1
APIMEC 2015
DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 3T15
27 de Outubro de 2015
2
Selo APIMEC 14 ANOS
3
Disclaimer
As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva
dos negócios da Companhia, às projeções e res...
4
ISA
Apresentação para Investidores
APIMEC 2015
Sao Paulo 27 de outubro 2015
The IR Recognition granted by the Colombian Securi...
AGENDA
6
Hoje, a ISA é uma das maiores companhias da
América Latina…
7
TRANSMISSÃO DE ENERGIA
ELÉTRICA
COCESSÃO
DE RODOVIAS
TRANSPO...
A ISA é reconhecida como uma companhia com ampla experiência técnica,
realizando suas atividades em um contexto de sustent...
Crescimento limitado na Colômbia levou a ISA
à evolução no modelo de negócios…
Líder em transmissão
de energia na COL.
Men...
AGENDA
10
A ISA no Brasil tem uma ampla história e um
investimento diversificado…
11
Nos números
consolidados da ISA
(2014), o Brasi...
AGENDA
12
2.528 2.540 2.557 2.570 2.589 2.615
2015 2016 2017 2018 2019 2020
COLOMBIA PERU BRAZIL CHILE OTHERS
Investimento de USD 3,...
14
Durante aproximadamente 50 anos, a ISA vem se
caracterizando pela prestação eficiente e confiável dos
seus serviços, em...
16
A CTEEP
17
História da CTEEP
A CTEEP é criada com
ativos de transmissão da
CESP
Incorporação da EPTE com
ativos de transmissão da
...
18
CTEEP hoje
Participação ativa na expansão
do sistema de transmissão com
investimentos superiores a R$ 11
bilhões desde ...
19
Composição Acionária CTEEP
Capital Total
Ações Preferenciais - TRPL4
(60% do Total)
Ações Ordinárias - TRPL3
(40% do To...
20
A ISA é uma empresa multilatina presente em 8 países, que consolidou-se há mais de
46 anos por meio das atividades dese...
21
Investimentos
539
680 785
623
443
656
957
884
801
288
197
449
369
425 306
250
229
285
493
240 1552202
407
683
2010 2011...
22
Resultados e Desafios
23
Visão 2020
24
Value Drivers
O&M
EFICIÊNCIA
Investimentos
RENTABILIDADE
Subsidiárias
GOVERNANÇA
Indenização/
DIT
VALOR JUSTO
Contingên...
25
Eficiência
Operação e Manutenção
Aplicação das Tecnologias mais modernas em suas Instalações – Centros
de Controle, Sub...
26
Eficiência
Execução do projeto de otimização de O&M:
reorganização das Regionais, otimização do
quadro de pessoal, revi...
27
No 9M15, transportamos
98.835 GWh do SIN, ou 25%
de toda a carga do sistema
A energia não suprida no 9M15
foi de 286 MW...
28
Rentabilidade
Estratégia de defesa da rentabilidade global
através de inclusão de meta de redução de
custos no Orçament...
29
Governança
Investimento total de R$ 6,2 bi, aportes
CTEEP de R$ 1,6 bi
RAP 15/16 de R$ 682,8 milhões (45% da
RAP total*...
30
Valor Justo
A MP 579 alterou a forma de remuneração do
investimento com objetivo de redução de tarifas,
dividindo em: (...
31
Valor Justo
Indenização
Histórico do Processo
MP 579
Set/12
Lei 12.783
Jan/13
RBNI
Jan/13
RBSE
Resolução
ANEEL 583
Dez/...
32
Valor Justo
Comparação entre os Valores
Novos de Reposição
reconhecidos pela ANEEL e os
valores praticados nos Leilões
...
33
Valor Justo
Condições para prorrogação da concessão implicam em redução líquida de 45% na
Receita da CTEEP (RAP pós ren...
34
Valor Justo
Indenização
O pagamento da Indenização
viabilizado por meio de tarifa de
energia elétrica
Perfil decrescent...
35
Aspectos Nota Técnica Considerações apresentadas
Jurídicos
Transferência de mais de
50% dos ativos objeto de
concessão ...
36
Redução
Complementação de Aposentadorias da Lei 4819
Decisão favorável do STF sobre 4819 em abril/2015 (define a Justiç...
37
Reconhecimentos e Melhores Práticas
A CTEEP é a primeira empresa do setor elétrico a ter a Certificação Quality
Assessm...
38
Resultados Financeiros 3T15
39
Reajuste Anual da Receita (RAP) – incremento de 16,4%;
Aumento de 29,2% na Receita Líquida;
EBITDA de R$ 343,9 milhões ...
40
Receita Bruta Consolidada IFRS
0,1
Remuneração
Ativos
Concessão
504,6
16,6O&M
3T14
72,6
3T15
22,1
Outras
+28,3%
Infraes...
41
Receita Bruta Consolidada Regulatório
25,0
0,1
+9,8%
3T15 281,0
Disp
Rede
Elétrica
3T14 255,9
Outras
9M15
+12,6%
662,59...
42
Crescimento de 29,2% na Receita Operacional Líquida do 3T15
Receita Líquida Consolidado IFRS
Deduções: no 3T15 houve au...
43
Crescimento de 9,2% na Receita Operacional Líquida do 3T15
Receita Líquida Consolidado Regulatório
Deduções: no 3T15 ho...
44
Evolução nos Custos e Despesas de O&M
Consolidado - IFRS
8,0
7,1
+4,7%
3T15 126,5
Outros -9,4
Material
Serviços
Pessoal...
