SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
FALÁCIAS E
ERROS DE
RACIOCÍNIO
Othon Moacyr Garcia
Comunicação em prosa moderna, e1ditora da
Fundação Getúlio Vargas
1
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
AS TRÊS MANEIRAS DE
ERRAR
Raciocinando mal com
dados corretos
Raciocinando bem com
dados falsos
Raciocinando mal com
dados falsos 2
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
DIFERENÇA ENTRE
FALÁCIA E SOFISMA
 Falácia: involuntária, a pessoa se engana, repete o
que ouviu.
 Sofisma: voluntária, pensando. Planejado para
induzir ao engano
 Observação: é importante notar que existem
falácias de tal forma cristalizadas em certos grupos
ou comunidades, tão repetidas e consagradas no
seu discurso, que dificilmente terão sua falsidade
reconhecida. Em se tratando de assuntos
religiosos, isso se complica, pois o que é uma
falácia para um, pode ser uma verdade irretorquível
para outro. 3
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
RACIOCÍNIO CIRCULAR OU
PETIÇÃO DE PRINCÍPIOS
 Trata-se simplesmente de afirmar a mesma
coisa com outras palavras.
 Exemplos:
 A) “Por que a Bíblia é a Palavra de Deus? Ora,
porque ela foi inspirada pelo próprio Criador.”
 B) “Eu acho que alpinismo é um esporte perigoso
porque é inseguro e arriscado.”
 C) “Por que eu sou a pessoa mais indicada para o
trabalho? Porque eu descobri que, dentre todos os
outros candidatos, e considerando minhas
qualificações, eu sou a melhor pessoa para o
trabalho.”
4
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
EGOCENTRISMO IDEOLÓGICO: APELAR
PARA UMA AUTORIDADE QUE SÓ É
RECONHECIDA POR UMA DAS PARTES
 Essa provavelmente não será achada em manuais
de lógica.
 Exemplos:
 A) “Por que o Papa, em questões doutrinárias, é
infalível? Porque o Concílio de..., sob a inspiração da
Assistência Extraordinária do Espírito Santo dada ao
líder da Igreja, que o promulgou, declarou assim.”
 B) “A minha religião é a única verdadeira, e você não
pode questionar isso. Veja só o que nosso fundador diz
em...”
 Onde está o erro? Ora, todos os declarantes
estavam conversando com alguém que é cético e
está questionando a autoridade da fé que eles têm. E o
que eles fazem para demonstrar que estão
certos? Recorrem à mesma autoridade que está
sendo questionada. 5
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
SUPERSIMPLIFICAÇÃO
 Muitos detalhes importantes são deixados de
lado e o resumo feito só permite uma única
conclusão.
 “Os nazistas usaram alguns escritos de Nietzsche
em sua propaganda. A irmã de Nietzsche era
nazista. Portanto, Nietzsche era nazista.”
6
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
RACIOCÍNIO 8 OU 80
 Só admite duas possibilidades antagônicas
numa determinada questão, mesmo que haja
muitas mais, sendo que a pessoa que o utiliza
está, claro, do lado certo.
 Exemplos:
 A Bíblia alega ser a Palavra de Deus e sem erros. Se
você achar um erro nela, então ela tem de estar
totalmente errada.
 Fulana tinha câncer e fez uma “cirurgia espiritual”
para ajudar na cura. E, de fato, ela se curou. Ou a
cura de Fulana na ‘cirurgia espiritual’ foi um milagre
de Deus ou um prodígio do demônio. Deus não age
nessa religião. Então, só pode ter sido obra de
Satanás.” 7
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
GENERALIZAÇÃO
APRESSADA
 Julgar todas as coisas de um determinado
universo com base numa amostragem muito
pequena. Esse tipo de raciocínio facilmente
leva ao preconceito.
 Exemplos:
 A) Nas duas vezes em que fui assaltado, os
bandidos eram negros. Bem que minha mãe fala
que todo negro tem tendência para ladrão!
 B) “Fulano entrou para a igreja X e ficou
fanático. Logo, todos os fiéis da igreja X são
fanáticos.”
8
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
ATAQUE PESSOAL
 Argumento em que se usam as próprias
palavras do adversário para contestá-lo.
 Consiste simplesmente em atacar uma pessoa
em vez dos argumentos que ela expõe, usar um
traço de seu caráter como pretexto para
desqualificar ou ignorar o que ela diz. Pode ser
usado quando não se sabe como refutar o que
o oponente diz ou simplesmente por excesso
de preconceito, sendo um meio muito cômodo
(e desonesto) de fugir do debate.
9
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
EXEMPLOS
 O senhor não tem autoridade para criticar nossa
política educacional, pois nunca concluiu uma
faculdade.
 Beltrano não entende nada de espiritualidade, ele é
gay.
 A religião é uma coisa má. Veja só quantas guerras
foram provocadas por ela.
 Não dêem ouvidos ao que ele diz. Como ele
abandonou nossa fé, as críticas dele à nossa
organização só podem ser mentiras.
10
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
CULPA POR ASSOCIAÇÃO /
FAÇA O QUE EU DIGO, NÃO O
QUE EU FAÇO
 Os argumentos da empresa X contra nossa fusão
não merecem crédito, pois eles são nossos
concorrentes e seus interesses comerciais estão
em jogo.
 Você diz que o cigarro é um vício horrível, mas
ainda não conseguiu parar. Por que eu deveria lhe
dar ouvidos, então?
11
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
APELO À IGNORÂNCIA / FALTA
DE PROVAS
 1. “Você não tem provas de que Deus existe. Logo,
ele não existe.”
 2. “Você não tem provas de que Deus não existe.
Logo, ele existe.”
 3. “É claro que houve um dilúvio; ninguém nunca
conseguiu provar que não houve.”
Acontece que a mera falta de provas não prova
nada. No máximo, pode sugerir, mas nunca
fechar questão.
.
12
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
OUTRO EXEMPLO:
CRIACIONISMO
 . O ‘elo perdido’ entre o homem e os primatas não
foi encontrado até hoje. Isso nos mostra que a
Teoria da Evolução está errada e o livro bíblico de
Gênese é que está com a razão ao falar da criação
do primeiro casal por Deus.
Aqui o autor da frase, além de reduzir toda a
Teoria da Evolução ao caso do Homo sapiens,
esqueceu que o fato de que se ela,
hipoteticamente, está errada, não quer dizer
que o Gênese esteja certo.
13
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
APELO À MULTIDÃO
 Quem conhece a expressão “maria-vai-com-as-
outras” certamente saberá quando uma falácia
de apelo à multidão está sendo
usada. Basicamente, esse é o tipo de raciocínio
que diz “se todos fazem, então eu devo fazer
também”.
 Lembre-se de quando Pôncio Pilatos perguntou à
multidão: "Qual quereis que vos solte, Barrabás
ou Jesus, chamado o Cristo?”
14
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
EXEMPLOS
 1. Você não acha que se uma religião cresce tanto
em tão pouco tempo é porque Deus está com ela?
 2. Dez milhões de pessoas não podem estar
erradas. Junte-se à nossa igreja você também.
 3. Isso é uma verdade tão sublime que um milhão
de pessoas já a aceitaram como regra de fé.
 O fato de tantas pessoas acreditarem em algo
não significa que seja verdade. A voz do povo
não é a voz de Deus.
15
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
APELO AO MEDO / TEMOR DAS
CONSEQUÊNCIAS
 Eu acredito que o bicho-papão mora no armário,
você não acredita. Se eu estiver errado, não terei
perdido nada. Mas já parou para pensar que, se eu
estiver certo e você errado, ele pode devorar você?
 É melhor você votar pela condenação do réu ou
você pode ser a próxima vítima dele.
 Quando alguém usa um argumento do medo,
está na realidade dizendo que, se uma idéia ou
concepção nos assusta, então é melhor crer
que ela é verdade, mesmo que não haja uma
razão lógica para demonstrá-la. 16
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
 
