Periódicos brasileiros e a fuga de artigos de alto impacto

508 visualizações

Publicada em

Pôster apresentado à CONFOA 2013 (06 a 09 de outubro de 2013 - São Paulo, SP, Brasil) - Rubenildo Oliveira da Costa, Lucia Maria S.V.C. Ramos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Periódicos brasileiros e a fuga de artigos de alto impacto

  1. 1. Periódicos brasileiros e a fuga de artigos de alto impacto Rubenildo Oliveira da Costa Bibliotecário - Serviço de Documentação Odontológica/FOUSP Mestre em Ciência da Informação - PUCCamp E-mail : rubenildo@usp.br Lúcia Maria S. V. Costa Ramos Diretora Técnica - Serviço de Documentação Odontológica/FOUSP Doutoranda em Ciência da Informação - USP E-mail : ferpau@usp.br São Paulo, SP, Brasil
  2. 2. De 2008 a 2011, houve um aumento de 240% (de 31 para 111) no número de títulos de periódicos brasileiros indexados no Journal Citation Report (JCR), base de dados que calcula o Fator de Impacto (FI) de periódicos científicos (PACKER, 2012), refletindo no aumento da classificação do Brasil no Ranking de artigos indexados. Porém, tem-se observado o baixo desempenho desses títulos nas últimas edições do JCR - objeto de discussão nas edições de 2010, 2011 e 2012 do Seminário de Avaliação dos Periódicos Brasileiros no JCR, evento promovido pela Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Acredita-se, como causa desse problema, na existência de um círculo vicioso que impede o aumento do FI de periódicos brasileiros. Se por um lado os pesquisadores brasileiros preferem publicar suas pesquisas de maior impacto em títulos de periódicos estrangeiros com alto FI, citando os mesmos títulos; por outro lado, os periódicos brasileiros costumam publicar mais artigos de pesquisadores brasileiros (até mesmo de sua própria instituição - alto índice de endogenia), e as citações recebidas são na sua maioria de pesquisadores e/ou periódicos brasileiros. A partir dessa hipótese, objetiva-se calcular o FI de periódicos a partir da produção científica da USP na área de Odontologia, comparando o comportamento de publicação dos pesquisadores em periódicos brasileiros e estrangeiros. E, com isso, demonstrar que é possível avaliar a produção científica além dos indicadores bibliométricos de periódicos científicos disponibilizados pelas bases de dados de citação SJR/Scopus e JCR/Web of Science.
  3. 3. METODOLOGIA Aplicação de técnicas bibliométricas, utilizando os softwares livres BibExcel (análise bibliométrica) e Pajek (representações gráficas). O universo da pesquisa é formado por 797 artigos de pesquisa publicados pela USP na área de Odontologia no período de 2009 a 2010 e indexados na SCOPUS (Base de Citação mais abrangente). Os 797 registros bibliográficos da base foram recuperados no mês de setembro de 2012. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os 797 artigos da USP foram publicados em 79 títulos de periódicos de odontologia dos 206 indexados na indexados na Scopus. O quadro 1, ao lado, apresenta apenas os 20 primeiros títulos “mais importantes”, segundo o impacto da produção da USP, classificados a partir do mesmo cálculo do FI do JCR. Por exemplo, no primeiro título Oral Microbiology and Imunology divide-se o número de 87 citações recebidas por 6 artigos publicados por pesquisadores da USP, resulta no FI de 14,500. A classificação foi definida considerando que as 2.037 citações recebidas pelos 20 títulos representam 65% do total. Portanto, 20 periódicos publicaram 267 artigos de alto impacto, que receberam 65% do total de citações. Ou seja, a produção científica de maior impacto da USP na área de odontologia foi publicada em 20 títulos de periódicos, caracterizando o núcleo. Portanto, é possível observar que na lista dos 20 títulos de periódicos não existe periódico brasileiro. Isso confirma a apropriação dos artigos científicos brasileiros de alto impacto pelos periódicos estrangeiros, que são de acesso controlado por grandes editoras; FI acima da média da área de odontologia; a maioria possui Qualis A. Quadro 1 - Cálculo do Fator de Impacto, segundo a produção científica da USP na área de odontologia
