SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Professoras: Bianca Nascimento
Conceição Áquila
TIPOS DE LEUCEMIA
 Leucemia aguda – Enfermidade agressiva
 Leucemia crônica – Doença pode ser tratada
com menos agressividade.
QUANTO AOS GLÓBULOS BRANCOS
 Leucemia Linfoide – Crianças
 Leucemia Mieloide – Adultos
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 O início das manifestações clínicas
geralmente é procedido por uma fase
silenciosa com meses ou anos de duração.
 A doença apresenta três fases de evolução.
1) FASE BENIGNA OU CRÔNICA
 Os primeiros sintomas são letargia, fraqueza
muscular, suores durante a noite e perda de
peso.
 Pequenos cortes podem provocar
sangramentos persistentes, e traumatismos
insignificantes dar origem a manchas roxas
na pele. (Hematomas)
2) FASE ACELERADA
 É caracterizada pela multiplicação mais
rápida das células malignas.
 Se não houver tratamento, a anemia se
acentua. A sintomatologia de fraqueza,
astenia, sudorese noturna e a perda de peso
ficam mais intensas.
3) FASE BLÁSTICA
 Os sintomas pioram e a doença se torna
mais agressiva. Os blastos invadem a
circulação e passam a constituir 30% ou
mais dos glóbulos brancos presentes.
 Surgem infiltrados de células leucêmicas em
vários tecidos, os linfonodos aumentam, o
baço atinge suas maiores dimensões,
anemia exige transfusões de sangue
frequentemente, infecções generalizadas e
hemorragias colocam a vida em risco.
SINTOMAS LMC
 Medula óssea deixa de produzir CÉLULAS
sanguíneas normais – Leucemias Crônicas
ASSINTOMÁTICAS
DIAGNÓSTICO
1. Hemograma – Avaliar
2. Mielograma – Analise do local afetado
3. Biopsia da medula óssea – Confirmação
 As Leucemias Crônicas, podem ser
diagnosticadas num exame de sangue
rotineiro.
 A LMC é uma doença que surge em 1 a
cada 100 mil habitantes.
 Menos de 5% dos casos ocorre na
infância e adolescência.
 Diagnóstico – 45 e 60 anos
 Apenas 1/3 dos casos acontece depois
dos 60.
CROMOSSOMO FILADÉLFIA
 Na LMC, há um desarranjo na ordenação
dos nossos genes, em linguagem genética
dizemos que ocorre uma translocação entre
os cromossomos 9 e 22.
 Essa alteração é conhecida como
cromossomo Filadélfia, nome da cidade
na qual foi descrita pela primeira vez.
TRATAMENTO LMC
 Anos 1950 – Bussulfam, capaz de retardar a
invasão da corrente sanguínea por células
malignas.
 Anos 1970 – Hidróxiuréia, permitia o controle
hematológico e possuía menor toxicidade.
 Anos 1980 e 1990 – Interferon Alfa, proteína
envolvida na resposta imunológica, provoca
desaparecimento das células leucêmicas do
sangue em 80% dos casos e do Cromossomo
Filadélfia em 58%. Primeiro medicamento capaz
de aumentar de modo significante a sobrevida.
 A partir da constatação de que os pacientes
com remissão citogenética viviam mais
tempo, a eliminação do cromossomo
Filadélfia passou a ser o objetivo primordial
do tratamento.
TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA
 A experiência com os transplantes de
medula-óssea, no ano 1990, mudou o
prognóstico da doença.
 Os resultados são melhores quando os
transplantes são realizados na fase crônica,
e em pacientes mais jovens.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 Nos últimos dez anos, a LMC deixou de ser
uma doença inexoravelmente fatal.
 Tratamentos como o imatinib, permitem que
os portadores de LMC levem vida normal.
 É fundamental seguir a orientação de seu
médico e jamais interromper o tratamento
por conta própria.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofilia
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofiliaDisfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofilia
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofiliaNEELLITON SANTOS
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferroprivablogped1
 
