SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Descentralização, Desconcentração e
Dimensão Territorial da Política de CT&I Brasil
Apresentação: Fórum Nacional CONSECTI e CONFAP
Mariano de Matos Macedo (UFPR)
Macapá, 12/11/2012
           Centro de Gestão e Estudos Estratégicos
           Ciência, Tecnologia e Inovação
Descentralização/Desconcentração da Política de
CT&I no Brasil




     • Conceitos: Descentralização e Desconcentração

     • Descentralização e Desconcentração na Política de CT&I

     • Periodização ou fases do processo de descentralização

     • Características do processo de descentralização

     • Uma nova fase do processo de descentralização?




     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                   Slide   2
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Conceitos: Descentralização x Desconcentração




     Descentralização                          Desconcentração




              2 eixos estratégicos da Política de CT&I



  Estudo: “Descentralização do fomento à ciência, tecnologia e
  inovação no Brasil”(CGEE, 2010).
     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                     Slide   3
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Conceitos: Descentralização x Desconcentração

  • Descentralização: distribuição de funções entre diferentes
  níveis de governo (federal, estadual e municipal) e/ou entre
  esses níveis e instituições do setor privado.
             • 2 dimensões: federativa e público-privada.

  • 2 cortes analíticos: a descentralização de competências e a
  descentralização da autoridade decisória.
             • cortes que nem sempre correm juntos.


  • Desconcentração: iniciativas do Governo Federal que levam a
  uma maior dispersão espacial da base de CT&I. Ex.: Expansão
  da Rede das Universidades Federais e dos IFETs.



     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                Slide   4
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Descentralização e Desconcentração na Política de
CT&I


 • Dada a histórica desigualdade da distribuição regional da
 base de C&T que marca a Federação Brasileira, as iniciativas
 de desconcentração constituem não só um fator de
 desenvolvimento regional/local, mas também um indutor de
 processos de descentralização de ações na área CT&I.

 • A desconcentração favorece a expansão da capacitação
 regional na área de CT&I e, portanto, do potencial local de
 clientela dos programas federais.




     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos              Slide   5
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Fases do processo de descentralização




 • Até anos 50 - Descentralização difusa: ações dispersas e
 desarticuladas dos governos federais e estaduais.


 • Anos 60/70 - Período de centralização a nível federal, com a
 criação do FNDCT, FINEP, EMBRAPA, SNDCT, etc.




     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                Slide   6
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Fases do processo de descentralização

 • Anos 80/90 - Descentralização restringida: iniciativas do
 Governo Federal, restringidas pela precariedade das bases
 financeiras e institucionais necessárias à estruturação do
 processo.

    • Tentativa de estruturação de SEDCT articulados ao III
    PBDCT (CNPq, 1980).

    • Iniciativas de descentralização público-privada por parte
    do Governo Federal (p. ex., PBQP, 1990; SOFTEX,
    1992/1996).

    • Criação de Fundos Estaduais de C&T e FAPs, em
    decorrência da CF de 1988 e das CEs (> 1990). Esses
    Fundos e as FAPs vão se constituir como bases financeiras
    e institucionais do processo, a partir do final dos anos 90.

     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                 Slide   7
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Fases do processo de descentralização
 • A partir do final dos anos 90 - Descentralização estruturada:
 estruturação das bases financeiras e institucionais e avanço do
 processo.

    • Fundos Setoriais de C&T (> 1997), com no mínimo 30%
      dos recursos para as regiões NO, NE e CO.

    • Leis Federal e Estaduais de Inovação (> 2004).

    • Carta de Salvador (2004).

    • Expansão dos programas federais em parceria com
      instituições estaduais (PPSUS, 2004; PAPPE, 2006; INCT,
      2008; e TECNOVA, 2012) e do setor privado (Juro Zero,
      2004; PAPPE Subvenção, 2006; PAPPE Integração,
      2010).

    • Fortalecimento das instituições estaduais de CT&I (FAPs e
       SECTs): criação do CONSECTI (2005) e do CONFAP
       (2007).
     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                 Slide   8
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Características do processo de descentralização

 • Processo complexo, com diferentes recortes institucionais,
   mas cada vez mais estruturado, apesar de pactuado, não
   regulado por legislação específica e sem formato único (≠ SUS).

 • Processo convergente com a proatividade das instâncias
   estaduais e que vem implicando na adaptação de programas
   federais a realidades locais, com uma maior capilaridade,
   aumento dos recursos aplicados em CT&I e diversificação de
   atores locais (ICTs, empresas, etc).: papel estratégico das
   SECTs e FAPs.