  4. 4. No quadro 2, ao lado, sobre a classificação dos periódicos brasileiros, observa-se na primeira coluna que o periódico melhor classificado “Journal os Applied Oral Science” da Faculdade de Odontologia de Bauru localiza-se na 41º posição dos 70 títulos de periódicos, seguido de mais 6 títulos brasileiros. Portanto, todos os títulos obtiveram baixo desempenho na análise. Quadro 2 - Cálculo do Fator de Impacto, segundo a produção científica da USP na área de odontologia (somente periódicos brasileiros) Ao comparar os periódicos do núcleo (quadro 1) com os 7 periódicos brasileiros (quadro 2), podemos identificar algumas discrepâncias: a quantidade de artigos indexados é praticamente a mesma - 267 e 260, respectivamente. Porém, a diferença entre citações recebidas é intrigante - 2.037 contra 479, respectivamente. Isto é, enquanto que os títulos do núcleo são responsáveis por 65% do total de citações, os títulos brasileiros, por apenas 15%. Assim, os resultados mostram a preferência dos pesquisadores da USP por publicar pesquisas de alto impacto nos periódicos estrangeiros com FI. Uma das razões desse comportamento está relacionada às exigências das Agências de Fomento à Pesquisa ao considerarem o FI (principal critério da classificação da Qualis Odontologia) na avaliação da produção científica dos pesquisadores. Ora, o FI está relacionado ao periódico e não à pesquisa. Ademais, se a pesquisa publicada no artigo for de qualidade, ele poderá receber muitas citações independentemente de onde for publicado, se título de periódico brasileiro ou estrangeiro, uma vez que a qualidade do processo editorial dos periódicos brasileiros é parecido com o dos periódicos estrangeiros. Para comprovar tal afirmação, descreve-se abaixo a estrutura atual dos 3 principais periódicos ligados às Faculdades de Odontologia da USP: Todos os 3 títulos possuem Qualis B1; Publicação online; Acesso Livre; Principais Bases (LILACS; PubMed; SciELO; SCOPUS); Idioma inglês; Corpo editorial internacional; Softwares de editoração eletrônica; Atenção à redação científica. Journal of Applied Oral Science (JAOS): FOB; 9 anos; Bases de Dados (Web of Science/JCR); Submissão online Brazilian Oral Research (BOR): FO; 26 anos; Ahead of print Brazilian Dental Journal (BDJ): FORP; 12 anos
  5. 5. Por outro lado, considera-se importante representar como se relacionam a quantidade de artigos publicados, títulos de periódicos e unidades da USP a partir dos 20 títulos do núcleo. Na figura 1, ao lado, o tamanho dos círculos representa a quantidade de artigos publicados pelo periódico ou unidade (informada também pelo número entre colchetes), enquanto que a espessura das linhas representa o grau de relação existente entre os periódicos e/ou unidades (informada também pelo número localizado no meio de cada linha); as cores representam os clusters ou agrupamentos; e por último, a classificação dos periódicos é apresentada após a descrição de cada título. Tal análise foi trabalhada a partir dos registros da base DEDALUS da USP. Por isso, determinadas informações de quantidade de artigos podem ser menores do que a da base de dados SCOPUS. Contudo, essa perca de informações interfere minimamente no entendimento da proposta da figura. Na área de odontologia, a FOB é a que mais publicou artigos de alto impacto na USP (88), seguida pela FO (62) e FORP (61). Outras unidades da USP também publicaram com alto impacto em odontologia. Dentre elas, o ICB é a que mais publicou (14), inclusive publicou 4 artigos em um periódicos de alto impacto na avaliação da produção (5º colocado). O título que está em 1º lugar na classificação publicou 4 artigos: 2 com filiações da FORP, FOB e FMRP; 1 com filiação ICB e 1 com filiação FM, mas ele é verde, por isso, tem mais familiaridade com a FORP. O periódico que recebeu mais publicações foi o Oral Surgery Oral Medicine, Oral Pathology, Oral Radiology and Endodontology (41), mas está na 19º lugar na classificação da produção. Ele está relacionados com as três faculdades de odontologia da USP, mais fortemente com a FOB. Figura 1 – Rede de colaboração entre unidades da USP a partir dos artigos de alto impacto dos 20 títulos de periódicos do núcleo

×