Alterações cromossômicas e prognóstico em leucemia mieloide cronica
Alterações cromossômicas e prognóstico em leucemia mieloide cronicaAlterações cromossômicas e prognóstico em leucemia mieloide cronica
Alterações cromossômicas e prognóstico em leucemia mieloide cronicaRinaldo Pereira
 
Peculiaridades do hemograma - Inicial
Peculiaridades do hemograma  - InicialPeculiaridades do hemograma  - Inicial
Peculiaridades do hemograma - InicialJanderson Physios
 
Leucemia Mieloblastica Aguda
Leucemia Mieloblastica Aguda Leucemia Mieloblastica Aguda
Leucemia Mieloblastica Aguda minater
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoJoão Marcos
 
Leishmaniose - Leishmania
Leishmaniose - LeishmaniaLeishmaniose - Leishmania
Leishmaniose - LeishmaniaFábio Baía
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.comJulio Dutra
 
Diagnóstico Laboratorial - Anemias
Diagnóstico Laboratorial - AnemiasDiagnóstico Laboratorial - Anemias
Diagnóstico Laboratorial - AnemiasSEMUSA
 
Bioquimica clinica roteiro
Bioquimica clinica   roteiroBioquimica clinica   roteiro
Bioquimica clinica roteiroCarolvet88
 

Mais procurados (20)

Trabalho anemia
Trabalho anemiaTrabalho anemia
Trabalho anemia
 
Leucemias
LeucemiasLeucemias
Leucemias
 
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofilia
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofiliaDisfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofilia
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofilia
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
 
Anemias
AnemiasAnemias
Anemias
 
Aglutinacao
AglutinacaoAglutinacao
Aglutinacao
 
Anemia 20
Anemia 20Anemia 20
Anemia 20
 
Alterações cromossômicas e prognóstico em leucemia mieloide cronica
Alterações cromossômicas e prognóstico em leucemia mieloide cronicaAlterações cromossômicas e prognóstico em leucemia mieloide cronica
Alterações cromossômicas e prognóstico em leucemia mieloide cronica
 
Anemia falciforme
Anemia falciformeAnemia falciforme
Anemia falciforme
 
Peculiaridades do hemograma - Inicial
Peculiaridades do hemograma  - InicialPeculiaridades do hemograma  - Inicial
Peculiaridades do hemograma - Inicial
 
Leucemia Mieloblastica Aguda
Leucemia Mieloblastica Aguda Leucemia Mieloblastica Aguda
Leucemia Mieloblastica Aguda
 
Citometria de fluxo
Citometria de fluxoCitometria de fluxo
Citometria de fluxo
 
Sangue (arquivão)
Sangue (arquivão)Sangue (arquivão)
Sangue (arquivão)
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
 
Leishmaniose - Leishmania
Leishmaniose - LeishmaniaLeishmaniose - Leishmania
Leishmaniose - Leishmania
 
Leucócitos e Leucemias
Leucócitos e LeucemiasLeucócitos e Leucemias
Leucócitos e Leucemias
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
 
Diagnóstico Laboratorial - Anemias
Diagnóstico Laboratorial - AnemiasDiagnóstico Laboratorial - Anemias
Diagnóstico Laboratorial - Anemias
 
Bioquimica clinica roteiro
Bioquimica clinica   roteiroBioquimica clinica   roteiro
Bioquimica clinica roteiro
 

Destaque (20)

LEUCEMIA MIELOIDE CRONICA
LEUCEMIA MIELOIDE CRONICALEUCEMIA MIELOIDE CRONICA
LEUCEMIA MIELOIDE CRONICA
 
LEUCEMIA MIELOIDE CRONICA
LEUCEMIA MIELOIDE CRONICALEUCEMIA MIELOIDE CRONICA
LEUCEMIA MIELOIDE CRONICA
 
Suprarrenal clase
Suprarrenal claseSuprarrenal clase
Suprarrenal clase
 
Leucemias agudas
Leucemias agudasLeucemias agudas
Leucemias agudas
 
Linfomas e llc
Linfomas e llcLinfomas e llc
Linfomas e llc
 
Anemia na Infância
Anemia na InfânciaAnemia na Infância
Anemia na Infância
 
Aula 11: Dr. Dr. Robson Coelho (Oncologista Pediátrica)
Aula 11: Dr. Dr. Robson Coelho (Oncologista Pediátrica) Aula 11: Dr. Dr. Robson Coelho (Oncologista Pediátrica)
Aula 11: Dr. Dr. Robson Coelho (Oncologista Pediátrica)
 
aula leucemia
aula leucemiaaula leucemia
aula leucemia
 
Anemia e suas características
Anemia e suas característicasAnemia e suas características
Anemia e suas características
 
