SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
               CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS
            DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA – DEQ
                       QUÍMICA INDUSTRIAL




        Quinto relatório de Laboratório de Físico-Química 2

        Equilíbrio Heterogêneo
                    (Sistema Ternário)




Professor: Luciano Costa
Aluna: Larissa Ciro Souza da Silva
Curso: Química Industrial




                               Recife, Dezembro2011
1- Introdução

         O estado de equilíbrio de um sistema fechado é aquele estado no qual a energia de
Gibbs total é o mínimo em relação a todas as possíveis mudanças nas temperaturas e pressão
especificadas.
         Muitos pares de espécies químicas, quando misturadas em uma certa faixa de
composições para formar uma única fase líquida, podem não satisfazer o critério de
estabilidade. Conseqüentemente, nesta faixa de composições, tais sistemas se dividem em
duas fases líquidas com composições diferentes. Se as fases estão em equilíbrio
termodinâmico, o fenômeno é um exemplo de equilíbrio líquido-líquido, que é importante em
muitas operações industriais como a extração com solventes.
         O conhecimento de dados de equilíbrio líquido-líquido é fundamental para o estudo
dos processos de separação por extração. Geralmente os dados de equilíbrio líquido-líquido
são representados por um gráfico triangular eqüilateral conhecido como curva binodal, que
separa a região de duas fases da região homogênea. As composições das fases em equilíbrio
podem ser determinadas através das linhas de amarração que representam as duas fases em
equilíbrio.


1.1 Diagrama ternário

        É conveniente visualizar um sistema ternário utilizando um diagrama triangular,
chamado de diagrama ternário ou diagrama de Stokes e Roozeboom. Este diagrama é,
geometricamente, um triângulo equilátero e define, por exemplo, as composições em
porcentagem em massa (% m/m) do sistema ou em fração molar.
        Cada vértice do triângulo representa um componente.
        Podemos traçar uma reta perpendicular a qualquer um dos lados do triângulo
passando por um dos vértices e dividir essa perpendicular em 10 partes iguais. Excluindo o
vértice e o ponto formado pela interseção da perpendicular com o lado do triângulo, serão
originados da divisão 9 pontos sobre a perpendicular. Podemos, então, traçar retas paralelas
ao lado do triângulo em questão passando por cada um desses pontos.
        Feito isso, tem-se a seguinte convenção: “Sabendo que o vértice A corresponde a um
dos componentes do sistema ternário, o lado do triângulo oposto a este vértice representa
uma composição nula deste componente no sistema.”
        A primeira reta paralela a este lado, contando a partir do próprio lado, representa uma
composição de 10 % do componente no sistema, a segunda paralela representa uma
composição de 20 % e assim sucessivamente até que o próprio vértice A corresponde a uma
composição de 100 % do componente no sistema, ou seja, o componente puro (Figura 1).

                                                       A




 Figura 1. Construção do
 diagrama ternário e sua leitura.




                                                                                             2
Este procedimento é feito para todos os lados do triângulo, originando o diagrama
         ternário (Figura 2).
                 Qualquer reta paralela a um dos lados do triângulo representa uma composição
         constante do componente locado no vértice oposto.
                 Qualquer ponto situado em um dos lados do triangulo indica que temos apenas dois
         componentes no sistema, de acordo com a convenção adotada.
                 Os pontos interiores ao triângulo apresentam 3 coordenadas, cada uma para a
         composição de um componente.

                                                     A




        Figura 2. Diagrama ternário
        pronto para utilização.




                         B                                                        C

                Experimentalmente, a curva traçada utilizando diagrama de fase ternário é obtida
         preparando-se misturas conhecidas de 2 líquidos pouco miscíveis, às quais são adicionados
         volumes conhecidos de um terceiro líquido, até que a turbidez desapareça.
                Calculando-se as frações molares (ou porcentagem em massa) de cada componente no
         momento em que a turbidez desaparece, determinam-se pontos no diagrama que permitem o
         traçado da curva de solubilidade (ou curva binodal), em vermelho na Figura 3.




Figura 3. Diagrama ternário com curva de
solubilidade construída. Nele temos
também indicado um plalt point (em azul)
e duas tie lines (em cor-de-rosa).
                                                                                                     N
                                              L




                                                                                                3
O diagrama ternário apresenta duas regiões, uma monofásica e outra bifásica.
         Para melhor entendimento do diagrama, esclarece-se que os pontos localizados acima
da curva binodal (em vermelho) compõem a configuração monofásica do sistema. Os pontos
localizados abaixo da curva representam a configuração bifásica do sistema.
         Já os pontos localizados exatamente sobre a curva binodal apresentam como
característica um sistema turvo, indicando o limite entre os aspectos monofásico e o bifásico.
Estes pontos são chamados de pontos de opalescência ou plalt points, definidos como pontos
críticos do sistema.
         Um sistema representado pelo ponto M, por exemplo, está separado em duas fases de
composição L e N. Estas duas soluções são chamadas soluções conjugadas e a linha que une as
composições dessas soluções é chamada de linha de amarração (linha de correlação ou tie
line).
         Em geral, as linhas de correlação não são paralelas, porque a solubilidade do
componente, miscível nos outros dois, não é a mesma nas camadas. Conseqüentemente, a sua
orientação deve ser determinada experimentalmente. No esquema da Figura 3 temos duas tie
lines representadas em cor-de-rosa.

2.3 – Tipos de sistemas ternários

        De acordo com a miscibilidade parcial dos três componentes envolvidos na formação
do sistema, existem três tipos de sistema líquidos ternários.

        O Tipo I representa um sistema em que só um par de componentes é parcial ou
totalmente imiscível; os outros dois pares são completamente miscíveis em todas as
proporções. É o diagrama mais comum que existe.
        No Tipo II, dois pares de componentes são parciais ou totalmente imiscíveis.
        No tipo III, todos os três pares de componentes são parciais ou totalmente imiscíveis.
        De um modo geral, a área de imiscibilidade de um sistema ternário diminui quando a
temperatura se eleva.
        Um sistema ternário que apresenta relações de solubilidade do Tipo I, para dois pares
de componentes pode transformar-se num sistema do Tipo II, por abaixamento da
temperatura. Semelhantemente, um sistema ternário que apresenta relações de solubilidade
do tipo I para os três pares de componentes, pode transformar-se num sistema do Tipo III, por
abaixamento da temperatura.

    2- Objetivos

2.1- Objetivo Geral

               Realizar um estudo sobre um sistema heterogêneo através da construção do
                diagrama de fases de um sistema ternário.
    .

2.2- Objetivo Específico

               Verificar experimentalmente a solubilidade de dois líquidos parcialmente
                miscíveis (água e éter) com um terceiro completamente miscível (ácido
                acético) nos outros dois.



                                                                                            4
Construir o diagrama de solubilidade e do ponto crítico isotérmico para o
                 sistema ternário em questão.
                 Analisar a solubilidade de compostos e as variáveis que interferem neste
                 fenômeno.
                 Pela técnica da extração, determinar os pontos da tie line.



