SlideShare uma empresa Scribd logo

Variedades dialetais o contexto, o locutorinterlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva..ppt

sobre linguagem e seus códigos

1 de 34
Baixar para ler offline
Linguagens, Códigos e suas
Tecnologias - Português
Ensino Médio, 3º Ano
Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor,
o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva.
COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa
Ensino Médio, 3º Ano
Tópico: Variedades dialetais: o contexto, o locutor /
interlocutor, o propósito comunicativo e a
pluralidade discursiva
LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio
Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o
propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
Iniciemos nossa aula hoje lendo em voz alta o conteúdo abaixo:
Dialeto é a forma como uma língua é falada numa determinada região.
Trata-se de uma variante linguística constituída por características
fonológicas, sintáticas, semânticas e morfológicas próprias, típicas de uma
localidade.
LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio
Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o
propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
Essa definição nos situa no terreno da variedade dialetal, objeto de estudo da
nossa aula de hoje. Ainda fará parte dela o contexto, o locutor / interlocutor,
o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva. Nosso objetivo é
estudarmos os fatores que influenciam no modo como a língua é falada por
meio da apresentação linguística mais real de sua manifestação, ou seja,
através dos próprios textos. Com sotaque ou sem sotaque pernambucano,
litorâneo, interiorano, sertanejo, agrestino ou canavieiro pergunto à turma:
PODEMOS COMEÇAR NOSSA AULA?
LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio
Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o
propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
As referências feitas às regiões do nosso estado foram apenas uma forma de
apresentar a ideia central do nosso estudo: de que, embora pertençamos ao
mesmo estado, falamos diferente de uma região para outra. E isso é
maravilhoso, pois representa perfeitamente o mosaico cultural que é o estado
de Pernambuco, o Brasil e, especificamente, a língua que neles falamos.
LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio
Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o
propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
Em nenhuma língua, os usos são uniformes. As línguas variam de acordo com
a situação em que é usada, com os falantes, suas intenções e a diversidade de
discursos existentes em nossa sociedade (BAGNO, 2007)
LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio
Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o
propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
Anúncio

Recomendados

Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticasuesleii
 
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Bia Crispim
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguísticacaurysilva
 
A história da língua
A história da línguaA história da língua
A história da línguaVanda Marques
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguisticacaurysilva
 

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Variedades dialetais o contexto, o locutorinterlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva..ppt

A história da língua
A história da línguaA história da língua
A história da línguaVanda Marques
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptlucasicm
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptEdilmaBrando1
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptEdilmaBrando1
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.Adriano Barros
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação LinguísticaSilmatuk
 
Projeto de pesquia para seleção ao Mestrado
Projeto de pesquia para seleção ao MestradoProjeto de pesquia para seleção ao Mestrado
Projeto de pesquia para seleção ao MestradoJose Arnaldo Silva
 
Variação e preconceituos linguístico
Variação e preconceituos linguísticoVariação e preconceituos linguístico
Variação e preconceituos linguísticoSadrak Silva
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaGlacemi Loch
 
1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação LinguísticaAngélica Manenti
 
A SOCIOLINGUISTICA-1.pdf
A SOCIOLINGUISTICA-1.pdfA SOCIOLINGUISTICA-1.pdf
A SOCIOLINGUISTICA-1.pdfCINTYACARDOSO4
 

Semelhante a Variedades dialetais o contexto, o locutorinterlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva..ppt (20)

A história da língua
A história da línguaA história da língua
A história da língua
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 
Variação Linguística - APP
Variação Linguística - APPVariação Linguística - APP
Variação Linguística - APP
 
Pojhd
PojhdPojhd
Pojhd
 
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIALLINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
 
Variação e preconceito.pptx
Variação e preconceito.pptxVariação e preconceito.pptx
Variação e preconceito.pptx
 
Projeto de pesquia para seleção ao Mestrado
Projeto de pesquia para seleção ao MestradoProjeto de pesquia para seleção ao Mestrado
Projeto de pesquia para seleção ao Mestrado
 
