apresentaram as menores freqüências, 72,7 e
75%, respectivamente.
Tabela 4 – Número e percentagem de questionários indicando a presença de programa ou atividades de
Educação Ambiental e uso de TIC nessas atividades, por categoria de unidade de conservação localizada
no estado do Rio Grande do Sul.


                                                       Iniciativas em EA         Uso de TIC
        Categoria da Unidade de Conservação             Número         %       Número       %

        Área de Proteção Ambiental                        4            80         3          75
        Área de Relevante Interesse Ecológico             1           100         1         100
        Estação Ecológica                                 2           100         2         100
        Floresta Nacional                                 2           100         2         100
        Parque                                            11         91,66        8         72,7
        Reserva Biológica                                 1           100         1         100

        Total                                             21         91,3         17        80,1




       Na Tabela 5 são apresentadas as freqüências de citações para cada TIC nas
diferentes categorias de UC. O tipo de UC em que houve o maior número de TIC citadas
foi o Parque. Dentre as TIC sugeridas no questionário, o uso de multimídia foi a mais
citada (59,1%), seguida pelo uso de CD/DVD informativo (36,4%) e a disponibilização de
computadores na UC (26%). O uso de “site” na Internet com informações da UC vêm
apenas em quarto lugar (22,7%), sendo que o uso de “sites” mais elaborados e blogs
registraram baixíssimas freqüências de citações. Este panorama é diferente daquele
encontrado em outros países como Estados Unidos, Inglaterra, República Checa e
Portugal, cujas UC fazem uso da Internet para a introdução de elementos de
geoeducação e informações turísticas (MOREIRA, 2008). Uma breve avaliação do site do
Serviço Nacional de Parques dos Estados Unidos (U.S.NPS, 2010) também evidencia a
discrepância do uso dessa tecnologia por parte daquele país em relação aos resultados
obtidos no presente estudo. Estudos futuros devem ser dirigidos à avaliação sistemática
do uso dos “sites” das UC brasileiras para o desenvolvimento de atividades educativas.
       Registra-se ainda que "Web-Quest” ou jogos na Internet e CD/DVD com jogos
educativos não foram citados sequer uma única vez entre os questionários. Este resultado
indica que os esforços relacionados à produção de objetos de aprendizagem digitais
ainda não alcançaram a EA desenvolvida em UC e que Iniciativas como a de Rodrigues
(2007), que produziu material didático em hipermídia para uma UC, são ainda exceções.
Os resultados obtidos neste trabalho indicam uma limitação no uso das TIC na EA
desenvolvida nas UC amostradas. Tal resultado pode refletir as dificuldades de
implementação, produção e/ou gestão dessas tecnologias por parte das UC, medidas que
dependem dos recursos financeiros e humanos disponíveis ou ainda das políticas
institucionais desenvolvidas pelas respectivas esferas públicas. Segundo Carvalho et al
(1998), que avaliaram os problemas associados ao desenvolvimento da EA em UC
federais, estes são os principais problemas enfrentados pelas UC, no que tange a EA.
       Além das TIC sugeridas nos questionários, outras foram citadas espontaneamente
pelos gestores, tais como o uso dos programas “Google Earth” e “Flicker” e material
impresso como folders, livretos e painéis explicativos.
       Ressalta-se que as citações referentes ao uso de computadores nas UC podem
não ter representado a intenção prevista no questionário, que era a disponibilização deles
ao público visitante. É possível que as citações se refiram ao uso dessa tecnologia na
gestão da UC.
       Chama atenção também que a TIC mais utilizada – uso de multimídia – é
justamente aquela que, requerendo a presença tanto do comunicador quanto dos
receptores, atinge apenas o público que freqüenta a UC.

Tabela 5 – Número e percentagem de citação das TIC utilizadas nos programas ou atividades de educação
ambiental nas unidades de conservação localizadas no estado do Rio Grande do Sul, por categoria da
unidade: (A) Área de Proteção Ambiental, (B) Área de Relevante Interesse Ecológico, (C) Estação
Ecológica, (D) Floresta Nacional, (E) Parque e (F) Reserva Biológica.

                                          Número de citações por Categoria da
                                                          UC

                                                                                 Total de
                                           A       B        C      D    E    F   citações      %

Disponibiliza computadores na UC            0       0       0      2    3    1       5         26
“Site” na Internet com informações          1       0       0      0    3    1       5        22,7
“Site” na Internet com “Chat”, fóruns
ou questionários                            0       0       0      0    1    0      1         4,5
“Blog” na Internet                          1       0       0      0    0    0      1         4,5
"Web-Quest” ou jogos na Internet            0       0       0      0    0    0      0          0
CD/DVD informativos                         1       1       1      0    4    1      8         36,4
CD/DVD com jogos educativos                 0       0       0      0    0    0      0          0
Uso de Multimídia (data-show)               3       1       2      1    5    1      13        59,1
Outros                                      1       0       1      0    2    0      4         18,2

Total de citações                           7       2       4      2    18   4
CONCLUSÕES


      Os resultados permitem concluir que o uso das TIC na EA realizada nas UC do
estado do Rio Grande do Sul está associado principalmente à presença do visitante,
sendo ainda pouco utilizados os recursos da Internet e, quando utilizados, são pouco
explorados em suas potencialidades. O mesmo pode ser dito quanto ao uso de CD/DVD,
que somente são informativos, não explorando as possibilidades de interação que a mídia
permite. Estudos futuros devem avaliar os reais fatores que tem moldado essa realidade.
      Sugere-se, preliminarmente, que esforços sejam feitos no sentido de subsidiar as
UC com a produção de materiais didáticos que possam ser veiculados em mídias
relacionadas às TIC. A produção desses materiais deve levar em conta a sua atratividade
e adequação aos propósitos específicos de cada UC e que sejam elaborados de modo a
permitir uma maior interação com o ambiente de aprendizagem. Outra importante medida
é o estímulo ao debate sobre o potencial das TIC na veiculação de informações e na EA
em áreas protegidas. Pretende-se com isso qualificar a EA realizada nas UC, assim como
atingir também aquelas pessoas que não as freqüentam.


REFERÊNCIAS


ANDRADE, V. L. A. M. & VOSGERAU, D. S. R. As tecnologias de informação e
comunicação (tic) como facilitadoras às práticas pedagógicas voltadas para a educação
ambiental.     IX     Congresso      Nacional      de     Educação,     2009.     Em:
http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/3683_2198.pdf.     Acessado
em 18/12/2010.

ARRIADA, M. C & RAMOS, E. F. Como Promover Condições Favoráveis à Aprendizagem
Cooperativa              Suportada            por         Computador?          Em:
http://www.inf.ufsc.br/~edla/publicacoes/AprendizagemCooperativaRBIE.pdf. Acessado
em: 15/09/2010.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente,
saúde. Brasília: Secretaria de Educação fundamental, 1997.

CAMPOS, A. M. N. & FERREIRA, E. A. Trilha Interpretativa: busca por conservação
ambiental.  Caderno      Virtual de       Turismo,   Vol. 6, N° 1      (2006). Em
www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/ojs/include/getdoc.php?id=913...pdf. Acessado    em
18/12/2010.
CARVALHO, C. A. R. DE, FILHO, W. L. & HALE, W. H. G. An analysis of the problems of
developing environmental education in Brazilian Federal protected areas. The
Environmentalist 18, 223-229 (1998).
CARVALHO, I. C. DE M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São
Paulo: Cortez, 2004, 256p.

CARVALHO, I. C. DE M. Educação ambiental crítica: nomes e endereçamentos. In:
LAYRARGUES, P.P. (coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília:
Ministério do Meio Ambiente, 2004a.

CERATI, T. M. & LAZARINI, R. A. DE M. A pesquisa-ação em educação ambiental: uma
experiência no entorno de uma unidade de conservação urbana. Ciência e Educação, v.
15, n. 2, p. 383-92, 2009.

EICHLER, M. L. & DEL PINO, J. C. Ambientes Virtuais de Aprendizagem –
Desenvolvimento de avaliação de um projeto em Educação Ambiental. Porto Alegre:
Editora da UFRGS, 2006, 175p.

EICHLER, M. L., PERRY, G. T., GONÇALVES, M. G. & DEL PINO, J. C. Energos, um
objeto de aprendizagem para o debate escolar sobre os meios de produção de energia
elétrica. CINTED-UFRGS - Tecnologias na Educação, V. 4 Nº 2, Dezembro, 2006, 1-12.

FILHO, J. W. S, BRITO, C. E. N., SANTOS, C. L., ALVES, A. C. M. & SCHNEIDER, H. N.
Jogo Tartarugas: Objeto de Aprendizagem na Educação Ambiental. IV Seminário de
Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação, 2010.