 • Processo que vem sendo potencializado pelas iniciativas de
   desconcentração.

 • Processo que avança e fomenta um SNCTI cada vez mais
   sistêmico, nas suas diversas escalas (nacional e sub-
   nacionais): novos atores, redes (PPSUS, INCTs, SIBRATEC, etc.), etc.
     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                        Slide   9
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Uma nova fase do processo de descentralização?
  • Essas características ou tessitura do processo            de
  descentralização podem levá-lo à uma nova fase:

     • Avanços da descentralização, articulados a iniciativas de
     desconcentração por parte do Governo Federal, mas com
     uma crescente dimensão territorial.

     • Território como catalizador e locus da articulação
     sistêmica e da integração de políticas públicas
     estruturantes, a exemplo das políticas de CT&I.

     • Dimensão territorial que influencie, organize e reflita o
     conjunto das políticas de CT&I e a sua articulação com
     demais políticas públicas estruturantes ou escalas de
     planejamento (sistema de logística, sistema de cidades e
     padrão da oferta de bens e serviços).
     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                 Slide   10
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Uma nova fase do processo de descentralização?


  • Nessa perspectiva, as Políticas de CT&I (centralizadas,
  descentralizadas, etc.) vão além de seus recortes regionais
  formais (p. ex., obrigatoriedade de aplicação de percentual do
  FNDCT nas Regiões NO, NE e CO) ou de programas ou
  projetos tópicos, setoriais, atomizados ou dispersos no espaço.

  • Essas Políticas tendem a incorporar, cada vez mais, uma
  dimensão territorial.

  • A noção de território cataliza o potencial de articulação
  multissetorial e multiescalar das políticas das políticas de CT&I.
  A centralidade dessas políticas no contexto das diversas
  políticas setoriais reafirma a sua dimensão territorial.



     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                    Slide   11
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Dimensão Territorial das Políticas de CT&I: conexões

  Escalas Espaciais      Do Continental ao Nacional         Do Nacional ao Mesorregional         Do Mesorregional ao Microrregional, Supralocal e ao
   de Referência                                                                                                          Lugar
                                                                                                Padrão de Oferta de Bens e Serviços e Provisão de
  Meios/Escalas de           Sistema de Logística                Sistema de Cidades             Infraestruturas de Utilidade Pública
   Planejamento
                                                                                Eixo Estratégico:
                        ⋅ Redução das desigualdades, mercado interno de consumo de massa, coesão social e territorial, usos sustentável dos recursos ,
  Eixo Estratégico e
                          progresso técnico e inserção internacional competitiva
  Macropolíticas de
                                                                                 Macropolíticas
     Referência
                        ⋅ ENCT 2012-2015; PNDR; Políticas de Rendas; Política de Reserva de 30% da aplicação do FNDCT para as regiões NO, NE e CO;
                          etc.

                                                        Plano Brasil Maior                    Ações Descentralizadas: CVTs; Territórios da
    Políticas e/ou      Integração Sul Americana e                                            Cidadania; Territórios Rurais; PRONIC; PRONATEC
      Programas         infra-estrutura - IIRSA; PAC;   Desconcentração das ações de CT&I: (inclusão produtiva).
Governamentais com      PNLT; PNE; Plano Nacional       Rede das Universidades Federais;
 expressivo potencial   de Mineração 2030; Plano        Rede dos IFETs; Rede Embrapa; Rede Programas da SID, Secis e de Economia Solidária:
 de agregar dimensão    de          Desenvolvimento     Fiocruz; etc.                         Inclusão digital, Assistência Técnica e Tecnologias
     territorial no     Integrado       da      Faixa                                         Sociais.
planejamento de CT&I    Fronteiriça Brasileira          Descentralização das ações de CT&I:
                                                        PRONATEC; ProUni; PPSUS; INCTs;
                                                        TECINOVA;           PAPPE-Integração;
                                                        SIBRATEC; etc.
 Natureza da Coesão        Coesão Físico-Produtiva                 Coesão Econômica                               Coesão Social

Fonte: “Dimensão territorial no planejamento de CT&I” (CGEE, 2012) .


              Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                                                                                      Slide   12
              Ciência, Tecnologia e Inovação
Uma nova fase do processo de descentralização?
  • Exemplos de inciativas que caracterizam essa nova fase:

  • Plano de Ação em CT&I para o Desenvolvimento da Amazônia
  (2012).

             • Objetivo: Plano como vetor de transformação da
             realidade regional e, que tenha como eixo estratégico a
             biodiversidade regional e o potencial de transformação
             socioeconômico que o aproveitamento sustentável do
             patrimônio biológico da Amazônia pode oferecer à
             estratégia nacional de desenvolvimento.