APELO À TRADIÇÃO: QUANTO
MAIS ANTIGO MELHOR
 1. A astrologia é uma arte adivinhatória praticada
há milhares de anos no Oriente. Conta-se que os
antigos reis da Babilônia teriam feito uso dela para
saber os dias mais propícios para as batalhas. Até
os imperadores chineses recorriam aos astros para
guiarem seus passos no governo. Com esse
currículo respeitável, é inadmissível que ainda não
a considerem uma ciência.
 2. É claro que existem duendes, as lendas sobre
eles têm séculos e séculos de existência.
A escravidão era considerada justificável em
várias nações durante milênios, e nem por isso,
hoje, temos que aceitá-la como uma prática
legítima.
17
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
APELO À AUTORIDADE: USAR
CELEBRIDADES NAS PROPAGANDAS
 O bom senso exige que, antes de nos
curvarmos a títulos e fama, procuremos
saber que argumentos estão sendo usados e
se eles realmente merecem crédito. Afinal,
mesmo os sábios têm suas falhas e
equívocos.
 Exemplo: Dionne Warwick é uma boa cantora,
mas isso não significa que o serviço esotérico por
telefone para o qual ela faz propaganda
realmente funcione e seja a solução de todos os
problemas da vida.
18
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
EUFEMISMOS: SÃO PALAVRAS QUE
DESIGNAM COISAS POTENCIALMENTE
DESAGRADÁVEIS DE FORMA MAIS SUAVE.
 Seu apogeu está no uso de expressões
consideradas politicamente corretas, tão
populares nos Estados Unidos, e que chegam a
ser ridículas:
 1. Indivíduo verticalmente desafiado – anão.
 2. Apropriar-se ilicitamente de dinheiro público –
roubar dinheiro público.
 3. Ser convidado a retirar-se do recinto – ser
expulso do recinto.
 Se eufemismos são usados com muita
freqüência, pode ser o caso de que nosso
interlocutor esteja tentando minimizar ou
disfarçar alguma coisa. 19
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
PREMISSAS CONTRADITÓRIAS: AS BASES
DO ARGUMENTO SÃO MUTUAMENTE
EXCLUDENTES
 1. O que acontece quando uma força irresistível
encontra um obstáculo irremovível?
 Ora, o erro aqui é que não existe força
irresistível. Se existisse, então não haveria um
obstáculo irremovível, e vice-versa. Logo, se a
pergunta não é coerente consigo mesma, não
pode haver resposta.
 “Deus é o criador onisciente de todas as coisas. Então
ele também criou o mal? Não, o mal é criação das suas
criaturas.”
 Se Deus é o criador de tudo, e ainda por cima
onisciente (ou seja, sabedor de tudo, mesmo do
futuro), como se pode dizer que o mal não é
também criação dele? 20
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
 
