 Lendas pesquisadas pelos formandos do curso EFA B2+B3 Produção de Bovinos,
    Ovinos e Caprinos, promovido pela AATBAT ...
E assim ficou benzida a ponte! Nesse mesmo instante o diabo desapareceu como
aparecera deixando no ar fortíssimo cheiro a ...
Abed sem mãe. Perante estas lembranças, era cada vez maior a ira do chefe mouro que,
intransigente, correu com Almira. Leo...
apareceu, fora do povo, oferecendo-se para lhes indicar o melhor caminho para Braga.
Quando chegaram ao descampado enorme,...
A LENDA DO MOSTEIRO DE PITÕES

Existe uma lenda de tradição oral sobre a origem do Mosteiro de Santa Maria das Júnias.
Seg...
Uns tempos depois chegaram os familiares do preso e pagaram as suas dívidas. De
seguida foi entregue o cavalo ao prisionei...
No meio da confusão surge a jovem moura, ricamente vestida, mas de olhar triste,
acompanhada por um jovem esbelto, com um ...
Lemos a redacção da regra conciliar ficou assim: "Se alguém disser que os clérigos
constituídos em ordens sagradas ou os r...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lendas Montalegre

1.839 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.839
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lendas Montalegre

  1. 1.  Lendas pesquisadas pelos formandos do curso EFA B2+B3 Produção de Bovinos, Ovinos e Caprinos, promovido pela AATBAT de Montalegre que iniciou a 20 de Outubro de 2008, ao longo do 4º Tema de Vida do curso “As Sete Maravilhas de Barroso”, e as quais foram recontadas oralmente pelos mesmos aos visitantes da exposição realizada na Actividade Integradora. LENDA DA PONTE DA MISARELA Um fidalgo duriense (há quem diga um criminoso) fugia desalmadamente aos beleguins do rei que injustamente o perseguiam e acusavam de traições. Quando chegou à Misarela o Regavão ia de monte a monte, medonhamente tempestuoso pelas chuvadas invernais. Vendo-se acossado e sem poder passar a corrente pediu a intervenção divina e de todos os santos que conhecia. Em vão. Não conseguia prosseguir a fuga. Lembrou-se então de invocar o poder do diabo em gritos desesperados: -“Satanás! Satanás! Passa-me que te dou a alma!” E o diabo, aparecendo num estarrinco do trovão, respondeu: -“Passarás, passarás, sem olhar para trás!” No mesmo instante estendeu-se à sua frente uma ponte que o fidalgo (ou criminoso) atravessou. Mal pôs o pé na encosta fronteira, atrás de si, a ponte ruía com enormíssimo estrondo no abismo vertiginoso. E assim fugiu à ira do monarca o tal fidalgo (ou criminoso) que decidira exilar-se em Barroso. Por aí viveu muitos anos ainda mas sempre roído de remorsos e angústias por ter dado a alma ao diabo. Quando chegou a hora da morte mandou chamou o padre para se confessar. E contou-lhe o seu pecado. O padre absolveu-o, depois de exigir que confessasse toda a verdade e pensou que talvez fosse possível refazer a ponte sem grandes sacrifícios… Tomou a caldeirinha da água benta e o hissope (há quem diga que foi uma laranja onde meteu água benta depois de lhe tirar do interior os favos por um orifício) e dirigiu-se uma noite ao local indicado pelo moribundo, invocando o diabo: -“Satanás! Satanás! Passa-me que te dou a alma!” E repetiu-se a cena: o diabo (ao ribombar o trovão) apareceu e respondeu-lhe: -“Passarás, passarás, sem olhar para trás!’’ Num ápice reaparece entre dois penedos enormes a ponte. O padre começou a atravessar aspergindo água benta sobre a construção! (Também se diz que largou a laranja a rolar pela ponte! Eduardo Noronha, na sua obra “A marquesa de Chaves” diz que o padre aspergiu água benta da caldeirinha com um ramo de alecrim).