   3- Materiais e Método

3.1- Materiais

                       Buretas de vidro de 50 mL
                       Suporte universal
                       Garra
                       Béquer de 50 mL
                       Erlenmeyers de 250 mL e 125 mL
                       Funis de separação de 125 mL
                       Anéis para suporte
                       Pipetas graduadas de 10 mL
                       Pipetas volumétricas de 5 mL
                       Provetas de vidro graduadas de 50 mL e 100 mL
                       Pêra de borracha
                       Água destilada,
                       Éter propílico P.A.
                       Ácido Acético
                       Solução de fenolftaleína
                       Solução aquosa de hidróxido de sódio (NaOH) 2,0 M
                       Balança semi-analítica

3.2- Procedimento Experimental

3.2.1 - Determinação da curva de solubilidade (1° parte)

       Em um erlenmeyer de 250 mL foi adicionado 10 mL de éter e 3 mL de água destilada.
Essa mistura foi agitada até formar uma solução turva.
       Em seguida, com uma bureta contendo ácido acético, adicionou-se o mesmo sob
agitação vigorosa, até a obtenção de um sistema límpido (solução dos 3 componentes).
Anotou-se o volume gasto do ácido acético. Logo após, foi adicionado à solução mais 2 mL de

                                                                                         5
água destilada e repetiu-se o gotejamento de ácido acético com a bureta até obter-se
novamente uma solução homogênea, anotando o volume de ácido utilizado.
       Este processo foi repetido, sendo adicionado mais 5, 10, 20, 30 mL de água não
sistema. Anotaram-se os volumes mínimos de ácido gasto para homogeneizar o sistema em
cada repetição.
       Em outro erlenmeyer de 250 mL, foram adicionados 2 mL de éter e 5 mL de água e
agitou-se o sistema. Com a bureta, gotejou-se ácido acético até o sistema formado tornar-se
homogêneo e anotou-se o volume gasto do ácido, seguindo o procedimento inicial.
       Da mesma forma realizada anteriormente, repetiu-se o processo, adicionando mais 5,
10, 20, e 30 mL de água e anotou-se o volume de ácido usado correspondente em cada caso.

3.2.1 - Determinação dos pontos tie line (2° parte)

                  Em três funis de decantação de 125 mL, foram preparadas as seguintes
misturas de acordo com a tabela (Tabela 1) a seguir:


Tabela 1: Especificações para o preparo dos sistemas de cada funil de separação.
      Funil                  Volume de éter               Volume de                Volume de
                                  (mL)                    água (mL)            ácido acético
                                                                                     (mL)
         Funil A                   30                        35                       35
         Funil B                   30                        25                       45
         Funil C                   35                        40                       25


       Após serem feitas as misturas, cada funil foi agitado vigorosamente, sempre
controlando a pressão interna da mistura e deixou-se as camadas se separarem, colocando os
funis suspensos em anéis de suporte.
       Em seguida, o volume correto de cada fase aquosa foi determinado e 5 mL de cada
fase foi tomado, colocando-o num erlenmeyer previamente tarado. O conjunto foi pesado e o
sistema foi submetido a uma titulação utilizando a solução de hidróxido de sódio 2M e
fenolftaleína como indicador. Anotou-se o volume gasto.
       Repetiu-se o procedimento para os funis restantes.




                                                                                               6
4- Resultados e Discussão

4.1 - Determinação da curva de solubilidade (1ª parte)

         A tabela a seguir (Tabela 2) é composta pelos resultados experimentais encontrados quando
se fixou o volume de éter no sistema e houve adição de volume de água.
         A massa (m) dos compostos é calculada de acordo com a seguinte expressão:

                                           m         d V
         Em que d é a densidade do composto e V é o volume do mesmo.
         A quantidade de matéria (n) é calculada de acordo com a seguinte expressão:

                                                     m
                                             n
                                                     M
         Em que m é a massa do composto e M é a massa molar do mesmo.
         Para realizar os cálculos são necessários os dados a seguir:
                  Água:
         Densidade = 1,0 g/mL
         Massa molar = 18 g/mol
                  Éter propílico:
         Densidade = 0,724 g/mL
         Massa molar = 102 g/mol
                  Ácido Acético:
         Densidade = 1,049 g/mL
         Massa molar = 60 g/mol


Tabela 2: Resultados experimentais adicionando água e mantendo fixo o volume de éter.
                      Água                         Éter                        Ácido Acético


Ensaio      V        m (g)     n (mol)    V       m (g)    n (mol)       V       m (g)     n (mol)
           (mL)                          (mL)                           (mL)
  1         3          3       0,167      10      7,24     0,071        7,4      7,763         0,129
  2         5          5       0,278      10      7,24     0,071        17,7    18,567         0,309
  3         10        10       0,556      10      7,24     0,071        32,8    34,407         0,573
  4         20        20       1,111      10      7,24     0,071        56,6    59,373         0,990
  5         40        40       2,222      10      7,24     0,071        92,2    96,718         1,612
  6         70        70       3,889      10      7,24     0,071        142     148,958        2,483




                                                                                                       7
A partir dos valores da tabela, determinou-se a fração molar e a percentagem em
massa, utilizando as expressões a seguir, respectivamente. Os resultados obtidos pela
realização           dos
cálculos estão na
                                           n (A)
tabela     a     seguir      x (A)
                                           n total
(Tabela 3).
                                                      m (A)
                             % (m/m) (A)                         100 %
                                                      m total
Tabela 3: Resultados experimentais
                           Água                          Éter                       Ácido Acético
Ensaio         m (g)   Fração        %        m (g)    Fração      %        m (g)      Fração         %
                           molar   (m/m)               molar     (m/m)                  molar        (m/m)
   1            3          0,454   16,664      7,24     0,193    40,216     7,763       0,353       43,119
   2            5          0,422   16,230      7,24     0,108    23,501    18,567       0,470       60,269
   3            10         0,463   19,362      7,24    0,0592    14,018    34,407       0,478       66,620
   4            20         0,512   23,091      7,24     0,033    8,359     59,373       0,456       68,5499
   5            40         0,569   27,785      7,24    0,0182    5,030     96,719       0,413       67,185
   6            70         0,604   30,946      7,24    0,0110    3,201     148,958      0,385       65,853


          A tabela a seguir contém os resultados experimentais quando novamente se fixou o
volume de éter no sistema e variou-se o volume de água. Os cálculos realizados são similares
aos mostrados anteriormente.


