SlideShare uma empresa Scribd logo

3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013

aula de genética

3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013

1 de 32
Baixar para ler offline
Alelos Múltiplos e
Tipagem sanguinea
Alelos Múltiplos
•Diversas opções de genes para o mesmo par de alelos,
resultantes de leves mutações nos trechos de DNA
correspondentes a característica ( proteína) determinada
pelo gene .
•Cada indivíduo só tem um par de genes alelos dentre os
muitos possíveis .Um gene em cada cromossomo do par
de homólogos recebidos do pai e da mãe.
•Há relação de dominância entre os genes
• Exemplos clássicos de alelos múltiplos:
SIstema ABO de sangue humano ( IA , IB E i)
Pelagem em coelhos.
Sistema ABO
O sangue é um teciido complexo.
Imunoglobulinas
Genes co- dominantes e dominantes
Reação antígeno anticorpo- Hemaglutinação
Células
Eritrócitos ou
hemácias
Leucócitos ou
glóbulos
brancos
Plaquetas
Plasma=Soro:
Porção líquida do
sangue onde
estão dissolvidos
os anticorpos
aglutinogênio
MEMBRANA PLASMÁTICA DAS HEMÁCIAS TEM PROTEÍNAS
O Sistema Imune Adaptativo
• Sistema Imune Humoral - É formado pelos
Linfócitos B, originados na Medula Óssea, e
que atuam através da síntese e secreção dos
ANTICORPOS.
• 2. O Sistema Imune Celular - É formado pelos
Linfócitos T, originados do Timo, e que atuam
diretamente no microrganismo ou pela
secreção de CITOCINAS.
Anúncio

Recomendados

3S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos abril 2015
3S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos  abril 20153S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos  abril 2015
3S alelos múltiplos e Sistemas sanguineos abril 2015Ionara Urrutia Moura
 
Tipagem Sanguinea E Alelos MúLtiplos 22032010
Tipagem Sanguinea E Alelos MúLtiplos 22032010Tipagem Sanguinea E Alelos MúLtiplos 22032010
Tipagem Sanguinea E Alelos MúLtiplos 22032010guest900530
 
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013
PARA 3S _ AULA 1 DO SEGUNDO BIMESTRE alelos múltiplos e abo abril 2013Ionara Urrutia Moura
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiploshipaciabio
 
Sangue (genetica)
Sangue (genetica)Sangue (genetica)
Sangue (genetica)emanuel
 
Sistema abo
Sistema aboSistema abo
Sistema aboletyap
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Imuno-hematologia Básica
Imuno-hematologia BásicaImuno-hematologia Básica
Imuno-hematologia Básica
 
Sistema ABO e Co Dominância
Sistema ABO e Co DominânciaSistema ABO e Co Dominância
Sistema ABO e Co Dominância
 
Apresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguineaApresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguinea
 
Polialelia2
Polialelia2Polialelia2
Polialelia2
 
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
 
Aulão genética 3 em
Aulão genética 3 emAulão genética 3 em
Aulão genética 3 em
 
Tipagem sanguinea
Tipagem sanguineaTipagem sanguinea
Tipagem sanguinea
 
Sistema ABO
Sistema ABOSistema ABO
Sistema ABO
 
Grupos sanguineos
Grupos sanguineosGrupos sanguineos
Grupos sanguineos
 
Sistema ABO
Sistema ABOSistema ABO
Sistema ABO
 
Sistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rhSistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rh
 
Polialelismo e 2a lei de mendel
Polialelismo e 2a lei de mendelPolialelismo e 2a lei de mendel
Polialelismo e 2a lei de mendel
 
Grupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo aboGrupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo abo
 
Herança dos grupos sanguíneos
Herança dos grupos sanguíneosHerança dos grupos sanguíneos
Herança dos grupos sanguíneos
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genéticawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
 
Sistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rhSistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rh
 
Sistema abo --
Sistema abo --Sistema abo --
Sistema abo --
 
Genetica - Sistema ABO/RH
Genetica - Sistema ABO/RHGenetica - Sistema ABO/RH
Genetica - Sistema ABO/RH
 