  2. 2. E assim ficou benzida a ponte! Nesse mesmo instante o diabo desapareceu como aparecera deixando no ar fortíssimo cheiro a enxofre, pez e incenso (Noronha diz enxofre e salitre)… mas a ponte ficou de pé. Por isso há quem lhe chame Ponte do Diabo e Ponte do Salvador, mas para o nosso povo é a Ponte de Misarela, lugar mítico, mágico e sagrado. As mulheres grávidas, com medo de abortar, dirigiam-se à ponte ao anoitecer e esperavam pacientemente que se verificassem duas coisas: que não passasse animal algum depois do pôr-do-sol e que a primeira pessoa a passar se dispusesse a baptizar o feto que trazia na barriga. Se tais condições se verificassem, a pessoa passante colheria das profundezas, com uma vasilha segura por uma corda, um pouco de água e, logo ali, regava o ventre da mulher desenhando cruzes e pronunciando ao mesmo tempo o ensalmo: “Eu te baptizo pelo poder de Deus e da Virgem Maria! Padre-Nosso e Avé-Maria! Se fores meninha (menina) Serás Senhorinha; Se fores rapaz Serás Gervás (Gervásio)”. A verdade é que são ainda muitas as pessoas que carregam esses chamadouros, saídos das noites passadas na ponte da Misarela! Desconhecido, Reconto Oral LENDA DA PRAGA DO FOGO "Há muitos, muitos anos, vivia em Mourilhe, na região de Montalegre, Abed Ahmid, filho do chefe dessa aldeia moura. A sua tribo estava proscrita em relação aos outros muçulmanos que a abandonaram aquando do avanço cristão. Ora um dia, Abed decidiu sair do reduto mouro de Mourilhe e cavalgou até ao Minho. Aí, conheceu uma bela jovem cristã chamada Leonor. Foi amor à primeira vista e como a jovem também o amava, Abed pediu-lhe que partisse com ele para Mourilhe. Depois de recusas e hesitações, pois era cristã, Leonor cedeu aos impulsos do coração e foi com Abed.Contudo, a aldeia e o pai de Abed não receberam bem os jovens apaixonados, principalmente Leonor, que logo quis regressar à sua terra. Expulsos da casa do chefe, foram recolhidos por Almira, a mulher que criara Abed desde pequeno, pois era órfão de mãe. Almira acolheu muito bem Leonor, o que fez com que Mohamed, pai de Abed, ficasse colérico. E como gostava muito de Abed, correu a falar com Mohamed que já não o considerava seu filho. Depois do seu conselho se ter retirado, o chefe ficou a sós com Almira, que lhe pediu para se reconciliar com o filho e aceitar Leonor. Mohamed lembrou-lhe, então, que Abed estava prometido a Zoleima, uma moura da aldeia. - Teu filho não a ama. Ninguém pode mandar no coração. - Lembrou Almira ao renitente Mohamed e recordou-lhe que, na sua juventude, também ele se apaixonara por Anália, uma jovem cristã, abandonando Zuraida em vésperas de ser mãe de Abed. Só voltara porque Anália caíra doente e morrera pouco tempo depois. Zuraida recebeu-o e perdoou- lhe, mas foi maltratada por Mohamed e acabou por morrer também, deixando o pequeno
  3. 3. Abed sem mãe. Perante estas lembranças, era cada vez maior a ira do chefe mouro que, intransigente, correu com Almira. Leonor era, pois, um remorso vivo para Mohamed. O insucesso de Almina era evidente, o que fez com que Abed decidisse abandonar a aldeia, com a ama e Leonor. Mas não sem antes se despedir de seu pai, que adorava devotamente. Ainda na aldeia e em conversa com Leonor, Almina lembrou-se de um último estratagema para alterar a situação: tinha de falar com Zoleida, que amava Abed desde criança, ainda que este nunca tivesse correspondido a tal paixão. Zoleida, contudo, não se encontrava em casa quando Almina a procurou. Ao saber da vinda de Abed para a aldeia com uma cristã, louca de dor e raiva, tinha corrido para a casa do jovem. Mas vendo-o, escondeu-se, até conseguir estar sozinha com Leonor. Mal Almina saiu ao seu encontro, Zoleida, silenciosa e esquiva, acercou-se de Leonor pelas costas e apunhalou-a, fugindo de imediato. Pouco depois, surgiram Abed e Almina, que depararam já com a pobre Leonor morta, envolta numa poça de sangue. A dor logo invadiu Abed e Almina, deixando-os aterrados e inconsoláveis. Então, Abed decidiu cobrir com um manto o corpo sem vida de Leonor e levá-lo