SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
DESENVOLVIMENTO SÓCIO
ECONÔMICO
CONCEIÇÃO APARECIDA FONTOLAN
 Imagine se hoje fosse o seu aniversário! E
você convidou muitos amigos e amigas!
Também não esqueceu seus familiares e
vizinhos! Você precisaria de bastante
comida e bebida, não é mesmo?
 Mas, no meio da noite, começa a chegar
mais gente! Na verdade, os seus amigos,
familiares e vizinhos chamaram também
seus próprios colegas e pessoas mais
próximas!
 E você se pergunta, será que a comida vai
dar? E a bebida? Será que vai caber todo
mundo aqui? Pois é... Esse tipo de
preocupação não acontece só com você.
 Há duzentos anos, já havia gente
preocupada com o crescimento da
população no mundo! Desde aquela época
foram elaboradas muitas teorias para
explicar e solucionar o problema do
crescimento populacional.
Dilema: é a superpopulação que gera a
pobreza ou é a pobreza que gera a
superpopulação?
Inúmeras teorias foram elaboradas para
tentar explicar o crescimento
populacional. Dentre elas, é comum se
destacarem três, que estão
profundamente inter-relacionadas: a
malthusiana, a neomalthusiana e a
reformista.
Teoria Malthusiana
A teoria demográfica formulada pelo
economista inglês Thomas Robert
Malthus(1776-1834) foi publicada em 1798,
no livro Ensaio sobre o princípio da
população.
Segundo Malthus, a população mundial
cresceria em um ritmo rápido, comparado
por ele a uma progressão geométrica (1, 2,
4, 8, 16, 32, 64...), e a produção de
alimentos cresceria em um ritmo lento,
comparado a uma progressão aritmética
(1, 2, 3, 4, 5, 6...)
Assim, segundo a visão de Malthus, ao final
de um período de apenas dois séculos, o
crescimento da população teria sido 28
vezes maior do que o crescimento da
produção de alimentos. Dessa forma, a
partir de determinado momento, não
existiriam alimentos para todos os
habitantes da Terra, produzindo-se,
portanto, uma situação catastrófica, em que
a humanidade morreria de inanição.
Malthus chegou a propor como única
solução - para o problema da
defasagem entre população e alimentos
- o que ele chamou de "sujeição moral",
ou seja, a própria população deveria
adotar uma postura de privação
voluntária dos desejos sexuais, com o
objetivo de reduzir a natalidade,
equilibrando o crescimento
demográfico com a possibilidade de
expansão da produção de alimentos.
Na realidade, ocorre grande concentração
de alimentos nos países ricos e,
consequentemente, má distribuição nos
países pobres. Porém, em nenhum
momento a população cresceu conforme o
cálculo de Malthus.
Neomalthusianismo
No pós 2ª Guerra Mundial, o crescimento
populacional acelerado nos países
subdesenvolvidos, fez despertarem os adeptos de
Malthus chamados de neomalthusianos.
Segundo eles, a pobreza e o subdesenvolvimento
seriam gerados pelo grande crescimento
populacional, e em virtude disso seriam necessárias
drásticas políticas de controle de natalidade, que se
dariam através do famoso e bastante difundido,
"planejamento familiar". Muitos países
subdesenvolvidos adotaram essas políticas anti-
natalistas, mas com exceção da China onde a
natalidade caiu pela metade em quarenta anos nos
outros praticamente não surtiu efeito.
Hoje em dia existem também os chamados
ecomalthusianos, que defendem a tese de
que o rápido crescimento populacional
geraria enorme pressão sobre os recursos
naturais, e por consequência sérios riscos
para o futuro.
No Brasil nunca chegou a acontecer um
controle de natalidade rígido por parte do
estado nacional, mas a partir da década de
70 o governo brasileiro passou a apoiar
programas desenvolvidos por entidades
nacionais e estrangeiras como a Fundação
Ford, que visavam o controle de natalidade
no país.
Reformistas ou marxistas
Diferentemente do que defendem os
neomalthusianos, os demógrafos marxistas,
consideram que é a própria miséria a
responsável pelo acelerado crescimento
populacional. E por conta disso, defendem
reformas de caráter sócio-econômico que
possibilitem a melhoria do padrão de vida das
populações dos países subdesenvolvidos,
segundo eles isso traria por consequência o
planejamento familiar espontâneo, e com isso
a redução das taxas de natalidade e
crescimento vegetativo, como ocorreu em
vários países hoje desenvolvidos.
1º Fase:
Caracteriza-se por ter elevadas taxas de natalidade e
mortalidade, ligadas à cultura dos filhos serem mão-
de-obra ocasionando uma alta natalidade, e baixas ou
mesmo nenhuma condições de saneamento
resultando em epidemias tendo um alto índice de
mortalidade, o que faz a população crescer muito
pouco.
A Europa passou por ela antes de 1760
O Brasil passou por ela antes de 1940
2º Fase:
Ocorre um decréscimo da mortalidade, como consequência
das melhorias alimentares e sanitárias, a evolução da
medicina (combate às doenças como Cólera e Malária no
Brasil), a urbanização e a expectativa de vida. No entanto, a
alta taxa de natalidade é mantida, o que acarreta um intenso
crescimento populacional (explosão demográfica).
A Europa passou por ela entre 1760 a 1880
O Brasil passou por ela entre 1940 a 1970
3ºFase:
Nessa fase temos a queda acelerada da taxa de
natalidade devido a educação familiar ao acesso a
métodos anticoncepcionais, a entrada da mulher no
mercado de trabalho e a manutenção da taxa de
mortalidade fixando o modelo urbano.
A Europa passou por ela entre 1880 a 1940
O Brasil está no ciclo final dessa fase.
4ºFase:
Observa-se nessa fase baixas taxas de natalidade
devido ao alto custo de se criar filhos e a opção de
manter o padrão de vida e baixas taxas de mortalidade
com consequente queda do crescimento populacional ou
sua estagnação. Há consequências: aumento da
proporção de idosos podendo ocasionar um rombo na
previdência; encolhimento da população e necessidade
de imigrantes para trabalhar nos empregos de mais baixo
salário.
Alguns países da Europa como a Alemanha e Itália estão nessa
fase.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conflitos mundiais
Conflitos mundiaisConflitos mundiais
Conflitos mundiaiskarolpoa
 