Tabela 4: Resultados experimentais adicionando água o e mantendo fixo o volume de éter.
                            Água                          Éter                       Ácido Acético
Ensaio          V      m (g)       n (mol)       V      m (g)    n (mol)      V        m (g)     n (mol)
            (mL)                               (mL)                         (mL)
  1             5           5      0,278         2      1,448     0,014      5,2       5,455        0,091
  2            10          10      0,556         2      1,448     0,014      12       12,588        0,210
  3            20          20      1,111         2      1,448     0,014     20,4      21,400        0,357
  4            40          40      2,222         2      1,448     0,014      29       30,421        0,507


         Do mesmo modo que anteriormente, com o auxílio dos valores na tabela, as frações
molares e percentagem em massa dos componentes do sistema foram determinadas no


                                                                                                            8
momento em que os mesmos estavam homogêneos. Os resultados obtidos através dos
cálculos constam na tabela a seguir (Tabela 5)


Tabela 5: Resultados experimentais.
                    Água                          Éter                         Ácido Acético
Ensaio    m (g)    Fração       %      m (g)     Fração     %          m (g)      Fração         %
                   molar      (m/m)              molar    (m/m)                   molar        (m/m)

   1        5      0,725     42,007    1,448     0,037    12,165   5,455          0,237        45,828
   2       10      0,713     41,604    1,448     0,018    6,024    12,588         0,269        52,371
   3       20      0,750     46,677    1,448     0,010    3,379    21,400         0,241        49,944
   4       40      0,810     55,657    1,448     0,005    2,014    30,421         0,185        42,328


       Com base nas tabelas construídas, foram feitos os diagramas ternários que são
apresentados a seguir. O diagrama da figura 5 foi feito levando-se em consideração a
percentagem em massa. O diagrama da figura 6 foi plotado utilizando-se as composições em
fração molar. Nas mesmas figuras, as curvas de solubilidade estão representadas pelas auto-
formas.




   Figura 5. Diagrama ternário plotado utilizando os valores de porcentagem em massa dos
                            compostos, constantes das Tabelas 3 e 5.




                                                                                                     9
Figura 6. Diagrama ternário plotado utilizando os valores de fração molar dos compostos,
                                constantes das Tabelas 3 e 5.




Figura 7. Diagrama ternário plotado utilizando os valores de massa/massa dos compostos,
constantes das Tabelas 3 e 5.




                                                                                             10
5.2 - Determinação dos pontos tie line (2° parte)

        A tabela a seguir contém os resultados das pesagens realizadas e dos volumes de base
gastos nas titulações, em que: m é a massa do volume de 5 mL da parte aquosa resultante e VT
é o volume gasto na titulação. Não foi possível prosseguir os cálculos com o funil B, pois não
houve separação das misturas.


                        Tabela 6. Valores obtidos na titulação. Fase aquosa.
  Ensaio realizado no funil                    m (g)                             VT (mL)
              A                                 5,48                             19,43
              B                                   -                                 -
              C                                 5,52                             15,75


                        Tabela 7. Valores obtidos na titulação. Fase orgânica.
  Ensaio realizado no funil                    m (g)                             VT (mL)
              A                                 4,30                              8,90
              B                                   -                                 -
              C                                 4,16                              5,60


      Através dos volumes de NaOH, é possível determinar as massas de ácido acético em
cada fase das misturas utilizando a reação de neutralização do ácido pela base em questão
(concentração 1:1).
                          NaOH(aq) + CH3COOH(aq) → NaCH3COO(aq) + H2O(l)


      Pela estequiometria da reação acima o número de mols de NaOH vai ser igual ao número de
mols do ácido acético, podendo assim determinar a massa de cada componente da mistura, através
das equações abaixo.




- Funil A:
      - fase aquosa:
                                                                   n
                                                            C=
                                                                V (L)
      mtotal = 5,48 g                                   nNaOH = 0,039
      VNaOH = 19,43mL = 0,01943 L                mol

                                                                                           11
CNaOH = 2 mol/L


       Como o número de mols de NaOH é igual ao numero de mols do HAC:


                          mH2O = mtotal - mHAC               2,33                  3,15
MHAC = 60 g/mol                                     XHAC =        .100   XH2O =         .100
                          mH2O = 3,15 g                      5,48                  5,48
mHAC = 2,33 g

                                                    XHAC =42,52%               XH2O =57,48%

- Funil C:
       - fase aquosa:
                                                                n
                                                         C=
                                                             V (L)
       mtotal = 5,52 g
                                                     nNaOH = 0,0315
       VNaOH = 15,75 mL = 0,01575 L           mol
       CNaOH = 2 mol/L


       Como o número de mols de NaOH é igual ao numero de mols do HAC:


                          mH2O = mtotal - mHAC               1,89                  3,63
MHAC = 60 g/mol                                     XHAC =        .100   XH2O =         .100
                          mH2O = 3,63 g                      5,52                  5,52
mHAC = 1,89 g

                                                    XHAC =34,24%                   XH2O =
- Funil A:                                          65,76%
       - fase orgânica:
                                                                   n
                                                             C=
                                                                V (L)
       mtotal = 4,30 g                                  nNaOH = 0,0178
       VNaOH = 8,90 mL = 0,0089 L                 mol
       CNaOH = 2 mol/L


       Como o número de mols de NaOH é igual ao numero de mols do HAC:


                          Méter = mtotal - mHAC              1,07                  3,23
MHAC = 60 g/mol                                     XHAC =        .100   Xéter =        .100
                          Méter = 3,23 g                     4,30                  4,30
mHAC = 1,07
                                                    XHAC = 24,88%         Xéter = 75,12%


- Funil C:
       - fase orgânica:
                                                                n
                                                         C=                                 12
                                                             V (L)
                                                     nNaOH = 0,0112
                                              mol
mtotal = 4,16 g
      VNaOH = 5,60 mL = 0,0056 L
      CNaOH = 2 mol/L


      Como o número de mols de NaOH é igual ao numero de mols do HAC:

                          Méter = mtotal - mHAC             0,67                         3,49
MHAC = 60 g/mol                                   XHAC =         .100           Xéter=        .100
                          Méter = 3,49 g                    4,16                         4,16
mHAC = 0,67 g
                                                  XHAC = 16,11%                 Xéter = 83,89%


       As tabelas abaixo mostram os valores obtidos:


                        Tabela 8. Valores obtidos na titulação. Fase aquosa.
 Ensaio realizado no               H2O (%)             Ác. Acético (%)               Éter (%)
         funil
           A                        57,48                   42,52                         0
           B                           -                      -                            -
           C                        65,76                   34,24                         0




                        Tabela 8. Valores obtidos na titulação. Fase orgânica
 Ensaio realizado no               H2O (%)             Ác. Acético (%)               Éter (%)
         funil
           A                          0                     24,88                        75,12
           B                           -                      -                            -
           C                          0                     16,11                        83,89


OBS: Desconsiderou-se a presença de benzeno da fase aquosa. Assim, como na fase orgânica,
desconsiderou-se a presença de água.


      Para determinar as tie lines é preciso ter um par de pontos, que são os pontos das fases
tanto aquosas quanto a orgânica.




                                                                                                     13
Com as tie lines, poderia ser determinado em quais os solventes o ácido acético seria
mais solúvel. Essa conclusão se dá pelo fato dessas linhas se unirem as fases em equilíbrio, e se
posicionarem em sentido crescente ou decrescente em direção à uma das fases.




  Figura 7. Diagrama ternário plotado utilizando os valores de fração molar dos compostos,
                                 determinação das tie lines.




        Figura 8. Diagrama ternário plotado utilizando os valores de porcetagem de massa dos
compostos, determinação das tie lines.




