Artigo psicomotricidade 2014

4.357 visualizações

Publicada em

A PSICOMOTRICIDADE COMO FORMA DE CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.357
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
60
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo psicomotricidade 2014

  1. 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO UNIFAI Cristiane Nery Martins A PSICOMOTRICIDADE COMO FORMA DE CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I. SÃO PAULO 2014
  2. 2. 1 Cristiane Nery Martins A PSICOMOTRICIDADE COMO FORMA DE CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I. Trabalho Científico Orientado apresentado como atividade obrigatória do Curso de Lato Sensu em Psicomotricidade. _______________________________________________________ ORIENTADOR (a): Profa. Dra. Vania Ramos São Paulo, 2014.
  3. 3. 2 Cristiane Nery Martins A PSICOMOTRICIDADE COMO FORMA DE CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I. Trabalho Científico Orientado apresentado como atividade obrigatória do Curso de Lato Sensu em Psicomotricidade. Aprovada em dezembro de 20__. ________________________________________________________ ORIENTADOR (a): Profa. Dra. Vania Ramos
  4. 4. 3 A PSICOMOTRICIDADE COMO FORMA DE CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I. PSYCHOMOTOR AS FORM OF CONTRIBUTION TO LEARNING IN EARLY CHILDHOOD EDUCATION AND SERIES BEGINNING OF FUNDAMENTAL EDUCATION I. Cristiane Nery Martins1 Orientadora: Profa. Doutora Vânia Ramos2 Resumo: O presente artigo vem demonstrar a importância da psicomotricidade na Educação Infantil como prevenção e contribuição para a aprendizagem escolar no início da alfabetização no Ensino Fundamental I. Demonstrar a intervenção dos movimentos do corpo aos objetivos educacionais por meio de pesquisa bibliográfica tendo em destaques Vitor da Fonseca, Jean Le Boulch, Alves, Assis, Arnaiz, Luria e Ajuriaguerra, pois os mesmos enfatizam a falta da educação psicomotora e o que acarreta nas crianças em processo de alfabetização, já que a psicomotricidade auxilia no desenvolvimento do esquema corporal, lateralidade, percepção espacial, orientação espacial e temporal, percepção visual auditiva e tátil, auxiliando a criança no momento de aprendizagem. Palavras chave: Educação psicomotora, Educação Infantil, educador, alfabetização, movimentos, contribuição psicomotora. Abstract: This article demonstrates the importance of psychomotor skills in kindergarten as a contribution to prevention and school learning in early literacy in Elementary Education I. Demonstrate the intervention of body movements to the educational objectives by means of literature highlights the taking Vitor authors da Fonseca, Alves, Assis, Jean Leboulch , Arnaiz , Luria, and Ajuriaguerra since they emphasize the lack of psychomotor education and what it entails in children in the 1 Graduada em Pedagogia e Tecnologia Educacional pela Universidade Anhembi Morumbi, Pós graduanda em psicomotricidade pela UNIFAI. 2 Doutora em Ciências Sociais e Mestre em gerontologia pela PUC/SP. Psicopedagoga e Psicomotricista. Sócio titular n° 132 da Sociedade Brasileira de Psicomotricidade. Coordenadora do curso de pós-graduação em Psicomotricidade da UNIFAI.
  5. 5. 4 literacy process , since the psychomotor assists in the development of body image , laterality , spatial perception , spatial orientation and temporal , auditory and tactile visual perception , assisting the child at the time of learning. Key words: Psychomotor Education, Early Childhood Education, educator, literacy movements, psychomotor contribution.
  6. 6. 5 INTRODUÇÃO Este artigo tem como objetivo compreender como é que a psicomotricidade pode contribuir para a aprendizagem na Educação Infantil e nas séries iniciais do Fundamental I, principalmente em um momento tão delicado e importante que é a alfabetização. Acreditamos que é necessário o professor usar a psicomotricidade como um caráter preventivo e diferenciado no seu trabalho pedagógico, facilitando assim, a compreensão das crianças que possuem dificuldades de comportamento e aprendizagem. A metodologia adotada no presente trabalho tratou-se de uma pesquisa bibliográfica, onde através de coleta de dados em livros, teses de doutorado, dissertações de mestrado e em artigos de revistas científicas, através dos principais autores envolvidos com a psicomotricidade: Vitor da Fonseca, Jean Le Boulch, Alves, Assis, Arnaiz, Luria, e Ajuriaguerra poderemos compreender a importância da mesma como contribuição na aprendizagem e no contexto escolar. Ressaltando a psicomotricidade como prevenção e contribuição na Educação Infantil para que a criança consiga iniciar a fase da alfabetização com qualidade, observando a lectoescrita, salienta-se ainda o objetivo de adquirir e aprofundar conhecimentos sobre os diversos significados que se pode ter da psicomotricidade e a aprendizagem na Educação Infantil e no Ensino Fundamental I; para que o professor através do aprimoramento do conhecimento e técnicas possa incorporar, o jogo, o lúdico, o prazer e a alegria no conjunto da vida escolar, como dimensões indissociáveis do ser humano. Ao nascer, o único recurso que a criança possui para comunicar seus sentimentos, necessidades é o próprio corpo, pois ainda não tem desenvolvida sua linguagem oral, e nem mesmo possui estrutura cognitiva que lhe permita elaborar de modo racional as suas frustrações. Assim ela comunica seus afetos e desafetos por meio do corpo, sempre demonstrando suas emoções de modo intenso. A partir das sensações corporais possibilitadas pela interação com o mundo que a rodeia, desde bebê vai descobrindo o seu corpo, suas dimensões, limites e possibilidades.
