SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
MIGRAÇÕES
MOVIMENTOS
POPULACIONAIS
CONCEIÇÃO APARECIDA FONTOLAN
Entende-se por migração, qualquer
mobilidade espacial feita por sociedades
humanas.
A migração é um movimento que de um lado se configura
em emigração, quando o movimento é de saída de um
determinado país; e imigração, quando o movimento é de
entrada em um determinado país.
Com isso temos países que são considerados países de
emigração (aqueles onde predomina a saída de
pessoas), e países de imigração (aqueles onde
predomina a entrada de pessoas).
As migrações podem ser de vários tipos.
Se considerarmos o espaço de deslocamento
temos :
a) Migração internacional ou externa: aquela
que se realiza de um país para o outro.
b) Migração nacional ou interna: aquela que se
realiza dentro do mesmo país. Essa se subdivide em :
b.1) Migração inter-regional: aquela que se realiza de
uma região para outra.
b.2) Migração intra-regional: aquela que se realiza
dentro da mesma região.
Se levarmos em consideração o tempo
de permanência do migrante temos:
a) Migração definitiva: quando a
migração se dá sem que o migrante saia
mais do local para onde foi, ou que não
volte mais para o local de onde saiu.
b) Migração temporária: quando a
migração se dá por um tempo que pode
ser determinado ou indeterminado.
AS BALEIAS MIGRAM
NEM SEMPRE MIGRAR É A SOLUÇÃO
MIGRAÇÃO
DESIGUALDADES SOCIAIS
Se considerarmos a forma como se deu
a migração temos:
a) Migração expontânea: quando ela
se dá por vontade própria do migrante.
b) Migração forçada: quando ela se
dá por uma vontade externa ao
interesse do migrante.
c) Migração planejada: quando ela se
dá de forma planejada afim de cumprir
um determinado objetivo.
ALGUNS TIPOS DE MIGRAÇÕES INTERNAS
Dentre as migrações internas temos os
seguintes movimentos:
a) Êxodo rural: tipo de migração que se dá
com a transferência de populações rurais para
o espaço urbano. Esse tipo de migração em
geral tende a ser definitivo. As principais
causas dele são: a industrialização, a expansão
do setor terciário e a mecanização da
agricultura.
O êxodo rural está diretamente ligado ao
processo de Urbanização.
MECANIZAÇÃO NO CAMPO
b) Êxodo urbano: tipo de migração que se
dá com a transferência de populações
urbanas para o espaço rural. Hoje em dia é um
tipo de migração muito incomum.
c) Migração urbano-urbano: tipo de
migração, que se dá com a transferência de
populações de uma cidade para outra. Tipo de
migração muito comum nos dias atuais.
d) Migração sazonal: tipo de migração que
se caracteriza por estar ligada as estações do
ano. É uma migração temporária onde o
migrante sai de um determinado local em um
determinado período do ano, e
posteriormente volta, em outro período do
ano, é a chamada transumância. É o que
acontece por exemplo com os sertanejos do
Nordeste brasileiro.
e) Migração diária ou pendular: tipo de migração
característico de grandes cidades, no qual milhões
de trabalhadores saem todas as manhãs de sua
casa em direção do seu trabalho, e retornam no final
do dia. Os momentos de maior aglomeração de
pessoas são chamados de rush Isso se dá em
virtude da periferização dos trabalhadores que
muitas vezes moram a vários quilômetros de
distância de seu trabalho, em alguns casos até
mesmo em outras cidades que passam a ser
chamadas de cidades dormitório. Nesse tipo de
migração está incluído o commuting, movimentação
diária de pessoas que moram em um país e
trabalham ou vão buscar serviços em outro, os
chamados transfronteiriços ou commuters.
f) Nomadismo: tipo de migração, que se
caracteriza pelo deslocamento constante
de populações em busca de alimentos,
abrigo, etc. Esse tipo de migração é típico
de sociedades primitivas e por conta disso
se encontra em extinção.
CONSEQUÊNCIAS DAS MIGRAÇÕES