Variação e preconceituos linguístico
Variação e preconceituos linguísticoVariação e preconceituos linguístico
Variação e preconceituos linguístico
 
Modelo de material.luc
Modelo de material.lucModelo de material.luc
Modelo de material.luc
 
Modelo de material.luc
Modelo de material.lucModelo de material.luc
Modelo de material.luc
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
 
2 sobre a libras e a linguística
2 sobre a libras e a linguística2 sobre a libras e a linguística
2 sobre a libras e a linguística
 
1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
A SOCIOLINGUISTICA-1.pdf
A SOCIOLINGUISTICA-1.pdfA SOCIOLINGUISTICA-1.pdf
A SOCIOLINGUISTICA-1.pdf
 

Último

LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGOLUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGOxogilo3990
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024assedlsam
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfkeiciany
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfkeiciany
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 

Último (20)

LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGOLUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
LUSSOCARS TRABAJO PARA LA CLASE QUE TENGO
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 

Variedades dialetais o contexto, o locutorinterlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva..ppt

  • 1. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias - Português Ensino Médio, 3º Ano Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva.
  • 2. COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa Ensino Médio, 3º Ano Tópico: Variedades dialetais: o contexto, o locutor / interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 3. Iniciemos nossa aula hoje lendo em voz alta o conteúdo abaixo: Dialeto é a forma como uma língua é falada numa determinada região. Trata-se de uma variante linguística constituída por características fonológicas, sintáticas, semânticas e morfológicas próprias, típicas de uma localidade. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 4. Essa definição nos situa no terreno da variedade dialetal, objeto de estudo da nossa aula de hoje. Ainda fará parte dela o contexto, o locutor / interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva. Nosso objetivo é estudarmos os fatores que influenciam no modo como a língua é falada por meio da apresentação linguística mais real de sua manifestação, ou seja, através dos próprios textos. Com sotaque ou sem sotaque pernambucano, litorâneo, interiorano, sertanejo, agrestino ou canavieiro pergunto à turma: PODEMOS COMEÇAR NOSSA AULA? LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 5. As referências feitas às regiões do nosso estado foram apenas uma forma de apresentar a ideia central do nosso estudo: de que, embora pertençamos ao mesmo estado, falamos diferente de uma região para outra. E isso é maravilhoso, pois representa perfeitamente o mosaico cultural que é o estado de Pernambuco, o Brasil e, especificamente, a língua que neles falamos. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 6. Em nenhuma língua, os usos são uniformes. As línguas variam de acordo com a situação em que é usada, com os falantes, suas intenções e a diversidade de discursos existentes em nossa sociedade (BAGNO, 2007) LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 7. Modalidades da língua Formal : também chamada de culta ou padrão, corresponde àquele falar tido como “modelar”, que obedece às regras da gramática normativa e não aceita variações de qualquer natureza. A modalidade culta ou padrão é veiculada nos dicionários, nas gramáticas, nos textos literários, técnico-científicos e jornalísticos e nas redações oficiais do país. É a norma socialmente prestigiada e quem não a utiliza é considerado ignorante, iletrado, caipira ou matuto (o que não é verdade!), tornando-se vítima certa do preconceito linguístico (ANTUNES, 2007). LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 8. Informal: Podemos dizer que é a modalidade do dia a dia da maioria das pessoas, que está “na boca do povo”, sem policiamento gramatical. Ao conversamos com pessoas conhecidas, com as quais temos intimidade ou mesmo familiaridade, podemos falar de modo informal, mais popular e menos policiado, pois nosso interlocutor não se chocará com a nossa linguagem. Usamos a modalidade informal geralmente em casa com nossos familiares, com pessoas mais próximas ou em eventos que não seja obrigatória a modalidade formal. Essa modalidade está aberta às inúmeras variações. