Trabalho aps o mapa de risco (1) (1)

13.932 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.932
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
222
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho aps o mapa de risco (1) (1)

  1. 1. Curso de NutriçãoAna Cristina MáximoCamila MarquesCarolina CamposDeborah ChristieKatriane BarrosMAPA DE RISCOBrasília-DF2013
  2. 2. 1Ana Cristina MáximoCamila MarquesCarolina CamposDéborah ChristieKatriane BarrosMAPA DE RISCOApresentação de Mapa de Risconadisciplina deAtividade PráticasSupervisionadas (APS), apresentado no cursode Nutrição 3º Semestrena UniversidadePaulista (UNIP) no Campus de Brasília-DF.Orientador: Ellen Tanus RangelBrasília-DF2013
  3. 3. 2SUMÁRIOINTRODUÇÃO..........................................................................................................................3OBJETIVO.................................................................................................................................4ELABORAÇÃO DO MAPA DE RISCO ..................................................................................4CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS.............................................................................................5Agentes físicos .................................................................................................................................... 5Agentes químicos................................................................................................................................ 6Agentes Biológicos ............................................................................................................................. 7Risco Ergonômico............................................................................................................................... 7Risco de Acidentes.............................................................................................................................. 7CONCLUSÃO............................................................................................................................8REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................................................9ANEXO ....................................................................................................................................10ANEXO – Mapa de Risco Laboratório de Microscopia e Microbiologia......................................... 10
  4. 4. 3INTRODUÇÃOMapa de risco é um modelo participativo com o intuito de eliminar e/ou controlaros riscos e melhorar o ambiente e as condições de trabalho. Esta medida favorece ostrabalhos, por possibilitar atitudes mais cautelosas diante dos riscos identificados bem comoos empregadores com uma redução ou eliminação de riscos detectados, sendo obrigatório nasempresas com grau de risco e número de empregados que exijam uma Comissão interna dePrevenção de Acidentes (CIPA), implantado pela Portaria nº 5/92 doMinistério do Trabalho eda Administração e alterada pela Portaria 25 de 20;12;94.O mapa de risco é elaborado pela CIPA, conforme a NR-5, item 5-16, alínea “o”,ouvidos os trabalhadores de todos os setores e com a colaboração do SESMT, quando houver,sendo indispensável à participação das pessoas expostas aos riscos.O mapa de risco é elaborado anualmente e deve ser fixado em local visível esimbolizado por círculos de três tamanhos distintos: pequeno, médio e grande e por tipo deagentes químico, biológico, físico, ergonômico e risco de acidentes representadosrespectivamente pelas cores vermelha, marrom, verde, azul e amarela. A falta de elaboração ede afixação nos locais de trabalho pode causar multas de valor elevado ao empregador.No decorrer mostraremos como elaborar um mapa de risco, quais ascaracterísticas de cada agente biológico e faremos um mapa de risco do laboratório demicrobiologia da UNIP Campos de Brasília.
  5. 5. 4OBJETIVODe acordo com a NR5 do ministério do trabalho portaria SSST nº 08, de 23 defevereiro de 1999.5.1 A comissão Interna de Acidentes- CIPA – tem como objetivo a prevenção deacidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatívelpermanentemente o trabalho com a preservação de vida a promoção da saúde dotrabalhador.5.2 Devem constituir CIPA, por estabelecimento, e mantê-la em regularfuncionamento as empresas privadas, publicas, sociedades de economia mista,órgãos da administração direta e indireta, instituições beneficentes, associaçõesrecreativas, cooperativas, bem como outras instituições que admitam trabalhadorescomo empregados.5.3 As disposições contidas nesta NR aplicam-se, no que couber, aos trabalhadoresavulsos e às entidades que lhes tomem serviços, observados as disposiçõesestabelecidas em Normas Regulamentadoras de setores econômicos específicos.ELABORAÇÃO DO MAPA DE RISCOPara a elaboração do MR é necessário que se conheça o processo de trabalho nolocal analisado, as atividades exercidas no ambiente, identificar os riscos existentes no localde acordo com a classificação específica, identificar medidas preventivas, identificar asqueixas mais frequentes entre os trabalhadores, conhecer os levantamentos realizadosanteriormente no local, elaborar o MR, sobre a planta baixa da empresa através de círculoscom a especificação do agente, e intensidade do risco.Após aprovado pela CIPA, o Mapa de Risco, deve ser afixado no local analisadode forma clara, visível e de fácil acesso.