GUERRA, A. F. S. A educação ambiental em áreas costeiras: o uso da web como
ferramenta na formação do oceanógrafo. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. Volume 6,
julho, agosto, setembro de 2001. Em http://www.remea.furg.br/mea/remea/vol6/guerra.pdf.
Acessado em 10/09/2010.

Instituto Chico Mendes de Conservação da               Biodiversidade   (ICMBio).   Em
http://www.icmbio.gov.br. Acessado em 5/09/2010.

LOUREIRO, C. F. B., CUNHA, C. C. Educação ambiental e gestão participativa de
unidades de conservação: elementos para se pensar a sustentabilidade democrática.
Ambiente & Sociedade, Campinas, v. XI, n. 2, p. 237-253, 2008.

MARCONI, M. A. & LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6ª Ed. São
Paulo: Atlas, 2005.

MOLON, S. I., ARRUDA, R. D & PAREDES, J. A formação em educação ambiental e as
TIC: um olhar sobre o PPGEA/FURG-Brasil. Didácticas específicas. Revista electrónica Nº
0. Em http://www.didacticasespecificas.com, 2009. Acessado em 14 de setembro de
2010.

MORAES, R. A., DIAS, A. C. & FIORENTINI, L. M. R. As Tecnologias da Informação e
Comunicação na Educação: as perspectivas de Freire e Bakhtin. UNIrevista, Vol. 1, n° 3 :
(julho 2006). Em http://www.alaic.net/ponencias/UNIrev_Moraes_e_outros.pdf. Acessado
em 19 de setembro de 2010.
MOREIRA, J. C. Patrimônio Geológico em Unidades de Conservação: atividades
interpretativas, educativas e geoturísticas. Tese de doutorado, Florianópolis, 2008. Em
http://www.geoturismobrasil.com/artigos/Tese%20Jasmine%20Moreira_Cap%200%20a%
203.pdf. Acessado em 19/12/2010.

NEIMAN, Z & RABINOVICI, A. O Cerrado como instrumento para educação ambiental em
atividades de ecoturismo. (in) Meio Ambiente Educação e Ecoturismo. Org. Zysman
Neiman. Manole, Barueri, SP, 2002, 181p.

RODRIGUES, G. S. Z. C. Educação ambiental e hipermídia: a construção de um material
didático para o Parque Municipal Victorio Siquierolli. Tese de doutorado, 2007. Em
http://www.ig.ufu.br/sites/ig.ufu.br/files/Anexos/Bookpage/gelze_rodrigues.pdf. Acessado
em 18/12/2010.

RODRIGUES, G. S. Z. C. & COLESANTI, M. R. DE M. Educação Ambiental e as
Tecnologias de Informação e Comunicação. Sociedade & Natureza, Uberlândia, 20 (1):
51-66, jun. 2008.

SANTOS,       N.    Espaços    Virtuais  de    Ensino    e     Aprendizagem.        Em
http://www.scribd.com/doc/6795012/Neide-Santos-Espacos-Virtuais-de-Ensino-e-
Aprendizagem. Acessado em: 15/09/2010.

SANTOS, J. E. dos, SATO, M., PIRES, J. S. R. & MAROTI, P. S. Environmental education
práxis toward a natural conservation área. Rev. Brasil. Biol. 60 (3): 361-372, 2000.

SECAD. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (MEC).
Programas e ações. Em http://portal.mec.gov.br. Acessado em 18/12/2010.

SEED. Secretaria de Educação a Distância (MEC). Rede Interativa Virtual de Educação
(RIVED). Em http://rived.mec.gov.br/. Acessado em 18/12/2010.

SEPLAG. Secretaria de Planejamento e Gestão do RS. Trilhas Gaúchas – Indicadores do
Futuro 2008. Em http://www.seplag.rs.gov.br/. Acessado em 10/09/2010.

SEMA. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Unidades de Conservação. Secretaria
Estadual do Meio Ambiente do RS, Em http://www.sema.rs.gov.br/sema/html/bio.htm.
Acessado em 10/09/2010.

SCHEIBEL, M. R., SILVEIRA, R. M. C. F., RESENDE, L. M. & JÚNIOR, G. S.
APRENDIZAGEM COOPERATIVA: uma opção metodológica para se trabalhar as
questões da Ciência e da Tecnologia nos cursos de formação de professores. Anais do I
Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia – 2009, Universidade Tecnológica
Federal do Paraná – UTFPR, 1506-1520.

SILVA, M. A. G. D. , OBARA, A. T. & MARCOLLI, A. G. M. Integrando Tecnologias de
Informática à Educação Ambiental no ensino médio e fundamental às margens do Rio
Paraná, Porto Rico - Pr – Tedam, em www.peld.uem.br/Relat2008/pdf/Capitulo18.pdf.
Acessado em 20/12/2010.

TRIMBUR, J. (1989). Consensus and Difference in Collaborative Learning. College
English, 51 (6), 602-16.

US NPS – National Park Service. Em http://www.nps.gov/index.htm. Acessado em
20/12/2010.

VENDRAMETTO, L. P. Educação ambiental em unidades de conservação: um estudo de
caso na área de proteção ambiental de Sousas e Joaquim Egídio. Dissertação de
mestrado. Piracicaba, 2004, 108p.

ZAKRZEVSKI, S. B, DEFFACI, A. C. & LOSEKANN, C. C. A formação de professores em
educação ambiental à distância: relato de uma experiência. UNIrevista - Vol. 1, n° 2 :
(abril) 2006.



Christiane Ramos chris.ramos2@gmail.com
Ronaldo Martins Glufke rglufke@gmail.com-

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação de professores adaptabilidade dos profissionais da educação e a util...
Formação de professores adaptabilidade dos profissionais da educação e a util...Formação de professores adaptabilidade dos profissionais da educação e a util...
Formação de professores adaptabilidade dos profissionais da educação e a util...Carla Michelle Silva
 
São João do Polêsine - Silvane de Fátima Weippert
São João do Polêsine - Silvane de Fátima WeippertSão João do Polêsine - Silvane de Fátima Weippert
São João do Polêsine - Silvane de Fátima WeippertCursoTICs
 
As Tecnologias da Informação e Comunicação: propostas apresentadas na Confer...
As Tecnologias da Informação e Comunicação: propostas apresentadas na  Confer...As Tecnologias da Informação e Comunicação: propostas apresentadas na  Confer...
As Tecnologias da Informação e Comunicação: propostas apresentadas na Confer...Eziquiel Menta
 
O USO PEDAGÓGICO DAS TDIC PARA O FORTALECIMENTO DE ESTRATÉGIAS QUE BUSCAM A M...
O USO PEDAGÓGICO DAS TDIC PARA O FORTALECIMENTO DE ESTRATÉGIAS QUE BUSCAM A M...O USO PEDAGÓGICO DAS TDIC PARA O FORTALECIMENTO DE ESTRATÉGIAS QUE BUSCAM A M...
O USO PEDAGÓGICO DAS TDIC PARA O FORTALECIMENTO DE ESTRATÉGIAS QUE BUSCAM A M...Wilker Bueno de Freitas Rosa
 
Pré projecto de investigação
Pré projecto de investigaçãoPré projecto de investigação
Pré projecto de investigaçãoJorge Teixeira
 
São João do Polêsine - Kelly Perlin Cassol
São João do Polêsine - Kelly Perlin CassolSão João do Polêsine - Kelly Perlin Cassol
São João do Polêsine - Kelly Perlin CassolCursoTICs
 
Educação a Distância e Formação de Professores
Educação a Distância e Formação de ProfessoresEducação a Distância e Formação de Professores
Educação a Distância e Formação de ProfessoresCarla Arena
 
Três de Maio - Simone Raquel Frank
Três de Maio - Simone Raquel FrankTrês de Maio - Simone Raquel Frank
Três de Maio - Simone Raquel FrankCursoTICs
 
O uso das novas tecnologias da informação no ensino a distância
O uso das novas tecnologias da informação no ensino a distânciaO uso das novas tecnologias da informação no ensino a distância
O uso das novas tecnologias da informação no ensino a distânciatereza230600
 
Três de Maio - Osmar Sipmann
Três de Maio - Osmar SipmannTrês de Maio - Osmar Sipmann
Três de Maio - Osmar SipmannCursoTICs
 
Diretrizes e orientações sobre tdic na rede
Diretrizes e orientações sobre tdic na redeDiretrizes e orientações sobre tdic na rede
Diretrizes e orientações sobre tdic na rededalvanice
 
Rojane e. s. fuchs
Rojane e. s. fuchsRojane e. s. fuchs
Rojane e. s. fuchsequipetics
 
TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO, TECNOLOGIA PARA A EDUCAÇÃO: Um texto em construção
TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO,  TECNOLOGIA PARA A EDUCAÇÃO: Um texto em construçãoTECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO,  TECNOLOGIA PARA A EDUCAÇÃO: Um texto em construção
TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO, TECNOLOGIA PARA A EDUCAÇÃO: Um texto em construçãoFeleciano Januário
 

Mais procurados (19)

Formação de professores adaptabilidade dos profissionais da educação e a util...
Formação de professores adaptabilidade dos profissionais da educação e a util...Formação de professores adaptabilidade dos profissionais da educação e a util...
Formação de professores adaptabilidade dos profissionais da educação e a util...
 