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 9. Imagine as situações abaixo: você participando de uma formatura, realizando uma consulta médica, conversando com familiares, conversando com pessoas desconhecidas, você na arquibancada do seu time preferido, numa reunião da igreja, do clube, da escola, dentro de um elevador com uma criança etc. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 10. Se é verdade que existem situações sociais diferentes (formatura, reunião, conversa, consulta etc), com pessoas diferentes, em lugares e épocas diferentes, também é verdade que existem usos da língua diferentes. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 11. “Nenhuma língua natural possui uma forma única de expressar as coisas. Toda língua permite que os falantes falem sobre a mesma coisa de forma diferente com recursos diferentes.” (FERRAREZI JÚNIOR, 2008, p. 230) LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 12. O contexto de produção é um dos fatores que determina a variação dialetal. Observe como isso se dá, lendo a situação comunicativa que segue. Para compreendê-la, suponha que uma amiga sua, de nome Maria vai de viagem de Recife a Caruaru para conhecer os festejos juninos e, ao entrar no ônibus, encontra apenas uma cadeira vazia, tendo como vizinho de poltrona um rapaz. Observe a conversa que eles travam durante a viagem: LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 13. -Licença, tem alguém aí? Perguntou Maria. -Não, senhora – respondeu o rapaz. Com o ônibus ainda parado no TIP, Maria senta, observa o rapaz e compra uma água pela janela. Ela aponta a garrafa para ele e pergunta: -Quer água? O rapaz olha fixamente para ela e responde: -Não, senhora! A viagem prossegue e após mais uns 30 minutos em silêncio, Maria se volta para o rapaz e faz mais uma pergunta: -Você é pernambucano? Tenho a impressão de que lhe conheço de algum LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 14. lugar... O rapaz sorri e pergunta: - Mas de onde você me conhece? Sou daqui mesmo de Pernambuco, moro no Recife. -Cara, você é o Juninho?! Pergunta Maria espantada. -Sim e você é a Maria?! Responde o rapaz. -Claro, mas Juninho como não te reconheci logo de peitada!? Fomos vizinhos por longos anos – diz Maria. Eis que o rapaz feliz da vida pergunta: -Lia, como vai o teu pessoal? E Maria também muito feliz responde: -A raça toda vai bem e melhor vai ficar quando eu disser que dancei um forró arretado cum você em Caruaru, home de deus! LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 15. Inicialmente percebemos que os interlocutores não se reconheceram. À primeira vista, eram apenas estranhos que se avizinhavam nas poltronas do ônibus durante uma viagem. Esse contexto apenas permitiu conversas triviais entre “os estranhos”, através de perguntas e respostas simples (“-Licença, tem alguém aí?” “ -Não, senhora”, “Quer água?”). Observe a cor da letra azul no texto para indicar distanciamento entre os interlocutores. O contexto muda no momento em que se reconhecem e assim o uso da língua apresenta sua variação. Embora continuando a mesma viagem, no mesmo ônibus, cria- se uma intimidade, ou melhor, é resgatada a intimidade da amizade do passado. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 16. Daí ser normal e não causar estranhamento a nós leitores o tratamento do restante do texto com o uso de expressões como “cara”, “Juninho” “Lia” etc, revelando assim o contexto de um reencontro entre amigos / vizinhos do passado. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 17. Os agentes da interação: o locutor / interlocutor Ninguém fala ou escreve para ninguém. Ao falarmos ou escrevermos, sempre temos um interlocutor imediato ou pretendido. Na conversa, nos diálogos os papeis do locutor / interlocutor se alternam: ora você é locutor (quando fala, escreve), ora é interlocutor (quando o outro fala / escreve) para você. As variedades dialetais também são percebidas por meio do uso da língua e o que fazem locutor e interlocutor. Fatores como quem fala, de onde, para quem, o que faz quem fala, a idade, o sexo, o grau de instrução, a situação socioeconômica também permitem as variedades dialetais. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 18. Observe as variações dialetais no diálogo abaixo entre um agricultor e um engenheiro agrônomo: - Bom dia, senhor! Já iniciou a colheita do milho? –Indagou o engenheiro. -Qual nada, meu sinhô! Só no mei de santana – respondeu o agricultor. -Senhor, mas quando é mesmo o mês de santana?