45
Evolução nos Custos e Despesas de O&M
Consolidado - Regulatório
5,8
-3,5%
3T15 134,9
Outros -8,6
Material
Serviços
-2,1...
46
Resultado de Equivalência Patrimonial IFRS
IEMadeira: no 3T14 houve a contabilização da RTP,
reduzindo a RAP do Lote D ...
47
Resultado de Equivalência Patrimonial Regulatório
Redução de 45,9% no 3T15
30,7
17,0
-0,5-0,2
-45,9%
3T15
16,5
3T14
30,...
48
Resultado Financeiro Consolidado IFRS
-1,6
3T15 -8,0
Outras 2,0
Juros
Encargos
0,5
Rec. Var
Monetária
Rend. Ap.
Finance...
49
Lucro por ação atingiu R$ 1,7131 no 3T15
Lucro Líquido IFRS
442,7
315,8
276,3
140,2
9M153T153T14
+40,2%
+97,1%
9M14
(R$...
50
Lucro por ação atingiu R$ 0,3777 no 3T15
Lucro Líquido Regulatório
198,3
186,8
65,2
91,5
9M15
+6,2%
-28,7%
9M143T153T14...
51
Consolidado
EBITDA ICVM 527
3T15 3T14 9M15 9M14 3T15 3T14 9M15 9M14
Lucro (prejuízo) Líquido 276,3 140,1 442,7 315,8 65...
52
Redução de 24%
Dívida Líquida
Pagamento, em junho, da primeira parcela de juros da 3ª emissão de Debêntures,
no montant...
53
Disponibilidade em 30/09/15: R$ 542,5MM
Amortização da Dívida
40,7 26,4
69,052,9
207,3
210,7
190,4
24,1 22,0
95,8
47,8
...
54
Participação CTEEP
Dívida Bruta da Controladas em Conjunto
Total: R$ 1.479,3Total: R$ 1.500,7
59,5% da dívida bruta das...
55
TRPL4 encerrou o 3T15 cotada a R$ 40,80
Performance do Mercado de Capitais
Principais eventos:
Valor de Mercado da CTEE...
56
Sessão de Perguntas
57
OBRIGADO
Relações com Investidores
Tel: +55 11 3138-7557
ri@cteep.com.br
www.cteep.com.br/ri
Canal Linha Ética
canalcon...
58
Apimec 2015
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apimec 2015

535 visualizações

Publicada em

APIMEC CTEEP 2015

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
535
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
128
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apimec 2015

  1. 1. 1 APIMEC 2015 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 3T15 27 de Outubro de 2015
  2. 2. 2 Selo APIMEC 14 ANOS
  3. 3. 3 Disclaimer As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Companhia, às projeções e resultado e ao seu potencial de crescimento constituem-se em meras previsões e foram baseadas nas expectativas da administração em relação ao futuro da Companhia. Estas expectativas são altamente dependentes de mudanças no mercado, no desempenho econômico geral do País, do setor e dos mercados internacionais, estando sujeitas a mudanças.
  4. 4. 4 ISA
  5. 5. Apresentação para Investidores APIMEC 2015 Sao Paulo 27 de outubro 2015 The IR Recognition granted by the Colombian Securities Exchange (Bolsa de Valores de Colombia S.A) is not a certification of the registered securities or the solvency of the issuer
  6. 6. AGENDA 6
  7. 7. Hoje, a ISA é uma das maiores companhias da América Latina… 7 TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COCESSÃO DE RODOVIAS TRANSPORTE DE TELECOMUNICAÇÃO GERENCIAMENTO INTELIGENTE DE SISTEMAS EM TEMPO REAL Maior transmissora internacional de energia da América Latina. 41.650 kms de circuitos de alta tensão 77.710 MVA de capacidade de transformação Presença na Colômbia, Peru, Bolívia, Brasil, Chile, Panamá e América Central. Maior rede terrestre contínua do continente. 26.700 kms de fibra Óptica Presença: Colômbia, Venezuela, Equador, Peru, Chile, e Brasil. Participação na REDCA (América Central). Maior operadora de rodovias privadas do Chile. 907 kms de estradas em operação e 5 concessões rodoviárias da Rota do Chile. Mais de 100 milhões de veículos. Cerca de US$ 400 milhões em receitas de pedágio. Opera o Sistema Nacional Interligado Geração: 64.328 GWh Demanda: 63.571 GWh Administra o Mercado de Atacado de Energia Compra e venda de energia: COP 13,3 trilhões
  8. 8. A ISA é reconhecida como uma companhia com ampla experiência técnica, realizando suas atividades em um contexto de sustentabilidade corporativa 8 33 ISA Colômbia Intercolombia Transelca XM INTERNEXA Peru REP Transmantaro ISA Perú PDI INTERNEXA Chile INTERCHILE INTERNEXA INTERVIAL CHILE Ruta del Maipo Ruta del Maule Ruta del Bosque Rutla de la Araucania Ruta de los Rios ISA inversiones Chile ISA inversiones Maule Brasil CTEEP IEMG IEPINHEIROS SERRA DO JAPI EVRECY INTERNEXA ISA Capital do Brasil Outros: Equador Bolívia Argentina Panamá América Central Subsidiárias 8 Países 1 Região: América Central 4 Negócios A ISA tem presença na América Latina através das companhias …
