Honey, I rearranged the collection…
POSTERS FROM THE LEMPERT COLLECTION
(CHAPTER 1/PART 1)
Patrícia Raquel Carreira Quitér...
ção…
CARTAZES DA COLEÇÃO LEMPERT (Capítulo 1/ 1ª.Parte)
Fomos assistir à exposição referida com visita guiada
pela profess...
Foram convidados 2 guias para a exposição, a primeira
de uma série de exposições dedicadas ao cartaz de
exposição e de art...
É a colecção Lempert e vai ocupar a programação da
Culturgest até 2018.
A que está exposta é a primeira de cinco expoisçõe...
Lewitt, Marchel Broodthaers, Lawrence Weiner, ou
Gunter Brus.
No segundo capítulo, igualmente divido por duas
exposições c...
Estes artistas põem em jogo nos seus cartazes as
preocupações, as ideias e as linguagens que
caracterizam o seu trabalho n...
Começamos pela segunda galeria com 600 cartazes
quase excepcionais com Lawrence Weiner, que é
alemão, uma das figuras cent...
Foi nos finais do século XIX, que surgiram os cartazes
e jornais, que seriam fontes de inspiração para artistas.
Os cartazes branco e negro representam a harmonia nos
diferentes sentidos com a utopia da democratização das
obras da arte...
Lawrence traduz a obra consoante a localização do
í .
Depois, fomos ver a sala de James Lee Byars, um artista
que liga à f...
A que está no Google Books é um livro de duas páginas
, que era uma torre com 333
metros, que queria construir no muro de ...
Vimos as cartas com três terços. Uma estava em inglês,
outra em alemão, que não mostra a pontuação e por
fim, em inglês no...
Fez muitas exposições no Museu Fictício de Arte
Moderna em Maio de 1978, e considerou ser uma
invasão, para permitir a ren...
O cartaz foi elaborado por Hanne Darboven,
que é uma artista que trabalha bastante com números
do calendário gregoriano.
No cartaz seguinte, após ter criado a ponte e ter criado
a armadilha, tem a caligrafia bonita, mas difícil de ler,
tem num...
Na sala a seguir, encontrámos Richard Tuttle que é um
artista americano conhecido pelas suas pequenas e
subtis obras íntim...
Segundo ele, é ítica à
professora Sofia sugeriu um blogue de 2008 com título
de Shaze Rocks .
Usa o chapéu americano, mais...
Passando à sala seguinte de Sol Lewitt, destacava-se o
conteúdo dos seus cartazes que tinha programas
descritivos de event...
No cartaz a seguir, o conteúdo era constituído por
desenhos nas paredes do Museu De Israel e tinha três
alfabetos, Hebraic...
Na sala de Dan Flavin, autor muito paradigmático, o
seu estilo suíço permitiu que ele fosse bastante neutro
na linguagem t...
Dan Flavin começa a trabalhar com as luzes
fluorescentes na sua imagem de marca.
Entendeu-se que usar materiais do quotidiano
interpelaria os não-iniciados numa linguagem ao seu
alcance e numa via de doi...
Na sala de Ellsworth Kelly, observava-se de uma forma
geral, uma riqueza cromática e gráfica e os cartazes
sobre Museu de ...
Seguidamente, fomos à sala de Jean Dubuffet e vimos
um cartaz que era um , onde mostra que as
pessoas são mais belas do qu...
Passando ao artista seguinte, Claes Oldenburg, escultor
norte-americano de origem sueca, também
representante da Pop Art A...
ígio de
pintura, permanecem apenas as coisas-imagem,
ampliadas e exageradas nas cores berrantes,
intrometidas demais num e...
claro, na sociedade de consumo primeiro vem a imagem
publicitá (Wikipedia)
Depois fomos ver o artista Ben Vautier, um arti...
Ben aparecerá em busca de dinheiro e glória e em arte
no total, todas as direções são boas, vou dormir .
õe
por todo o lad...
Noutra sala, a de Allan Kaprow, pintor estadunidense,
assemblagista e um dos pioneiros no estabelecimento
dos conceitos de...