Várias são as conseqUências das migrações, segundo
COELHO e TERRA (2001), podemos destacar as seguintes:
a) Contribuição e influência no processo de ocupação e
povoamento, na distribuição geográfica da população e, é
claro, no próprio desenvolvimento econômico;
b) Contribuição no processo de miscigenação étnica e na
ampliação e difusão cultural entre povos;
c) Quando a emigração significa perda de mão de obra
qualificada (fuga de cérebros), os prejuízos para o país
emigratório são enormes, ao passo que para o país imigratório
as vantagens são muito grandes.
d) Podem acarretar mudanças de costumes, concorrência à
mão de obra local e problemas políticos ideológicos, raciais,
etc.
e) Vantagens econômicas para os países que não tem
condições de atender as necessidades básicas de suas
populações.
MIGRAÇÕES NO BRASIL
No Brasil, os movimentos migratórios sempre foram muito
intensos, as primeiras migrações podem ser consideradas
as feitas pelos europeus, e negros africanos que foram
forçados a virem para cá. De lá para os dias de hoje tivemos
muitas migrações de importância fundamental para o país,
como por exemplo a dos migrantes italianos no século XlX,
assim como de espanhóis, eslavos, japoneses, árabes,
portugueses, dentre outros.
O fundamental nesse processo, além da contribuição dada
ao país por esses cidadãos, é o fato do enriquecimento
cultural, com a grande variação étnico-cultural com a qual o
país passou a conviver. Mas, em alguns casos, formaram-se
os chamados "quistos culturais", ou seja, comunidades que
preservam seus hábitos costumes e língua, sem se
integrarem de forma plena a cultura nacional.
Até meados do século XX, o Brasil era um país
típico de imigração, a partir da 2ª Guerra Mundial,
passa a haver uma inversão nos fluxos, de
imigratório o país torna-se de emigração. Hoje são
milhões os brasileiros que vivem fora,
principalmente em países como os EUA, Japão,
Paraguai, etc. Os principais motivos que
contribuem com isso são de ordem sócio
econômica, ou seja, a imensa maioria dos
brasileiros que daqui saem e vão em busca de
melhores condições de vida, emprego, salários,
etc.; acontece que na maioria das vezes não são
bem recebidos onde chegam, e passam a ocupar
em geral os postos de trabalho relegados pelas
populações dos países para onde imigraram.
As migrações internas também sempre foram
muito intensas, como por exemplo a de
habitantes do Nordeste que migraram em massa
para o Centro-sul do Brasil com o declínio da
cana de açúcar e o desenvolvimento da
mineração, ou a de nordestinos que migraram
para a Amazônia no chamado "Boom da
borracha" no final do século XlX.
Com a industrialização nas décadas de 60 e 70,
passamos a viver de forma mais intensa
migrações internas no território nacional, como
a de nordestinos em direção das grandes
metrópoles brasileiras, Rio e S. Paulo, e o intenso êxodo
rural, que fez o Brasil se tornar um país predominantemente
urbano em um espaço de menos de 30 anos.
Na década de 70 os fluxos migratórios se direcionaram para
a Amazônia, fruto da política de ocupação do território
nacional imposta pelos militares, chamada "integrar para
não entregar".
Atualmente, as antigas metrópoles industriais não são mais
os locais preferidos por migrantes, por conta do processo
de desconcentração industrial, novas áreas do país passam
a ser pólo de atração desses cidadãos, como o interior de
S. Paulo, do Paraná, etc. As migrações continuam a ser
muito comuns no Brasil, tanto do campo para a cidade,
assim como as urbano-urbano.
São comuns também nas grandes metrópoles brasileiras,
as migrações pendulares, assim como a migração sazonal
em regiões como o Nordeste.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
profacacio
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
Professor
 