REDUÇÃO AO ABSURDO: UM SIMPLES
EMPURRÃO BASTA PARA QUE SE PERCA
TOTALMENTE O CONTROLE
 . Você permite que seu filho de seis anos roube um
beijo na bochecha da coleguinha de escola hoje e
logo ele vai querer agarrá-la e, mais tarde, se
tornará um maníaco sexual. Você não tem
vergonha?
 A falácia relaciona o beijo ao comportamento
doentio sem qualquer motivo aparente,
ignorando todos os graus entre uma coisa e
outra.
21
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
OUTROS EXEMPLOS
 2. Se você permite o aborto em casos de risco de vida
para a mãe nos hospitais públicos, logo todo o mundo
vai querer abortar por qualquer motivo, ninguém mais
vai valorizar a gravidez e a taxa de natalidade vai
acabar despencando, prejudicando a economia do país.
 3. A crença na vida após a morte é perniciosa, pois
quem acredita nisso sempre vai achar que as coisas
vão melhorar no Além e, portanto, vai se acomodar à
sua situação atual, não lutar por seus direitos e
permanecer em tamanha inatividade que a nação logo
vai estar subjugada pelos exploradores internacionais.
É por isso que nosso país seria muito melhor se todos
fossem ateus.
 7. Se você cumprimentar aquele seu amigo que
abandonou nossa igreja, ele vai encher sua cabeça de
mentiras, você vai perder a fé e vamos ter de tratar você
como um traidor também.
22
Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Os Sofistas
Os SofistasOs Sofistas
Os Sofistas
 
John Locke
John LockeJohn Locke
John Locke
 
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas HobbesAula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
 
John Locke - Empirismo
John Locke - EmpirismoJohn Locke - Empirismo
John Locke - Empirismo
 
Filosofia política
Filosofia política Filosofia política
Filosofia política
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Nicolau maquiavel
Nicolau maquiavelNicolau maquiavel
Nicolau maquiavel
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
 
Slide filosofia
Slide filosofiaSlide filosofia
Slide filosofia
 
Ética Aristóteles
Ética AristótelesÉtica Aristóteles
Ética Aristóteles
 
Narrativa Mítica
Narrativa MíticaNarrativa Mítica
Narrativa Mítica
 
Filosofia e Opinião
Filosofia e OpiniãoFilosofia e Opinião
Filosofia e Opinião
 
A atitude filosófica
A atitude filosóficaA atitude filosófica
A atitude filosófica
 
Atitudes filosóficas
Atitudes filosóficasAtitudes filosóficas
Atitudes filosóficas
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
 
Filosofia PolíTica Blog
Filosofia PolíTica BlogFilosofia PolíTica Blog
Filosofia PolíTica Blog
 