  6. 6. 5CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOSOs ricos estão presentes em todas as atividades humanas incluindo os locais detrabalho, comprometendo a saúde e a segurança dos trabalhadores e a produtividade daempresa.Os riscos podem afetar o trabalhador a curto, médio e longo prazo, causandodesde lesões imediatas provocadas por acidentes até as doenças chamadas de doençasprofissionais ou doenças do trabalho.Os agentes causadores de risco a saúde do trabalhador presentes no ambiente detrabalho são classificados em cinco tipos: agentes físicos, agentes químicos, agentesbiológicos, agentes ergonômicos e riscos de acidentes, que são capazes de causar danos àsaúde e à integridade do trabalhador em função de sua natureza, intensidade, suscetibilidade etempo de exposição.Agentes físicosSão considerados agentes físicos as diversas formas de energias gerados pormáquinas e condições físicas características do local de trabalho, podem causar riscos a saúdedo trabalhador.Os agentes físicos podem ser os ruídos, vibrações, calor, radiação ionizante,radiação não ionizante, umidade, frio e pressões anormais.Os ruídos causam cansaço, irritação, dores de cabeça, diminuição da audiçãocomo surdez temporária, surdez definitiva e trauma acústico,aumento da pressão arterial,problemas do aparelho digestório, taquicardia e perigo de infarto.As causas das vibrações são cansaço,irritação, dores dos membros, dores nacoluna, doença domovimento, artrite, problemas digestórios, lesões ósseas, lesões dos tecidosmoles, lesões circulatórias, entre outras.O calor causa taquicardia, aumento da pulsação, cansaço, irritação, choquestérmicos, fadiga, perturbações das funções digestórias, hipertensão arterial.Já a radiação ionizante causa alterações celulares, câncer, fadiga, problemasvisuais, acidentes de trabalho.
  7. 7. 6Na radiação não ionizante as causas são queimaduras, lesões nos olhos, na pele eem outros órgãos.A umidade causa doenças do aparelho respiratório, quedas, doenças de pele,doenças circulatórias.O frio, fenômenos vasculares periféricos, doenças do aparelho respiratório,queimaduras pelo frio.As pressões anormais causamembolia traumática pelo ar, embriaguez dasprofundidades, intoxicação por oxigênio e gás carbônico, doença descompressiva.Agentes químicosSão representados por substâncias químicas que se encontram nas formas líquida,sólida e gasosa, e quando absorvidos podem produzir reações tóxicas e danos à saúde. As viasde penetração pode ser por vias respiratórias, cutâneas e digestivas são considerados agentesquímicos poeiras de várias origens, fumos metálicos, nevoas e vapores.As poeiras minerais provêm de diversos minerais, como sílica, asbesto, carvãomineral, provocam silicose, asbestose, pneurnoconioses.As poeiras vegetais são produzidas pelo tratamento industrial, por exemplo, debagaço de cana de açúcar e de algodão, que causam bagaçose e bissinose, respectivamente.Poeiras alcalinas provêm em especial do calcário, causando doenças pulmonaresobstrutivas crônicas, como enfisema pulmonar.As poeiras incômodaspodem interagir com outros agentes agressivos presentes noambiente de trabalho, tornando os mais nocivos à saúde,Os fumos metálicos causam doenças pulmonares obstrutivas crônicas, febre defumos metálicos eintoxicação específica de acordo com o metal.As nevoas, gases e vapores, substancias compostas ou produtos químicos em geralpodem ser causar irritação das vias aéreas superiores, dores de cabeça, náuseas, sonolência,convulsões, coma e levar á morte. A maioria dos solventes orgânicos tem ação depressivasobre o sistema nervoso.
