O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Versão definitiva bprs 4.0

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
See	discussions,	stats,	and	author	profiles	for	this	publication	at:	https://www.researchgate.net/publication/236279034
Br...
VERSÃO AMPLIADA (4.0) PORTUGUESA
1996
Escala, Pontos de Ancoragem e Manual de Administração adaptados de
Joseph Ventura MA...
BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 2
ITENS E PONTOS DE ANCORAGEM
CODIFICAR OS ITENS 1-14 TENDO POR BASE O QUE É REFERIDO PE...
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Nossa recaídas
Nossa recaídas
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 26 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (18)

Semelhante a Versão definitiva bprs 4.0 (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

Versão definitiva bprs 4.0

  1. 1. See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.net/publication/236279034 Brief psychiatric rating scale (BPRS). Versão Ampliada Portuguesa (4.0). Escala, Pontos de Ancoragem e Manual de... Data · January 1996 DOI: 10.13140/RG.2.1.2553.0480 CITATIONS 0 READS 481 4 authors, including: Some of the authors of this publication are also working on these related projects: ComMent - Community Training in Mental Health Care View project OSPI-Europe View project Ricardo Gusmão University of Porto 60 PUBLICATIONS 586 CITATIONS SEE PROFILE All content following this page was uploaded by Ricardo Gusmão on 05 March 2017. The user has requested enhancement of the downloaded file.
  2. 2. VERSÃO AMPLIADA (4.0) PORTUGUESA 1996 Escala, Pontos de Ancoragem e Manual de Administração adaptados de Joseph Ventura MA, David Lukoff PhD, Keith H Neuchterlein PhD, Robert P Liber- man MD, Michael F Green PhD & Andrew Shanner MD Clinical Research Center for Schizophrenia and Psychiatric Rehabilitation UCLA Department of Psychiatry and Biobehavioural Sciences West Los Angeles VA Medical Center USA Versão Portuguesa: R. Gusmão, M. Talina, M. Xavier, J.M. Caldas de Almeida Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital São Francisco Xavier, Lisboa
  3. 3. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 2 ITENS E PONTOS DE ANCORAGEM CODIFICAR OS ITENS 1-14 TENDO POR BASE O QUE É REFERIDO PELO DOENTE DURANTE A ENTREVISTA. OS ITENS 7, 12 E 13 SÃO TAMBÉM CODIFICADOS TENDO POR BASE O COMPORTAMENTO OBSERVADO. OS ITENS 15-24 SÃO CODIFICADOS TENDO POR BASE O COMPORTAMENTO E A LINGUAGEM OBSERVADOS. 1. PREOCUPAÇÃO SOMÁTICA Diz respeito ao grau de preocupação pela saúde física no momento presente. Valorizar a intensidade com que a saúde física é percebida como um problema pelo doente. Não incluir uma preocupação somática que seja apro- priada em relação à situação. Os delírios hipocondríacos deverão ser cotados como graves (≥6) tanto em pre- sença como na ausência de preocupação somática. Nota: deve-se avaliar o grau da alteração tendo somente por base as preocupações somáticas e não outros sin- tomas, como por exemplo a depressão. Além disso, se o sujeito é cotado com 6 ou 7 em relação à presença de delírios hipocondríacos, deve-se cotar pelo menos com 4 ou superior no item Conteúdo Insólito do Pensamento. • Tem-se sentido preocupado em relação à sua saúde física? • Teve algumas queixas físicas ou foi ao médico recentemente? (Que tipo de problema encontrou o seu médico? Era gra- ve?) • Acha que mudou alguma coisa no seu aspecto físico? • Isso interferiu com a sua capacidade de desenvolver as actividades quotidianas e/ou profissionais? • Alguma vez achou que partes do seu corpo tinham mudado ou deixado de funcionar? Se o paciente refere preocupações somáticas/delírios hipocondríacos, explorar através das seguintes questões: • No que diz respeito à sua saúde física, sente-se muito preocupado em relação ao que referiu [utilizar a descrição utilizada pelo paciente]? • Falou com alguém sobre estas suas preocupações? 2 Muito ligeiro Apreensão somática ocasional que tende a não ser comunicada. 3 Ligeiro Apreensão somática ocasional que tende a ser expressa aos outros (por exemplo aos familiares ou ao médico). 4 Moderado Expressão frequente de apreensão somática ou exagero de uma doença existente OU qualquer preo- cupação sem compromisso do funcionamento. Não delirante. 5 Moderadamente grave expressão frequente da apreensão somática ou exagero de doença existente OU qualquer preocupa- ção e compromisso moderado do funcionamento. Não delirante. 6 Grave Preocupação com queixas somáticas e marcado compromisso do funcionamento OU delírios hipocon- dríacos que não são agidos nem comunicados aos outros. 7 Muito grave Preocupação com queixas somáticas e grave compromisso do funcionamento OU delírios hipocondrí- acos que tendem a ser agidos ou comunicados espontaneamente aos outros.
  4. 4. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 3 2. ANSIEDADE Apreensão referida, tensão, medo, pânico, ou preocupação. Valorizar somente tendo por base o que é relatado verbalmente pelo paciente, não valorizar a angustia observável que é codificada no item Tensão. • Tem estado muito preocupado desde [definir o período de tempo]? Tem estado nervoso ou apreensivo? (O que é que o tem preocupado?) • Sente-se inquieto em relação a alguma coisa? Talvez no que diz respeito a dinheiro ou ao futuro? • Quando se sente nervoso, sua das palmas das mãos ou sente o coração bater muito depressa (ou tem dificuldades em respirar, tremores, sensação de sufocar?) Se o paciente refere ansiedade ou sintomas neurovegetativos, explorar através das seguintes questões: • Há quanto tempo é que esses sintomas duram [utilizar a descrição utilizada pelo paciente]? • Isso interferiu com a sua capacidade de desenvolver actividades quotidianas e/ou profissionais? 2 Muito ligeiro Refere desagrado pela preocupação OU preocupações esporádicas que são mais frequentes do que na maior parte dos indivíduos 3 Ligeiro Bastante preocupado, mas consegue facilmente prestar atenção a outras coisas. 4 Moderado Está preocupado a maior parte do tempo e tem dificuldades em fixar a atenção em outras coisas mas sem compromisso do funcionamento OU com angustia ocasional acompanhada de sintomas neurove- getativos sem compromisso do funcionamento. 5 Moderadamente grave Períodos de angustia frequentes mas não quotidianos, com sintomas neurovegetativos OU angustia e preocupação que interferem em algumas áreas do funcionamento. 6 Grave Angustia com sintomas neurovegetativos presentes no quotidiano mas não todo o dia OU angustia e preocupação constante que interferem com muitas áreas de funcionamento. 7 Muito grave Angustia com sintomas neurovegetativos presentes todo o dia OU angustia e constantes preocupa- ções que interferem com a maior parte das áreas de funcionamento.