A revolução técnico científico-informacional como base da globalização
A revolução técnico científico-informacional como base da globalizaçãoA revolução técnico científico-informacional como base da globalização
A revolução técnico científico-informacional como base da globalizaçãoAndersonSousa873016
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraPedro Neves
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraprofacacio
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º anoProfessor
 
Relação sociedade natureza
Relação sociedade naturezaRelação sociedade natureza
Relação sociedade naturezawilson mousinho
 
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimentoDesenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimentoAbner de Paula
 
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)profacacio
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolíticaedsonluz
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográficoCarminha
 
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.Cléber Figueiredo Beda de Ávila
 

Mais procurados (20)

Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Pirâmide etária
Pirâmide etáriaPirâmide etária
Pirâmide etária
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Conflitos mundiais
Conflitos mundiaisConflitos mundiais
Conflitos mundiais
 
A revolução técnico científico-informacional como base da globalização
A revolução técnico científico-informacional como base da globalizaçãoA revolução técnico científico-informacional como base da globalização
A revolução técnico científico-informacional como base da globalização
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
 
Ásia
ÁsiaÁsia
Ásia
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
 
Relação sociedade natureza
Relação sociedade naturezaRelação sociedade natureza
Relação sociedade natureza
 
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimentoDesenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
 
Tigres asiáticos
Tigres asiáticosTigres asiáticos
Tigres asiáticos
 
Empresas transnacionais
Empresas transnacionaisEmpresas transnacionais
Empresas transnacionais
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
 
População
PopulaçãoPopulação
População
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
9º Ano - Módulo 01 - Aula 01 - Introdução a globalização.
 

Destaque

ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .Conceição Fontolan
 
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...Conceição Fontolan
 
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCARPRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCARConceição Fontolan
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOConceição Fontolan
 
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017Conceição Fontolan
 
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃOREVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃOConceição Fontolan
 

Destaque (20)

AQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBALAQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBAL
 
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
 
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
 
REVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDEREVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDE
 
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
 
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
 
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCARPRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
 
Pirâmides etárias
Pirâmides etáriasPirâmides etárias
Pirâmides etárias
 
SANTA CATARINA EM DESTAQUE
SANTA CATARINA EM DESTAQUESANTA CATARINA EM DESTAQUE
SANTA CATARINA EM DESTAQUE
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
 
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
 
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICASPROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
 
MIGRAÇÕES
MIGRAÇÕESMIGRAÇÕES
MIGRAÇÕES
 
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
PRIMEIRA GUERRA MUNDIALPRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
 
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃOREVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
 
Relevo brasileiro
 Relevo brasileiro Relevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Agropecuária
AgropecuáriaAgropecuária
Agropecuária
 
BRASIL : CARACTERÍSTICAS GERAIS
BRASIL : CARACTERÍSTICAS GERAISBRASIL : CARACTERÍSTICAS GERAIS
BRASIL : CARACTERÍSTICAS GERAIS
 