                                                                                              14
5- Conclusão

          A realização da pratica foi muito importante para o aprendizado na analise de
   operações de extração, que é o diagrama ternário.
          As curvas obtidas foram satisfatórias de acordo com o esperado, embora o
   experimento não seja muito preciso.


6- Referências

   1) DE MIRANDA-PINTO, C. O. B.; De Souza, E. Manual de trabalhos práticos de Físico-
   química. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.


   2) DANIELS, F.; MATHEWS, J. H.; WILLIAMS, J. W.; BENDER, P. ALBERTY, R. A. Experimental
   physical chemistry. 5th ed. New York: McGraw-Hill Book Company, 1956.


   3) MC CABE, W. L.; SMITH, J. C. HARRIOTT, P. Unit operations of chemical engeneering. 7th
   ed. New York: McGraw Hill, 2005.

   4) DE ALMEIDA, A. M. Determinação voltamétrica de molibdênio(VI) utilizando um sistema
   ternário homogêneo de solventes. São Paulo: Universidade Estadual de campinas, 2003.




                                                                                    15

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoAna Morais Nascimento
 
Relatório - complexometria determinação de zinco e de magnésio com edta
Relatório - complexometria determinação de zinco e de magnésio com edtaRelatório - complexometria determinação de zinco e de magnésio com edta
Relatório - complexometria determinação de zinco e de magnésio com edtaFernanda Borges de Souza
 
Prática 1 tensão superficial 1 - relatório diandra
Prática 1   tensão superficial 1 - relatório diandraPrática 1   tensão superficial 1 - relatório diandra
Prática 1 tensão superficial 1 - relatório diandraRafaela Campos de Souza
 
Lista - fenômenos de superfície
Lista - fenômenos de superfícieLista - fenômenos de superfície
Lista - fenômenos de superfícieMárcio Martins
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoDhion Meyg Fernandes
 
Relatorio - uv vis - Métodos Instrumentais
Relatorio - uv vis -  Métodos Instrumentais Relatorio - uv vis -  Métodos Instrumentais
Relatorio - uv vis - Métodos Instrumentais Juliana Teófilo
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICARELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICAEzequias Guimaraes
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaarceariane87
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaÍngrede Silva
 
Aula de equilíbrio quimico
Aula de equilíbrio quimicoAula de equilíbrio quimico
Aula de equilíbrio quimicoIsabele Félix
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕESJessica Amaral
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaFernanda Borges de Souza
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTAAdrianne Mendonça
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃOEzequias Guimaraes
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHRodrigo Henrique
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreDhion Meyg Fernandes
 

Mais procurados (20)

Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
 
Relatório - complexometria determinação de zinco e de magnésio com edta
Relatório - complexometria determinação de zinco e de magnésio com edtaRelatório - complexometria determinação de zinco e de magnésio com edta
Relatório - complexometria determinação de zinco e de magnésio com edta
 
Prática 1 tensão superficial 1 - relatório diandra
Prática 1   tensão superficial 1 - relatório diandraPrática 1   tensão superficial 1 - relatório diandra
Prática 1 tensão superficial 1 - relatório diandra
 
Lista - fenômenos de superfície
Lista - fenômenos de superfícieLista - fenômenos de superfície
Lista - fenômenos de superfície
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de Precipitação
 
Relatorio - uv vis - Métodos Instrumentais
Relatorio - uv vis -  Métodos Instrumentais Relatorio - uv vis -  Métodos Instrumentais
Relatorio - uv vis - Métodos Instrumentais
 
Relatorio de adsorção1 (1)
Relatorio de adsorção1 (1)Relatorio de adsorção1 (1)
Relatorio de adsorção1 (1)
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICARELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
 
Relatório corrosão
Relatório corrosãoRelatório corrosão
Relatório corrosão
 
Aula de equilíbrio quimico
Aula de equilíbrio quimicoAula de equilíbrio quimico
Aula de equilíbrio quimico
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Coeficiente de atividade
Coeficiente de atividadeCoeficiente de atividade
Coeficiente de atividade
 
Lei de lambert beer
Lei de lambert beerLei de lambert beer
Lei de lambert beer
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOH
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 

Destaque

Tema 6. Equilibrio ternario entre fases líquidas
Tema 6. Equilibrio ternario entre fases líquidasTema 6. Equilibrio ternario entre fases líquidas
Tema 6. Equilibrio ternario entre fases líquidasadriandsierraf
 
Solubilidad de Pares Liquidos Parcialmente Miscibles
Solubilidad de Pares Liquidos Parcialmente MisciblesSolubilidad de Pares Liquidos Parcialmente Miscibles
Solubilidad de Pares Liquidos Parcialmente Misciblescecymedinagcia
 
Banco de dados model-er
Banco de dados model-erBanco de dados model-er
Banco de dados model-erCarlos Melo
 
Tabla de base 4
Tabla de base 4Tabla de base 4
Tabla de base 4marceluni
 
LÍQUIDOS PARCIALMENTE MISCIBLES-DIAGRAMAS TRIANGULARES (TRIÁNGULO DE GIBBS).
LÍQUIDOS PARCIALMENTE MISCIBLES-DIAGRAMAS TRIANGULARES (TRIÁNGULO DE GIBBS).LÍQUIDOS PARCIALMENTE MISCIBLES-DIAGRAMAS TRIANGULARES (TRIÁNGULO DE GIBBS).
LÍQUIDOS PARCIALMENTE MISCIBLES-DIAGRAMAS TRIANGULARES (TRIÁNGULO DE GIBBS).Irvin de Jesús Rodríguez Martínez
 
Analise estruturada
Analise estruturadaAnalise estruturada
Analise estruturadaUNIPsystem
 
Oxidative Rancidity in Oils and Fats, Causes and Prevention
Oxidative Rancidity in Oils and Fats, Causes and PreventionOxidative Rancidity in Oils and Fats, Causes and Prevention
Oxidative Rancidity in Oils and Fats, Causes and PreventionSadanand Patel
 
Diagramas de equilíbrio de fases mg pb
Diagramas de equilíbrio de fases mg pbDiagramas de equilíbrio de fases mg pb
Diagramas de equilíbrio de fases mg pbLuma Marques
 
Sistemas de Numeración Base 3, 4 y 5
Sistemas de Numeración Base 3, 4 y 5Sistemas de Numeración Base 3, 4 y 5
Sistemas de Numeración Base 3, 4 y 5Rodrigo Palomino
 
Bancode dados modelagem conceitual
Bancode dados modelagem conceitualBancode dados modelagem conceitual
Bancode dados modelagem conceitualMario Sergio
 
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)Vitor Hugo Melo Araújo
 
Tabla de multiplicar del 1 al 20
Tabla de multiplicar del 1 al 20Tabla de multiplicar del 1 al 20
Tabla de multiplicar del 1 al 20wilson000
 
Banco de Dados II: MER (aula 1)
Banco de Dados II: MER (aula 1)Banco de Dados II: MER (aula 1)
Banco de Dados II: MER (aula 1)Gustavo Zimmermann
 