  7. 7. 6 O comportamento físico da criança expressa, uma a uma suas dificuldades motoras, intelectuais e emocionais. Por isso, podemos dizer que o desenvolvimento afetivo, cognitivo e motor encontram-se intimamente relacionados, constituindo a psicomotricidade do indivíduo. O estudo de interesse do profissional da área de educação, pedagogos, professores de educação infantil e séries iniciais, comprometidos com o processo de desenvolvimento psicomotor e o trabalho pedagógico nas séries iniciais do ensino fundamental. De acordo, Ajuriaguerra e Marcelli (1991) a psicomotricidade é a realização do pensamento por meio do ato motor, econômico e harmonioso. Ou seja, é a relação entre o pensamento-ação, envolvendo a emoção. Assim, é a partir do suporte motor que a inteligência se desenvolve e por meio do corpo que a criança acessa os símbolos e o raciocínio abstrato, essenciais às diferentes aprendizagens propiciadas na escola. 1. PSICOMOTRICIDADE Piaget (1987), estudando as estruturas cognitivas, descreve a importância do período sensório motor e da motricidade, principalmente antes da aquisição da linguagem, no desenvolvimento da inteligência. O desenvolvimento mental se constrói paulatinamente: é uma equilibração progressiva, uma passagem contínua de um estado de menor equilíbrio para ele, significa uma compensação, uma atividade, uma resposta ao sujeito, frente às perturbações exteriores ou interiores. Quando dizemos que houve o máximo de equilíbrio, devemos entender que houve o máximo de atividades compensatórias. A educação psicomotora é indispensável nas aprendizagens escolares, e por esta razão deve ser proposta desde a escola maternal e não pode ser desprezado durante a primeira série. Ajuda a criança a organizar-se, propiciam-lhe melhores possibilidades de resolver atividades educativas, propostas como exercícios de análise, lógica, relações etc.
  8. 8. 7 É pela psicomotricidade e pela visão que a criança descobre o mundo dos objetos, e é manipulando-os que ela redescobre o mundo: porém esta descoberta a partir dos objetos só será verdadeiramente frutífera quando a criança for capaz de segurar e de largar, quando ela tiver adquirido a noção de distância entre ela e o objeto que ela manipula, quando o objeto não fizer mais parte de sua simples atividade corporal indiferenciada. (OLIVEIRA, 1997, p.34). O início da formação das memórias se dá na fase conhecida por aquisição e que consiste na chegada das informações aos sistemas sensoriais (visual, tátil, auditivo, olfativo e gustativo) na forma de estímulos. Os dados que chegam ao cérebro são, então, processados em diferentes regiões e resultam em memórias. Assim, o homem constrói sua história, por meio dos conhecimentos vividos, adquiridos e experimentados, pela memória. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais, além de uma formação consistente é preciso um investimento educativo contínuo e sistemático para que o professor se desenvolva como profissional de educação. O conteúdo e a metodologia para essa formação precisam ser revistos para que haja possibilidade de melhoria do ensino. A formação não pode ser tratada como um acúmulo de cursos e técnicas, mas sim como um processo reflexivo e crítico sobre a prática educativa. Investir no desenvolvimento profissional dos professores é também intervir em suas reais condições de trabalho (BRASIL, 1997). A concepção de prática pedagógica é outro pressuposto da formação de professores, uma vez que a dinâmica da escola, em grande parte, é fruto de sua atuação. Podemos defini-la como uma prática social específica de caráter histórico e cultural. Ela vai além da prática docente, de atividades didáticas dentro da sala de aula, abrangendo os diferentes aspectos do projeto pedagógico da escola e as relações desta com a comunidade e a sociedade. O professor precisa ser um investigador, que está continuamente atento no processo de aprendizagem com os múltiplos fatores envolvidos para desta forma melhor conduzir a intervenção, aplicando a psicomotricidade com intenção no contexto escolar do aluno.