São João do Polêsine - Silvane de Fátima Weippert
São João do Polêsine - Silvane de Fátima WeippertSão João do Polêsine - Silvane de Fátima Weippert
São João do Polêsine - Silvane de Fátima Weippert
 
Artigo seminariorondonopolis vicentewilliansset2011
Artigo seminariorondonopolis vicentewilliansset2011Artigo seminariorondonopolis vicentewilliansset2011
Artigo seminariorondonopolis vicentewilliansset2011
 
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educaçãoTecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação
 
As Tecnologias da Informação e Comunicação: propostas apresentadas na Confer...
As Tecnologias da Informação e Comunicação: propostas apresentadas na  Confer...As Tecnologias da Informação e Comunicação: propostas apresentadas na  Confer...
As Tecnologias da Informação e Comunicação: propostas apresentadas na Confer...
 
O USO PEDAGÓGICO DAS TDIC PARA O FORTALECIMENTO DE ESTRATÉGIAS QUE BUSCAM A M...
O USO PEDAGÓGICO DAS TDIC PARA O FORTALECIMENTO DE ESTRATÉGIAS QUE BUSCAM A M...O USO PEDAGÓGICO DAS TDIC PARA O FORTALECIMENTO DE ESTRATÉGIAS QUE BUSCAM A M...
O USO PEDAGÓGICO DAS TDIC PARA O FORTALECIMENTO DE ESTRATÉGIAS QUE BUSCAM A M...
 
Pré projecto de investigação
Pré projecto de investigaçãoPré projecto de investigação
Pré projecto de investigação
 
São João do Polêsine - Kelly Perlin Cassol
São João do Polêsine - Kelly Perlin CassolSão João do Polêsine - Kelly Perlin Cassol
São João do Polêsine - Kelly Perlin Cassol
 
Educação a Distância e Formação de Professores
Educação a Distância e Formação de ProfessoresEducação a Distância e Formação de Professores
Educação a Distância e Formação de Professores
 
Três de Maio - Simone Raquel Frank
Três de Maio - Simone Raquel FrankTrês de Maio - Simone Raquel Frank
Três de Maio - Simone Raquel Frank
 
O uso das novas tecnologias da informação no ensino a distância
O uso das novas tecnologias da informação no ensino a distânciaO uso das novas tecnologias da informação no ensino a distância
O uso das novas tecnologias da informação no ensino a distância
 
Três de Maio - Osmar Sipmann
Três de Maio - Osmar SipmannTrês de Maio - Osmar Sipmann
Três de Maio - Osmar Sipmann
 
Gt16 6325--int
Gt16 6325--intGt16 6325--int
Gt16 6325--int
 
Diretrizes e orientações sobre tdic na rede
Diretrizes e orientações sobre tdic na redeDiretrizes e orientações sobre tdic na rede
Diretrizes e orientações sobre tdic na rede
 
Tics na ead
Tics na eadTics na ead
Tics na ead
 
O uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagens
O uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagensO uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagens
O uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagens
 
Rojane e. s. fuchs
Rojane e. s. fuchsRojane e. s. fuchs
Rojane e. s. fuchs
 
TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO, TECNOLOGIA PARA A EDUCAÇÃO: Um texto em construção
TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO,  TECNOLOGIA PARA A EDUCAÇÃO: Um texto em construçãoTECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO,  TECNOLOGIA PARA A EDUCAÇÃO: Um texto em construção
TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO, TECNOLOGIA PARA A EDUCAÇÃO: Um texto em construção
 
Monografia Antonio Matemática 2010
Monografia Antonio Matemática 2010Monografia Antonio Matemática 2010
Monografia Antonio Matemática 2010
 

Destaque

Atps custos
Atps   custosAtps   custos
Atps custossi-2012
 
ATPS_economia (1º e 2º sem)
ATPS_economia (1º e 2º sem)ATPS_economia (1º e 2º sem)
ATPS_economia (1º e 2º sem)rickemii
 
Diari Més 5 de Novembre 2015
Diari Més 5 de Novembre 2015Diari Més 5 de Novembre 2015
Diari Més 5 de Novembre 2015diarimes
 
Atps processos administrativos
Atps processos administrativosAtps processos administrativos
Atps processos administrativosjessyccaa
 
Humanização no ICESP - Guilherme Bená
Humanização no ICESP - Guilherme BenáHumanização no ICESP - Guilherme Bená
Humanização no ICESP - Guilherme BenáOncoguia
 
Atps 1 sistema_de_gestao_ambiental_e_certificação
Atps 1 sistema_de_gestao_ambiental_e_certificaçãoAtps 1 sistema_de_gestao_ambiental_e_certificação
Atps 1 sistema_de_gestao_ambiental_e_certificaçãoRonanMs23
 
Agenda do Associado do Rc. Tupã
Agenda do Associado do Rc. TupãAgenda do Associado do Rc. Tupã
Agenda do Associado do Rc. TupãAdrianoLuizAlves
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalAngelica McAfee
 
Visão inovadora do conceito de biblioteca no século 21
Visão inovadora do conceito de biblioteca no século 21Visão inovadora do conceito de biblioteca no século 21
Visão inovadora do conceito de biblioteca no século 21Cristiane Camizão Rokicki
 
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Agente Jovem
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Agente JovemMetodologias do Projeto Jovem de Futuro - Agente Jovem
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Agente JovemInstituto Unibanco
 
5 cristiane silva
5  cristiane silva 5  cristiane silva
5 cristiane silva silvartes
 
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Monitoria
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - MonitoriaMetodologias do Projeto Jovem de Futuro - Monitoria
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - MonitoriaInstituto Unibanco
 

Destaque (20)

CV_Cris
CV_CrisCV_Cris
CV_Cris
 
Atps custos
Atps   custosAtps   custos
Atps custos
 
ATPS_economia (1º e 2º sem)
ATPS_economia (1º e 2º sem)ATPS_economia (1º e 2º sem)
ATPS_economia (1º e 2º sem)
 
Diari Més 5 de Novembre 2015
Diari Més 5 de Novembre 2015Diari Més 5 de Novembre 2015
Diari Més 5 de Novembre 2015
 
Atps processos administrativos
Atps processos administrativosAtps processos administrativos
Atps processos administrativos
 
Humanização no ICESP - Guilherme Bená
Humanização no ICESP - Guilherme BenáHumanização no ICESP - Guilherme Bená
Humanização no ICESP - Guilherme Bená
 
Atps 1 sistema_de_gestao_ambiental_e_certificação
Atps 1 sistema_de_gestao_ambiental_e_certificaçãoAtps 1 sistema_de_gestao_ambiental_e_certificação
Atps 1 sistema_de_gestao_ambiental_e_certificação
 
Agenda do Associado do Rc. Tupã
Agenda do Associado do Rc. TupãAgenda do Associado do Rc. Tupã
Agenda do Associado do Rc. Tupã
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Plano De Ensino ApresentaçãO
Plano De Ensino ApresentaçãOPlano De Ensino ApresentaçãO
Plano De Ensino ApresentaçãO
 
Visão inovadora do conceito de biblioteca no século 21
Visão inovadora do conceito de biblioteca no século 21Visão inovadora do conceito de biblioteca no século 21
Visão inovadora do conceito de biblioteca no século 21
 
Monografia rede wimax
Monografia rede wimaxMonografia rede wimax
Monografia rede wimax
 
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Agente Jovem
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Agente JovemMetodologias do Projeto Jovem de Futuro - Agente Jovem
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Agente Jovem
 
REFLEXAO - O relogio*
REFLEXAO - O relogio*REFLEXAO - O relogio*
REFLEXAO - O relogio*
 
5 cristiane silva
5  cristiane silva 5  cristiane silva
5 cristiane silva
 
Modelo relatorio pim
Modelo relatorio pimModelo relatorio pim
Modelo relatorio pim
 
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Monitoria
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - MonitoriaMetodologias do Projeto Jovem de Futuro - Monitoria
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Monitoria
 