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
 
O príncipe – Maquiavel (1513)
O príncipe – Maquiavel (1513)O príncipe – Maquiavel (1513)
O príncipe – Maquiavel (1513)
 

Destaque

O texto argumentativo falácias
O texto argumentativo   faláciasO texto argumentativo   falácias
O texto argumentativo faláciasÉric Santos
 
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da fraseFichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da frasebethdamascenos
 
Falacias
FalaciasFalacias
FalaciasAelectx
 
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do ConhecimentoKaroline Rodrigues de Melo
 
Construção do parágrafo
Construção do parágrafoConstrução do parágrafo
Construção do parágrafoHélio Consolaro
 
Metodo Resolução de Problemas
Metodo Resolução de  Problemas Metodo Resolução de  Problemas
Metodo Resolução de Problemas Agostinho NSilva
 
Contrução do parágrafo
Contrução do parágrafoContrução do parágrafo
Contrução do parágrafoEdson Alves
 
Linguagem, lingua, fala, discurso adm
Linguagem, lingua, fala, discurso admLinguagem, lingua, fala, discurso adm
Linguagem, lingua, fala, discurso admelizabeth gil
 
Método de resolução de problemas
Método de resolução de problemasMétodo de resolução de problemas
Método de resolução de problemasCristiana Gomes
 
Redação oficial slides - Professora Elzimar Oliveira
Redação oficial slides - Professora Elzimar OliveiraRedação oficial slides - Professora Elzimar Oliveira
Redação oficial slides - Professora Elzimar OliveiraElzimar Oliveira
 
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos PúblicosAula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos PúblicosJoeldson Costa Damasceno
 

Destaque (18)

O texto argumentativo falácias
O texto argumentativo   faláciasO texto argumentativo   falácias
O texto argumentativo falácias
 
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da fraseFichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
 
Falacias
FalaciasFalacias
Falacias
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
 
Falácias
Falácias   Falácias
Falácias
 
Comunicação em prosa moderna seminário
Comunicação em prosa moderna seminárioComunicação em prosa moderna seminário
Comunicação em prosa moderna seminário
 
Tópico frasal
Tópico frasalTópico frasal
Tópico frasal
 
Construção do parágrafo
Construção do parágrafoConstrução do parágrafo
Construção do parágrafo
 
Metodo Resolução de Problemas
Metodo Resolução de  Problemas Metodo Resolução de  Problemas
Metodo Resolução de Problemas
 
Contrução do parágrafo
Contrução do parágrafoContrução do parágrafo
Contrução do parágrafo
 
Linguagem, lingua, fala, discurso adm
Linguagem, lingua, fala, discurso admLinguagem, lingua, fala, discurso adm
Linguagem, lingua, fala, discurso adm
 
Método de resolução de problemas
Método de resolução de problemasMétodo de resolução de problemas
Método de resolução de problemas
 
Falacias
FalaciasFalacias
Falacias
 
Redação oficial slides - Professora Elzimar Oliveira
Redação oficial slides - Professora Elzimar OliveiraRedação oficial slides - Professora Elzimar Oliveira
Redação oficial slides - Professora Elzimar Oliveira
 
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos PúblicosAula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
Aula 01 - Redação Oficial - Aplicação em Concursos Públicos
 
Falacias
FalaciasFalacias
Falacias
 

Semelhante a Erros de raciocínio e falácias lógicas

Segunda carta as autoridades indonesias sobre o tsunami de 2004 e sobre a pen...
Segunda carta as autoridades indonesias sobre o tsunami de 2004 e sobre a pen...Segunda carta as autoridades indonesias sobre o tsunami de 2004 e sobre a pen...
Segunda carta as autoridades indonesias sobre o tsunami de 2004 e sobre a pen...ecbg19710515nit
 
Apostila de interpretação textual textos do blog parte 2
Apostila de interpretação textual textos do blog parte 2Apostila de interpretação textual textos do blog parte 2
Apostila de interpretação textual textos do blog parte 2Antônio Fernandes
 
Falácias Informais - Filosofia
Falácias Informais - FilosofiaFalácias Informais - Filosofia
Falácias Informais - FilosofiaFernanda Clara
 
Três campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritualTrês campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritualPaulo Roberto
 
Argumentos falaciosos
Argumentos falaciososArgumentos falaciosos
Argumentos falaciososJoão Vieira
 
Criancasindigo(pedagogia espír.)
Criancasindigo(pedagogia espír.)Criancasindigo(pedagogia espír.)
Criancasindigo(pedagogia espír.)Claudinha44
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Helena Serrão
 
Refletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciênciaRefletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciênciaarrowds7
 
Folheto5 politicamente incorreto_prova
Folheto5 politicamente incorreto_provaFolheto5 politicamente incorreto_prova
Folheto5 politicamente incorreto_provaFernando Santos
 
O perigo para as religioes afro brasileiras
O perigo para as religioes afro brasileirasO perigo para as religioes afro brasileiras
O perigo para as religioes afro brasileirasLuiz L. Marins
 
18 formas de começar um texto
18 formas de começar um texto18 formas de começar um texto
18 formas de começar um textoFabio Dos Santos
 
A Intolerância e fanatismo no Brasil.pptx
A Intolerância e fanatismo no Brasil.pptxA Intolerância e fanatismo no Brasil.pptx
A Intolerância e fanatismo no Brasil.pptxAbdalaRIMECA
 

Semelhante a Erros de raciocínio e falácias lógicas (20)

Segunda carta as autoridades indonesias sobre o tsunami de 2004 e sobre a pen...
Segunda carta as autoridades indonesias sobre o tsunami de 2004 e sobre a pen...Segunda carta as autoridades indonesias sobre o tsunami de 2004 e sobre a pen...
Segunda carta as autoridades indonesias sobre o tsunami de 2004 e sobre a pen...
 
Apostila de interpretação textual textos do blog parte 2
Apostila de interpretação textual textos do blog parte 2Apostila de interpretação textual textos do blog parte 2
Apostila de interpretação textual textos do blog parte 2
 
Falácias Informais - Filosofia
Falácias Informais - FilosofiaFalácias Informais - Filosofia
Falácias Informais - Filosofia
 
Nosso templo (2ª edição)
Nosso templo (2ª edição)Nosso templo (2ª edição)
Nosso templo (2ª edição)
 
Três campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritualTrês campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritual
 
A contra argumentação
A contra argumentaçãoA contra argumentação
A contra argumentação
 
SOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADESOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADE
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Argumentos falaciosos
Argumentos falaciososArgumentos falaciosos
Argumentos falaciosos
 
Criancasindigo(pedagogia espír.)
Criancasindigo(pedagogia espír.)Criancasindigo(pedagogia espír.)
Criancasindigo(pedagogia espír.)
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
Refletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciênciaRefletindo filosoficamente sobre a ciência
Refletindo filosoficamente sobre a ciência
 
Folheto5 politicamente incorreto_prova
Folheto5 politicamente incorreto_provaFolheto5 politicamente incorreto_prova
Folheto5 politicamente incorreto_prova
 
O perigo para as religioes afro brasileiras
O perigo para as religioes afro brasileirasO perigo para as religioes afro brasileiras
O perigo para as religioes afro brasileiras
 
Claudio Zeus
Claudio ZeusClaudio Zeus
Claudio Zeus
 
Umbanda sem medo 3
Umbanda sem medo 3Umbanda sem medo 3
Umbanda sem medo 3
 
18 formas de começar um texto
18 formas de começar um texto18 formas de começar um texto
18 formas de começar um texto
 
A contradição humana
A contradição humanaA contradição humana
A contradição humana
 
A Intolerância e fanatismo no Brasil.pptx
A Intolerância e fanatismo no Brasil.pptxA Intolerância e fanatismo no Brasil.pptx
A Intolerância e fanatismo no Brasil.pptx
 

Mais de Hélio Consolaro

Mais de Hélio Consolaro (20)

20 anos do Rotary Clube Araçatuba - Cruzeiro do Sul - Araçatuba-SP
20 anos do Rotary Clube Araçatuba - Cruzeiro do Sul - Araçatuba-SP20 anos do Rotary Clube Araçatuba - Cruzeiro do Sul - Araçatuba-SP
20 anos do Rotary Clube Araçatuba - Cruzeiro do Sul - Araçatuba-SP
 
Programação do Sesc Birigui junho de 2013
Programação do Sesc Birigui junho de 2013Programação do Sesc Birigui junho de 2013
Programação do Sesc Birigui junho de 2013
 
Pesquisa institucional fac fea - 2004-2012
Pesquisa institucional fac fea - 2004-2012Pesquisa institucional fac fea - 2004-2012
Pesquisa institucional fac fea - 2004-2012
 
Lagoa p b3
Lagoa p b3Lagoa p b3
Lagoa p b3
 
Lagoa primeira página
Lagoa primeira páginaLagoa primeira página
Lagoa primeira página
 
