A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto

1.123 visualizações

Publicada em

Bianca Amaro, João Moreira e José Carvalho - A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto

  1. 1. Cooperação Luso-Brasileira no Acesso Aberto Bianca Amaro Coordenadora do Laboratório>, IBICT marisa@ibict.br João Mendes Moreira Gestor RCAAP, FCCN jmm@fccn.pt Milton Shintaku Técnico de TI, IBICT @ibict.br José Carvalho Gestor Operacional RCCAP, SDUM jcarvalho@sdum.uminho.pt
  2. 2. 1. Enquadramento 2. Serviços 3. Conclusões 4. Trabalho futuro
  3. 3. Enquadramento ● Memorando de entendimento 30/01/2015 3RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  4. 4. Pontos do Memorando ● Integração entre RCAAP, português e o OASIS.br, brasileiro ● Integração do acervo da Biblioteca Digital de Camões ● Estabelecimento de directórios Luso-Brasileiros de revistas científicas e dos repositórios institucionais ● Criação de uma Biblioteca Digital Luso-Brasileira de Teses e Dissertações ● Sistema integrado de metadados e procura ● Realização anual conjunta de um encontro internacional 30/01/2015 4RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  5. 5. Pontos do Memorando (versão simplificada) i. Sistema integrado de metadados e procura (Portal) • Repositórios Institucionais PT-BR • Teses e dissertações (Biblioteca Digital PT-BR) • Biblioteca Digital de Camões ii. Directório Luso-Brasileiro de revistas e repositórios iii. Realização anual conjunta de um encontro internacional 30/01/2015 5RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  6. 6. Arranque do projecto ● Após vários contactos iniciais (iniciados em Novembro de 2009) foi marcada uma reunião de kick- off. ● Reunião realizou-se nas instalações do IBICT, em Brasília a 8 de Março ● Participantes: ● RCAAP – Eloy Rodrigues, João Moreira, José Carvalho, Miguel Ferreira; ● IBICT/OASIS- Emir Suaiden, Hélio Kuramoto, Marisa Brascher, Bianca Amaro, Gabriel Mathias, Sueli Maffia 30/01/2015 6RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  7. 7. Reunião inicial Agenda 1. Boas vindas e apresentações 2. Apresentação da situação portuguesa 3. Apresentação da situação brasileira 4. Integração dos portais de pesquisa 5. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações 6. Directórios luso-brasileiros de repositórios e revistas 7. Conferência Luso-Brasileiro de Acesso Livre 8. Cooperação entre projectos RCAAP / OASIS 30/01/2015 7RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal Apresentações da reunião: http://projecto.rcaap.pt/downloads/ApresentacoesReuniaoLusoBrasileira01.zip
  8. 8. 1. Enquadramento 2. Actividades/Serviços a) Portal b) Directório c) Cooperação 3. Conclusões 4. Trabalho futuro
  9. 9. Portal RCAAP Objectivos i. Sistema integrado de metadados e procura (Portal) • Repositórios • Teses e dissertações • Biblioteca Digital de Camões Pontos em aberto ● Tipo de Interface ● Tipo plataforma ● Normas/standards ● Modelo de agregação ● Conteúdos (RI, TD) 30/01/2015 9RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  10. 10. Portal – Tipo de interface - C1: 1 único interface (autonomia, aspectos de gestão) - C2: Interface comum + individual (dispersão para utilizadores, desperdício de recursos) - C3: um interface por cada país com agregação de metadados ● Permite a personalização da informação ● Adequação ao contexto nacional ● Independência e autonomia de cada lado 30/01/2015 10RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  11. 11. Portal-Modelo Agregação 1: centralizado ● Vantagens ● Facilidade de gestão ● Capacidade de desenvolver interfaces OAI específicas para adaptar os metadados de cada repositório ● Desvantagens ● Ausência de noção do número de repositórios agregados ● Impossibilidade de filtrar por repositório 30/01/2015 11RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  12. 12. Portal-Modelo Agregação 2: Distribuído ● Vantagens ● Possibilidade de identificar repositórios agregados ● Capacidade de filtrar por repositório ● Desvantagens ● Dificuldades de gestão ● Dificuldades no cumprimento de directrizes de cada portal nacional 30/01/2015 12RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  13. 13. Portal - Conteúdos ● Brasil 1) TD (BDTD) 2) Literatura científica (RI) 3) RC (SEER) 4) RC (Scielo) ● Portugal 1) TD + Literatura científica (RI) 2) RC (Scielo) 30/01/2015 13RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal BDTD Scielo.br Scielo.ptSEER