     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                     Slide   13
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Uma nova fase do processo de descentralização?
  • Exemplos de inciativas que caracterizam essa nova fase:

  • A experiência do CGEE, em 2008 - Agenda Estratégica em
  CT&I para o Desenvolvimento Regional: Região Nordeste

             • Objetivo: proposta de agenda estratégica em C,T&I
             para essa região, capaz de convergir ações realizadas
             por meio de diversas instituições, públicas ou privadas,
             dentro de uma perspectiva regional de desenvolvimento.

             • Possível desdobramento dessa experiência para a
             construção de um plano de ação em CT&I para o
             desenvolvimento do Nordeste, mais estruturado na sua
             dimensão territorial.




     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                      Slide   14
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Uma nova fase do processo de descentralização?


  • Pressuposto básico de iniciativas desse tipo:

     • A referência ao território é relevante para articular as bases
     produtiva e técnico-científica, no âmbito de um acordo de
     caráter tácito centrado em ações na área de CT&I.

     • Articulação com a ENCTI 2012-2015: a “construção de
     agendas regionais de tecnologia e inovação, alinhadas com
     iniciativas federais, (...), é parte essencial das ações que
     pretendam reduzir as disparidades de renda, de capacidade
     tecnológica e de condições de vida e de trabalho, tanto entre
     regiões como no interior de cada região”




     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                     Slide   15
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Uma nova fase do processo de descentralização?:
alguns desafios
 • Desenvolvimento                             da   capacidade   de   “Governança
 Territorial”


    • Esse tipo de Governança implica fundamentalmente em
    inovações institucionais relativas à constituição de arenas
    e instâncias em que se busque comprometimentos e
    alianças que possibilitem lançar mão de instrumentos e
    recursos diversos que favoreçam a convergência das
    ações estratégicas em CT&I no/do território em direção
    aos objetivos colocados como relevantes para o
    planejamento.


    • Papel estratégico do MCT, do CONSECTI, do CONFAP,
    dos Governos Estaduais, instituições do setor privado, etc.
     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                                   Slide   16
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Descentralização e dimensão territorial da Política
de CT&I: alguns desafios
 • Articulação com a Política Nacional de Desenvolvimento
 Regional (Fase II)
     • Premissa: “A PNDR II, na condição de política de coesão
     econômica e social, deve exprimir a solidariedade [ou a
     “coerência estruturada”] entre as unidades da federação, as
     regiões brasileiras em suas múltiplas escalas e o Governo
     Federal”.
     • Qualquer plano de ação em CT&I em uma determinada
     escala (p. ex., Amazônia) depende do encaminhamento de
     “coerências estruturadas”’ na escala do Território Nacional.


     • Articulação com o Plano Brasil Maior (PBM)
     • Iniciativas de “territorialização” do PBM no âmbito da Rede
     Nacional de Política Industrial - RENAPI (ABDI).
     Centro de Gestão e Estudos Estratégicos                   Slide   17
     Ciência, Tecnologia e Inovação
Obrigado pela atenção!




Centro de Gestão e Estudos Estratégicos          Slide   18
Ciência, Tecnologia e Inovação

Mais conteúdo relacionado

Destaque (14)

Experiências - Escola de Saúde Pública do PR
Experiências  - Escola de Saúde Pública do PRExperiências  - Escola de Saúde Pública do PR
Experiências - Escola de Saúde Pública do PR
 
Experiências - Fiocruz Amazonas
Experiências  -  Fiocruz AmazonasExperiências  -  Fiocruz Amazonas
Experiências - Fiocruz Amazonas
 
Descentralização e municipalização da educação
Descentralização e municipalização da educaçãoDescentralização e municipalização da educação
Descentralização e municipalização da educação
 
Anvisa
AnvisaAnvisa
Anvisa
 
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe
SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDeSaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe
 
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da SaúdeVigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
 
Vigilância Sanitária - Cartilha
Vigilância Sanitária -  CartilhaVigilância Sanitária -  Cartilha
Vigilância Sanitária - Cartilha
 
Delegação, centralização e descentralização 2012_01
Delegação, centralização e descentralização 2012_01Delegação, centralização e descentralização 2012_01
Delegação, centralização e descentralização 2012_01
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Política de saúde no Brasil
Política de saúde no Brasil Política de saúde no Brasil
Política de saúde no Brasil
 
Ética e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagemÉtica e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagem
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Introdução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do TrabalhoIntrodução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do Trabalho
 