Cristiane projeto 2
Cristiane projeto 2Cristiane projeto 2
Cristiane projeto 2
 
A web 2.0
A web 2.0A web 2.0
A web 2.0
 
Guia abnt senac
Guia abnt senacGuia abnt senac
Guia abnt senac
 

Semelhante a Agudo - Christiane Ramos

Artigo científico ti cs. 2013 deise pdf
Artigo científico ti cs. 2013 deise pdfArtigo científico ti cs. 2013 deise pdf
Artigo científico ti cs. 2013 deise pdfequipetics
 
Programa Parana Digital.pdf
Programa Parana Digital.pdfPrograma Parana Digital.pdf
Programa Parana Digital.pdfAngelaYoshitoni
 
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação marta de campos ...
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos ...Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos ...
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação marta de campos ...ACORN-REDECOM
 
11998 39180-1-pb(1) Para uma boa leitura
11998 39180-1-pb(1) Para uma boa leitura11998 39180-1-pb(1) Para uma boa leitura
11998 39180-1-pb(1) Para uma boa leituraRenata2014morgado
 
Três de Maio - Mercia Maria Vogel
Três de Maio - Mercia Maria VogelTrês de Maio - Mercia Maria Vogel
Três de Maio - Mercia Maria VogelCursoTICs
 
Santana do Livramento - Pórcia Guimarães Vasconcellos
Santana do Livramento - Pórcia Guimarães VasconcellosSantana do Livramento - Pórcia Guimarães Vasconcellos
Santana do Livramento - Pórcia Guimarães VasconcellosCursoTICs
 

Semelhante a Agudo - Christiane Ramos (7)

Artigo científico ti cs. 2013 deise pdf
Artigo científico ti cs. 2013 deise pdfArtigo científico ti cs. 2013 deise pdf
Artigo científico ti cs. 2013 deise pdf
 
Programa Parana Digital.pdf
Programa Parana Digital.pdfPrograma Parana Digital.pdf
Programa Parana Digital.pdf
 
Bom
BomBom
Bom
 
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação marta de campos ...
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos ...Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos ...
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação marta de campos ...
 
11998 39180-1-pb(1) Para uma boa leitura
11998 39180-1-pb(1) Para uma boa leitura11998 39180-1-pb(1) Para uma boa leitura
11998 39180-1-pb(1) Para uma boa leitura
 
Três de Maio - Mercia Maria Vogel
Três de Maio - Mercia Maria VogelTrês de Maio - Mercia Maria Vogel
Três de Maio - Mercia Maria Vogel
 
Santana do Livramento - Pórcia Guimarães Vasconcellos
Santana do Livramento - Pórcia Guimarães VasconcellosSantana do Livramento - Pórcia Guimarães Vasconcellos
Santana do Livramento - Pórcia Guimarães Vasconcellos
 

Mais de CursoTICs

Três de Maio - Terezinha Nilza Zawatski
Três de Maio - Terezinha Nilza ZawatskiTrês de Maio - Terezinha Nilza Zawatski
Três de Maio - Terezinha Nilza ZawatskiCursoTICs
 
Três de Maio - Solange Backes
Três de Maio - Solange BackesTrês de Maio - Solange Backes
Três de Maio - Solange BackesCursoTICs
 
Três de Maio - Nilda Clair de Souza Binn
Três de Maio - Nilda Clair de Souza BinnTrês de Maio - Nilda Clair de Souza Binn
Três de Maio - Nilda Clair de Souza BinnCursoTICs
 
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso Tuzzin
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso TuzzinTrês de Maio - Maria Iraci Cardoso Tuzzin
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso TuzzinCursoTICs
 
Três de Maio - Laenir Ana Busanello Sipmann
Três de Maio - Laenir Ana Busanello SipmannTrês de Maio - Laenir Ana Busanello Sipmann
Três de Maio - Laenir Ana Busanello SipmannCursoTICs
 
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesTrês de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesCursoTICs
 
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de Mattos
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de MattosTrês de Maio - Flávia Hitomi Takei de Mattos
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de MattosCursoTICs
 
Três de Maio - Emilene Andréa Eichelberger
Três de Maio - Emilene Andréa EichelbergerTrês de Maio - Emilene Andréa Eichelberger
Três de Maio - Emilene Andréa EichelbergerCursoTICs
 
Três de Maio - Claudenir Beatriz Grizotti
Três de Maio - Claudenir Beatriz GrizottiTrês de Maio - Claudenir Beatriz Grizotti
Três de Maio - Claudenir Beatriz GrizottiCursoTICs
 
Três de Maio - Arlete Justina Monegat Hamerski
Três de Maio - Arlete Justina Monegat HamerskiTrês de Maio - Arlete Justina Monegat Hamerski
Três de Maio - Arlete Justina Monegat HamerskiCursoTICs
 
Três de Maio - Taísa Soares Valdameri
Três de Maio - Taísa Soares ValdameriTrês de Maio - Taísa Soares Valdameri
Três de Maio - Taísa Soares ValdameriCursoTICs
 
Sobradinho - Simoni Timm Hermes
Sobradinho - Simoni Timm HermesSobradinho - Simoni Timm Hermes
Sobradinho - Simoni Timm HermesCursoTICs
 
Sobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da SilvaSobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da SilvaCursoTICs
 
Sobradinho - Rômulo Limberger da Silva
Sobradinho - Rômulo Limberger da SilvaSobradinho - Rômulo Limberger da Silva
Sobradinho - Rômulo Limberger da SilvaCursoTICs
 
Sobradinho - Marcele Lazzari
Sobradinho - Marcele LazzariSobradinho - Marcele Lazzari
Sobradinho - Marcele LazzariCursoTICs
 
Sobradinho - Luciano Machado
Sobradinho - Luciano MachadoSobradinho - Luciano Machado
Sobradinho - Luciano MachadoCursoTICs
 
Sobradinho - Larissa Perobelli Rech
Sobradinho - Larissa Perobelli RechSobradinho - Larissa Perobelli Rech
Sobradinho - Larissa Perobelli RechCursoTICs
 
Sobradinho - Helena Maria da Silva Rech
Sobradinho - Helena Maria da Silva RechSobradinho - Helena Maria da Silva Rech
Sobradinho - Helena Maria da Silva RechCursoTICs
 
Sobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva BandeiraSobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva BandeiraCursoTICs
 
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro Vendruscollo
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro VendruscolloSobradinho - Diana Lurdes Muraro Vendruscollo
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro VendruscolloCursoTICs
 

Mais de CursoTICs (20)

Três de Maio - Terezinha Nilza Zawatski
Três de Maio - Terezinha Nilza ZawatskiTrês de Maio - Terezinha Nilza Zawatski
Três de Maio - Terezinha Nilza Zawatski
 
Três de Maio - Solange Backes
Três de Maio - Solange BackesTrês de Maio - Solange Backes
Três de Maio - Solange Backes
 
Três de Maio - Nilda Clair de Souza Binn
Três de Maio - Nilda Clair de Souza BinnTrês de Maio - Nilda Clair de Souza Binn
Três de Maio - Nilda Clair de Souza Binn
 
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso Tuzzin
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso TuzzinTrês de Maio - Maria Iraci Cardoso Tuzzin
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso Tuzzin
 
Três de Maio - Laenir Ana Busanello Sipmann
Três de Maio - Laenir Ana Busanello SipmannTrês de Maio - Laenir Ana Busanello Sipmann
Três de Maio - Laenir Ana Busanello Sipmann
 
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesTrês de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
 
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de Mattos
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de MattosTrês de Maio - Flávia Hitomi Takei de Mattos
Três de Maio - Flávia Hitomi Takei de Mattos
 
Três de Maio - Emilene Andréa Eichelberger
Três de Maio - Emilene Andréa EichelbergerTrês de Maio - Emilene Andréa Eichelberger
Três de Maio - Emilene Andréa Eichelberger
 
Três de Maio - Claudenir Beatriz Grizotti
Três de Maio - Claudenir Beatriz GrizottiTrês de Maio - Claudenir Beatriz Grizotti
Três de Maio - Claudenir Beatriz Grizotti
 
Três de Maio - Arlete Justina Monegat Hamerski
Três de Maio - Arlete Justina Monegat HamerskiTrês de Maio - Arlete Justina Monegat Hamerski
Três de Maio - Arlete Justina Monegat Hamerski
 
Três de Maio - Taísa Soares Valdameri
Três de Maio - Taísa Soares ValdameriTrês de Maio - Taísa Soares Valdameri
Três de Maio - Taísa Soares Valdameri
 
Sobradinho - Simoni Timm Hermes
Sobradinho - Simoni Timm HermesSobradinho - Simoni Timm Hermes
Sobradinho - Simoni Timm Hermes
 
Sobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da SilvaSobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da Silva
 
Sobradinho - Rômulo Limberger da Silva
Sobradinho - Rômulo Limberger da SilvaSobradinho - Rômulo Limberger da Silva
Sobradinho - Rômulo Limberger da Silva
 