éculo XX. Se
quase 20 duraram durante anos. E Kaprow alterou estas
práticas para o que ele determinou de Atividades,
trech...
Fluxus, performance e arte de instalações fazem parte
da sua arte em total de Kaprow.
Na sala de Robert Rauschenberg, most...
Os conceitos ligados à serialização e à massificação, o
fascínio pelo universo da publicidade, do marketing,
das finanças,...
mimetiza os traços de edição do diálogo entre Dieter
Roth e Richard Hamilton, a conversa entre eles era
sobre as séries de...
Finalmente, resta a sala de Dieter Roth, artista visual,
que mostra o que é apresentar em suporte gráfico com
a paródia ou...
não são apenas uma forma de comunicar ou formar
públicos , sublinha Wandschneider.
Concluindo, normalmente os artistas põem nos
cartazes as ideias, preocupações e linguagens da sua
obra, que num dado momen...
seu trabalho com a função de divulgação e com os
critérios de eficácia comunicacional.
Os artistas plásticos impedem que o...
secundarizadas, escondidas ou encriptadas, com os
artistas a dificultarem ou complexificarem leituras.
es simulam a função...
exposição, sinto que fomos conduzidos numa viagem
apaixonante da parte mais interessante da história da
arte nos últimos 5...
Honey, i rearranged the colletion
Honey, i rearranged the colletion
Honey, i rearranged the colletion
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Honey, i rearranged the colletion

259 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
259
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Honey, i rearranged the colletion

  1. 1. Honey, I rearranged the collection… POSTERS FROM THE LEMPERT COLLECTION (CHAPTER 1/PART 1) Patrícia Raquel Carreira Quitéria Nº8068 Turma B 22 Novembro de 2014 ás 17h
  2. 2. ção… CARTAZES DA COLEÇÃO LEMPERT (Capítulo 1/ 1ª.Parte) Fomos assistir à exposição referida com visita guiada pela professora Sofia Gonçalves no dia 22 de Novembro pelas 17h. A professora apresentou-se, disse que era professora e editora e que a exposição fora um desafio, que lhe tinha sido proposto e apresentou a curadoria, Miguel Wandschneider, que também estava presente, para a ajudar na visita guiada.
  3. 3. Foram convidados 2 guias para a exposição, a primeira de uma série de exposições dedicadas ao cartaz de exposição e de artista, ou seja, parte de uma extraordinária coleção de cartazes de artista e de exposição, iniciada na década de 1960 e composta atualmente por cerca de 15 mil espécimes. A Culturgest vai mostrar cartazes de exposições de artistas feitos pelos próprios, é uma imensa coleção de cartazes, alguns das exposições de vários artistas que eles próprios transformaram em obras de arte.
  4. 4. É a colecção Lempert e vai ocupar a programação da Culturgest até 2018. A que está exposta é a primeira de cinco expoisções, orientadas por Miguel Wandschneider, como foi já referido. O projeto divide-se em três capítulos, e como o título sugere,- foi um pedido de empréstimo a um conjunto de obras do artista norte-americano, Allen Ruppersberg. Esses objetos vão a ser selecionados e organizados de acordo com as diferentes perspetivas. No primeiro capítulo, que vai ser completado com uma segunda exposição logo a seguir a esta, são destacados os cartazes de vários artistas que a esse meio dedicaram especial atenção, entre os quais Jean Dubuffet, Claes Oldenburg, Robert Rauschenberg, Andy Warhol, Richard Hamilton, Dieter Roth, Oswald Oberhuber, Sol
  5. 5. Lewitt, Marchel Broodthaers, Lawrence Weiner, ou Gunter Brus. No segundo capítulo, igualmente divido por duas exposições consecutivas, os cartazes serão selecionados e organizados por tópico éries e variaçõ á í Depois, os cartazes escolhidos vão ser alinhados por ordem cronológica. Citando a curadoria, Miguel Wandschneider Por que razão tantos artistas, sobretudo a partir da década de 1960, produziram tantos cartazes, na sua maioria para anunciar as suas próprias exposições, não deixando esse meio de comunicação por mãos alheias (de designers, galerias, instituições)? Por que razão tantos artistas continuaram a produzir cartazes na época da comunicação eletrónica, em que o cartaz foi destronado e tornado obsoleto por meios mais rápidos, mais eficazes e mais económicos de divulgação das exposições?