  9. 9. Crescimento limitado na Colômbia levou a ISA à evolução no modelo de negócios… Líder em transmissão de energia na COL. Menos oportunidades de crescimento na COL promoveram um processo de internacionalização. Entrada em novos mercados: Peru, Bolívia, Brasil, America Central. ISA Peru, primeira interconexão realizada COL-EQUA. Consolidação dos negócios de transmissão, telecomunicações. Intervial Chile, primeira diversificação estratégica realizada. Interligação COL-PAN INTERCHILE 1967-1994 1995-1999 2000-2006 2007-2013 Consolidação Institucional Nova ISA Expansão Geográfica Diversificação Consolidação 2014+ 9 Interligação de sistemas regionais e interligação Centro- Costa. Centro Nacional de Despacho Interligação COL-VEN Até 2020, a ISA terá triplicado seus lucros, capturando as oportunidades de crescimento mais rentáveis em suas empresas existentes na América Latina, o impulso na eficiência operacional e a otimização da sua carteira de negócios. Visão 2020
  10. 10. AGENDA 10
  11. 11. A ISA no Brasil tem uma ampla história e um investimento diversificado… 11 Nos números consolidados da ISA (2014), o Brasil representa: 25,9% das receitas 16,0% do EBITDA 23,9% dos Ativos 2007-2012: CTEEP participa dos leilões da ANEEL com grande sucesso. IEMadeira, IENNE, IEMG, IEPinheiros, IESUL, JAPI, IEGAR A história da ISA no Brasil começou em 2006 com a compra de 50,1% das ações ordinárias da CTEEP Anualmente a CTEEP investe USD 100 milhões aproximadamente em projetos de reforços 2007: A ISA adquire 39,28% da CTEEP em um a oferta pública 2013: ISA adquire uma companhia de transporte de redes de dados no Rio de Janeiro. 2012: ISA inicia operações na área de telecomunicação ISA é a companhia colombiana que realizou o maior volume de investimentos no Brasil entre 2006- 2015 BRL 11,3 bilhões A ISA reiterou seu compromisso com o Brasil ao firmar a renovação de contratos de concessão em 2012 O contrato de concessão da CTEEP 059/2001 vai de 2013 até 2042 1 2 3 4 5
  12. 12. AGENDA 12
  13. 13. 2.528 2.540 2.557 2.570 2.589 2.615 2015 2016 2017 2018 2019 2020 COLOMBIA PERU BRAZIL CHILE OTHERS Investimento de USD 3,883 bilhões dará sustentação ao crescimento futuro da ISA... 13 por país COP % Colômbia 3.121 31,9 Peru 2.097 21,5 Brasil 1.991 20,3 Chile 2.549 26,2 Outros 12 0,1 por negócio COP % Energia 9.052 92,7 Rodovias 167 1,7 Telecomunicações 392 4,0 SMRTS 159 1,6 COP 9.769.711 milhões USD 3.883 milhões Projeções: Julho 2015 Composição COP bilhões 3.509 2.335 818 407 412 2.288 No Brasil, os investimentos são em projetos de reforço totalizando uma média de USD 100 milhões anuaias. USD/COP
  14. 14. 14 Durante aproximadamente 50 anos, a ISA vem se caracterizando pela prestação eficiente e confiável dos seus serviços, em respeito pelos direitos humanos e pela proteção ambiental visando à promoção da competitividade regional e da sustentabilidade, graças à equipe altamente qualificada e comprometida composta pelos seus mais de 3.800 colaboradores
  15. 15. 16 A CTEEP
  16. 16. 17 História da CTEEP A CTEEP é criada com ativos de transmissão da CESP Incorporação da EPTE com ativos de transmissão da Eletropaulo Prorrogação do Contrato de Concessão nº 059/2001 com a ANEEL, iniciando um novo ciclo para seus negócios Início da Operação da linha de transmissão da IEMadeira e conclusão das obras Grupo ISA lança Visão 2020, com foco em rentabilidade e eficiência operacional Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa da BM&FBovespa Privatização, a ISA torna-se nova controladora 2002 2006 2012 2013 2015 Expansão para 16 estados brasileiros fruto de participações em leilões e aquisições Carteira de negócios com 8 subsidiárias, investimentos superiores a R$ 11 bilhões desde 2007 e RAP de R$ 682,8 MM 1999 2001 Início da operação das linhas de transmissão da IE Garanhuns
  17. 17. 18 CTEEP hoje Participação ativa na expansão do sistema de transmissão com investimentos superiores a R$ 11 bilhões desde 2007 Responsável pela transmissão de cerca de 30% da energia produzida no País e 55% da consumida na região sudeste e 98% no Estado de São Paulo 9 companhias com 18 mil Km de linhas, 112 subestações e 60,7 mil MVA de capacidade de transformação Presente no Estado de São Paulo e outros 15 estados R$ 10 bilhões de ativos Ativos estratégicos para o suprimento energético: São Paulo e importantes interligações regionais (IEMadeira) Empresa de Referência da ANEEL para Eficiência Operacional e Indicadores de Qualidade