Destaque (20)

Diagrama de tres fases
Diagrama de tres fasesDiagrama de tres fases
Diagrama de tres fases
 
Diagramas ternarios
Diagramas ternariosDiagramas ternarios
Diagramas ternarios
 
Tema 6. Equilibrio ternario entre fases líquidas
Tema 6. Equilibrio ternario entre fases líquidasTema 6. Equilibrio ternario entre fases líquidas
Tema 6. Equilibrio ternario entre fases líquidas
 
Diagramas de fases ejercicios y problemas
Diagramas de fases ejercicios y problemasDiagramas de fases ejercicios y problemas
Diagramas de fases ejercicios y problemas
 
Solubilidad de Pares Liquidos Parcialmente Miscibles
Solubilidad de Pares Liquidos Parcialmente MisciblesSolubilidad de Pares Liquidos Parcialmente Miscibles
Solubilidad de Pares Liquidos Parcialmente Miscibles
 
diagrama triangular
diagrama triangulardiagrama triangular
diagrama triangular
 
Banco de dados model-er
Banco de dados model-erBanco de dados model-er
Banco de dados model-er
 
Tabla de base 4
Tabla de base 4Tabla de base 4
Tabla de base 4
 
LÍQUIDOS PARCIALMENTE MISCIBLES-DIAGRAMAS TRIANGULARES (TRIÁNGULO DE GIBBS).
LÍQUIDOS PARCIALMENTE MISCIBLES-DIAGRAMAS TRIANGULARES (TRIÁNGULO DE GIBBS).LÍQUIDOS PARCIALMENTE MISCIBLES-DIAGRAMAS TRIANGULARES (TRIÁNGULO DE GIBBS).
LÍQUIDOS PARCIALMENTE MISCIBLES-DIAGRAMAS TRIANGULARES (TRIÁNGULO DE GIBBS).
 
Ternario
TernarioTernario
Ternario
 
Analise estruturada
Analise estruturadaAnalise estruturada
Analise estruturada
 
Oxidative Rancidity in Oils and Fats, Causes and Prevention
Oxidative Rancidity in Oils and Fats, Causes and PreventionOxidative Rancidity in Oils and Fats, Causes and Prevention
Oxidative Rancidity in Oils and Fats, Causes and Prevention
 
Tablas de multiplicar en base 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 11, 12 y 16
Tablas de multiplicar en base 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 11, 12 y 16Tablas de multiplicar en base 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 11, 12 y 16
Tablas de multiplicar en base 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 11, 12 y 16
 
Diagramas de equilíbrio de fases mg pb
Diagramas de equilíbrio de fases mg pbDiagramas de equilíbrio de fases mg pb
Diagramas de equilíbrio de fases mg pb
 
Sistemas de Numeración Base 3, 4 y 5
Sistemas de Numeración Base 3, 4 y 5Sistemas de Numeración Base 3, 4 y 5
Sistemas de Numeración Base 3, 4 y 5
 
Bancode dados modelagem conceitual
Bancode dados modelagem conceitualBancode dados modelagem conceitual
Bancode dados modelagem conceitual
 
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
 
Tabla de multiplicar del 1 al 20
Tabla de multiplicar del 1 al 20Tabla de multiplicar del 1 al 20
Tabla de multiplicar del 1 al 20
 
Banco de Dados II: MER (aula 1)
Banco de Dados II: MER (aula 1)Banco de Dados II: MER (aula 1)
Banco de Dados II: MER (aula 1)
 
SGBD
SGBDSGBD
SGBD
 

Semelhante a Equilíbrio Heterogêneo em Sistema Ternário de Água, Éter e Ácido Acético

Aula 2 diagrama de fases
Aula 2 diagrama de fasesAula 2 diagrama de fases
Aula 2 diagrama de fasesGian Remundini
 
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)marcelo capistrano
 
8Diagrama de fases aula.pdf
8Diagrama de fases aula.pdf8Diagrama de fases aula.pdf
8Diagrama de fases aula.pdfCnthiaDornelas1
 
Diagrama de fases e equilibrio
Diagrama de fases e equilibrioDiagrama de fases e equilibrio
Diagrama de fases e equilibrioLukasSeize
 
Aula 02 propriedades termodi nu00-c2micas
Aula 02   propriedades termodi nu00-c2micasAula 02   propriedades termodi nu00-c2micas
Aula 02 propriedades termodi nu00-c2micasAbsolon Carvalho
 
"Somos Físicos" Balanceamento das Equações Químicas
"Somos Físicos" Balanceamento das Equações Químicas"Somos Físicos" Balanceamento das Equações Químicas
"Somos Físicos" Balanceamento das Equações QuímicasVania Lima "Somos Físicos"
 
Métodos Para Resolver Sistemas de Equações Lineares
Métodos Para Resolver Sistemas de Equações LinearesMétodos Para Resolver Sistemas de Equações Lineares
Métodos Para Resolver Sistemas de Equações LinearesMayara Mônica
 
Notas de aula_van_willen_6ªed
Notas de aula_van_willen_6ªedNotas de aula_van_willen_6ªed
Notas de aula_van_willen_6ªedJoão Ferreira
 
construcao-de-um-termometro.trabalho para
construcao-de-um-termometro.trabalho paraconstrucao-de-um-termometro.trabalho para
construcao-de-um-termometro.trabalho paraSamiaPeres
 

Semelhante a Equilíbrio Heterogêneo em Sistema Ternário de Água, Éter e Ácido Acético (20)

Aula 2 diagrama de fases
Aula 2 diagrama de fasesAula 2 diagrama de fases
Aula 2 diagrama de fases
 
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
 
8Diagrama de fases aula.pdf
8Diagrama de fases aula.pdf8Diagrama de fases aula.pdf
8Diagrama de fases aula.pdf
 
Diagrama de fases e equilibrio
Diagrama de fases e equilibrioDiagrama de fases e equilibrio
Diagrama de fases e equilibrio
 
Aula 02 propriedades termodi nu00-c2micas
Aula 02   propriedades termodi nu00-c2micasAula 02   propriedades termodi nu00-c2micas
Aula 02 propriedades termodi nu00-c2micas
 
Coeficiente partição (4)
Coeficiente partição (4)Coeficiente partição (4)
Coeficiente partição (4)
 
Aula05 2005 1p
Aula05 2005 1pAula05 2005 1p
Aula05 2005 1p
 
Fator de atrito grupo 2
Fator de atrito   grupo 2Fator de atrito   grupo 2
Fator de atrito grupo 2
 
"Somos Físicos" Balanceamento das Equações Químicas
"Somos Físicos" Balanceamento das Equações Químicas"Somos Físicos" Balanceamento das Equações Químicas
"Somos Físicos" Balanceamento das Equações Químicas
 
Ifsp dinâmica dos fluidos
Ifsp dinâmica dos fluidosIfsp dinâmica dos fluidos
Ifsp dinâmica dos fluidos
 
Métodos Para Resolver Sistemas de Equações Lineares
Métodos Para Resolver Sistemas de Equações LinearesMétodos Para Resolver Sistemas de Equações Lineares
Métodos Para Resolver Sistemas de Equações Lineares
 