Semelhante a Descentralização da política de CT&I no Brasil

Sectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICO
Sectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICOSectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICO
Sectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICOGeraldo Aguiar
 
Política de regionalização do SUS em debate: avanços e impasses da implementa...
Política de regionalização do SUS em debate: avanços e impasses da implementa...Política de regionalização do SUS em debate: avanços e impasses da implementa...
Política de regionalização do SUS em debate: avanços e impasses da implementa...Região e Redes
 
Tic centros-publicos-de-acesso-2013-12112014
Tic centros-publicos-de-acesso-2013-12112014Tic centros-publicos-de-acesso-2013-12112014
Tic centros-publicos-de-acesso-2013-12112014Alessandro Maia
 
Consulta Pública - Estratégia nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação
Consulta Pública - Estratégia nacional de Ciência, Tecnologia e InovaçãoConsulta Pública - Estratégia nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação
Consulta Pública - Estratégia nacional de Ciência, Tecnologia e InovaçãoBrasscom
 
Acordo de Parceria_PORTUGAL 20202_sintese
Acordo de Parceria_PORTUGAL 20202_sinteseAcordo de Parceria_PORTUGAL 20202_sintese
Acordo de Parceria_PORTUGAL 20202_sinteseLuís Coito
 
Planejamento Estratégico ABDI, 2015
Planejamento Estratégico ABDI, 2015Planejamento Estratégico ABDI, 2015
Planejamento Estratégico ABDI, 2015Jackson De Toni
 
Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 5)
Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 5)Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 5)
Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 5)Edinho Silva
 
Pdtic secop 290811
Pdtic secop 290811Pdtic secop 290811
Pdtic secop 290811ITEC ALAGOAS
 
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAISINOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAISInovatec JF
 
1 política nacional de desenvolvimento regional sergio duarte de castro
1 política nacional de desenvolvimento regional   sergio duarte de castro1 política nacional de desenvolvimento regional   sergio duarte de castro
1 política nacional de desenvolvimento regional sergio duarte de castrogovcepamsp
 
1 política nacional de desenvolvimento regional sergio duarte de castro
1 política nacional de desenvolvimento regional   sergio duarte de castro1 política nacional de desenvolvimento regional   sergio duarte de castro
1 política nacional de desenvolvimento regional sergio duarte de castrogovcepamsp
 

Semelhante a Descentralização da política de CT&I no Brasil (20)

Descentralizacao
DescentralizacaoDescentralizacao
Descentralizacao
 
Apresentação ciki
Apresentação cikiApresentação ciki
Apresentação ciki
 
ICT and Innovation
ICT and InnovationICT and Innovation
ICT and Innovation
 
Sectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICO
Sectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICOSectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICO
Sectec - UM OLHAR SISTÊMICO-HOLÍSTICO E HISTÓRICO
 
03951a
03951a03951a
03951a
 
Política de regionalização do SUS em debate: avanços e impasses da implementa...
Política de regionalização do SUS em debate: avanços e impasses da implementa...Política de regionalização do SUS em debate: avanços e impasses da implementa...
Política de regionalização do SUS em debate: avanços e impasses da implementa...
 
Tic centros-publicos-de-acesso-2013-12112014
Tic centros-publicos-de-acesso-2013-12112014Tic centros-publicos-de-acesso-2013-12112014
Tic centros-publicos-de-acesso-2013-12112014
 
Consulta Pública - Estratégia nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação
Consulta Pública - Estratégia nacional de Ciência, Tecnologia e InovaçãoConsulta Pública - Estratégia nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação
Consulta Pública - Estratégia nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação
 
Acordo de Parceria_PORTUGAL 20202_sintese
Acordo de Parceria_PORTUGAL 20202_sinteseAcordo de Parceria_PORTUGAL 20202_sintese
Acordo de Parceria_PORTUGAL 20202_sintese
 
Planejamento Estratégico ABDI, 2015
Planejamento Estratégico ABDI, 2015Planejamento Estratégico ABDI, 2015
Planejamento Estratégico ABDI, 2015
 
Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 5)
Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 5)Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 5)
Balanço Final do Governo Lula - livro 1 (cap. 5)
 
Leandro Couto - Agendas de Desenvolvimento Territorial - 2013
Leandro Couto - Agendas de Desenvolvimento Territorial - 2013Leandro Couto - Agendas de Desenvolvimento Territorial - 2013
Leandro Couto - Agendas de Desenvolvimento Territorial - 2013
 
Pdtic secop 290811
Pdtic secop 290811Pdtic secop 290811
Pdtic secop 290811
 
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAISINOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
INOVAÇÃO - A ESTRATÉGIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
 