  18. 18. 19 Composição Acionária CTEEP Capital Total Ações Preferenciais - TRPL4 (60% do Total) Ações Ordinárias - TRPL3 (40% do Total) 9,8% 89,5% 0,7% 31,2% 52,4% 6,7% 2,3% 7,4% 19,0% 4,0% 35,4% 37,2% 4,4% Governo do Estado de SP Outros Eletrobras Vinci Ltda ISA Capital do Brasil Base: 30/09/2015
  19. 19. 20 A ISA é uma empresa multilatina presente em 8 países, que consolidou-se há mais de 46 anos por meio das atividades desenvolvidas em suas 33 empresas, distribuídas em 4 setores: transmissão de energia elétrica, concessões de rodovias, telecomunicações e gestão inteligente de sistemas em tempo real Grupo ISA 1S15 ISA EBITDA 1S15 por país EBITDA 1S15 por negócio Colômbia Chile Peru Brasil Outros 41,1% 28,2% 15,6% 1,4% 13,6% Transporte de Energia Concessões Viárias Telecomunicações Gestão Inteligente de Tempo Real 68% 2,8% 0,8% 28,4%
  20. 20. 21 Investimentos 539 680 785 623 443 656 957 884 801 288 197 449 369 425 306 250 229 285 493 240 1552202 407 683 2010 2011 2.062 1.563 2015E 637 2012 1.976 2014 757 1.674 20132009 1.386 2008 610 2007 CTEEP Sócios nas SubsidiariasCTEEP nas Subsidiarias Investimentos superiores a R$ 11 bilhões desde 2007, incluindo investimentos nas subsidiárias, diretamente ou em parceria com os sócios Participação em 14 dos 19 leilões, entre 2006 e 2012, apresentando oferta em 48 lotes 12 lotes em fase operacional e 1 lote com operação prevista para Novembro/15 Investimentos 2007/2015E (R$ MM corrigidos)
  21. 21. 22 Resultados e Desafios
  22. 22. 23 Visão 2020
  23. 23. 24 Value Drivers O&M EFICIÊNCIA Investimentos RENTABILIDADE Subsidiárias GOVERNANÇA Indenização/ DIT VALOR JUSTO Contingências REDUÇÃO Otimização de Custos Otimização Tributária Otimização Modelo O&M Otimização de CapEx Utilização do Estoque Centralização do FIN/ADM das subsidiárias 100% na CTEEP Controle da IEMG e Evrecy pelo Centro de Operação. Laudo RBSE Área de Assuntos Regulatórios Projeto Estratégico de Gestão de Passivos
  24. 24. 25 Eficiência Operação e Manutenção Aplicação das Tecnologias mais modernas em suas Instalações – Centros de Controle, Subestações e Linhas de Transmissão Gestão da Operação e Manutenção por Processos, continuamente aperfeiçoados e certificados Pessoas valorizadas, altamente capacitadas e continuamente desenvolvidas, com foco na multidisciplinaridade e senso de Equipe Empresa de Referencia ANEEL A estratégia Operacional da CTEEP é baseada na excelência da prestação de serviços, com foco na contínua criação de valor aos clientes A estratégia Operacional da CTEEP é baseada na excelência da prestação de serviços, com foco na contínua criação de valor aos clientes
  25. 25. 26 Eficiência Execução do projeto de otimização de O&M: reorganização das Regionais, otimização do quadro de pessoal, revisão de escopo e renegociação de contratos Economia esperada de R$ 7,5 Milhões (2%) no PMSO, apesar de inflação superior (200bps acima do Orçamento), equivalente à redução real de 23% sobre PMSO 2012 ajustado Crédito PIS/COFINS de Insumos e Ativos Imobilizados Acordo Coletivo: reajuste dos salários de 8,2% Reajuste de 10% no valor fixo do PLR, vale alimentação e cesta básica Alteração de valores e critérios do PLR visa meritocracia: inclusão dos indicadores Ebitda e Parcela Variável, alinhando às metas da Companhia (QGI) Operação e Manutenção Rigoroso controle de custos 2012 613 -13,8% 9M15 357 2014 455 2013 472 (*) exclui custos de construção e despesa de depreciação +11,8% 9M15 613 2014 741 2013 587 2012 592 Receita de O&M (R$ MM - IFRS) OpEx* (R$ MM - IFRS) Controladas Controladora
  26. 26. 27 No 9M15, transportamos 98.835 GWh do SIN, ou 25% de toda a carga do sistema A energia não suprida no 9M15 foi de 286 MWh, apenas 0,0003% do total de energia transmitida Eficiência Operação e Manutenção Disponibilidade dos Transformadores (tempo) Disponibilidade de Linhas de Transmissão (tempo) 2009 99,9339% 2008 99,8134% 2007 99,9961% 9M15 99,9987% 2014 99,9882% 2013 99,9949% 2012 99,9963% 2011 99,9900% 2010 99,9754% 200999,9521%2008 99,9306% 2007 99,9580% 9M15 99,9067% 2014 99,9414% 2013 99,9736% 2012 99,9500% 2011 99,9681% 2010 99,9575% 286 740 1.285 1.057 1.208 1.741 2009 1.230 20082007 1.332 2013 9M152014201220112010 623 Redução da Energia Não Suprida (MWh)
