O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

AULA TGA SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR 29.04.22.pptx

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 34 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Mais recentes (20)

Anúncio

AULA TGA SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR 29.04.22.pptx

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: TGA ASSUNTO: SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR
  2. 2. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Saúde e segurança do trabalhador Conforme Spector (2010), as condições físicas do trabalho tendem a ter efeitos físicos diretos nas pessoas. Porém em alguns momentos, esses efeitos são imediatos, mas frequentemente ocorrem após um longo período de tempo. Quando uma doença ou lesão leva muito tempo para se desenvolver, pode ser difícil determinar exatamente o que a provocou.
  3. 3. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Na maioria das vezes, pode se evitar ou minimizar as doenças ou lesões por meio da adoção de segurança no ambiente de trabalho. Spector (2010) enfatiza através de estudos, que a agricultura e a mineração são as áreas mais perigosas onde ocorrem acidentes de trabalho. Enquanto o comércio (trabalho em lojas) e serviços (contabilidade, jurídicos e ou de imobiliárias) são as áreas mais seguras de trabalho.
  4. 4. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Notadamente, a prevenção de acidentes de trabalho tem sido uma das principais preocupações das organizações, por causa do elevado custo gerado pelos acidentes, tanto para o empregado como para a empresa (MONTEIRO e BERTAGNI, 2020; SPECTOR, 2010).
  5. 5. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Além do sofrimento, os acidentes de trabalho gera obstáculos na economia na casa de R$ 22 bilhões, devido aos afastamentos de empregados de suas funções após sofrerem ferimentos durante o trabalho. Se fossem incluídos os casos de acidentes em ocupações informais, esse número poderia chegar a R$ 40 bilhões, segundo levantamento da Organização Internacional do trabalho (ARRUDA, 2019).
  6. 6. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Os acidentes de trabalho representam uma disfunção do processo produtivo, e, infelizmente esse mal é cada vez mais frequente no cotidiano de nossas empresas. No Brasil, registramos um acidente laboral a cada 49 segundos. Isso corresponde a 4,7 milhões de acidentes de trabalho em uma taxa de seis mortes a cada 100 mil trabalhadores somente no mercado de trabalho formal no período de 2012 a 2018. Colocando o nosso país como a quarta nação que mais acidenta trabalhador no mundo, atrás apenas da China, da Índia e da Indonésia (ARRUDA, 2019).
  7. 7. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR No entanto, um dos grandes obstáculos na prevenção de acidentes no local de trabalho conforme Spector (2010), é a falta de cooperação dos trabalhadores na utilização do equipamento de segurança adequado e na adoção de comportamentos seguros.
  8. 8. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Outro ponto a destacar, é que os acidentes podem de algum modo sofrer influência do equilíbrio na ênfase entre produtividade e segurança. Por exemplo, um estudo sobre acidentes de trabalho em 86 pequenas fábricas nos Estados Unidos, foi descoberto que os sistemas de incentivo salarial estavam relacionados com as lesões no trabalho (SPECTER, 2010). Nessa pesquisa foi vista, que os trabalhos seriam mais seguros se os trabalhadores das linhas de montagem fossem pagos por hora do que se fossem com base na produtividade (SPECTOR, 2010).
  9. 9. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Doenças Infecciosas Spector (2010) enfatiza que os profissionais que lidam com o público, por exemplo, policiais, agentes de saúde, professores, vendedores, entre outros profissionais, podem ser expostos a doenças infecciosas causadas por algum tipo de vírus. EXEMPLO: os números de mortos entre enfermeiros, médicos e outros profissionais da área de saúde, vítimas do COVID-19 entre os anos de 2020 a 2021, nos seus locais de trabalho.
  10. 10. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Ruído Excessivo O ruído excessivo comumente está presente em muitos locais de trabalho, principalmente naqueles que envolvem maquinaria e equipamentos pesados, como por exemplo, os casos dos aeroportos, setor de produção de indústrias, minas, entre outros locais de trabalho (AYRES e CORRÊA, 2017; SPECTER, 2010).
  11. 11. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Ruído Excessivo O trabalhador ao se expor ao ruído excessivo, como explosões por exemplo, pode danificar gravemente a audição de um indivíduo, às vezes de modo permanente. Porém, ainda mais preocupante é a exposição continua no trabalho a ruídos moderadamente altos, que ultrapassam os 85 dB (SPECTOR, 2010).