Aula Grupos Sangíneos
Aula Grupos SangíneosAula Grupos Sangíneos
Aula Grupos Sangíneos
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 

Semelhante a 3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013

Semelhante a 3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013 (20)

Sangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboSangue e Sistema abo
Sangue e Sistema abo
 
Aula 5 3 s_alelos múltiplos e abo abril 2012
Aula 5 3 s_alelos múltiplos e abo abril 2012Aula 5 3 s_alelos múltiplos e abo abril 2012
Aula 5 3 s_alelos múltiplos e abo abril 2012
 
Sistema ABO e Fator Rh.pdf
Sistema ABO e Fator Rh.pdfSistema ABO e Fator Rh.pdf
Sistema ABO e Fator Rh.pdf
 
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes VisuaisAdaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
 
Grupos sanguíneos
Grupos sanguíneosGrupos sanguíneos
Grupos sanguíneos
 
Aula 14 sistema abo
Aula 14   sistema aboAula 14   sistema abo
Aula 14 sistema abo
 
Codominancia
CodominanciaCodominancia
Codominancia
 
Seminário_CETAM.pptx
Seminário_CETAM.pptxSeminário_CETAM.pptx
Seminário_CETAM.pptx
 
Genética 2 aula
Genética 2 aulaGenética 2 aula
Genética 2 aula
 
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSPOLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
 
AULA 1 - SISTEMA SANGUINEO E FATOR RH.pptx
AULA 1 - SISTEMA SANGUINEO E FATOR RH.pptxAULA 1 - SISTEMA SANGUINEO E FATOR RH.pptx
AULA 1 - SISTEMA SANGUINEO E FATOR RH.pptx
 
Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014
 
10 - genética II
10 - genética II10 - genética II
10 - genética II
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
 
Genética humana
Genética humanaGenética humana
Genética humana
 
Sistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator RhSistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator Rh
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Tipos sanguineos
Tipos sanguineosTipos sanguineos
Tipos sanguineos
 
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneo
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneoIncompatibilidade rH e grupo sanguíneo
Incompatibilidade rH e grupo sanguíneo
 

Mais de CotucaAmbiental

1o ano lista exercícios fotossínstese e quimiossíntese
1o ano   lista exercícios fotossínstese e quimiossíntese1o ano   lista exercícios fotossínstese e quimiossíntese
1o ano lista exercícios fotossínstese e quimiossínteseCotucaAmbiental
 
Exercícios de zoo e respostas comentadas
Exercícios de zoo e respostas comentadasExercícios de zoo e respostas comentadas
Exercícios de zoo e respostas comentadasCotucaAmbiental
 
Lista sobre citoplasma e organelas
Lista sobre citoplasma e organelasLista sobre citoplasma e organelas
Lista sobre citoplasma e organelasCotucaAmbiental
 
Aula 3 1 s_estutura interna
Aula 3 1 s_estutura internaAula 3 1 s_estutura interna
Aula 3 1 s_estutura internaCotucaAmbiental
 
Tabela de anatomia_fisio_animal
Tabela de anatomia_fisio_animalTabela de anatomia_fisio_animal
Tabela de anatomia_fisio_animalCotucaAmbiental
 
Fisiologia comparada geral
Fisiologia comparada geralFisiologia comparada geral
Fisiologia comparada geralCotucaAmbiental
 
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013CotucaAmbiental
 
Segunda lei e linkage maio 2015
Segunda lei e linkage maio 2015Segunda lei e linkage maio 2015
Segunda lei e linkage maio 2015CotucaAmbiental
 
Exercicios parasitologia viroses
Exercicios parasitologia virosesExercicios parasitologia viroses
Exercicios parasitologia virosesCotucaAmbiental
 
Futos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersãoFutos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersãoCotucaAmbiental
 
Atividade sITIO DUAS cACHOEIRAS 050507
Atividade sITIO DUAS cACHOEIRAS  050507Atividade sITIO DUAS cACHOEIRAS  050507
Atividade sITIO DUAS cACHOEIRAS 050507CotucaAmbiental
 