1 política nacional de desenvolvimento regional sergio duarte de castro
1 política nacional de desenvolvimento regional   sergio duarte de castro1 política nacional de desenvolvimento regional   sergio duarte de castro
1 política nacional de desenvolvimento regional sergio duarte de castro
 
1 política nacional de desenvolvimento regional sergio duarte de castro
1 política nacional de desenvolvimento regional   sergio duarte de castro1 política nacional de desenvolvimento regional   sergio duarte de castro
1 política nacional de desenvolvimento regional sergio duarte de castro
 
Licitação_Pronatec
Licitação_PronatecLicitação_Pronatec
Licitação_Pronatec
 
Crer2020
Crer2020Crer2020
Crer2020
 
Palestra BáSica 06 07 09
Palestra BáSica 06 07 09Palestra BáSica 06 07 09
Palestra BáSica 06 07 09
 
Como os objetivos globais se transformam em objetivos locais?
Como os objetivos globais se transformam em objetivos locais?Como os objetivos globais se transformam em objetivos locais?
Como os objetivos globais se transformam em objetivos locais?
 

Mais de Confap

Relatório de Atividades 2012 | Fapemig
Relatório de Atividades 2012 | FapemigRelatório de Atividades 2012 | Fapemig
Relatório de Atividades 2012 | FapemigConfap
 
Código da Ciência: o problema está na Lei 8.666
Código da Ciência: o problema está na Lei 8.666Código da Ciência: o problema está na Lei 8.666
Código da Ciência: o problema está na Lei 8.666Confap
 
Plano Inova Empresa
Plano Inova Empresa   Plano Inova Empresa
Plano Inova Empresa Confap
 
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologiaIniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologiaConfap
 
O novo Código da Ciência
O novo Código da CiênciaO novo Código da Ciência
O novo Código da CiênciaConfap
 
Relatório Fundação Araucária | Atividades 2012
Relatório Fundação Araucária | Atividades 2012Relatório Fundação Araucária | Atividades 2012
Relatório Fundação Araucária | Atividades 2012Confap
 
O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira
O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira
O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira Confap
 
Roque confap
Roque confapRoque confap
Roque confapConfap
 
International Colaboration - Inria/Faps
International Colaboration - Inria/FapsInternational Colaboration - Inria/Faps
International Colaboration - Inria/FapsConfap
 
Propostas para o Edital Faps e Inria
Propostas para o Edital Faps e InriaPropostas para o Edital Faps e Inria
Propostas para o Edital Faps e InriaConfap
 
Relatório Fapesc
Relatório FapescRelatório Fapesc
Relatório FapescConfap
 
The European Union and Brazil: Cooperation in Science and Technology
The European Union and Brazil: Cooperation in Science and Technology The European Union and Brazil: Cooperation in Science and Technology
The European Union and Brazil: Cooperation in Science and Technology Confap
 
Cooperação Técnica entre a Embrapa Gado de Corte e a Prefeitura para Capacit...
Cooperação Técnica entre a  Embrapa Gado de Corte e a Prefeitura para Capacit...Cooperação Técnica entre a  Embrapa Gado de Corte e a Prefeitura para Capacit...
Cooperação Técnica entre a Embrapa Gado de Corte e a Prefeitura para Capacit...Confap
 
Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde PPSUS
Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde PPSUSPrograma Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde PPSUS
Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde PPSUSConfap
 
Análise de desempenho das Faps e CNPq
Análise de desempenho das Faps e CNPq Análise de desempenho das Faps e CNPq
Análise de desempenho das Faps e CNPq Confap
 
Plano Inova Empresa
Plano Inova EmpresaPlano Inova Empresa
Plano Inova EmpresaConfap
 
Sifaps: resultados da avaliação e próximos passos
Sifaps: resultados da avaliação e próximos passos Sifaps: resultados da avaliação e próximos passos
Sifaps: resultados da avaliação e próximos passos Confap
 
Parceria entre Capes e Faps
Parceria entre Capes e FapsParceria entre Capes e Faps
Parceria entre Capes e FapsConfap
 
Ciência sem Fronteiras
Ciência sem FronteirasCiência sem Fronteiras
Ciência sem FronteirasConfap
 
Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento da Ama...
Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento da Ama...Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento da Ama...
Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento da Ama...Confap
 

Mais de Confap (20)

Relatório de Atividades 2012 | Fapemig
Relatório de Atividades 2012 | FapemigRelatório de Atividades 2012 | Fapemig
Relatório de Atividades 2012 | Fapemig
 