Relatorio pou 3
Relatorio pou 3 Relatorio pou 3
Relatorio pou 3
 
Material do 2º plantão de química v3
Material do 2º plantão de química v3Material do 2º plantão de química v3
Material do 2º plantão de química v3
 
Material do 2º plantão de química v3
Material do 2º plantão de química v3Material do 2º plantão de química v3
Material do 2º plantão de química v3
 
Prática 01
Prática 01Prática 01
Prática 01
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
Notas de aula_van_willen_6ªed
Notas de aula_van_willen_6ªedNotas de aula_van_willen_6ªed
Notas de aula_van_willen_6ªed
 
Article i (1)
Article i (1)Article i (1)
Article i (1)
 
construcao-de-um-termometro.trabalho para
construcao-de-um-termometro.trabalho paraconstrucao-de-um-termometro.trabalho para
construcao-de-um-termometro.trabalho para
 
Condutos forçados
Condutos forçadosCondutos forçados
Condutos forçados
 

Último

Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

Equilíbrio Heterogêneo em Sistema Ternário de Água, Éter e Ácido Acético

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA – DEQ QUÍMICA INDUSTRIAL Quinto relatório de Laboratório de Físico-Química 2 Equilíbrio Heterogêneo (Sistema Ternário) Professor: Luciano Costa Aluna: Larissa Ciro Souza da Silva Curso: Química Industrial Recife, Dezembro2011
  • 2. 1- Introdução O estado de equilíbrio de um sistema fechado é aquele estado no qual a energia de Gibbs total é o mínimo em relação a todas as possíveis mudanças nas temperaturas e pressão especificadas. Muitos pares de espécies químicas, quando misturadas em uma certa faixa de composições para formar uma única fase líquida, podem não satisfazer o critério de estabilidade. Conseqüentemente, nesta faixa de composições, tais sistemas se dividem em duas fases líquidas com composições diferentes. Se as fases estão em equilíbrio termodinâmico, o fenômeno é um exemplo de equilíbrio líquido-líquido, que é importante em muitas operações industriais como a extração com solventes. O conhecimento de dados de equilíbrio líquido-líquido é fundamental para o estudo dos processos de separação por extração. Geralmente os dados de equilíbrio líquido-líquido são representados por um gráfico triangular eqüilateral conhecido como curva binodal, que separa a região de duas fases da região homogênea. As composições das fases em equilíbrio podem ser determinadas através das linhas de amarração que representam as duas fases em equilíbrio. 1.1 Diagrama ternário É conveniente visualizar um sistema ternário utilizando um diagrama triangular, chamado de diagrama ternário ou diagrama de Stokes e Roozeboom. Este diagrama é, geometricamente, um triângulo equilátero e define, por exemplo, as composições em porcentagem em massa (% m/m) do sistema ou em fração molar. Cada vértice do triângulo representa um componente. Podemos traçar uma reta perpendicular a qualquer um dos lados do triângulo passando por um dos vértices e dividir essa perpendicular em 10 partes iguais. Excluindo o vértice e o ponto formado pela interseção da perpendicular com o lado do triângulo, serão originados da divisão 9 pontos sobre a perpendicular. Podemos, então, traçar retas paralelas ao lado do triângulo em questão passando por cada um desses pontos. Feito isso, tem-se a seguinte convenção: “Sabendo que o vértice A corresponde a um dos componentes do sistema ternário, o lado do triângulo oposto a este vértice representa uma composição nula deste componente no sistema.” A primeira reta paralela a este lado, contando a partir do próprio lado, representa uma composição de 10 % do componente no sistema, a segunda paralela representa uma composição de 20 % e assim sucessivamente até que o próprio vértice A corresponde a uma composição de 100 % do componente no sistema, ou seja, o componente puro (Figura 1). A Figura 1. Construção do diagrama ternário e sua leitura. 2
  • 3. Este procedimento é feito para todos os lados do triângulo, originando o diagrama ternário (Figura 2). Qualquer reta paralela a um dos lados do triângulo representa uma composição constante do componente locado no vértice oposto. Qualquer ponto situado em um dos lados do triangulo indica que temos apenas dois componentes no sistema, de acordo com a convenção adotada. Os pontos interiores ao triângulo apresentam 3 coordenadas, cada uma para a composição de um componente. A Figura 2. Diagrama ternário pronto para utilização. B C Experimentalmente, a curva traçada utilizando diagrama de fase ternário é obtida preparando-se misturas conhecidas de 2 líquidos pouco miscíveis, às quais são adicionados volumes conhecidos de um terceiro líquido, até que a turbidez desapareça. Calculando-se as frações molares (ou porcentagem em massa) de cada componente no momento em que a turbidez desaparece, determinam-se pontos no diagrama que permitem o traçado da curva de solubilidade (ou curva binodal), em vermelho na Figura 3. Figura 3. Diagrama ternário com curva de solubilidade construída. Nele temos também indicado um plalt point (em azul) e duas tie lines (em cor-de-rosa). N L 3
  • 4. O diagrama ternário apresenta duas regiões, uma monofásica e outra bifásica. Para melhor entendimento do diagrama, esclarece-se que os pontos localizados acima da curva binodal (em vermelho) compõem a configuração monofásica do sistema. Os pontos localizados abaixo da curva representam a configuração bifásica do sistema. Já os pontos localizados exatamente sobre a curva binodal apresentam como característica um sistema turvo, indicando o limite entre os aspectos monofásico e o bifásico. Estes pontos são chamados de pontos de opalescência ou plalt points, definidos como pontos críticos do sistema. Um sistema representado pelo ponto M, por exemplo, está separado em duas fases de composição L e N. Estas duas soluções são chamadas soluções conjugadas e a linha que une as composições dessas soluções é chamada de linha de amarração (linha de correlação ou tie line). Em geral, as linhas de correlação não são paralelas, porque a solubilidade do componente, miscível nos outros dois, não é a mesma nas camadas. Conseqüentemente, a sua orientação deve ser determinada experimentalmente. No esquema da Figura 3 temos duas tie lines representadas em cor-de-rosa. 2.3 – Tipos de sistemas ternários De acordo