- Perguntou pacientemente o engenheiro. -E o sinhô num sabe?! E como é dotô?!- Exclamou espantado o agricultor. -Tudo bem, não precisa responder, mas em qual data aproximadamente de santana eu posso voltar por aqui para assistir a sua colheita do milho?- Perguntou o engenheiro. -Venha lá pro miado, pruquê só começo no miado do mei de santana mermo – Disse o agricultor. -Tudo bem, senhor! Voltarei nessa data e bons lucros para o senhor e sua família – afirmou o engenheiro. -Agradecido e inté o miado de santana! Exclamou o senhor. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 19. Pela leitura do diálogo, deu para perceber a mesma língua sendo falada de modo variado. Na voz do agricultor, tendo como interlocutor o engenheiro agrônomo e vice-versa. Ambos usam expressões que os identificam tanto na localidade, quanto na profissão em que atuam. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 20. A respeito do diálogo que você acabou de ler, responda: a) Qual palavra usada pelo agricultor provocou a dificuldade de compreensão por parte do engenheiro? b) Durante a conversa dos dois, o que causou espanto no agricultor? c) Caso você estivesse no lugar do agricultor, teria tido o mesmo espanto dele? Justifique. d) Por que o engenheiro “desistiu” de querer saber da explicação do agricultor? e) Você sabe informar a data precisa que o agricultor pediu para o engenheiro retornar? f) Retire do diálogo palavras e expressões que confirmem variação dialetal. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 21. Ao usarmos a língua em toda e qualquer situação temos intenções a serem alcançadas. Conseguir atingir o objetivo pretendido na comunicação é o desejo de todo falante. É o chamado propósito comunicativo que nos acompanha a cada uso da nossa língua. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 22. Isso acontece mais ou menos assim:  se quero convencer uma plateia sobre o uso do cinto de segurança, por exemplo, devo elaborar um texto oral ou escrito, do gênero propaganda ou folheto informativo com esse fim;  se quero descrever como foi um passeio, devo preparar um relato, um diário, usar adjetivos que (des)qualifiquem o passeio e formar uma “fotografia” por meio da escrita para ajudar na concretização do propósito comunicativo;  se quero contar uma história, devo organizar os elementos da narrativa de modo harmônico para dar caráter de verossimilhança e a história apresentar começo, meio e fim;  se quero advertir, passar instruções de algum serviço, devo elaborar textos instrucionais e assim cumprir meu propósito comunicativo. Entenderam?! LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 23. Para atingir os propósitos comunicativos apresentados anteriormente, a língua será usada de modo variado. Para cada intenção comunicativa, um jeito diferente de escrever ou falar. Ainda que inúmeras pessoas tivessem um só propósito comunicativo, o uso da língua não seria único. Inevitavelmente haveria variações no modo de dizer o mesmo discurso. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 24. Para cada objetivo do falante, a língua apresenta recursos diferentes, plenamente adequados e suficientes quando bem utilizados pelos falantes. (FERRAREZI JÚNIOR, 2008). Saber variar os usos da língua conforme as situações, intenções e interlocutores é uma forma de demonstrar competência comunicativa. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 25. Verifique sua aprendizagem lendo com atenção os textos seguintes e informando o propósito comunicativo dos seus produtores. O sujeito estava no bar e próximo a ele um bêbado dormia numa mesa. De vinte em vinte minutos, o dono do bar chegava no tonto, dava uma chacoalhada no infeliz e gritava: - Acordaaaaaa! Depois da terceira ou quarta vez, o cara não aguentou e chamou o dono: - Pô, que sacanagem é esta? Porque você tá acordando o cara e deixando-o continuar na mesa? - O dono respondeu: - Né nada pessoal, não. É que o cara, além de ser chato, paga a conta toda vez que eu o acordo........ Propósito comunicativo: LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 26. Venha à minha casa hoje à noite comer um pedaço de torta do meu aniversário. Não traga presente, será apenas um lanchinho! Bjos, Ju. Propósito comunicativo: LEIA, é importante! Prezados estudantes inscritos no Enem, gostaríamos de informar-lhes que as aulas de reforço serão ministradas no Clube Municipal durante toda tarde do sábado. Contamos com sua presença! Professores e direção. Propósito comunicativo: LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva Imagem: Chocolate Batom / Agência: W/Brasil/ http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html? aula=13505