Sobradinho - Marcele Lazzari
Sobradinho - Marcele LazzariSobradinho - Marcele Lazzari
Sobradinho - Marcele Lazzari
 
Sobradinho - Luciano Machado
Sobradinho - Luciano MachadoSobradinho - Luciano Machado
Sobradinho - Luciano Machado
 
Sobradinho - Larissa Perobelli Rech
Sobradinho - Larissa Perobelli RechSobradinho - Larissa Perobelli Rech
Sobradinho - Larissa Perobelli Rech
 
Sobradinho - Helena Maria da Silva Rech
Sobradinho - Helena Maria da Silva RechSobradinho - Helena Maria da Silva Rech
Sobradinho - Helena Maria da Silva Rech
 
Sobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva BandeiraSobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
Sobradinho - Fátima Regina da Silva Bandeira
 
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro Vendruscollo
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro VendruscolloSobradinho - Diana Lurdes Muraro Vendruscollo
Sobradinho - Diana Lurdes Muraro Vendruscollo
 

Último

Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Agudo - Christiane Ramos

  • 1. Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Educação a Distância da UFSM - EAD Projeto Universidade Aberta do Brasil - UAB Especialização em Tecnologias da Informação e da Comunicação Aplicadas à Educação PÓLO: Agudo DISCIPLINA: Elaboração de Artigo Científico PROFESSOR ORIENTADOR: Ronaldo Martins Glufke 04/10/2010 Uso das Tecnologias da Informação e Comunicação em Programas de Educação Ambiental nas Unidades de Conservação do Rio Grande do Sul Use of Information and Communication Technologies in Environmental Education Programs in the Protected Areas of Rio Grande do Sul RAMOS, Christiane Licenciada em Biologia pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) A despeito da natural convergência entre as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e a Educação Ambiental (EA), em alguns contextos, como no caso da EA desenvolvida em Unidades de Conservação (UC), são ainda incipientes as iniciativas, ou pelo menos são poucos os casos relatados. Este artigo apresenta uma pesquisa preliminar sobre o uso das nos programas de EA desenvolvidos nas UC localizadas no estado do Rio Grande do Sul (RS). Através da aplicação de um questionário aos gestores das UC, via mensagem eletrônica, foi avaliado o desenvolvimento de programas de EA, bem como o uso de TIC nesses programas. Apesar da maioria das UC avaliadas utilizarem pelo menos uma das TIC apresentadas no questionário, as baixas freqüências alcançadas por quase todos os itens evidenciam que as TIC ainda são pouco utilizadas na EA desenvolvida nas UC do estado. Palavras-chave: Tecnologias da Informação e Comunicação, Educação Ambiental, Unidades de Conservação.
  • 2. Despite the natural convergence between Information and Communication Technology (ICT) and Environmental Education (EE), in some contexts, such as the EE developed in Protected Areas (PA), the initiatives are still incipient, or at least are few cases reported. This paper presents preliminary research on the use of ICT in programs of EE developed in the PA in the state of Rio Grande do Sul (RS). By applying a questionnaire to managers of protected areas, via electronic mail, we evaluated the development of EE programs, as well as the use of ICTs in these programs. While most PA evaluated using ICT at least one provided in the questionnaire, the low frequencies achieved for almost all items showed that ICT are still little used in the EE developed in the PA of the RS state. Keywords: Information and Communication Technologies, Environmental Education, Protected Areas. INTRODUÇÃO As Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) apresentam um grande diferencial em relação aos meios clássicos de comunicação, baseados na unidirecionalidade do processo comunicativo. Diferentemente destes, as TIC possibilitam uma maior interação entre os pólos de comunicação, permitindo que ambos interfiram na mensagem (MORAES et al, 2006). Calcada no uso das tecnologias associadas à informática e no grande desenvolvimento das telecomunicações, as TIC têm promovido profundas modificações na nossa forma de conhecer o mundo, no modo de representá-lo e na transmissão dessas representações, democratizando um pouco mais as informações (RODRIGUES & COLESANTI, 2008). A necessidade de responder às questões que surgem diariamente, frente a um cenário atual de transformações e descobertas científicas e tecnológicas, tem exigido que as pessoas cada vez mais trabalhem em conjunto e essa colaboração requer comunicação (SCHEIBEL et al, 2009). O uso da rede mundial, assim como dos recursos da hipermídia, viabilizam sobremaneira essa comunicação, rompendo barreiras geográficas de espaço e tempo, e permitindo o surgimento de um processo cooperativo de construção dos saberes (SANTOS, 1998).
  • 3. Neste sentido, as TIC tem contribuído para a criação de um novo espaço social, no qual uma aprendizagem cooperativa, caracterizada pelo trabalho em equipe, auxílio mútuo, troca de idéias, realização de negociações e tomada de decisões coletivas, pode ser desenvolvida (TRIMBUR, 1989; SCHEIBEL et al, 2009). Segundo Arriada & Ramos (2003), esses novos ambientes de aprendizagem podem ser caracterizados como amplamente favoráveis à criatividade, autonomia, criticidade e cooperação. Um tema que surgiu e se intensificou nas últimas décadas refere-se à degradação do meio ambiente. Dentre as diversas estratégias que têm sido empregadas na reversão dos problemas ambientais, a Educação Ambiental (EA) tem recebido uma especial atenção. Através da EA, busca-se a formação de atitudes ecológicas e cidadãs, por meio do desenvolvimento de capacidades e sensibilidade para identificar e compreender os problemas ambientais e mobilizar-se e comprometer-se com a tomada de decisões voltadas a solução dos mesmos (CARVALHO, 2004). A integração das TIC à EA tem sido de fundamental importância no atual cenário, uma vez que essas tecnologias têm o potencial de promover a sensibilização e o conhecimento dos ambientes e de seus problemas de uma forma mais atrativa, interativa, instigante, e, portanto, mais adaptada aos atuais hábitos perceptivos de uma “sociedade multimídia” (RODRIGUES & COLESANTI, 2008). Essa integração tem ocorrido de forma natural, uma vez que tanto as TIC quanto a EA atuam na formação política da cidadania e na mudança de valores e atitudes, favorecendo o conceito de inter-relação e a convivência entre os seres humanos (CARVALHO, 2004a; MOLON et al, 2009). Os contextos e as formas em que essa integração tem acontecido, entretanto, são variados. Em geral, as TIC têm se constituído em instrumentos de apoio ao desenvolvimento do tema educação ambiental nos currículos escolares (SILVA et al, 2008; ANDRADE & VOSGERAU, 2009) e na formação de educadores ambientais (GUERRA, 2001) ou como material didático produzido para a EA, tanto no ensino formal quanto no ensino não formal (EICHLER & DEL PINO, 2006; RODRIGUES, 2007). A despeito da natural convergência entre as TIC e a EA, em alguns contextos são ainda incipientes as experiências nesse sentido, ou pelo menos são poucos os casos relatados. É o caso do uso das TIC na EA desenvolvida em Unidades de Conservação (UC). Essas áreas especialmente protegidas com o objetivo de conservar a biodiversidade têm na EA a forma mais adequada de sensibilizar e despertar a consciência crítica da comunidade para esse objetivo (CERATI & LAZARINI, 2009).