  12. 12. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Movimentos Repetitivos Notadamente, vários cargos exigem a repetição de movimentos de várias parte do corpo do trabalhador. Os funcionários que utilizam computadores no local de trabalho, passam o dia inteiro trabalhando executando os mesmos movimentos (SPECTOR, 2010). Spector (2010), ainda acrescenta que, o trabalho em linhas de produção tradicionais exige que o funcionário repita a mesma operação diversas vezes, porém, tais movimentos repetitivos podem ocasionar em lesões por esforço repetitivo (LER).
  13. 13. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Movimentos Repetitivos Talvez a lesão mais conhecida entre essas doenças ocupacionais, seja a síndrome do canal carpiano (síndrome da costureira), que é uma lesão do pulso que provoca dor, endurecimento e fraqueza nos dedos e nas mãos. Essa doença surge em decorrência do uso dos dedos e do pulso (SPECTOR, 2010).
  14. 14. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Substâncias Tôxicas Notadamente, a exposição do trabalhador a substâncias tôxicas tem recebido crescente atenção, na medida em que as pesquisas começaram a demonstrar como elas afetam a saúde. O problema com a exposição a muitas substâncias é que efeitos negativos para a saúde como por exemplo, o câncer, podem levar anos ou décadas para se desenvolver. Isso dificulta a determinação dos efeitos da exposição, porque muitas coisas podem contribuir para que uma pessoa em particular possa contrair determinada doença (SPECTOR, 2010).
  15. 15. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Substâncias Tôxicas Conforme Arruda (2019); Spector (2010), dependendo do tipo de trabalho, os funcionários podem se expor a substâncias tôxicas, frequentemente em locais com materiais químicos. Comumente, os trabalhadores de indústrias químicas ou dedetizadores e trabalhadores em fazenda que utilizam inseticidas estão o tempo todo expostos a estes reagentes químicos.
  16. 16. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Substâncias Tôxicas As reações a esta exposição em que o trabalhador se submete, pode variar de sintomas de indivíduo para indivíduo, como dores de cabeça ou náuseas, até condições sérias, que podem danificar permanentemente órgãos vitais como os rins ou o fígado (SPECTOR, 2010).
  17. 17. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Conforme Spector (2010), as empresas que expõem seus trabalhadores a substâncias tôxicas correm o risco de serem processadas por funcionários doentes ou incapacitados para o trabalho. No Brasil, o Ministério do Trabalho é o responsável pela fiscalização da Cipa, obrigatória nas empresas públicas ou privadas.
  18. 18. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Horários de Trabalho Conforme Spector (2010), a maioria dos trabalhadores trabalha em horário-padrão de aproximadamente oito horas por dia durante a semana. No entanto, o uso de horários fora desse padrão envolvendo turnos longos, noturnos e nos fins de semana está aumentando.
  19. 19. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Horário de trabalho noturno e as suas consequências Notadamente, o principal problema de saúde provocado pelo trabalho nos turnos de madrugada, é que o ciclo típico do sono é perturbado. Associados a este ciclo estão os ritmos circadianos das mudanças fisiológicas, que acontecem ao longo do dia (SPECTOR, 2010).
  20. 20. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Horário de trabalho noturno e as suas consequências E essas mudanças fisiológicas no corpo do trabalhador provocado pelo turnos de trabalho na madrugada, é que há mudanças na temperatura do corpo e dos níveis de hormônios na corrente sanguínea, que pode provocar problemas de saúde no trabalhador que submete aos trabalhos noturnos após as 22:00 hs (SPECTOR, 2010).
  21. 21. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR Horário de trabalho noturno e as suas consequências Conforme Spector (2010), o problema de saúde mais óbvio relacionado aos turnos de trabalho realizados à noite é o distúrbio do sono, ou seja, a incapacidade de dormir ou a baixa qualidade do sono. Diversos estudos apontaram que as pessoas que trabalham em turnos da noite tem mais probabilidade de apresentar problemas relacionados ao sono do que os trabalhadores que trabalham em turnos do dia.
  22. 22. Horário de trabalho noturno e as suas consequências Horário de trabalho noturno e as suas consequências Conforme Spector (2010), apesar desse estudo demonstrar que o trabalho no turno da noite pode ter efeito fisiológicos, a razão por que eles ocorreram não está clara. Terá sido a interrupção dos ritmos circadianos que perturbaram a secreção do hormônio ou terá sido a falta de dormir? Seja qual for a causa, ao menos uma solução para os efeitos dos períodos noturnos é permitir vários dias consecutivos de descanso por semana.
