O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

ContribuiçõEs Da SemióTica Da Cultura A Gc Apres

692 visualizações

Publicada em

O presente trabalho propõe possíveis contribuições da semiótica da cultura para a gestão do conhecimento no ambiente empresarial. Para tanto, foram explorados temas relacionados a globalização, ao conceito de gestão do conhecimento, cultura e comunicação, metodologias
de ensino e aprendizagem que focam o ensino de adultos com ênfase na formação
profissional, sempre preservando o escopo dos temas na relação com o ambiente
empresarial. Os capítulos que tratam da cultura e comunicação e da interpretação da gestão do conhecimento sob a ótica da semiótica da cultura representam o núcleo duro deste trabalho, a partir do momento em que se estabelecem as conexões entre os temas abordados nos capítulos à luz dos importantes autores desta corrente da semiótica.

Publicada em: Negócios, Educação
  • Prezada Cristina
    Parabenizo a forma como articulou sua experiência em Gestão do
    Conhecimento com perspectivas da Semiótica da Cultura.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

ContribuiçõEs Da SemióTica Da Cultura A Gc Apres

  1. 1. Contribuições da Semiótica da Cultura à Gestão do Conhecimento no Ambiente Empresarial FÓRUM DE PESQUISA FACULDADE CÁSPER LÍBERO Cristina Valiukenas Orientador: Prof. Dr. José Eugenio de O. Menezes
  2. 2. Temas explorados <ul><li>Globalização </li></ul><ul><li>Gestão do conhecimento (GC) </li></ul><ul><li>Cultura empresarial e comunicação </li></ul><ul><li>Metodologias de ensino e aprendizagem para o ensino de adultos na formação profissional </li></ul><ul><li>GC e semiótica da cultura </li></ul><ul><li>Considerações </li></ul>
  3. 3. Globalização <ul><li>Comércio internacional e globalização </li></ul><ul><li>Competitividade empresarial </li></ul><ul><li>Gestão do conhecimento como ferramenta para a competitividade. </li></ul>Como as pessoas podem selecionar e se apropriar das informações úteis ao negócio, num contexto de competitividade global?
  4. 4. Globalização <ul><li>A independência que as organizações têm dos governos e dos trabalhadores atinge um estágio sem precedentes na história. Uma das grandes características desse capitalismo atual é a mobilidade: do capital, das pessoas e da produção. E essa facilidade de deslocamento ocorre por vantagens percebidas, muitas vezes, ancoradas por sofisticados modelos matemáticos que apontam a melhor oportunidade para uso do dinheiro. </li></ul>
  5. 5. Gestão do Conhecimento <ul><li>Conhecimento explicito </li></ul><ul><li>Conhecimento tácito </li></ul><ul><li>Indexação da informação </li></ul>Como recuperar as informações vitais ao negócio? Com quem e onde está?
  6. 6. Gestão do Conhecimento <ul><li>Fontes de informação para as organizações: governo, mercados, concorrentes, fornecedores, sindicatos etc.. </li></ul><ul><li>Filtro: relevância da informação para o propósito estratégico do negócio. </li></ul><ul><ul><li>avalia o potencial das informações para: gestão, inovação, estrutura e ou emprego de recursos. </li></ul></ul><ul><li>Avaliar o potencial da informação implica lidar com complexidade e incerteza, os dois grandes desafios gerenciais. </li></ul>
  7. 7. Cultura e Comunicação <ul><li>Comunicação como principal processo das organizações. </li></ul><ul><li>Comunicação: meio pelo qual se expande a cultura, educação e segurança de sobrevida do negócio. </li></ul>Como “moldar” a cultura da empresa apropriada ao ambiente competitivo?