  5. 5. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 4 3. DEPRESSÃO Este item inclui tristeza, infelicidade, incapacidade em experimentar prazer e preocupação de conteúdo depressi- vo (não consegue prestar atenção à televisão e às conversas com outros por causa da depressão), desespero, perda da auto-estima (insatisfação, ou desconfiança em relação a si mesmo ou então sentimentos de autodesva- lorização). Não estão incluídos sintomas biológicos, isto é lentificação motora, despertar matutino precoce ou ausência de motivação que acompanha o síndroma de defeito. • Como tem estado de humor ultimamente? Tem-se sentido deprimido (triste, abatido, infeliz, como se nada lhe importas- se)? • É capaz de voltar a sua atenção para coisas mais agradáveis quando quer? • Pensa ter perdido o interesse ou estar menos apegado às coisas que habitualmente lhe davam mais prazer, como a famí- lia, os amigos, os passatempos, ver televisão, comer? Se o paciente refere sintomas depressivos, explorar através das seguintes questões: • Há quanto tempo dura esta situação? • A depressão interferiu com a sua capacidade de desenvolver a actividade quotidiana ou profissional? 2 Muito ligeiro Ocasionalmente sente-se triste, infeliz ou deprimido. 3 Ligeiro Sente-se frequentemente triste ou infeliz, mas consegue dar atenção a outras coisas sem dificuldade. 4 Moderado Tem frequentes períodos nos quais se sente muito triste, infeliz, moderadamente deprimido, mas através de um esforço particular, o seu funcionamento permanece inalterado. 5 Moderadamente grave Períodos de profunda depressão frequentes mas não quotidianos, OU depressão que compromete uma qualquer área do funcionamento. 6 Grave Depressão profunda presente quotidianamente mas não todo o dia OU depressão que comprometeu várias áreas do funcionamento. 7 Muito grave Depressão profunda presente quotidianamente OU depressão que compromete a maior parte das áreas do funcionamento.
  6. 6. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 5 4. TENDÊNCIAS SUICIDÁRIAS Desejo expresso, intenções, ou comportamentos realmente auto-lesivos ou auto-mutilatórios. • Alguma vez pensou que a vida não valia a pena ser vivida? Alguma vez pensou em fazer mal a si próprio ou em matar- se? Alguma vez se sentiu cansado de viver, ou alguma vez pensou que seria melhor estar morto? Alguma vez pensou em acabar com tudo? Se o paciente refere ideação suicida, explorar através das seguintes questões: • Há quanto tempo pensa sobre [utilizar a descrição fornecida pelo paciente]? • Houve ou há algum projecto especifico? 2 Muito ligeiro Sensação ocasional de não merecer a pena viver. Pensamentos suicidários não evidentes. 3 Ligeiro Pensamentos suicidários ocasionais sem intenção ou projecto específico OU pensa que seria melhor estar morto. 4 Moderado Pensamentos suicidários frequentes sem intenção ou projecto. 5 Moderadamente grave Muitas fantasias sobre métodos a adoptar para se suicidar. Pode considerar seriamente fazer uma tentativa num momento preciso e com um plano específico OU pode efectuar impulsivamente uma tentativa de suicídio usando um método não letal ou tendo plena consciência de poder ser salvo. 6 Grave Deseja decididamente suicidar-se e procura encontrar os métodos apropriados e o momento certo para tal fim, OU desencadeia um comportamento ou uma tentativa de suicídio potencialmente grave sabendo poder ser salvo. 7 Muito grave Planos específicos e intenções suicidárias (por exemplo, “não só quero morrer, como fá-lo-ei do modo x”), OU tentativa de suicídio projectado com a convicção de que será letal ou ainda tentativa realizada num ambiente bem isolado.
  7. 7. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 6 5. SENTIMENTOS DE CULPA Preocupação excessiva ou remorsos por comportamentos errados do passado. Codificar apenas aqueles que o doente refere, não deduzir sentimentos de culpa da depressão, angústia ou defesas neuróticas. Nota: se o indivíduo é valorizado em 6 ou 7 em relação à presença de delírios de culpa, codificar um valor de pelo menos 4 ou mais no item Conteúdo Insólito do Pensamento consoante o nível de preocupação e de alteração. • Existe alguma coisa em relação à qual se sente culpado? • Tende a ruminar sobre os problemas do passado? • Tende a acusar-se a si próprio por coisas que aconteceram? • Fez alguma coisa de que ainda hoje se envergonha? Se o paciente refere sentimentos de culpa/ remorsos/ delírio, explorar através das seguintes questões: • Pensa muito sobre... [utilizar a descrição fornecida pelo paciente]? • Falou com outras pessoas acerca dos seus sentimentos de culpa? 2 Muito ligeiro Sente ter estado em falta em alguma coisa ou na relação com alguém mas não está preocupado. Pensa noutras coisas sem qualquer dificuldade. 3 Ligeiro Sente ter estado em falta em alguma coisa ou na relação com alguém e está preocupado. Tende a comunicar aos outros o seu sentimento de culpa. 4 Moderado Preocupação excessiva de ser culpado, de ter errado, de ter feito mal às outras pessoas ou de ter cometido um acto ou alguma falta em relação a alguma coisa, mas pode facilmente dirigir a sua aten- ção para outros assuntos. 5 Moderadamente grave Preocupação de ser culpado, de ter estado em falta em alguma coisa ou na relação com alguém. Pode dirigir a atenção para outros assuntos apenas com grande esforço. Não delirante. 6 Grave Delírio de culpa OU auto-reprovação irracional, muito desproporcionada em relação às circunstâncias. Preocupação presente em grau moderado. 7 Muito grave Delírio de culpa OU auto-reprovação irracional, muito desproporcionada em relação às circunstâncias. O indivíduo está muito preocupado por se sentir culpado e tende a comunicar espontaneamente aos outros ou a agir segundo o delírio.