  • 4. Entretanto, apesar das inúmeras iniciativas do uso das TIC em outros contextos da EA, pouco se sabe sobre a sua contribuição para a EA realizada nessas áreas protegidas. Considerando-se este cenário, o presente trabalho objetivou avaliar preliminarmente o uso das TIC nos programas de EA desenvolvidos nas UC localizadas no estado do Rio Grande do Sul (RS). Com isso pretende contribuir para o conhecimento do papel atual das TIC nesse contexto, bem como lançar uma luz sobre a disponibilidade de materiais didáticos relacionados a esse tipo de mídia nas UC. Educação Ambiental e as TIC De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) do ensino fundamental, o meio ambiente e a EA são temas transversais, devendo ser discutidos em todas as áreas de estudo, de forma interdisciplinar, e não individualizada em uma única disciplina (BRASIL, 1997). Essa determinação foi estendida a todos os níveis e modalidades do processo educativo, da educação formal e não formal, com o advento da lei n.º 9.795, que instituiu a Política Nacional de Educação Ambiental (SECAD, 2010). Segundo Andrade & Vosgerau (2009), houve no Brasil um expressivo aumento da associação sistemática entre o uso pedagógico do computador e a existência da EA nas escolas do ensino fundamental. Para esses autores, todas as esferas de gestão educacional (municipal, estadual e federal) estão empenhadas em integrar educação e tecnologia, no intuito de oferecer maiores alternativas de aprendizagem ao aluno. Programas e ações federais como o Programa Nacional de Informática na Educação- PROINFO e o Guia de Tecnologias Educacionais tem contribuído fortemente para isso. Diversos são os recursos relacionados às TIC no contexto educacional, sendo que o uso do computador e da internet são as principais ferramentas às quais outros recursos estão associados (ANDRADE & VOSGERAU, 2009). Segundo Rodrigues & Colesanti (2008), a Internet e o ambiente digital viabilizam não somente a divulgação de informações em diferentes formas (textuais, fotografias, filmes, mapas, etc.), mas também permitem a sua integração, caracterizando-a como uma multimídia. Esse suporte digital é de grande relevância para o desenvolvimento da EA, por permitir problematizar o saber ambiental, “colocando-o em uma perspectiva onde os alunos possam se apropriar e utilizá-lo para a construção das atitudes ecológicas”.
  • 5. Outros recursos, relacionados à implementação dessa informação, tais como o uso de câmeras digitais, processadores de texto, de sons, digitalizadores de mapas, entre outros, também são ferramentas de grande utilidade na EA desenvolvida no ensino formal (SILVA et al, 2008; RODRIGUES & COLESANTI, 2008; ANDRADE & VOSGERAU, 2009). Um aspecto importante a ser considerado na integração das TIC à EA é o desenvolvimento de materiais didáticos adequados a essas tecnologias. Neste sentido há um número crescente de iniciativas na produção de objetos de aprendizagem digital, que podem compreender jogos, textos, vídeos, gráficos, áudio, animações, apresentações, etc. A Rede Interativa Virtual de Educação (RIVED), um programa da Secretaria de Educação a Distância - SEED do MEC, tem dado um grande suporte à produção de conteúdos pedagógicos digitais, na forma de objetos de aprendizagem, por meio de capacitações realizadas junto às instituições de ensino superior e na rede pública de ensino (SEED, 2010). Energos (EICHLER et al, 2006), Carbópolis (EICHLER & DEL PINO, 2006) e o Jogo Tartarugas (FILHO et al, 2010) são exemplos de objetos de aprendizagem digital direcionados à EA. Um fator importante a ser ressaltado nesse contexto é a qualidade pedagógica desses materiais didáticos produzidos. Com relação a isso, Rodrigues & Colesanti (2008) registram que não há ainda o estabelecimento de “modelos de sucesso”, o que pode levar a experimentações dos mais variados tipos, como também a uma simples transferência de conteúdos e formas dos meios tradicionais para o meio digital. O uso das TIC também tem se tornado presente na formação dos educadores ambientais. Santos (2000) relata o uso da Internet na formação do oceanógrafo, como educador ambiental habilitado a organizar programas e projetos de EA relacionados às áreas costeiras. Por outro lado, cada vez mais se faz uso das TIC como plataformas de apoio à formação continuada em EA, na modalidade de Ensino à Distância (ZAKRZEVSKI et al, 2006). A EA não formal, entretanto, ainda carece de uma maior atenção quanto ao uso das TIC. Escassas são as iniciativas neste sentido, apesar de áreas como a gestão de unidades de conservação demandarem um forte investimento em EA. Educação Ambiental em Unidades de Conservação e o uso de TIC
  • 6. De acordo com a legislação que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), Lei n.° 9.985/2000, as UC são áreas protegidas com o objetivo de conservar a biodiversidade e outros atributos naturais nelas contidas, com o mínimo de impacto (ICMBio, 2010). As UC são divididas em unidades de proteção integral, nas quais se admite o mínimo de interferência humana nos ecossistemas, e as unidades de uso sustentável, que têm por objetivo compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável dos recursos. São considerados de proteção integral, os Parques Nacionais, Monumentos Naturais e Refúgios de Vida Silvestre, as Estações Ecológicas e as Reservas Biológicas. Fazem parte das unidades de uso sustentável, as Áreas de Proteção Ambiental, Áreas de Relevante Interesse Ecológico, Florestas Nacionais, Estaduais e Municipais, Reservas de Fauna, Reservas de Desenvolvimento Sustentável e Reservas Extrativistas (ICMBio, 2010). No que tange a gestão dessas áreas protegidas, a EA desempenha um papel central, visto que a sensibilização e o despertar da consciência crítica da comunidade para a proteção dos recursos naturais é a forma mais adequada de proteção dessas áreas (CERATI & LAZARINI, 2009). Neste sentido, diversas estratégias tem sido empregadas para implementação da EA em áreas protegidas. Uma dessas estratégias diz respeito à instituição da gestão participativa, proposta implementada principalmente a partir da regulamentação do SNUC pelo decreto n.° 4.340/2002. Esta iniciativa, caracterizada pelo estabelecimento de Conselhos de Unidades de Conservação, de caráter consultivo ou deliberativo, busca uma maior democratização na elaboração e na execução das políticas públicas, de modo sustentável, por meio da participação permanente dos diferentes agentes internos e externos à UC (LOUREIRO & CUNHA, 2008). Por outro lado, são inúmeras as iniciativas de EA relacionadas à sensibilização e interpretação do ambiente junto a visitantes, turistas ou moradores do entorno, seja através da implantação de Centros de Interpretação Ambiental, de trilhas interpretativas, de vivências ou da recreação ao ar livre (NEIMAN & RABINOVICI, 2002; VENDRAMETTO, 2004; CAMPOS & FERREIRA, 2006; MOREIRA, 2008) No Brasil, são ainda poucos os trabalhos em EA nas UC que tratam do uso das TIC. Santos et al (2000) relatam o uso de Sistemas de Informações Geográficas para a caracterização do sistema ambiental e sensibilização dos grupos sociais em relação ao problemas ambientais da Estação Ecológica de Jataí, em São Paulo. Rodrigues (2007) desenvolveu material didático em hipermídia, com o uso de imagens, textos e sons
  • 7. referentes ao Parque Municipal Victorio Siquierolli, em Minas Gerais. Mais recentemente, Moreira (2008) fez uma avaliação do uso do patrimônio geológico das Unidades de Conservação em atividades interpretativas, educativas e geoturísticas no país, avaliando também as diversas estratégias de abordagem, incluindo o uso das TIC. O mesmo estudo compara as iniciativas brasileiras com outros países, evidenciando que há ainda uma grande trajetória a ser percorrida. No estado do Rio Grande do Sul, o sistema de Unidades de Conservação é constituído por 58 áreas de proteção sob o poder público, sendo 12 federais, 22 estaduais e 24 municipais (SEMA, 2010). Este número, somado a outras tantas UC particulares, abrangem uma área de 712.763 ha (SEPLAG, 2008), que é distribuída nas diferentes regiões do estado, conforme evidencia a Figura 1. Apesar de diversas iniciativas de EA ocorrentes nas UC do Rio Grande do Sul, nada se sabe sobre a utilização das TIC nessas iniciativas, resultando numa lacuna importante do conhecimento sobre o potencial de uso dessas tecnologias. Figura 1 - Municípios do Rio Grande do Sul com Unidades de Conservação Federais, Estaduais, Municipais e/ou particulares, em 2008. Fonte: SEPLAG (2008).