  9. 9. 8 1.1 CONCEITO DE PSICOMOTRICIDADE O conceito de psicomotricidade teve uma evolução no século XX no Brasil, através da influência da escola francesa, cujos estudiosos durante muitos anos foram se habilitando, especializando e capacitando sobre o desenvolvimento da habilidade manual e de aptidões motoras em função da idade, até chegar à sua posição atual. (ASSIS, 2008) Eles relacionaram o estudo da psicomotricidade às inadequações e inadaptações escolares e sociais, pois, de acordo com Le Boulch (1981) a corrente educativa em psicomotricidade nasceu das insuficiências, do trabalho de percepção corporal e controle motor realizado que não teve condições de corresponder às necessidades de uma educação real do corpo. A Sociedade Brasileira de Psicomotricidade (SBP) conceitua: Psicomotricidade é uma ciência que tem por objeto o estudo do homem através do seu corpo em movimento nas suas relações com seu mundo interno e externo. Está relacionada ao processo de maturação, onde o corpo é a origem das aquisições cognitivas, afetivas e orgânicas. È sustentada por três conhecimentos básicos: O movimento, o intelecto e o afeto. Psicomotricidade, portanto, é um termo empregado para uma concepção de movimento organizado e integrado, em função das experiências vividas pelo sujeito cuja ação é resultante de sua individualidade, sua linguagem e sua socialização. (SBP, 1984). Oliveira (2011, p.28) afirma que “O termo psicomotricidade apareceu pela primeira vez com Dupré em 1920, significando entrelaçamento entre o movimento e o pensamento”. A educação psicomotora, no entender de Lagrange apud Oliveira “não é um treino destinado à automatização, à robotização da criança”, Ele cita Vayer para reforçar sua opinião: Trata-se de uma educação global que, associando os potenciais intelectuais, afetivos, sociais, motores e psicomotores da criança, lhe dá segurança, equilíbrio, e permite o seu desenvolvimento,
  10. 10. 9 organizando corretamente as suas relações com os diferentes meios nos quais tem de evoluir. A este respeito, Ajuriaguerra apud Oliveira (2011, p. 34) afirma ser um erro estudar a psicomotricidade apenas sob o plano motor, dedicando-se: [...] exclusivamente ao estudo de um “homem motor”. Isto conduziria a considerar a motricidade como uma simples função instrumental de valor puramente efetuador e dependente da mobilização de sistemas por uma força estranha a eles, quer seja exterior ou inferior ao individuo, despersonalizando, assim, completamente a função motora. Daniel Calmels in Congresso Internacional de educação da LBV3 estaca que “a Psicomotricidade ocupa o saber sobre o corpo e suas produções”. É uma ciência que estuda a pessoa por meio de seu corpo em movimento e em relação com o seu mundo interno e externo e suas possibilidades de perceber, atuar e se relacionar com os outros, com os objetos e consigo mesmo. Fonseca (1988, p. 332) a este respeito ele declara: “Defendemos através da nossa concepção psicopedagógica, a inseparabilidade do movimento e da vida mental (do ato ao pensamento), estruturas que representam o resultado das experiências adquiridas, traduzidas numa evolução progressiva da inteligência, só possível por uma motricidade cada vez mais organizada e consciencializada”. Oliveira (2011, p. 32) declara que Wallon, um dos pioneiros no estudo da psicomotricidade, salienta a importância do aspecto afetivo como anterior a qualquer tipo de comportamento. Existe, para ele, uma evolução tônica e corporal chamada diálogo corporal e que constitui o “prelúdio da comunicação verbal”. Este diálogo corporal é fundamental na gênese psicomotora, pois a ação desempenha o papel fundamental de estruturação cortical e está na base da representação. Fonseca (1987, p. 32) afirma: “A significação da palavra evolui com a maturidade motora e com a corticalização progressiva. É pelo movimento que a 3 http://www.lbv.org/sites/default/files/congressodeeducacao/pdfs/2013/congresso-de-educacao-2013- textos-oficina-uruguai.pdf
  11. 11. 10 criança integra a relação significativa das primeiras formas da linguagem (simbolismo)”. Le Boulch (1992, p. 21-25) também acredita que atitude em psicomotricidade deve ter sua própria identidade, e não relacionar necessariamente sua metodologia a outra corrente. Ele afirma que a psicomotricidade recebe contribuições da psicanálise, no tocante à importância do afeto no desenvolvimento e da concepção comportamental, no sentido de valorizar o instrumento para um maior desempenho do indivíduo. A educação psicomotora deve ser uma formação de base indispensável a toda criança. Por isso ela é um fator essencial e indispensável ao desenvolvimento global da criança. A estrutura da educação psicomotora é a base fundamental para o processo intelectivo e de aprendizagem da criança. O desenvolvimento psicomotor evolui do geral para o específico. Quando uma criança apresenta dificuldades de aprendizagem, o fundo do problema, em geral, está no nível das bases do desenvolvimento psicomotor, ou seja, na percepção corporal, coordenação motora grossa e relações sociais primárias. Os campos de atuação da psicomotricidade são: reeducação, terapia e educação. A reeducação psicomotora consiste no atendimento individual ou em pequenos grupos de pessoas que apresentam sintomas de ordem psicomotora. 1.2 BASES PSICOMOTORAS São diversas as terminologias e classificações utilizadas para denominar as bases psicomotoras. Porém, os conceitos são basicamente os mesmos; o diferencial está na forma de se classificar e nomear tais conceitos. O desenvolvimento psicomotor abrange o desenvolvimento funcional de todo o corpo e suas partes. Geralmente este desenvolvimento está dividido em vários fatores psicomotores. Segundo Fonseca (1995), apresenta sete fatores, os quais são a tonicidade, o equilíbrio, a lateralidade, a noção corporal, a estruturação espaço temporal e praxia fina e praxia global.