  8. 8. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 7 6. HOSTILIDADE Animosidade, desprezo, beligerância, ameaças, discussões, cólera, destructividade, raiva, e qualquer outro com- portamento ou acção hostil. Não deduzir a presença de hostilidade a partir de defesas neuróticas, angústia, ou queixas somáticas. Não incluir casos de cólera que seja apropriada em relação à situação ou que resultem de clara legítima defesa. • Geralmente consegue viver em harmonia com as outras pessoas (familiares, colegas, etc.)? • Ultimamente tem estado irritável ou maldisposto? (Como é que manifesta isso? Guarda isso para si?) • Nunca ficou irritado ao ponto de gritar com as pessoas ou de provocar conflitos ou discussões? (Já lhe aconteceu gritar com pessoas que não conhecia?) • Bateu-se com alguém recentemente? 2 Muito ligeiro Irritável mas sem o manifestar abertamente. 3 Ligeiro Polémico, sarcástico. 4 Moderado Enraivecido em muitas ocasiões OU gritou excessivamente contra terceiros. 5 Moderadamente grave Fez ameaças, bateu ou lançou objectos. 6 Grave Atacou terceiros sem fazer muito mal, por exemplo estaladas ou pontapés OU partiu objectos, por exemplo móveis ou janelas. 7 Muito grave Agrediu outras pessoas com a possibilidade de fazer muito mal, por exemplo com um martelo ou uma arma.
  9. 9. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 8 7. HUMOR EXALTADO Uma sensação recorrente, persistente e exagerada de bem-estar, alegria, euforia (o que a conota com humor patológico), optimismo que é desproporcionado em relação às circunstâncias. Não deduzir a euforia apenas pelo aumento da actividade ou pela afirmação de grandiosidade. • Alguma vez se sentiu tão bem ou de moral elevado ao ponto de as pessoas pensarem que não estava em condições normais? • Alguma vez se sentiu alegre ou “no céu” sem qualquer motivo? Se o paciente refere humor exaltado/euforia, explorar através das seguintes questões: • Esta condição pareceu-lhe mais do que um simples estado de bem-estar? • Quanto tempo durou? 2 Muito ligeiro Parece muito feliz e alegre sem motivo válido. 3 Ligeiro Estão presentes algumas sensações inexplicáveis e persistentes de bem-estar. 4 Moderado Algumas vezes refere sensações excessivas e irrealistas de bem-estar, alegria, confiança e optimismo que são inapropriadas às circunstâncias. Frequentemente pode ser brincalhão, sorridente, frívolo e muito entusiasta OU existem momentos em que apresenta humor marcadamente elevado com euforia. 5 Moderadamente grave Refere sensação excessiva e irrealista de bem-estar, alegria, confiança e optimismo inapropriados às circunstâncias na maior parte do tempo. Pode referir sensações como “estar no céu”, “tudo está a bater certo”, ou “nunca estive melhor”, OU refere muitos momentos de humor marcadamente elevado com euforia. 6 Grave Refere numerosos momentos de humor marcadamente elevado com euforia OU humor decididamente elevado na maior parte da entrevista e inapropriado em relação ao conteúdo. 7 Muito grave O doente refere sentir-se exaltado ou parece quase como se estivesse drogado, brincalhão, frívolo, constantemente eufórico, com a sensação de ser invulnerável, e tudo isto é inapropriado em relação às situações reais.
  10. 10. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 9 8. GRANDIOSIDADE Auto-estima exagerada e convicção de possuir capacidades e poderes especiais, ou então de ser uma pessoa rica e famosa. Codificar apenas as respostas referidas pelo paciente no que diz respeito a si-próprio, mas não ao seu comportamento. Nota: se o sujeito é cotado com 6 ou 7 em relação à presença de delírios de grandeza, codificar um valor de pelo menos 4 ou mais no item Conteúdo Insólito do Pensamento. • Sente-se de algum modo especial? • Tem capacidades ou poderes especiais? • Já alguma vez pensou ser uma pessoa rica e famosa? Se o paciente refere ideias/ delírios de grandeza, explorar através das seguintes questões: • Pensa muito sobre [utilizar a descrição fornecida pelo paciente]? • Alguma vez disse a alguém isso que pensa? • Alguma vez agiu tendo por base alguma dessas ideias? 2 Muito ligeiro Sente-se muito bem e nega problemas evidentes mas permanece realista. 3 Ligeiro Auto-estima exagerada, em dissonância com as suas capacidades e habilitações. 4 Moderado Gabarolice inapropriada, mantém que é brilhante, perspicaz ou dotado de outras características reais mas raramente mostra ou age segundo estas auto-avaliações exageradas. Não afirma ter realizado empresas grandiosas. 5 Moderadamente grave Como no ponto 4, mas frequentemente mostra-se e age segundo estas ideias de grandeza. Pode ter dúvidas em relação à realidade de tais ideias. Não é delirante. 6 Grave Delirante − mantém ter poderes especiais como percepções extra-sensoriais, ter milhões de escudos, ter inventado novas máquinas, ter exercido profissões especiais, que na realidade nunca exerceu, ser Jesus Cristo ou o Presidente. O doente pode não estar particularmente preocupado. 7 Muito grave Delirante − como no ponto 6, mas o indivíduo parece muito preocupado, e tende a comunicar esponta- neamente os delírios de grandeza, ou a agir segundo estes.