Zrg sons & vínculos 2012
Zrg sons & vínculos 2012Zrg sons & vínculos 2012
Zrg sons & vínculos 2012
 
Carta mensal
Carta mensal Carta mensal
Carta mensal
 
Revista da turma_da_monica_sobre_drogas[1]1
Revista da turma_da_monica_sobre_drogas[1]1Revista da turma_da_monica_sobre_drogas[1]1
Revista da turma_da_monica_sobre_drogas[1]1
 
Semana da literatura
Semana da literaturaSemana da literatura
Semana da literatura
 
Osni
Osni Osni
Osni
 
Zé renato 2
Zé renato 2Zé renato 2
Zé renato 2
 
Livro rotary club de araçatuba cruzeiro do sul
Livro rotary club de araçatuba cruzeiro do sulLivro rotary club de araçatuba cruzeiro do sul
Livro rotary club de araçatuba cruzeiro do sul
 
Festara 2011
Festara 2011Festara 2011
Festara 2011
 
Livro e blog
Livro e blogLivro e blog
Livro e blog
 
Canção birigui
Canção biriguiCanção birigui
Canção birigui
 
Coral reunidas
Coral  reunidasCoral  reunidas
Coral reunidas
 
Concurso resultado 2011
Concurso   resultado 2011Concurso   resultado 2011
Concurso resultado 2011
 
Emília goulart
Emília goulartEmília goulart
Emília goulart
 
Banda de tatuí
Banda de  tatuíBanda de  tatuí
Banda de tatuí
 
Belúcio
BelúcioBelúcio
Belúcio
 

Último

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 

Último (20)