H Pylori quando tratar
H Pylori quando tratarH Pylori quando tratar
H Pylori quando tratar
 
LNH - Linfoma não-Hodgkin
LNH - Linfoma não-HodgkinLNH - Linfoma não-Hodgkin
LNH - Linfoma não-Hodgkin
 
Leucemia
LeucemiaLeucemia
Leucemia
 
Linfoma de hodgkin
Linfoma de hodgkinLinfoma de hodgkin
Linfoma de hodgkin
 
H Pilori
H PiloriH Pilori
H Pilori
 
O Papel do Laboratório no Diagnóstico das Neoplasias Hematológicas
O Papel do Laboratório no Diagnóstico das Neoplasias HematológicasO Papel do Laboratório no Diagnóstico das Neoplasias Hematológicas
O Papel do Laboratório no Diagnóstico das Neoplasias Hematológicas
 
Seminário: Anemia (cuidado ao adulto)
Seminário: Anemia (cuidado ao adulto)Seminário: Anemia (cuidado ao adulto)
Seminário: Anemia (cuidado ao adulto)
 
Leucemia Linfoblástica Aguda
Leucemia Linfoblástica AgudaLeucemia Linfoblástica Aguda
Leucemia Linfoblástica Aguda
 
Anemia falciforme apresentação
Anemia falciforme apresentaçãoAnemia falciforme apresentação
Anemia falciforme apresentação
 
Leucemia Mieloide Cronica
Leucemia Mieloide CronicaLeucemia Mieloide Cronica
Leucemia Mieloide Cronica
 
LEUCEMIAS AGUDAS
LEUCEMIAS AGUDASLEUCEMIAS AGUDAS
LEUCEMIAS AGUDAS
 

Semelhante a Leucemia: Tipos, Sintomas e Tratamentos

Semelhante a Leucemia: Tipos, Sintomas e Tratamentos (20)

Leucemia slide
Leucemia   slideLeucemia   slide
Leucemia slide
 
Leucemia pronto ppt
Leucemia pronto pptLeucemia pronto ppt
Leucemia pronto ppt
 
Leucemia
LeucemiaLeucemia
Leucemia
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Anemia de fanconi - RESUMO SOBRE CITOLOGIA CLINICA
Anemia de fanconi -  RESUMO SOBRE CITOLOGIA CLINICAAnemia de fanconi -  RESUMO SOBRE CITOLOGIA CLINICA
Anemia de fanconi - RESUMO SOBRE CITOLOGIA CLINICA
 
01 antonio carlos campos dalmeida
01 antonio carlos campos dalmeida01 antonio carlos campos dalmeida
01 antonio carlos campos dalmeida
 
Gedr2
Gedr2Gedr2
Gedr2
 
LMA slides com caso clínico e explicação
LMA slides com caso clínico e explicaçãoLMA slides com caso clínico e explicação
LMA slides com caso clínico e explicação
 
Doenças Raras 2 parte
Doenças  Raras 2 parte Doenças  Raras 2 parte
Doenças Raras 2 parte
 
Interpretaodohemograma 111025214150-phpapp02
Interpretaodohemograma 111025214150-phpapp02Interpretaodohemograma 111025214150-phpapp02
Interpretaodohemograma 111025214150-phpapp02
 
LLC Hipólito Nzwalo
LLC   Hipólito NzwaloLLC   Hipólito Nzwalo
LLC Hipólito Nzwalo
 
2011
20112011
2011
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Leucemia
LeucemiaLeucemia
Leucemia
 
Leucemia
LeucemiaLeucemia
Leucemia
 
Leucemia
LeucemiaLeucemia
Leucemia
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Mielomas
MielomasMielomas
Mielomas
 