  8. 8. 7AgentesBiológicosO risco biológico é causado por microrganismos como as bactérias, fungos, víruse outros. São capazes de desencadear doenças devido à contaminação e pela própria naturezado trabalho.Os vírus, as bactérias e os protozoários causam doenças infectocontagiosas comoa hepatite, a cólera, amebíase, AIDS, entre outras. Já as doenças causadas por fungos e bacilossão infecções variadas como as dermatitesque são externas e internas como doençaspulmonares. Os parasitas causam infecções cutâneas ou sistêmicas podendo vir a seremcontagiosas.Risco ErgonômicoSão os agentes caracterizados pela falta de adaptação das condições de trabalho àscaracterísticas psicofisiológicas do trabalhador.Trabalho físico pesado, posturas incorretas e posições incomodas provocamcansaço, dores musculares fraqueza, além de doenças como hipertensão arterial, diabetes,ulcera, moléstias, nervosas, alterações no sono, acidentes, problemas na coluna entre outros.Risco de AcidentesOs riscos mecânicos ou de acidentes ocorrem em função das condições físicas (doambiente físico detrabalho) e tecnológicas impróprias, capazes de colocar em perigo aintegridade física do trabalhador.Os riscos podem ser: arranjo físico inadequado, máquinas sem proteção,iluminação deficiente, ligações elétricas deficientes, armazenamento inadequado, ferramentasdefeituosas, equipamento de proteção individual inadequado, acidentes e doençasprofissionais, acidentes por animais peçonhentos, Possibilidade de incêndio ouexplosão.Outras situações de risco que podem contribuir para a ocorrência de acidentes.
  9. 9. 8CONCLUSÃOConcluímos que o mapa de risco faz com que o trabalhador e estudantes tenham umamentalidade mais cautelosa diante dos perigos identificados graficamente. Já para oempregador, as informações mapeadas servirão para identificar os pontos vulneráveis na suaplanta, fazendo com que haja uma preocupação maior, de forma a evitar que ocorra umaparalisação ou mesmo queda na produção, prejudicando a performance da empresa, devido aocorrência de acidentes.O mapa de riscos pode se a primeira medida prevencionista não paternalista na área.Procura encontrar soluções prático para eliminar os riscos, ou, quando não for possível, pelomenos controlá-los, melhorando o ambiente e as condições de trabalho a que o trabalhadorfica exposto, e consequentemente haverá um aumento na produtividade. Com isso, ganham ostrabalhadores, os empresários e o país. Os primeiros, com proteção da vida, da saúde e dacapacidade profissional. Já os segundos, com a redução de paralisações no processoprodutivo, desperdício de matérias-primas e danificação dos equipamentos.
  10. 10. 9REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASMASTROENI, Marco Fabio, Biossegurança aplicada a laboratórios e serviços de saúde. SãoPaulo. Editora Atheneu, 2006BRASIL, CIPA UEM – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – Acesso em 02 demaio de 2013 <http://www.cipa.uem.br/Mapa_de_risco.php>.BRASIL, NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – Acesso em 03 de maio de2013<http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C812D311909DC0131678641482340/nr_05.pdf>.BRASIL, Fiocruz – Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde – Acesso em 02 demaio de 2013<http://www.cpqrr.fiocruz.br/posgraduacao/cienciasdasaude/apoio/Biosseguranca/Mapa%20de%20Risco%20120410.pdf?PHPSESSID=75c1033de7219cf9df2b666eed187310>
  11. 11. 10ANEXOANEXO– Mapa de Risco Laboratório de Microscopia e Microbiologia
  12. 12. 11

×