  23. 23. Horário de trabalho noturno e as suas consequências Horário de trabalho noturno e as suas consequências No entanto, além dos problemas relacionados anteriormente, o trabalho noturno pode causar problemas sociais. Stoner (2010) enfatiza que ao trabalhar durante a noite e dormir durante o dia pode isolar o indivíduo de seus familiares e amigos. E como consequência, haver uma maior insatisfação em se trabalhar em turno noturno.
  24. 24. Horário de trabalho noturno e as suas consequências Expedientes Longos Várias organizações implementam turnos mais longos, e muitos trabalhadores têm empregos que não apresentam horários fixos e podem exigir longos períodos de trabalho, como por exemplo, motoristas de caminhão ou de ônibus interestaduais que não podem ser completadas em um dia de trabalho de oito horas (SPECTOR, 2010).
  25. 25. Horário de trabalho noturno e as suas consequências Expedientes Longos A alternativa mais conhecida para os turnos de trabalho longos é a de quatro dias, com turnos de 10 horas, ou 4/40. E algumas empresas que trabalham 24 horas por dia, e operam em dois turnos de 12 horas diárias (SPECTOR, 2010).
  26. 26. Horário de trabalho noturno e as suas consequências Expedientes Longos Notadamente, a principal dificuldade dos longos dias de trabalho é a fadiga (SPECTOR, 2010). Dias de 10 a 12 horas podem ser muito cansativos se o trabalho exigir muito, mental ou fisicamente, do trabalhador. Reggatt (1991) em Spector (2010) conduziu uma pesquisa junto aos motoristas de caminhão australianos que demonstrou que turnos mais longos podem ter efeitos danosos para a saúde. A duração do trabalho estava associada a problemas com o sono, consumo de álcool e saúde debilitada.
  27. 27. Horário de trabalho noturno e as suas consequências Estresse Ocupacional Notadamente, todos os indivíduos já experimentaram o estresse uma vez ou outra na sua vida, como por exemplo, fazer uma prova é algo muito estressante para o aluno, particularmente para aqueles que almejam boas notas (SPECTOR, 2010).
  28. 28. Horário de trabalho noturno e as suas consequências Estresse Ocupacional Na maioria dos trabalhos, existem situações consideradas estressantes pelos trabalhadores, como ser repreendido pelo supervisor, ter pouco tempo para concluir uma tarefa ou ser avisado da possibilidade de demissão.
  29. 29. Horário de trabalho noturno e as suas consequências Estresse Ocupacional Spector (2010) enfatiza que apesar de as consequências a longo prazo do estresse para a saúde humana, ainda nãos estarem claras, a maioria dos pesquisadores do assunto acredita que condições de trabalho desfavoráveis podem afetar a saúde e o bem estar dos trabalhadores.
  30. 30. Horário de trabalho noturno e as suas consequências O Processo de estresse ocupacional Para compreender o estresse no trabalho, deve-se primeiro entender as diferentes concepções envolvidas no processo que leva até ele. Um fator estressante do trabalho é uma condição ou situação que exige a adaptação do funcionário. Conforme já falado anteriormente, quando o trabalhador é repreendido, ter pouco tempo para encerrar uma tarefa ou receio de demissão, são exemplos desses fatores estressantes (SPECTOR, 2010).
  31. 31. Horário de trabalho noturno e as suas consequências O Processo de estresse ocupacional Conforme Spector (2010) explica baseado nos estudos de Jex e Beehr (1990), o desgaste no trabalho é uma provável reação negativa do trabalhador a um fator estressante, como ansiedade, frustração ou sintomas físicos, como dores de cabeça. Esses pesquisadores dividiram os tipos de estresse em três categorias: - Reações psicológicas; - Reações físicas; - Reações comportamentais.
  32. 32. Horário de trabalho noturno e as suas consequências Fatores estressantes no trabalho Spector (2010), enfatiza que há muitos fatores no local de trabalho que podem ser estressantes. Algumas são condições que ocorrem na maioria dos trabalhos, como conflitos com colegas ou pesadas cargas de trabalho, por exemplo.
  33. 33. REFERÊNCIAS AYRES, Dennis de O. CORRÊA, José Aldo P. Manual de prevenção de acidentes de trabalho. São Paulo: Editora Atlas, 2017. ARRUDA, Fábio A. da S. Estratégias de capacitação X acidentes de trabalho. São Paulo: Editora Nelpa, 2019. MONTEIRO, Antônio L; BERTAGNI, Roberto F. de S. Acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. Editora Saraiva, 2020. SPECTOR, Paul E. Psicologia nas organizações. São Paulo: Editora Saraiva, 2010.
  34. 34. Q U E S T I O N Á R I O 1. Para Spector (2010), quais as áreas do trabalho que são mais perigosas e onde mais ocorrem acidentes de trabalho. Comente. 2. Conceitue o que é um fator estressante do trabalho e dê um exemplo. 3. Cite uma das desvantagens de trabalhar no período noturno. 4. Defina o que é a Síndrome do Canal Carpiano. 5. Cite um dos grandes obstáculos na prevenção de acidentes no local de trabalho, conforme enfatiza Spector (2010).

×