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 

Erros de raciocínio e falácias lógicas

  • 1. FALÁCIAS E ERROS DE RACIOCÍNIO Othon Moacyr Garcia Comunicação em prosa moderna, e1ditora da Fundação Getúlio Vargas 1 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 2. AS TRÊS MANEIRAS DE ERRAR Raciocinando mal com dados corretos Raciocinando bem com dados falsos Raciocinando mal com dados falsos 2 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 3. DIFERENÇA ENTRE FALÁCIA E SOFISMA  Falácia: involuntária, a pessoa se engana, repete o que ouviu.  Sofisma: voluntária, pensando. Planejado para induzir ao engano  Observação: é importante notar que existem falácias de tal forma cristalizadas em certos grupos ou comunidades, tão repetidas e consagradas no seu discurso, que dificilmente terão sua falsidade reconhecida. Em se tratando de assuntos religiosos, isso se complica, pois o que é uma falácia para um, pode ser uma verdade irretorquível para outro. 3 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 4. RACIOCÍNIO CIRCULAR OU PETIÇÃO DE PRINCÍPIOS  Trata-se simplesmente de afirmar a mesma coisa com outras palavras.  Exemplos:  A) “Por que a Bíblia é a Palavra de Deus? Ora, porque ela foi inspirada pelo próprio Criador.”  B) “Eu acho que alpinismo é um esporte perigoso porque é inseguro e arriscado.”  C) “Por que eu sou a pessoa mais indicada para o trabalho? Porque eu descobri que, dentre todos os outros candidatos, e considerando minhas qualificações, eu sou a melhor pessoa para o trabalho.” 4 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 5. EGOCENTRISMO IDEOLÓGICO: APELAR PARA UMA AUTORIDADE QUE SÓ É RECONHECIDA POR UMA DAS PARTES  Essa provavelmente não será achada em manuais de lógica.  Exemplos:  A) “Por que o Papa, em questões doutrinárias, é infalível? Porque o Concílio de..., sob a inspiração da Assistência Extraordinária do Espírito Santo dada ao líder da Igreja, que o promulgou, declarou assim.”  B) “A minha religião é a única verdadeira, e você não pode questionar isso. Veja só o que nosso fundador diz em...”  Onde está o erro? Ora, todos os declarantes estavam conversando com alguém que é cético e está questionando a autoridade da fé que eles têm. E o que eles fazem para demonstrar que estão certos? Recorrem à mesma autoridade que está sendo questionada. 5 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 6. SUPERSIMPLIFICAÇÃO  Muitos detalhes importantes são deixados de lado e o resumo feito só permite uma única conclusão.  “Os nazistas usaram alguns escritos de Nietzsche em sua propaganda. A irmã de Nietzsche era nazista. Portanto, Nietzsche era nazista.” 6 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 7. RACIOCÍNIO 8 OU 80  Só admite duas possibilidades antagônicas numa determinada questão, mesmo que haja muitas mais, sendo que a pessoa que o utiliza está, claro, do lado certo.  Exemplos:  A Bíblia alega ser a Palavra de Deus e sem erros. Se você achar um erro nela, então ela tem de estar totalmente errada.  Fulana tinha câncer e fez uma “cirurgia espiritual” para ajudar na cura. E, de fato, ela se curou. Ou a cura de Fulana na ‘cirurgia espiritual’ foi um milagre de Deus ou um prodígio do demônio. Deus não age nessa religião. Então, só pode ter sido obra de Satanás.” 7 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 8. GENERALIZAÇÃO APRESSADA  Julgar todas as coisas de um determinado universo com base numa amostragem muito pequena. Esse tipo de raciocínio facilmente leva ao preconceito.  Exemplos:  A) Nas duas vezes em que fui assaltado, os bandidos eram negros. Bem que minha mãe fala que todo negro tem tendência para ladrão!  B) “Fulano entrou para a igreja X e ficou fanático. Logo, todos os fiéis da igreja X são fanáticos.” 8 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 9. ATAQUE PESSOAL  Argumento em que se usam as próprias palavras do adversário para contestá-lo.  Consiste simplesmente em atacar uma pessoa em vez dos argumentos que ela expõe, usar um traço de seu caráter como pretexto para desqualificar ou ignorar o que ela diz. Pode ser usado quando não se sabe como refutar o que o oponente diz ou simplesmente por excesso de preconceito, sendo um meio muito cômodo (e desonesto) de fugir do debate. 9 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 10. EXEMPLOS  O senhor não tem autoridade para criticar nossa política educacional, pois nunca concluiu uma faculdade.  Beltrano não entende nada de espiritualidade, ele é gay.  A religião é uma coisa má. Veja só quantas guerras foram provocadas por ela.  Não dêem ouvidos ao que ele diz. Como ele abandonou nossa fé, as críticas dele à nossa organização só podem ser mentiras. 10 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 11. CULPA POR ASSOCIAÇÃO / FAÇA O QUE EU DIGO, NÃO O QUE EU FAÇO  Os argumentos da empresa X contra nossa fusão não merecem crédito, pois eles são nossos concorrentes e seus interesses comerciais estão em jogo.  Você diz que o cigarro é um vício horrível, mas ainda não conseguiu parar. Por que eu deveria lhe dar ouvidos, então? 11 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 12. APELO À IGNORÂNCIA / FALTA DE PROVAS  1. “Você não tem provas de que Deus existe. Logo, ele não existe.”  2. “Você não tem provas de que Deus não existe. Logo, ele existe.”  3. “É claro que houve um dilúvio; ninguém nunca conseguiu provar que não houve.” Acontece que a mera falta de provas não prova nada. No máximo, pode sugerir, mas nunca fechar questão. . 