Código da Ciência: o problema está na Lei 8.666
Código da Ciência: o problema está na Lei 8.666Código da Ciência: o problema está na Lei 8.666
Código da Ciência: o problema está na Lei 8.666
 
Plano Inova Empresa
Plano Inova Empresa   Plano Inova Empresa
Plano Inova Empresa
 
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologiaIniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
 
O novo Código da Ciência
O novo Código da CiênciaO novo Código da Ciência
O novo Código da Ciência
 
Relatório Fundação Araucária | Atividades 2012
Relatório Fundação Araucária | Atividades 2012Relatório Fundação Araucária | Atividades 2012
Relatório Fundação Araucária | Atividades 2012
 
O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira
O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira
O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira
 
Roque confap
Roque confapRoque confap
Roque confap
 
International Colaboration - Inria/Faps
International Colaboration - Inria/FapsInternational Colaboration - Inria/Faps
International Colaboration - Inria/Faps
 
Propostas para o Edital Faps e Inria
Propostas para o Edital Faps e InriaPropostas para o Edital Faps e Inria
Propostas para o Edital Faps e Inria
 
Relatório Fapesc
Relatório FapescRelatório Fapesc
Relatório Fapesc
 
The European Union and Brazil: Cooperation in Science and Technology
The European Union and Brazil: Cooperation in Science and Technology The European Union and Brazil: Cooperation in Science and Technology
The European Union and Brazil: Cooperation in Science and Technology
 
Cooperação Técnica entre a Embrapa Gado de Corte e a Prefeitura para Capacit...
Cooperação Técnica entre a  Embrapa Gado de Corte e a Prefeitura para Capacit...Cooperação Técnica entre a  Embrapa Gado de Corte e a Prefeitura para Capacit...
Cooperação Técnica entre a Embrapa Gado de Corte e a Prefeitura para Capacit...
 
Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde PPSUS
Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde PPSUSPrograma Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde PPSUS
Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde PPSUS
 
Análise de desempenho das Faps e CNPq
Análise de desempenho das Faps e CNPq Análise de desempenho das Faps e CNPq
Análise de desempenho das Faps e CNPq
 
Plano Inova Empresa
Plano Inova EmpresaPlano Inova Empresa
Plano Inova Empresa
 
Sifaps: resultados da avaliação e próximos passos
Sifaps: resultados da avaliação e próximos passos Sifaps: resultados da avaliação e próximos passos
Sifaps: resultados da avaliação e próximos passos
 
Parceria entre Capes e Faps
Parceria entre Capes e FapsParceria entre Capes e Faps
Parceria entre Capes e Faps
 
Ciência sem Fronteiras
Ciência sem FronteirasCiência sem Fronteiras
Ciência sem Fronteiras
 
Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento da Ama...
Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento da Ama...Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento da Ama...
Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento da Ama...
 