Atividade de campo bosque de paulínia
Atividade de campo  bosque de paulíniaAtividade de campo  bosque de paulínia
Atividade de campo bosque de paulíniaCotucaAmbiental
 
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com respostaCotucaAmbiental
 
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta CotucaAmbiental
 
Exercícios organelas-1s-17
Exercícios  organelas-1s-17Exercícios  organelas-1s-17
Exercícios organelas-1s-17CotucaAmbiental
 

Mais de CotucaAmbiental (20)

Atividade fauna
Atividade faunaAtividade fauna
Atividade fauna
 
1o ano lista exercícios fotossínstese e quimiossíntese
1o ano   lista exercícios fotossínstese e quimiossíntese1o ano   lista exercícios fotossínstese e quimiossíntese
1o ano lista exercícios fotossínstese e quimiossíntese
 
Exercícios de zoo e respostas comentadas
Exercícios de zoo e respostas comentadasExercícios de zoo e respostas comentadas
Exercícios de zoo e respostas comentadas
 
Lista sobre citoplasma e organelas
Lista sobre citoplasma e organelasLista sobre citoplasma e organelas
Lista sobre citoplasma e organelas
 
Aula 3 1 s_estutura interna
Aula 3 1 s_estutura internaAula 3 1 s_estutura interna
Aula 3 1 s_estutura interna
 
Atividade organelas
Atividade organelasAtividade organelas
Atividade organelas
 
Quadrao de zoo
Quadrao  de zooQuadrao  de zoo
Quadrao de zoo
 
Tabela de anatomia_fisio_animal
Tabela de anatomia_fisio_animalTabela de anatomia_fisio_animal
Tabela de anatomia_fisio_animal
 
Fisiologia comparada geral
Fisiologia comparada geralFisiologia comparada geral
Fisiologia comparada geral
 
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
Aula 2 3 s_ gametogênese e ciclo ovulatório fev 2013
 
Segunda lei e linkage maio 2015
Segunda lei e linkage maio 2015Segunda lei e linkage maio 2015
Segunda lei e linkage maio 2015
 
Exercicios parasitologia viroses
Exercicios parasitologia virosesExercicios parasitologia viroses
Exercicios parasitologia viroses
 
Futos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersãoFutos e sindromes de dispersão
Futos e sindromes de dispersão
 
Atividade sITIO DUAS cACHOEIRAS 050507
Atividade sITIO DUAS cACHOEIRAS  050507Atividade sITIO DUAS cACHOEIRAS  050507
Atividade sITIO DUAS cACHOEIRAS 050507
 
Atividade de campo bosque de paulínia
Atividade de campo  bosque de paulíniaAtividade de campo  bosque de paulínia
Atividade de campo bosque de paulínia
 
Trabalho de eda
Trabalho de edaTrabalho de eda
Trabalho de eda
 
Lista de genética
Lista de genéticaLista de genética
Lista de genética
 
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
 
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta Lista2exerciciosgeneticacomresposta
Lista2exerciciosgeneticacomresposta
 
Exercícios organelas-1s-17
Exercícios  organelas-1s-17Exercícios  organelas-1s-17
Exercícios organelas-1s-17
 

Último

COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfkeiciany
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...excellenceeducaciona
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024assedlsam
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfalexandrerodriguespk
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 