  27. 27. 28 Rentabilidade Estratégia de defesa da rentabilidade global através de inclusão de meta de redução de custos no Orçamento 2015 Internalização de fiscalização e comissionamento Priorização do uso de estoques, melhorias no processo de compras. Execução com ganho real de 5% sobre o orçamento (meta) Investimentos Disciplina na alocação de recursos CapEx (R$ MM - realizado) 264 225 219 132289 591688 168 299 9M152014 -27,0% 507 2013 815 2012 952 ControladasControladora Pleitos junto a ANEEL iniciar imediatamente o processo administrativo para revisão do Banco de Preços, relativamente aos itens constantes das Resoluções. emitir novas REA´s a partir dos “preços de mercado” cotados pela CTEEP e já apresentados nos processo administrativos e com novo cronograma de execução das obras Baixa execução financeira no período Jan-Set/15
  28. 28. 29 Governança Investimento total de R$ 6,2 bi, aportes CTEEP de R$ 1,6 bi RAP 15/16 de R$ 682,8 milhões (45% da RAP total*) EBITDA 9M15 de R$ 403,1 milhões (margem de 88%**) Dividendos à CTEEP de R$ 27,6 milhões em 2015 (IEMadeira, IEJapi e Evrecy) IEGaranhuns Parte das operações em fase de testes e entrada final em operação prevista para Novembro 2015 Subsidiárias Portfólio totalmente operacional em 2015 E S P BP EA L IEMadeira Conclusão das obras em Maio de 2014 Solicitado reequilíbrio econômico financeiro do Lote D à ANEEL Sobrecusto: R$ 342 milhões / Perda de RAP R$ 251milhões / Reajuste de 26,8% na RAP (*) Não ponderado pela participação nas coligadas (**) Ebitda Regulatório total das subsidiárias
  29. 29. 30 Valor Justo A MP 579 alterou a forma de remuneração do investimento com objetivo de redução de tarifas, dividindo em: (i) receita suficiente para cobertura dos custos acrescida de margem de lucro para operação e manutenção; e (ii) indenização pelos ativos não amortizados para retorno do capital A decisão da CTEEP foi essencial para adesão de 100% das transmissoras, com fundamento na confiança nas instituições brasileiras e na geração de valor através da busca de eficiência operacional e da indenização justa dos ativos não amortizados para recuperação de sua capacidade de investimento e crescimento de longo prazo Indenização Prorrogação do Contrato de Concessão 40% 60% RAP (R$ MM) Indenização (R$MM) 1.655 358 495 158 -76% 2.150 Pós MP 579 516 Pré MP 579 RBNI 2.891 36% 64% RBSE 5.186
  30. 30. 31 Valor Justo Indenização Histórico do Processo MP 579 Set/12 Lei 12.783 Jan/13 RBNI Jan/13 RBSE Resolução ANEEL 583 Dez/13 Laudo de Avaliação Ago/14 Homologaçã o ANEEL Definição dos Critérios (MME) Fiscalização ANEEL Out/14 3.6053.7263.742 4.9385.0315.186 121161.196 93155 Laudo Protocolado RAF Laudo NT SFF 196/2015 Memorial RAF Revisão pós RF RF Laudo -24% CTEEP Diferença Atual ANEEL Evolução do Valor da Indenização (R$ MM)
  31. 31. 32 Valor Justo Comparação entre os Valores Novos de Reposição reconhecidos pela ANEEL e os valores praticados nos Leilões de Transmissão (Bain&Company) Em linhas de transmissão, os valores reconhecidos são em média 26% inferiores aos observados em leilões Os valores reconhecidos pela ANEEL em subestações são em média 28% inferiores aos observados nos leilões Indenização VNR Aneel vs Leilões Aneel 518 777 1.095 380312 384 664 873 314 161 440/500kV Total138kV 230kV 345kV -26% Múltiplo VNR Laudo (Proposta Aneel)Múltiplo VNR Leilões 218191214184 542 156160110171 315 440/500kV345kV Total138kV 230kV -28% Subestações (R$ mil / MVA) Linhas de Transmissão (R$ mil / KM)
  32. 32. 33 Valor Justo Condições para prorrogação da concessão implicam em redução líquida de 45% na Receita da CTEEP (RAP pós renovação + anuidades equivalentes para indenização do SE em R$ 3,7 bilhões Condições bastante inferiores às das empresas Eletrobras (-17%) indicam necessidade de persistir nas discussões com ANEEL sobre critérios de cálculo Indenização Valor Glosa CTEEP 2.208 522 2.891 3.743 -28% 201 494 1.217 -45% FURNAS 2.308 637 2.878 8.999 -16% 200 1.188 2.026 -12% CHESF 1.401 524 1.587 5.064 -10% 110 669 1.303 -7% Eletronorte 1.115 280 1.682 2.633 -10% 117 348 744 -33% Eletrosul 920 411 1.986 1.007 -5% 138 133 682 -26% Grupo Eletrobras 5.745 1.852 8.133 17.704 -13% 565 2.338 4.755 -17% Total 7.952 2.374 11.024 21.446 -16% 766 2.832 5.972 -25% Concessionárias Base: Dez/2012 Nova RAP NI (B) SE (com IR) (D) Com IR em SE (A+B+D) ∆% Receita Anual Permitida (RAP) NI Pós- renovação (A) Pré- renovação SE Indenizações Anuidades Indenização CTEEP vs outras concessionárias