  11. 11. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 10 9. DESCONFIANÇA O indivíduo expressa ou aparenta a convicção que os outros agiram de má fé ou que têm más intenções quando se relacionam consigo. Incluir aqui a perseguição por parte de forças sobrenaturais ou malignas (por exemplo o diabo). Nota: cotação igual ou superior a três deverá ser codificada também no segundo item de Conteúdo Insólito de Pensamento. • Alguma vez se sentiu desconfortável em público? Pareceu-lhe que os outros o observavam? • Preocupa-se com as más intenções de terceiros quando falam consigo? • Alguém lhe cria obstáculos ou procura fazer-lhe mal? • Sente-se de algum modo em perigo? Se o paciente refere ideias/delírios de perseguição, explorar através das seguintes questões: • Sentiu-se muito preocupado em relação a... [utilizar a descrição fornecida pelo paciente]? Falou a alguém sobre estas experiências? 2 Muito ligeiro Parece estar na defensiva. Relutante em responder à algumas perguntas “pessoais”. Refere sentir-se excessivamente vigilante quando está em situações sociais. 3 Ligeiro Descreve de uma forma plausível episódios nos quais lhe fizeram ou lhe quiseram fazer mal. Tem tendência a suspeitar que os outros olham para ele ou falam dele em público, mas isto é ocasional ou acontece raramente. Preocupações escassas ou ausentes. 4 Moderado Refere que os outros falam mal dele, que têm intenções más ou podem fazer-lhe mal. Descrição pouco plausível mas não delirante. Ocasionalmente (menos de uma vez por semana) ocorrem episódios de suspeita persecutória associados a alguma preocupação. 5 Moderadamente grave Como no ponto 4, mas os episódios recorrem frequentemente, mais de uma vez por semana. O doente está moderadamente preocupado pelas ideias de perseguição OU refere delírios de perseguição expressos com muitas dúvidas (por exemplo, delírio parcial). 6 Grave Delirante − fala de conspirações mafiosas, da políciaI ou de outros quererem envenená-lo, de perse- guições por forças sobrenaturais. 7 Muito grave Como no ponto 6, mas as ideias são bizarras ou mais inquietantes. O doente tende a comunicar es- pontaneamente os delírios de perseguição ou a agir segundo estes.
  12. 12. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 11 10. ALUCINAÇÕES Refere experiências perceptivas na ausência de estímulos externos. Ao valorizar o nível de compromisso do fun- cionamento por causa das alucinações, incluir a preocupação devida ao conteúdo e à experiência das alucina- ções, bem como a perturbação de funcionamento originada por comportamentos agidos tendo por base o conte- údo alucinatório (exemplo: conduta anormal devida à alucinações imperativas). Incluir pensamentos em voz alta (“gedanKenlautwerden”) ou pseudo-alucinações (exemplo: sente uma voz na cabeça) se têm as características de uma voz. • Alguma vez lhe pareceu que chamavam pelo seu nome? • Ouviu sons ou pessoas que falavam de si ou se referiam a si, sem que ninguém estivesse presente [se ouve vozes:] O que dizem essas vozes? • Eram de facto vozes? • Nunca lhe aconteceu ter visões ou ver coisas que os outros não vêem? E sentir cheiros que os outros não sentem? Se o doente refere alucinações, explorar o seguinte: • Essas experiências têm interferido com a sua capacidade de desenvolver as actividades quotidianas, e/ou profissionais? Como é que explica essas experiências? Com que frequência é que ocorrem? 2 Muito ligeiro Quando está a repousar ou quando está para ir para cama, tem visões, sente cheiros, ou vozes, sons ou discursos em voz murmurada na ausência de estímulos externos, mas não há nenhum compromis- so do funcionamento. 3 Ligeiro Em estado de completa lucidez, ouve uma voz que chama o seu nome, experimenta alucinações auditivas não verbais, por exemplo sons ou barulhos, alucinações visuais de forma indefinida ou expe- riências sensoriais na presença de estímulos perceptivos específicos (por exemplo, ilusões visuais). Estes fenómenos verificam-se saltuariamente (por exemplo, uma ou duas vezes por semana) e não existe compromisso do funcionamento. 4 Moderado Alucinações verbais ocasionais, visuais, gustativas, olfactivas ou tácteis sem compromisso do funcio- namento, OU alucinações auditivas não verbais/ ilusões visuais que ocorrem com uma certa frequên- cia ou se acompanham de compromisso do funcionamento. 5 Moderadamente grave Experimenta as alucinações quotidianamente, OU algumas áreas do funcionamento têm sido compro- metidas pela alucinações. 6 Grave Experimenta alucinações verbais ou visuais múltiplas vezes no mesmo dia OU muitas áreas do funcio- namento foram comprometidas pelas alucinações. 7 Muito grave Alucinações verbais ou visuais persistentes todo o dia OU a maior parte das áreas do funcionamento foram comprometidas pelas alucinações.