Urbanizacao
UrbanizacaoUrbanizacao
Urbanizacao
Almir
 
Movimentos migratorios
Movimentos migratoriosMovimentos migratorios
Movimentos migratorios
dela28
 
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
profacacio
 

Mais procurados (20)

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
 
Urbanizacao
UrbanizacaoUrbanizacao
Urbanizacao
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
America latina
America latina America latina
America latina
 
Pirâmides etárias
Pirâmides etáriasPirâmides etárias
Pirâmides etárias
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
 
Conflitos fundiários
Conflitos fundiáriosConflitos fundiários
Conflitos fundiários
 
Movimentos migratorios
Movimentos migratoriosMovimentos migratorios
Movimentos migratorios
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Slides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do BrasilSlides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do Brasil
 
Transformação do espaço geográfico
Transformação do espaço geográficoTransformação do espaço geográfico
Transformação do espaço geográfico
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
 
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
 
Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!
 
UrbanizaçãO e Crescimento Urbano
UrbanizaçãO e Crescimento UrbanoUrbanizaçãO e Crescimento Urbano
UrbanizaçãO e Crescimento Urbano
 
A revolução técnico científico-informacional como base da globalização
A revolução técnico científico-informacional como base da globalizaçãoA revolução técnico científico-informacional como base da globalização
A revolução técnico científico-informacional como base da globalização
 

Destaque

Destaque (20)

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
PRIMEIRA GUERRA MUNDIALPRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
 
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
ESCASSEZ DE ÁGUA E OS CONFLITOS .
 
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICASPROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS
 
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
REVISÃO DE CONTEÚDOS COM IMAGENS SOBRE : COORDENADAS GEOGRÁFICAS E ESCALAS GE...
 
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
CONFLITOS ENTRE POVOS E PAÍSES.
 
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
 
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
QUESTÃO DE TERRAS NO BRASIL.
 
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADOBiomas  , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
Biomas , DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E A GUERRA DO CONTESTADO
 
REVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDEREVOLUÇÃO VERDE
REVOLUÇÃO VERDE
 
AQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBALAQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBAL
 
SANTA CATARINA EM DESTAQUE
SANTA CATARINA EM DESTAQUESANTA CATARINA EM DESTAQUE
SANTA CATARINA EM DESTAQUE
 
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCARPRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
PRODUÇÃO DE ENERGIA : MILHO X CANA DE AÇÚCAR
 
TEORIAS DEMOGRÁFICAS
TEORIAS DEMOGRÁFICASTEORIAS DEMOGRÁFICAS
TEORIAS DEMOGRÁFICAS
 
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
A GRANDE DEPRESSÃO DE 1929
 
Relevo brasileiro
 Relevo brasileiro Relevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃOREVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 

Semelhante a MIGRAÇÕES

Migracoes brasileiras sartre
Migracoes brasileiras sartreMigracoes brasileiras sartre
Migracoes brasileiras sartre
Ademir Aquino
 
Migrações Globais
Migrações GlobaisMigrações Globais
Migrações Globais
Rai Li
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
abarros
 
Geografia - Movimentos Migratórios
Geografia - Movimentos MigratóriosGeografia - Movimentos Migratórios
Geografia - Movimentos Migratórios
Carson Souza
 
Geografia - Movimentos Migratórios
Geografia - Movimentos MigratóriosGeografia - Movimentos Migratórios
Geografia - Movimentos Migratórios
Carson Souza
 
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
Alexandre Alves
 
TolêRancia E MediaçãO
TolêRancia E MediaçãOTolêRancia E MediaçãO
TolêRancia E MediaçãO
RaposoEFA
 

Semelhante a MIGRAÇÕES (20)

Migracoes
MigracoesMigracoes
Migracoes
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Geografia movimentos populacionais
Geografia   movimentos populacionaisGeografia   movimentos populacionais
Geografia movimentos populacionais
 
trabalho de geografia (1).pdf
trabalho de geografia (1).pdftrabalho de geografia (1).pdf
trabalho de geografia (1).pdf
 
Migracoes brasileiras sartre
Migracoes brasileiras sartreMigracoes brasileiras sartre
Migracoes brasileiras sartre
 
Aula 3 - fluxos migratórios
Aula 3 -  fluxos migratóriosAula 3 -  fluxos migratórios
Aula 3 - fluxos migratórios
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Apresentação de geografia
Apresentação de geografiaApresentação de geografia
Apresentação de geografia
 
Migrações Globais
Migrações GlobaisMigrações Globais
Migrações Globais
 
Geografia - Fluxos migratórios
Geografia - Fluxos migratóriosGeografia - Fluxos migratórios
Geografia - Fluxos migratórios
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Geografia - Movimentos Migratórios
Geografia - Movimentos MigratóriosGeografia - Movimentos Migratórios
Geografia - Movimentos Migratórios
 
Movimentos Migratórios
Movimentos MigratóriosMovimentos Migratórios
Movimentos Migratórios
 