  • 27. Pluralidade discursiva Todo discurso que proferimos não é unicamente nosso, sempre haverá um pouco daqui, um pouco de lá dos discursos de outras pessoas. Isso significa dizer que aquilo que falamos ou escrevemos já foi dito por alguém. Isso acontece quando lemos um texto, por exemplo. É provável que durante a leitura nos lembremos de algo parecido que já vimos ou ouvimos, em algum lugar, concordam? E é justamente nessa “mistura” de discursos que acontece a variação dialetal. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 28. Num texto que você produz na aula de Português haverá sempre informações que você viu na TV, na internet, em revistas e livros ou nas aulas das outras disciplinas. Nossos discursos também são formados pelos discursos dos nossos pais, parentes, vizinhos, amigos, etc. Por isso, fala-se em pluralidade discursiva. Com os poetas acontece o mesmo, suas produções são frutos de outras leituras do passado até mesmo quando se quer criticar o presente. Veja a seguir como o texto original da “Canção do Exílio”, de Gonçalves Dias inspirou outros poetas através de paródias. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 29. Leia em voz alta e perceba o que, do 1º texto, está nos demais: CANÇÃO DO EXÍLIO Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. (Gonçalves Dias) NOVA CANÇÃO DO EXÍLIO Um sabiá na palmeira, longe. Estas aves cantam um outro canto. O céu cintila sobre flores úmidas. Vozes na mata, e o maior amor. Só, na noite, seria feliz: um sabiá, na palmeira, longe. Onde é tudo belo e fantástico, só, na noite, seria feliz. (Um sabiá, na palmeira, longe.) Ainda um grito de vida e voltar para onde tudo é belo e fantástico: a palmeira, o sabiá, o longe. (Drummond) LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 30. CANTO DE REGRESSO À PÁTRIA Minha terra tem palmares Onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá Minha terra tem mais rosas E quase tem mais amores Minha terra tem mais ouro Minha terra tem mais terra Ouro terra amor e rosas Eu quero tudo de lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte pra São Paulo Sem que eu veja a rua 15 E o progresso de São Paulo (Oswald de Andrade) LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 31. CANÇÃO DO EXÍLIO Minha terra tem macieiras da Califórnia Onde cantam gaturamos de Veneza Os poetas da minha terra São pretos que vivem em torres de ametista, Os sargentos do exército são monistas, cubistas, Os filósofos são polacos vendendo a prestações. A gente não pode dormir Com os oradores e os pernilongos Os sururus em família têm por testemunha a Gioconda. Eu morro sufocado Em terra estrangeira. Nossas flores são mais bonitas Nossas frutas são mais gostosas Mas custam cem mil réis a dúzia. Ai quem me dera chupar uma carambola de verdade E ouvir um sabiá com certidão de idade ! (Murilo Mendes) LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 32. Para finalizar, comente em folha à parte sobre a aproximação e o distanciamento da poesia de cada um dos poetas apresentados (Drummond, Oswald de Andrade e Murilo Mendes) com a poesia de Gonçalves Dias e em seguida, como eles fizeram, também faça sua paródia. Boa produção! LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 33. Bibliografia consultada ANTUNES, Irandé. Muito além da gramática. Por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. BAGNO, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. BORTONI-RICARDO. Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística & educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2005 FERRAREZI JÚNIOR, Celso. Semântica para a educação básica. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. SCHERRE, Maria Marta Pereira. Doa-se lindos filhotes de poodle: variação linguística, mídia e preconceito. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. LÍNGUA PORTUGUESA, 3º Ano do Ensino Médio Variedades dialetais: o contexto, o locutor/interlocutor, o propósito comunicativo e a pluralidade discursiva
  • 34. Tabela de Imagens n° do slide direito da imagem como está ao lado da foto link do site onde se consegiu a informação Data do Acesso 26 Chocolate Batom / Agência: W/Brasil/ http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTec nicaAula.html?aula=13505 http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAul a.html?aula=13505 13/09/2012