consigo para bem longe dali, com Almina. Esta ainda o tentou demover, mas nada conseguia vencer o desespero de Abed, louco de tristeza e dor. - Leonor está morta. - Lembrava-lhe Amina. O jovem respondeu que fugiria só com a sua amada, caso Almina não o quisesse acompanhar. Abed pegou então em Leonor e montou no seu cavalo, partindo de imediato em feroz galope para fora da aldeia. Almina, petrificada, chamando insistentemente por Abed, sem sucesso, voltou-se para a aldeia atrás de si e disse:- Malditos sejam todos os desta terra! Que o fogo destrua estas casas! O fogo que hei-de pôr com estas minhas mãos! Hão-de saber quem é Almina, malditos cães danados. Esta terra só estará purificada depois de por três vezes ser destruída pelo fogo! Mourilhe, esta é a praga de Almina! Verdade ou não, Mourilhe foi, de facto, três vezes devastada pelo fogo (na Reconquista Cristã, em 1854 e em 1875)." AFONSO, Vitor - in Lendas de Portugal O ÚLTIMO ENFORCADO DE MONTALEGRE Vivia um rapaz em Montalegre que não se dedicava a nenhum ofício e andava sempre de vago, puseram-lhe a alcunha de “Bagueiro”. Aliás, é termo muito ofensivo, que se dá também aos burros e que o resto do país mal conhece enquanto tal. A verdade é que o homem, de 22 anos, de relações cortadas com o trabalho e sem rendimentos teria de arranjar meio de subsistir: “roubava”. Encontrando-se um dia na taberna das Alturas, viu ali entrarem para comer dois viajantes de Braga: a viúva Inácia Joaquina e o menor Francisco Baptista. Diz-se que tinham ido a Chaves buscar uns magros tostões que dois canteiros seus familiares ganhavam na reconstrução das muralhas. Comida a bucha, a mulher pagou e disse ao taberneiro: -“Graças a Deus que ainda aqui levo trinta reis!” Saíram mas foram logo seguidos pelo Bagueiro que lhes
  4. 4. apareceu, fora do povo, oferecendo-se para lhes indicar o melhor caminho para Braga. Quando chegaram ao descampado enorme, onde mora a Senhora do Monte, o Bagueiro pediu à mulher os trinta mil reis! Quando a viúva lhe ia a dizer que só tinha trinta reis, já caíra morta. O mesmo aconteceu ao rapaz logo a seguir. Foi preso, um mês depois, na taberna de Codessoso. Conduzido à Senhora do Monte, onde ainda estavam os cadáveres, confessou apenas que os tinha acompanhado. Foi julgado, quase quatro anos após o crime e condenado à pena de morte na forca. A execução da pena demorou mais um ano e meio; aconteceu a 17 de Setembro de 1844. Corre entre nós a versão ridícula de que o condenado, já no patíbulo, terá pedido a presença da mãe para se despedir. Então, em vez do beijo de despedida, ter-lhe-ia cortado o nariz com uma feroz dentada. Episódio inventado e torpe. A sentença resume-se ao seguinte: “É acusado o réu José Fernandes, solteiro, trabalhado, primeiro, de ter num dos dias do mês de Abril de 1838, na serra das Alturas, assassinado e roubado a Inácia Joaquina e Francisco Baptista; segundo, havendo-os previamente enganado e fazendo-lhes crer que havia passagem de tropas nas Alturas e que deviam evitá-las; terceiro, de ter, na ocasião em que foi preso, em uma taberna do lugar de Codessoso da Venda Nova, no dia 21 de Maio 1838, sido encontrado com um pau de chuço, uma choupa e uma faca de ponta aguda. Encontrava- se, junto aos cadáveres dos assassinados, um chapéu velho pertencente ao réu. Sendo conduzido o réu ao lugar em que se achavam os cadáveres, já meios consumidos e devorados, ali confessou que terá acompanhado os referidos indivíduos assassinados por caminhos transversais. Defende-se o réu alegando que é um cidadão bem comportado, que ganha a sua vida honestamente por meio do trabalho, que nunca padeceu notas de ladrão, e que nunca usara de armas defesas e que as que foram encontradas na casa em que foi preso não eram suas”. O réu chamava-se José Fernandes, por alcunha o Vagueiro, filho de Senhorinha Fernandes, da casa dos Fernandes, por alcunha os Gaios, de Codessoso do Arco, antiga freguesia de São Simão e, agora, lugar da freguesia de São Pedro da Venda Nova. O vocábulo Begueiro foi importado do Minho. Os Barrosões, querendo