Semelhante a DESENVOLVIMENTO POPULAÇÃO

Espaço, sociedade e economia
Espaço, sociedade e economiaEspaço, sociedade e economia
Espaço, sociedade e economiaWander Junior
 
TEORIAS POPULACIONAIS.pdf
TEORIAS POPULACIONAIS.pdfTEORIAS POPULACIONAIS.pdf
TEORIAS POPULACIONAIS.pdfHenrique Pontes
 
Aula 1 frente 2 população parte 1
Aula 1 frente 2   população parte 1Aula 1 frente 2   população parte 1
Aula 1 frente 2 população parte 1CADUCOC2
 
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_azAula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_azCADUCOC1
 
Geo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundialGeo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundialAdriana Gomes Messias
 
Populacao mundial e teorias demográficas
Populacao mundial e teorias demográficasPopulacao mundial e teorias demográficas
Populacao mundial e teorias demográficasdela28
 
Políticas demográficas
Políticas demográficasPolíticas demográficas
Políticas demográficasAndre Huang
 
Políticas demográficas
Políticas demográficasPolíticas demográficas
Políticas demográficasAndre Huang
 
Populacao teorias
Populacao teoriasPopulacao teorias
Populacao teoriasUFMS
 
Teorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográficoTeorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográficoPedro Neves
 

Semelhante a DESENVOLVIMENTO POPULAÇÃO (20)

Espaço, sociedade e economia
Espaço, sociedade e economiaEspaço, sociedade e economia
Espaço, sociedade e economia
 
Geo1.pdf
Geo1.pdfGeo1.pdf
Geo1.pdf
 
2º Va Grupo 8
2º Va   Grupo 82º Va   Grupo 8
2º Va Grupo 8
 
TEORIAS POPULACIONAIS.pdf
TEORIAS POPULACIONAIS.pdfTEORIAS POPULACIONAIS.pdf
TEORIAS POPULACIONAIS.pdf
 
2º Md Grupo 08
2º Md   Grupo 082º Md   Grupo 08
2º Md Grupo 08
 
Aula 1 frente 2 população parte 1
Aula 1 frente 2   população parte 1Aula 1 frente 2   população parte 1
Aula 1 frente 2 população parte 1
 
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_azAula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_az
 
Geo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundialGeo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundial
 
Teorias populacionais
Teorias populacionaisTeorias populacionais
Teorias populacionais
 
População
PopulaçãoPopulação
População
 
2º Mb Grupo 08
2º Mb   Grupo 082º Mb   Grupo 08
2º Mb Grupo 08
 
Populacao mundial e teorias demográficas
Populacao mundial e teorias demográficasPopulacao mundial e teorias demográficas
Populacao mundial e teorias demográficas
 
Populacao sartre
Populacao sartrePopulacao sartre
Populacao sartre
 
Políticas demográficas
Políticas demográficasPolíticas demográficas
Políticas demográficas
 
Políticas demográficas
Políticas demográficasPolíticas demográficas
Políticas demográficas
 
Economia c
Economia cEconomia c
Economia c
 
Populacao teorias
Populacao teoriasPopulacao teorias
Populacao teorias
 
Teorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográficoTeorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográfico
 
Demografia geral
Demografia geralDemografia geral
Demografia geral
 
3077573.ppt
3077573.ppt3077573.ppt
3077573.ppt
 

Mais de Conceição Fontolan (20)

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 

Último

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 

Último (20)