  • 8. METODOLOGIA O presente estudo foi baseado em uma pesquisa on-line, na qual um questionário foi enviado aos gestores das UC públicas localizadas no estado do Rio Grande do Sul, via mensagem eletrônica, no período de agosto/setembro de 2010. O recebimento dos questionários respondidos também se deu por mensagem eletrônica. Desta forma, a população alvo desta pesquisa constituiu-se em 58 UC, sendo duas unidades desconsideradas, em função de atualmente estarem desprovidas de gestores. Foram, portanto, enviados 56 questionários apresentando seis perguntas com respostas fechadas, abordando: a identificação da unidade, a caracterização do público alvo da UC, a quantidade de visitantes no ano de 2009, a existência de programa ou atividades de EA, o uso de TIC nessas atividades e quais tecnologias são empregadas. Os dados são apresentados sob a forma de freqüência das respostas obtidas, sendo analisados para o total de UC, assim como para cada categoria de UC, quando pertinente. RESULTADOS E DISCUSSÃO Do total de 56 questionários enviados aos gestores de UC, foram recebidos 23 respondidos, perfazendo um tamanho amostral de 41,1%, conforme mostrado na Tabela 1. Esta tabela também evidencia que a percentagem de UC amostradas foi variável conforme sua categoria. Das oito categorias de UC existentes no estado, duas não foram contempladas na amostragem (Jardim Botânico / Horto Florestal e Refúgio de Vida Silvestre), uma apresentou baixa representatividade (Reserva Biológica) e as demais foram amostradas em pelo menos 40%. O índice de retorno de aproximadamente 41% pode ser considerado razoável, visto que questionários que são enviados para os entrevistados alcançam em média 25% de devolução, segundo estudo de Marconi & Lakatos (2005). No presente trabalho, os questionários foram enviados e recebidos por mensagem eletrônica, de modo que diversos fatores podem ter influenciado na transmissão das mensagens, tais como
  • 9. endereços eletrônicos desatualizados, caixas de correio eletrônico lotadas, falta de freqüência na verificação de e-mails, falhas técnicas de transmissão, entre outros. Tabela 1 – Número e percentagem de questionários respondidos em relação ao total de UC localizadas no estado do Rio Grande do Sul, por categoria da unidade. Número de UC no Número e % de RS questionários respondidos Área de Proteção Ambiental 10 5 50 Área de Relevante Interesse Ecológico 2 1 50 Estação Ecológica 3 2 66,7 Floresta Nacional 3 2 66,7 Jardim Botânico / Horto Florestal 1 0 0 Parque (Municipal, Estadual ou Nacional) 29 12 41,4 Refúgio de Vida Silvestre 1 0 0 Reserva Biológica. 7 1 14,3 Total 56 23 41,1 Pode-se considerar que as três esferas de poder público, gestoras das UC, foram contempladas de maneira semelhante na amostragem, conforme evidencia a Tabela 2. Portanto, os resultados refletem de maneira equilibrada a contribuição das diferentes políticas adotadas pelas UC. Tabela 2 – Número de questionários respondidos pelos gestores das unidades de conservação localizadas no estado do Rio grande do Sul por categoria da unidade e órgão gestor. Número de Questionários respondidos Categoria da Unidade de Conservação Municipal Estadual Federal Total Área de Proteção Ambiental 3 1 1 5 Área de Relevante Interesse Ecológico 1 1 Estação Ecológica 2 2 Floresta Nacional 2 2 Parque 4 5 3 12 Reserva Biológica 1 1 Total 9 6 8 23
  • 10. O tipo de público atendido pelas UC no estado é bastante amplo, de modo que todos os tipos avaliados estão presentes em no mínimo 70% das Unidades (Tabela 3). As UC são mais freqüentadas pelo público em geral (em torno de 87% delas). Naturalmente, os resultados por categoria de UC refletem as suas restrições de uso conforme a legislação. Por outro lado, a visitação, tomando por base o ano de 2009, foi em sua maioria superior a 1000 visitantes. Mais uma vez, a influência do tipo de UC foi diferencial, onde Parques e Florestas Nacionais apresentaram uma maior intensidade de visitação. Informações adicionais, fornecidas pelos próprios gestores nos questionários, dão conta que, exceto algumas, a mairoia das UC recebem um número de visitantes não muito supeior a 1000. Tabela 3 – Tipo e número de público visitante no ano de 2009 indicados nos questionários respondidos por categoria de unidade de conservação localizada no estado do Rio Grande do Sul: (A) Área de Proteção Ambiental, (B) Área de Relevante Interesse Ecológico, (C) Estação Ecológica, (D) Floresta Nacional, (E) Parque e (F) Reserva Biológica. Número de citações por Categoria da UC Número total e % de A B C D E F citações Tipo de público visitante Estudantes 1 1 2 2 9 1 15 69,56 Pesquisadores 3 1 2 2 9 1 17 78,26 Público em geral 4 1 2 2 11 0 19 86,95 Número de visitantes (2009) Até 50 1 0 0 0 1 0 2 9,09 De 50 a 500 4 0 1 0 2 0 7 31,82 De 500 a 1000 0 0 0 0 0 1 1 4,55 Mai de 1000 0 1 1 2 9 0 13 56,52 A quase totalidade dos gestores das UC amostradas (91,3%) registrou o desenvolvimento de programas ou atividades de EA, conforme evidencia a Tabela 4. Apenas uma Área de Proteção Ambiental e um Parque estadual amostrados não desenvolvem atividades de EA. Quanto ao uso de TIC nessas atividades, 80,1% registrou o uso de pelo menos umas das tecnologias sugeridas no questionário. Neste quesito, os Parques e as Áreas de Proteção Ambiental apresentaram as menores freqüências, 72,7 e 75%, respectivamente.
  • 11. Tabela 4 – Número e percentagem de questionários indicando a presença de programa ou atividades de Educação Ambiental e uso de TIC nessas atividades, por categoria de unidade de conservação localizada no estado do Rio Grande do Sul. Iniciativas em EA Uso de TIC Categoria da Unidade de Conservação Número % Número % Área de Proteção Ambiental 4 80 3 75 Área de Relevante Interesse Ecológico 1 100 1 100 Estação Ecológica 2 100 2 100 Floresta Nacional 2 100 2 100 Parque 11 91,66 8 72,7 Reserva Biológica 1 100 1 100 Total 21 91,3 17 80,1 Na Tabela 5 são apresentadas as freqüências de citações para cada TIC nas diferentes categorias de UC. O tipo de UC em que houve o maior número de TIC citadas foi o Parque. Dentre as TIC sugeridas no questionário, o uso de multimídia foi a mais citada (59,1%), seguida pelo uso de CD/DVD informativo (36,4%) e a disponibilização de computadores na UC (26%). O uso de “site” na Internet com informações da UC vêm apenas em quarto lugar (22,7%), sendo que o uso de “sites” mais elaborados e blogs registraram baixíssimas freqüências de citações. Este panorama é diferente daquele encontrado em outros países como Estados Unidos, Inglaterra, República Checa e Portugal, cujas UC fazem uso da Internet para a introdução de elementos de geoeducação e informações turísticas (MOREIRA, 2008). Uma breve avaliação do site do Serviço Nacional de Parques dos Estados Unidos (U.S.NPS, 2010) também evidencia a discrepância do uso dessa tecnologia por parte daquele país em relação aos resultados obtidos no presente estudo. Estudos futuros devem ser dirigidos à avaliação sistemática do uso dos “sites” das UC brasileiras para o desenvolvimento de atividades educativas. Registra-se ainda que "Web-Quest” ou jogos na Internet e CD/DVD com jogos educativos não foram citados sequer uma única vez entre os questionários. Este resultado indica que os esforços relacionados à produção de objetos de aprendizagem digitais ainda não alcançaram a EA desenvolvida em UC e que Iniciativas como a de Rodrigues (2007), que produziu material didático em hipermídia para uma UC, são ainda exceções.
  • 12. Os resultados obtidos neste trabalho indicam uma limitação no uso das TIC na EA desenvolvida nas UC amostradas. Tal resultado pode refletir as dificuldades de implementação, produção e/ou gestão dessas tecnologias por parte das UC, medidas que dependem dos recursos financeiros e humanos disponíveis ou ainda das políticas institucionais desenvolvidas pelas respectivas esferas públicas. Segundo Carvalho et al (1998), que avaliaram os problemas associados ao desenvolvimento da EA em UC federais, estes são os principais problemas enfrentados pelas UC, no que tange a EA. Além das TIC sugeridas nos questionários, outras foram citadas espontaneamente pelos gestores, tais como o uso dos programas “Google Earth” e “Flicker” e material impresso como folders, livretos e painéis explicativos. Ressalta-se que as citações referentes ao uso de computadores nas UC podem não ter representado a intenção prevista no questionário, que era a disponibilização deles ao público visitante. É possível que as citações se refiram ao uso dessa tecnologia na gestão da UC. Chama atenção também que a TIC mais utilizada – uso de multimídia – é justamente aquela que, requerendo a presença tanto do comunicador quanto dos receptores, atinge apenas o público que freqüenta a UC. Tabela 5 – Número e percentagem de citação das TIC utilizadas nos programas ou atividades de educação ambiental nas unidades de conservação localizadas no estado do Rio Grande do Sul, por categoria da unidade: (A) Área de Proteção Ambiental, (B) Área de Relevante Interesse Ecológico, (C) Estação Ecológica, (D) Floresta Nacional, (E) Parque e (F) Reserva Biológica. Número de citações por Categoria da UC Total de A B C D E F citações % Disponibiliza computadores na UC 0 0 0 2 3 1 5 26 “Site” na Internet com informações 1 0 0 0 3 1 5 22,7 “Site” na Internet com “Chat”, fóruns ou questionários 0 0 0 0 1 0 1 4,5 “Blog” na Internet 1 0 0 0 0 0 1 4,5 "Web-Quest” ou jogos na Internet 0 0 0 0 0 0 0 0 CD/DVD informativos 1 1 1 0 4 1 8 36,4 CD/DVD com jogos educativos 0 0 0 0 0 0 0 0 Uso de Multimídia (data-show) 3 1 2 1 5 1 13 59,1 Outros 1 0 1 0 2 0 4 18,2 Total de citações 7 2 4 2 18 4