12 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 13. OUTRO EXEMPLO: CRIACIONISMO  . O ‘elo perdido’ entre o homem e os primatas não foi encontrado até hoje. Isso nos mostra que a Teoria da Evolução está errada e o livro bíblico de Gênese é que está com a razão ao falar da criação do primeiro casal por Deus. Aqui o autor da frase, além de reduzir toda a Teoria da Evolução ao caso do Homo sapiens, esqueceu que o fato de que se ela, hipoteticamente, está errada, não quer dizer que o Gênese esteja certo. 13 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 14. APELO À MULTIDÃO  Quem conhece a expressão “maria-vai-com-as- outras” certamente saberá quando uma falácia de apelo à multidão está sendo usada. Basicamente, esse é o tipo de raciocínio que diz “se todos fazem, então eu devo fazer também”.  Lembre-se de quando Pôncio Pilatos perguntou à multidão: "Qual quereis que vos solte, Barrabás ou Jesus, chamado o Cristo?” 14 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 15. EXEMPLOS  1. Você não acha que se uma religião cresce tanto em tão pouco tempo é porque Deus está com ela?  2. Dez milhões de pessoas não podem estar erradas. Junte-se à nossa igreja você também.  3. Isso é uma verdade tão sublime que um milhão de pessoas já a aceitaram como regra de fé.  O fato de tantas pessoas acreditarem em algo não significa que seja verdade. A voz do povo não é a voz de Deus. 15 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 16. APELO AO MEDO / TEMOR DAS CONSEQUÊNCIAS  Eu acredito que o bicho-papão mora no armário, você não acredita. Se eu estiver errado, não terei perdido nada. Mas já parou para pensar que, se eu estiver certo e você errado, ele pode devorar você?  É melhor você votar pela condenação do réu ou você pode ser a próxima vítima dele.  Quando alguém usa um argumento do medo, está na realidade dizendo que, se uma idéia ou concepção nos assusta, então é melhor crer que ela é verdade, mesmo que não haja uma razão lógica para demonstrá-la. 16 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 17.   APELO À TRADIÇÃO: QUANTO MAIS ANTIGO MELHOR  1. A astrologia é uma arte adivinhatória praticada há milhares de anos no Oriente. Conta-se que os antigos reis da Babilônia teriam feito uso dela para saber os dias mais propícios para as batalhas. Até os imperadores chineses recorriam aos astros para guiarem seus passos no governo. Com esse currículo respeitável, é inadmissível que ainda não a considerem uma ciência.  2. É claro que existem duendes, as lendas sobre eles têm séculos e séculos de existência. A escravidão era considerada justificável em várias nações durante milênios, e nem por isso, hoje, temos que aceitá-la como uma prática legítima. 17 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 18. APELO À AUTORIDADE: USAR CELEBRIDADES NAS PROPAGANDAS  O bom senso exige que, antes de nos curvarmos a títulos e fama, procuremos saber que argumentos estão sendo usados e se eles realmente merecem crédito. Afinal, mesmo os sábios têm suas falhas e equívocos.  Exemplo: Dionne Warwick é uma boa cantora, mas isso não significa que o serviço esotérico por telefone para o qual ela faz propaganda realmente funcione e seja a solução de todos os problemas da vida. 18 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 19. EUFEMISMOS: SÃO PALAVRAS QUE DESIGNAM COISAS POTENCIALMENTE DESAGRADÁVEIS DE FORMA MAIS SUAVE.  Seu apogeu está no uso de expressões consideradas politicamente corretas, tão populares nos Estados Unidos, e que chegam a ser ridículas:  1. Indivíduo verticalmente desafiado – anão.  2. Apropriar-se ilicitamente de dinheiro público – roubar dinheiro público.  3. Ser convidado a retirar-se do recinto – ser expulso do recinto.  Se eufemismos são usados com muita freqüência, pode ser o caso de que nosso interlocutor esteja tentando minimizar ou disfarçar alguma coisa. 19 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 20. PREMISSAS CONTRADITÓRIAS: AS BASES DO ARGUMENTO SÃO MUTUAMENTE EXCLUDENTES  1. O que acontece quando uma força irresistível encontra um obstáculo irremovível?  Ora, o erro aqui é que não existe força irresistível. Se existisse, então não haveria um obstáculo irremovível, e vice-versa. Logo, se a pergunta não é coerente consigo mesma, não pode haver resposta.  “Deus é o criador onisciente de todas as coisas. Então ele também criou o mal? Não, o mal é criação das suas criaturas.”  Se Deus é o criador de tudo, e ainda por cima onisciente (ou seja, sabedor de tudo, mesmo do futuro), como se pode dizer que o mal não é também criação dele? 20 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 21.   REDUÇÃO AO ABSURDO: UM SIMPLES EMPURRÃO BASTA PARA QUE SE PERCA TOTALMENTE O CONTROLE  . Você permite que seu filho de seis anos roube um beijo na bochecha da coleguinha de escola hoje e logo ele vai querer agarrá-la e, mais tarde, se tornará um maníaco sexual. Você não tem vergonha?  A falácia relaciona o beijo ao comportamento doentio sem qualquer motivo aparente, ignorando todos os graus entre uma coisa e outra. 21 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP
  • 22. OUTROS EXEMPLOS  2. Se você permite o aborto em casos de risco de vida para a mãe nos hospitais públicos, logo todo o mundo vai querer abortar por qualquer motivo, ninguém mais vai valorizar a gravidez e a taxa de natalidade vai acabar despencando, prejudicando a economia do país.  3. A crença na vida após a morte é perniciosa, pois quem acredita nisso sempre vai achar que as coisas vão melhorar no Além e, portanto, vai se acomodar à sua situação atual, não lutar por seus direitos e permanecer em tamanha inatividade que a nação logo vai estar subjugada pelos exploradores internacionais. É por isso que nosso país seria muito melhor se todos fossem ateus.  7. Se você cumprimentar aquele seu amigo que abandonou nossa igreja, ele vai encher sua cabeça de mentiras, você vai perder a fé e vamos ter de tratar você como um traidor também. 22 Prof.HélioConsolaro-Araçatuba-SP