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

DESENVOLVIMENTO POPULAÇÃO

  • 2.  Imagine se hoje fosse o seu aniversário! E você convidou muitos amigos e amigas! Também não esqueceu seus familiares e vizinhos! Você precisaria de bastante comida e bebida, não é mesmo?
  • 3.  Mas, no meio da noite, começa a chegar mais gente! Na verdade, os seus amigos, familiares e vizinhos chamaram também seus próprios colegas e pessoas mais próximas!
  • 4.  E você se pergunta, será que a comida vai dar? E a bebida? Será que vai caber todo mundo aqui? Pois é... Esse tipo de preocupação não acontece só com você.  Há duzentos anos, já havia gente preocupada com o crescimento da população no mundo! Desde aquela época foram elaboradas muitas teorias para explicar e solucionar o problema do crescimento populacional.
  • 5. Dilema: é a superpopulação que gera a pobreza ou é a pobreza que gera a superpopulação?
  • 6. Inúmeras teorias foram elaboradas para tentar explicar o crescimento populacional. Dentre elas, é comum se destacarem três, que estão profundamente inter-relacionadas: a malthusiana, a neomalthusiana e a reformista.
  • 7. Teoria Malthusiana A teoria demográfica formulada pelo economista inglês Thomas Robert Malthus(1776-1834) foi publicada em 1798, no livro Ensaio sobre o princípio da população. Segundo Malthus, a população mundial cresceria em um ritmo rápido, comparado por ele a uma progressão geométrica (1, 2, 4, 8, 16, 32, 64...), e a produção de alimentos cresceria em um ritmo lento, comparado a uma progressão aritmética (1, 2, 3, 4, 5, 6...)
  • 8. Assim, segundo a visão de Malthus, ao final de um período de apenas dois séculos, o crescimento da população teria sido 28 vezes maior do que o crescimento da produção de alimentos. Dessa forma, a partir de determinado momento, não existiriam alimentos para todos os habitantes da Terra, produzindo-se, portanto, uma situação catastrófica, em que a humanidade morreria de inanição.
  • 9. Malthus chegou a propor como única solução - para o problema da defasagem entre população e alimentos - o que ele chamou de "sujeição moral", ou seja, a própria população deveria adotar uma postura de privação voluntária dos desejos sexuais, com o objetivo de reduzir a natalidade, equilibrando o crescimento demográfico com a possibilidade de expansão da produção de alimentos.
  • 10. Na realidade, ocorre grande concentração de alimentos nos países ricos e, consequentemente, má distribuição nos países pobres. Porém, em nenhum momento a população cresceu conforme o cálculo de Malthus.
  • 11.
  • 12. Neomalthusianismo No pós 2ª Guerra Mundial, o crescimento populacional acelerado nos países subdesenvolvidos, fez despertarem os adeptos de Malthus chamados de neomalthusianos. Segundo eles, a pobreza e o subdesenvolvimento seriam gerados pelo grande crescimento populacional, e em virtude disso seriam necessárias drásticas políticas de controle de natalidade, que se dariam através do famoso e bastante difundido, "planejamento familiar". Muitos países subdesenvolvidos adotaram essas políticas anti- natalistas, mas com exceção da China onde a natalidade caiu pela metade em quarenta anos nos outros praticamente não surtiu efeito.
  • 13. Hoje em dia existem também os chamados ecomalthusianos, que defendem a tese de que o rápido crescimento populacional geraria enorme pressão sobre os recursos naturais, e por consequência sérios riscos para o futuro. No Brasil nunca chegou a acontecer um controle de natalidade rígido por parte do estado nacional, mas a partir da década de 70 o governo brasileiro passou a apoiar programas desenvolvidos por entidades nacionais e estrangeiras como a Fundação Ford, que visavam o controle de natalidade no país.
  • 14. Reformistas ou marxistas Diferentemente do que defendem os neomalthusianos, os demógrafos marxistas, consideram que é a própria miséria a responsável pelo acelerado crescimento populacional. E por conta disso, defendem reformas de caráter sócio-econômico que possibilitem a melhoria do padrão de vida das populações dos países subdesenvolvidos, segundo eles isso traria por consequência o planejamento familiar espontâneo, e com isso a redução das taxas de natalidade e crescimento vegetativo, como ocorreu em vários países hoje desenvolvidos.
  • 15.
  • 16. 1º Fase: Caracteriza-se por ter elevadas taxas de natalidade e mortalidade, ligadas à cultura dos filhos serem mão- de-obra ocasionando uma alta natalidade, e baixas ou mesmo nenhuma condições de saneamento resultando em epidemias tendo um alto índice de mortalidade, o que faz a população crescer muito pouco. A Europa passou por ela antes de 1760 O Brasil passou por ela antes de 1940
  • 17. 2º Fase: Ocorre um decréscimo da mortalidade, como consequência das melhorias alimentares e sanitárias, a evolução da medicina (combate às doenças como Cólera e Malária no Brasil), a urbanização e a expectativa de vida. No entanto, a alta taxa de natalidade é mantida, o que acarreta um intenso crescimento populacional (explosão demográfica). A Europa passou por ela entre 1760 a 1880 O Brasil passou por ela entre 1940 a 1970
  • 18. 3ºFase: Nessa fase temos a queda acelerada da taxa de natalidade devido a educação familiar ao acesso a métodos anticoncepcionais, a entrada da mulher no mercado de trabalho e a manutenção da taxa de mortalidade fixando o modelo urbano. A Europa passou por ela entre 1880 a 1940 O Brasil está no ciclo final dessa fase.
  • 19. 4ºFase: Observa-se nessa fase baixas taxas de natalidade devido ao alto custo de se criar filhos e a opção de manter o padrão de vida e baixas taxas de mortalidade com consequente queda do crescimento populacional ou sua estagnação. Há consequências: aumento da proporção de idosos podendo ocasionar um rombo na previdência; encolhimento da população e necessidade de imigrantes para trabalhar nos empregos de mais baixo salário. Alguns países da Europa como a Alemanha e Itália estão nessa fase.