  12. 12. 11 1.2.1 - Tonicidade indica o tono muscular, tem um papel fundamental no desenvolvimento motor, é ela que garante às atitudes, a postura, as mímicas, as emoções, de onde emergem todas as atividades motoras humanas. 1.2.2 - Equilíbrio reúne um conjunto de aptidões estáticas (sem movimento) e dinâmicas (com movimento), abrangendo o controle postural e o desenvolvimento das aquisições de locomoção. O equilíbrio estático caracteriza-se pelo tipo de equilíbrio conseguido em determinada posição, ou de apresentar a capacidade de manter certa postura sobre uma base. O equilíbrio dinâmico é aquele conseguido com o corpo em movimento, determinando sucessivas alterações da base de sustentação. 1.2.3 - Lateralidade traduz-se pelo estabelecimento da dominância lateral da mão, olho e pé, do mesmo lado do corpo. A lateralidade corporal se refere ao espaço interno do indivíduo, capacitando-o a utilizar um lado do corpo com maior desembaraço. O que geralmente acontece é a confusão da lateralidade com a noção de direita e esquerda, que esta envolvida com o esquema corporal. A criança pode ter a lateralidade adquirida, mas não saber qual é o seu lado direito e esquerdo, ou vice-versa. No entanto, todos os fatores estão intimamente ligados, e quando a lateralidade não está bem definida, é comum ocorrerem problemas na orientação espacial, dificuldade na discriminação e na diferenciação entre os lados do corpo e incapacidade de seguir a direção gráfica. 1.2.4 - Noção Corporal a formação do "eu", isto é, da personalidade, compreende o desenvolvimento da noção ou esquema corporal, através do qual a criança toma consciência de seu corpo e das possibilidades de expressar-se por seu intermédio. Ajuriaguerra apud Fonseca (1995) relata que a evolução da criança é sinônimo de conscientização e conhecimento cada vez mais profundo do seu corpo, e através dele que esta elabora todas as experiências vitais e organiza toda a sua personalidade. A noção do corpo em psicomotricidade não avalia a sua forma ou as suas realizações motoras, procura outra linha da análise que se centra mais no estudo da
  13. 13. 12 sua representação psicológica e linguística e nas suas relações inseparáveis com o potencial de alfabetização. Este fator resume dialeticamente a totalidade do potencial de aprendizagem, não só por envolver um processo perceptivo polissensorial complexo, como também por integrar e reter a síntese das atitudes afetivas vividas e experimentadas. 1.2.5 - Estruturação espaço temporal decorre como organização funcional da lateralidade e da noção corporal, uma vez que é necessário desenvolver a conscientização espacial interna do corpo antes de projetar o referencial somatognósico no espaço exterior (Fonseca, 1995). Este fator emerge da motricidade, da relação com os objetivos localizados no espaço, da posição relativa que ocupa o corpo, enfim das múltiplas relações integradas da tonicidade, do equilíbrio, da lateralidade e do esquema corporal. A estruturação espacial leva a tomada de consciência pela criança, da situação de seu próprio corpo em um determinado meio ambiente, permitindo-lhe conscientizar-se do lugar e da orientação no espaço que pode ter em relação às pessoas e coisas. 1.2.6 - Praxia Global a praxia tem por definição a capacidade de realizar a movimentação voluntária pré-estabelecida com forma de alcança um objetivo. A praxia global está relacionada com a realização e a automação dos movimentos globais complexos, que se desenrolam num determinado tempo e que exigem a atividade conjunta de vários grupos musculares. 1.2.7 - Praxia Fina compreende todas as tarefas motoras finas, onde associa a função de coordenação dos movimentos dos olhos durante a fixação da atenção, e durante a fixação da atenção e manipulação de objetos que exigem controle visual, além de abranger as funções de programação, regulação e verificação das atividades preensivas e manipulativas mais finas e complexas. Crianças que têm transtornos na coordenação dinâmica manual geralmente têm problemas visomotores, apresentando inúmeras dificuldades de desenhar,
  14. 14. 13 recortar, escrever, ou seja, em todos os movimentos que exijam precisão na coordenação olho/mão. 2. PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL A psicomotricidade está diretamente ligada ao desenvolvimento integral da criança, pois tem como objetivo ajudar na tomada de consciência do seu “EU” corporal, estimulando e respeitando as fases de desenvolvimento da criança. (ALVES, 2007) A psicomotricidade é de grande importância no trabalho com a educação infantil, pois, a partir do estudo do próprio corpo, a criança se situa em relação ao mundo em que vive, orienta-se e aos poucos, vai se conhecendo e desenvolvendo sua personalidade. (ARNAIZ, Sanches Pilar, 2003) O ato de aprender é próprio do ser humano, porém a qualidade e a quantidade dos novos saberes dependerão muito dos estímulos recebidos e principalmente da eficácia de cada um deles. Grande parte desses fatores de influência são originários do meio social, no qual o indivíduo está inserido, porém há que se considerar limitações físicas ou predisposições pessoais que cada um carrega em seu próprio código genético (FONSECA, 2004). Ao brincar, afeto, motricidade, linguagem, percepção, representação, memória e outras funções cognitivas estão profundamente interligados. A brincadeira favorece o equilíbrio afetivo da criança e contribui para o processo de apropriação de signos sociais. Cria condições para uma transformação significativa da consciência infantil, por exigir das crianças formas mais complexas de relacionamento com o mundo. Isso ocorre em virtude das características da brincadeira: a comunicação interpessoal que ela envolve não pode ser considerada “ao pé da letra”; sua indução a uma constante negociação de regras e à transformação dos papeis assumidos pelos participantes faz com que seu enredo seja sempre imprevisível. (OLIVEIRA, 2008, p.160) Na Educação infantil, é interessante se trabalhar com movimentos que possuem ritmo, pois além de ser uma forma de se expressar o ritmo ainda ajuda na