  13. 13. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 12 11. CONTEÚDO INSÓLITO DO PENSAMENTO O conteúdo do pensamento é insólito, estranho, extravagante, bizarro. Codificar o grau de estranheza e não o grau de desorganização da linguagem. Os delírios são claramente absurdos e falsos ou então representam ideias bizarras expressas com plena convicção. Valoriza-se a convicção plena por parte do doente, quando ele se com- portou como se a ideação delirante correspondesse à realidade. As ideias de referência/ perseguição podem ser distinguidas das dos delírios pelo facto de que tais ideias são expressas com muitas dúvidas e contêm poucos elementos da realidade. Incluir a inserção, o roubo, e a transmissão de pensamento. Incluir os delírios de grande- za, hipocondríacos e de perseguição mesmo se eles forem codificados noutro ponto. Nota: se os itens de Preocupação Somática, Sentimentos de Culpa, Desconfiança, ou Grandiosidade forem codi- ficados segundo valores de 6 a 7 em relação à presença de delírios, o item Conteúdo Insólito do Pensamento deve ser codificado segundo o valor de 4 ou mais. • Recebeu alguma mensagem especial das pessoas ou ficou com alguma impressão particular pelo modo como as coisas lhe aconteciam? • Notou alguma referência a si quando via televisão ou lia jornais? Acha que qualquer pessoa pode saber o que você está a pensar? Tem uma relação particular com Deus? Há alguma coisa, como a electricidade, os raios X ou as ondas de rádio que o influenciam? Tem pensamentos na sua cabeça que não são os seus? • Alguma vez sentiu como se estivesse sob o controlo de outra pessoa ou força? Se o doente refere ideias bizarras ou delirantes, explorar o seguinte: • Pensa muito em [utilizar a descrição fornecida pelo doente] ? • Tem falado com alguém em relação a essas experiências? • Como explica estas coisas que lhe aconteceram [especificar]? 2 Muito ligeiro Ideias de referência (os outros tendem a fixá-lo ou a rirem-se dele), ideias de perseguição (os outros tendem a tratá-lo mal). Convicções insólitas em relação aos seus poderes psíquicos, espirituais, OVNIS ou convicções infundadas acerca das suas próprias capacidades. Tais ideias não são fortemente mantidas, e existem algumas dúvidas. 3 Ligeiro Como no ponto 2, mas o grau de distorção da realidade é mais elevado, como indicado pela presença de ideias muito insólitas ou de uma maior convicção. Os conteúdos podem ser tipicamente delirantes (inclusive bizarros) mas mantidos sem convicção plena. O delírio não parece completamente estruturado mas é considerado como uma possível explicação para uma experiência insólita. 4 Moderado Presença de delírio mas sem preocupação nem compromisso do funcionamento. Pode-se tratar de um delírio encapsulado, ou de uma convicção absurda, convictamente mantida, dizendo respeito a experiências delirantes. 5 Moderadamente grave Presença de delírio sistematizado com preocupação moderada OU pensamento delirante que interfere em algumas áreas do funcionamento. 6 Grave Presença de delírio sistematizado com preocupações intensas OU pensamento delirante que interfere com muitas áreas do funcionamento. 7 Muito grave Presença de delírio sistematizado com fortes preocupações OU pensamento delirante que interfere com a maior parte das áreas de funcionamento.
  14. 14. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 13 12. COMPORTAMENTO BIZARRO Informações relativas a comportamentos que são estranhos, pouco habituais ou criminosos segundo modalidades psicóticas. Não se limitar ao período da entrevista. Incluir comportamento sexual e manifestações afectivas ina- propriadas. • Fez alguma coisa que atraiu a atenção de outras pessoas? • Fez alguma coisa que poderia ter-lhe provocado problemas com a polícia? • Fez alguma coisa que pareceu pouco habitual ou que perturbou outras pessoas? 2 Muito ligeiro Comportamento em público levemente extravagante ou excêntrico, por exemplo, ocasionalmente fala consigo próprio, mostra dificuldade em estabelecer um contacto visual apropriado, mas que não pare- ce chamar a atenção das outras pessoas OU comportamento insólito em privado, por exemplo, rituais inócuos que não atrairiam a atenção de outros. 3 Ligeiro Comportamento em público visivelmente original, por exemplo, fala em voz alta ou de modo inadequa- do, estabelece um contacto visual inapropriado OU comportamento em privado que ocasionalmente, nem sempre, chama a atenção dos outros, por exemplo, rejeita alimentos, observa rituais insólitos, anda de luvas em casa. 4 Moderado Comportamento decididamente bizarro que atrai ou atrairia (se efectuado em privado) a atenção ou a preocupação de outros sem necessitar todavia de uma intervenção correctiva. Tal comportamento recorre ocasionalmente, por exemplo, tem o olhar fixo no vazio por diversos minutos, responde às vozes (apenas uma vez), litigou/riu de modo inapropriado em uma ou duas ocasiões, fala consigo próprio em voz alta. 5 Moderadamente grave Comportamento decididamente bizarro que atrai ou atrairia (se manifestado em privado) a atenção dos outros ou das autoridades, por exemplo, mantém um olhar fixo que é socialmente perturbante, frequen- temente litiga/ri de modo inapropriado, ocasionalmente responde ás vozes ou ingere substâncias não comestíveis. 6 Grave Comportamento bizarro que atrai a atenção dos outros e induz uma intervenção por parte das autori- dades, por exemplo, dirigir o tráfego, despir-se em público, olhar no vazio durante longos períodos, manter uma conversa com as alucinações, litigar/rir frequentemente de modo inapropriado. 7 Muito grave Reacções graves, cometidas de um modo bizarro que suscitam a atenção dos outros e o controlo das autoridades, por exemplo, acende fogos e fica a fixar as chamas OU comportamento bizarro mas constante, por exemplo, litiga/ri de modo inapropriado, responde apenas às alucinações, resultando daí um contacto impossível.
  15. 15. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 14 13. NEGLIGÊNCIA DA PRÓPRIA PESSOA Higiene, aspecto ou comportamento alimentar inferior às expectativas habituais, inferior também aos padrões socialmente aceitáveis, que criam um risco para o indivíduo. • Tem cuidado do seu aspecto ultimamente? • Com que frequência muda de roupa? • Com que frequência toma banho? • Alguma pessoa (familiar ou enfermeiro) lamentou o seu aspecto ou a forma como estava vestido? • Alimenta-se regularmente? 2 Muito ligeiro Aspecto/ higiene levemente abaixo dos padrões sociais habituais, por exemplo, a camisa fora das calças, roupa desabotoada, atacadores dos sapatos soltos. Ausência de implicações médicas ou sociais. 3 Ligeiro Higiene ou aspecto ocasionalmente abaixo dos padrões sociais habituais, por exemplo, não se lava com regularidade, as roupas estão manchadas ou sujas, o cabelo não está penteado, ocasionalmente não come uma refeição principal. Ausência de implicações médicas ou sociais. 4 Moderado Higiene ou aspecto visivelmente abaixo dos padrões sociais habituais, por exemplo, lava-se ou muda de roupa com menor frequência, as roupas estão muito sujas, o cabelo está muito despenteado e sujo, e os outros notam estes aspectos fazendo reparos OU alimentação e hidratação irregulares com consequên- cias e implicações médicas mínimas. 5 Moderadamente grave Diversas áreas da higiene/ aspecto estão muito abaixo dos padrões sociais habituais OU os raros cuida- dos que tem em relação a si próprio suscita críticas dos outros e provoca reparos regulares. A alimenta- ção e a hidratação são irregulares e podem induzir qualquer problema de carácter médico. 6 Grave Muitas áreas da higiene/ aspecto são abaixo dos padrões sociais habituais, nem sempre se lava ou muda de roupa mesmo se solicitado por 3os. A quase ausência de cuidados que tem em relação a si próprio induziu ostracismo social na escola, em casa ou no trabalho ou provocaram uma intervenção social. Alimentação e hidratação muito irregulares e pobres podendo obrigar a uma intervenção médica. 7 Muito grave A maior parte das áreas relativas à higiene/ aspecto/ nutrição estão extremamente carenciadas e facil- mente ajuizáveis abaixo dos padrões sociais habituais OU a situação relativa à higiene ou aspecto/ nutri- ção exige uma intervenção médica urgente e imediata.