  • 13. CONCLUSÕES Os resultados permitem concluir que o uso das TIC na EA realizada nas UC do estado do Rio Grande do Sul está associado principalmente à presença do visitante, sendo ainda pouco utilizados os recursos da Internet e, quando utilizados, são pouco explorados em suas potencialidades. O mesmo pode ser dito quanto ao uso de CD/DVD, que somente são informativos, não explorando as possibilidades de interação que a mídia permite. Estudos futuros devem avaliar os reais fatores que tem moldado essa realidade. Sugere-se, preliminarmente, que esforços sejam feitos no sentido de subsidiar as UC com a produção de materiais didáticos que possam ser veiculados em mídias relacionadas às TIC. A produção desses materiais deve levar em conta a sua atratividade e adequação aos propósitos específicos de cada UC e que sejam elaborados de modo a permitir uma maior interação com o ambiente de aprendizagem. Outra importante medida é o estímulo ao debate sobre o potencial das TIC na veiculação de informações e na EA em áreas protegidas. Pretende-se com isso qualificar a EA realizada nas UC, assim como atingir também aquelas pessoas que não as freqüentam. REFERÊNCIAS ANDRADE, V. L. A. M. & VOSGERAU, D. S. R. As tecnologias de informação e comunicação (tic) como facilitadoras às práticas pedagógicas voltadas para a educação ambiental. IX Congresso Nacional de Educação, 2009. Em: http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/3683_2198.pdf. Acessado em 18/12/2010. ARRIADA, M. C & RAMOS, E. F. Como Promover Condições Favoráveis à Aprendizagem Cooperativa Suportada por Computador? Em: http://www.inf.ufsc.br/~edla/publicacoes/AprendizagemCooperativaRBIE.pdf. Acessado em: 15/09/2010. BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente, saúde. Brasília: Secretaria de Educação fundamental, 1997. CAMPOS, A. M. N. & FERREIRA, E. A. Trilha Interpretativa: busca por conservação ambiental. Caderno Virtual de Turismo, Vol. 6, N° 1 (2006). Em www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/ojs/include/getdoc.php?id=913...pdf. Acessado em 18/12/2010.
  • 14. CARVALHO, C. A. R. DE, FILHO, W. L. & HALE, W. H. G. An analysis of the problems of developing environmental education in Brazilian Federal protected areas. The Environmentalist 18, 223-229 (1998). CARVALHO, I. C. DE M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004, 256p. CARVALHO, I. C. DE M. Educação ambiental crítica: nomes e endereçamentos. In: LAYRARGUES, P.P. (coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004a. CERATI, T. M. & LAZARINI, R. A. DE M. A pesquisa-ação em educação ambiental: uma experiência no entorno de uma unidade de conservação urbana. Ciência e Educação, v. 15, n. 2, p. 383-92, 2009. EICHLER, M. L. & DEL PINO, J. C. Ambientes Virtuais de Aprendizagem – Desenvolvimento de avaliação de um projeto em Educação Ambiental. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006, 175p. EICHLER, M. L., PERRY, G. T., GONÇALVES, M. G. & DEL PINO, J. C. Energos, um objeto de aprendizagem para o debate escolar sobre os meios de produção de energia elétrica. CINTED-UFRGS - Tecnologias na Educação, V. 4 Nº 2, Dezembro, 2006, 1-12. FILHO, J. W. S, BRITO, C. E. N., SANTOS, C. L., ALVES, A. C. M. & SCHNEIDER, H. N. Jogo Tartarugas: Objeto de Aprendizagem na Educação Ambiental. IV Seminário de Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação, 2010. GUERRA, A. F. S. A educação ambiental em áreas costeiras: o uso da web como ferramenta na formação do oceanógrafo. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. Volume 6, julho, agosto, setembro de 2001. Em http://www.remea.furg.br/mea/remea/vol6/guerra.pdf. Acessado em 10/09/2010. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Em http://www.icmbio.gov.br. Acessado em 5/09/2010. LOUREIRO, C. F. B., CUNHA, C. C. Educação ambiental e gestão participativa de unidades de conservação: elementos para se pensar a sustentabilidade democrática. Ambiente & Sociedade, Campinas, v. XI, n. 2, p. 237-253, 2008. MARCONI, M. A. & LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6ª Ed. São Paulo: Atlas, 2005. MOLON, S. I., ARRUDA, R. D & PAREDES, J. A formação em educação ambiental e as TIC: um olhar sobre o PPGEA/FURG-Brasil. Didácticas específicas. Revista electrónica Nº 0. Em http://www.didacticasespecificas.com, 2009. Acessado em 14 de setembro de 2010. MORAES, R. A., DIAS, A. C. & FIORENTINI, L. M. R. As Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação: as perspectivas de Freire e Bakhtin. UNIrevista, Vol. 1, n° 3 : (julho 2006). Em http://www.alaic.net/ponencias/UNIrev_Moraes_e_outros.pdf. Acessado em 19 de setembro de 2010.
  • 15. MOREIRA, J. C. Patrimônio Geológico em Unidades de Conservação: atividades interpretativas, educativas e geoturísticas. Tese de doutorado, Florianópolis, 2008. Em http://www.geoturismobrasil.com/artigos/Tese%20Jasmine%20Moreira_Cap%200%20a% 203.pdf. Acessado em 19/12/2010. NEIMAN, Z & RABINOVICI, A. O Cerrado como instrumento para educação ambiental em atividades de ecoturismo. (in) Meio Ambiente Educação e Ecoturismo. Org. Zysman Neiman. Manole, Barueri, SP, 2002, 181p. RODRIGUES, G. S. Z. C. Educação ambiental e hipermídia: a construção de um material didático para o Parque Municipal Victorio Siquierolli. Tese de doutorado, 2007. Em http://www.ig.ufu.br/sites/ig.ufu.br/files/Anexos/Bookpage/gelze_rodrigues.pdf. Acessado em 18/12/2010. RODRIGUES, G. S. Z. C. & COLESANTI, M. R. DE M. Educação Ambiental e as Tecnologias de Informação e Comunicação. Sociedade & Natureza, Uberlândia, 20 (1): 51-66, jun. 2008. SANTOS, N. Espaços Virtuais de Ensino e Aprendizagem. Em http://www.scribd.com/doc/6795012/Neide-Santos-Espacos-Virtuais-de-Ensino-e- Aprendizagem. Acessado em: 15/09/2010. SANTOS, J. E. dos, SATO, M., PIRES, J. S. R. & MAROTI, P. S. Environmental education práxis toward a natural conservation área. Rev. Brasil. Biol. 60 (3): 361-372, 2000. SECAD. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (MEC). Programas e ações. Em http://portal.mec.gov.br. Acessado em 18/12/2010. SEED. Secretaria de Educação a Distância (MEC). Rede Interativa Virtual de Educação (RIVED). Em http://rived.mec.gov.br/. Acessado em 18/12/2010. SEPLAG. Secretaria de Planejamento e Gestão do RS. Trilhas Gaúchas – Indicadores do Futuro 2008. Em http://www.seplag.rs.gov.br/. Acessado em 10/09/2010. SEMA. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Unidades de Conservação. Secretaria Estadual do Meio Ambiente do RS, Em http://www.sema.rs.gov.br/sema/html/bio.htm. Acessado em 10/09/2010. SCHEIBEL, M. R., SILVEIRA, R. M. C. F., RESENDE, L. M. & JÚNIOR, G. S. APRENDIZAGEM COOPERATIVA: uma opção metodológica para se trabalhar as questões da Ciência e da Tecnologia nos cursos de formação de professores. Anais do I Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia – 2009, Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR, 1506-1520. SILVA, M. A. G. D. , OBARA, A. T. & MARCOLLI, A. G. M. Integrando Tecnologias de Informática à Educação Ambiental no ensino médio e fundamental às margens do Rio
  • 16. Paraná, Porto Rico - Pr – Tedam, em www.peld.uem.br/Relat2008/pdf/Capitulo18.pdf. Acessado em 20/12/2010. TRIMBUR, J. (1989). Consensus and Difference in Collaborative Learning. College English, 51 (6), 602-16. US NPS – National Park Service. Em http://www.nps.gov/index.htm. Acessado em 20/12/2010. VENDRAMETTO, L. P. Educação ambiental em unidades de conservação: um estudo de caso na área de proteção ambiental de Sousas e Joaquim Egídio. Dissertação de mestrado. Piracicaba, 2004, 108p. ZAKRZEVSKI, S. B, DEFFACI, A. C. & LOSEKANN, C. C. A formação de professores em educação ambiental à distância: relato de uma experiência. UNIrevista - Vol. 1, n° 2 : (abril) 2006. Christiane Ramos chris.ramos2@gmail.com Ronaldo Martins Glufke rglufke@gmail.com-