  8. 8. Cultura e Comunicação <ul><li>A perspectiva da administração: alicerçada em Skinner, “tecnologia do comportamento” e o planejador da cultura. </li></ul><ul><li>“ Um projeto de cultura pressupõe uma projeto comunicativo, mas também todo projeto de comunicação trama junto seu próprio projeto de cultura. Se a comunicação é construção de vínculos, a cultura é o entorno e a trajetória complexa dos vínculos, suas raízes, suas histórias, seus sonhos e suas demências, seu lastro e sua leveza, sua determinação e sua indeterminação ” (BAITELLO, 2005, p.8). </li></ul><ul><li>Souza (2005, p.79): “treinamento é um processo de comunicação dirigida que visa flexibilizar valores pessoais e, através de uma narrativa especifica, influenciar ou modificar comportamentos”. </li></ul>
  9. 9. Ensino e Aprendizagem <ul><li>Metodologias: </li></ul><ul><ul><li>Comportamentalismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Cognitivismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Humanismo </li></ul></ul><ul><li>Modalidades de ensino </li></ul><ul><li>Ensino e aprendizagem: cultura e gestão do conhecimento </li></ul><ul><li>Como fica a construção de vínculos nas novas modalidades de ensino, principalmente quando a aprendizagem é resultante das interações sociais? </li></ul>
  10. 10. GC e Semiótica da Cultura “ A fábrica do futuro deverá ser aquele lugar em que o homem aprenderá, juntamente com os aparelhos eletrônicos, o quê, para quê e como colocar as coisas em uso. E os futuros arquitetos fabris terão de projetar escolas ou, em termos clássicos, academias, templos de sabedoria. [...] O que importa é que a fábrica do futuro deverá ser o lugar em que o Homo faber se converterá em Homo sapiens sapiens, porque reconhecerá que fabricar significa o mesmo que aprender, isto é, adquirir informações, produzi-las e divulgá-la .” (FLUSSER, 2007, p.43) Trabalho Desenvolvimento Sustentável Gestão do Conhecimento
  11. 11. GC e Semiótica da Cultura <ul><li>“ o funcionário recebe símbolos, armazena símbolos, produz símbolos, e emite símbolos”. (FLUSSER, 1983, p.35) </li></ul><ul><li>“ o valor das coisas é semiótico, uma vez que ele é determinado não pelo próprio valor destas, mas pela significação daquilo que ele representa”. (LOTMAN apud IASBECK, 2002, p. 132). </li></ul><ul><li>texto cultural: “são complexos de signos com sentido”. (BYSTRINA, 1995, p. 3) </li></ul>
  12. 12. GC e Semiótica da Cultura <ul><li>Textos podem ser divididos em “textos instrumentais, racionais e criativos e imaginativos .” (BYSTRINA, 1995, p.3) </li></ul><ul><li>Cultura: “recebe as contribuições e descobertas de cada indivíduo, de cada grupo social, de cada época, e as perpetua, transmitindo as informações de geração a geração, de grupo para grupo, de época a época.” (BAITELLO, 1999, p.20). </li></ul><ul><li>Discurso piramidal: “ouvir as mensagens sem poder contestá-las (...) esta estratégia é boa para o armazenamento de informações, mas má para a elaboração de informações novas. O tecido social estagna.” (FLUSSER, 1983, p.60). </li></ul><ul><li>“ o homem possui a capacidade de armazenar experiências adquiridas. E de transmiti-las [...] Em outros termos: o homem produz, armazena e transmite informações novas. Aumenta a soma das informações disponíveis.” (FLUSSER, 1983, p. 57) </li></ul>
  13. 13. Considerações <ul><li>Como deve ser a equipe de trabalho que desenvolverá tais aparatos tecnológicos? </li></ul><ul><li>Qual o prazo de validade das estratégias utilizadas? </li></ul><ul><li>Quais critérios poderiam ser empregados para avaliar um sistema de gestão do conhecimento de uma organização, objetivando identificar elementos conceituados pela semiótica da cultura? </li></ul><ul><li>Quais outras importantes contribuições da semiótica da cultura podem ser utilizadas, neste escopo? </li></ul>
  14. 14. Muito Obrigada!

×