Síndromes e doenças genéticas
Síndromes e doenças genéticasSíndromes e doenças genéticas
Síndromes e doenças genéticas
 

Último

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 

Último (20)

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 

Leucemia: Tipos, Sintomas e Tratamentos

  • 2. TIPOS DE LEUCEMIA  Leucemia aguda – Enfermidade agressiva  Leucemia crônica – Doença pode ser tratada com menos agressividade.
  • 3. QUANTO AOS GLÓBULOS BRANCOS  Leucemia Linfoide – Crianças  Leucemia Mieloide – Adultos
  • 4. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  O início das manifestações clínicas geralmente é procedido por uma fase silenciosa com meses ou anos de duração.  A doença apresenta três fases de evolução.
  • 5. 1) FASE BENIGNA OU CRÔNICA  Os primeiros sintomas são letargia, fraqueza muscular, suores durante a noite e perda de peso.  Pequenos cortes podem provocar sangramentos persistentes, e traumatismos insignificantes dar origem a manchas roxas na pele. (Hematomas)
  • 6. 2) FASE ACELERADA  É caracterizada pela multiplicação mais rápida das células malignas.  Se não houver tratamento, a anemia se acentua. A sintomatologia de fraqueza, astenia, sudorese noturna e a perda de peso ficam mais intensas.
  • 7. 3) FASE BLÁSTICA  Os sintomas pioram e a doença se torna mais agressiva. Os blastos invadem a circulação e passam a constituir 30% ou mais dos glóbulos brancos presentes.  Surgem infiltrados de células leucêmicas em vários tecidos, os linfonodos aumentam, o baço atinge suas maiores dimensões, anemia exige transfusões de sangue frequentemente, infecções generalizadas e hemorragias colocam a vida em risco.
  • 8.
  • 9.
  • 10. SINTOMAS LMC  Medula óssea deixa de produzir CÉLULAS sanguíneas normais – Leucemias Crônicas ASSINTOMÁTICAS
  • 11. DIAGNÓSTICO 1. Hemograma – Avaliar 2. Mielograma – Analise do local afetado 3. Biopsia da medula óssea – Confirmação  As Leucemias Crônicas, podem ser diagnosticadas num exame de sangue rotineiro.
  • 12.  A LMC é uma doença que surge em 1 a cada 100 mil habitantes.  Menos de 5% dos casos ocorre na infância e adolescência.  Diagnóstico – 45 e 60 anos  Apenas 1/3 dos casos acontece depois dos 60.
  • 13. CROMOSSOMO FILADÉLFIA  Na LMC, há um desarranjo na ordenação dos nossos genes, em linguagem genética dizemos que ocorre uma translocação entre os cromossomos 9 e 22.
  • 14.
  • 15.
  • 16.  Essa alteração é conhecida como cromossomo Filadélfia, nome da cidade na qual foi descrita pela primeira vez.
  • 17. TRATAMENTO LMC  Anos 1950 – Bussulfam, capaz de retardar a invasão da corrente sanguínea por células malignas.  Anos 1970 – Hidróxiuréia, permitia o controle hematológico e possuía menor toxicidade.  Anos 1980 e 1990 – Interferon Alfa, proteína envolvida na resposta imunológica, provoca desaparecimento das células leucêmicas do sangue em 80% dos casos e do Cromossomo Filadélfia em 58%. Primeiro medicamento capaz de aumentar de modo significante a sobrevida.
  • 18.  A partir da constatação de que os pacientes com remissão citogenética viviam mais tempo, a eliminação do cromossomo Filadélfia passou a ser o objetivo primordial do tratamento.
  • 19. TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA  A experiência com os transplantes de medula-óssea, no ano 1990, mudou o prognóstico da doença.  Os resultados são melhores quando os transplantes são realizados na fase crônica, e em pacientes mais jovens.
  • 20. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Nos últimos dez anos, a LMC deixou de ser uma doença inexoravelmente fatal.  Tratamentos como o imatinib, permitem que os portadores de LMC levem vida normal.  É fundamental seguir a orientação de seu médico e jamais interromper o tratamento por conta própria.