significar o animal de carga, o burro, dizem vagueiro, ou melhor Bagueiro E era assim que chamavam ao José, dos Gaios de Codeçoso – o Bagueiro! Veio o réu da cadeia da Relação, no Porto. Trazia uma escolta de cinquenta soldados de Infantaria nº2 e foi despedir-se de sua mãe e da irmã a Codeçoso continuando em direcção à Capelinha da Senhora do Monte. “Consta que a sua infeliz mãe, uma desgraçadinha viúva o seguiu longo tempo na mais viva consternação e que obrigada a tornar para trás, caiu de cama onde se conserva”. Assim se rejeita a tradicional cena do beijo uma vez que a mãe não assistiu à execução. O Bagueiro chegou a Montalegre, “no dia 13 de Setembro de 1844, pelas 10 horas e entra logo na prisão. Fuma constantemente e bebe água”.Dia 15, ao meio-dia, chegam os executores; ele vê-os das grades da prisão e deixa a meio a refeição. Prestam-lhe apoio religioso (e psicológico) quatro padres, revezando-se ao longo do dia. Campo Toural, Montalegre (Anos 50) “No dia 16 ouve três missas e comungou. A seguir deita-se e perde quase todo o alento de que vinha dando mostras. Para o fim do dia revela extremo abatimento; mostra-se compungido mas resignado; recita jaculatórias e beija repetidamente um crucifixo; não come, só bebe água. Enquanto batem as horas, conta-as e faz saber o tempo que lhe resta de vida. Reconcilia-se várias vezes porque quer morrer como cristão”. BATISTA, José Dias – Montalegre, Município de Montalegre, Junho de 2006
  5. 5. A LENDA DO MOSTEIRO DE PITÕES Existe uma lenda de tradição oral sobre a origem do Mosteiro de Santa Maria das Júnias. Segundo essa "estória", o monumento religioso terá sido erguido por causa da aparição de uma imagem de Nossa Senhora com o menino nos braços, na cavidade de um carvalho, a um grupo de fidalgos que caçavam numa floresta a sudeste da aldeia de Pitões. Encantados com visão, os caçadores terão então prometido erguer naquele local um templo em honra de Nossa Senhora e um mosteiro anexo. Ainda segundo a lenda, além de construírem o mosteiro, os fidalgos dotaram-no também dos bens necessários ao sustento dos frades. Daí que as propriedades rurais situadas nas imediações de Pitões tenham pertencido ao convento. Apesar de não se saber ao certo, acredita-se que tenham sido treze os primeiros frades a habitar o convento. O convento que agora está em estado de ruínas, quando foi levantado, era formado por dois pavilhões, unidos em ângulo recto, com rés-do-chão e primeiro andar. A parte interior do recinto, o denominado claustro, era fechado do lado oposto ao edifício, por um muro e por uma arcada gótica. Paralela a esta arcada foi erguida uma igreja, templo ogival, de uma nave, com a respectiva capela-mor. A igreja é, actualmente, a construção que se encontra em melhor estado de conservação, apesar de precisar também de obras no telhado. Adaptado, www.montalegre.info LENDA DO NOME DE MONTALEGRE Diz-se que andavam por aí uns fidalgotes, com avantajadas comitivas de escudeiros, pajens e criadagem, os quais entravam nas aldeias, comiam, bebiam do bom e do melhor, acomodavam e alimentavam cavalos e mulas, dormiam nas melhores casas e não prestavam contas. Traziam os barrosões de nervos alterados e incapazes de lhes dar resposta condigna visto que partiam como chegavam, fora de horas e sem avisarem. Mas num belo dia, uma grande comitiva subia do Minho por Salto, Vila da Ponte, Viade, comendo os melhores leitões, vitelas e cabrito, bebendo à tripa fora, despejando dispensas e fumeiros e sem abrirem os cordões à bolsa. Juntou-se o povinho com grande alarido e ameaças ao alcaide cerca dos cubelos do Castelo. Ameaçado e vaiado o alcaide ordenou ao Capitão-mor que organizasse as forças necessárias para emboscar os agressores e obrigá-los a pagarem os prejuízos causados. Foi acorrentado para o cárcere do Castelo o Fidalgo que superintendia e comandava os assaltantes sendo dada ordem aos seus criados de regressarem às suas terras. Que voltassem com as quantias que o Povo exigia pelos gastos e roubos e então seria dada liberdade ao fidalgo encarcerado.