  16. 16. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 15 14. DESORIENTAÇÃO O sujeito não compreende as situações, nem aquilo que lhe é dito, bem como as perguntas realizadas durante toda a entrevista BPRS. Confusão no que diz respeito à pessoa, ao espaço e ao tempo. Não codificar caso as respostas erradas sejam secundárias à presença de delírios. • Posso fazer-lhe umas perguntas que habitualmente fazemos a todas as pessoas? • Quantos anos tem? Que dia é hoje? [ tolerância de dois dias] • Como se chama o lugar onde estamos? Em que ano nasceu? Quem é o Presidente da Republica? 2 Muito ligeiro Parece perplexo ou levemente confuso 1 ou 2 vezes no decurso da entrevista. Está orientado em relação à pessoa, ao espaço e ao tempo. 3 Ligeiro Ocasionalmente perplexo ou levemente confuso 3 ou 4 vezes durante a entrevista. Inexactidões modes- tas em relação à pessoa, ao espaço e ao tempo, por exemplo, a data errada com uma amplitude de mais ou menos dois dias, ou então refere encontrar-se no quarto errado do hospital. 4 Moderado Frequentemente confuso no decurso da entrevista. Inexactidões modestas em relação à pessoa, ao espaço e ao tempo como no ponto 3. Por outro lado pode ter dificuldade em recordar informações de carácter geral, por exemplo, o nome do presidente. 5 Moderadamente grave Marcadamente confuso no decurso da entrevista ou em relação à pessoa, ou ao espaço ou ao tempo. Detectam-se inexactidões significativas, por exemplo, datas erradas de mais de uma semana ou então não chega a fornecer correctamente o nome do hospital. Tem dificuldade em recordar os dados pessoais, por exemplo quando nasceu ou em reconhecer pessoas familiares. 6 Grave Desorientado em relação à pessoa, ao espaço e ao tempo, por exemplo, não sabe dizer o mês e o ano exactos. Desorientado em duas das três áreas antes mencionadas. 7 Muito grave Muito desorientado em relação às pessoas, ao espaço e ao tempo, não sabe dizer o nome nem a data. Desorientada em todos os três âmbitos.
  17. 17. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 16 15. DESORGANIZAÇÃO CONCEPTUAL Este item mede o grau de confusão e desorganização formal da linguagem . Codificar aqui a tangencialidade, a circunstancialidade, o salto de um argumento para outro, a incoerência, o descarrilamento, o bloqueio, o neolo- gismo e outras perturbações da linguagem. Não codificar o conteúdo da linguagem. 2 Muito ligeiro Uso de palavras peculiares ou linguagem original mas compreensível. 3 Ligeiro Linguagem um pouco difícil de perceber ou dificuldade em compreender o significado por causa da tan- gencialidade, circunstancialidade ou por causa do salto de um argumento para o outro. 4 Moderado Linguagem difícil de perceber pela tangencialidade, circunstancialidade, originalidade da eloquência, ou mudança de argumento em muitas ocasiões OU 1 ou 2 episódios de frases incoerentes. 5 Moderadamente grave Linguagem difícil de perceber pela tangencialidade, circunstancialidade, neologismos, bloqueio ou mu- dança de argumento na maior parte do tempo OU 3 a 5 episódios de frases incoerentes. 6 Grave A linguagem é incompreensível durante a maior parte do tempo por causa de um grave compromisso. Muitos itens do BPRS não podem ser codificados apenas tendo por base o que é referido pelo doente. 7 Muito grave A linguagem é incompreensível em toda a duração da entrevista.
  18. 18. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 17 16. EMBOTAMENTO AFECTIVO Limitação da expressividade emocional na mímica facial, voz e s gestos. Marcada indiferença ou embotamento afectivo mesmo quando são abordados pontos stressantes. No caso dos doentes eufóricos ou disfóricos, codifi- car também o item Embotamento Afectivo se está presente de modo claro um carácter de embotamento. Para valorizar a ressonância emocional, efectuar a seguinte questão no fim da entrevista: • Contaram-lhe alguma boa anedota recentemente ? Gostaria que lhe contasse uma? 2 Muito ligeiro A amplitude das reacções emocionais está levemente diminuída, cáustica ou contida, mas mostra uma mímica facial apropriada e um tom de voz que estão nos limites da normalidade. 3 Ligeiro A amplitude das reacções emocionais está diminuída, cáustica ou contida sem muitas respostas emocio- nais espontâneas e apropriadas. O tom de voz é ligeiramente monótono. 4 Moderado A amplitude das reacções emotivas está visivelmente diminuída, o doente não mostra emoções, ri ou reage às ideias stressantes apenas raramente. O tom de voz é monótono ou existe uma evidente redu- ção dos movimentos espontâneos. As manifestações emocionais ou gestuais são geralmente seguidas de um retorno ao embotamento afectivo. 5 Moderadamente grave A amplitude das reacções emotivas está notavelmente reduzida, o paciente não mostra emoções, ri ou reage a argumentos stressantes apenas minimamente, com pouca gestualidade e raramente a expressão facial muda. O tom de voz é monótono durante a maior parte do tempo. 6 Grave A amplitude das reacções emocionais e a expressividade das emoções são bastante raras. Linguagem e gestos mecânicos na maior parte do tempo. A expressão facial permanece inalterável. O tom de voz é monótono durante a maior parte do tempo. 7 Muito grave A amplitude das reacções emocionais e a expressividade das emoções estão praticamente ausentes, existindo movimentos rígidos. O tom de voz é monótono durante todo o tempo.