  15. 15. 14 flexibilidade dos movimentos, trabalha a atenção e a concentração das crianças. (OLIVEIRA, 2001). Durante as atividades psicomotoras é interessante se trabalhar com movimentos que possuem ritmo, pois além de ser uma forma de se expressar o ritmo ainda ajuda na flexibilidade dos movimentos, trabalha a atenção e a concentração das crianças. (OLIVEIRA, 2001). As atividades psicomotoras são muito importantes no desenvolvimento da criança, e ainda ajudam no processo de ensino/aprendizagem. É através dessas atividades que a criança se conhece, conhece seu corpo, aprende a se expressar através dele, conhece o mundo em que vive as pessoas e os objetos que a cercam. É o começo de todas as suas conquistas. A aquisição da leitura e escrita requer condições básicas de desenvolvimento. É necessário que a criança possua maturidade suficiente para ser submetida ao processo de alfabetização. A integridade das funções sensoriais, um nível de desenvolvimento intelectual correspondente à idade de 6 anos e 6 meses,sendo quase um ingresso para o Ensino Fundamental, uma linguagem suficientemente elaborada, uma boa orientação espacial, uma personalidade íntegra do ponto de vista afetivo-emocional que garantam a capacidade de atenção, concentração e participação são pré-requisitos indispensáveis para que ocorra a aprendizagem escolar. Através da observação do desenvolvimento neuropsicomotor da criança, há possibilidades de se detectar precocemente aspectos desarmônicos inadequados e sugestivos de defasagem evolutiva. 2.1 A EDUCAÇÃO PSICOMOTORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA CONTRIBUIÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR Quando a psicomotricidade é usada na prática educativa das escolas, é chamada de Educação Psicomotora. O trabalho da educação psicomotora especialmente na Educação Infantil deve favorecer a formação de base indispensável para seu desenvolvimento motor, afetivo e psicológico, dando
  16. 16. 15 oportunidade para que por meio de jogos e atividades lúdicas planejadas, a criança se conscientize sobre seu corpo. (FERREIRA, 2008) A educação psicomotora estimula o pleno desenvolvimento da personalidade da criança, seu objetivo maior é permitir à criança viver em harmonia com seu corpo, com os outros e com o ambiente que a cerca. Também são objetivos da educação psicomotora: favorecer o desenvolvimento dos gestos e movimentos e a capacidade de percepção, desenvolver o equilíbrio, aprimorar e desenvolver a percepção do corpo e permitir à criança adquirir o sentimento de segurança, favorecer e melhorar a psicomotricidade global e fina, sobretudo a grafomotricidade por meio da manipulação, revelar e reforçar o predomínio manual, atenuar os bloqueios que interferem na aprendizagem escolar, sensibilizar o ambiente envolvente – família, escola – em face das dificuldades da criança. (FERREIRA, 2008) A psicomotricidade está associada à afetividade e a personalidade, pois o sujeito utiliza seu corpo para mostrar o que sente. A educação psicomotora é a educação da criança através de seu corpo, de seu movimento. Nessa perspectiva a criança é vista na sua totalidade e nas possibilidades que apresenta em relação ao meio ambiente. (FERREIRA, 2008) A psicomotricidade segundo Alves (2008), deve contemplar o estudo do desenvolvimento infantil a partir do corpo e das representações, procurando englobar a fase não verbal da criança que se caracteriza por um período fundamental na construção do psiquismo. Por meio de experiências vividas nessa fase, a criança vai interagir com o meio que a cerca e, de acordo com a qualidade dessa relação, ela vai permitir ou não ter com ele uma transformação dialética. (ALVES, 2008) Ao se trabalhar com a educação infantil, o conhecimento e a aplicação da motricidade são de grande importância, pois ao se falar em psicomotricidade se fala também em estímulos, se fala em desenvolvimento. A educação psicomotora deve ser considerada como uma educação de base na escola primária. Ela condiciona todos os aprendizados pré-escolares; leva a criança a tomar consciência de seu corpo, da lateralidade, a situar-se no espaço, a dominar seu tempo, a adquirir habilmente a coordenação de seus gestos e movimentos. A