  6. 6. Estes artistas põem em jogo nos seus cartazes as preocupações, as ideias e as linguagens que caracterizam o seu trabalho num dado momento. Mas não se trata de um simples jogo de reflexos; para muitos deles, os cartazes não estão apenas sob a jurisdição da sua prática artística, mas são parte integrante do seu trabalho, são objetos que valem em si mesmos e por si mesmos, para além (muitas vezes aquém) da sua função de divulgação, frequentemente à revelia de critérios de eficácia comunicacional. Nessa medida, quando vistos no seu conjunto, os cartazes proporcionam uma viagem tão surpreendente quanto fascinante pela obra (e pela carreira) destes artistas. À medida que vamos percorrendo a exposição, somos conduzidos numa viagem igualmente apaixonante pelos meandros da história da arte nos últimos cinquenta anos. Esta exposição é o primeiro capítulo de uma longa viagem por caminhos inesperados da história da arte. A visita começou com cartazes de década de 60 que têm narrativa histórica, e a professora Sofia que faz parte de uma editora, pretende criar uma perspetiva editorial e criar um plano editorial de curador Miguel.
  7. 7. Começamos pela segunda galeria com 600 cartazes quase excepcionais com Lawrence Weiner, que é alemão, uma das figuras centrais da arte conceptual na década de 1960. O seu trabalho concentra-se muito na forma de textos tipográficos e utiliza o retângulo de Apelo .
  8. 8. Foi nos finais do século XIX, que surgiram os cartazes e jornais, que seriam fontes de inspiração para artistas.
  9. 9. Os cartazes branco e negro representam a harmonia nos diferentes sentidos com a utopia da democratização das obras da arte. São 50 obras descritas e contidas no primeiro cartaz. Lawrence Weiner dizia o cartaz é como uma televisão, podemos parar para ver o conteúdo e a forma e é autoevidente. Um cartaz não é apenas publicidade, mas também um espaço de intervenção artí e, o mais ão variações do mesmo conteú
  10. 10. Lawrence traduz a obra consoante a localização do í . Depois, fomos ver a sala de James Lee Byars, um artista que liga à filosofia, o tempo e a efemeridade, pois estudou arte e filosofia na Universidade Estadual de Wayne. Sendo obcecado pela ideia de perfeição, Byras produziu um notável corpo de trabalho, que se esforçou para dar forma à sua busca da beleza e da verdade.
  11. 11. A que está no Google Books é um livro de duas páginas , que era uma torre com 333 metros, que queria construir no muro de Berlim e, mais tarde, acabou por ficar com 25 metros.
  12. 12. Vimos as cartas com três terços. Uma estava em inglês, outra em alemão, que não mostra a pontuação e por fim, em inglês novamente. O primeiro terço consiste numa das frases que é Em pé no ar com Sol Dourado . Seguidamente, fomos à galeria de Marcel Broodthaers, que é um artista belga que começou como poeta e é, também, cineasta. Foi um artista com uma abordagem altamente alfabetizado e muitas vezes espirituoso na criação de obras de arte.
  13. 13. Fez muitas exposições no Museu Fictício de Arte Moderna em Maio de 1978, e considerou ser uma invasão, para permitir a renovação das Artes e o conceito do museu é uma invenção e mistura do nada. No cartaz de Broodthaers, uma forma e uma biografia, afirmação politicamente incorreta, é aquela que tem -se na memó uma preparação de um código clandestino.
  14. 14. O cartaz foi elaborado por Hanne Darboven, que é uma artista que trabalha bastante com números do calendário gregoriano.
  15. 15. No cartaz seguinte, após ter criado a ponte e ter criado a armadilha, tem a caligrafia bonita, mas difícil de ler, tem numerologia (datas de nascimento) e contém 2 exercícios em cada coluna com os números 41 e 42. demonstrava 28 tópicos para a identificação do milionário ou ser milionário.