  19. 19. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 18 17. RESSONÂNCIA AFECTIVA A capacidade do doente em estabelecer uma relação emocional durante a entrevista está deficitária. Basear-se na própria sensação em relação ao que diz respeito à presença de uma barreira invisível entre o doente e o en- trevistador. Incluir a retirada emocional (frieza afectiva )aparentemente devida a processos psicóticos. 2 Muito ligeiro Ausência de co-envolvimento emocional que se manifesta na incapacidade ocasional em interagir e comunicar; algumas vezes, parece preocupado ou ri de modo afectado, mas empenha-se espontanea- mente na relação com o entrevistador durante a maior parte do tempo. 3 Ligeiro Ausência de co-envolvimento emocional que se manifesta na evidente incapacidade em interagir e co- municar, parecendo preocupado ou privado de calor, mas responde se solicitado pelo entrevistador. 4 Moderado Contacto emocional ausente durante boa parte da entrevista pois o sujeito não elabora as respostas, não realiza contacto visual, e parece que não lhe interessa se o entrevistador o escuta ou não, ou então por causa da presença de material psicótico. 5 Moderadamente grave Como no ponto 4, mas o contacto emocional está ausente durante a maior parte da entrevista. 6 Grave Evita activamente a participação emocional. Frequentemente não responde ou dá respostas do tipo sim/não (não apenas por causa de delírio de perseguição). Responde apenas com um mínimo co- envolvimento afectivo. 7 Muito grave Evita decididamente a participação emocional. Não responde ou dá respostas tipo sim/não (não apenas por causa dos delírios de perseguição). Pode ir-se embora durante a entrevista ou não responder de facto às questões.
  20. 20. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 19 18. LENTIFICAÇÃO MOTORA Redução do nível de energia evidenciada por movimentos e linguagem lentificados, por tónus corporal diminuído e pelo reduzido número de movimentos corporais espontâneos. Codificar apenas tendo por base o comportamen- to observado do paciente. Não codificar tendo por base impressões subjectivas do paciente em relação ao próprio nível de energia. Codificar independentemente dos efeitos farmacológicos. 2 Muito ligeiro Movimentos ou linguagem levemente lentificados ou reduzidos em relação à maior parte das pessoas. 3 Ligeiro Movimentos ou linguagem visivelmente lentificados ou reduzidos em relação à maior parte das pessoas. 4 Moderado Marcada redução ou lentificação nos movimentos ou na linguagem. 5 Moderadamente grave Move-se raramente ou raramente fala espontaneamente OU os seus movimentos são muito rígidos ou mecânicos. 6 Grave Não se move e não fale se não for estimulado ou constrangido a fazê-lo. 7 Muito grave Rígido, catatónico.
  21. 21. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 20 19. TENSÃO Observam-se manifestações de tensão física e motora, “nervosismo” e agitação. A referência subjectiva de ten- são deve ser cotada no item da Ansiedade. Não codificar a inquietação se esta é constituída apenas por acatísia, mas codificar a acatísia se esta é exacerbada pela tensão. 2 Muito ligeiro Mais irrequieto do que a maior parte das pessoas mas nos limites da normalidade. Alguns sinais de tensão, por exemplo, roer as unhas, agitar os pés, coçar a testa várias vezes ou tamborilar os dedos na mesa. 3 Ligeiro Como no ponto 2, mas com sinais de tensão mais frequentes ou mais marcados. 4 Moderado Sinais frequentes de tensão motora com 1 ou mais sinais presentes ao mesmo tempo, por exemplo, agitar os pés e torcer as mãos ao mesmo tempo. Existem momentos em que não estão presentes sinais de tensão. 5 Moderadamente grave Sinais de tensão motora numerosos e frequentes ou 1 ou mais sinais frequentemente presentes ao mesmo tempo. Existem ainda raros momentos nos quais não estão presentes sinais de tensão. 6 Grave Como no ponto 5, mas os sinais de tensão são contínuos. 7 Muito grave Estão presentes de modo contínuo múltiplas manifestações motoras de tensão, por exemplo, caminha para trás e para diante e torce as mãos continuamente.
  22. 22. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 21 20. AUSÊNCIA DE COLABORAÇÃO Resistência e colaboração deficitária ao longo da entrevista. A ausência de cooperação pode derivar da desconfi- ança. Codificar apenas ausência de colaboração relativa à entrevista, e não das informações fornecidas por ami- gos e familiares. 2 Muito ligeiro Apresenta sinais não verbais de relutância mas não se lamenta nem discute. 3 Ligeiro Procura evitar colaborar mas prossegue sem discussões. 4 Moderado Manifesta resistência no plano verbal mas acaba por colaborar depois de as perguntas terem sido refor- muladas ou repetidas. 5 Moderadamente grave Como no ponto 4, mas qualquer informação necessária para obter uma avaliação precisa não é forneci- da. 6 Grave Recusa colaborar na entrevista mas permanece presente. 7 Muito grave Como no ponto 6, com tentativas decididas em obstruir a entrevista.