com a miscibilidade parcial dos três componentes envolvidos na formação do sistema, existem três tipos de sistema líquidos ternários. O Tipo I representa um sistema em que só um par de componentes é parcial ou totalmente imiscível; os outros dois pares são completamente miscíveis em todas as proporções. É o diagrama mais comum que existe. No Tipo II, dois pares de componentes são parciais ou totalmente imiscíveis. No tipo III, todos os três pares de componentes são parciais ou totalmente imiscíveis. De um modo geral, a área de imiscibilidade de um sistema ternário diminui quando a temperatura se eleva. Um sistema ternário que apresenta relações de solubilidade do Tipo I, para dois pares de componentes pode transformar-se num sistema do Tipo II, por abaixamento da temperatura. Semelhantemente, um sistema ternário que apresenta relações de solubilidade do tipo I para os três pares de componentes, pode transformar-se num sistema do Tipo III, por abaixamento da temperatura. 2- Objetivos 2.1- Objetivo Geral Realizar um estudo sobre um sistema heterogêneo através da construção do diagrama de fases de um sistema ternário. . 2.2- Objetivo Específico Verificar experimentalmente a solubilidade de dois líquidos parcialmente miscíveis (água e éter) com um terceiro completamente miscível (ácido acético) nos outros dois. 4
  • 5. Construir o diagrama de solubilidade e do ponto crítico isotérmico para o sistema ternário em questão. Analisar a solubilidade de compostos e as variáveis que interferem neste fenômeno. Pela técnica da extração, determinar os pontos da tie line. 3- Materiais e Método 3.1- Materiais Buretas de vidro de 50 mL Suporte universal Garra Béquer de 50 mL Erlenmeyers de 250 mL e 125 mL Funis de separação de 125 mL Anéis para suporte Pipetas graduadas de 10 mL Pipetas volumétricas de 5 mL Provetas de vidro graduadas de 50 mL e 100 mL Pêra de borracha Água destilada, Éter propílico P.A. Ácido Acético Solução de fenolftaleína Solução aquosa de hidróxido de sódio (NaOH) 2,0 M Balança semi-analítica 3.2- Procedimento Experimental 3.2.1 - Determinação da curva de solubilidade (1° parte) Em um erlenmeyer de 250 mL foi adicionado 10 mL de éter e 3 mL de água destilada. Essa mistura foi agitada até formar uma solução turva. Em seguida, com uma bureta contendo ácido acético, adicionou-se o mesmo sob agitação vigorosa, até a obtenção de um sistema límpido (solução dos 3 componentes). Anotou-se o volume gasto do ácido acético. Logo após, foi adicionado à solução mais 2 mL de 5
  • 6. água destilada e repetiu-se o gotejamento de ácido acético com a bureta até obter-se novamente uma solução homogênea, anotando o volume de ácido utilizado. Este processo foi repetido, sendo adicionado mais 5, 10, 20, 30 mL de água não sistema. Anotaram-se os volumes mínimos de ácido gasto para homogeneizar o sistema em cada repetição. Em outro erlenmeyer de 250 mL, foram adicionados 2 mL de éter e 5 mL de água e agitou-se o sistema. Com a bureta, gotejou-se ácido acético até o sistema formado tornar-se homogêneo e anotou-se o volume gasto do ácido, seguindo o procedimento inicial. Da mesma forma realizada anteriormente, repetiu-se o processo, adicionando mais 5, 10, 20, e 30 mL de água e anotou-se o volume de ácido usado correspondente em cada caso. 3.2.1 - Determinação dos pontos tie line (2° parte) Em três funis de decantação de 125 mL, foram preparadas as seguintes misturas de acordo com a tabela (Tabela 1) a seguir: Tabela 1: Especificações para o preparo dos sistemas de cada funil de separação. Funil Volume de éter Volume de Volume de (mL) água (mL) ácido acético (mL) Funil A 30 35 35 Funil B 30 25 45 Funil C 35 40 25 Após serem feitas as misturas, cada funil foi agitado vigorosamente, sempre controlando a pressão interna da mistura e deixou-se as camadas se separarem, colocando os funis suspensos em anéis de suporte. Em seguida, o volume correto de cada fase aquosa foi determinado e 5 mL de cada fase foi tomado, colocando-o num erlenmeyer previamente tarado. O conjunto foi pesado e o sistema foi submetido a uma titulação utilizando a solução de hidróxido de sódio 2M e fenolftaleína como indicador. Anotou-se o volume gasto. Repetiu-se o procedimento para os funis restantes. 6
  • 7. 4- Resultados e Discussão 4.1 - Determinação da curva de solubilidade (1ª parte) A tabela a seguir (Tabela 2) é composta pelos resultados experimentais encontrados quando se fixou o volume de éter no sistema e houve adição de volume de água. A massa (m) dos compostos é calculada de acordo com a seguinte expressão: m d V Em que d é a densidade do composto e V é o volume do mesmo. A quantidade de matéria (n) é calculada de acordo com a seguinte expressão: m n M Em que m é a massa do composto e M é a massa molar do mesmo. Para realizar os cálculos são necessários os dados a seguir: Água: Densidade = 1,0 g/mL Massa molar = 18 g/mol Éter propílico: Densidade = 0,724 g/mL Massa molar = 102 g/mol Ácido Acético: Densidade = 1,049 g/mL Massa molar = 60 g/mol Tabela 2: Resultados experimentais adicionando água e mantendo fixo o volume de éter. Água Éter Ácido Acético Ensaio V m (g) n (mol) V m (g) n (mol) V m (g) n (mol) (mL) (mL) (mL) 1 3 3 0,167 10 7,24 0,071 7,4 7,763 0,129 2 5 5 0,278 10 7,24 0,071 17,7 18,567 0,309 3 10 10 0,556 10 7,24 0,071 32,8 34,407 0,573 4 20 20 1,111 10 7,24 0,071 56,6 59,373 0,990 5 40 40 2,222 10 7,24 0,071 92,2 96,718 1,612 6 70 70 3,889 10 7,24 0,071 142 148,958 2,483 7
  • 8. A partir dos valores da tabela, determinou-se a fração molar e a percentagem em massa, utilizando as expressões a seguir, respectivamente. Os resultados obtidos pela realização dos cálculos estão na n (A) tabela a seguir x (A) n total (Tabela 3). m (A) % (m/m) (A) 100 % m total Tabela 3: Resultados experimentais Água Éter Ácido Acético Ensaio m (g) Fração % m (g) Fração % m (g) Fração % molar (m/m) molar (m/m) molar (m/m) 1 3 0,454 16,664 7,24 0,193 40,216 7,763 0,353 43,119 2 5 0,422 16,230 7,24 0,108 23,501 18,567 0,470 60,269 3 10 0,463 19,362 7,24 0,0592 14,018 34,407 0,478 66,620 4 20 0,512 23,091 7,24 0,033 8,359 59,373 0,456 68,5499 5 40 0,569 27,785 7,24 0,0182 5,030 96,719 0,413 67,185 6 70 0,604 30,946 7,24 0,0110 3,201 148,958 0,385 65,853 A tabela a seguir contém os resultados experimentais quando novamente se fixou o volume de éter no sistema e variou-se o volume de água. Os cálculos realizados são similares aos mostrados anteriormente. Tabela 4: Resultados experimentais adicionando água o e mantendo fixo o volume de éter. Água Éter Ácido Acético Ensaio V m (g) n (mol) V m (g) n (mol) V m (g) n (mol) (mL) (mL) (mL) 1 5 5 0,278 2 1,448 0,014 5,2 5,455 0,091 2 10 10 0,556 2 1,448 0,014 12 12,588 0,210 3 20 20 1,111 2 1,448 0,014 20,4 21,400 0,357 4 40 40 2,222 2 1,448 0,014 29 30,421 0,507 Do mesmo modo que anteriormente, com o auxílio dos valores na tabela, as frações molares e percentagem em massa dos componentes do sistema foram determinadas no 8