3 s alelos múltiplos e tipagem sanguinea_15_abril_2013

  • 2. Alelos Múltiplos •Diversas opções de genes para o mesmo par de alelos, resultantes de leves mutações nos trechos de DNA correspondentes a característica ( proteína) determinada pelo gene . •Cada indivíduo só tem um par de genes alelos dentre os muitos possíveis .Um gene em cada cromossomo do par de homólogos recebidos do pai e da mãe. •Há relação de dominância entre os genes • Exemplos clássicos de alelos múltiplos: SIstema ABO de sangue humano ( IA , IB E i) Pelagem em coelhos.
  • 3. Sistema ABO O sangue é um teciido complexo. Imunoglobulinas Genes co- dominantes e dominantes Reação antígeno anticorpo- Hemaglutinação
  • 5. aglutinogênio MEMBRANA PLASMÁTICA DAS HEMÁCIAS TEM PROTEÍNAS
  • 6. O Sistema Imune Adaptativo • Sistema Imune Humoral - É formado pelos Linfócitos B, originados na Medula Óssea, e que atuam através da síntese e secreção dos ANTICORPOS. • 2. O Sistema Imune Celular - É formado pelos Linfócitos T, originados do Timo, e que atuam diretamente no microrganismo ou pela secreção de CITOCINAS.
  • 7. Alelos possíveis para tipagem sanguínea As CÉLULAS MÃE das hemácias tem Genes I ou i ou ambos. Gene I induz a produção de proteínas de membrana, chamadas imunoglobulinas . Gene i recessivo, não induz a produção de imunoglobulinas de membrana. As hemácias produzidas por pessoas com genótipo ii não têm as imunoglobulinas de membrana, e produzem anticorpos contra elas As cadeias H e L possuem um segmento constante, C- terminal (C) e um variável, N-terminal (V), o qual reconhece o antígeno e se liga ao anticorpo. A região C das cadeias H determina a classe de Ig.
  • 8. Um par de genes determina a produção Proteínas do sistema ABO, presentes na membrana das hemácias . •Entre os GENES I e i HÁ relação de dominância completa •O gene I tem duas variantes resultantes de •pequenas mutações. :IA e IB e entre estes, há CO- dominância
  • 9. FENÓTIPO ANTICORPOS Aglutininas Proteínas livres no soro Aglutinam hemácias Proteínas presas na membrana SÃO os Aglutinogênios. o. As Hemácias Tem proteínas de membrana produzidas por informação genética da célula mãe, na medula óssea GENÓTIPO IaIa OU Ia i IBIB OU IB i ii IAIB Não tem Anti-A nem anti-B Tem ambos Sem antígenos Tem ambos antígenos
  • 11. 1. Aglutinogênios de dois tipos são produzidos por informação genética. 2. Fazem parte da membrana das hemácias . 3. São reconhecidos pelas aglutininas, proteínas livres no soro que... 4. são anticorpos específicos, se acoplam aos aglutinogênios . Provocando ... 5. HEMAGLUTINAÇÃO em caso de transfusão de sangue de tipo diferente.
  • 12. Anti - B Anti - A 2? 3 7 6 4 1? 5 8
  • 13. Não tem aglutininas Aglutinina anti A Tem aglutininas anti- A e anti-B
  • 15. Anticorpos AglutiNINAS Antígenos AglutinoGÊNIOS Não tem anticorpos Anti A nem Anti B IA IA IA i fenótipo genótipo IB IB IB i IA I B ii Tem Anti B Tem anti A tem anticorpos Anti e Anti B Não tem aglutinogênios ?
  • 16. Anticorpos AglutiNINAS Antígenos AglutinoGÊNIOS Não tem anticorpos Anti A nem Anti B IA IA IA i fenótipo genótipo IB IB IB i IA I B ii Tem Anti B Tem anti A tem anticorpos Anti e Anti B Não tem aglutinogênios
  • 17. Soro = parte líquida do sangue/ Contém os anticorpos específicos livres chamados AGLUTININAS Anticorpos são proteínas que o Sitema imunológico produz eritrócito com antígenos aglutininas aglutinogênios LEMBRE_SE Hemácias contém aglutinoGÊNIOS
  • 18. SORO COM ANTICORPOS ( AGLUTININAS) ANTI- A E ANTI -B SANGUE INTEGRAL, COM HEMÁCIAS CONTENDO ( OU NÃO ) ANTÍGENOS A OU B( AGLUTINOGÊNIOS) Formação de grumos indica reação de aglutinação complexo antígeno/anticorpo: Presença do antígeno nas hemácias.