  6. 6. Uns tempos depois chegaram os familiares do preso e pagaram as suas dívidas. De seguida foi entregue o cavalo ao prisioneiro. Que partisse e não voltasse… O homem ao montar o seu cavalo a caminho da liberdade, despediu-se com duas palavras que são muito queridas a todos os Barrosões. - Monto alegre!!! Montalegre, capital das Terras de Barroso vai para 734 anos, situa-se na prega mais setentrional do planalto barrosão. Com efeito, assumiu tal privilégio, no dia 9 de Junho de 1273, por carta concedida pelo “Bolonhês”, o Rei D. Afonso III. O citado monarca ergueu, para sua segurança e de toda a terra de Barroso, a admirável fortaleza medieval, circuitando-a de muralhas, onde milénios antes os nossos mais remotos antepassados haviam construído o seu oppidum (castro). Mais tarde, foi construída uma nova Torre de Menagem, belíssima e equilibrada estrutura que indicia ser obra dos arquitectos e mestres canteiros do rei poeta, monarca que muito investiu na defesa das fronteiras ao longo de todo o território. Ao nobre Castelo falta apenas que os estudiosos lhe completem a história, os seus momentos de angústia e os momentos de glórias passadas, em que assistiu ao fluir das gerações do povo barrosão. BATISTA, José Dias - Montalegre - Município de Montalegre, Junho de 2006. LENDA DA PEDRA DA MOURA Há muito tempo atrás, os serranos do Cabril e os Cristãos da charneca passaram por vários desentendimentos devido às suas religiões. A rivalidade foi tal que alguns mouros colocaram a possibilidade de erguer uma ponte que ligasse o cimo da serra e se inundasse a charneca, acabando com os cristãos. Esta obra teria de ser feita numa noite sem luar para que os cristãos não se apercebessem e não impedissem a construção. Alguns mouros estavam contra a realização desta obra, pois consideravam este empreendimento demasiado alto e perigoso. A fim de resolver estas indecisões, o chefe convocou os mouros para uma assembleia. Após várias discussões, e uma vez que não conseguiam o consenso, o chefe propôs que a ponte fosse feita a meio da encosta, e a moção foi aprovada por todos. Nessa altura, uma bela jovem levantou-se e ofereceu-se para levar a primeira pedra para a construção da ponte, ao que o chefe lhe respondeu: -“Só se for a pedra grande que está no alto do picoto”. Houve uma gargalhada geral e mais ninguém falou sobre o assunto. No dia seguinte, quando os mouros saíram das suas cavernas depararam com o grande rochedo na outra encosta. Os mouros começaram a juntar-se em volta do rochedo, interrogando-se sobre como e quem teria ali colocado tão pesado bloco. Ao longe, os cristãos já espreitavam desconfiados.
  7. 7. No meio da confusão surge a jovem moura, ricamente vestida, mas de olhar triste, acompanhada por um jovem esbelto, com um turbante de seda e um diadema no alto da testa com uma meia-lua dourada. A moura esclareceu os seus vizinhos, dizendo: -“Eu a transportei para cumprir o meu fado”. E o jovem confirmou: -“Ela a trouxe à cabeça, com uma criança ao colo e na mão uma roca; na outra mão um fuso a fiar um velo de ouro. No escuro da noite eu lhe alumiei os passos com um facho, para que não tropeçasse. Do velo de ouro teceu uma saia que ficará guardada nas serras; o resto do novelo foi deixado debaixo da pedra para testemunhar este facto. Podeis procurá-lo se tiverdes ânimo para a remover. A saia ficará até que um dia um inimigo de Alá a encontre e consiga desencantar esta linda princesa nas entranhas da terra, por ter discordado da guerra santa contra esses malditos cristãos. Agora pertence-vos concluir a ponte na noite que vem”. Nesse instante uma densa névoa envolveu-os e nunca mais ninguém os viu. Depois de assistirem a este enigmático acontecimento e ao verem que os cristãos se haviam apercebido das suas intenções, os mouros nunca mais pensaram na ponte. A Pedra da Moura ainda hoje se mantém no local, testemunhando o início de uma obra que nunca foi concluída. www.distritosdeportugal.com LENDA DO FREI BARTOLOMEU MÁRTIRES Costuma-se dizer que com o homem do Barroso, não se joga. Conforme esta peculiar situação de cultura fossilizada, também os párocos que curavam as almas daquelas aldeias se tinham acomodado à vida e costumes da serra, sem renunciar os rústicos rituais a que convidava a paisagem, numa serena interacção entre as sagradas regras bíblicas e as tradições profanas herdadas dos antepassados Druidas. Um dos costumes irrenunciáveis dos padres barrosãs era, entre outras, o matrimónio sacerdotal. O celibato sacerdotal definiu-se como regra no concílio de Trento que se realizou entre 1545-1563. E, ainda que pareça mentira, esta desconhecida terra do barroso teve uma influência importante no discurso e deliberações conciliares tridentinas, por mor da brilhante oposição ao celibato eclesiástico que fez o famoso arcebispo de Braga, Frei Bartolomeu dos Mártires. Antes de dirigir-se ao concílio de Trento, quis o prelado bracarense visitar a terra de Barroso em pleno inverno, com grande risco de sua própria vida. Montando uma égua chamada Águia, percorreu as recônditas aldeias e deixou uma profunda impressão de lenda e santidade em diferentes lugares, como o conhecido Penedo Sagrado, em Salto, que conforme a tradição, dizem que deve tal denominação ao facto de que em cima dele rezou missa Frei Bartolomeu dos Mártires. Ainda que Frei Bartolomeu dos Mártires lutasse denodadamente contra o celibato no Concílio de Trento, não pôde evitar que no final se estabelecesse a superioridade do celibato e a virgindade sobre o matrimónio. Não obstante, o Arcebispo, pensando na situação de seus sacerdotes serranos, e impotente para conseguir que ficassem as teses celibatárias, solicitou uma última graça de matrimónio sacerdotal para alguns casos particulares: "Pelo menos para os meus padres da Serra do Barroso".