  16. 16. Na sala a seguir, encontrámos Richard Tuttle que é um artista americano conhecido pelas suas pequenas e subtis obras íntimas. Utiliza arte com uso de escala e de linha e os seus trabalhos alcançaram uma gama de meios de comunicações, a partir de escultura, pintura, desenho e gravura. Portanto, este artista utiliza os elementos de informação e faz mais ilustrações ou desenhos do que texto.
  17. 17. Segundo ele, é ítica à professora Sofia sugeriu um blogue de 2008 com título de Shaze Rocks . Usa o chapéu americano, mais simples da exposição por causa do chapéu do tio Sam. á do nosso lado e ninguém vai destruir a América que foi postado no tal blogue às 13:11.
  18. 18. Passando à sala seguinte de Sol Lewitt, destacava-se o conteúdo dos seus cartazes que tinha programas descritivos de eventos, exposições e galerias em que o cartaz estava dividido em duas partes: a parte superior, que era o título e a parte inferior que era o mapa dessa galeria.
  19. 19. No cartaz a seguir, o conteúdo era constituído por desenhos nas paredes do Museu De Israel e tinha três alfabetos, Hebraico, judeu e latino.
  20. 20. Na sala de Dan Flavin, autor muito paradigmático, o seu estilo suíço permitiu que ele fosse bastante neutro na linguagem transmitida nos seus cartazes, destacando assim dois: o primeiro representava o modelo de retrato, que remetia para quatro monumentos de Tatlin; o segundo, já numa versão mais jornalística, apresenta o retrato de um líder americano John Mackgorden, em que o autor apoiava a sua possível liderança. Estes cartazes representavam a personalidade existente na época.
  21. 21. Dan Flavin começa a trabalhar com as luzes fluorescentes na sua imagem de marca.
  22. 22. Entendeu-se que usar materiais do quotidiano interpelaria os não-iniciados numa linguagem ao seu alcance e numa via de dois sentidos: no sentido inverso, esses mesmos materiais permitiriam introduzir nas galerias e museus as temáticas poéticas do quotidiano, permitindo aos artistas, simultaneamente, cortar com a lógica do domínio virtuoso e tecnicista das disciplinas tradicionais.
  23. 23. Na sala de Ellsworth Kelly, observava-se de uma forma geral, uma riqueza cromática e gráfica e os cartazes sobre Museu de Arte Moderna, são lidos em dois sentidos de cima para baixo e de baixo para cima e usa-se muito a Bandeiras Nacional por ser acessível e fácil. O cartaz de Vincent Van Gogh, que foi um pintor pós- impressionista neerlandês considerado um dos maiores de todos os tempos, chama- , e também há um cartaz de homenagem a Lawrence. Após o desastre Ce , critica a construção de projetos no Ground Zero.
  24. 24. Seguidamente, fomos à sala de Jean Dubuffet e vimos um cartaz que era um , onde mostra que as pessoas são mais belas do que aquilo que elas vêem, um outro com o título Você escolhe a flor da Barba e ainda ção entre as chamadas artes moderna e contemporânea , disse Wandschneider.
  25. 25. Passando ao artista seguinte, Claes Oldenburg, escultor norte-americano de origem sueca, também representante da Pop Art American, faz parte da política do de 1984, a chamada dos artistas com a preocupação pela paz na América Central e na América do Norte.
  26. 26. ígio de pintura, permanecem apenas as coisas-imagem, ampliadas e exageradas nas cores berrantes, intrometidas demais num espaço que parece roubar a nossa existência. Tais presenças são exageradas pelo vazio, pela nulidade da consciência. Tratando-se de uma "sociedade de consumo" mas corrente, a comida: está implícito que a "cultura de massa" também é uma espécie de comida. Para Oldenburg é a comida americana, industrializada e padronizada: os hamburgers, os hot-dogs, os ice-creams que são diariamente introduzidos em quantidades industriais, como combustível nos fornos, nos tubos digestivos de milhões de americanos. Os modelos não são sequer essas comidas, mas a sua publicidade a cores:
  27. 27. claro, na sociedade de consumo primeiro vem a imagem publicitá (Wikipedia) Depois fomos ver o artista Ben Vautier, um artista francês visual do período de Fluxus (movimento artístico), que mostra a escultura viva. Era criador da arte total apresentando um filme extraordinário Agui- Agui que vai estar à venda.