Geografia - Movimentos Migratórios
Geografia - Movimentos MigratóriosGeografia - Movimentos Migratórios
Geografia - Movimentos Migratórios
 
Migração
MigraçãoMigração
Migração
 
Migrações no brasil
Migrações no brasilMigrações no brasil
Migrações no brasil
 
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
 
TolêRancia E MediaçãO
TolêRancia E MediaçãOTolêRancia E MediaçãO
TolêRancia E MediaçãO
 
Mobilidade das populações
Mobilidade das populaçõesMobilidade das populações
Mobilidade das populações
 
MIGRAÇÕES TEMPORÁRIAS NO BRASIL SLIDE.pptx
MIGRAÇÕES TEMPORÁRIAS NO BRASIL SLIDE.pptxMIGRAÇÕES TEMPORÁRIAS NO BRASIL SLIDE.pptx
MIGRAÇÕES TEMPORÁRIAS NO BRASIL SLIDE.pptx
 

Mais de Conceição Fontolan

Mais de Conceição Fontolan (20)

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 

MIGRAÇÕES

  • 2.
  • 3. Entende-se por migração, qualquer mobilidade espacial feita por sociedades humanas.
  • 4. A migração é um movimento que de um lado se configura em emigração, quando o movimento é de saída de um determinado país; e imigração, quando o movimento é de entrada em um determinado país.
  • 5.
  • 6. Com isso temos países que são considerados países de emigração (aqueles onde predomina a saída de pessoas), e países de imigração (aqueles onde predomina a entrada de pessoas).
  • 7. As migrações podem ser de vários tipos. Se considerarmos o espaço de deslocamento temos : a) Migração internacional ou externa: aquela que se realiza de um país para o outro.
  • 8. b) Migração nacional ou interna: aquela que se realiza dentro do mesmo país. Essa se subdivide em : b.1) Migração inter-regional: aquela que se realiza de uma região para outra. b.2) Migração intra-regional: aquela que se realiza dentro da mesma região.
  • 9. Se levarmos em consideração o tempo de permanência do migrante temos: a) Migração definitiva: quando a migração se dá sem que o migrante saia mais do local para onde foi, ou que não volte mais para o local de onde saiu. b) Migração temporária: quando a migração se dá por um tempo que pode ser determinado ou indeterminado.
  • 11. NEM SEMPRE MIGRAR É A SOLUÇÃO
  • 14.
  • 15. Se considerarmos a forma como se deu a migração temos: a) Migração expontânea: quando ela se dá por vontade própria do migrante. b) Migração forçada: quando ela se dá por uma vontade externa ao interesse do migrante. c) Migração planejada: quando ela se dá de forma planejada afim de cumprir um determinado objetivo.
  • 16.
  • 17. ALGUNS TIPOS DE MIGRAÇÕES INTERNAS Dentre as migrações internas temos os seguintes movimentos: a) Êxodo rural: tipo de migração que se dá com a transferência de populações rurais para o espaço urbano. Esse tipo de migração em geral tende a ser definitivo. As principais causas dele são: a industrialização, a expansão do setor terciário e a mecanização da agricultura. O êxodo rural está diretamente ligado ao processo de Urbanização.
  • 19.
  • 20.
  • 21. b) Êxodo urbano: tipo de migração que se dá com a transferência de populações urbanas para o espaço rural. Hoje em dia é um tipo de migração muito incomum. c) Migração urbano-urbano: tipo de migração, que se dá com a transferência de populações de uma cidade para outra. Tipo de migração muito comum nos dias atuais.
  • 22.
  • 23. d) Migração sazonal: tipo de migração que se caracteriza por estar ligada as estações do ano. É uma migração temporária onde o migrante sai de um determinado local em um determinado período do ano, e posteriormente volta, em outro período do ano, é a chamada transumância. É o que acontece por exemplo com os sertanejos do Nordeste brasileiro.
  • 24. e) Migração diária ou pendular: tipo de migração característico de grandes cidades, no qual milhões de trabalhadores saem todas as manhãs de sua casa em direção do seu trabalho, e retornam no final do dia. Os momentos de maior aglomeração de pessoas são chamados de rush Isso se dá em virtude da periferização dos trabalhadores que muitas vezes moram a vários quilômetros de distância de seu trabalho, em alguns casos até mesmo em outras cidades que passam a ser chamadas de cidades dormitório. Nesse tipo de migração está incluído o commuting, movimentação diária de pessoas que moram em um país e trabalham ou vão buscar serviços em outro, os chamados transfronteiriços ou commuters.
