O papel do bibliotecário na implementação de Repositórios Institucionais: a estratégia advocacy

430 visualizações

Publicada em

Pôster apresentado à CONFOA 2013 (06 a 09 de outubro de 2013 - São Paulo, SP, Brasil) - Renato Reis Nunes

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
430
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O papel do bibliotecário na implementação de Repositórios Institucionais: a estratégia advocacy

  1. 1. O papel do bibliotecário na implementação de Repositórios Institucionais: a estratégia advocacy Por Renato Reis Nunes (renato.nunes@ifrj.edu.br) Apesar dos Repositórios Institucionais (RIs) terem sido alvo de grande atenção por parte de instituições de fomento da comunicação científica, a discussão acerca desta ferramenta tem sido em pequena escala, contexto mais agravante em termos de Brasil. São poucos os profissionais da informação que realmente tem se questionado sobre seu papel frente a esta nova ferramenta de disseminação da informação científica (RODRIGUES, 2004). O uso dos RIs exige-se, acima de tudo, uma alteração no comportamento dos atores da comunidade técnicocientífica, juntamente com apoio de procedimentos normativos institucionais existentes, como por exemplo, mandatos de depósito. O conjunto de atividades que tem como objetivo promover as iniciativas OA e incentivar os pesquisadores a incorporar atividades de autoarquivamento nos fluxos de trabalho já existentes é designado geralmente de advocacy ou promoção. Os participantes das estratégias de advocacy tentam reestruturar questões, reconfigurar o discurso atual, introduzir novas ideias e ao fazê-lo “atrair a atenção e incentivar a ação” (Keck e Sikkink, 1998). Resumidamente, podemos dizer que por advocacy entendemos o ato de identificar, adotar e promover uma causa. Neste sentido, vê-se a importância do papel do Bibliotecário Brasileiro neste contínuo processo de mudança que está ocorrendo na comunicação científica, cujas demandas exigirão sua inserção nos movimentos AO surgidas em todo o mundo, no intuito de um amplo acesso à literatura científica. Para isso, é premente que o bibliotecário conheça o panorama atual e recente das alterações que as tecnologias da informação e comunicação trouxeram para a ciência e disseminá-la através do advocacy, de forma que cada vez mais pesquisadores possam entender e aderir ao movimento de acesso livre à informação técnico-científica.
  2. 2. O papel do bibliotecário na implementação de Repositórios Institucionais: a estratégia advocacy Por Renato Reis Nunes (renato.nunes@ifrj.edu.br) Apesar dos Repositórios Institucionais (RIs) terem sido alvo de grande atenção por parte de instituições de fomento da comunicação científica, a discussão acerca desta ferramenta tem sido em pequena escala, contexto mais agravante em termos de Brasil. São poucos os profissionais da informação que realmente tem se questionado sobre seu papel frente a esta nova ferramenta de disseminação da informação científica (RODRIGUES, 2004). O uso dos RIs exige-se, acima de tudo, uma alteração no comportamento dos atores da comunidade técnicocientífica, juntamente com apoio de procedimentos normativos institucionais existentes, como por exemplo, mandatos de depósito. O conjunto de atividades que tem como objetivo promover as iniciativas OA e incentivar os pesquisadores a incorporar atividades de autoarquivamento nos fluxos de trabalho já existentes é designado geralmente de advocacy ou promoção. Os participantes das estratégias de advocacy tentam reestruturar questões, reconfigurar o discurso atual, introduzir novas ideias e ao fazê-lo “atrair a atenção e incentivar a ação” (Keck e Sikkink, 1998). Resumidamente, podemos dizer que por advocacy entendemos o ato de identificar, adotar e promover uma causa. Neste sentido, vê-se a importância do papel do Bibliotecário Brasileiro neste contínuo processo de mudança que está ocorrendo na comunicação científica, cujas demandas exigirão sua inserção nos movimentos AO surgidas em todo o mundo, no intuito de um amplo acesso à literatura científica. Para isso, é premente que o bibliotecário conheça o panorama atual e recente das alterações que as tecnologias da informação e comunicação trouxeram para a ciência e disseminá-la através do advocacy, de forma que cada vez mais pesquisadores possam entender e aderir ao movimento de acesso livre à informação técnico-científica.
  3. 3. O papel do bibliotecário na implementação de Repositórios Institucionais: a estratégia advocacy Por Renato Reis Nunes (renato.nunes@ifrj.edu.br) Apesar dos Repositórios Institucionais (RIs) terem sido alvo de grande atenção por parte de instituições de fomento da comunicação científica, a discussão acerca desta ferramenta tem sido em pequena escala, contexto mais agravante em termos de Brasil. São poucos os profissionais da informação que realmente tem se questionado sobre seu papel frente a esta nova ferramenta de disseminação da informação científica (RODRIGUES, 2004). O uso dos RIs exige-se, acima de tudo, uma alteração no comportamento dos atores da comunidade técnicocientífica, juntamente com apoio de procedimentos normativos institucionais existentes, como por exemplo, mandatos de depósito. O conjunto de atividades que tem como objetivo promover as iniciativas OA e incentivar os pesquisadores a incorporar atividades de autoarquivamento nos fluxos de trabalho já existentes é designado geralmente de advocacy ou promoção. Os participantes das estratégias de advocacy tentam reestruturar questões, reconfigurar o discurso atual, introduzir novas ideias e ao fazê-lo “atrair a atenção e incentivar a ação” (Keck e Sikkink, 1998). Resumidamente, podemos dizer que por advocacy entendemos o ato de identificar, adotar e promover uma causa. Neste sentido, vê-se a importância do papel do Bibliotecário Brasileiro neste contínuo processo de mudança que está ocorrendo na comunicação científica, cujas demandas exigirão sua inserção nos movimentos AO surgidas em todo o mundo, no intuito de um amplo acesso à literatura científica. Para isso, é premente que o bibliotecário conheça o panorama atual e recente das alterações que as tecnologias da informação e comunicação trouxeram para a ciência e disseminá-la através do advocacy, de forma que cada vez mais pesquisadores possam entender e aderir ao movimento de acesso livre à informação técnico-científica.

×