  17. 17. 16 educação psicomotora deve ser praticada desde a mais tenra idade; conduzida com perseverança, permite prevenir inadaptações difíceis de corrigir quando já estruturadas (LE BOULCH, 1987, P.11). A educação psicomotora aliada a currículos e projetos educacionais onde a criança possa utilizar-se de seu corpo para explorar, perceber, criar, brincar, relacionar, sentir pode funcionar como elemento facilitador da aprendizagem. A psicomotricidade favorece a aprendizagem quando reconhece que diferentes fatores de ordem física, psíquica e sociocultural atuam em conjunto para que se dê a aprendizagem. Trabalhado no ser humano cada uma das etapas, possibilitando trabalhar a consciência corporal, a consciência de mundo que o cerca, o relacionamento deste com o seu corpo e com o que está ao seu redor. Proporcionar ao indivíduo a capacidade de ser, ter, aprender a fazer e a fazer, na medida em que se reconhece por inteiro, alcançando a organização e o equilíbrio das relações com diferentes meios e sua distinção. Relacionam-se de forma equilibrada. (ALVES, 2008, p.87). A Psicomotricidade na educação infantil como um aspecto pedagógico deve ser entendida como uma proposta educativa preventiva visando sempre o desenvolvimento integral da criança. A inclusão da educação psicomotora na escola tem aspecto preventivo e educativo, uma vez que ajuda prevenir dificuldades de comportamento e aprendizagem. (ARNAIZ, 2003) Dessa forma tem relação direta com o trabalho do psicopedagogo institucional escolar que também tem a função de exercer uma tarefa de caráter preventivo na escola. Tanto na área da psicopedagogia como na área da psicomotricidade, o sujeito aprendente precisa ser visto de forma global, o seu cognitivo, o motor e o lado afetivo são trabalhados e analisados. Portanto a psicopedagogia e a psicomotricidade são áreas que se interligam já que ambas atuam em nas áreas cognitiva, psicomotora, pedagógica e afetiva. (ARNAIZ, 2003) Não se concebe um psicopedagogo que trabalhe com o corpo estático, e que desconheça os movimentos desse no aprender. Não se concebe um psicomotricista que trabalhe com o corpo discursivo do sujeito que aprende. É preciso que haja interdisciplinaridade na ação ensinar-aprender para que o sujeito que aprende seja
  18. 18. 17 compreendido em sua totalidade, mesmo dentro de uma abordagem específica. COSTA (2001, p. 34) O desenvolvimento psicomotor da criança revela a relação da mesma com seu corpo e o mundo que a rodeia. A Educação Psicomotora estimula o desenvolvimento global da criança, além disso, possui um aspecto preventivo e educativo, uma vez que ajuda a prevenir dificuldades de comportamento e aprendizagem. Caberá ao psicomotricista, a conscientização dos professores e educadores da instituição sobre os benefícios de se desenvolver a prática psicomotora na escola. A Educação Psicomotora visa desenvolver a formação de base necessária para assimilação de aprendizagens escolares, portanto, se torna uma prática necessária e eficaz no que diz respeito à prevenção dos problemas de aprendizagem, oferecendo dessa maneira, uma grande contribuição ao trabalho do educador. 2.2 PSICOMOTRICIDADE E APRENDIZAGEM Para Fonseca (1996, p.142) a primeira necessidade seria, portanto: [...] alfabetizar a linguagem do corpo e só então caminhar para as aprendizagens triviais que mais não são que investimentos perceptivos motores ligados por coordenadas espaço-temporais e correlacionados por melodias rítmicas de integração e resposta. As crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem possivelmente não tiveram chances suficientes para desenvolver sua psicomotricidade; nessas crianças em que o esquema corporal está mal constituído, os gestos são menos coordenados, sua escrita pode ser lenta, além de apresentar problemas de ritmo na leitura. Uma criança com problema de lateralidade, devido à indefinição da sua dominância lateral, pode apresentar em distinguir as diferentes posições entre as letras confundindo-as. Partindo da premissa que a criança aprende com o corpo, é fundamental que a escola crie ambiente e situações lúdicas que propiciem aos seus alunos
  19. 19. 18 experiências de âmbito corporal, fato que lhes favorecerá a aprendizagem de conteúdos abstratos em idade madura. A escola não deve ensinar apenas conceitos, tampouco a mecânica realização de exercícios com o corpo. Deve antes, visar fornecer ao aluno subsídios para compreender e perceber seu corpo, de modo a construir na criança a consciência do próprio eu físico-corporal, de suas possibilidades e limitações. Assim a criança, já entre os 3 e 7 anos , atenta para as noções de orientação (direita/ esquerda, acima/ abaixo, frente /atrás), situação ( dentro /fora), tamanho (grande / pequeno, alto / baixo) e direção (aqui / ali , desde, até). A queixa básica relaciona-se a problemas de adaptação e a dificuldades específicas em geral, tais como falhas de atenção, de concentração, coordenação visomotora pobre, manifestações motoras desadaptadas, dificuldades quanto à lateralização. Na verdade, essas dificuldades ou déficits discretos passam normalmente despercebidos pelos pais durante as primeiras fases de desenvolvimento que normalmente antecedem o período pré-escolar. Como estimulação aos movimentos da criança, tem como meta: motivar a capacidade sensitiva através das sensações e relações entre o corpo e o exterior (o outro e as coisas); cultivar a capacidade perceptiva através do conhecimento dos movimentos e da resposta corporal; organizar a capacidade dos movimentos representados ou expressos através de sinais, símbolos, e da utilização de objetos reais e imaginários; fazer com que as crianças possam descobrir e expressar suas capacidades, através da ação criativa e da expressão da emoção; ampliar e valorizar a identidade própria e a autoestima dentro da pluralidade grupal; criar segurança e expressar-se através de diversas formas como um ser valioso, único e exclusivo e uma consciência e um respeito à presença e ao espaço dos demais. Deste modo, com o trabalho adequado da psicomotricidade em sala de aula e com o auxilio e dedicação do educador poderá amenizar as dificuldades de aprendizagem presenciadas pelos educandos, diminuindo o fracasso escolar, contribuindo para uma educação de qualidade.