  28. 28. Ben aparecerá em busca de dinheiro e glória e em arte no total, todas as direções são boas, vou dormir . õe por todo o lado Ben Vautier produz uma afirmação (de omnipresença) – de resto, produz afirmações em todos os seus cartazes, normalmente questionando o estatuto do artista, o estatuto da obra arte ou ambos.
  29. 29. Noutra sala, a de Allan Kaprow, pintor estadunidense, assemblagista e um dos pioneiros no estabelecimento dos conceitos de performance quer divulgar os Happennings de Design Gráfico Contemporâneo com o cartaz ítulos de Coca , Viagem , Adeus , oca , copycat ou seja imita imitações.
  30. 30. éculo XX. Se quase 20 duraram durante anos. E Kaprow alterou estas práticas para o que ele determinou de Atividades, trechos de pequena escala para um ou mais performers com o objetivo de avaliar comportamentos e hábitos do dia-a-dia, de uma forma quase indistinta da vida comum.
  31. 31. Fluxus, performance e arte de instalações fazem parte da sua arte em total de Kaprow. Na sala de Robert Rauschenberg, mostra o cartaz com o espaço de leite com imagens de mass media , recortes e colagens incluindo cartazes sociopolíticos. Andy Warhol foi um empresário, pintor e cineasta norte-americano, bem como a maior figura do movimento da Pop Art, sendo mundialmente muito conhecido fazendo parte da História da Arte.
  32. 32. Os conceitos ligados à serialização e à massificação, o fascínio pelo universo da publicidade, do marketing, das finanças, do poder, da fama e do estrelato são intrínsecos à obra de Warhol. Por fim visitámos a sala de Richard Hamilton, pintor e artista da colagem britânico, que mostra os cartazes com as formatações com múltiplas leituras possíveis e
  33. 33. mimetiza os traços de edição do diálogo entre Dieter Roth e Richard Hamilton, a conversa entre eles era sobre as séries de edições do cartaz Fundació from miró em Interfaces.
  34. 34. Finalmente, resta a sala de Dieter Roth, artista visual, que mostra o que é apresentar em suporte gráfico com a paródia ou que é apresentar um artista aplicando um sinal tipo gráfico.
  35. 35. não são apenas uma forma de comunicar ou formar públicos , sublinha Wandschneider.
  36. 36. Concluindo, normalmente os artistas põem nos cartazes as ideias, preocupações e linguagens da sua obra, que num dado momento é evidente ao longo de toda a amostra, com elementos constantes nos cartazes a serem facilmente identificáveis, com uma assinatura mas, não se trata de um simples jogo de reflexos, pois para muitos deles, os cartazes não estão sob a jurisdição da sua prática artística, mas fazem parte integrante do
  37. 37. seu trabalho com a função de divulgação e com os critérios de eficácia comunicacional. Os artistas plásticos impedem que os seus cartazes fiquem sob a alçada de critérios de ordem comunicacional formatados, pré-definidos ou definidos por outros – por isso, se encontram muitos cartazes que subvertem quase todos os critérios de racionalidade, segundo o Jornal. Quem, o quê, onde, quando – nos cartazes de artista, são as informações básicas a que o marketing e a publicidade dariam primazia e são muitas vezes
  38. 38. secundarizadas, escondidas ou encriptadas, com os artistas a dificultarem ou complexificarem leituras. es simulam a função prática de divulgar uma exposição, já não cumprem essa função. Surgem dentro de, e prolongam uma genealogia. O cartaz deixou de ter uma racionalidade económica e de ser eficaz do ponto de vista comunicacional. No entanto, muitos artistas continuam a fazê-los. Até porque a separação entre a produção da obra e a divulgação dessa obra não faz muito sentido. Os cartazes proporcionam uma viagem tão surpreendente quão fascinante é a obra e a carreira destes artistas, portanto à medida que íamos vendo esta
  39. 39. exposição, sinto que fomos conduzidos numa viagem apaixonante da parte mais interessante da história da arte nos últimos 50 anos.

×