Descentralização da política de CT&I no Brasil

  • 1. Descentralização, Desconcentração e Dimensão Territorial da Política de CT&I Brasil Apresentação: Fórum Nacional CONSECTI e CONFAP Mariano de Matos Macedo (UFPR) Macapá, 12/11/2012 Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 2. Descentralização/Desconcentração da Política de CT&I no Brasil • Conceitos: Descentralização e Desconcentração • Descentralização e Desconcentração na Política de CT&I • Periodização ou fases do processo de descentralização • Características do processo de descentralização • Uma nova fase do processo de descentralização? Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 2 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 3. Conceitos: Descentralização x Desconcentração Descentralização Desconcentração 2 eixos estratégicos da Política de CT&I Estudo: “Descentralização do fomento à ciência, tecnologia e inovação no Brasil”(CGEE, 2010). Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 3 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 4. Conceitos: Descentralização x Desconcentração • Descentralização: distribuição de funções entre diferentes níveis de governo (federal, estadual e municipal) e/ou entre esses níveis e instituições do setor privado. • 2 dimensões: federativa e público-privada. • 2 cortes analíticos: a descentralização de competências e a descentralização da autoridade decisória. • cortes que nem sempre correm juntos. • Desconcentração: iniciativas do Governo Federal que levam a uma maior dispersão espacial da base de CT&I. Ex.: Expansão da Rede das Universidades Federais e dos IFETs. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 4 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 5. Descentralização e Desconcentração na Política de CT&I • Dada a histórica desigualdade da distribuição regional da base de C&T que marca a Federação Brasileira, as iniciativas de desconcentração constituem não só um fator de desenvolvimento regional/local, mas também um indutor de processos de descentralização de ações na área CT&I. • A desconcentração favorece a expansão da capacitação regional na área de CT&I e, portanto, do potencial local de clientela dos programas federais. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 5 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 6. Fases do processo de descentralização • Até anos 50 - Descentralização difusa: ações dispersas e desarticuladas dos governos federais e estaduais. • Anos 60/70 - Período de centralização a nível federal, com a criação do FNDCT, FINEP, EMBRAPA, SNDCT, etc. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 6 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 7. Fases do processo de descentralização • Anos 80/90 - Descentralização restringida: iniciativas do Governo Federal, restringidas pela precariedade das bases financeiras e institucionais necessárias à estruturação do processo. • Tentativa de estruturação de SEDCT articulados ao III PBDCT (CNPq, 1980). • Iniciativas de descentralização público-privada por parte do Governo Federal (p. ex., PBQP, 1990; SOFTEX, 1992/1996). • Criação de Fundos Estaduais de C&T e FAPs, em decorrência da CF de 1988 e das CEs (> 1990). Esses Fundos e as FAPs vão se constituir como bases financeiras e institucionais do processo, a partir do final dos anos 90. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 7 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 8. Fases do processo de descentralização • A partir do final dos anos 90 - Descentralização estruturada: estruturação das bases financeiras e institucionais e avanço do processo. • Fundos Setoriais de C&T (> 1997), com no mínimo 30% dos recursos para as regiões NO, NE e CO. • Leis Federal e Estaduais de Inovação (> 2004). • Carta de Salvador (2004). • Expansão dos programas federais em parceria com instituições estaduais (PPSUS, 2004; PAPPE, 2006; INCT, 2008; e TECNOVA, 2012) e do setor privado (Juro Zero, 2004; PAPPE Subvenção, 2006; PAPPE Integração, 2010). • Fortalecimento das instituições estaduais de CT&I (FAPs e SECTs): criação do CONSECTI (2005) e do CONFAP (2007). Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 8 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 9. Características do processo de descentralização • Processo complexo, com diferentes recortes institucionais, mas cada vez mais estruturado, apesar de pactuado, não regulado por legislação específica e sem formato único (≠ SUS). • Processo convergente com a proatividade das instâncias estaduais e que vem implicando na adaptação de programas federais a realidades locais, com uma maior capilaridade, aumento dos recursos aplicados em CT&I e diversificação de atores locais (ICTs, empresas, etc).: papel estratégico das SECTs e FAPs. • Processo que vem sendo potencializado pelas iniciativas de desconcentração. • Processo que avança e fomenta um SNCTI cada vez mais sistêmico, nas suas diversas escalas (nacional e sub- nacionais): novos atores, redes (PPSUS, INCTs, SIBRATEC, etc.), etc. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 9 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 10. Uma nova fase do processo de descentralização? • Essas características ou tessitura do processo de descentralização podem levá-lo à uma nova fase: • Avanços da descentralização, articulados a iniciativas de desconcentração por parte do Governo Federal, mas com uma crescente dimensão territorial. • Território como catalizador e locus da articulação sistêmica e da integração de políticas públicas estruturantes, a exemplo das políticas de CT&I. • Dimensão territorial que influencie, organize e reflita o conjunto das políticas de CT&I e a sua articulação com demais políticas públicas estruturantes ou escalas de planejamento (sistema de logística, sistema de cidades e padrão da oferta de bens e serviços). Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 10 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 11. Uma nova fase do processo de descentralização? • Nessa perspectiva, as Políticas de CT&I (centralizadas, descentralizadas, etc.) vão além de seus recortes regionais formais (p. ex., obrigatoriedade de aplicação de percentual do FNDCT nas Regiões NO, NE e CO) ou de programas ou projetos tópicos, setoriais, atomizados ou dispersos no espaço. • Essas Políticas tendem a incorporar, cada vez mais, uma dimensão territorial. • A noção de território cataliza o potencial de articulação multissetorial e multiescalar das políticas das políticas de CT&I. A centralidade dessas políticas no contexto das diversas políticas setoriais reafirma a sua dimensão territorial. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 11 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 12. Dimensão Territorial das Políticas de CT&I: conexões Escalas Espaciais Do Continental ao Nacional Do Nacional ao Mesorregional Do Mesorregional ao Microrregional, Supralocal e ao de Referência Lugar Padrão de Oferta de Bens e Serviços e Provisão de Meios/Escalas de Sistema de Logística Sistema de Cidades Infraestruturas de Utilidade Pública Planejamento Eixo Estratégico: ⋅ Redução das desigualdades, mercado interno de consumo de massa, coesão social e territorial, usos sustentável dos recursos , Eixo Estratégico e progresso técnico e inserção internacional competitiva Macropolíticas de Macropolíticas Referência ⋅ ENCT 2012-2015; PNDR; Políticas de Rendas; Política de Reserva de 30% da aplicação do FNDCT para as regiões NO, NE e CO; etc. Plano Brasil Maior Ações Descentralizadas: CVTs; Territórios da Políticas e/ou Integração Sul Americana e Cidadania; Territórios Rurais; PRONIC; PRONATEC Programas infra-estrutura - IIRSA; PAC; Desconcentração das ações de CT&I: (inclusão produtiva). Governamentais com PNLT; PNE; Plano Nacional Rede das Universidades Federais; expressivo potencial de Mineração 2030; Plano Rede dos IFETs; Rede Embrapa; Rede Programas da SID, Secis e de Economia Solidária: de agregar dimensão de Desenvolvimento Fiocruz; etc. Inclusão digital, Assistência Técnica e Tecnologias territorial no Integrado da Faixa Sociais. planejamento de CT&I Fronteiriça Brasileira Descentralização das ações de CT&I: PRONATEC; ProUni; PPSUS; INCTs; TECINOVA; PAPPE-Integração; SIBRATEC; etc. Natureza da Coesão Coesão Físico-Produtiva Coesão Econômica Coesão Social Fonte: “Dimensão territorial no planejamento de CT&I” (CGEE, 2012) . Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 12 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 13. Uma nova fase do processo de descentralização? • Exemplos de inciativas que caracterizam essa nova fase: • Plano de Ação em CT&I para o Desenvolvimento da Amazônia (2012). • Objetivo: Plano como vetor de transformação da realidade regional e, que tenha como eixo estratégico a biodiversidade regional e o potencial de transformação socioeconômico que o aproveitamento sustentável do patrimônio biológico da Amazônia pode oferecer à estratégia nacional de desenvolvimento. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 13 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 14. Uma nova fase do processo de descentralização? • Exemplos de inciativas que caracterizam essa nova fase: • A experiência do CGEE, em 2008 - Agenda Estratégica em CT&I para o Desenvolvimento Regional: Região Nordeste • Objetivo: proposta de agenda estratégica em C,T&I para essa região, capaz de convergir ações realizadas por meio de diversas instituições, públicas ou privadas, dentro de uma perspectiva regional de desenvolvimento. • Possível desdobramento dessa experiência para a construção de um plano de ação em CT&I para o desenvolvimento do Nordeste, mais estruturado na sua dimensão territorial. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 14 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 15. Uma nova fase do processo de descentralização? • Pressuposto básico de iniciativas desse tipo: • A referência ao território é relevante para articular as bases produtiva e técnico-científica, no âmbito de um acordo de caráter tácito centrado em ações na área de CT&I. • Articulação com a ENCTI 2012-2015: a “construção de agendas regionais de tecnologia e inovação, alinhadas com iniciativas federais, (...), é parte essencial das ações que pretendam reduzir as disparidades de renda, de capacidade tecnológica e de condições de vida e de trabalho, tanto entre regiões como no interior de cada região” Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 15 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 16. Uma nova fase do processo de descentralização?: alguns desafios • Desenvolvimento da capacidade de “Governança Territorial” • Esse tipo de Governança implica fundamentalmente em inovações institucionais relativas à constituição de arenas e instâncias em que se busque comprometimentos e alianças que possibilitem lançar mão de instrumentos e recursos diversos que favoreçam a convergência das ações estratégicas em CT&I no/do território em direção aos objetivos colocados como relevantes para o planejamento. • Papel estratégico do MCT, do CONSECTI, do CONFAP, dos Governos Estaduais, instituições do setor privado, etc. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 16 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 17. Descentralização e dimensão territorial da Política de CT&I: alguns desafios • Articulação com a Política Nacional de Desenvolvimento Regional (Fase II) • Premissa: “A PNDR II, na condição de política de coesão econômica e social, deve exprimir a solidariedade [ou a “coerência estruturada”] entre as unidades da federação, as regiões brasileiras em suas múltiplas escalas e o Governo Federal”. • Qualquer plano de ação em CT&I em uma determinada escala (p. ex., Amazônia) depende do encaminhamento de “coerências estruturadas”’ na escala do Território Nacional. • Articulação com o Plano Brasil Maior (PBM) • Iniciativas de “territorialização” do PBM no âmbito da Rede Nacional de Política Industrial - RENAPI (ABDI). Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 17 Ciência, Tecnologia e Inovação
  • 18. Obrigado pela atenção! Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Slide 18 Ciência, Tecnologia e Inovação