  8. 8. Lemos a redacção da regra conciliar ficou assim: "Se alguém disser que os clérigos constituídos em ordens sagradas ou os regulares que fizeram profissão solene de castidade, podem contrair e que o contraído é válido, não obstante a lei eclesiástica ou o voto, e que o contrário não é outra coisa que condenar o matrimónio; e que podem contrair matrimónio todos os que, ainda que tiverem feito voto de castidade, não sentem ter o dom dela. Seja Anátema. Deus, efectivamente, não nega este dom a quem o pede rectamente e não consente que sejamos tentados além daquilo que podemos". Como podemos ver, não teve em conta o santo Concílio a petição do Arcebispo para seus curas do Barroso. www.geresao.planetaclix.pt LENDA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES Apesar da multiplicidade de versões presentes em diversas fontes, a generalidade dos documentos consultados veicula uma versão convergente. No século IV d.C., um conjunto de fenómenos no Império Romano terá conduzido à devoção da Virgem Maria, Mãe de Deus e à construção de um Templo em sua honra. Na verdade, conta a tradição, que no antigo Império Romano, no século IV, um casal romano de família supostamente nobre era proprietário de uma considerável riqueza. Não possuía, contudo, aquela que é uma das maiores riquezas, os filhos. Como o casal já se encontrava numa idade considerada avançada para a época e a preocupação da herança intrigava-o sobremaneira. Com efeito, a dúvida instalara-se... Após a ineficaz procura de soluções na voz humana, o casal já em desespero virou-se para a ajuda divina e, como tal, decidiu interceder junto da Virgem Maria, Mãe de Deus, para os iluminar na decisão a tomar em relação à sua fortuna. O certo é que, na madrugada de 4 para 5 de Agosto, para surpresa de todos, a Virgem Maria, Mãe de Deus, apareceu em sonhos ao casal romano e em simultâneo ao Papa Libério I. A mensagem deixada pela Virgem Maria foi de encontro ao seu pedido. Ou seja, a Virgem Maria tê-los-á aconselhado, assim, a empregar o seu dinheiro na construção de um templo em sua honra no monte Esquilino (uma das sete colinas de Roma). Maria, Mãe de Deus, disse que seria sinalizado com neve o local exacto para a construção do templo. Com efeito, ao alvorecer de 5 de Agosto, em pleno Verão, uma parte do monte Esquilino apareceu surpreendentemente coberto de Neve, cumprindo-se, deste modo, a profecia de Nossa Senhora. E para a posteridade, ficou, por influência do inédito fenómeno climático, o nome Nossa Senhora das Neves. Nessa memorável manhã, uma multidão, entre os quais o Papa Libério I e seu clero, dirigiu-se ao lugar prodígio de forma a contemplar a maravilha presenteada pela Virgem Maria, Mãe de Deus. Épocas e gerações desapareceram, muitos séculos passaram e múltiplas transformações ocorreram, todavia, o tempo, que muitas vezes se encarrega de calar a História e de varrer a memória, foi vencido pela devoção à Nossa Senhora das Neves. www.festadasneves.com - Pedro Alexandre Barros Amorim do Rego.

×