  • 9. momento em que os mesmos estavam homogêneos. Os resultados obtidos através dos cálculos constam na tabela a seguir (Tabela 5) Tabela 5: Resultados experimentais. Água Éter Ácido Acético Ensaio m (g) Fração % m (g) Fração % m (g) Fração % molar (m/m) molar (m/m) molar (m/m) 1 5 0,725 42,007 1,448 0,037 12,165 5,455 0,237 45,828 2 10 0,713 41,604 1,448 0,018 6,024 12,588 0,269 52,371 3 20 0,750 46,677 1,448 0,010 3,379 21,400 0,241 49,944 4 40 0,810 55,657 1,448 0,005 2,014 30,421 0,185 42,328 Com base nas tabelas construídas, foram feitos os diagramas ternários que são apresentados a seguir. O diagrama da figura 5 foi feito levando-se em consideração a percentagem em massa. O diagrama da figura 6 foi plotado utilizando-se as composições em fração molar. Nas mesmas figuras, as curvas de solubilidade estão representadas pelas auto- formas. Figura 5. Diagrama ternário plotado utilizando os valores de porcentagem em massa dos compostos, constantes das Tabelas 3 e 5. 9
  • 10. Figura 6. Diagrama ternário plotado utilizando os valores de fração molar dos compostos, constantes das Tabelas 3 e 5. Figura 7. Diagrama ternário plotado utilizando os valores de massa/massa dos compostos, constantes das Tabelas 3 e 5. 10
  • 11. 5.2 - Determinação dos pontos tie line (2° parte) A tabela a seguir contém os resultados das pesagens realizadas e dos volumes de base gastos nas titulações, em que: m é a massa do volume de 5 mL da parte aquosa resultante e VT é o volume gasto na titulação. Não foi possível prosseguir os cálculos com o funil B, pois não houve separação das misturas. Tabela 6. Valores obtidos na titulação. Fase aquosa. Ensaio realizado no funil m (g) VT (mL) A 5,48 19,43 B - - C 5,52 15,75 Tabela 7. Valores obtidos na titulação. Fase orgânica. Ensaio realizado no funil m (g) VT (mL) A 4,30 8,90 B - - C 4,16 5,60 Através dos volumes de NaOH, é possível determinar as massas de ácido acético em cada fase das misturas utilizando a reação de neutralização do ácido pela base em questão (concentração 1:1). NaOH(aq) + CH3COOH(aq) → NaCH3COO(aq) + H2O(l) Pela estequiometria da reação acima o número de mols de NaOH vai ser igual ao número de mols do ácido acético, podendo assim determinar a massa de cada componente da mistura, através das equações abaixo. - Funil A: - fase aquosa: n C= V (L) mtotal = 5,48 g nNaOH = 0,039 VNaOH = 19,43mL = 0,01943 L mol 11
  • 12. CNaOH = 2 mol/L Como o número de mols de NaOH é igual ao numero de mols do HAC: mH2O = mtotal - mHAC 2,33 3,15 MHAC = 60 g/mol XHAC = .100 XH2O = .100 mH2O = 3,15 g 5,48 5,48 mHAC = 2,33 g XHAC =42,52% XH2O =57,48% - Funil C: - fase aquosa: n C= V (L) mtotal = 5,52 g nNaOH = 0,0315 VNaOH = 15,75 mL = 0,01575 L mol CNaOH = 2 mol/L Como o número de mols de NaOH é igual ao numero de mols do HAC: mH2O = mtotal - mHAC 1,89 3,63 MHAC = 60 g/mol XHAC = .100 XH2O = .100 mH2O = 3,63 g 5,52 5,52 mHAC = 1,89 g XHAC =34,24% XH2O = - Funil A: 65,76% - fase orgânica: n C= V (L) mtotal = 4,30 g nNaOH = 0,0178 VNaOH = 8,90 mL = 0,0089 L mol CNaOH = 2 mol/L Como o número de mols de NaOH é igual ao numero de mols do HAC: Méter = mtotal - mHAC 1,07 3,23 MHAC = 60 g/mol XHAC = .100 Xéter = .100 Méter = 3,23 g 4,30 4,30 mHAC = 1,07 XHAC = 24,88% Xéter = 75,12% - Funil C: - fase orgânica: n C= 12 V (L) nNaOH = 0,0112 mol
  • 13. mtotal = 4,16 g VNaOH = 5,60 mL = 0,0056 L CNaOH = 2 mol/L Como o número de mols de NaOH é igual ao numero de mols do HAC: Méter = mtotal - mHAC 0,67 3,49 MHAC = 60 g/mol XHAC = .100 Xéter= .100 Méter = 3,49 g 4,16 4,16 mHAC = 0,67 g XHAC = 16,11% Xéter = 83,89% As tabelas abaixo mostram os valores obtidos: Tabela 8. Valores obtidos na titulação. Fase aquosa. Ensaio realizado no H2O (%) Ác. Acético (%) Éter (%) funil A 57,48 42,52 0 B - - - C 65,76 34,24 0 Tabela 8. Valores obtidos na titulação. Fase orgânica Ensaio realizado no H2O (%) Ác. Acético (%) Éter (%) funil A 0 24,88 75,12 B - - - C 0 16,11 83,89 OBS: Desconsiderou-se a presença de benzeno da fase aquosa. Assim, como na fase orgânica, desconsiderou-se a presença de água. Para determinar as tie lines é preciso ter um par de pontos, que são os pontos das fases tanto aquosas quanto a orgânica. 13
  • 14. Com as tie lines, poderia ser determinado em quais os solventes o ácido acético seria mais solúvel. Essa conclusão se dá pelo fato dessas linhas se unirem as fases em equilíbrio, e se posicionarem em sentido crescente ou decrescente em direção à uma das fases. Figura 7. Diagrama ternário plotado utilizando os valores de fração molar dos compostos, determinação das tie lines. Figura 8. Diagrama ternário plotado utilizando os valores de porcetagem de massa dos compostos, determinação das tie lines. 14
  • 15. 5- Conclusão A realização da pratica foi muito importante para o aprendizado na analise de operações de extração, que é o diagrama ternário. As curvas obtidas foram satisfatórias de acordo com o esperado, embora o experimento não seja muito preciso. 6- Referências 1) DE MIRANDA-PINTO, C. O. B.; De Souza, E. Manual de trabalhos práticos de Físico- química. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. 2) DANIELS, F.; MATHEWS, J. H.; WILLIAMS, J. W.; BENDER, P. ALBERTY, R. A. Experimental physical chemistry. 5th ed. New York: McGraw-Hill Book Company, 1956. 3) MC CABE, W. L.; SMITH, J. C. HARRIOTT, P. Unit operations of chemical engeneering. 7th ed. New York: McGraw Hill, 2005. 4) DE ALMEIDA, A. M. Determinação voltamétrica de molibdênio(VI) utilizando um sistema ternário homogêneo de solventes. São Paulo: Universidade Estadual de campinas, 2003. 15