  33. 33. 34 Valor Justo Indenização O pagamento da Indenização viabilizado por meio de tarifa de energia elétrica Perfil decrescente, com pagamentos em parcelas mensais Atualização por IPCA + custo de capital desde a data base do Laudo (31/12/2012) Gross up dos impostos diretos e indiretos incidentes Recebimento à vista do valor correspondente ao período de jan/2013 até a data de início de pagamento Início do pagamento da Indenização de cada Transmissora tão logo homologado o respectivo valor Valor do Laudo Atualização Financeira “Gross up” impostos Valor da Indenização em dez/12 + + = Valor da Indenização RAP Adicional Sistema de amortização constante + Encargos Regulatórios Forma de Pagamento: Proposta ABRATE
  34. 34. 35 Aspectos Nota Técnica Considerações apresentadas Jurídicos Transferência de mais de 50% dos ativos objeto de concessão da CTEEP Insegurança jurídica provocada por duas mudanças regulatórias em prazo inferior a três anos Possível perda do objeto da concessão Técnicos Transferência de todas as DIT Parcela expressiva das DIT da CTEEP não tem similaridade com as tradicionais redes de distribuição, a exemplo da rede complementar operada pelo ONS Não podem ser analisadas simplesmente pelo seu nível de tensão, mas sim pela função sistêmica que exercem Econômicos e Financeiros Indenização dos Investimentos realizados após 2012 com base no Banco de Preços da ANEEL (R$ 356 MM) Banco de Preços constituído em 2008 está desatualizado, conforme Acórdão do TCU Desconsiderou-se a incidência de tributos Custo real atualizado de R$ 1.398 milhões (valor nominal de R$ 624 milhões corrigido por inflação e WACC regulatória, com tributos) Diminuição da Receita não impacta o equilíbrio econômico financeiro A RAP CTEEP inclui prêmio de qualidade de 35% e margem de O&M de 10%, conforme NT ANEEL 383/2012. Diminuição da receita pode causar o vencimento antecipado dos empréstimos e fianças Estudo independente realizado pela FIA aponta valor da indenização para manutenção do equilíbrio econômico-financeiro de R$ 2,1 bilhões Outros Transmissores e Distribuidores definem demais aspectos Necessária a definição previa para equipamentos de reposição; estoques; contratos de prestação de serviços firmados pelas Transmissoras; Relações Trabalhistas e custo, e regularização com transferência dos imóveis Sumário das contribuições da CTEEP à Audiência Pública Transferência das DIT
  35. 35. 36 Redução Complementação de Aposentadorias da Lei 4819 Decisão favorável do STF sobre 4819 em abril/2015 (define a Justiça Comum como competente para julgar a causa) Associação dos Aposentados da Fundação CESP entrou com recurso contra a decisão e obteve medida cautelar (manutenção do pagamento da folha até que avaliação pela justiça comum) Em 14/10 o STF julgou o embargo e confirmou a competência da Justiça Comum, bem como manteve a cautelar da Associação dos Aposentados Ação de Cobrança 4819 Houve julgamento da ação de Cobrança que a CTEEP propôs contra a Fazenda do Estado de São Paulo. O Recurso da CTEEP foi acolhido definindo a competência da Justiça Comum, bem como direito à reembolso das despesas 4.819. CTEEP irá recorrer para melhor definição das verbas com direito à reembolso na condenação Processo Eletropaulo/Eletrobras Laudo pericial de 16 de setembro de 2015 confirma tese da Companhia Contingências Status (*) ex provisão de R$ 0,5 MM
  36. 36. 37 Reconhecimentos e Melhores Práticas A CTEEP é a primeira empresa do setor elétrico a ter a Certificação Quality Assessment, uma certificação internacional concedida pelo The Institute of Internal Auditors (IIA), que tem o objetivo de reconhecer a qualidade das áreas de auditoria interna das organizações. Um projeto de pesquisa e desenvolvimento (P&D) desenvolvido pela CTEEP em parceria com o Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP e a CESP conquistou um reconhecimento no 1º Prêmio Inovação e Tecnologia Brasil Solar. O estudo, cujo foco é analisar os impactos da energia fotovoltaica no sistema elétrico, foi premiado na categoria “Prêmio inovação de melhor projeto acadêmico de 2015” A CTEEP figurou entre as melhores empresas no anuário Época Negócios 360º, com a posição 47ª dentre as 250 melhores. A Companhia se destacou no setor em duas dimensões: Capacidade de Inovar (5º lugar) e Práticas de RH (4º lugar) Reconhecimentos
  37. 37. 38 Resultados Financeiros 3T15
  38. 38. 39 Reajuste Anual da Receita (RAP) – incremento de 16,4%; Aumento de 29,2% na Receita Líquida; EBITDA de R$ 343,9 milhões no 3T15, Margem Ebitda de 75,2%; Lucro líquido do 3T15 atingiu R$ 276,3 milhões, aumento de 97,1%; Queda de 24,0% na dívida líquida consolidada no 3T15 em relação ao final de 2014 somando R$ 537,8 milhões; Recebimento de dividendos no montante de R$ 27,6 milhões de Evrecy, IEJapi e IEMadeira; Realização de Audiência Pública para Demais Instalações de Transmissão (DIT). Confirmação do Rating Nacional Corporativo de Longo Prazo da CTEEP em ‘AA+(bra)’ com perspectiva Estável; RBSE ainda pendente de definição de valor e forma de pagamento. Expectativa de recebimento a partir de Julho/2016. Destaques Financeiros 3T15