  • 25.
  • 26. f) Nomadismo: tipo de migração, que se caracteriza pelo deslocamento constante de populações em busca de alimentos, abrigo, etc. Esse tipo de migração é típico de sociedades primitivas e por conta disso se encontra em extinção.
  • 27. CONSEQUÊNCIAS DAS MIGRAÇÕES Várias são as conseqUências das migrações, segundo COELHO e TERRA (2001), podemos destacar as seguintes: a) Contribuição e influência no processo de ocupação e povoamento, na distribuição geográfica da população e, é claro, no próprio desenvolvimento econômico; b) Contribuição no processo de miscigenação étnica e na ampliação e difusão cultural entre povos; c) Quando a emigração significa perda de mão de obra qualificada (fuga de cérebros), os prejuízos para o país emigratório são enormes, ao passo que para o país imigratório as vantagens são muito grandes. d) Podem acarretar mudanças de costumes, concorrência à mão de obra local e problemas políticos ideológicos, raciais, etc. e) Vantagens econômicas para os países que não tem condições de atender as necessidades básicas de suas populações.
  • 28. MIGRAÇÕES NO BRASIL No Brasil, os movimentos migratórios sempre foram muito intensos, as primeiras migrações podem ser consideradas as feitas pelos europeus, e negros africanos que foram forçados a virem para cá. De lá para os dias de hoje tivemos muitas migrações de importância fundamental para o país, como por exemplo a dos migrantes italianos no século XlX, assim como de espanhóis, eslavos, japoneses, árabes, portugueses, dentre outros. O fundamental nesse processo, além da contribuição dada ao país por esses cidadãos, é o fato do enriquecimento cultural, com a grande variação étnico-cultural com a qual o país passou a conviver. Mas, em alguns casos, formaram-se os chamados "quistos culturais", ou seja, comunidades que preservam seus hábitos costumes e língua, sem se integrarem de forma plena a cultura nacional.
  • 29. Até meados do século XX, o Brasil era um país típico de imigração, a partir da 2ª Guerra Mundial, passa a haver uma inversão nos fluxos, de imigratório o país torna-se de emigração. Hoje são milhões os brasileiros que vivem fora, principalmente em países como os EUA, Japão, Paraguai, etc. Os principais motivos que contribuem com isso são de ordem sócio econômica, ou seja, a imensa maioria dos brasileiros que daqui saem e vão em busca de melhores condições de vida, emprego, salários, etc.; acontece que na maioria das vezes não são bem recebidos onde chegam, e passam a ocupar em geral os postos de trabalho relegados pelas populações dos países para onde imigraram.
  • 30. As migrações internas também sempre foram muito intensas, como por exemplo a de habitantes do Nordeste que migraram em massa para o Centro-sul do Brasil com o declínio da cana de açúcar e o desenvolvimento da mineração, ou a de nordestinos que migraram para a Amazônia no chamado "Boom da borracha" no final do século XlX. Com a industrialização nas décadas de 60 e 70, passamos a viver de forma mais intensa migrações internas no território nacional, como a de nordestinos em direção das grandes
  • 31. metrópoles brasileiras, Rio e S. Paulo, e o intenso êxodo rural, que fez o Brasil se tornar um país predominantemente urbano em um espaço de menos de 30 anos. Na década de 70 os fluxos migratórios se direcionaram para a Amazônia, fruto da política de ocupação do território nacional imposta pelos militares, chamada "integrar para não entregar". Atualmente, as antigas metrópoles industriais não são mais os locais preferidos por migrantes, por conta do processo de desconcentração industrial, novas áreas do país passam a ser pólo de atração desses cidadãos, como o interior de S. Paulo, do Paraná, etc. As migrações continuam a ser muito comuns no Brasil, tanto do campo para a cidade, assim como as urbano-urbano. São comuns também nas grandes metrópoles brasileiras, as migrações pendulares, assim como a migração sazonal em regiões como o Nordeste.