  20. 20. 19 3. LACUNAS PSICOMOTORAS CAUSADAS PELA FALTA DA PREVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE A falta da psicomotricidade na Educação Infantil geram dificuldades para a criança ao se integrar ao meio, dificultando sua compreensão quanto aos conceitos considerados necessários à aprendizagem escolar. Esses obstáculos resultam em uma posição de desigualdade da criança com relação ao grupo em que se insere fato responsável por algumas consequências negativas facilmente observáveis na conduta infantil, tais como ansiedade, tensão, insegurança e, consequentemente, problemas emocionais que podem interferir nas suas atividades intelectuais e na adaptação sócio-afetiva. As crianças que apresentam lacunas psicomotoras podem apresentar como características, alguns problemas no equilíbrio do corpo, dificuldade em se orientar no espaço, movimentos desajeitados para a idade, dificuldades na execução dos movimentos finos, em especial da escrita, tais como o não respeitar a linha do caderno, letra visivelmente irregular com traçado muito forte, ou muito fraco, dificuldade em recortar com precisão, dificuldade em respeitar os limites do traçado do desenho ao pintar, letra muito grande, ou muito pequena, dificuldade em segurar o lápis para a escrita. Muitas das dificuldades escolares não se apresentam em função do nível da turma a que as crianças chegaram, mas segundo Le Boulch (1983), em relação a elementos básicos ou “pré-requisitos”, condições mínimas necessárias para uma boa aprendizagem, que constituem a estrutura da educação psicomotora. Fonseca ressalta o caráter preventivo da psicomotricidade, afirmando ser a exploração do corpo, em termos de seus potenciais uma “propedêutica das aprendizagens escolares”. Para ele as atividades desenvolvidas na escola como a leitura, o ditado, a redação, a cópia, o cálculo, o grafismo, a música e enfim, os movimentos, estão ligados à evolução das possibilidades motoras e as dificuldades escolares estão, portanto, diretamente relacionadas aos aspectos psicomotores. A falta do estímulo para desenvolver o espaço temporal, poderá apresentar posteriormente quando estiver em processo de alfabetização ela trocas como b por
  21. 21. 20 d, p por q, e até mesmo 21 por 12 e ter dificuldades com grandeza, classificação, seriação e cálculos. Na falta de se desenvolver a orientação espacial e temporal pode trazer dificuldades em perceber o antes e depois na ordenação de sílabas, palavras e números, na matemática a noção de fileira, coluna, formas, ordem de dezenas e unidades. Nesse sentido, é de suma importância a atividade lúdica, realizada através de atividades psicomotoras, no sentido de colaborar para o desenvolvimento integral da criança, e para que ela possa sedimentar bem esses pré-requisitos, fundamentais também para a sua vida escolar. 4. ALGUNS TRANSTORNOS PSICOMOTORES QUE PODEM SER OBSERVADOS EM SALA DE AULA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I Trata-se de um transtorno cuja característica principal é um atraso no movimento da coordenação dos movimentos, que não pode ser explicado por um atraso intelectual geral ou por um transtorno neurológico específico, congênito ou adquirido (distinto do envolvimento na anomalia da coordenação). “O mais frequente é que a lentidão de movimentos seja acompanhada de certo grau de déficit na resolução de tarefas cognoscitivas viso espaciais”. (Calmels, 2003) O transtorno psicomotor é uma dificuldade na articulação corporal proveniente da carência de vivências motoras inerentes às fases do desenvolvimento humano; manifesta-se como inquietação ou apatia causando perturbações na vida, podendo se refletir aos níveis cognitivo, social e afetivo (Teresa Borghi, 2010). O transtorno psicomotor pode ter fundo patológico ou disfuncional, constituindo um obstáculo para o bom desempenho da aprendizagem. A eficiência, a economia, a adequação, a perfeição, a plasticidade, a ritmicidade, a harmonia nos movimentos, etc. surgem normalmente afetadas ou imaturas na criança com distúrbio de aprendizagem (Fonseca, 1995:285).
  22. 22. 21 De acordo com Ajuriaguerra (2003), a dispraxia afeta o desenvolvimento da escrita, a organização do trabalho gráfico, sendo importante diferenciar a criança com dispraxia que apresenta dificuldades motoras e uma criança com traços psicopatológicos marcantes. Torpor motriz: é chamada a imperfeição habitual e contínua dos movimentos da vida cotidiana. É caracterizado por gestos grosseiros, travados; caminhar pouco harmonioso, aliado a uma atitude postural discorrente o que origina o torpor dos movimentos voluntários. Já as sincenesias são os movimentos de caráter involuntário que são difusos e associativos. Envolve também, a paratonia, que é o termo utilizado para designar a impossibilidade extrema de relaxar-se voluntária mente, ou seja, que não permite deixar o músculo em repouso Dupré4 o chamou de debilidade motora. Como menciona Wallon, o Transtorno de lateralização compromete a construção do corpo e o esquema da imagem corporal. Nestes casos a criança apresenta dificuldades na velocidade e eficácia dos movimentos: criança ambidestra, canhoto contrariado, lateralidade cruzada. Disgrafia, segundo Calmels apud Distúrbio de Aprendizagem (2011, p. 130) vem a ser uma dispraxia especializada e funciona com um sensor das perturbações nas construções do corpo. Insistir em corrigir a letra, esquecendo-se da problemática corporal que ela expressa não faz mais que fixar o sintoma. Instabilidade Psicomotora a criança não consegue começar e terminar a brincadeira e é assim com todas as suas produções corporais. Há uma dificuldade em inibir seus movimentos, provocando ações explosivas e agressivas. São crianças agitadas, ansiosas e inquietas, pois possuem uma grande necessidade em movimentar-se. Segundo Levin, Inibição Psicomotora a criança não usa seu corpo para relacionar-se com o mundo ou com os outros. É o oposto da instabilidade motora, pois também há uma falta de limite, mas esta falta barra o agir da criança. Ela mostrasse então sempre cansada, demonstrando pouca expressão facial e corporal. 4 http://www.lbv.org/sites/default/files/congressodeeducacao/pdfs/2013/congresso-de-educacao-2013- textos-oficina-uruguai.pdf
  23. 23. 22 Seu aspecto é de extrema fragilidade e debilidade e é nele que se reconhece e é reconhecida. São crianças “quietinhas demais”. É de extrema importância a atualização no campo da psicomotricidade. Desta forma, o professor não pode se descuidar de sua formação para melhor atuar frente aos transtornos psicomotores, pois até mesmo uma observação com intenção contribui para o ensino aprendizagem possibilitando novas formas para que o aluno sinta-se bem dentro de sua própria pele. CONSIDERAÇÕES FINAIS Apresentamos neste artigo uma compreensão de como é que a Educação Psicomotora na Educação Infantil pode contribuir para a aprendizagem na Educação Infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental I. A importância do movimento humano não se restringe apenas ao aspecto biológico. Independentemente das divergências e discussões em torno de diferentes abordagens, pode-se evidenciar um aspecto comum entre elas que é a importância do movimento no desenvolvimento do ser. É de fundamental importância se associar os movimentos do corpo aos objetivos educacionais. Concluímos que a queixa básica relaciona-se a problemas de adaptação e a dificuldades específicas em geral, tais como falhas de atenção, de concentração, coordenação visomotora pobre, manifestações motoras desadaptadas, dificuldades quanto à lateralização. Na verdade, essas dificuldades ou déficits discretos passam normalmente despercebidos pelos pais durante as primeiras fases de desenvolvimento que normalmente antecedem o período pré-escolar. Diante do que foi exposto nesse trabalho, foi possível também concluir que a Psicomotricidade é de grande importância no trabalho com crianças especialmente na Educação Infantil que a primeira etapa da educação básica, pois, a partir do conhecimento do próprio corpo, a criança será capaz de se situar em relação ao mundo em que vive e dessa forma vai se conhecendo melhor e desenvolvendo de forma harmoniosa sua personalidade.