  39. 39. 40 Receita Bruta Consolidada IFRS 0,1 Remuneração Ativos Concessão 504,6 16,6O&M 3T14 72,6 3T15 22,1 Outras +28,3% Infraestrura 393,2 891,9 +23,8% 9M15 9M14 1.104,5 ControladasControladora Infraestrutura: aumento de 28,7% decorrente do aumento de projetos de reforços de construção de subestações, reconstrução de linhas de transmissão e implantação de bancos de capacitores na CTEEP e nas controladas O&M: aumento de 7,7% devido a variação positiva do IPCA e IGP-M aplicados na parcela da receita de O&M que corrigi a RAP de 14/15 para 15/16 Remuneração dos Ativos de Concessão: aumento de 76,8% devido ao crescimento do saldo médio do ativo financeiro para a realização prevista dos valores de construção e indenização na CTEEP, que foi incrementado pela correção monetária e pela entrada de novos investimentos no período Outras: alta de R$ 0,3MM em aluguéis e queda de R$ 0,2 MM em serviços de terceiros Aumento de 28,3% (R$ MM)
  40. 40. 41 Receita Bruta Consolidada Regulatório 25,0 0,1 +9,8% 3T15 281,0 Disp Rede Elétrica 3T14 255,9 Outras 9M15 +12,6% 662,59M14 746,0 Aumento de 9,8% no 3T15 Controladora Controladas Disponibilidade da Rede Elétrica: i. correção monetária do ciclo da RAP de 2014/2015 para 2015/2016 ii. inclusão do recebimento do Custo Anual das Instalações Móveis e Imóveis (CAIMI de R$ 28,7 MM para o ciclo 2015/2016) e iii. entrada em operação de novos investimentos, majorando a RAP em R$ 30,8 MM para o ciclo 2015/2016 Outras Receitas: i. alta de R$ 0,3 MM em aluguéis e queda de R$ 0,2 MM em serviços de terceiros (R$ MM)
  41. 41. 42 Crescimento de 29,2% na Receita Operacional Líquida do 3T15 Receita Líquida Consolidado IFRS Deduções: no 3T15 houve aumento de 20,1% em relação ao 3T14, decorrente dos tributos sobre a receita que acompanham a variação da receita operacional, compensado pela alíquota de PIS e COFINS (3,65%) nas controladas que adotam o regime tributário de lucro presumido. Crescimento de 24,1% na Receita Líquida do 9M15, em comparação ao mesmo período de 2014. Deduções 3T15 -47,4 Receita Bruta 3T15 504,6 Receita Líquida 3T15 457,2 9M15 989,9 9M14 797,4 +24,1% Controladora Controladas (R$ MM)
  42. 42. 43 Crescimento de 9,2% na Receita Operacional Líquida do 3T15 Receita Líquida Consolidado Regulatório Deduções: no 3T15 houve aumento de 20,1%, decorrente dos tributos sobre a receita que acompanham a variação da receita operacional, compensado pela alíquota de PIS e COFINS (3,65%) nas controladas que adotam o regime tributário de lucro presumido. Crescimento de 12,0% na Receita Líquida do 9M15, em comparação ao mesmo período de 2014. Deduções 3T15 248,6 Receita Líquida 3T15 -32,4 Receita Bruta 3T15 281,0 9M15 657,1 +12,0% 9M14 586,7 Controladora Controladas (R$ MM)
  43. 43. 44 Evolução nos Custos e Despesas de O&M Consolidado - IFRS 8,0 7,1 +4,7% 3T15 126,5 Outros -9,4 Material Serviços Pessoal 3T14 120,8 +10,9% 9M15 362,9 9M14 327,2 ControladasControladora Aumento de 4,7% no 3T15 Pessoal: acréscimo de 11,1% em decorrência do dissídio coletivo de 8,2%, dos custos demissionais por reestruturação do quadro técnico e da maior utilização da assistência médica no período Serviços/Materiais: aumento de 39,2% em serviços e materiais, sobretudo pela recuperação de custos não recorrentes no 3T14 que reduziu a base de comparação para o 3T15 Outros: redução de 34,7% nas despesas de contingências, refletindo a atualização dos valores e probabilidades de êxito nos processos que majoraram as contingências no 3T14. (R$ MM)
  44. 44. 45 Evolução nos Custos e Despesas de O&M Consolidado - Regulatório 5,8 -3,5% 3T15 134,9 Outros -8,6 Material Serviços -2,1 Pessoal 3T14 139,8 9M15 +5,9% 392,8 9M14 370,8 Pessoal: acréscimo de 8,9% em decorrência do dissídio coletivo de 8,2% dos custos demissionais por reestruturação do quadro técnico e da maior utilização da assistência médica no período Material/Serviços: redução de 20,7% e 5,8%, respectivamente, devido (i) internalização de parte de serviços de operação e manutenção e (ii) redefinição de escopo e condições de trabalho Outros: redução de 34,7% nas despesas de contingências, refletindo a atualização e revisão dos valores e probabilidades de êxito nos processos que majoraram as contingências no 3T14 Redução de 3,5% ControladasControladora (R$ MM)