  14. 14. Portal – Acesso conteúdos ● País (novo) ● Colecção (novo) ● Autor ● Data ● Tipo de documento ● Repositório ● Assunto 30/01/2015 14RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal IR 1 IR 2 IR NSARI N SARI 2
  15. 15. Portal-Conclusões ● Tipo de Interface: um portal por país ● Normas/standards: DRIVER ● Modelo de agregação: Central ● Conteúdos (IR, BDTD): colecção, 2 filtros 30/01/2015 15RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  16. 16. Portal Evolução V1 2008 • Pesquisa simples • Pesquisa avançada • Filtros, refinamentos e ordenação • Directório • Nuvem de Assuntos e pesquisas • Acessibilidades AAA • RSS V2 2009 • Pesquisa no texto integral • Data provider através de OAI-PMH • Administração do repositório renovada V3 2010 • Integração com OASIS.br • Referências Bibliográficas • Web 2.0 • Novo directório • Integração DeGóis 30/01/2015 16RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  17. 17. Demo Portal PT
  18. 18. Portal Oasis - contexto ● Surgimento revistas científicas eletrônicas ● Existência de alguns repositórios digitais (BDJUR, PUC-RJ) ● Volume significativo de ETD ● Ausência de provedor de serviço ● Necessidade de integração 30/01/2015 18RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  19. 19. Portal Oasis - 2006 ● 1ª versão do Portal ● Registro voluntário de revistas e repositórios ● Solução pouco confiável ● Inserção de objetos digitais inadequados
  20. 20. Portal Oasis - 2010 ● Reformulação (apoio Finep) ● Controle da agregação de provedores de dados ● Utilização de motor de busca robusto ● Incentivo à implantação de RI em nível nacional ● Grande volume de revistas eletrônicas ● 118.705 registros
  21. 21. Portal Oasis – ações futuras ● Ajustes finais ● Adequação às diretrizes Driver ● Integração com iniciativas internacionais ● Marketing
  22. 22. Demo Portal BR
  23. 23. Directório Objectivo ii. Directório Luso- Brasileiro de revistas e repositórios Pontos em aberto ● Tipo de Interface ● Tipo de plataforma ● Modelo de agregação ● Normas/standards 30/01/2015 23RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  24. 24. Directório – Tipo de Interface ● C1: Usar sistemas existentes como o DOAJ e DOAR ● C2: Criar um sistema luso-brasileiro comum com gestão partilhada e utilizando API’s para partilha dos dados ● C3: Desenvolver Directório Portal RCAAP para suportar revistas 30/01/2015 24RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  25. 25. Directório Tipo de Plataforma ● Utilização da plataforma Dspace Modelo agregação/normas ● Actualização por OAI-PMH 30/01/2015 25RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  26. 26. Funcionamento Directório Brasileiro Directório Português 30/01/2015 26RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal Actualização diária por OAI-PMH
  27. 27. Demo Directório PT/BR
  28. 28. Cooperação RCAAP - OASIS ● Partilha de boas-práticas (documentação, case studies, etc.) ● Comunicação, disseminação e formação (Web e Web 2.0, E-learning, etc.) ● Interoperabilidade (Guidelines, Estatísticas, etc.) ● Promoção do acesso aberto (políticas, declaração, etc.) 30/01/2015 28RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  29. 29. 1. Enquadramento 2. Actividades/Serviços 3. Conclusões 4. Próximos passos
  30. 30. Conclusões ● Promoção da literatura científica no espaço Luso-Brasileiro ● A cooperação/partilha revelou-se benéfica para ambas as partes ● Foi possível identificar novos pontos de colaboração ● A adopção de normas e standards é indispensável para a interoperabilidade 30/01/2015 30RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  31. 31. 1. Enquadramento 2. Actividades/Serviços 3. Conclusões 4. Próximos passos
  32. 32. Próximos passos (novas áreas) ● Estudar SHERPA/ROMEO (Brasil) ● Serviços/projectos: ● Repositórios de Dados Científicos ● Preservação digital ● Revistas científicas ● Comunicação, disseminação e formação ● Conteúdos relacionados com o Acesso Aberto ● Formação 30/01/2015 32RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  33. 33. Próximos passos (continuidade) ● Estudar integração de revistas de ambos os países ● Estudar integração do directório luso- brasileiro com outros sistemas: (Scielo, SEER, DOAJ e D/ROAR) ● 2ª Conferência Luso-Brasileira(Novembro) 30/01/2015 33RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  34. 34. 30/01/2015 34RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal
  35. 35. 30/01/2015 35RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

×