  24. 24. 23 Na sala de aula não apresentam qualquer problema de postura, de atenção, lêem e escrevem sem dificuldades, conhecem a noção do tempo e espaço. Todavia, verificamos alguns alunos " diferentes", e embora tenham uma inteligência normal ou superior, são lentos, não seguram corretamente no lápis, escrevem claro demais ou forte demais, não se concentram, não respeitam ordens, pulam letras quando lêem ou escrevem, sentem-se perdidos (direita / esquerda), não conseguem controlar o tempo das atividades, concluímos mais uma vez que a Educação Psicomotora é de extrema importância no contexto escolar. A escola não deve se preocupar em ensinar essas habilidades apenas para que o aluno saiba executá-las bem ou para facilitar a execução das tarefas escolares, mas sim direcionar a aprendizagem para a formação integral do aluno. No desenvolver do trabalho psicomotor deve-se perceber cada criança como um ser único e com expressividade própria. Dessa maneira, pode-se oferecerá ela a possibilidade de existir, construindo sua própria história pessoal, a partir de suas próprias competências. Desta maneira estarão sendo trabalhados os conceitos de autonomia, diálogo e manifestação de desejos.
  25. 25. 24 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA, Geraldo Peçanha de. Teoria e prática em psicomotricidade: jogos, atividades lúdicas, expressão corporal e brincadeiras infantis. 6 ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2009 ALVES, Fátima. Psicomotricidade: corpo, Ação e Emoção. 7 ed.- Rio de Janeiro: Wak Editora,2007 ARNAIZ, Sanches Pilar. A psicomotricidade na educação infantil: uma prática preventiva e educativa. ed – Porto Alegre: Artmed,2003 ASSIS, Ana Eleonora Sebrão; JOBIM, Ana Paula. Psicomotricidade: históricoe conceitos.2008.Disponívelem:http://www.guaiba.ulbra.tche.br/pesquisas/2008/artigo s/edfis/358pdf Acesso em 25 jul. 2014. AJURIAGUERRA, Julian de; MARCELLI, Daniel. Manual de psicopatologia infantil. 2. ed. Porto Alegre : Artes Médicas, 1991 .MEUER, A. de BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. FERREIRA, Carlos Alberto de Mattos. Psicomotricidade Escolar. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2008 FONSECA, Vítor da. Manual de observação psicomotora: significação psiconeurológica dos fatores psicomotores. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. FONSECA, Vitor. Psicomotricidade. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1996.
  26. 26. 25 FONSECA, V. da; MENDES, N. Escola, Escola, Quem És Tu? Perspectivas Psicomotoras do desenvolvimento Humano. Porto Alegre: artes Médicas, 1987. LE BOULCH, Jean. O desenvolvimento psicomotor- Do nascimento até 6 anos. 7.ed.- Porto Alegre: Artes Médicas, 1992 [ Trad. De Ana G. Brizolara] OLIVEIRA, Gislene de Campos Psicomotricidade: Educação e reeducação num enfoque psicopedagógico.16. ed..- Petrópolis, RJ: Vozes,2011. LURIA, A R. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: Luria, Leontiev, Vygotsky . Psicologia e pedagogia I. Bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Lisboa: Estampa,1977. SALGADO, Ana Maria, Nora Espinosa. Dificuldades de aprendizagem, detecção e estratégias de ajuda. _____A criança pré-escolar: como pensa e como a escola pode ensiná-la. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. BORGHI Teresa, PANTANO Telma. Protocolo de Observação Psicomotora. São Paulo: Pulso, 2010. _____Transtornos de Aprendizagem e Autismo. Cultural. SA, 2014. _____Dificuldades de Aprendizagem. Cultural. SA, 2011. GONÇALVES, Fátima. Do Andar ao Escrever. Um caminho psicomotor. Editora Cultura RBL.

×