  45. 45. 46 Resultado de Equivalência Patrimonial IFRS IEMadeira: no 3T14 houve a contabilização da RTP, reduzindo a RAP do Lote D em 4,5% e do Lote F em 3,8%, diminuindo a base de comparação contra o 3T15. O ajuste de ciclo da RAP 2015/2016 foi de R$ 110,8 milhões para o 3T15. O ajuste de ciclo nas demais subsidiárias gerou impacto líquido de R$13,6 milhões. Aumento de 185,8% no 3T15 25,9 85,6 0,7 7,8 4,3 7,3 +185,8% 3T15 102,6 1,9 3T14 35,9 5,0 IESULIEENEIEGaranhusIEMadeira 54,9 107,0 0,9 3,8 20,2 9M15 +91,0% 7,72,6 137,5 9M14 72,0 12,4 (R$ MM)
  46. 46. 47 Resultado de Equivalência Patrimonial Regulatório Redução de 45,9% no 3T15 30,7 17,0 -0,5-0,2 -45,9% 3T15 16,5 3T14 30,5 33,8 54,9 -1,5 -0,6-0,6 -0,1 9M14 31,7 +71,0% 9M15 54,2 IESULIENNEIEMadeira IEMadeira: Redução de 44,6% no resultado, devido a contabilização dos ajustes do ciclo na RAP 2015/2016 sendo: (i) contabilização da RTP ocorrida em 2014, que gerou efeito a partir do 3T15; (ii) contabilização de 3/12 avos de PA negativa. Além disso, o resultado do IEMadeira foi impactado negativamente por conta do aumento das despesas financeiras decorrente do endividamento das debêntures. (R$ MM)
  47. 47. 48 Resultado Financeiro Consolidado IFRS -1,6 3T15 -8,0 Outras 2,0 Juros Encargos 0,5 Rec. Var Monetária Rend. Ap. Financeiro -8,0 3T14 -0,9 15,6 9M15 -5,6 9M14 ControladasControladora Redução de receitas de variação monetária e de juros ativos que no 3T15 totalizaram R$ 7,3 milhões, comparado com R$ 16,8 milhões no 3T14 referentes à atualização pelo IPCA + 5,59% do contas a receber de ativo reversível – Lei nº 12.783 Fluxo de recebimento do RBNI (R$ MM)
  48. 48. 49 Lucro por ação atingiu R$ 1,7131 no 3T15 Lucro Líquido IFRS 442,7 315,8 276,3 140,2 9M153T153T14 +40,2% +97,1% 9M14 (R$ MM)
  49. 49. 50 Lucro por ação atingiu R$ 0,3777 no 3T15 Lucro Líquido Regulatório 198,3 186,8 65,2 91,5 9M15 +6,2% -28,7% 9M143T153T14 (R$ MM)
  50. 50. 51 Consolidado EBITDA ICVM 527 3T15 3T14 9M15 9M14 3T15 3T14 9M15 9M14 Lucro (prejuízo) Líquido 276,3 140,1 442,7 315,8 65,2 91,5 198,3 186,8 Tributos sobre o lucro (IR/CSLL) 49,4 21,3 89,4 67,0 47,3 6,2 87,8 36,2 Resultado financeiro líquido 8,0 0,9 5,6 (15,6) 8,0 0,9 5,6 (15,6) Depreciações e amortizações 10,2 10,5 30,7 31,0 21,0 19,6 61,5 57,4 EBITDA ICVM nº 527/12 343,9 172,7 568,3 398,3 141,4 118,2 353,2 264,8 Margem EBITDA ICVM nº 527/12 75,2% 48,8% 57,4% 49,9% 56,9% 51,9% 53,7% 45,1% REGULATÓRIOEBITDA Consolidado (R$ milhões) IFRS
  51. 51. 52 Redução de 24% Dívida Líquida Pagamento, em junho, da primeira parcela de juros da 3ª emissão de Debêntures, no montante de R$ 101,6 milhões. Liquidação principal e juros BNDES no montante de R$ 9,9 MM no 3T15 47,9%52,0% 0,2% 47,3% 52,6% 0,1% 3T152014 BNDES - TJLP Debêntures - CDI/IPCA Outros BNDES - TJLP Debêntures - CDI/IPCA Outros Dívida Bruta 1.080,2 1.191,9 -9,4% Curto Prazo 110,5 215,9 -48,8% Longo Prazo 969,7 976,0 -0,6% Disponibilidades 542,5 484,3 12,0% Dívida Líquida 537,8 707,6 -24,0% Δ% Empréstimos e Financiamentos (R$ milhões) 3T15 2014
  52. 52. 53 Disponibilidade em 30/09/15: R$ 542,5MM Amortização da Dívida 40,7 26,4 69,052,9 207,3 210,7 190,4 24,1 22,0 95,8 47,8 26,326,326,3 4,69,6 2017 237,1 2016 248,0 2015 62,5 2026 a 2030 52,4 2021 a 2025 164,8 2020 48,3 2019 50,4 2018 216,7 ControladasControladora (R$ MM)
  53. 53. 54 Participação CTEEP Dívida Bruta da Controladas em Conjunto Total: R$ 1.479,3Total: R$ 1.500,7 59,5% da dívida bruta das controladas em conjunto no 3T15 estão atreladas a TJLP Não houve novas captações no 3T15 16,0 175,9 1.233,2 54,2 IESulIEGaranhunsIEMadeira IENNE 56,3 17,4 184,8 1.242,2 3T15 2014 (R$ MM)
  54. 54. 55 TRPL4 encerrou o 3T15 cotada a R$ 40,80 Performance do Mercado de Capitais Principais eventos: Valor de Mercado da CTEEP, encerrando em setembro de 2015 a R$ 6.715MM; Volume médio negociado no 9M15 de R$12,5 MM Média diária de 1.781 negócios Presença em 100% dos pregões R$ 12,5 Milhões -40% -30% -20% -10% 0% 10% 20% Jan/15 Fev/15 Mar/15 Abr/15 Mai/15 Jun/15 Jul/15 Ago/15 Set/15 Volume TRPL4 TRPL3 TRPL4 IBOVESPA IEE Volume Médio Diário TRPL4 -5,10% -9,89% -1,69% -2,50%
  55. 55. 56 Sessão de Perguntas
  56. 56. 57 OBRIGADO Relações com Investidores Tel: +55 11 3138-7557 ri@cteep.com.br www.cteep.com.br/ri Canal Linha Ética canalconfidencial.com.br/linhaeticacteep ou pelo telefone 0800 777 0775
  57. 57. 58

×