  23. 23. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 22 21. EXCITABILIDADE Tónus emocional elevado ou reactividade emocional aumentada em relação com o entrevistador ou com as ideias debatidas, evidenciado pelo aumento da intensidade da mímica facial, do tom de voz, da gestualidade, reforço da identidade e da velocidade da linguagem. 2 Muito ligeiro Intensidade emocional aumentada de modo transitório ou dúbio. Por exemplo, por vezes parece irrequie- to ou excessivamente alerta. 3 Ligeiro Intensidade emocional aumentada de modo ligeiro mas persistente. Por exemplo, gestualidade viva e variação do tom da voz. 4 Moderado Intensidade emocional aumentada de modo decidido mas saltuário. Por exemplo, reage com apreciável intensidade emocional à confrontação com o entrevistador ou aos argumentos de confrontação. Discurso um pouco sob pressão. 5 Moderadamente grave Intensidade emocional aumentada de modo decidido e persistente. Por exemplo reage a muitos estímu- los ainda que não relevantes, com notável intensidade emocional. Linguagem frequentemente sob pres- são. 6 Grave Intensidade emocional aumentada de modo marcado. Por exemplo, reage à maior parte dos estímulos com intensidade emocional inapropriada. Tem dificuldade em estar sentado ou quieto. Frequentemente está irrequieto, impulsivo ou então a linguagem está bastante sob pressão. 7 Muito grave Intensidade emocional aumentada de modo marcado e persistente. Reage a todos os estímulos com intensidade inapropriada e com impulsividade. Não pode estar sentado ou quieto. A linguagem está constantemente sob pressão.
  24. 24. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 23 22. DISTRACTIBILIDADE Valorizar o grau em relação ao qual a sequência do discurso e das acções é interrompida por questões não liga- das à entrevista. Valorizar a distractibilidade quando o desvio da atenção revelada pelo paciente se caracteriza por uma pausa no discurso ou por uma mudança marcada no olhar. O paciente pode ser distraído pelo rumor num quarto ao lado, por livros colocados numa prateleira, pela roupa do entrevistador, etc. Não valorizar a cir- cunstancialidade, a tangencialidade ou a fuga das ideias. Por outro lado, não valorizar a ruminação de material delirante. Cotar como positivo mesmo se o estímulo que distrai não é passível de identificação. 2 Muito ligeiro Em geral, pode prestar atenção ás perguntas do entrevistador com um ou outro momento de distracção injustificada ou com uma queda da atenção de breve duração. 3 Ligeiro O paciente desvia a atenção sobre aspectos não ligados à entrevista por 2 ou 3 vezes. 4 Moderado Frequentemente sensível a estímulos irrelevantes na sala, por exemplo, evita o olhar do entrevistador. 5 Moderadamente grave Como acima, mas a distractibilidade interfere de modo evidente com o curso da entrevista. 6 Grave Grande dificuldade em seguir a entrevista ou em manter o fio lógico devido ás preocupações em relação a estímulos irrelevantes. 7 Muito grave Impossibilidade em seguir a entrevista pelas preocupações representadas pelos estímulos irrelevantes.
  25. 25. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 24 23. HIPERACTIVIDADE MOTORA Aumento do nível de energia que se evidencia com movimentos mais frequentes, e/ou rapidez da linguagem. Não valorizar a inquietação devida a acatísia. 2 Muito ligeiro Ligeira inquietação, dificuldade em estar sentado, mímica muito vivaz ou loquaz. 3 Ligeiro Ocasionalmente muito irrequieto com actividade motora aumentada, gestualidade acentuada, 1 a 3 mo- mentos breves de linguagem logorreica. 4 Moderado Muito irrequieto e nervoso, mímica exagerada ou então movimentos motores repetitivos e sem finalidade, linguagem muito logorreica durante pelo menos um terço da duração da entrevista. 5 Moderadamente grave Frequentemente irrequieto e nervoso, os movimentos motores são frequentemente repetitivos e sem finalidade. Está em grande movimento a maior parte do tempo. Linguagem logorreica frequente com dificuldade em ser interrompida. Numa ou outra ocasião levanta-se e caminha para trás e para diante. 6 Grave Actividade motora excessiva, inquietação, nervosismo, fala em voz alta, faz barulho, etc., durante quase toda a entrevista. A linguagem pode ser interrompida apenas com grande esforço. Em 3 ou 4 ocasiões, levanta-se e caminha para trás e para diante. 7 Muito grave Actividade motora constante e excessiva durante toda a duração da entrevista, por exemplo, caminha constantemente para trás e para frente, logorreia sem pausas, pode ser interrompido apenas por breve tempo e apenas é possível obter poucas informações relevantes.
  26. 26. BriefPsychiatricRatingScale(BPRS) 25 24. MANEIRISMOS Comportamento pouco habitual e bizarro, movimentos ou actos afectados ou assumpção de posições desconfor- táveis e inapropriadas. Excluir manifestações claramente devidas aos efeitos colaterais de fármacos. Não incluir maneirismos nervosos que não sejam estranhos ou insólitos. 2 Muito ligeiro Maneirismos excêntricos ou estranhos ou actividade que as pessoas comuns têm dificuldade em explicar, por exemplo, caretas, palavreado. Observados uma só vez durante um breve período. 3 Ligeiro Como no ponto 2, mas recorrendo em dois episódios de breve duração. 4 Moderado Maneirismos ou posturas, por exemplo, actos ou movimentos estilizados, oscilações do tronco, dizer que sim ou não com a cabeça, esfregar partes do corpo ou caretas, observados em várias ocasiões por breves períodos ou não frequentes, mas muito estranhos. Por exemplo, postura desconfortável mantida por 5 segundos mais que duas vezes. 5 Moderadamente grave Como no ponto 4 mas recorrendo frequentemente, ou vários exemplos de maneirismos ou posturas muito estranhas que são características do doente. 6 Grave Comportamentos estereotipados frequentes, assume e mantém posições desconfortáveis ou inapropria- das, oscilações do tronco intensas, emissão de sons estranhos, rituais estranhos ou assumpção de uma posição fetal. Apesar destes comportamentos o indivíduo pode interagir com as pessoas e o ambiente circundante por breves períodos de tempo. 7 Muito grave Como no ponto 6, mas por causa destes comportamentos o indivíduo não pode interagir com as pessoas ou com o ambiente circundante. View publication statsView publication stats

×