  • 19. Sanguem que tem aglutinogênios tipo B e não tem aglutinogênios tipo A. Fenótipo B. Genótipo IB i ou IB IB Sangue que tem ambos os aglutinoGênios A e B Fenótipo AB Genótipo IA IB Sangue com aglutinogênio A , sem aglutinogênio B Fenótipo A Genótipo IA IA ou IAi Sangue sem aglutinogênios Fenótipo O Genótipo ii
  • 20. Transfusões e sistema ABO Doador universal Não tem antígenos Receptor universal Não tem anticorpos Tipos de transfusão possíveis
  • 21. A descoberta do fator Rh Macaca rhesus Sangue humano contendo o fator Rh ( Rh + ) aglutina Ao receber anticorpos anti -D Soro extraído do sangue do coelho sensibilizado após receber sangue do macaco Inoculação de sangue de macaco no coelho Coelho produz anticorpos
  • 22. Antígeno preso á membrana das hemácias = Fator Rhesus Sistema RH: Proteínas de membrana das hemácias ( Fator Rhesus) Proteína Presente: Fenótipo : Rh+(positivo) Genótipo : RR ou Rr Proteína ausente : Fenótipo: Rh- (negativo) Genótipo rr hemácia Anticorpo antígeno
  • 23. Mãe Rh - , filho Rh + : Alerta! Mãe Rh + : No stress!!
  • 24. No sistema descrito por Fisher e Race os pares alélicos produzem 5 antígenos (“D”,”C”,”c”,”E” e “e”). Estes antígenos são lipoproteínas dispersamente distribuídas na superfície das hemácias. dizemos que um indivíduo é Rh Positivo, se o antígeno D está presente na superfície de suas hemácias. Isto porque o antígeno D foi o primeiro a ser descoberto nesse sistema, e inicialmente foi considerado como único. Em algumas situações podemos ter uma expressão fraca do antígeno D. Isso pode ocorrer por: •Variações quantitativas que são transmitidas geneticamente. •Efeito de posição, sendo o mais conhecido o enfraquecimento do antígeno D quando o gene C está na posição trans em relação ao D. •Expressão gênica parcial por ausência de um dos múltiplos componentes do antígeno D. Estes casos são chamados na prática de Rh “fraco
  • 25. O SISTEMA RH E A ERITROBLASTOSE FETAL Mãe RH negativo, não tem o fator Rh em suas hemácias Primeira gestação de criança Rh positivo Sensibilização materna
  • 26. Na hora do parto,hemácias do filho invadem o corpo materno e sensibilizam a mãe,que não tem as proteínas RH,e passa a produzir anticorpos anti- rh (ou anti –D) A mãe,ao receber antígenos Começa a fabricar anticorpos SENSIBILIZAÇÃO
  • 27. Segunda gestação de criança de Rh positivo: Destruiçào das hemácias do feto por anticorpos maternos produzidos após a sensibilização Anticorpos anti Rh Doença Hemolítica do Recem Nascido
  • 28. Hemácias maternas sem as proteínas do fator Rh Anticorpos produzidos após sensibilização As hemácias do feto tem o antígeno que os anticorpos maternos combatem Eritroblastose = presença de hemácias imaturas no sangue circulante: Prejuízo da função carreadora de oxigênio Sobrecarga do fígado do bebê Icterícia. DHRN
  • 29. Quando ocorre DHRN • Pai Rh positivo e Mãe Rh negativo • A mãe apresenta anticorpos anti – Rh: • A sensibilização materna pode ocorrer por ter recebido uma transfusão • ou por já ter gerado um filho Rh +. • A sensibilização pode ser evitada com um “soro anti –D” na hora do parto .
  • 30. Padrão de pêlos em coelhos: Aguti ou selvagem, chinchila, himalaio e albino
  • 31. C= Aguti ou selvagem – dominante sobre todos os outros tipos de genes Há três tipos de genes recessivos “c”: c(ch)= chinchila c (h) =himalaio c= albino Cada coelho pode ter apenas dois dentre os quatro tipos de genes para cor do pêlo: c
  • 32. C > cch > ch > c 1. C ( _ ) aguti (selvagem) 2. cch ( _ ) chinchila 3. ch (_ ) ) himalaia 4. cc => albina CC,C cch,Cch, Cc aguti Cch cch,cch ch, cch c chinchila Ch ch, ch c himalaio cc albino